SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema de Aterramento e
SPDA
Rodrigo Campos
Kleber Costa
Bruno Ferreira
Emerson Rosa
Aterramento
 Conceito:
É um conjunto de condutores enterrados, cujo objetivo é realizar o contato entre o circuito e o solo, e
consiste em uma haste cravada na terra que é conectado a um fio que percorre toda a casa.
 Objetivo:
O objetivo do aterramento, além da proteção das pessoas, animais e equipamentos, é fornecer um
caminho seguro para a dissipação das correntes de fuga.
Funções Principais
 Proteção ao Usuário:
Protege o usuário do equipamento, das descargas elétricas através da viabilização de um caminho
alternativo para a terra.
 Proporcionar Funcionamento:
Proporciona o funcionamento adequado dos dispositivos de proteção(Disjuntores, DR, DPS, etc.), através
da corrente desviada para a terra.
Definição das Partes
Constituintes
 Terra:
Solo que envolve a haste de aterramento.
 Haste de aterramento:
Elemento condutor metálico ou conjunto de elementos condutores interligados, em contato direto
com a terra de modo a garantir ligação com o solo.
 Condutor de ligação:
Condutor empregado para conectar o objeto a ser aterrado a haste de aterramento, ou para efetuar a
ligação de duas ou mais hastes de aterramento.
Valores de Resistência
A norma de instalações elétricas (NBR 5410/2004) não define diretamente
nenhum valor, Porém a norma brasileira de proteção contra descargas atmosféricas
(NBR 5419/2005) recomenda um valor máximo de 10 ohms.
Sistemas de Aterramento
 Sistema TN-S
Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um
mesmo ponto na alimentação do circuito, porém distribuídos de forma independente por toda a
instalação.
Sistemas de Aterramento
 Sistema TN-C
Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um
mesmo ponto na alimentação do circuito e distribuídos por um único condutor, combinando as funções de
neutro e terra por toda a instalação.
Sistemas de Aterramento
 Sistema TN-C-S
Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um
mesmo ponto na alimentação do circuito e distribuídos em parte da instalação por um único condutor (que
combina as funções de neutro e terra) e em outra parte desta mesma instalação através de dois
condutores distintos.
Sistemas de Aterramento
 Sistema TT
Esquema em que o condutor neutro é aterrado em uma haste distinta da haste destinada ao condutor de
proteção elétrica. Desta forma as massas do sistema elétrico estão aterradas em uma haste de
aterramento eletricamente distinto da haste de aterramento da alimentação.
Sistemas de Aterramento
 Sistema IT
Esquema em que as partes vivas são isoladas da terra ou o ponto de alimentação é aterrado através de
uma impedância. As massas são aterradas ou em eletrodos distintos para cada uma delas, ou em um
eletrodo comum para todas elas ou ainda partilhar do mesmo eletrodo de aterramento da alimentação,
porém não passando pela impedância.
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
 Objetivo
A instalação dos Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA) é uma exigência do Corpo de
Bombeiros, regulamentada pela ABNT segundo a Norma NBR 5419/2005, e tem como objetivo evitar e/ou
minimizar o impacto dos efeitos das descargas atmosféricas, que podem ocasionar incêndios, explosões,
danos materiais e, até mesmo, risco à vida de pessoas e animais.
 Conceito de Aplicação
Sistema completo destinado a proteger uma estrutura contra os efeitos das descargas atmosféricas.
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
 Sistema Externo de Proteção
Sistema que consiste em subsistema de captores, subsistema de condutores de descida, subsistema de
aterramento.
 Sistema Interno de Proteção
Conjunto de dispositivos que reduzem os efeitos elétricos da corrente de descarga atmosférica dento do
volume a proteger (DPS – Dispositivo de Proteção Contra Surtos).
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA) Captação
Tem como função receber as descargas que incidam sobre o topo da edificação e distribuí-las pelas
descidas.
 Descida
Recebem as correntes distribuídas pela captação encaminhando-as rapidamente para o solo.
 Cintamento
Receber descargas laterais e distribuí-las pelas descidas.
 Aterramento
Recebe as correntes elétricas das descidas e as dissipam no solo.
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
Atualmente a três métodos de dimensionamento:
 Método Franklin;
 Método Gaiola de Faraday;
 Método da Esfera Rolante.
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)O método da esfera rolante consiste em rolar uma esfera por toda a edificação. Esta esfera terá um raio
definido em função do nível de proteção. Os locais onde a esfera tocar a edificação são os mais expostos a
descargas. Resumindo, podemos dizer que os locais onde a esfera toca o raio também pode tocar, devendo
estes estarem protegidos por elementos metálicos (captores Franklin ou condutores metálicos).
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA) Nível Proteção I
Edificações de explosivos, Inflamáveis, Indústrias Químicas, Nucleares, Laboratórios bioquímicos, Fábricas
de munição e fogos de artifício, Estações de telecomunicações, usinas Elétricas, Indústrias com risco de
incêndio, Refinarias, etc.
 Nível Proteção II
Edifícios Comerciais, Bancos, Teatros, Museus, Locais arqueológicos, Hospitais, Prisões, Casas de repouso,
Escolas, Igrejas, Áreas esportivas.
 Nível Proteção III
Edifícios Residenciais, Indústrias, Casas residenciais, Estabelecimentos agropecuários e Fazendas com
estrutura em madeira.
 Nível Proteção IV
Galpões de sucata ou conteúdo desprezível, Fazendas e Estab. Agrop. com estrutura em madeira.
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
Eficiência dos Níveis de Proteção:
Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas
(SPDA)
Considerações Finais
Como todo sistema de Proteção, o SPDA não é 100% eficiente, além do que se trata de uma proteção contra
um fenômeno da natureza imprevisível e aleatório. Porém um bom dimensionamento e o uso dos materiais
adequados proporcionam uma boa eficiência do sistema e garantem a segurança da edificação.
Lembrando sempre que para o bom funcionamento dos dispositivos de proteção, o bom funcionamento do
sistema de aterramento é indispensável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
Vander Bernardi
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidades
Sala da Elétrica
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
cerejn
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
FRANCESCO GALGANO
 
