SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Lições Adultos Missionários
Lição 7 - Jesus: o Mestre das missões 8 a 15 de agosto
❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: Is 59–62
VERSO PARA MEMORIZAR: “Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai Me
enviou, Eu também vos envio”. Jo 20:21.
Leituras da Semana: 2Tm 1:8, 9; Is 42:1-9; Dn 9:24-27; Lc 2:8-14; Mt 10:5, 6; At 1:1-14
De acordo com a Bíblia, uma das atividades centrais da Trindade é a missão. O Pai, o Filho e o Espírito Santo
estão envolvidos em salvar a humanidade. Sua Palavra se iniciou na queda e continuará até o fim. O Pai, o
Filho e o Espírito Santo restaurarão, então, este mundo redimido à plena unidade com a vontade divina.
Segundo os evangelhos, Jesus passou pela mudança radical assumindo a forma humana, necessária para que
Sua missão tivesse sucesso. Em Jesus Cristo, o significado da História é colocado no devido foco, toda a
atividade missionária de Deus se torna coerente e são satisfeitas as mais profundas necessidades do ser
humano quanto a uma existência significativa.
O Novo Testamento nos torna cientes dos propósitos da encarnação de Jesus Cristo. Ali vemos como Ele
delineia o programa de missão, e obtemos vislumbres de como Jesus lidou com pessoas de outras nações e de
outras religiões. Na Palavra de Deus podemos ver a incrível atividade salvadora de Deus em favor da
humanidade caída.
O que Jesus fez para nos salvar? Veio ao mundo e morreu na cruz. Se Ele me salvou, o que posso fazer por
alguém que ainda não conhece a salvação? Ore e trabalhe em favor de uma pessoa que ainda não conhece
Jesus.
❉ Domingo - Jesus no Antigo Testamento Ano Bíblico: Is 63–66
“Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem do Seu encarcerado, que sou eu; pelo
contrário, participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e
nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a Sua própria determinação e
graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos” (2Tm 1:8, 9).
Além de ser um ótimo texto sobre a futilidade da salvação pelas obras, essa passagem revela a natureza eterna
da salvação; mostra que o plano de nossa redenção já havia sido formulado há muito tempo.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
Portanto, não é de admirar que, ao longo do Antigo Testamento, Jesus Cristo seja revelado de várias formas.
São especialmente poderosas as profecias, que mostram claramente que Jesus é, de fato, o Messias.
1. Leia as seguintes passagens do Antigo Testamento, que se aplicam a Jesus. O que elas dizem sobre Ele e
Sua função como Messias? Is 61:1; Dn 9:24-27; Is 7:14; 9:6; 42:1-9
Is 61:1-2, (JFA-RA); 1 O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para
pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação
aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; 2 a apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança
do nosso Deus; a consolar todos os que choram
Dn 9:24-27, (JFA-RC); 24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade,
para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a
visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para
edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras
se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e
não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma
inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações. 27 E ele firmará um concerto com
muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa
das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o
assolador.
Is 7:14, (JFA-RA); Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um
filho e lhe chamará Emanuel.
Is 9:6, (JFA-RA); Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e
o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz;
Is 42:1-9, (ACF); 1 Eis aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus
o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios. 2 Não clamará, não se exaltará, nem fará ouvir a sua voz
na praça. 3 A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega; com verdade trará justiça. 4 Não
faltará, nem será quebrantado, até que ponha na terra a justiça; e as ilhas aguardarão a sua lei. 5 Assim diz
Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os estendeu, e espraiou a terra, e a tudo quanto produz; que dá a
respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela. 6 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te
tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios. 7 Para abrir os olhos
dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas. 8 Eu sou o SENHOR; este é o
meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura. 9 Eis que as
primeiras coisas já se cumpriram, e as novas eu vos anuncio, e, antes que venham à luz, vo-las faço ouvir.
O profeta Isaías descreve a missão de Jesus com estas palavras: “Eis o Meu servo, a quem sustento, o Meu
escolhido, em quem tenho prazer. Porei nEle o Meu Espírito, e Ele trará justiça às nações. [...] Eu, o Senhor, O
chamei para justiça; segurarei firme a Sua mão. Eu O guardarei e farei de Você um mediador para o povo e
uma luz para os gentios, para abrir os olhos aos cegos, para libertar da prisão os cativos e para livrar do
calabouço os que habitam na escuridão” (Is 42:1, 6, 7, NVI).
Reflita sobre a incrível ideia de que Jesus, o Criador, tomou sobre Si nossa humanidade, e nela viveu e morreu
por nós. Que grande esperança isso lhe oferece neste mundo sem esperança alguma?
❉ Segunda - O Desejado de Todas as Nações Ano Bíblico: Jr 1–3
Jesus Cristo é Senhor da igreja e do mundo. Sua vinda foi o cumprimento das expectativas do Antigo
Testamento a respeito de uma comunidade de salvos que se estenderia muito além do povo judeu. A vinda de
Jesus, especialmente Seu sofrimento e ressurreição, iniciou uma nova era na qual desapareceu a distinção entre
judeus e gentios, no que diz respeito ao evangelho. Jerusalém continuaria sendo o centro, pelo menos por certo
tempo. Contudo, o ponto de partida não mais seria o templo de Herodes localizado ali, mas os judeus
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
convertidos a Cristo; eles haviam se tornado o templo vivo. Esses cristãos judeus seriam, então, o verdadeiro
“remanescente” de Israel.
Esse anúncio da missão mundial, universal, de Cristo, como Salvador de todas as nações, foi repetido em Seu
nascimento, durante Sua infância e em Seu batismo.
2. O que as passagens seguintes ensinam sobre a missão universal de Jesus ao mundo?
Lc 2:8-14, (JFA-RC); 8 Ora, havia, naquela mesma comarca, pastores que estavam no campo e guardavam
durante as vigílias da noite o seu rebanho. 9 E eis que um anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor
os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. 10 E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago
novas de grande alegria, que será para todo o povo, 11 pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador,
que é Cristo, o Senhor. 12 E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto em panos e deitado numa
manjedoura. 13 E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a
Deus e dizendo: 14 Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens!
Lc 2:25-33, (JFA-RC); 25 Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e
temente a Deus, esperando a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. 26 E fora-lhe revelado
pelo Espírito Santo que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor. 27 E, pelo Espírito, foi ao
templo e, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei, 28 ele,
então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: 29 Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu
servo, segundo a tua palavra, 30 pois já os meus olhos viram a tua salvação, 31 a qual tu preparaste perante a
face de todos os povos, 32 luz para alumiar as nações e para glória de teu povo Israel. 33 José e Maria se
maravilharam das coisas que dele se diziam.
Lc 3:3-6, (JFA-RC); 3 E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento,
para o perdão dos pecados, 4 segundo o que está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que diz: Voz
do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas. 5 Todo vale se encherá, e
se abaixará todo monte e outeiro; e o que é tortuoso se endireitará, e os caminhos escabrosos se aplanarão; 6 e
toda carne verá a salvação de Deus.
Jo 1:29, (JFA-RA); No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que
tira o pecado do mundo!
Sem dúvida, Jesus veio como Salvador de toda a humanidade. O que essa verdade significa para nós, no
contexto da missão?
“O espírito missionário necessita ser reavivado em nossas igrejas. Cada membro deve estudar de que modo
poderá contribuir para o avanço da causa de Deus, tanto em seu país quanto em terras estrangeiras. Mal se tem
realizado nos campos missionários a milésima parte do que deveria ser feito. Deus convida Seus obreiros a
anexar novos territórios para Ele. Existem ricos campos de trabalho aguardando pelo obreiro fiel” (Ellen G.
White, Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 29).
❉ Terça - Missão em favor dos judeus Ano Bíblico: Jr 4–6
“Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15:24).
Entre Sua primeira aparição pública e Sua crucifixão, Jesus concentrou Seu ministério quase exclusivamente
nos judeus, e especialmente na Galileia. O Senhor Se dirigiu primeiro a Israel. Antes da cruz há bem poucas
mensagens de boas-novas para os gentios.
Aparentemente, Jesus desejava despertar o povo judeu para o lugar, o propósito e o papel que eles tinham na
missão geral de Deus em favor da humanidade perdida. Os israelitas deviam ter a oportunidade de ser
testemunhas da mensagem de Deus ao mundo.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
3. Leia Mateus 10:5, 6. Que motivo Jesus teria para dizer essas palavras? Como entendê-las no contexto do
propósito universal do que Cristo veio fazer e no contexto da missão como um todo? Compare essa passagem
com Mateus 28:19.
Mt 10:5-6, (JFA-RA); A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos
gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; 6 mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de
Israel;
Mt 28:19, (JFA-RA); Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do
Filho, e do Espírito Santo;
Quando consideramos a vida e o ministério de Jesus, precisamos observar uma clara distinção entre Seu
pensamento, ideais, princípios e planejamento, por um lado, e a maneira pela qual Ele realizou esses
propósitos, por outro. Em Sua vida e ministério diários, Ele Se identificou com a cultura judaica, assim como
o Antigo Testamento predisse a respeito do Messias. Mas o impacto de Sua encarnação era universalmente
aplicável. Por Sua morte e ressurreição, Ele levaria os pecados do mundo (Jo 1:29).
Detectamos aqui um importante princípio bíblico para o estabelecimento da missão. O primeiro passo foi dado
no sentido de criar um centro a fim de estabelecer uma base geográfica e cultural forte e estável: Israel e o
povo judeu. Depois que isso tivesse sido realizado, o passo seguinte da missão seria o desenvolvimento para
fora, a partir do centro, numa extensão cada vez mais ampla.
Pense na igreja que você frequenta. Ela reflete as ideias expressas acima, sendo uma base forte e estável que se
expande para alcançar os outros? Como vocês podem evitar o perigo de se voltarem para si mesmos, ficando
preocupados apenas com as próprias necessidades, em detrimento do testemunho e da missão?
❉ Quarta - Missão em favor dos gentios Ano Bíblico: Is 49–51
Embora Jesus tivesse passado a maior parte de Seu tempo entre os judeus, servindo-os em seu contexto
cultural, Ele deixou claro, em Seus ensinos e em Seu ministério, que Sua missão era universal. O evangelho
devia ser pregado às nações, sendo Israel a base inicial. A salvação dos gentios é parte do plano de Deus. Ela
foi incorporada aos ensinos de Jesus.
4. Quais declarações de Jesus indicam que a missão da igreja incluía outros povos além dos judeus?
Mt 5:13-14, (JFA-RC); 13 Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada
mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo; não se pode
esconder uma cidade edificada sobre um monte;
Mc 14:9, (JFA-RA); Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também
contado o que ela fez, para memória sua.
Mt 13:36-43, (JFA-RC); 36 Então, tendo despedido a multidão, foi Jesus para casa. E chegaram ao pé dele os
seus discípulos, dizendo: Explica-nos a parábola do joio do campo. 37 E ele, respondendo, disse-lhes: O que
semeia a boa semente é o Filho do Homem, 38 o campo é o mundo, a boa semente são os filhos do Reino, e o
joio são os filhos do Maligno. 39 O inimigo que o semeou é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros
são os anjos. 40 Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo. 41
Mandará o Filho do Homem os seus anjos, e eles colherão do seu Reino tudo o que causa escândalo e os que
cometem iniqüidade. 42 E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali, haverá pranto e ranger de dentes. 43 Então, os
justos resplandecerão como o sol, no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir, que ouça.
Apesar do fato de Jesus ter trabalhado principalmente entre os judeus, não há dúvida de que, desde o princípio,
Sua missão era em favor do mundo todo. Já em Seu batismo, João Batista reconheceu isso claramente: “No dia
seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!”
(Jo 1:29). A palavra “mundo” (do grego kosmos), ocorre cerca de cem vezes nos evangelhos.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
Aproximadamente a metade delas se refere ao propósito mundial de Jesus como Redentor.
Na parábola que Jesus contou em Lucas 14:16-24, os convidados para a ceia deram todo tipo de desculpas
para não ir. Leia essas desculpas novamente. Até certo ponto, nenhuma delas parecia absurda, não é mesmo?
Que lição importante aprendemos com isso?
Lc 14:16-24, (JFA-RA); 16 Ele, porém, respondeu: Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. 17
À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado. 18 Não
obstante, todos, à uma, começaram a escusar-se. Disse o primeiro: Comprei um campo e preciso ir vê-lo; rogo-
te que me tenhas por escusado. 19 Outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te
que me tenhas por escusado. 20 E outro disse: Casei-me e, por isso, não posso ir. 21Voltando o servo, tudo
contou ao seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse ao seu servo: Sai depressa para as ruas e becos da
cidade e traze para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. 22 Depois, lhe disse o servo: Senhor, feito
está como mandaste, e ainda há lugar. 23 Respondeu-lhe o senhor: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a
todos a entrar, para que fique cheia a minha casa. 24Porque vos declaro que nenhum daqueles homens que
foram convidados provará a minha ceia.
Quinta - A grande comissão Ano Bíblico: Jr 10–13
Jesus passou os 40 dias entre Sua ressurreição e Sua ascensão primariamente na preparação dos discípulos e de
Sua igreja para o evangelismo mundial. O relato da ascensão mais conhecido e citado é o de Mateus. Contudo,
durante esse período houve outras ocasiões nas quais o Cristo ressuscitado pode ter dado detalhes adicionais
sobre a comissão evangélica. Houve duas aparições em Jerusalém, duas na Galileia (uma junto ao Mar de
Tiberíades, outra no topo da colina) e uma reunião relatada em Atos 1:1-14.
5. Há seis ocasiões nas quais a narrativa da Grande Comissão é abordada, sob vários ângulos: numa montanha
na Galileia (Mt 28:18-20); à mesa (Mc 16:15-20); na estrada para Emaús (Lc 24:13-31); no cenáculo (Jo
20:19-31); na praia (Jo 21:4-25); quando Cristo foi elevado aos Céus (At 1:1-11). Quais pontos-chave esses
incidentes têm em comum?
Mt 28:18-20, (ACF); 18 E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.
19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito
Santo; 20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco
todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Mc 16:15-20, (ACF); 15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. 16 Quem crer
e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. 17 E estes sinais seguirão aos que crerem: Em
meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; 18 Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma
coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. 19 Ora, o Senhor,
depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus. 20 E eles, tendo partido,
pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se
seguiram. Amém.
Lc 24:13-31, (ACF); 13 E eis que no mesmo dia iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém
sessenta estádios, cujo nome era Emaús. 14 E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. 15 E
aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia
com eles. 16 Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. 17 E ele lhes disse:
Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes? 18 E, respondendo um,
cujo nome era Cléopas, disse-lhe: És tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm
sucedido nestes dias? 19 E ele lhes perguntou: Quais? E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus
Nazareno, que foi homem profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo; 20 E como
os principais dos sacerdotes e os nossos príncipes o entregaram à condenação de morte, e o crucificaram. 21 E
nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde
que essas coisas aconteceram. 22 É verdade que também algumas mulheres dentre nós nos maravilharam, as
quais de madrugada foram ao sepulcro; 23 E, não achando o seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
visto uma visão de anjos, que dizem que ele vive. 24 E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e
acharam ser assim como as mulheres haviam dito; porém, a ele não o viram. 25 E ele lhes disse: O néscios, e
tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26 Porventura não convinha que o Cristo
padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? 27 E, começando por Moisés, e por todos os profetas,
explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras. 28 E chegaram à aldeia para onde iam, e ele fez
como quem ia para mais longe. 29 E eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque já é tarde, e já
declinou o dia. E entrou para ficar com eles. 30 E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o
abençoou e partiu-o, e lho deu. 31 Abriram-se-lhes então os olhos, e o conheceram, e ele desapareceu-lhes.
Jo 20:19-31, (ACF); 19 Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os
discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja
convosco. 20 E, dizendo isto, mostrou-lhes as suas mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram,
vendo o Senhor. 21 Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também
eu vos envio a vós. 22 E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. 23
Àqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos. 24
Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. 25 Disseram-lhe, pois, os
outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não
puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. 26 E
oito dias depois estavam outra vez os seus discípulos dentro, e com eles Tomé. Chegou Jesus, estando as
portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco. 27 Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu
dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. 28 E
Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! 29 Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste;
bem-aventurados os que não viram e creram. 30 Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos
muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. 31 Estes, porém, foram escritos para que creiais que
Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.
Jo 21:4-25, (ACF); 4 E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que
era Jesus. 5 Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não. 6 E ele lhes
disse: Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na, pois, e já não a podiam tirar, pela
