SlideShare uma empresa Scribd logo
Interruptor Diferencial Residual – DR

Proteção Pessoal
Ao contrário dos disjuntores termomagnéticos, a função principal dos interruptores
diferenciais residuais (DR) é proteger as pessoas que utilizam a energia elétrica, e não,
a instalação.
O principal problema para o ser humano em relação à energia elétrica são os eventuais
choques. Estes ocorrem sempre que houver um contato com um condutor ou
equipamento energizado. Nesse instante, a pessoa passa a desempenhar o papel de
meio condutor de eletricidade do sistema para a terra.
Os efeitos dessa passagem de corrente elétrica através do corpo humano variam de
um simples susto a ferimentos graves, ou até mesmo à morte.
A falta para a terra também pode gerar faíscas e produzir incêndios. O interruptor
diferencial detecta toda a passagem de corrente para a terra e desliga o circuito
elétrico, ou seja, será útil tanto na proteção contra choques ( proteção pessoal ) como,
também, contra incêndios ( proteção de patrimônio).

Proteções
Contato Indireto:
No caso de uma falta interna de algum equipamento, peças de metal podem tornar-se
"Vivas" ( energizadas ).
Contato Direto
Contato direto com partes "vivas" pode ocasionar fuga de corrente elétrica, através do
corpo humano, para a terra.
Contra incêndio
Correntes para terra de 500mA podem gerar arcos/faíscas e provocar incêndios.
Tabela de Escolha
I n

30 mA

100 mA

300mA

500 mA

2 módulos
V/304-022031
V/304-024031
V/304-026031
V/304-028031
V/304-029031
V/304-022101
V/304-024101
V/304-026101
V/304-028101
V/304-022301
V/304-024301
V/304-026301
V/304-028301
V/304-029301
V/304-022501
V/304-024501
V/304-026501
V/304-028501

4 módulos
V/304-042031
V/304-044031
V/304-046031
V/304-048031
V/304-049031
V/304-042101
V/304-044101
V/304-046101
V/304-048101
V/304-049101
V/304-042301
V/304-044301
V/304-046301
V/304-048301
V/304-049301
V/304-042501
V/304-044501
V/304-046501
V/304-048501
V/304-049501

In (A)
25
40
63
80
100
25
40
63
80
100
25
40
63
80
100
25
40
63
80
100

Princípio de Funcionamento
O DR funciona com um sensor que mede as correntes que entram e saem no circuito
( fig. 1). As duas são de mesmo valor, porém de direções contrárias em relação à
carga. Se chamarmos a corrente que entra na carga de +I e a que sai de -I, logo a
soma das correntes é igual a zero ( fig. 2). A soma só não será igual a zero se houver
corrente fluindo para a terra ( fig. 3 ), como no caso de um choque elétrico. A
sensibilidade do interruptor, que varia de 30 a 500mA, deve ser dimensionada com
cuidado, pois existem perdas para a terra inerentes à própria qualidade da instalação.
Acessórios
Código
V/099-900101
V/099-900104
V/099-901029

Descrição
Cont. aux. 1NAF
Cont. aux. 1NAF + Cont. aux. 1NAF ( ou Cont. alarme )
Trava para Cadeado

Dimensões

Instalação
O interruptor DR deve estar instalado em associação com os disjuntores do quadro de
distribuição, de forma a proporcionar uma proteção completa contra sobrecarga, curtocircuito e falta à terra.
A instalação dos Interruptores Diferenciais Residuais deve ser realizada por técnico
especializado e a fixação se faz por trilho DIN ( 35 mm ).
Todos os condutores ( fases + neutro ) que constituem a alimentação a proteger devem
ser ligados através do DR segundo o esquema abaixo. O neutro, após sua conexão ao
interruptor, não poderá mais ser aterrado.
Quais são as codificações de cores padrão utilizadas em circuitos de Baixa Tensão?
A NBR 5410 especifica a cor de isolação dos condutores somente para duas situações:
• Condutor Neutro - Deve ser Azul-Claro ;
• Condutor de Proteção (Terra) - Deve ser Verde ou Verde Amarelo*
Para os demais cabos (fases) não é prevista a utilização de nenhuma cor específica.
*os condutores Verde ou Verde Amarelo só podem ser utilizados com condutor de
proteção.
Existe alguma limitação para a ocupação de cabos dentro de eletrodutos?
De acordo com a NBR 5410 os fios ou cabos não devem ocupar mais do que 53% da
área útil do eletroduto quando é utilizado um condutor, 31% quando são utilizados dois
e 40% para três ou mais condutores no mesmo eletroduto.