Laudo resistencia aterramento suzano
Laudo resistencia  aterramento suzanoLaudo resistencia  aterramento suzano
Laudo resistencia aterramento suzano
Jorge Martins de Oliveira
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
Sala da Elétrica
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
Lucas Lima
 
Apostila NR-10
Apostila NR-10Apostila NR-10
Apostila NR-10
leonardob0b
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
Eduardo Teixeira
 
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 Medidas de controle do risco elétrico.ppt Medidas de controle do risco elétrico.ppt
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
elmerribeiro
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
Moisés Gomes de Lima
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
Rafael Silveira
 
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - ApresentaçãoSeguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Jonas Abilio Sestrem Jr
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Carlos Melo
 
Tudo sobre relés
Tudo sobre relésTudo sobre relés
Tudo sobre relés
Gustavo de Andrade Coelho
 
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Esquemas de aterramento
Esquemas de aterramentoEsquemas de aterramento
Esquemas de aterramento
Ellen Albuquerque
 
Como especificar um disjuntor
Como especificar um disjuntorComo especificar um disjuntor
Como especificar um disjuntor
Cássio Rezende
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
isabelourenco
 
NR 10 SEP 1.pptx
NR 10 SEP 1.pptxNR 10 SEP 1.pptx
NR 10 SEP 1.pptx
MarceloAlexandre51
 

Mais procurados (20)

AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidades
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Laudo resistencia aterramento suzano
Laudo resistencia  aterramento suzanoLaudo resistencia  aterramento suzano
Laudo resistencia aterramento suzano
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Apostila NR-10
Apostila NR-10Apostila NR-10
Apostila NR-10
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 Medidas de controle do risco elétrico.ppt Medidas de controle do risco elétrico.ppt
Medidas de controle do risco elétrico.ppt
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Seguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - ApresentaçãoSeguranca Eletricidade - Apresentação
Seguranca Eletricidade - Apresentação
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Tudo sobre relés
Tudo sobre relésTudo sobre relés
Tudo sobre relés
 
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
 
Esquemas de aterramento
Esquemas de aterramentoEsquemas de aterramento
Esquemas de aterramento
 
Como especificar um disjuntor
Como especificar um disjuntorComo especificar um disjuntor
Como especificar um disjuntor
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
 
NR 10 SEP 1.pptx
NR 10 SEP 1.pptxNR 10 SEP 1.pptx
NR 10 SEP 1.pptx
 

Destaque

Dispositivos de proteção contra Choque Elétrico
Dispositivos de proteção contra Choque ElétricoDispositivos de proteção contra Choque Elétrico
Dispositivos de proteção contra Choque Elétrico
Rodrigo Campos
 
