SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 93
Baixar para ler offline
O L I V E R N A V E S
B L A N C O
B O M B E I R O A G R O E C O L Ó G I C O
O R G . J U Q U I R A C A N D I R Ú
S A T Y A G R A H A
B I O P O D E R C A M P O N Ê S
B L A N C O A G R O E C O L O G I A @ G M A I L . C O
M
1 8 9 9 6 9 3 - 6 4 6 6
H U A R A C H E S
T É C N I C A . H I S T Ó R I A . P R Á T I C A
I M P R E S S Ã O 4 D D A A G R I C U L T U R A C A M P O N E S A
A G R O E C O L O G I A 7 . 0
Cromatografia de Pfeiffer
A
G
R
O
E
C
O
L
O
G
I
A
C
A
M
P
O
N
E
S
A
“Sem jovens não há agroecologia”
• Dr. Ehrenfried Pfeiffer (1899-1961)
• Investigações para detectar doenças como
sífilis, tuberculose ou câncer sem invadir a
privacidade ou expor o paciente a
preconceito. Ele utilizava uma solução de
sais de Cobre (Cloreto de Cobre) que em
contato com fluídos corpóreos (escarros,
urina, soro sanguíneo etc.) formavam uma
cristalização sensitiva diferenciada entre
organismos sãos e enfermos
• fertilidade do solo é complexa, onde
micróbios criam, transformam e destroem
continuadamente complexas moléculas
orgânicas e inorgânicas e vice-versa -
microbiologia
o fato do Dr. Pfeiffer não ser levado a uma
universidade ou instituto de pesquisas, pois,
os EUA, em 1933, através de New Deal,
haviam adotado o modelo de Liebig para sua
agricultura e com 43 milhões de dólares do
Rockefeller Brothers Fund foi construído o
maior programa de consumo de fertilizantes
do mundo o Tennessee Valley Authority –
TVA, com a produção industrial de fertilizantes
de reação química como Superphosphate
Simples – SSP; SuperTriplePhosphate – STP;
MAP; DAP; KCl; UREIA e outros. Este
programa nos nossos dias rende para os EUA
mais de 10 bilhões de dólares anuais em
remessas, patentes e direitos…
O TVA serviu para infraestrutura Bélica,
energia. Permitiu construir a Bomba
Atômica, a Vitória, e estabelecer a
agricultura Industrial EEUU no Mudo!O solo é Suporte Inerte das raízes.
Plantas comem adubos minerais
sintéticos!
Dust
Bowl
Tempestade de
areia que durou
10 anos (1934,
36 e 1939, 40).
Erosão do solo
provocada por
anos de manejo
inadequado do
solo...
Conservação do
Solo
• Segundo dados obtidos pela Seção de Conservação do
Solo do Instituto Agronômico, o Estado de São Paulo
perde anualmente, por efeito da erosão, cerca de
130.000.000 de toneladas de terra. Representa 25%,
aproximadamente, das perdas sofridas no Brasil.
• Isso corresponde ao desgaste de uma camada de 15 cm de
espessura, numa área de 60.000 hectares. Isso condiz a
300 fazendas de 200 hectares cada uma, que anualmente
se tornariam improdutivas e praticamente sem valor para fins
agrícola, em São Paulo.
• Isso é consequência do mau uso do solo.
José Bertoni/Francisco Lombardi Neto - Conservação do Solo (2008) 6ª Edição. Ícone Editora
Denunciamos que a ditadura usou
a análise de solo como repressão
‘policialesca’ contra camponeses
para esconder o subsidio da
compra estatal pelo B.B. de
fertilizantes, máquinas e
agrotóxicos, quando já existia e era
oficial pela Academia dos EUA o
método de Pfeiffer que Arthur e
Anna Primavesi praticavam e que
foi resgatado junto com Pães de
A análise de solo custa para o agricultor R$, mas quem lucra são as
agro~corporações, pois a venda é estatal. O agricultor tem um resultado
e um dano na saúde do seu solo que cresce dia a dia pela perda de
carbono vivo, degradação da microbiodiversidade, erosão do solo, perda
na capacidade de armazenamento de água, que são extremamente úteis
para as agro~corporações, pois aumenta a necessidade de uso para
obter as mesmas colheitas anteriores. A academia é cumplice, pois cala
diante da destruição de um solo que tardou mais de 200 milhões de anos
para se formar. Prostitui-se e permite que tecnologias militares
inadequadas sejam aplicadas para que as grandes corporações
fortaleçam o Complexo Industrial Militar e suas metas mundiais.
JUSTUS von LIEBIG
INVENTOR
FERTILIZANTES QUÍMICOS
CONCENTRADOS SOLÚVEIS
E LEITE-EM-PÓ
JULIUS HENSEL
DESCOBRIDOR
BIOREMINERALIZAÇÃO
SOLOS E VALORIZAÇÃO DO
LEITE MATERNO
FARINHAS DE ROCHAS, A MATÉRIA-PRIMA DA INDUSTRIA QUÍMICA QUE SUBSTITUIU
OS SERVIÇOS DAS BIOTECNOLOGIAS CAMPONESAS – MICRORGANISMOS
CENTO E DEZ ANOS
ESCONDIDOS E
DESCONHECIDO
POR QUÊ?
77 ANOS ESCONDIDO 1936
Colocado na Internet em 2010
faltando 22 folhas
intercaladas foi recomposto e
NAS BACIAS DOS TRÊS RIOS NO VALE DE YAQUI E PASSOU ANTES DO PERÍMETRO DE IRRIGAÇÃO DE
330 MIL HA, O SOLO TINHA 2,5% DE MATÉRIA ORGÂNICA. HOJE TEM SOMENTE 0.05%.
SOBERANIA E
SEGURANÇA
ALIMENTAR E
NUTRICIONAL
ECONOMIA
SOLIDÁRIA
SAÚDE
COLETIVA
COMUNICAÇÃO
E
CULTURA
DIREITO AS
TECNOLOGIAS
SOCIAIS
POPULAÇÕES
NATIVAS
E TRADICIONAIS
AGROECOLOGIA
$
$
$
$
$
$
$
$
ILUSÃO EBBINGHAUS
AGRIBUSINESS
A ilusão de Ebbinghaus ou círculos de
Titchener é uma ilusão de ótica da percepção de
tamanho relativo. Batizada com o nome de seu
descobridor, o psicólogo alemão Hermann
Ebbinghaus (1850–1909), a ilusão foi popularizada
no mundo de língua inglesa por Edward B.
Titchener em um livro de 1901 de psicologia
experimental, daí seu nome alternativo.
Os dois círculos laranja são
exatamente do mesmo
tamanho; no entanto, o da
direita parece maior.
MEIO
AMBIENTE
ECONÔMICO
SOCIAL
VIÁVEL
SUTENTABILIDADE
“SATISFAZER AS NECESSIDADES ATUAIS SEM COMPROMETER A
CAPACIDADE
DAS GERAÇÕES FUTURAS DE ATENDER ÀS SUAS”.
SUSTENTABILIDADE
QUESTÃOAGRÁRIA
TERRITÓRIO
MODELODE
AGRICULTURA
BIOPODER CAMPONÊS
E S P I R I T U A L I D A D
E
AGROECOLOGIA Camponesa
ORGANIZAÇÃO –
BIOTECNOLOGIA
CAMPONESA
POLÍTICA
“Auto-Educam”
Autonomia
Liberdade
Orgulho
Autoestima
elevada
O que é um Cromatograma de
Pfeiffer?
É uma análise investigativa do estado da Saúde
no Solo, em que se vê a harmonia no metabolismo
da microflora do solo e o equilíbrio na
Degradação-Formação dos compostos da Matéria
Orgânica nos Ciclos do C, N, S, O em forma de um
holograma.
O que permite predizer as condições da Saúde no
Solo no tempo/espaço, da cultura que cresce nele e
a qualidade dos seus frutos, e da população que os
consome.
O mais importante é que isso seja para todos/as.
“Um croma é um processo de liberdade
e autonomia organizativa para o
camponês como a hóstia é para o
crente e também para o pecador”.
N
O
O
S
F
E
R
A
B
I
O
S
F
E
R
A
G
E