O que é temperatura de curto-circuito?

É a temperatura máxima que um condutor pode atingir em regime de curto-circuito. A
duração desse regime não pode ser superior a 5 s. Para um cabo isolado em PVC a
temperatura de curto-circuito é de 160ºC e para cabos isolados em EPR 250ºC.
O que é temperatura de trabalho?
É a temperatura máxima que um condutor pode atingir em regime permanente. Para
um cabo isolado em PVC a temperatura de trabalho é de 70°C e para cabos isolados
em EPR 90°C.

Quais são as seções mínimas dos condutores de fase?
Conforme a NBR 5410 as seções dos condutores de fase são:

Circuitos de Força (incluem tomadas)

2,5

Circuitos de Sinalização e circuitos de
controle

0,5
Como especificado na
norma do
equipamento

Para qualquer outra aplicação

0,75

Circuitos a extrema baixa tensão para
aplicações específicas

Ligações Flexíveis

1,5

Para um equipamento específico

Instalações Fixas em
Geral

Utilização do Circuito
Circuitos de Iluminação

Tipos de Instalação

Seção Mínima do
Condutor Isolado
(mm²)

0,75

O que é corrente de fuga?

É a corrente que, por imperfeição dos terminais, conexões ou até mesmo da isolação,
flui para a terra ou para elementos condutores estranhos à instalação. São
responsáveis por grandes desperdícios de energia elétrica podendo ser comparados
aos vazamentos das instalações hidráulicas.
Quando deve ser utilizado o condutor de proteção (condutor terra)?
Os condutores de proteção devem estar presentes em todas as instalações de baixa
tensão, seja qual for o esquema de aterramento adotado, desempenhando um papel
fundamental na proteção de contados indiretos. São eles que garantem a perfeita
continuidade do circuito de terra para seu escoamento das correntes de fuga e/ou falta
de instalação.

Qual a duração (vida) de um cabos?
A vida média de um cabo é de aproximadamente 20 anos. Este dado, porém, depende
das condições de instalação e uso.
Qual a diferença entre cabo flexível e fio rígido?
As características elétricas (capacidade de condução de corrente, resistência da
isolação, etc.) dos cabos flexíveis são as mesmas dos fios rígidos. A grande diferença é
que os cabos flexíveis são melhores para a instalação devido ao fácil manuseio.
A vida média de um cabo é de aproximadamente 20 anos. Este dado, porém, depende
das condições de instalação e uso.
Qual a diferença entre cabo flexível e fio rígido?
As características elétricas (capacidade de condução de corrente, resistência da
isolação, etc.) dos cabos flexíveis são as mesmas dos fios rígidos. A grande diferença é
que os cabos flexíveis são melhores para a instalação devido ao fácil manuseio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
JooPedroVilela4
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
ragrellos
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Reginaldo Steinhardt
 
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predialProjeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
RICARDO TAMIETTI
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencial
allan
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
cerejn
 
norma - nr-10
norma - nr-10norma - nr-10
norma - nr-10
Tharley Alcantara
 
Epi epc
Epi epcEpi epc
Epi epc
André Souza
 
Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2
informatica_equipaeng
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Carlos Melo
 
Transformador
TransformadorTransformador
Transformador
Rejane Lúcia Gadelha
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
Leonardo Muniz
 
Spda
SpdaSpda
Dimensionamento de Eletrodutos
Dimensionamento de EletrodutosDimensionamento de Eletrodutos
Dimensionamento de Eletrodutos
Rodrigo Andrade Brígido
 