Compressores são usados para a geração de ar comprimido
Compressores são usados para a geração de ar comprimidoCompressores são usados para a geração de ar comprimido
Compressores são usados para a geração de ar comprimido
Aldo Carvalho
 
Importância do Aterramento
Importância do AterramentoImportância do Aterramento
Importância do Aterramento
Mario Kleber
 
Síntese descarga atmosférica
Síntese descarga atmosférica Síntese descarga atmosférica
Síntese descarga atmosférica
Marcio Neris
 
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricosE cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
André Felipe
 
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
Marcelo Gandra Falcone
 
Spda
SpdaSpda
Agua
AguaAgua
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutosE cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
André Felipe
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principalEquipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
profelder
 
Memorial_descritivo
Memorial_descritivoMemorial_descritivo
Memorial_descritivo
Jacqueline Satiko
 
Geometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercíciosGeometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercícios
Ana Tapadinhas
 
Dimensionamento De Condutores
Dimensionamento De CondutoresDimensionamento De Condutores
Dimensionamento De Condutores
Santos de Castro
 
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentesE cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
André Felipe
 
Operações com vetores
Operações com vetoresOperações com vetores
Operações com vetores
experimentun
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
Viviane Arantes
 
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Warlle Almeida
 
Circuitos RLC
Circuitos RLCCircuitos RLC
Circuitos RLC
Jim Naturesa
 
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque ElétricoHigiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
Breno Araújo
 
Modelo laudo spda
Modelo laudo spdaModelo laudo spda
Modelo laudo spda
Paulo H Bueno
 

Destaque (20)

Dispositivos de proteção contra Choque Elétrico
Dispositivos de proteção contra Choque ElétricoDispositivos de proteção contra Choque Elétrico
Dispositivos de proteção contra Choque Elétrico
 
Compressores são usados para a geração de ar comprimido
Compressores são usados para a geração de ar comprimidoCompressores são usados para a geração de ar comprimido
Compressores são usados para a geração de ar comprimido
 
Importância do Aterramento
Importância do AterramentoImportância do Aterramento
Importância do Aterramento
 
Síntese descarga atmosférica
Síntese descarga atmosférica Síntese descarga atmosférica
Síntese descarga atmosférica
 
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricosE cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
E cap 7- dimensionamento de condutores elétricos
 
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
Atestado conformidade da_instalacao_eletrica anexo r 2013
 
Spda
SpdaSpda
Spda
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutosE cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principalEquipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
Equipamentos elétricos e telecomunicações - Apresentação principal
 
Memorial_descritivo
Memorial_descritivoMemorial_descritivo
Memorial_descritivo
 
Geometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercíciosGeometria vectorial 10 º exercícios
Geometria vectorial 10 º exercícios
 
Dimensionamento De Condutores
Dimensionamento De CondutoresDimensionamento De Condutores
Dimensionamento De Condutores
 
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentesE cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
 
Operações com vetores
Operações com vetoresOperações com vetores
Operações com vetores
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
 
Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23Lei de gauss, halliday, cap. 23
Lei de gauss, halliday, cap. 23
 
Circuitos RLC
Circuitos RLCCircuitos RLC
Circuitos RLC
 
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque ElétricoHigiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
Higiene e Segurança do Trabalho- Choque Elétrico
 
Modelo laudo spda
Modelo laudo spdaModelo laudo spda
Modelo laudo spda
 

Semelhante a Sistema de Aterramento e SPDA

Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
Fernandoprotec
 
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricasNbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Sebastian Nunes
 
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricasNbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Everton Retore Teixeira
 
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdfNBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
RodrigoPini2
 
Nbr 5419 para-raios
Nbr 5419   para-raiosNbr 5419   para-raios
Nbr 5419 para-raios
UFBA
 
Abnt nbr 5419
Abnt nbr 5419Abnt nbr 5419
Abnt nbr 5419
Walder Chaves Soares
 
Nbr 5419 para-raios
Nbr 5419   para-raiosNbr 5419   para-raios
Nbr 5419 para-raios
alexander oliveira
 
Nbr 5419 para-raios (1)
Nbr 5419   para-raios (1)Nbr 5419   para-raios (1)
Nbr 5419 para-raios (1)
Patrick Trivilin Rodrigues
 
Nbr 5419
Nbr 5419Nbr 5419
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdfINSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
FernandoCruz586077
 
Normas regulamentosinstalaçõeselétricas
Normas regulamentosinstalaçõeselétricasNormas regulamentosinstalaçõeselétricas
Normas regulamentosinstalaçõeselétricas
Claudio Trancoso Rodrigues
 