O
S
F
E
R
A
temperatura
ideal
protetora e reguladora
Evolução Evolução
Evolução da
consciência universal
CUIDADO DA CASA
COMUM
M Vladimir
Vernadsky (1863 -
1945)
Em 2000
União Europeia
“Saúde do Solo”
É a capacidade continuada do solo em funcionar como
um sistema vivo vital, nos limites do ecossistema e uso
da terra, para sustentar a produtividade biológica,
promover a qualidade dos ambientes aéreos e aquáticos,
e manter a saúde vegetal, e animal e humana.
Antes OMC/FAO, agricultura moderna:
“solo suporte inerte das raízes”
No Wikipédia, definição
de Solo, embute o
conceito saúde do solo:
“É uma avaliação da
capacidade do solo para
satisfazer na sua
amplitude funcional seus
ecossistemas de forma
sustentável”
“A biodiversidade fúngica e seu papel na saúde
no solo”, de Magdalena Frac, Instituto de
Agrofísica, Academia de Ciências da Polônia, et al.
2018
Funções dos
fungos
Serviços no
Ecossistema
Bioindicador
es do Solo
Fatores
mudados
BFS
Fatores
mediados na
interação fungo-
planta-micróbio
Principais tipos
de
agroecossistema
s do solo
BIODIVERSIDADE FÚNGICA DO SOLO (BFS)
- Agrícola
- Horticultura
- Pastagem
- Florestal
- Fungos saprotróficos
- Fungos micorrízicos
- Patógenos fúngicos
- Endófitos fúngicos
- Parasitas de plantas
fúngicas
- Mutualistas fúngicos
- Alérgenos fúngicos
- Produção de enzimas
e metabolitos
- Agentes de
biocontrole
fúngico
- Transformação de
matéria orgânica
(decompositores)
- Ciclagem de nutrientes
(transformadores)
- Formação e manutenção
de estruturas do solo
(engenheiros do
ecossistema)
- Regulação da população
biológica
(biocontroladores)
- Melhoria do
relacionamento
com a água
- Respiração do solo
e melhoria da
atividade enzimática
- Indicadores de saúde
do solo - fungos
benéficos: +
Sapróbios
(macrofungos)
+ Fungos micorrízicos
arbusculares (Glomus
sp.) + Antogonista
(Trichoderma sp)
+ Endófitos (Beauveria
bassiana)
- Indicadores de baixa
qualidade do solo
- fungos deletérios:
Patógenos vegetais
(Rhizoctonia,
Fusarium,
Alternaria)
- Práticas de gestão
- Fertilização química
- Alterações orgânicas
- Aplicação de
herbicidas
e fungicidas
- Rotação de colheitas
- Alterações
bioquímicas
- Inoculação da
composição
vegetal
- Degradação do solo
- Contaminantes do
solo
- Deficiência de
nutrientes
- Propriedades do solo
(salinidade, seca)
Aspectos da biodiversidade fúngica no solo.
- Fitoquímicos
bioativos
- Flavonóides
- Fenólicos
- Peptídeos
- Fitoalexinas
- Estrigolactonas
- CO2
- Fertilidade do
solo
- Tipo de solo
- Práticas agrícolas
- Temperatura
- ocorrência de
patógenos
Biodiversidade fúngica do solo como investigação interdisciplinar
“A biodiversidade fúngica e seu papel na saúde
no solo”, de Magdalena Frac, Instituto de
Agrofísica, Academia de Ciências da Polônia,
Lublin; Silja E. Hannula, Insituto Holandês de
Ecologia, Wageningen, Países Baixo; Marta Belka
Jedryczka, Departamento de Patologia Florestal,
Universidade de Ciências da Vida de Poznan; e
Malgorzata Jedryczka, Instituto de Genética
BIODIGERSIDAD
E FÚNGICA
PARA
PESQUISA
INTERDICIPLINA
R
Compilação dos
resultados e
comparação para base
de dados
BIOINFORMÁTICAS
Geração de
BIOQUÍMICA de
dados
metabolômicos
Geração de
GENÉTICAS de
dados
metagenômico
s
Geração de
GENÉTICAS de
dados
transcriptômico
s
Interpretação
dos
resultados
MICOLOGIA
Comunicação com
outras pesquisas e
especialistas
BIOLOGIA AGRONOMIA
PEDOLOGIA
HUMOLOGIA
FLORESTAL
FUTURO
Movimento da lista de espécies de
fungos nos solos para a análise
baseada em funções, levando em
consideração as interações entre os
organismos
AGROECOLOGI
5, 65cm
X 5,65
31,92
x 3,1416
100m2
CAMPO DE METAGENÔMICA E
METAPROTEÔMICA CAMPONÊS
Geleia Real aos microorganismos do
Solo
30 Kg Minerais (pó de rocha) 30 Kg de Composto
10 Kg de Carvão Vegetal 10 Kg de Farina de
Ossos
30 Kg de Biomassa Verde 30 Kg de Biomassa
Seca
30 Kg de Esterco de Herbívoros 10 Kg de Esterco de
Aves
ESTES VALORES MULTIPLICADOS POR 100
É A QUANTIDADE A SER APLICADA POR Ha.
REPETIR A CADA ANO
Enterrar uma estaca de forma que fique
1,50m; sobre a ponta marcar um X
indicando o Norte. Tirar sempre a foto
na mesma direção para ver a variação
de vegetação: Se a baixo é diverso
acima também é diverso.
N
Milpa Solar Blanco – São Pedro – SP Final de 2015 início de
2017
16/03/2018 1 MÊS
23/10/2018 – 7
meses
20/09/2019 – 17 meses
Dezembro/2019 – 20 meses
0 - Marco Zero – 13/09/2016
FINA DE INVERNO
1 – início de outono 2018
2 – final de outono 2019
3 – início da primavera 2019
4 – início do verão 2019
0
1 2
3 4
0 41
Campo Metagenômico Campesino
- PODA DO CAPIM (único Manejo)
- 30 kg FARINHA DE ROCHA
- 30 kg CARVÃO VEGETAL
- 30 kg COMPOSTO
- 30 kg BIOMASSA VERDE
Em 100 m2
QUAL DELES TEM MAIS VIDA, SAÚDE? VIDA NÃO SE RESUME A NÚMEROS...
I II
III
A SEMENTE PARA ATIVAR SUA ENERGIA
PRECISA SOMENTE DE ÁGUA DA CHUVA.
A CROMATOGRAFIA TAMBÉM
Uma análise de laboratório é cara e
obriga a mesclar diversas amostras.
Não permite uma real avaliação da
fertilidade do teu solo, pois seu
valor maior é a compra de insumos,
sem precisão.
A cromatografía de Pfeiffer, de baixo
custo, analiza de imediato cada local, e
se queremos, a cada centímetro de
profundidade. Diagnostifica o problema
e aplica correções sem a imposição de
consumir insumos externos
SpecSolo
40 análises
20 seg
Kit Bombeiro
Agroecológico
SECADO E IMEDIATAMENTE PENEIRADO AS AMOSTRAS NÃO
Amostra seca e peneirada para a moagem
PESAR 5,0 GRAMAS
10g SOSA + 1000 cc = 20 AMOSTRAS
Soluções para Cromatografía
50 ml DA SOLUÇÃO EXTRATORA DA VIDA NO SOLO SODA
CAÚSTICA A 1% (extrae tudo que passa pelas membranas dos
microorganismos e permanece a disposição das raízes.
(Ácidos, Sais, Bases, Óxidos, Aminoácidos, Açúcares, Lípidios,
Péptidos, Aminas, Vitaminas, Proteínas, Enzimas, Otros)
• GIRAR O COPPO 6 VEZES A
ESQUERDA (MEIO CICLO);
• GIRAR O COPO 6 VEZES A DIREITA
(MEIO CICLO);
• REPETIR SEIS VEZES, FAZENDO 6
CICLOS COMPLETOS.
• IMEDIATAMENTE
• AOS QUIZE MINUTOS
• AOS 60 MINUTOS
• ESPERAR 6 HORAS SEM
MOVER, POIS NO SOLO O
SOBRENADANTE SERÁ
EXTRAÍDO COM A SERINGA
HIPODÉRMICA
6 6
6 vezes
6 6 6
VAZADOR DE COURO OU BOCADO DE 2 mm
Papel de filtro Whatman 15 cm # 1 e 4
Jprolab / Unifil 15cm # 40 e 41
CENTRO 4 e 6 cm
CROMATOGRAFIA CIRCULAR PLANA
2AgN03+2Na0H +VIDA2Ag0H + 2NaN03
Ag20  NEGRO