Equipamentos alta tensão
Equipamentos alta tensãoEquipamentos alta tensão
Equipamentos alta tensão
BETO3338
 
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Fermi Xalegre
 
Modelo laudo tec spda_exemplo
Modelo laudo tec spda_exemploModelo laudo tec spda_exemplo
Modelo laudo tec spda_exemplo
Paulo H Bueno
 
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.pptNR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
Talmom Taciano
 
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Fred Pacheco
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
Moisés Gomes de Lima
 

Mais procurados (20)

Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predialProjeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
Projeto exemplo - instalação elétrica residencial e predial
 
Manual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencialManual do-eletricista-residencial
Manual do-eletricista-residencial
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
norma - nr-10
norma - nr-10norma - nr-10
norma - nr-10
 
Epi epc
Epi epcEpi epc
Epi epc
 
Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Transformador
TransformadorTransformador
Transformador
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Spda
SpdaSpda
Spda
 
Dimensionamento de Eletrodutos
Dimensionamento de EletrodutosDimensionamento de Eletrodutos
Dimensionamento de Eletrodutos
 
Equipamentos alta tensão
Equipamentos alta tensãoEquipamentos alta tensão
Equipamentos alta tensão
 
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
 
Modelo laudo tec spda_exemplo
Modelo laudo tec spda_exemploModelo laudo tec spda_exemplo
Modelo laudo tec spda_exemplo
 
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.pptNR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
 
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 

Destaque

Atps eletricidade
Atps   eletricidadeAtps   eletricidade
Atps eletricidade
Almir Luis
 
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumoGtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
Camila Rocha
 
transformadores - ligações
transformadores - ligaçõestransformadores - ligações
transformadores - ligações
Almir Luis
 
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson SilvaBásico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
Anderson Silva
 
Calculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasicaCalculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasica
Diony Junio Natali
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Edson Lopes
 
Apostila aconselhamento pdf
Apostila aconselhamento pdfApostila aconselhamento pdf
Apostila aconselhamento pdf
Aldarci Marques da Silva
 
Guia de aterramento
Guia de aterramentoGuia de aterramento
Guia de aterramento
Aldarci Marques da Silva
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
Jhon Gomes
 
Manutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletasManutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletas
Edson Lopes
 

Destaque (10)

Atps eletricidade
Atps   eletricidadeAtps   eletricidade
Atps eletricidade
 
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumoGtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
Gtd 1 Circuitos equilibrados e desequilibredos, resumo
 
transformadores - ligações
transformadores - ligaçõestransformadores - ligações
transformadores - ligações
 
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson SilvaBásico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
Básico de eletricidade - Ficha 01 - Professor Anderson Silva
 
Calculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasicaCalculo potencia trifasica
Calculo potencia trifasica
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Apostila aconselhamento pdf
Apostila aconselhamento pdfApostila aconselhamento pdf
Apostila aconselhamento pdf
 
Guia de aterramento
Guia de aterramentoGuia de aterramento
Guia de aterramento
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
 
Manutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletasManutenção e reparos de bicicletas
Manutenção e reparos de bicicletas
 

Semelhante a Interruptor diferencial residual

Fus Veis
Fus VeisFus Veis
Ge protecao diferencial
Ge protecao diferencialGe protecao diferencial
Ge protecao diferencial
Leonardo Ferreira
 
6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais
Arnaldo Isac
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
Fernandoprotec
 
Instalações em canteiros de obras
Instalações em canteiros de obrasInstalações em canteiros de obras
Instalações em canteiros de obras
Vanderlei Roque
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
Fernandoprotec
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1
sergiomart
 
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdfcatalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
JonathanRStabolaitz
 
Aterramento elétrico __
Aterramento elétrico  __Aterramento elétrico  __
Aterramento elétrico __
TAMEBRA CESS Ltda
 
01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
pereirajosepereira
 
O dispositivo dr... o que é para que serve - faz_fácil
O dispositivo dr... o que é   para que serve  - faz_fácilO dispositivo dr... o que é   para que serve  - faz_fácil
O dispositivo dr... o que é para que serve - faz_fácil
ddd013
 