Aterramento eletrico
Aterramento eletricoAterramento eletrico
Aterramento eletrico
Eduardo Soares
 
Manual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétricoManual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétrico
Miguel Allende
 
Manual sobre aterramento
Manual sobre aterramentoManual sobre aterramento
Manual sobre aterramento
Isaque Brasileiro
 
Manual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétricoManual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétrico
wjorge10
 
Manual de-aterramento-elétrico (1)
Manual de-aterramento-elétrico (1)Manual de-aterramento-elétrico (1)
Manual de-aterramento-elétrico (1)
Pedro Neves
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
henfor
 
Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)
Anderson Silva
 
Apostila spda
Apostila spdaApostila spda
Apostila spda
JooPauloLago1
 
SPDA.pptx
SPDA.pptxSPDA.pptx
SPDA.pptx
AndrSantos259490
 

Semelhante a Sistema de Aterramento e SPDA (20)

Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricasNbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
 
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricasNbr 05419   2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Nbr 05419 2001 - proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
 
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdfNBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
NBR 05419 - 2001 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.pdf
 
Nbr 5419 para-raios
Nbr 5419   para-raiosNbr 5419   para-raios
Nbr 5419 para-raios
 
Abnt nbr 5419
Abnt nbr 5419Abnt nbr 5419
Abnt nbr 5419
 
Nbr 5419 para-raios
Nbr 5419   para-raiosNbr 5419   para-raios
Nbr 5419 para-raios
 
Nbr 5419 para-raios (1)
Nbr 5419   para-raios (1)Nbr 5419   para-raios (1)
Nbr 5419 para-raios (1)
 
Nbr 5419
Nbr 5419Nbr 5419
Nbr 5419
 
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdfINSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO.pdf
 
Normas regulamentosinstalaçõeselétricas
Normas regulamentosinstalaçõeselétricasNormas regulamentosinstalaçõeselétricas
Normas regulamentosinstalaçõeselétricas
 
Aterramento eletrico
Aterramento eletricoAterramento eletrico
Aterramento eletrico
 
Manual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétricoManual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétrico
 
Manual sobre aterramento
Manual sobre aterramentoManual sobre aterramento
Manual sobre aterramento
 
Manual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétricoManual de-aterramento-elétrico
Manual de-aterramento-elétrico
 
Manual de-aterramento-elétrico (1)
Manual de-aterramento-elétrico (1)Manual de-aterramento-elétrico (1)
Manual de-aterramento-elétrico (1)
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)
 