INÍCIO DEPOIS
O ELECTROCARDIOGRAMA DE NOSSO PRIMEIRO CORAÇÃO
FIXAR OS GASES DO “EFEITO ESTUFA” SOBRE A
DIVERSIDADE MICROBIANA DO SOLO
NOOSFERA
HUMANO SANO
ALIMENTO
SANO
PLANTA SADIA
SOLO SANO
MICROBIOTA
$ERVICIO$
MARCA$
ALIENAÇÃO
CERTIFICA
ELITI$A
EUGENE$IA
A
G
R
O
N
E
G
O
C
I
O A
G
O
E
C
O
L
O
G
I
A
TEU AGIR
TEU AGIR
CASCA DE ARROZ INOCULADA COM MICRÓBIOS 24, 48 E 96 HORAS
OU
A
G
R
O
N
E
G
O
C
I
O
$ERVICIO$
MARCA$
ALIENAÇÃO
CERTIFICA
ELITI$A
EUGENE$IA
A
G
O
E
C
O
L
O
G
I
A
NOOSFERA
HUMANO SANO
ALIMENTO SANO
PLANTA SADIA
SOLO SANO
MICROBIOTA
CROMATOGRAFIA DE FARINHAS DE ROCHAS
“MB-4” ALAGOAS – BRASIL
DIABASIO, CALI, COLOMBIA GAYA, URUAPAN, MÉXICO
MÁSHUMUS TORREÓN MÉXICO
“Sim, as raízes são limpas e uma luz é
irradiada nelas; estas guiaram as ondas
como se fossem uma fibra óptica. Esta é
uma forma de obter energia no subsolo. O
Paramagnetismo está para as raízes assim
como a luz está para a clorofila”
Dr. Phill Callahan
Movimentos, tempo e espaço através da membrana é
“transporte de massa” ou
metabolismo e autopoiesis de C
UMA MEMBRANA FAZ “TRANSPORTE DE MASSA”
Membrana é um umbral energético com
aspectos que armonizam espaços e matéria.
ENXOFRE CARBONO SILICIO FERRO OXIGÊNIO
ÁGUA NITRÔGENIO MATÉRIA ORGÂNICA
NITROGÊNIO FÓSFORO POTÁSSIO MANGANÊS
REFLEXÃO SIMÉTRICA
ROTAÇÃO SIMÉTRICA
SIMETRIA TRANSLACIONAL
SAIBRO
Influência do Campo Eletromagnético nas
Membranas Harmonizadas - HISTERESE
ENXOFRE CARBONO SILICIO HERRO OXIGÊNIO
ÁGUA NITRÔGENIO MATÉRIA ORGÂNICA
SOLO RECUPERADO EM 3 ANOS
REFORMA AGRÁRIA ITACORUBI/RS
SOLO SALINIZADO NO
NORDESTE DO BRASIL
2012 De 1 10 Todos os solos
mostram manejo orgânico e estão com muita
saúde.
Maior fertilidade potencial (1,2,3,4)
Segundo nível (5,6)
Terceiro nível (7,8,9,10)
1
6
32
9
875
10
4
Z.I. O METABOLISMO
MICROBIANO (Fungos)
ESTRUTURAÇÃO DOS
MINERAIS, QUE
QUANTO MAIS FORA DO
CENTRO MAIS
COMPLEXO É NA SUA
FORMA.
Z.C. ATIVIDADE
METABÓLICA DOS
MICRÓBIOS DO CENTRO
À PERIFERIA, FORMAM
SUBSTÂNCIAS SIMPLES:
NEGRAS OU CINZA SX
(SH, SC, SN).
BRANCO C/ OXIGÊNO
(AMÔNIA, NITRATOS,
NITRITOS, AMINAS,
AMIDAS)
Z.E. O METABOLISMO
MICROBIANO FORMA AS
PROTEÍNAS E SEUS
DEGRADABÓLITOS
COM HERBICIDA ROUNDUP SEM HERBICIDA ROUNDUP COM HERBICIDA ROUNDUP SEM HERBICIDA ROUNDUP
WINOGRADSKY COLUMN MICROBIOLOGICAL ECOLOGY ENERGY PFEIFFER’S CHROMATOGRAPHY
Z.I. Del Centro a la Periferia,
cuanto menos marcas y detalles
e mayor variación de colores,
mejor está a actividad
microbiana de los minerales y
las condiciones climáticas.
Las últimas puntas minerales
muestran las moléculas más
complejas (proteínas y
péptidos), “saltitos”
Z.E. Es la última parte a se
desarrollar y la primera a
muestra degradación.
Su formación con “dientes”
grandes, homogéneos, con
grande cantidad de “nubes” y
“pétalas” de color blanca
indica el máximo de
desarrollo.
36 dias 22 dias 12 dias
5 dias
Um “composto” é um adubo bruto como a
cama de aviário, cama de estábulo ou
pocilga, ou adubo elaborado, geralmente
com terra, palha, esterco, farelo, farinha
de rochas, melaço, carvão mineral moído,
levedura e inoculantes microbiológicos.
Esta mistura é homogeneizada e
colocada para fermentar sob condições
controladas permite observar o desarmar
da matéria orgânica em diferentes
componentes e seu rearme em matéria
orgânica complexa pelas diferentes
etapas sucessivas da fermentação.
Sir Albert
Howard
Composto Orgânico C/N < 5 – Manejo humano de resíduos agrícolas na
propriedade para ganho de tempo – espaço através do trabalho e saber.
2013 COMPOSTOS ORGÂNICOS
1. CRU - 2. e 3. NO PONTO – 4. e 5. PASSADO – 6. MATÉRIA ORGÂNICA $EM VALOR
1 32
4 5 6
Cromatografia, pouco de história
• Período anterior a Primeira
Guerra era um grande
florescimento na ciência alemã;
• a Sociedade Teosófica Alemã
estava com uma séria
dissidência interna;
• 1924 – agricultores alemães
preocupados com a degradação
de suas terras e futuro da
agricultura - fertilizantes
solúveis, e inseticida arsenicais
em batatas, hortaliças e uva
(crise alimentar que teve início
1910)
• Rudolf Steiner (1861-1925),
filósofo (croata) coordenou os
cientista interessados na
solução da contaminação e má
qualidade dos alimentos
alemães;
Mikhail Tswett (1872-1919) Botânico russo
desenvolve a técnica de cromatografia em 1902, tese Clorofila 1910.
Nicolai Izmailov e Maria Schraiber
Eugen Kolisko (1893-1939)
Lily Kolisko (1889-1976), expoente
científica da Homeopatia de análise
profundas.
Cromatografia de Runge/Pfeiffer
• Friedlieb Ferdinand Runge
(1794-1867), alemão, químicos
analítico.
• 1850 – pública 3 livros Química da
Coloração.
• Estudos: química da purina,
identificação das substâncias da
beladona, cafeína, corantes de
alcatrão do carvão, anilina azul...
Reagentes em papel de borrão –
Cromatografia em papel.
Formulou a Teoria da Vitalidade
do Solo baseada na diversidade de
microrganismos que em suas
membranas transformam orgânico
em mineral e vice-versa
1933 foi aos EE.UU. para ser
conselheiro biodinâmico, em 1937
recebe o título de Dr. em Medicina na
Hahnemann Medical College
(Filadélfia) onde aceitou a trabalhar
1940, Pfeiffer emigrou com sua filha e
esposa para os EE.UU.
ALEMANHA
AMIGO – PEDRO
PAÇÓ
A SEMI IMAGEM DA ESQUERDA FOI FEITA
NA DATA 27/01/2019 NA ESTAÇÃO DO
ANO VERÃO
A SEMI IMAGEM DA DIREITA FOI FEITA NA
DATA 28/01/2020 NA ESTAÇÃO DO ANO
VERÃO
O TEMPO ENTRE AMBAS EM DIAS FOI DE
1 ANO
OS DENTES ESTAO MAIORES NA
ESQUERDA PELO CLIMA E CONSUMO
OS DENTES NA DIREITA ESTÃO MENORES
POIS ESTAMOS ENTRANDO NO PRIMEIRO
MÊS DO VERÃO A VIDA MICROBIANA
AUMENTOU 5 VEZES O SOLO
DESCOMPACTOU, VERIFICAR COM A
FACA NOS DIFERENTES HORIZONTES
OS MINERAIS ESTÃO POTENTES E BEM
ESTRUTURADOS.
OS DENTES DA DIREITA DENTRO DE 30
ÁREA 2 – COMPARAÇÃO ENTRE
AMOSTRA 1 E AMOSTRA 3
ENZIMAS E PROTEÍNAS NO SOLO
Terra Preta Indígena da Amazônia, Manaus
(Rice/Thermo) Biocharcoal effect?
Leonardo Noronha – Poço Fundo – MG
Cooperado da COOPFAM
10 cm
30 cm
60 cm
A AGROECOLOGIA CAMPESINA ALIMENTA O CORPO E OS PROFESSORES O ESPÍRITO
SEREMOS BOMBEIROS
AGROECOLÓGICOS A RESTAURAR A
ALEGRIA E FELICIDADE DO BIOPODER
CAMPONÊS E APAGAR OS FOGOS E A
DEVASTAÇÃO DAS BIOPIRATARIAS
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Bruno Da Montanha
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiRevista Cafeicultura
 
