Introdução à psicologia da saúde

3.307 visualizações

Publicada em

Introdução à psicologia da saúde

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.307
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
137
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à psicologia da saúde

  1. 1. INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA DA SAÚDE
  2. 2. Para a psicologia da saúde, os princípios e pesquisas se aplicam para a melhoria, tratamento e prevenção de doenças.  Suas áreas de interesse incluem: Condições sociais (como a disponibilidade de serviços de saúde) Fatores biológicos (como a longevidade da família e as vulnerabilidades hereditárias a certas doenças) Traços da personalidade (como o otimismo) SAÚDE E PSICOLOGIA DA SAÚDE
  3. 3.  De que maneira a sua capacidade de se relacionar bem com outras pessoas influencia a sua saúde?  De que maneira suas atitudes, crenças, autoconfiança e personalidade geral afetam a sua saúde?  Será que a acupuntura, a homeopatia, os tratamentos com ervas e outras formas de medicina alternativa realmente funcionam?  Até que ponto as características específicas do seu ambiente, incluindo arquitetura, nível de ruído e presença de sol estão associados à saúde?  Pode a doença ser causada por hábitos pessoais?  Por que a pobreza é uma ameaça potencialmente séria para a saúde?  A psicologia da saúde é a ciência que busca responder a estas e outras questões a respeito da forma como seu bem-estar é afetado pelo que você pensa, sente e faz. Algumas das questões que os psicólogos da saúde buscam responder:
  4. 4.  A palavra Saúde vem de uma antiga palavra da língua alemã que é representada, em inglês, pelas palavras hale ou whole, as quais se referem a um estado de "integridade do corpo". Os linguistas observam que essas palavras derivam dos campos de batalha medievais, em que a perda de haleness, ou saúde, normalmente resultava de um grave ferimento.  Atualmente, somos mais propensos a pensar na saúde como a ausência de doença, em vez de ausência de ferimento debilitante obtido no campo de batalha. Como tal definição concentra-se apenas na ausência de um estado negativo, ela é incompleta.  A saúde não se limita ao nosso bem-estar físico. O QUE É SAÚDE?
  5. 5.  Reconhecendo como inadequada e limitada a definição de saúde, a Organização das Nações Unidas estabelece a Organização Mundial da Saúde.  A OMS afirma que é um estado positivo e multidimensional que envolve três domínios: Saúde física, saúde psicológica e saúde social.  A saúde física implica um corpo vigoroso e livre de doenças, com um bom desempenho cardiovascular, sentidos aguçados, sistema imunológico vital e capacidade de resistir a ferimentos físicos.  A saúde psicológica significa ser capaz de pensar de forma clara, ter uma boa autoestima e um senso geral de bem-estar.  A saúde social envolve ter boas habilidades interpessoais, relacionamentos significativos com amigos e família, e apoio social em épocas de crise. OS TRÊS DOMÍNIOS DA SAÚDE
  6. 6.  Visões antigas – Medicina pré-histórica  Mesmo que todas as civilizações tenham sido afetadas por doenças, cada uma delas compreendia e tratava a doença de formas diferentes.  Os esforços de nossos ancestrais para curar doenças podem ser traçados até 20 mil anos atrás.  Em religiões que se baseiam em uma crença de espíritos bons e maus, somente um xamã pode influenciar esses espíritos.  Para homens e mulheres pré-industriais, que enfrentavam as forças frequentes hostis de seu ambiente, a sobrevivência baseava-se na vigilância constante contra misteriosas forças do mal.  Aproximadamente 4 mil anos atrás, algumas pessoas notaram que a higiene também desempenhava um papel na saúde e na doença e fizeram tentativas de melhorar a higiene pública. SAÚDE E DOENÇA: LIÇÕES DO PASSADO
  7. 7.  Séculos VI e V a.C.  Roma: Cloaca Maxima  Os Aediles controlavam o suprimento de alimentos  Grécia: Hipócrates (cerca de 460 a 377 a.C) estabeleceu as raízes da medicina ocidental quando se rebelou contra o antigo foco do misticismo e na superstição.  Teoria humoral Um corpo e uma mente saudáveis resultam do equilíbrio entre quatro fluidos corporais: sangue, Bile amarela, bile negra e fleuma. MEDICINA GREGA E ROMANA
  8. 8.  Personalidade sanguínea (excesso de sangue): Alegre e otimista, porém, mais suscetível a epilepsia, angina, desentria e artrite.  Tratamento: Flebotomia, banhos frios e enemas.  Personalidade fleumática: Triste, lânguida e lenta. Propensa a dores de cabeça, resfriados e acidentes vasculares cerebrais.  Tratamento: banhos quentes, diuréticos e ervas que induziam a náusea.  Personalidade colérica (excesso de bile amarela): temperamento ardente. Necessitava de um tratamento para úlceras na boca, icterícia e distúrbios estomacais  Tratamento: Sangria, dietas liquidas, enemas e banhos refrescantes.  Personalidade melancólica (excesso de bile negra): Disposição triste e sorumbática. Suscetível a ocorrência de úlceras e hepatite  Tratamento: dietas especiais, banhos quente, eméticos e queima de tecido corporal com ferro quente.
  9. 9.  Claudius Galeno:  Grego por nascimento, passou muitos anos em Roma, conduzindo estudos de dissecação de animais e tratando ferimentos graves por gladiadores romanos.  Escreveu volumes a respeito da anatomia, higiene e dieta, construídos sobre as bases da explicação racional e da descrição cuidadosa dos sintomas dos sintomas físicos de cada paciente.  Expandiu a teoria humoral.

×