multidão dos peixes. 7 Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando
Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar. 8 E os
outros discípulos foram com o barco (porque não estavam distantes da terra senão quase duzentos côvados),
levando a rede cheia de peixes. 9 Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e
pão. 10 Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que agora apanhastes. 11 Simão Pedro subiu e puxou a rede para
terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede. 12 Disse-lhes
Jesus: Vinde, comei. E nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: Quem és tu? sabendo que era o Senhor.
13 Chegou, pois, Jesus, e tomou o pão, e deu-lhes e, semelhantemente o peixe. 14 E já era a terceira vez que
Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dentre os mortos. 15 E, depois de terem
jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim,
Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. 16 Tornou a dizer-lhe segunda vez:
Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas
ovelhas. 17 Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito
terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta
as minhas ovelhas. 18 Na verdade, na verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias a ti mesmo, e
andavas por onde querias; mas, quando já fores velho, estenderás as tuas mãos, e outro te cingirá, e te levará
para onde tu não queiras. 19 E disse isto, significando com que morte havia ele de glorificar a Deus. E, dito
isto, disse-lhe: Segue-me. 20 E Pedro, voltando-se, viu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, e
que na ceia se recostara também sobre o seu peito, e que dissera: Senhor, quem é que te há de trair? 21 Vendo
Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será? 22 Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu
venha, que te importa a ti? Segue-me tu. 23 Divulgou-se, pois, entre os irmãos este dito, que aquele discípulo
não havia de morrer. Jesus, porém, não lhe disse que não morreria, mas: Se eu quero que ele fique até que eu
venha, que te importa a ti? 24 Este é o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu
testemunho é verdadeiro. 25 Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais
fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
At 1:1-14, (ACF); 1 Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a
ensinar, 2 Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos
apóstolos que escolhera; 3 Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e
infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino
de Deus. 4 E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a
promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. 5 Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós
sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. 6 Aqueles, pois, que se haviam reunido
perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? 7 E disse-lhes: Não vos
pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. 8 Mas recebereis a
virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em
toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. 9 E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas,
e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. 10 E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia,
eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. 11 Os quais lhes disseram: Homens galileus,
por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim
como para o céu o vistes ir. 12 Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está
perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado. 13 E, entrando, subiram ao cenáculo, onde
habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o
Zelote, e Judas, irmão de Tiago. 14 Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as
mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos.
Sob o poder do Espírito Santo e em obediência às palavras de Jesus, os apóstolos se espalharam rapidamente
pelo mundo antigo. Paulo pregou na costa norte do Mediterrâneo; Filipe trabalhou em Samaria. Segundo uma
antiga tradição cristã, Mateus viajou para a Etiópia e Tomé para a Índia.
Embora tendo começado em pequeno número, e com tanta oposição, pela graça do Senhor esses fiéis
seguidores foram capazes de espalhar a mensagem do evangelho ao mundo. Apesar de suas falhas, pontos
fracos, temores e lutas, eles aceitaram o chamado e trabalharam pela salvação do mundo, isto é, procuraram
compartilhar o que aprenderam sobre Jesus, o que obtiveram dEle. Não é isso que significa ser cristão?
O que você recebeu em Cristo? Como sua resposta a isso deve influenciar sua atitude para com o testemunho a
outros e a missão em favor deles?
Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Jr 14–16
De acordo com Mateus, Jesus predisse que “será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para
testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt 24:14). Ao mesmo tempo, as Escrituras deixam claro
outro ponto: “A respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos Céus, nem o Filho, senão o Pai”
(Mt 24:36). Note igualmente as palavras de Jesus: “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai
reservou pela Sua exclusiva autoridade” (At 1:7).
Assim, embora as boas-novas do evangelho tenham sido pregadas, e estejam sendo pregadas como nunca
antes, e embora creiamos que a vinda de Cristo ocorrerá em breve, “não devemos ficar envolvidos com
especulações a respeito dos tempos e épocas que Deus não revelou. Jesus disse a Seus discípulos que
vigiassem, mas não em relação a um tempo definido. Seus seguidores devem estar na posição daqueles que
estão atentos às ordens de seu Capitão; devem vigiar, esperar, orar e trabalhar à medida que vão se
aproximando do tempo da vinda do Senhor” (Ellen G. White, The Advent Review and Sabbath Herald, 22 de
março de 1892).
Perguntas para reflexão
1. Apesar do claro ensino quanto a não marcar datas para a vinda de Cristo, raramente passa um ano sem
notícias sobre algum grupo cristão marcando uma data para esse evento. Por que as pessoas insistem em fazer
isso, além do fato de que é uma boa técnica para levantar recursos? (Afinal, se Jesus voltará em 19 de junho de
2016, ou em qualquer outra data, para que servirá seu dinheiro agora?) Por que é tão ruim para o testemunho
cristão que essas datas, ano após ano, se demonstrem falsas?
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
2. Pense nos obstáculos que os cristãos primitivos enfrentaram para cumprir a missão, considerando que eles
eram tão poucos. Quais são os obstáculos que enfrentamos na missão hoje? O que podemos aprender sobre o
sucesso da igreja primitiva que nos ajuda a fazer o que fomos chamados a empreender?
Respostas sugestivas: 1. O Espírito de Deus estaria sobre Ele para pregar, curar e libertar; Ele morreria num
tempo específico, na metade da 70a semana de Daniel; nasceria de uma virgem; o governo estaria sobre Seus
ombros; era Deus e eterno; seria o mediador da aliança e luz para os gentios. 2. No nascimento de Jesus, os
anjos anunciaram paz na Terra entre os homens; Simeão disse que Jesus traria a salvação que Deus havia
preparado diante de todos os povos, e seria luz para os gentios e glória para Israel; João Batista, referindo-se à
missão de Jesus, disse que toda carne veria a salvação de Deus; também anunciou Jesus como o Cordeiro de
Deus, que tira o pecado do mundo. 3. Jesus estabeleceu primeiramente uma base em Israel, para que depois os
cristãos saíssem dali e levassem o evangelho a todo o mundo. 4. Jesus chamou os discípulos de sal da Terra e
luz do mundo, indicando um alcance universal de sua missão; Jesus disse que o evangelho seria pregado em
todo o mundo; na parábola da ceia, disse que, como os primeiros convidados não eram dignos, o servo devia ir
também aos caminhos e atalhos (o restante do mundo) e obrigar todos a entrar; na parábola do joio e do trigo,
Jesus disse que o campo é o mundo. 5. O encontro com o Cristo ressuscitado; a missão de compartilhar aquilo
que tiveram o privilégio de conhecer; e o fato de que essa missão deveria alcançar todo o mundo; a missão foi
dada por Cristo àqueles que testemunharam Sua vitória sobre a morte.
Auxiliar - Resumo
Texto-chave: João 20:21
O aluno deverá:
Saber: A importância vital de um conceito integral da missão que Deus nos confiou.
Sentir: A responsabilidade de ser enviado como embaixador de Cristo na Terra para cumprir a missão.
Fazer: Demonstrar o cuidado de Jesus pelas pessoas, que abrange os aspectos físico, espiritual e emocional.
Esboço
I. Saber: Somos enviados como embaixadores
A. O que nos leva a ser embaixadores de Deus para cumprir a missão (2Co 5:14)?
B. Nossa missão é continuar a obra de Jesus na Terra (Jo 20:21). Como Paulo descreve a missão de Jesus (2Co
5:18)?
C. A verdadeira missão integral precisa equilibrar as dimensões física e psíquica. Mateus nos diz que Jesus
olhou para as multidões e teve compaixão delas. De que outra forma ele descreve o ministério de Jesus (Mt
9:35, 36)?
II. Sentir: A missão compassiva
A verdadeira missão é motivada pelo amor, não por um sentimento de obrigação. Por que Jesus teve
compaixão das multidões (Mt 9:36)?
III. Fazer: Envolver-se na missão
A. Como você pode demonstrar o amor de Jesus no local de trabalho ou na escola?
B. Como podemos fazer com que nossas igrejas sejam voltadas para a comunidade, e torná-las locais em que
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
todos os membros estejam empenhados em alguma forma de ministério integral?
Resumo: Como embaixadores de Cristo, somos chamados para uma missão ampla, que toque a vida das
pessoas, aqui e agora, mas que também as conduza à vida eterna.
Ciclo do Aprendizado
Motivação
Focalizando as Escrituras: Marcos 16:15-20
Conceito-chave para o crescimento espiritual: No ministério de reconciliação que Jesus exerceu na Terra, Ele
exemplificou a abordagem amorosa e completa que deve guiar nossa maneira de realizar a obra missionária
hoje.
Para o professor: Alguém disse que Jesus é “Deus expresso em linguagem que os seres humanos conseguem