Organic Farming and its Principles
Organic Farming and its PrinciplesOrganic Farming and its Principles
Organic Farming and its PrinciplesChandini S Amaan
 
Boas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolasBoas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolasVanlisaPinheiro
 
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOS
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOSSISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOS
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOSMoacir Medrado
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoLucas Amaral
 
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundesManejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundesRevista Cafeicultura
 

Mais procurados (20)

Agrofloresta
AgroflorestaAgrofloresta
Agrofloresta
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
 
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFSSistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFS
 
6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
 
Organic Farming and its Principles
Organic Farming and its PrinciplesOrganic Farming and its Principles
Organic Farming and its Principles
 
Boas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolasBoas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolas
 
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOS
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOSSISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOS
SISTEMA AGROSSILVIPASTORIL - GÊNESE E BENEFICIOS
 
Agroecologia
AgroecologiaAgroecologia
Agroecologia
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisão
 
"O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
 "O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro" "O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
"O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
 
AGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptxAGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptx
 
Irrigacao
IrrigacaoIrrigacao
Irrigacao
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
4. biofertilizante
4. biofertilizante4. biofertilizante
4. biofertilizante
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 
Uva
UvaUva
Uva
 
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundesManejo da nutrição do cafeeiro para podas   fenicafé 2015 alysson fagundes
Manejo da nutrição do cafeeiro para podas fenicafé 2015 alysson fagundes
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 

Semelhante a Cromatografia de Pfeiffer: análise da saúde do solo e da agricultura camponesa

Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Blanco agriCultura
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010Edson Talarico
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicagimalucelli_bio
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaLenildo Araujo
 
Page1 13-134
Page1 13-134Page1 13-134
Page1 13-134mvezzone
 
Nodari sustentar consumo_producao_sustentável
Nodari sustentar consumo_producao_sustentávelNodari sustentar consumo_producao_sustentável
Nodari sustentar consumo_producao_sustentávelforumsustentar
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinaismnmaill
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicamvezzone
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013Agroecologia
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepMilenaAlmeida74
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICASirleitr
 
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020Blanco agriCultura
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisRural Pecuária
 

Semelhante a Cromatografia de Pfeiffer: análise da saúde do solo e da agricultura camponesa (20)

AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Page1 13-134
Page1 13-134Page1 13-134
Page1 13-134
 
Glifosato yamada
Glifosato yamadaGlifosato yamada
Glifosato yamada
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12
 
Nodari sustentar consumo_producao_sustentável
Nodari sustentar consumo_producao_sustentávelNodari sustentar consumo_producao_sustentável
Nodari sustentar consumo_producao_sustentável
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
 
Revolução verde ppt
Revolução verde pptRevolução verde ppt
Revolução verde ppt
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
 
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020
Palestra Online Cat Sorriso MT jul 2020
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
 

Mais de Blanco agriCultura

Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía.
Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía. Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía.
Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía. Blanco agriCultura
 