O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptor
Gaston Viti
 
Manual residencial
Manual residencialManual residencial
Manual residencial
Nodge Holanda
 
Proteção
ProteçãoProteção
Proteção
Anderson Alves
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Carlos Reutymann
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidade
Ajaquilante
 
He 2015-03 - elétrica
He 2015-03 - elétricaHe 2015-03 - elétrica
He 2015-03 - elétrica
FlavioCLima
 
Manual Cerca PPA Compact CR.pdf
Manual Cerca PPA Compact CR.pdfManual Cerca PPA Compact CR.pdf
Manual Cerca PPA Compact CR.pdf
ssuser7c37ec
 
Un3 dispositivos de-protecao
Un3 dispositivos de-protecaoUn3 dispositivos de-protecao
Un3 dispositivos de-protecao
alessandro oliveira
 
Senai dispositivos de protecao
Senai dispositivos de protecaoSenai dispositivos de protecao
Senai dispositivos de protecao
ulisses25costa
 

Semelhante a Interruptor diferencial residual (20)

Fus Veis
Fus VeisFus Veis
Fus Veis
 
Ge protecao diferencial
Ge protecao diferencialGe protecao diferencial
Ge protecao diferencial
 
6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais6+ +11+interruptores+diferenciais
6+ +11+interruptores+diferenciais
 
Apresentação7
Apresentação7Apresentação7
Apresentação7
 
Instalações em canteiros de obras
Instalações em canteiros de obrasInstalações em canteiros de obras
Instalações em canteiros de obras
 
Apresentação10
Apresentação10Apresentação10
Apresentação10
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1
 
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdfcatalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
catalogo-minidisjuntores-set18-alta.pdf
 
Aterramento elétrico __
Aterramento elétrico  __Aterramento elétrico  __
Aterramento elétrico __
 
01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
 
O dispositivo dr... o que é para que serve - faz_fácil
O dispositivo dr... o que é   para que serve  - faz_fácilO dispositivo dr... o que é   para que serve  - faz_fácil
O dispositivo dr... o que é para que serve - faz_fácil
 
O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptor
 
Manual residencial
Manual residencialManual residencial
Manual residencial
 
Proteção
ProteçãoProteção
Proteção
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidade
 
He 2015-03 - elétrica
He 2015-03 - elétricaHe 2015-03 - elétrica
He 2015-03 - elétrica
 
Manual Cerca PPA Compact CR.pdf
Manual Cerca PPA Compact CR.pdfManual Cerca PPA Compact CR.pdf
Manual Cerca PPA Compact CR.pdf
 
Un3 dispositivos de-protecao
Un3 dispositivos de-protecaoUn3 dispositivos de-protecao
Un3 dispositivos de-protecao
 
Senai dispositivos de protecao
Senai dispositivos de protecaoSenai dispositivos de protecao
Senai dispositivos de protecao
 

Mais de Anderson Silva

1 matéria
1 matéria1 matéria
1 matéria
Anderson Silva
 
Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)
Anderson Silva
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
Anderson Silva
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
Anderson Silva
 
Curso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricosCurso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricos
Anderson Silva
 
Comandos industrial 4
Comandos industrial 4Comandos industrial 4
Comandos industrial 4
Anderson Silva
 
Comandos industrial 2
Comandos industrial 2Comandos industrial 2
Comandos industrial 2
Anderson Silva
 
Comandos industrial 1
Comandos industrial 1Comandos industrial 1
Comandos industrial 1
Anderson Silva
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
Anderson Silva
 
Apostila predial 2
Apostila predial 2Apostila predial 2
Apostila predial 2
Anderson Silva
 
Apostila predial 1
Apostila predial 1Apostila predial 1
Apostila predial 1
Anderson Silva
 
A ameaça de harmônicos e suas solucoes
A ameaça de harmônicos e suas solucoesA ameaça de harmônicos e suas solucoes
A ameaça de harmônicos e suas solucoes
Anderson Silva
 

Mais de Anderson Silva (12)