entender”. Talvez possamos também dizer que Jesus é “a missão expressa em linguagem que os seres humanos
conseguem entender”. O apóstolo Paulo diz que Jesus nos deu “o ministério da reconciliação” (2Co 5:18) e
que somos “embaixadores de Cristo” (v. 20). Nesta semana, analise com a classe o que significa ser
embaixador de Cristo na Terra, promovendo Seu ministério de reconciliação e seguindo Sua abordagem
integral.
Discussão de abertura
Sendo um famoso escritor e erudito, C. S. Lewis tinha uma agenda extremamente cheia. Mas, a despeito das
intensas demandas de seu tempo, ele respondia pessoalmente e, na maior parte das vezes, à mão, milhares de
cartas que recebia, vindas do mundo todo. Ele orava pelas pessoas que lhe escreviam, muitas das quais nunca
havia conhecido, e até enviava dinheiro aos que estavam passando necessidades. As pessoas às vezes
simplesmente iam até sua casa, e ele as convidava a entrar e lhes servia alguma coisa. Ajudava a sustentar
alunos que não podiam pagar os estudos e abria sua casa às crianças necessitadas. Por três meses, ele
hospedou em casa um adolescente com deficiência mental e o ensinou a ler. Ali estava um homem que
lecionava para os melhores alunos do mundo nas universidades de Oxford e Cambridge, e que escrevia
poderosas obras apologéticas em defesa do cristianismo, porém sabia que, ao seguir Jesus, precisava amar não
só por palavras, mas por atos (1Jo 3:18). Troque ideias com a classe a respeito de maneiras práticas de
testemunhar por meio de palavras e atos.
Compreensão
Para o professor: O conceito bíblico das boas-novas é rico e multifacetado, e tem implicações sobre o que
Deus está fazendo agora com Seu reino na Terra e sobre o que Ele planeja fazer futuramente, na Nova Terra.
Inclui a promessa da salvação eterna, no futuro, e a ação libertadora de Deus em todas as dimensões da vida,
no presente. N. T. Wright fala sobre “a transformadora notícia da justiça salvadora de Deus para toda a
criação”. Ele acrescenta: “Essa é uma definição bem completa, e cada mínimo elemento dela é importante”
(Simply Christian: Why Christianity Makes Sense [Simplesmente cristão: por que o cristianismo faz sentido].
Nova York: HarperCollins, 2006; p. 200). Nesta semana, troque ideias com a classe sobre a amplitude da
missão divina no mundo. O que essa missão envolve, e o que está incluído nela? De que maneiras a mensagem
da Bíblia é uma boa notícia para todos os aspectos da nossa vida?
Comentário Bíblico
I. A missão integral de Jesus: parte 1 (Recapitule com a classe Isaías 42:1-9.)
Essa profecia messiânica delineia a missão completa de Jesus. É uma missão para várias categorias de pessoas:
gentios, cegos, os que estão na prisão e “os que jazem em trevas”. É uma missão libertadora: trazer justiça, dar
luz, abrir os olhos e libertar cativos.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
Esses versos apresentam um estreito paralelo com outra passagem messiânica de Isaías (capítulo 61), em que
Jesus está novamente envolvido num ministério integral em favor dos pobres, prisioneiros, cegos e oprimidos.
É um ministério que proclama “boas-novas”, “libertação” e “restauração da vista” (ver Lc 4:18). É um erro ver
a missão de Jesus apenas em termos materiais, isto é, um evangelho social de ajuda aos pobres, encarcerados,
deficientes e politicamente oprimidos. É também um erro espiritualizar a missão e considerar que essas
categorias representam apenas os que são espiritualmente cegos, aprisionados, empobrecidos ou oprimidos.
Jesus estava falando sobre a libertação tanto espiritual quanto física. Ele traz boas-novas para todas as
dimensões da vida.
Comentando sobre a passagem de Lucas, Ellen G. White diz: “Nosso Senhor Jesus Cristo era a majestade do
Céu, contudo veio ao nosso mundo como um médico, ministrador da cura para as enfermidades físicas e
espirituais” (“The Work of Today” [A obra para hoje], The Gospel Health, 1o de setembro de 1898).
Pense nisto: Temos incluído o cuidado físico e espiritual em nossa missão de fazer discípulos? Como evitar o
perigo de, por um lado, acabar pregando apenas um “evangelho social” e, por outro, nos concentrar apenas na
salvação individual?
II. A missão integral de Jesus: parte 2 (Recapitule com a classe Mateus 10:5-8 e Marcos 16:15-20.)
Nesses versos, lemos parte das últimas palavras de conselho de Jesus aos 12 discípulos antes de enviá-los para
ministrar ao povo. Durante muitos meses, eles haviam estado sob Seu cuidado. Ele os havia ensinado, havia
sido seu mentor e tinha dado, pessoalmente, o exemplo de como ministrar. Agora era tempo de praticar o que
haviam aprendido.
Jesus lhes disse que deviam ir e pregar, curar doentes, ressuscitar mortos, curar leprosos e expulsar demônios
(Mt 10:7, 8). Note que os discípulos foram enviados (v. 5) e que lhes foi dito: “Vão” (v. 7, NTLH). Eles não
foram instruídos a tentar atrair as pessoas para algum grande evento. Em vez disso, deviam seguir o método
missionário do Cristo encarnado: ir pessoalmente até as pessoas onde elas estivessem.
Mais tarde, após Sua ressurreição, Jesus instruiu os 11 discípulos que restaram. Ordenou-lhes que fossem ao
mundo todo para pregar as boas-novas, mas declarou que, juntamente com isso, vários sinais e maravilhas
seriam realizados, inclusive expulsão de demônios e cura de enfermos (Mc 16:15-18).
De maneira maravilhosa, Ellen G. White resume, em cinco passos, o método que Jesus usava para ministrar.
Primeiro, o Salvador Se “misturava” com as pessoas de maneira amorosa e solícita. Segundo, Ele mostrava
“compaixão” por elas. Então, “ministrava-lhes às necessidades”, “granjeava-lhes a confiança” e então lhes
ordenava: “Segue-Me”. Ellen G. White chegou a dizer que esse método é o único que trará “verdadeiro êxito”
(A Ciência do Bom Viver, p. 143).
Jesus não apenas pregava às pessoas. Na verdade, Ele passava mais tempo cuidando das suas necessidades
físicas. Para Ele, o ministério era integral, um equilíbrio entre o físico e o espiritual.
Algumas pessoas fazem distinção entre assistência social e assistência humanitária, por um lado, e
evangelismo, por outro. Jesus não fazia essa separação. Como seguidores de Jesus, devemos dar às pessoas um
copo d’água, mas também almejar que elas aceitem a água da vida. Obviamente, devemos ser cuidadosos em
assegurar que nossa assistência às pessoas não esteja condicionada à sua decisão de se tornar cristãs. Vamos
orar e trabalhar para levá-las a Jesus, mas continuaremos amando e ajudando as pessoas, seja qual for o
caminho que escolham.
Pense nisto: Reflita sobre cada um dos passos contidos no exemplo de Jesus quanto a ministrar às pessoas:
misturar-se entre elas, mostrar compaixão, atender às suas necessidades, ganhar a confiança e convidar as
pessoas a segui-Lo. É seguro dispensar algum desses passos? Por quê? Pense num esforço evangelístico
recente feito por sua igreja e analise se todos esses elementos do método de Jesus estiveram presentes. Se não,
quais passos foram negligenciados?
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
Aplicação
Para o professor: Enfatize que, em nosso testemunho, uma abordagem intelectual das boas-novas não é
suficiente. É preciso que estejam relacionadas à vida, isto é, ao que é importante, significativo e urgente para a
pessoas. Se não estiverem, não terão poder, e alguma outra coisa vai tomar seu lugar. Pedro escreveu:
“Estejam com a mente preparada, prontos para agir; estejam alertas” (1Pe 1:13, NVI). As crenças precisam
estar relacionadas à vida. Precisamos personificar o que cremos. Pedro passou grande parte de sua existência
agindo com a mente despreparada, mas o Espírito Santo o transformou e o preparou para a ação. Ele, então,
passou a dedicar a vida a compartilhar as boas-novas de seu maravilhoso Salvador.
Pergunta para reflexão
Que passos práticos podemos dar a fim de preparar a mente para a ação?
Atividade
Escolha algumas crenças fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia para ser analisadas na classe.
Dependendo do tamanho da classe, você pode dividi-la em grupos menores para discussão, ou então analisar o
assunto com o grupo todo. Convide cada grupo a examinar uma crença fundamental e discutir como pode ser
aplicada, de maneira significativa, a um evento ou assunto atual. Convide cada grupo a apresentar suas ideias
para o restante da classe.
Criatividade e atividades práticas
Para o professor: O correspondente latino da palavra que Paulo usou para embaixador é legatus, um termo
bastante conhecido no mundo romano da antiguidade (2Co 5:20). Os legados diplomáticos comissionados pelo
imperador eram seus representantes pessoais em países estrangeiros. Toda vez que Roma conquistava um novo
território, o legado ia junto com o general vitorioso para combinar os termos de paz, determinar fronteiras e
redigir medidas constitucionais. Sua tarefa era supervisionar o processo de trazer o novo território e seus
povos para o âmbito do Império Romano. Analise com a classe de que forma nós, como embaixadores de
Deus, temos o maravilhoso privilégio de levar pessoas a se tornar cidadãs de Seu reino e membros de Sua
família.
Atividade
Convide os membros da classe a imaginar que estão “redigindo os termos” para que alguém se torne cristão,
membro da família de Deus. Como seria a lista? Analisem as ideias uns dos outros.
Conclua a classe com um momento de oração. Encoraje cada pessoa a orar pela presença do Espírito Santo em
sua vida e na vida de sua igreja para representar Cristo na comunidade em que vivem.
Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?
É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização da Casa Publicadora Brasileira.
Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGR
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGRLição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGR
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGRGerson G. Ramos
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finaisfrenjr
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRGerson G. Ramos
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosGerson G. Ramos
 