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO Blanco agriCultura
 
A ideologia persistente do desenvolvimento
A ideologia persistente do desenvolvimentoA ideologia persistente do desenvolvimento
A ideologia persistente do desenvolvimentoBlanco agriCultura
 
Educação no Campo litoral ufrgs.
Educação no Campo litoral ufrgs.Educação no Campo litoral ufrgs.
Educação no Campo litoral ufrgs.Blanco agriCultura
 
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no BrasilIdeologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no BrasilBlanco agriCultura
 
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesa
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesaSaúde no Solo, revelação e revolução camponesa
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesaBlanco agriCultura
 
Por que as abelhas estão morrendo?
Por que as abelhas estão morrendo? Por que as abelhas estão morrendo?
Por que as abelhas estão morrendo? Blanco agriCultura
 
Prosperidade Segurança O Futuro
Prosperidade Segurança O Futuro Prosperidade Segurança O Futuro
Prosperidade Segurança O Futuro Blanco agriCultura
 
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no Solo
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no SoloCurso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no Solo
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no SoloBlanco agriCultura
 
Nuestra vida descansa en el maiz
Nuestra vida descansa en el maizNuestra vida descansa en el maiz
Nuestra vida descansa en el maizBlanco agriCultura
 
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del suelo
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del sueloCromatografia - imagenes de vida y destruccion del suelo
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del sueloBlanco agriCultura
 
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Blanco agriCultura
 

Mais de Blanco agriCultura (20)

Conexão Rural e Natural
Conexão Rural e Natural Conexão Rural e Natural
Conexão Rural e Natural
 
Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía.
Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía. Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía.
Sesión 2: Cuestión agraria: sociedad, naturaleza, economía.
 
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO
Sesión 1 SEMINÁRIO BIOPODER CAMPESINO
 
A roda e a agroecologia
A roda e a agroecologiaA roda e a agroecologia
A roda e a agroecologia
 
A ideologia persistente do desenvolvimento
A ideologia persistente do desenvolvimentoA ideologia persistente do desenvolvimento
A ideologia persistente do desenvolvimento
 
Educação no Campo litoral ufrgs.
Educação no Campo litoral ufrgs.Educação no Campo litoral ufrgs.
Educação no Campo litoral ufrgs.
 
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no BrasilIdeologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil
Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil
 
PPT Tião Webnário Paraíba
PPT Tião Webnário Paraíba PPT Tião Webnário Paraíba
PPT Tião Webnário Paraíba
 
Aavrp santacruzsul
Aavrp santacruzsulAavrp santacruzsul
Aavrp santacruzsul
 
Filosofia Mapuche
Filosofia MapucheFilosofia Mapuche
Filosofia Mapuche
 
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesa
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesaSaúde no Solo, revelação e revolução camponesa
Saúde no Solo, revelação e revolução camponesa
 
Por que as abelhas estão morrendo?
Por que as abelhas estão morrendo? Por que as abelhas estão morrendo?
Por que as abelhas estão morrendo?
 
Prosperidade Segurança O Futuro
Prosperidade Segurança O Futuro Prosperidade Segurança O Futuro
Prosperidade Segurança O Futuro
 
Proteoma do milho
Proteoma do milhoProteoma do milho
Proteoma do milho
 
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no Solo
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no SoloCurso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no Solo
Curso de Cromarografia de Pfeiffer e Saúde no Solo
 
Nuestra vida descansa en el maiz
Nuestra vida descansa en el maizNuestra vida descansa en el maiz
Nuestra vida descansa en el maiz
 
Meu fuminho
Meu fuminho Meu fuminho
Meu fuminho
 
Textos Tião Facebook 2019
Textos Tião Facebook 2019Textos Tião Facebook 2019
Textos Tião Facebook 2019
 
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del suelo
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del sueloCromatografia - imagenes de vida y destruccion del suelo
Cromatografia - imagenes de vida y destruccion del suelo
 
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
Da Quitina ao Biofertilizante "Quitosano Camponês"
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 