1 matéria
1 matéria1 matéria
1 matéria
 
Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)Manual do aterramento (elétrico)
Manual do aterramento (elétrico)
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Curso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricosCurso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricos
 
Comandos industrial 4
Comandos industrial 4Comandos industrial 4
Comandos industrial 4
 
Comandos industrial 2
Comandos industrial 2Comandos industrial 2
Comandos industrial 2
 
Comandos industrial 1
Comandos industrial 1Comandos industrial 1
Comandos industrial 1
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Apostila predial 2
Apostila predial 2Apostila predial 2
Apostila predial 2
 
Apostila predial 1
Apostila predial 1Apostila predial 1
Apostila predial 1
 
A ameaça de harmônicos e suas solucoes
A ameaça de harmônicos e suas solucoesA ameaça de harmônicos e suas solucoes
A ameaça de harmônicos e suas solucoes
 

Último

Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
thiago718348
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 

Último (14)

Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 

Interruptor diferencial residual

  • 1. Interruptor Diferencial Residual – DR Proteção Pessoal Ao contrário dos disjuntores termomagnéticos, a função principal dos interruptores diferenciais residuais (DR) é proteger as pessoas que utilizam a energia elétrica, e não, a instalação. O principal problema para o ser humano em relação à energia elétrica são os eventuais choques. Estes ocorrem sempre que houver um contato com um condutor ou equipamento energizado. Nesse instante, a pessoa passa a desempenhar o papel de meio condutor de eletricidade do sistema para a terra. Os efeitos dessa passagem de corrente elétrica através do corpo humano variam de um simples susto a ferimentos graves, ou até mesmo à morte. A falta para a terra também pode gerar faíscas e produzir incêndios. O interruptor diferencial detecta toda a passagem de corrente para a terra e desliga o circuito elétrico, ou seja, será útil tanto na proteção contra choques ( proteção pessoal ) como, também, contra incêndios ( proteção de patrimônio). Proteções Contato Indireto: No caso de uma falta interna de algum equipamento, peças de metal podem tornar-se "Vivas" ( energizadas ). Contato Direto Contato direto com partes "vivas" pode ocasionar fuga de corrente elétrica, através do corpo humano, para a terra.
  • 2. Contra incêndio Correntes para terra de 500mA podem gerar arcos/faíscas e provocar incêndios. Tabela de Escolha I n 30 mA 100 mA 300mA 500 mA 2 módulos V/304-022031 V/304-024031 V/304-026031 V/304-028031 V/304-029031 V/304-022101 V/304-024101 V/304-026101 V/304-028101 V/304-022301 V/304-024301 V/304-026301 V/304-028301 V/304-029301 V/304-022501 V/304-024501 V/304-026501 V/304-028501 4 módulos V/304-042031 V/304-044031 V/304-046031 V/304-048031 V/304-049031 V/304-042101 V/304-044101 V/304-046101 V/304-048101 V/304-049101 V/304-042301 V/304-044301 V/304-046301 V/304-048301 V/304-049301 V/304-042501 V/304-044501 V/304-046501 V/304-048501 V/304-049501 In (A) 25 40 63 80 100 25 40 63 80 100 25 40 63 80 100 25 40 63 80 100 Princípio de Funcionamento O DR funciona com um sensor que mede as correntes que entram e saem no circuito ( fig. 1). As duas são de mesmo valor, porém de direções contrárias em relação à carga. Se chamarmos a corrente que entra na carga de +I e a que sai de -I, logo a soma das correntes é igual a zero ( fig. 2). A soma só não será igual a zero se houver corrente fluindo para a terra ( fig. 3 ), como no caso de um choque elétrico. A sensibilidade do interruptor, que varia de 30 a 500mA, deve ser dimensionada com cuidado, pois existem perdas para a terra inerentes à própria qualidade da instalação.