Apostila spda
Apostila spdaApostila spda
Apostila spda
 
SPDA.pptx
SPDA.pptxSPDA.pptx
SPDA.pptx
 

Sistema de Aterramento e SPDA

  • 1. Sistema de Aterramento e SPDA Rodrigo Campos Kleber Costa Bruno Ferreira Emerson Rosa
  • 2. Aterramento  Conceito: É um conjunto de condutores enterrados, cujo objetivo é realizar o contato entre o circuito e o solo, e consiste em uma haste cravada na terra que é conectado a um fio que percorre toda a casa.  Objetivo: O objetivo do aterramento, além da proteção das pessoas, animais e equipamentos, é fornecer um caminho seguro para a dissipação das correntes de fuga.
  • 3. Funções Principais  Proteção ao Usuário: Protege o usuário do equipamento, das descargas elétricas através da viabilização de um caminho alternativo para a terra.  Proporcionar Funcionamento: Proporciona o funcionamento adequado dos dispositivos de proteção(Disjuntores, DR, DPS, etc.), através da corrente desviada para a terra.
  • 4. Definição das Partes Constituintes  Terra: Solo que envolve a haste de aterramento.  Haste de aterramento: Elemento condutor metálico ou conjunto de elementos condutores interligados, em contato direto com a terra de modo a garantir ligação com o solo.  Condutor de ligação: Condutor empregado para conectar o objeto a ser aterrado a haste de aterramento, ou para efetuar a ligação de duas ou mais hastes de aterramento.
  • 5. Valores de Resistência A norma de instalações elétricas (NBR 5410/2004) não define diretamente nenhum valor, Porém a norma brasileira de proteção contra descargas atmosféricas (NBR 5419/2005) recomenda um valor máximo de 10 ohms.
  • 6. Sistemas de Aterramento  Sistema TN-S Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um mesmo ponto na alimentação do circuito, porém distribuídos de forma independente por toda a instalação.
  • 7. Sistemas de Aterramento  Sistema TN-C Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um mesmo ponto na alimentação do circuito e distribuídos por um único condutor, combinando as funções de neutro e terra por toda a instalação.
  • 8. Sistemas de Aterramento  Sistema TN-C-S Esquema em que os condutores de proteção elétrica (terra) e neutro encontram-se conectados em um mesmo ponto na alimentação do circuito e distribuídos em parte da instalação por um único condutor (que combina as funções de neutro e terra) e em outra parte desta mesma instalação através de dois condutores distintos.
  • 9. Sistemas de Aterramento  Sistema TT Esquema em que o condutor neutro é aterrado em uma haste distinta da haste destinada ao condutor de proteção elétrica. Desta forma as massas do sistema elétrico estão aterradas em uma haste de aterramento eletricamente distinto da haste de aterramento da alimentação.
  • 10. Sistemas de Aterramento  Sistema IT Esquema em que as partes vivas são isoladas da terra ou o ponto de alimentação é aterrado através de uma impedância. As massas são aterradas ou em eletrodos distintos para cada uma delas, ou em um eletrodo comum para todas elas ou ainda partilhar do mesmo eletrodo de aterramento da alimentação, porém não passando pela impedância.
  • 11. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)  Objetivo A instalação dos Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA) é uma exigência do Corpo de Bombeiros, regulamentada pela ABNT segundo a Norma NBR 5419/2005, e tem como objetivo evitar e/ou minimizar o impacto dos efeitos das descargas atmosféricas, que podem ocasionar incêndios, explosões, danos materiais e, até mesmo, risco à vida de pessoas e animais.  Conceito de Aplicação Sistema completo destinado a proteger uma estrutura contra os efeitos das descargas atmosféricas.
  • 12. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)  Sistema Externo de Proteção Sistema que consiste em subsistema de captores, subsistema de condutores de descida, subsistema de aterramento.  Sistema Interno de Proteção Conjunto de dispositivos que reduzem os efeitos elétricos da corrente de descarga atmosférica dento do volume a proteger (DPS – Dispositivo de Proteção Contra Surtos).
  • 13. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) Captação Tem como função receber as descargas que incidam sobre o topo da edificação e distribuí-las pelas descidas.  Descida Recebem as correntes distribuídas pela captação encaminhando-as rapidamente para o solo.  Cintamento Receber descargas laterais e distribuí-las pelas descidas.  Aterramento Recebe as correntes elétricas das descidas e as dissipam no solo.
  • 14. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) Atualmente a três métodos de dimensionamento:  Método Franklin;  Método Gaiola de Faraday;  Método da Esfera Rolante.
  • 15. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)
  • 16. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)
  • 17. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)O método da esfera rolante consiste em rolar uma esfera por toda a edificação. Esta esfera terá um raio definido em função do nível de proteção. Os locais onde a esfera tocar a edificação são os mais expostos a descargas. Resumindo, podemos dizer que os locais onde a esfera toca o raio também pode tocar, devendo estes estarem protegidos por elementos metálicos (captores Franklin ou condutores metálicos).
  • 18. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) Nível Proteção I Edificações de explosivos, Inflamáveis, Indústrias Químicas, Nucleares, Laboratórios bioquímicos, Fábricas de munição e fogos de artifício, Estações de telecomunicações, usinas Elétricas, Indústrias com risco de incêndio, Refinarias, etc.  Nível Proteção II Edifícios Comerciais, Bancos, Teatros, Museus, Locais arqueológicos, Hospitais, Prisões, Casas de repouso, Escolas, Igrejas, Áreas esportivas.  Nível Proteção III Edifícios Residenciais, Indústrias, Casas residenciais, Estabelecimentos agropecuários e Fazendas com estrutura em madeira.  Nível Proteção IV Galpões de sucata ou conteúdo desprezível, Fazendas e Estab. Agrop. com estrutura em madeira.
  • 19. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) Eficiência dos Níveis de Proteção:
  • 20. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) Considerações Finais Como todo sistema de Proteção, o SPDA não é 100% eficiente, além do que se trata de uma proteção contra um fenômeno da natureza imprevisível e aleatório. Porém um bom dimensionamento e o uso dos materiais adequados proporcionam uma boa eficiência do sistema e garantem a segurança da edificação. Lembrando sempre que para o bom funcionamento dos dispositivos de proteção, o bom funcionamento do sistema de aterramento é indispensável.