Cromatografia de Pfeiffer: análise da saúde do solo e da agricultura camponesa

  • 1.
  • 2. O L I V E R N A V E S B L A N C O B O M B E I R O A G R O E C O L Ó G I C O O R G . J U Q U I R A C A N D I R Ú S A T Y A G R A H A B I O P O D E R C A M P O N Ê S B L A N C O A G R O E C O L O G I A @ G M A I L . C O M 1 8 9 9 6 9 3 - 6 4 6 6 H U A R A C H E S T É C N I C A . H I S T Ó R I A . P R Á T I C A I M P R E S S Ã O 4 D D A A G R I C U L T U R A C A M P O N E S A A G R O E C O L O G I A 7 . 0 Cromatografia de Pfeiffer
  • 4.
  • 5. • Dr. Ehrenfried Pfeiffer (1899-1961) • Investigações para detectar doenças como sífilis, tuberculose ou câncer sem invadir a privacidade ou expor o paciente a preconceito. Ele utilizava uma solução de sais de Cobre (Cloreto de Cobre) que em contato com fluídos corpóreos (escarros, urina, soro sanguíneo etc.) formavam uma cristalização sensitiva diferenciada entre organismos sãos e enfermos • fertilidade do solo é complexa, onde micróbios criam, transformam e destroem continuadamente complexas moléculas orgânicas e inorgânicas e vice-versa - microbiologia
  • 6. o fato do Dr. Pfeiffer não ser levado a uma universidade ou instituto de pesquisas, pois, os EUA, em 1933, através de New Deal, haviam adotado o modelo de Liebig para sua agricultura e com 43 milhões de dólares do Rockefeller Brothers Fund foi construído o maior programa de consumo de fertilizantes do mundo o Tennessee Valley Authority – TVA, com a produção industrial de fertilizantes de reação química como Superphosphate Simples – SSP; SuperTriplePhosphate – STP; MAP; DAP; KCl; UREIA e outros. Este programa nos nossos dias rende para os EUA mais de 10 bilhões de dólares anuais em remessas, patentes e direitos… O TVA serviu para infraestrutura Bélica, energia. Permitiu construir a Bomba Atômica, a Vitória, e estabelecer a agricultura Industrial EEUU no Mudo!O solo é Suporte Inerte das raízes. Plantas comem adubos minerais sintéticos!
  • 7. Dust Bowl Tempestade de areia que durou 10 anos (1934, 36 e 1939, 40). Erosão do solo provocada por anos de manejo inadequado do solo...
  • 8. Conservação do Solo • Segundo dados obtidos pela Seção de Conservação do Solo do Instituto Agronômico, o Estado de São Paulo perde anualmente, por efeito da erosão, cerca de 130.000.000 de toneladas de terra. Representa 25%, aproximadamente, das perdas sofridas no Brasil. • Isso corresponde ao desgaste de uma camada de 15 cm de espessura, numa área de 60.000 hectares. Isso condiz a 300 fazendas de 200 hectares cada uma, que anualmente se tornariam improdutivas e praticamente sem valor para fins agrícola, em São Paulo. • Isso é consequência do mau uso do solo. José Bertoni/Francisco Lombardi Neto - Conservação do Solo (2008) 6ª Edição. Ícone Editora
  • 9. Denunciamos que a ditadura usou a análise de solo como repressão ‘policialesca’ contra camponeses para esconder o subsidio da compra estatal pelo B.B. de fertilizantes, máquinas e agrotóxicos, quando já existia e era oficial pela Academia dos EUA o método de Pfeiffer que Arthur e Anna Primavesi praticavam e que foi resgatado junto com Pães de A análise de solo custa para o agricultor R$, mas quem lucra são as agro~corporações, pois a venda é estatal. O agricultor tem um resultado e um dano na saúde do seu solo que cresce dia a dia pela perda de carbono vivo, degradação da microbiodiversidade, erosão do solo, perda na capacidade de armazenamento de água, que são extremamente úteis para as agro~corporações, pois aumenta a necessidade de uso para obter as mesmas colheitas anteriores. A academia é cumplice, pois cala diante da destruição de um solo que tardou mais de 200 milhões de anos para se formar. Prostitui-se e permite que tecnologias militares inadequadas sejam aplicadas para que as grandes corporações fortaleçam o Complexo Industrial Militar e suas metas mundiais.
  • 10. JUSTUS von LIEBIG INVENTOR FERTILIZANTES QUÍMICOS CONCENTRADOS SOLÚVEIS E LEITE-EM-PÓ JULIUS HENSEL DESCOBRIDOR BIOREMINERALIZAÇÃO SOLOS E VALORIZAÇÃO DO LEITE MATERNO FARINHAS DE ROCHAS, A MATÉRIA-PRIMA DA INDUSTRIA QUÍMICA QUE SUBSTITUIU OS SERVIÇOS DAS BIOTECNOLOGIAS CAMPONESAS – MICRORGANISMOS
  • 11. CENTO E DEZ ANOS ESCONDIDOS E DESCONHECIDO POR QUÊ? 77 ANOS ESCONDIDO 1936 Colocado na Internet em 2010 faltando 22 folhas intercaladas foi recomposto e
  • 12. NAS BACIAS DOS TRÊS RIOS NO VALE DE YAQUI E PASSOU ANTES DO PERÍMETRO DE IRRIGAÇÃO DE 330 MIL HA, O SOLO TINHA 2,5% DE MATÉRIA ORGÂNICA. HOJE TEM SOMENTE 0.05%.
  • 13. SOBERANIA E SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ECONOMIA SOLIDÁRIA SAÚDE COLETIVA COMUNICAÇÃO E CULTURA DIREITO AS TECNOLOGIAS SOCIAIS POPULAÇÕES NATIVAS E TRADICIONAIS AGROECOLOGIA $ $ $ $ $ $ $ $ ILUSÃO EBBINGHAUS AGRIBUSINESS A ilusão de Ebbinghaus ou círculos de Titchener é uma ilusão de ótica da percepção de tamanho relativo. Batizada com o nome de seu descobridor, o psicólogo alemão Hermann Ebbinghaus (1850–1909), a ilusão foi popularizada no mundo de língua inglesa por Edward B. Titchener em um livro de 1901 de psicologia experimental, daí seu nome alternativo. Os dois círculos laranja são exatamente do mesmo tamanho; no entanto, o da direita parece maior.
  • 14. MEIO AMBIENTE ECONÔMICO SOCIAL VIÁVEL SUTENTABILIDADE “SATISFAZER AS NECESSIDADES ATUAIS SEM COMPROMETER A CAPACIDADE DAS GERAÇÕES FUTURAS DE ATENDER ÀS SUAS”. SUSTENTABILIDADE
  • 15. QUESTÃOAGRÁRIA TERRITÓRIO MODELODE AGRICULTURA BIOPODER CAMPONÊS E S P I R I T U A L I D A D E AGROECOLOGIA Camponesa ORGANIZAÇÃO – BIOTECNOLOGIA CAMPONESA POLÍTICA “Auto-Educam” Autonomia Liberdade Orgulho Autoestima elevada
  • 16. O que é um Cromatograma de Pfeiffer? É uma análise investigativa do estado da Saúde no Solo, em que se vê a harmonia no metabolismo da microflora do solo e o equilíbrio na Degradação-Formação dos compostos da Matéria Orgânica nos Ciclos do C, N, S, O em forma de um holograma. O que permite predizer as condições da Saúde no Solo no tempo/espaço, da cultura que cresce nele e a qualidade dos seus frutos, e da população que os consome. O mais importante é que isso seja para todos/as.
  • 17. “Um croma é um processo de liberdade e autonomia organizativa para o camponês como a hóstia é para o crente e também para o pecador”.
  • 18. N O O S F E R A B I O S F E R A G E O S F E R A temperatura ideal protetora e reguladora Evolução Evolução Evolução da consciência universal CUIDADO DA CASA COMUM M Vladimir Vernadsky (1863 - 1945)