  • 3. Acessórios Código V/099-900101 V/099-900104 V/099-901029 Descrição Cont. aux. 1NAF Cont. aux. 1NAF + Cont. aux. 1NAF ( ou Cont. alarme ) Trava para Cadeado Dimensões Instalação O interruptor DR deve estar instalado em associação com os disjuntores do quadro de distribuição, de forma a proporcionar uma proteção completa contra sobrecarga, curtocircuito e falta à terra. A instalação dos Interruptores Diferenciais Residuais deve ser realizada por técnico especializado e a fixação se faz por trilho DIN ( 35 mm ). Todos os condutores ( fases + neutro ) que constituem a alimentação a proteger devem ser ligados através do DR segundo o esquema abaixo. O neutro, após sua conexão ao interruptor, não poderá mais ser aterrado.
  • 4. Quais são as codificações de cores padrão utilizadas em circuitos de Baixa Tensão? A NBR 5410 especifica a cor de isolação dos condutores somente para duas situações: • Condutor Neutro - Deve ser Azul-Claro ; • Condutor de Proteção (Terra) - Deve ser Verde ou Verde Amarelo* Para os demais cabos (fases) não é prevista a utilização de nenhuma cor específica. *os condutores Verde ou Verde Amarelo só podem ser utilizados com condutor de proteção. Existe alguma limitação para a ocupação de cabos dentro de eletrodutos? De acordo com a NBR 5410 os fios ou cabos não devem ocupar mais do que 53% da área útil do eletroduto quando é utilizado um condutor, 31% quando são utilizados dois e 40% para três ou mais condutores no mesmo eletroduto. O que é temperatura de curto-circuito? É a temperatura máxima que um condutor pode atingir em regime de curto-circuito. A duração desse regime não pode ser superior a 5 s. Para um cabo isolado em PVC a temperatura de curto-circuito é de 160ºC e para cabos isolados em EPR 250ºC. O que é temperatura de trabalho? É a temperatura máxima que um condutor pode atingir em regime permanente. Para um cabo isolado em PVC a temperatura de trabalho é de 70°C e para cabos isolados em EPR 90°C. Quais são as seções mínimas dos condutores de fase?
  • 5. Conforme a NBR 5410 as seções dos condutores de fase são: Circuitos de Força (incluem tomadas) 2,5 Circuitos de Sinalização e circuitos de controle 0,5 Como especificado na norma do equipamento Para qualquer outra aplicação 0,75 Circuitos a extrema baixa tensão para aplicações específicas Ligações Flexíveis 1,5 Para um equipamento específico Instalações Fixas em Geral Utilização do Circuito Circuitos de Iluminação Tipos de Instalação Seção Mínima do Condutor Isolado (mm²) 0,75 O que é corrente de fuga? É a corrente que, por imperfeição dos terminais, conexões ou até mesmo da isolação, flui para a terra ou para elementos condutores estranhos à instalação. São responsáveis por grandes desperdícios de energia elétrica podendo ser comparados aos vazamentos das instalações hidráulicas. Quando deve ser utilizado o condutor de proteção (condutor terra)? Os condutores de proteção devem estar presentes em todas as instalações de baixa tensão, seja qual for o esquema de aterramento adotado, desempenhando um papel fundamental na proteção de contados indiretos. São eles que garantem a perfeita continuidade do circuito de terra para seu escoamento das correntes de fuga e/ou falta de instalação. Qual a duração (vida) de um cabos?
  • 6. A vida média de um cabo é de aproximadamente 20 anos. Este dado, porém, depende das condições de instalação e uso. Qual a diferença entre cabo flexível e fio rígido? As características elétricas (capacidade de condução de corrente, resistência da isolação, etc.) dos cabos flexíveis são as mesmas dos fios rígidos. A grande diferença é que os cabos flexíveis são melhores para a instalação devido ao fácil manuseio.
  • 7. A vida média de um cabo é de aproximadamente 20 anos. Este dado, porém, depende das condições de instalação e uso. Qual a diferença entre cabo flexível e fio rígido? As características elétricas (capacidade de condução de corrente, resistência da isolação, etc.) dos cabos flexíveis são as mesmas dos fios rígidos. A grande diferença é que os cabos flexíveis são melhores para a instalação devido ao fácil manuseio.