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGRGerson G. Ramos
 
Caminhada do Advento
Caminhada do AdventoCaminhada do Advento
Caminhada do AdventoJMVSobreiro
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Fernando Chapeiro
 
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015Gerson G. Ramos
 
Recriação_Resumo_Lição_1312013
Recriação_Resumo_Lição_1312013Recriação_Resumo_Lição_1312013
Recriação_Resumo_Lição_1312013Gerson G. Ramos
 
(2) morris cerullo a última grande transferência de riquezas
(2) morris cerullo   a última grande transferência de riquezas(2) morris cerullo   a última grande transferência de riquezas
(2) morris cerullo a última grande transferência de riquezasCzar D'alma poeta
 
4º dia
4º dia4º dia
4º diababins
 
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013Nossa mensagem profética_Resumo_1142013
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013Gerson G. Ramos
 

Mais procurados (20)

Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGR
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGRLição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGR
Lição 612016_Vitória no deserto_GGR + textos_GGR
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Capítulo 9 de daniel
Capítulo 9 de danielCapítulo 9 de daniel
Capítulo 9 de daniel
 
O concerto de Deus com Davi
O concerto de Deus com DaviO concerto de Deus com Davi
O concerto de Deus com Davi
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
 
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
❉ Respostas_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
 
Caminhada do Advento
Caminhada do AdventoCaminhada do Advento
Caminhada do Advento
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Preparação para a crise final
Preparação para a crise finalPreparação para a crise final
Preparação para a crise final
 
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015
Crucificado e ressurreto_Lição_original com textos_1322015
 
Recriação_Resumo_Lição_1312013
Recriação_Resumo_Lição_1312013Recriação_Resumo_Lição_1312013
Recriação_Resumo_Lição_1312013
 
(2) morris cerullo a última grande transferência de riquezas
(2) morris cerullo   a última grande transferência de riquezas(2) morris cerullo   a última grande transferência de riquezas
(2) morris cerullo a última grande transferência de riquezas
 
4º dia
4º dia4º dia
4º dia
 
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013Nossa mensagem profética_Resumo_1142013
Nossa mensagem profética_Resumo_1142013
 
O grande conflito e a Saúde
O grande conflito e a SaúdeO grande conflito e a Saúde
O grande conflito e a Saúde
 

Semelhante a Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos

Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24
Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24
Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24José Lima
 
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e C
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e CLeituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e C
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e CJosé Lima
 
Natal dia 24 noite - Ano A
Natal dia 24 noite - Ano ANatal dia 24 noite - Ano A
Natal dia 24 noite - Ano AJosé Lima
 
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)O ÚLTIMO CHAMADO
 
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013Gerson G. Ramos
 
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013Gerson G. Ramos
 
Christmas Eve Portuguese Mass
Christmas Eve Portuguese MassChristmas Eve Portuguese Mass
Christmas Eve Portuguese MassMariadaSilva95
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011jesmioma
 
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano C
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano CLeituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano C
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano CJosé Lima
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassMariadaSilva95
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassMariadaSilva95
 
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso Senhor
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso SenhorArrebatamento de Cristo Jesus nosso Senhor
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso SenhorSamuelAnjos13
 
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano C
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano CLeituras: 1° Domingo do Advento - Ano C
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano CJosé Lima
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassMariadaSilva95
 
Voz da Paróquia Julho 2016
Voz da Paróquia Julho 2016Voz da Paróquia Julho 2016
Voz da Paróquia Julho 2016jesmioma
 

Semelhante a Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos (20)

Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24
Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24
Leituras: O NATAL DO SENHOR, dia 24
 
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e C
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e CLeituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e C
Leituras: Natal dia 24 noite - Anos A, B e C
 
Natal dia 24 noite - Ano A
Natal dia 24 noite - Ano ANatal dia 24 noite - Ano A
Natal dia 24 noite - Ano A
 
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
 
Daniel 9
Daniel 9Daniel 9
Daniel 9
 
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_resumo_432013
 
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013
Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento_Lição_original com textos_332013
 
Christmas Eve Portuguese Mass
Christmas Eve Portuguese MassChristmas Eve Portuguese Mass
Christmas Eve Portuguese Mass
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Ezequiel lição 9
Ezequiel   lição 9Ezequiel   lição 9
Ezequiel lição 9
 
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano C
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano CLeituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano C
Leituras: Domingo da Ascensão do Senhor - Ano C
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
 
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso Senhor
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso SenhorArrebatamento de Cristo Jesus nosso Senhor
Arrebatamento de Cristo Jesus nosso Senhor
 
Missa perseverança 2012
Missa perseverança 2012  Missa perseverança 2012
Missa perseverança 2012
 
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano C
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano CLeituras: 1° Domingo do Advento - Ano C
Leituras: 1° Domingo do Advento - Ano C
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
 
Voz da Paróquia Julho 2016
Voz da Paróquia Julho 2016Voz da Paróquia Julho 2016
Voz da Paróquia Julho 2016
 
12 a dispensacao_milenio
12 a dispensacao_milenio12 a dispensacao_milenio
12 a dispensacao_milenio
 
O Filho_232014_GGR
O Filho_232014_GGRO Filho_232014_GGR
O Filho_232014_GGR
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRGerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
 

Último

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 

Último (7)

ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 

Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos

  • 1. Lições Adultos Missionários Lição 7 - Jesus: o Mestre das missões 8 a 15 de agosto ❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: Is 59–62 VERSO PARA MEMORIZAR: “Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai Me enviou, Eu também vos envio”. Jo 20:21. Leituras da Semana: 2Tm 1:8, 9; Is 42:1-9; Dn 9:24-27; Lc 2:8-14; Mt 10:5, 6; At 1:1-14 De acordo com a Bíblia, uma das atividades centrais da Trindade é a missão. O Pai, o Filho e o Espírito Santo estão envolvidos em salvar a humanidade. Sua Palavra se iniciou na queda e continuará até o fim. O Pai, o Filho e o Espírito Santo restaurarão, então, este mundo redimido à plena unidade com a vontade divina. Segundo os evangelhos, Jesus passou pela mudança radical assumindo a forma humana, necessária para que Sua missão tivesse sucesso. Em Jesus Cristo, o significado da História é colocado no devido foco, toda a atividade missionária de Deus se torna coerente e são satisfeitas as mais profundas necessidades do ser humano quanto a uma existência significativa. O Novo Testamento nos torna cientes dos propósitos da encarnação de Jesus Cristo. Ali vemos como Ele delineia o programa de missão, e obtemos vislumbres de como Jesus lidou com pessoas de outras nações e de outras religiões. Na Palavra de Deus podemos ver a incrível atividade salvadora de Deus em favor da humanidade caída. O que Jesus fez para nos salvar? Veio ao mundo e morreu na cruz. Se Ele me salvou, o que posso fazer por alguém que ainda não conhece a salvação? Ore e trabalhe em favor de uma pessoa que ainda não conhece Jesus. ❉ Domingo - Jesus no Antigo Testamento Ano Bíblico: Is 63–66 “Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem do Seu encarcerado, que sou eu; pelo contrário, participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a Sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos” (2Tm 1:8, 9). Além de ser um ótimo texto sobre a futilidade da salvação pelas obras, essa passagem revela a natureza eterna da salvação; mostra que o plano de nossa redenção já havia sido formulado há muito tempo. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 2. Portanto, não é de admirar que, ao longo do Antigo Testamento, Jesus Cristo seja revelado de várias formas. São especialmente poderosas as profecias, que mostram claramente que Jesus é, de fato, o Messias. 1. Leia as seguintes passagens do Antigo Testamento, que se aplicam a Jesus. O que elas dizem sobre Ele e Sua função como Messias? Is 61:1; Dn 9:24-27; Is 7:14; 9:6; 42:1-9 Is 61:1-2, (JFA-RA); 1 O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; 2 a apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os que choram Dn 9:24-27, (JFA-RC); 24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações. 27 E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador. Is 7:14, (JFA-RA); Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel. Is 9:6, (JFA-RA); Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; Is 42:1-9, (ACF); 1 Eis aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios. 2 Não clamará, não se exaltará, nem fará ouvir a sua voz na praça. 3 A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega; com verdade trará justiça. 4 Não faltará, nem será quebrantado, até que ponha na terra a justiça; e as ilhas aguardarão a sua lei. 5 Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os estendeu, e espraiou a terra, e a tudo quanto produz; que dá a respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela. 6 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios. 7 Para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas. 8 Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura. 9 Eis que as primeiras coisas já se cumpriram, e as novas eu vos anuncio, e, antes que venham à luz, vo-las faço ouvir. O profeta Isaías descreve a missão de Jesus com estas palavras: “Eis o Meu servo, a quem sustento, o Meu escolhido, em quem tenho prazer. Porei nEle o Meu Espírito, e Ele trará justiça às nações. [...] Eu, o Senhor, O chamei para justiça; segurarei firme a Sua mão. Eu O guardarei e farei de Você um mediador para o povo e uma luz para os gentios, para abrir os olhos aos cegos, para libertar da prisão os cativos e para livrar do calabouço os que habitam na escuridão” (Is 42:1, 6, 7, NVI). Reflita sobre a incrível ideia de que Jesus, o Criador, tomou sobre Si nossa humanidade, e nela viveu e morreu por nós. Que grande esperança isso lhe oferece neste mundo sem esperança alguma? ❉ Segunda - O Desejado de Todas as Nações Ano Bíblico: Jr 1–3 Jesus Cristo é Senhor da igreja e do mundo. Sua vinda foi o cumprimento das expectativas do Antigo Testamento a respeito de uma comunidade de salvos que se estenderia muito além do povo judeu. A vinda de Jesus, especialmente Seu sofrimento e ressurreição, iniciou uma nova era na qual desapareceu a distinção entre judeus e gentios, no que diz respeito ao evangelho. Jerusalém continuaria sendo o centro, pelo menos por certo tempo. Contudo, o ponto de partida não mais seria o templo de Herodes localizado ali, mas os judeus Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 3. convertidos a Cristo; eles haviam se tornado o templo vivo. Esses cristãos judeus seriam, então, o verdadeiro “remanescente” de Israel. Esse anúncio da missão mundial, universal, de Cristo, como Salvador de todas as nações, foi repetido em Seu nascimento, durante Sua infância e em Seu batismo. 2. O que as passagens seguintes ensinam sobre a missão universal de Jesus ao mundo? Lc 2:8-14, (JFA-RC); 8 Ora, havia, naquela mesma comarca, pastores que estavam no campo e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho. 9 E eis que um anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. 10 E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo, 11 pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. 12 E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura. 13 E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus e dizendo: 14 Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens! Lc 2:25-33, (JFA-RC); 25 Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e temente a Deus, esperando a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. 26 E fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor. 27 E, pelo Espírito, foi ao templo e, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei, 28 ele, então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: 29 Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, 30 pois já os meus olhos viram a tua salvação, 31 a qual tu preparaste perante a face de todos os povos, 32 luz para alumiar as nações e para glória de teu povo Israel. 33 José e Maria se maravilharam das coisas que dele se diziam. Lc 3:3-6, (JFA-RC); 3 E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados, 4 segundo o que está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas. 5 Todo vale se encherá, e se abaixará todo monte e outeiro; e o que é tortuoso se endireitará, e os caminhos escabrosos se aplanarão; 6 e toda carne verá a salvação de Deus. Jo 1:29, (JFA-RA); No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! Sem dúvida, Jesus veio como Salvador de toda a humanidade. O que essa verdade significa para nós, no contexto da missão? “O espírito missionário necessita ser reavivado em nossas igrejas. Cada membro deve estudar de que modo poderá contribuir para o avanço da causa de Deus, tanto em seu país quanto em terras estrangeiras. Mal se tem realizado nos campos missionários a milésima parte do que deveria ser feito. Deus convida Seus obreiros a anexar novos territórios para Ele. Existem ricos campos de trabalho aguardando pelo obreiro fiel” (Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 29). ❉ Terça - Missão em favor dos judeus Ano Bíblico: Jr 4–6 “Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15:24). Entre Sua primeira aparição pública e Sua crucifixão, Jesus concentrou Seu ministério quase exclusivamente nos judeus, e especialmente na Galileia. O Senhor Se dirigiu primeiro a Israel. Antes da cruz há bem poucas mensagens de boas-novas para os gentios. Aparentemente, Jesus desejava despertar o povo judeu para o lugar, o propósito e o papel que eles tinham na missão geral de Deus em favor da humanidade perdida. Os israelitas deviam ter a oportunidade de ser testemunhas da mensagem de Deus ao mundo. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 4. 3. Leia Mateus 10:5, 6. Que motivo Jesus teria para dizer essas palavras? Como entendê-las no contexto do propósito universal do que Cristo veio fazer e no contexto da missão como um todo? Compare essa passagem com Mateus 28:19. Mt 10:5-6, (JFA-RA); A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; 6 mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel; Mt 28:19, (JFA-RA); Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Quando consideramos a vida e o ministério de Jesus, precisamos observar uma clara distinção entre Seu pensamento, ideais, princípios e planejamento, por um lado, e a maneira pela qual Ele realizou esses propósitos, por outro. Em Sua vida e ministério diários, Ele Se identificou com a cultura judaica, assim como o Antigo Testamento predisse a respeito do Messias. Mas o impacto de Sua encarnação era universalmente aplicável. Por Sua morte e ressurreição, Ele levaria os pecados do mundo (Jo 1:29). Detectamos aqui um importante princípio bíblico para o estabelecimento da missão. O primeiro passo foi dado no sentido de criar um centro a fim de estabelecer uma base geográfica e cultural forte e estável: Israel e o povo judeu. Depois que isso tivesse sido realizado, o passo seguinte da missão seria o desenvolvimento para fora, a partir do centro, numa extensão cada vez mais ampla. Pense na igreja que você frequenta. Ela reflete as ideias expressas acima, sendo uma base forte e estável que se expande para alcançar os outros? Como vocês podem evitar o perigo de se voltarem para si mesmos, ficando preocupados apenas com as próprias necessidades, em detrimento do testemunho e da missão? ❉ Quarta - Missão em favor dos gentios Ano Bíblico: Is 49–51 Embora Jesus tivesse passado a maior parte de Seu tempo entre os judeus, servindo-os em seu contexto cultural, Ele deixou claro, em Seus ensinos e em Seu ministério, que Sua missão era universal. O evangelho devia ser pregado às nações, sendo Israel a base inicial. A salvação dos gentios é parte do plano de Deus. Ela foi incorporada aos ensinos de Jesus. 4. Quais declarações de Jesus indicam que a missão da igreja incluía outros povos além dos judeus? Mt 5:13-14, (JFA-RC); 13 Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Mc 14:9, (JFA-RA); Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua. Mt 13:36-43, (JFA-RC); 36 Então, tendo despedido a multidão, foi Jesus para casa. E chegaram ao pé dele os seus discípulos, dizendo: Explica-nos a parábola do joio do campo. 37 E ele, respondendo, disse-lhes: O que semeia a boa semente é o Filho do Homem, 38 o campo é o mundo, a boa semente são os filhos do Reino, e o joio são os filhos do Maligno. 39 O inimigo que o semeou é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos. 40 Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo. 41 Mandará o Filho do Homem os seus anjos, e eles colherão do seu Reino tudo o que causa escândalo e os que cometem iniqüidade. 42 E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali, haverá pranto e ranger de dentes. 43 Então, os justos resplandecerão como o sol, no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir, que ouça. Apesar do fato de Jesus ter trabalhado principalmente entre os judeus, não há dúvida de que, desde o princípio, Sua missão era em favor do mundo todo. Já em Seu batismo, João Batista reconheceu isso claramente: “No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (Jo 1:29). A palavra “mundo” (do grego kosmos), ocorre cerca de cem vezes nos evangelhos. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 5. Aproximadamente a metade delas se refere ao propósito mundial de Jesus como Redentor. Na parábola que Jesus contou em Lucas 14:16-24, os convidados para a ceia deram todo tipo de desculpas para não ir. Leia essas desculpas novamente. Até certo ponto, nenhuma delas parecia absurda, não é mesmo? Que lição importante aprendemos com isso? Lc 14:16-24, (JFA-RA); 16 Ele, porém, respondeu: Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. 17 À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado. 18 Não obstante, todos, à uma, começaram a escusar-se. Disse o primeiro: Comprei um campo e preciso ir vê-lo; rogo- te que me tenhas por escusado. 19 Outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te que me tenhas por escusado. 20 E outro disse: Casei-me e, por isso, não posso ir. 21Voltando o servo, tudo contou ao seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse ao seu servo: Sai depressa para as ruas e becos da cidade e traze para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. 22 Depois, lhe disse o servo: Senhor, feito está como mandaste, e ainda há lugar. 23 Respondeu-lhe o senhor: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos a entrar, para que fique cheia a minha casa. 24Porque vos declaro que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia. Quinta - A grande comissão Ano Bíblico: Jr 10–13 Jesus passou os 40 dias entre Sua ressurreição e Sua ascensão primariamente na preparação dos discípulos e de Sua igreja para o evangelismo mundial. O relato da ascensão mais conhecido e citado é o de Mateus. Contudo, durante esse período houve outras ocasiões nas quais o Cristo ressuscitado pode ter dado detalhes adicionais sobre a comissão evangélica. Houve duas aparições em Jerusalém, duas na Galileia (uma junto ao Mar de Tiberíades, outra no topo da colina) e uma reunião relatada em Atos 1:1-14. 5. Há seis ocasiões nas quais a narrativa da Grande Comissão é abordada, sob vários ângulos: numa montanha na Galileia (Mt 28:18-20); à mesa (Mc 16:15-20); na estrada para Emaús (Lc 24:13-31); no cenáculo (Jo 20:19-31); na praia (Jo 21:4-25); quando Cristo foi elevado aos Céus (At 1:1-11). Quais pontos-chave esses incidentes têm em comum? Mt 28:18-20, (ACF); 18 E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. 19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. Mc 16:15-20, (ACF); 15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. 16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. 17 E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; 18 Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. 19 Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus. 20 E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém. Lc 24:13-31, (ACF); 13 E eis que no mesmo dia iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém sessenta estádios, cujo nome era Emaús. 14 E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. 15 E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles. 16 Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. 17 E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes? 18 E, respondendo um, cujo nome era Cléopas, disse-lhe: És tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm sucedido nestes dias? 19 E ele lhes perguntou: Quais? E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus Nazareno, que foi homem profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo; 20 E como os principais dos sacerdotes e os nossos príncipes o entregaram à condenação de morte, e o crucificaram. 21 E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. 22 É verdade que também algumas mulheres dentre nós nos maravilharam, as quais de madrugada foram ao sepulcro; 23 E, não achando o seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 6. visto uma visão de anjos, que dizem que ele vive. 24 E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e acharam ser assim como as mulheres haviam dito; porém, a ele não o viram. 25 E ele lhes disse: O néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26 Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? 27 E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras. 28 E chegaram à aldeia para onde iam, e ele fez como quem ia para mais longe. 29 E eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque já é tarde, e já declinou o dia. E entrou para ficar com eles. 30 E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o abençoou e partiu-o, e lho deu. 31 Abriram-se-lhes então os olhos, e o conheceram, e ele desapareceu-lhes. Jo 20:19-31, (ACF); 19 Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco. 20 E, dizendo isto, mostrou-lhes as suas mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor. 21 Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. 22 E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. 23 Àqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos. 24 Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. 25 Disseram-lhe, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. 26 E oito dias depois estavam outra vez os seus discípulos dentro, e com eles Tomé. Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco. 27 Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. 28 E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! 29 Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram. 30 Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. 31 Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. Jo 21:4-25, (ACF); 4 E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que era Jesus. 5 Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não. 6 E ele lhes disse: Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis. Lançaram-na, pois, e já não a podiam tirar, pela multidão dos peixes. 7 Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se ao mar. 8 E os outros discípulos foram com o barco (porque não estavam distantes da terra senão quase duzentos côvados), levando a rede cheia de peixes. 9 Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e pão. 10 Disse-lhes Jesus: Trazei dos peixes que agora apanhastes. 11 Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede. 12 Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. E nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: Quem és tu? sabendo que era o Senhor. 13 Chegou, pois, Jesus, e tomou o pão, e deu-lhes e, semelhantemente o peixe. 14 E já era a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dentre os mortos. 15 E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. 16 Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. 17 Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. 18 Na verdade, na verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias a ti mesmo, e andavas por onde querias; mas, quando já fores velho, estenderás as tuas mãos, e outro te cingirá, e te levará para onde tu não queiras. 19 E disse isto, significando com que morte havia ele de glorificar a Deus. E, dito isto, disse-lhe: Segue-me. 20 E Pedro, voltando-se, viu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, e que na ceia se recostara também sobre o seu peito, e que dissera: Senhor, quem é que te há de trair? 21 Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será? 22 Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu. 23 Divulgou-se, pois, entre os irmãos este dito, que aquele discípulo não havia de morrer. Jesus, porém, não lhe disse que não morreria, mas: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? 24 Este é o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. 25 Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 7. At 1:1-14, (ACF); 1 Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar, 2 Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera; 3 Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus. 4 E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. 5 Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. 6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? 7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. 8 Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. 9 E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. 10 E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. 11 Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir. 12 Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado. 13 E, entrando, subiram ao cenáculo, onde habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, irmão de Tiago. 14 Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos. Sob o poder do Espírito Santo e em obediência às palavras de Jesus, os apóstolos se espalharam rapidamente pelo mundo antigo. Paulo pregou na costa norte do Mediterrâneo; Filipe trabalhou em Samaria. Segundo uma antiga tradição cristã, Mateus viajou para a Etiópia e Tomé para a Índia. Embora tendo começado em pequeno número, e com tanta oposição, pela graça do Senhor esses fiéis seguidores foram capazes de espalhar a mensagem do evangelho ao mundo. Apesar de suas falhas, pontos fracos, temores e lutas, eles aceitaram o chamado e trabalharam pela salvação do mundo, isto é, procuraram compartilhar o que aprenderam sobre Jesus, o que obtiveram dEle. Não é isso que significa ser cristão? O que você recebeu em Cristo? Como sua resposta a isso deve influenciar sua atitude para com o testemunho a outros e a missão em favor deles? Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Jr 14–16 De acordo com Mateus, Jesus predisse que “será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt 24:14). Ao mesmo tempo, as Escrituras deixam claro outro ponto: “A respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos Céus, nem o Filho, senão o Pai” (Mt 24:36). Note igualmente as palavras de Jesus: “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela Sua exclusiva autoridade” (At 1:7). Assim, embora as boas-novas do evangelho tenham sido pregadas, e estejam sendo pregadas como nunca antes, e embora creiamos que a vinda de Cristo ocorrerá em breve, “não devemos ficar envolvidos com especulações a respeito dos tempos e épocas que Deus não revelou. Jesus disse a Seus discípulos que vigiassem, mas não em relação a um tempo definido. Seus seguidores devem estar na posição daqueles que estão atentos às ordens de seu Capitão; devem vigiar, esperar, orar e trabalhar à medida que vão se aproximando do tempo da vinda do Senhor” (Ellen G. White, The Advent Review and Sabbath Herald, 22 de março de 1892). Perguntas para reflexão 1. Apesar do claro ensino quanto a não marcar datas para a vinda de Cristo, raramente passa um ano sem notícias sobre algum grupo cristão marcando uma data para esse evento. Por que as pessoas insistem em fazer isso, além do fato de que é uma boa técnica para levantar recursos? (Afinal, se Jesus voltará em 19 de junho de 2016, ou em qualquer outra data, para que servirá seu dinheiro agora?) Por que é tão ruim para o testemunho cristão que essas datas, ano após ano, se demonstrem falsas? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 8. 2. Pense nos obstáculos que os cristãos primitivos enfrentaram para cumprir a missão, considerando que eles eram tão poucos. Quais são os obstáculos que enfrentamos na missão hoje? O que podemos aprender sobre o sucesso da igreja primitiva que nos ajuda a fazer o que fomos chamados a empreender? Respostas sugestivas: 1. O Espírito de Deus estaria sobre Ele para pregar, curar e libertar; Ele morreria num tempo específico, na metade da 70a semana de Daniel; nasceria de uma virgem; o governo estaria sobre Seus ombros; era Deus e eterno; seria o mediador da aliança e luz para os gentios. 2. No nascimento de Jesus, os anjos anunciaram paz na Terra entre os homens; Simeão disse que Jesus traria a salvação que Deus havia preparado diante de todos os povos, e seria luz para os gentios e glória para Israel; João Batista, referindo-se à missão de Jesus, disse que toda carne veria a salvação de Deus; também anunciou Jesus como o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. 3. Jesus estabeleceu primeiramente uma base em Israel, para que depois os cristãos saíssem dali e levassem o evangelho a todo o mundo. 