  • 19. Em 2000 União Europeia “Saúde do Solo” É a capacidade continuada do solo em funcionar como um sistema vivo vital, nos limites do ecossistema e uso da terra, para sustentar a produtividade biológica, promover a qualidade dos ambientes aéreos e aquáticos, e manter a saúde vegetal, e animal e humana. Antes OMC/FAO, agricultura moderna: “solo suporte inerte das raízes” No Wikipédia, definição de Solo, embute o conceito saúde do solo: “É uma avaliação da capacidade do solo para satisfazer na sua amplitude funcional seus ecossistemas de forma sustentável”
  • 20. “A biodiversidade fúngica e seu papel na saúde no solo”, de Magdalena Frac, Instituto de Agrofísica, Academia de Ciências da Polônia, et al. 2018 Funções dos fungos Serviços no Ecossistema Bioindicador es do Solo Fatores mudados BFS Fatores mediados na interação fungo- planta-micróbio Principais tipos de agroecossistema s do solo BIODIVERSIDADE FÚNGICA DO SOLO (BFS) - Agrícola - Horticultura - Pastagem - Florestal - Fungos saprotróficos - Fungos micorrízicos - Patógenos fúngicos - Endófitos fúngicos - Parasitas de plantas fúngicas - Mutualistas fúngicos - Alérgenos fúngicos - Produção de enzimas e metabolitos - Agentes de biocontrole fúngico - Transformação de matéria orgânica (decompositores) - Ciclagem de nutrientes (transformadores) - Formação e manutenção de estruturas do solo (engenheiros do ecossistema) - Regulação da população biológica (biocontroladores) - Melhoria do relacionamento com a água - Respiração do solo e melhoria da atividade enzimática - Indicadores de saúde do solo - fungos benéficos: + Sapróbios (macrofungos) + Fungos micorrízicos arbusculares (Glomus sp.) + Antogonista (Trichoderma sp) + Endófitos (Beauveria bassiana) - Indicadores de baixa qualidade do solo - fungos deletérios: Patógenos vegetais (Rhizoctonia, Fusarium, Alternaria) - Práticas de gestão - Fertilização química - Alterações orgânicas - Aplicação de herbicidas e fungicidas - Rotação de colheitas - Alterações bioquímicas - Inoculação da composição vegetal - Degradação do solo - Contaminantes do solo - Deficiência de nutrientes - Propriedades do solo (salinidade, seca) Aspectos da biodiversidade fúngica no solo. - Fitoquímicos bioativos - Flavonóides - Fenólicos - Peptídeos - Fitoalexinas - Estrigolactonas - CO2 - Fertilidade do solo - Tipo de solo - Práticas agrícolas - Temperatura - ocorrência de patógenos
  • 21. Biodiversidade fúngica do solo como investigação interdisciplinar “A biodiversidade fúngica e seu papel na saúde no solo”, de Magdalena Frac, Instituto de Agrofísica, Academia de Ciências da Polônia, Lublin; Silja E. Hannula, Insituto Holandês de Ecologia, Wageningen, Países Baixo; Marta Belka Jedryczka, Departamento de Patologia Florestal, Universidade de Ciências da Vida de Poznan; e Malgorzata Jedryczka, Instituto de Genética BIODIGERSIDAD E FÚNGICA PARA PESQUISA INTERDICIPLINA R Compilação dos resultados e comparação para base de dados BIOINFORMÁTICAS Geração de BIOQUÍMICA de dados metabolômicos Geração de GENÉTICAS de dados metagenômico s Geração de GENÉTICAS de dados transcriptômico s Interpretação dos resultados MICOLOGIA Comunicação com outras pesquisas e especialistas BIOLOGIA AGRONOMIA PEDOLOGIA HUMOLOGIA FLORESTAL FUTURO Movimento da lista de espécies de fungos nos solos para a análise baseada em funções, levando em consideração as interações entre os organismos AGROECOLOGI
  • 22. 5, 65cm X 5,65 31,92 x 3,1416 100m2 CAMPO DE METAGENÔMICA E METAPROTEÔMICA CAMPONÊS Geleia Real aos microorganismos do Solo 30 Kg Minerais (pó de rocha) 30 Kg de Composto 10 Kg de Carvão Vegetal 10 Kg de Farina de Ossos 30 Kg de Biomassa Verde 30 Kg de Biomassa Seca 30 Kg de Esterco de Herbívoros 10 Kg de Esterco de Aves ESTES VALORES MULTIPLICADOS POR 100 É A QUANTIDADE A SER APLICADA POR Ha. REPETIR A CADA ANO Enterrar uma estaca de forma que fique 1,50m; sobre a ponta marcar um X indicando o Norte. Tirar sempre a foto na mesma direção para ver a variação de vegetação: Se a baixo é diverso acima também é diverso. N
  • 23.
  • 24. Milpa Solar Blanco – São Pedro – SP Final de 2015 início de 2017
  • 25. 16/03/2018 1 MÊS 23/10/2018 – 7 meses 20/09/2019 – 17 meses
  • 27. 0 - Marco Zero – 13/09/2016 FINA DE INVERNO 1 – início de outono 2018 2 – final de outono 2019 3 – início da primavera 2019 4 – início do verão 2019 0 1 2 3 4
  • 28. 0 41 Campo Metagenômico Campesino - PODA DO CAPIM (único Manejo) - 30 kg FARINHA DE ROCHA - 30 kg CARVÃO VEGETAL - 30 kg COMPOSTO - 30 kg BIOMASSA VERDE Em 100 m2
  • 29.
  • 30. QUAL DELES TEM MAIS VIDA, SAÚDE? VIDA NÃO SE RESUME A NÚMEROS...
  • 31. I II III A SEMENTE PARA ATIVAR SUA ENERGIA PRECISA SOMENTE DE ÁGUA DA CHUVA. A CROMATOGRAFIA TAMBÉM
  • 32.
  • 33. Uma análise de laboratório é cara e obriga a mesclar diversas amostras. Não permite uma real avaliação da fertilidade do teu solo, pois seu valor maior é a compra de insumos, sem precisão. A cromatografía de Pfeiffer, de baixo custo, analiza de imediato cada local, e se queremos, a cada centímetro de profundidade. Diagnostifica o problema e aplica correções sem a imposição de consumir insumos externos SpecSolo 40 análises 20 seg
  • 35. SECADO E IMEDIATAMENTE PENEIRADO AS AMOSTRAS NÃO
  • 36. Amostra seca e peneirada para a moagem PESAR 5,0 GRAMAS
  • 37. 10g SOSA + 1000 cc = 20 AMOSTRAS Soluções para Cromatografía
  • 38. 50 ml DA SOLUÇÃO EXTRATORA DA VIDA NO SOLO SODA CAÚSTICA A 1% (extrae tudo que passa pelas membranas dos microorganismos e permanece a disposição das raízes. (Ácidos, Sais, Bases, Óxidos, Aminoácidos, Açúcares, Lípidios, Péptidos, Aminas, Vitaminas, Proteínas, Enzimas, Otros)
  • 39. • GIRAR O COPPO 6 VEZES A ESQUERDA (MEIO CICLO); • GIRAR O COPO 6 VEZES A DIREITA (MEIO CICLO); • REPETIR SEIS VEZES, FAZENDO 6 CICLOS COMPLETOS. • IMEDIATAMENTE • AOS QUIZE MINUTOS • AOS 60 MINUTOS • ESPERAR 6 HORAS SEM MOVER, POIS NO SOLO O SOBRENADANTE SERÁ EXTRAÍDO COM A SERINGA HIPODÉRMICA 6 6 6 vezes 6 6 6
  • 40. VAZADOR DE COURO OU BOCADO DE 2 mm
  • 41. Papel de filtro Whatman 15 cm # 1 e 4 Jprolab / Unifil 15cm # 40 e 41 CENTRO 4 e 6 cm
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52. CROMATOGRAFIA CIRCULAR PLANA 2AgN03+2Na0H +VIDA2Ag0H + 2NaN03 Ag20  NEGRO