4. Jesus chamou os discípulos de sal da Terra e luz do mundo, indicando um alcance universal de sua missão; Jesus disse que o evangelho seria pregado em todo o mundo; na parábola da ceia, disse que, como os primeiros convidados não eram dignos, o servo devia ir também aos caminhos e atalhos (o restante do mundo) e obrigar todos a entrar; na parábola do joio e do trigo, Jesus disse que o campo é o mundo. 5. O encontro com o Cristo ressuscitado; a missão de compartilhar aquilo que tiveram o privilégio de conhecer; e o fato de que essa missão deveria alcançar todo o mundo; a missão foi dada por Cristo àqueles que testemunharam Sua vitória sobre a morte. Auxiliar - Resumo Texto-chave: João 20:21 O aluno deverá: Saber: A importância vital de um conceito integral da missão que Deus nos confiou. Sentir: A responsabilidade de ser enviado como embaixador de Cristo na Terra para cumprir a missão. Fazer: Demonstrar o cuidado de Jesus pelas pessoas, que abrange os aspectos físico, espiritual e emocional. Esboço I. Saber: Somos enviados como embaixadores A. O que nos leva a ser embaixadores de Deus para cumprir a missão (2Co 5:14)? B. Nossa missão é continuar a obra de Jesus na Terra (Jo 20:21). Como Paulo descreve a missão de Jesus (2Co 5:18)? C. A verdadeira missão integral precisa equilibrar as dimensões física e psíquica. Mateus nos diz que Jesus olhou para as multidões e teve compaixão delas. De que outra forma ele descreve o ministério de Jesus (Mt 9:35, 36)? II. Sentir: A missão compassiva A verdadeira missão é motivada pelo amor, não por um sentimento de obrigação. Por que Jesus teve compaixão das multidões (Mt 9:36)? III. Fazer: Envolver-se na missão A. Como você pode demonstrar o amor de Jesus no local de trabalho ou na escola? B. Como podemos fazer com que nossas igrejas sejam voltadas para a comunidade, e torná-las locais em que Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 9. todos os membros estejam empenhados em alguma forma de ministério integral? Resumo: Como embaixadores de Cristo, somos chamados para uma missão ampla, que toque a vida das pessoas, aqui e agora, mas que também as conduza à vida eterna. Ciclo do Aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Marcos 16:15-20 Conceito-chave para o crescimento espiritual: No ministério de reconciliação que Jesus exerceu na Terra, Ele exemplificou a abordagem amorosa e completa que deve guiar nossa maneira de realizar a obra missionária hoje. Para o professor: Alguém disse que Jesus é “Deus expresso em linguagem que os seres humanos conseguem entender”. Talvez possamos também dizer que Jesus é “a missão expressa em linguagem que os seres humanos conseguem entender”. O apóstolo Paulo diz que Jesus nos deu “o ministério da reconciliação” (2Co 5:18) e que somos “embaixadores de Cristo” (v. 20). Nesta semana, analise com a classe o que significa ser embaixador de Cristo na Terra, promovendo Seu ministério de reconciliação e seguindo Sua abordagem integral. Discussão de abertura Sendo um famoso escritor e erudito, C. S. Lewis tinha uma agenda extremamente cheia. Mas, a despeito das intensas demandas de seu tempo, ele respondia pessoalmente e, na maior parte das vezes, à mão, milhares de cartas que recebia, vindas do mundo todo. Ele orava pelas pessoas que lhe escreviam, muitas das quais nunca havia conhecido, e até enviava dinheiro aos que estavam passando necessidades. As pessoas às vezes simplesmente iam até sua casa, e ele as convidava a entrar e lhes servia alguma coisa. Ajudava a sustentar alunos que não podiam pagar os estudos e abria sua casa às crianças necessitadas. Por três meses, ele hospedou em casa um adolescente com deficiência mental e o ensinou a ler. Ali estava um homem que lecionava para os melhores alunos do mundo nas universidades de Oxford e Cambridge, e que escrevia poderosas obras apologéticas em defesa do cristianismo, porém sabia que, ao seguir Jesus, precisava amar não só por palavras, mas por atos (1Jo 3:18). Troque ideias com a classe a respeito de maneiras práticas de testemunhar por meio de palavras e atos. Compreensão Para o professor: O conceito bíblico das boas-novas é rico e multifacetado, e tem implicações sobre o que Deus está fazendo agora com Seu reino na Terra e sobre o que Ele planeja fazer futuramente, na Nova Terra. Inclui a promessa da salvação eterna, no futuro, e a ação libertadora de Deus em todas as dimensões da vida, no presente. N. T. Wright fala sobre “a transformadora notícia da justiça salvadora de Deus para toda a criação”. Ele acrescenta: “Essa é uma definição bem completa, e cada mínimo elemento dela é importante” (Simply Christian: Why Christianity Makes Sense [Simplesmente cristão: por que o cristianismo faz sentido]. Nova York: HarperCollins, 2006; p. 200). Nesta semana, troque ideias com a classe sobre a amplitude da missão divina no mundo. O que essa missão envolve, e o que está incluído nela? De que maneiras a mensagem da Bíblia é uma boa notícia para todos os aspectos da nossa vida? Comentário Bíblico I. A missão integral de Jesus: parte 1 (Recapitule com a classe Isaías 42:1-9.) Essa profecia messiânica delineia a missão completa de Jesus. É uma missão para várias categorias de pessoas: gentios, cegos, os que estão na prisão e “os que jazem em trevas”. É uma missão libertadora: trazer justiça, dar luz, abrir os olhos e libertar cativos. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 10. Esses versos apresentam um estreito paralelo com outra passagem messiânica de Isaías (capítulo 61), em que Jesus está novamente envolvido num ministério integral em favor dos pobres, prisioneiros, cegos e oprimidos. É um ministério que proclama “boas-novas”, “libertação” e “restauração da vista” (ver Lc 4:18). É um erro ver a missão de Jesus apenas em termos materiais, isto é, um evangelho social de ajuda aos pobres, encarcerados, deficientes e politicamente oprimidos. É também um erro espiritualizar a missão e considerar que essas categorias representam apenas os que são espiritualmente cegos, aprisionados, empobrecidos ou oprimidos. Jesus estava falando sobre a libertação tanto espiritual quanto física. Ele traz boas-novas para todas as dimensões da vida. Comentando sobre a passagem de Lucas, Ellen G. White diz: “Nosso Senhor Jesus Cristo era a majestade do Céu, contudo veio ao nosso mundo como um médico, ministrador da cura para as enfermidades físicas e espirituais” (“The Work of Today” [A obra para hoje], The Gospel Health, 1o de setembro de 1898). Pense nisto: Temos incluído o cuidado físico e espiritual em nossa missão de fazer discípulos? Como evitar o perigo de, por um lado, acabar pregando apenas um “evangelho social” e, por outro, nos concentrar apenas na salvação individual? II. A missão integral de Jesus: parte 2 (Recapitule com a classe Mateus 10:5-8 e Marcos 16:15-20.) Nesses versos, lemos parte das últimas palavras de conselho de Jesus aos 12 discípulos antes de enviá-los para ministrar ao povo. Durante muitos meses, eles haviam estado sob Seu cuidado. Ele os havia ensinado, havia sido seu mentor e tinha dado, pessoalmente, o exemplo de como ministrar. Agora era tempo de praticar o que haviam aprendido. Jesus lhes disse que deviam ir e pregar, curar doentes, ressuscitar mortos, curar leprosos e expulsar demônios (Mt 10:7, 8). Note que os discípulos foram enviados (v. 5) e que lhes foi dito: “Vão” (v. 7, NTLH). Eles não foram instruídos a tentar atrair as pessoas para algum grande evento. Em vez disso, deviam seguir o método missionário do Cristo encarnado: ir pessoalmente até as pessoas onde elas estivessem. Mais tarde, após Sua ressurreição, Jesus instruiu os 11 discípulos que restaram. Ordenou-lhes que fossem ao mundo todo para pregar as boas-novas, mas declarou que, juntamente com isso, vários sinais e maravilhas seriam realizados, inclusive expulsão de demônios e cura de enfermos (Mc 16:15-18). De maneira maravilhosa, Ellen G. White resume, em cinco passos, o método que Jesus usava para ministrar. Primeiro, o Salvador Se “misturava” com as pessoas de maneira amorosa e solícita. Segundo, Ele mostrava “compaixão” por elas. Então, “ministrava-lhes às necessidades”, “granjeava-lhes a confiança” e então lhes ordenava: “Segue-Me”. Ellen G. White chegou a dizer que esse método é o único que trará “verdadeiro êxito” (A Ciência do Bom Viver, p. 143). Jesus não apenas pregava às pessoas. Na verdade, Ele passava mais tempo cuidando das suas necessidades físicas. Para Ele, o ministério era integral, um equilíbrio entre o físico e o espiritual. Algumas pessoas fazem distinção entre assistência social e assistência humanitária, por um lado, e evangelismo, por outro. Jesus não fazia essa separação. Como seguidores de Jesus, devemos dar às pessoas um copo d’água, mas também almejar que elas aceitem a água da vida. Obviamente, devemos ser cuidadosos em assegurar que nossa assistência às pessoas não esteja condicionada à sua decisão de se tornar cristãs. Vamos orar e trabalhar para levá-las a Jesus, mas continuaremos amando e ajudando as pessoas, seja qual for o caminho que escolham. Pense nisto: Reflita sobre cada um dos passos contidos no exemplo de Jesus quanto a ministrar às pessoas: misturar-se entre elas, mostrar compaixão, atender às suas necessidades, ganhar a confiança e convidar as pessoas a segui-Lo. É seguro dispensar algum desses passos? Por quê? Pense num esforço evangelístico recente feito por sua igreja e analise se todos esses elementos do método de Jesus estiveram presentes. Se não, quais passos foram negligenciados? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  • 11. Aplicação Para o professor: Enfatize que, em nosso testemunho, uma abordagem intelectual das boas-novas não é suficiente. É preciso que estejam relacionadas à vida, isto é, ao que é importante, significativo e urgente para a pessoas. Se não estiverem, não terão poder, e alguma outra coisa vai tomar seu lugar. Pedro escreveu: “Estejam com a mente preparada, prontos para agir; estejam alertas” (1Pe 1:13, NVI). As crenças precisam estar relacionadas à vida. Precisamos personificar o que cremos. Pedro passou grande parte de sua existência agindo com a mente despreparada, mas o Espírito Santo o transformou e o preparou para a ação. Ele, então, passou a dedicar a vida a compartilhar as boas-novas de seu maravilhoso Salvador. Pergunta para reflexão Que passos práticos podemos dar a fim de preparar a mente para a ação? Atividade Escolha algumas crenças fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia para ser analisadas na classe. Dependendo do tamanho da classe, você pode dividi-la em grupos menores para discussão, ou então analisar o assunto com o grupo todo. Convide cada grupo a examinar uma crença fundamental e discutir como pode ser aplicada, de maneira significativa, a um evento ou assunto atual. Convide cada grupo a apresentar suas ideias para o restante da classe. Criatividade e atividades práticas Para o professor: O correspondente latino da palavra que Paulo usou para embaixador é legatus, um termo bastante conhecido no mundo romano da antiguidade (2Co 5:20). Os legados diplomáticos comissionados pelo imperador eram seus representantes pessoais em países estrangeiros. Toda vez que Roma conquistava um novo território, o legado ia junto com o general vitorioso para combinar os termos de paz, determinar fronteiras e redigir medidas constitucionais. Sua tarefa era supervisionar o processo de trazer o novo território e seus povos para o âmbito do Império Romano. Analise com a classe de que forma nós, como embaixadores de Deus, temos o maravilhoso privilégio de levar pessoas a se tornar cidadãs de Seu reino e membros de Sua família. Atividade Convide os membros da classe a imaginar que estão “redigindo os termos” para que alguém se torne cristão, membro da família de Deus. Como seria a lista? Analisem as ideias uns dos outros. Conclua a classe com um momento de oração. Encoraje cada pessoa a orar pela presença do Espírito Santo em sua vida e na vida de sua igreja para representar Cristo na comunidade em que vivem. Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição? É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização da Casa Publicadora Brasileira. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com