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56. INÍCIO DEPOIS O ELECTROCARDIOGRAMA DE NOSSO PRIMEIRO CORAÇÃO FIXAR OS GASES DO “EFEITO ESTUFA” SOBRE A DIVERSIDADE MICROBIANA DO SOLO NOOSFERA HUMANO SANO ALIMENTO SANO PLANTA SADIA SOLO SANO MICROBIOTA $ERVICIO$ MARCA$ ALIENAÇÃO CERTIFICA ELITI$A EUGENE$IA A G R O N E G O C I O A G O E C O L O G I A
  • 57. TEU AGIR TEU AGIR CASCA DE ARROZ INOCULADA COM MICRÓBIOS 24, 48 E 96 HORAS OU A G R O N E G O C I O $ERVICIO$ MARCA$ ALIENAÇÃO CERTIFICA ELITI$A EUGENE$IA A G O E C O L O G I A NOOSFERA HUMANO SANO ALIMENTO SANO PLANTA SADIA SOLO SANO MICROBIOTA
  • 58. CROMATOGRAFIA DE FARINHAS DE ROCHAS “MB-4” ALAGOAS – BRASIL DIABASIO, CALI, COLOMBIA GAYA, URUAPAN, MÉXICO MÁSHUMUS TORREÓN MÉXICO “Sim, as raízes são limpas e uma luz é irradiada nelas; estas guiaram as ondas como se fossem uma fibra óptica. Esta é uma forma de obter energia no subsolo. O Paramagnetismo está para as raízes assim como a luz está para a clorofila” Dr. Phill Callahan
  • 59. Movimentos, tempo e espaço através da membrana é “transporte de massa” ou metabolismo e autopoiesis de C
  • 60. UMA MEMBRANA FAZ “TRANSPORTE DE MASSA”
  • 61. Membrana é um umbral energético com aspectos que armonizam espaços e matéria. ENXOFRE CARBONO SILICIO FERRO OXIGÊNIO ÁGUA NITRÔGENIO MATÉRIA ORGÂNICA
  • 62. NITROGÊNIO FÓSFORO POTÁSSIO MANGANÊS REFLEXÃO SIMÉTRICA ROTAÇÃO SIMÉTRICA SIMETRIA TRANSLACIONAL SAIBRO
  • 63. Influência do Campo Eletromagnético nas Membranas Harmonizadas - HISTERESE ENXOFRE CARBONO SILICIO HERRO OXIGÊNIO ÁGUA NITRÔGENIO MATÉRIA ORGÂNICA
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67. SOLO RECUPERADO EM 3 ANOS REFORMA AGRÁRIA ITACORUBI/RS SOLO SALINIZADO NO NORDESTE DO BRASIL
  • 68. 2012 De 1 10 Todos os solos mostram manejo orgânico e estão com muita saúde. Maior fertilidade potencial (1,2,3,4) Segundo nível (5,6) Terceiro nível (7,8,9,10) 1 6 32 9 875 10 4
  • 69. Z.I. O METABOLISMO MICROBIANO (Fungos) ESTRUTURAÇÃO DOS MINERAIS, QUE QUANTO MAIS FORA DO CENTRO MAIS COMPLEXO É NA SUA FORMA. Z.C. ATIVIDADE METABÓLICA DOS MICRÓBIOS DO CENTRO À PERIFERIA, FORMAM SUBSTÂNCIAS SIMPLES: NEGRAS OU CINZA SX (SH, SC, SN). BRANCO C/ OXIGÊNO (AMÔNIA, NITRATOS, NITRITOS, AMINAS, AMIDAS) Z.E. O METABOLISMO MICROBIANO FORMA AS PROTEÍNAS E SEUS DEGRADABÓLITOS
  • 70. COM HERBICIDA ROUNDUP SEM HERBICIDA ROUNDUP COM HERBICIDA ROUNDUP SEM HERBICIDA ROUNDUP
  • 71. WINOGRADSKY COLUMN MICROBIOLOGICAL ECOLOGY ENERGY PFEIFFER’S CHROMATOGRAPHY
  • 72. Z.I. Del Centro a la Periferia, cuanto menos marcas y detalles e mayor variación de colores, mejor está a actividad microbiana de los minerales y las condiciones climáticas. Las últimas puntas minerales muestran las moléculas más complejas (proteínas y péptidos), “saltitos” Z.E. Es la última parte a se desarrollar y la primera a muestra degradación. Su formación con “dientes” grandes, homogéneos, con grande cantidad de “nubes” y “pétalas” de color blanca indica el máximo de desarrollo.
  • 73.
  • 74. 36 dias 22 dias 12 dias 5 dias
  • 75. Um “composto” é um adubo bruto como a cama de aviário, cama de estábulo ou pocilga, ou adubo elaborado, geralmente com terra, palha, esterco, farelo, farinha de rochas, melaço, carvão mineral moído, levedura e inoculantes microbiológicos. Esta mistura é homogeneizada e colocada para fermentar sob condições controladas permite observar o desarmar da matéria orgânica em diferentes componentes e seu rearme em matéria orgânica complexa pelas diferentes etapas sucessivas da fermentação. Sir Albert Howard Composto Orgânico C/N < 5 – Manejo humano de resíduos agrícolas na propriedade para ganho de tempo – espaço através do trabalho e saber.
  • 76. 2013 COMPOSTOS ORGÂNICOS 1. CRU - 2. e 3. NO PONTO – 4. e 5. PASSADO – 6. MATÉRIA ORGÂNICA $EM VALOR 1 32 4 5 6
  • 77. Cromatografia, pouco de história • Período anterior a Primeira Guerra era um grande florescimento na ciência alemã; • a Sociedade Teosófica Alemã estava com uma séria dissidência interna; • 1924 – agricultores alemães preocupados com a degradação de suas terras e futuro da agricultura - fertilizantes solúveis, e inseticida arsenicais em batatas, hortaliças e uva (crise alimentar que teve início 1910) • Rudolf Steiner (1861-1925), filósofo (croata) coordenou os cientista interessados na solução da contaminação e má qualidade dos alimentos alemães; Mikhail Tswett (1872-1919) Botânico russo desenvolve a técnica de cromatografia em 1902, tese Clorofila 1910. Nicolai Izmailov e Maria Schraiber Eugen Kolisko (1893-1939) Lily Kolisko (1889-1976), expoente científica da Homeopatia de análise profundas.
  • 78. Cromatografia de Runge/Pfeiffer • Friedlieb Ferdinand Runge (1794-1867), alemão, químicos analítico. • 1850 – pública 3 livros Química da Coloração. • Estudos: química da purina, identificação das substâncias da beladona, cafeína, corantes de alcatrão do carvão, anilina azul... Reagentes em papel de borrão – Cromatografia em papel.
  • 79. Formulou a Teoria da Vitalidade do Solo baseada na diversidade de microrganismos que em suas membranas transformam orgânico em mineral e vice-versa 1933 foi aos EE.UU. para ser conselheiro biodinâmico, em 1937 recebe o título de Dr. em Medicina na Hahnemann Medical College (Filadélfia) onde aceitou a trabalhar 1940, Pfeiffer emigrou com sua filha e esposa para os EE.UU.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 84.
  • 85.
  • 86.
  • 87. A SEMI IMAGEM DA ESQUERDA FOI FEITA NA DATA 27/01/2019 NA ESTAÇÃO DO ANO VERÃO A SEMI IMAGEM DA DIREITA FOI FEITA NA DATA 28/01/2020 NA ESTAÇÃO DO ANO VERÃO O TEMPO ENTRE AMBAS EM DIAS FOI DE 1 ANO OS DENTES ESTAO MAIORES NA ESQUERDA PELO CLIMA E CONSUMO OS DENTES NA DIREITA ESTÃO MENORES POIS ESTAMOS ENTRANDO NO PRIMEIRO MÊS DO VERÃO A VIDA MICROBIANA AUMENTOU 5 VEZES O SOLO DESCOMPACTOU, VERIFICAR COM A FACA NOS DIFERENTES HORIZONTES OS MINERAIS ESTÃO POTENTES E BEM ESTRUTURADOS. OS DENTES DA DIREITA DENTRO DE 30 ÁREA 2 – COMPARAÇÃO ENTRE AMOSTRA 1 E AMOSTRA 3
  • 88. ENZIMAS E PROTEÍNAS NO SOLO Terra Preta Indígena da Amazônia, Manaus (Rice/Thermo) Biocharcoal effect?
  • 89. Leonardo Noronha – Poço Fundo – MG Cooperado da COOPFAM
  • 91. A AGROECOLOGIA CAMPESINA ALIMENTA O CORPO E OS PROFESSORES O ESPÍRITO
  • 92.
  • 93. SEREMOS BOMBEIROS AGROECOLÓGICOS A RESTAURAR A ALEGRIA E FELICIDADE DO BIOPODER CAMPONÊS E APAGAR OS FOGOS E A DEVASTAÇÃO DAS BIOPIRATARIAS Obrigado!