SlideShare uma empresa Scribd logo
O(a) Coordenador(a)
Pedagógico(a)
e sua identidade
profissional.
Autoria: Danielle Buna
Formadora na área de Gestão
Pedagógica e Ed. Infantil . É formada
em Pedagogia pela UNICEUMA, com
especialização Psicopedagogia.
Foi formadora da rede municipal de
São Paulo pelo Sistema de Ensino
PUERI DOMUS, Gerente de
Formação e Educação pela
PEARSON.
Atualmente é consultora,
empreendedora, escritora amadora,
coaching e Sócia Fundadora da
CONCEITO + Inspirações e Soluções.
Objetivo da Formação
Refletir sobre a construção da identidade
do coordenador pedagógico a partir de suas
funções, atuações , trajetórias e experiências,
buscando ressignificar a sua pratica a partir do
alinhando concepções e práticas, garantindo
um espaço para análise, troca e sistematização
da prática de coordenação pedagógica.
Apresentação da Proposta
Expectativas de aprendizagem
• Oferecer subsídios aos coordenadores pedagógicos na
constituição da sua identidade e no desenvolvimento de uma
prática que contribua para o melhor desempenho do seu
fazer gestor;
• Ampliar a compreensão sobre a função articuladora e
formadora do Coordenador Pedagógico;
• Inspirar práticas otimizadas para a concretização de um grupo
gestor fortalecido, focado no pedagógico.
Como iremos trabalhar...
 Auto- analise a partir de imagens
 Trabalho em grupo
 Análise de entrevistas – Beatriz
Gouveia
 Exposição participada
O (a) Coordenador (a)
Pedagógico (a) e sua
identidade
profissional
Um pouco do contexto histórico
A história da coordenação pedagógica é relativamente recente, iniciada a
partir dos anos 1980, em substituição à supervisão pedagógica, que tinha o
papel fiscalizador de professores, totalmente ligada que era ao curso de
pedagogia e a Lei de Diretrizes e Bases no. 5.692/71, outorgada em pleno
regime autoritário.
Em 1970 intitulada de supervisão pedagógica, passando pela transição para
coordenação pedagógica ao longo dos anos 1980 e a legitimação dessa
função nos anos de 1990 por meio da nova Lei de Diretrizes e Bases no.
9394/96, passando a ter um papel de articuladora dentro do espaço escolar.
Um pouco do contexto histórico
Em algumas redes de ensino, ele é chamado de:
• orientador
• supervisor
• gestor
Nas unidades que contam com sua funcao , ele faz parte da equipe
de gestao e é o braço direito do diretor. Num passado não muito
remoto, essa figura nem sequer existia. Começou a aparecer nos
quadros das Secretarias de Educação quando os responsáveis pelas
políticas públicas perceberam que a aprendizagem dos alunos
depende diretamente da maneira como o professor ensina.
Quem somos?
Quem são os coordenadores
pedagógicos no Brasil
Um resumo das características do profissional que atua nessa função
• 90% são mulheres
• 88% já deram aula na Educação Básica
• 76% têm entre 36 e 55 anos
• A maioria tem mais de 5 anos de
• experiência na função
Fonte:Fundação Carlos Chagas (FCC)
Como os coordenadores pedagógicos se
veem Porcentagem de profissionais que se se acham importantes para:
• A aprendizagem dos alunos: 95%
• O trabalho pedagógico dos
professores: 100%
• Porém, quando se compara com outros
• agentes, ele se coloca na sexta
• posição em importância:
Fonte:Fundação Carlos Chagas (FCC)
Mas o que é, afinal, identidade?
Esta parece ser mais uma daquelas
palavras que todos sabemos o que
significa, mas que nunca conseguimos
explicar. Uma maneira simples e pouco
eficiente seria definir identidade
simplesmente como “aquilo que alguém é”.
Essa falta de eficiência se dá pois, nunca
somos os mesmos ao longo de nossas
vidas, estamos sempre mudando.
Mas o que é, afinal, identidade?
Ao mesmo tempo, contudo, afirmar a identidade como
sendo “aquilo que alguém é” evidencia o traço marcante
que associa a identidade a algo estável, fixo e imutável.
“EU”, Coordenador...
* Com o que mais me identifico na
função ?
* Quais maiores satisfações ?
* Quais frustrações?
“EU”, Coordenador...
* Escolha uma imagem que você se
identifique no exercício da função...
* Reflita sobre o que a imagem diz
sobre você...
“EU”, Coordenador...
* Vamos refletir um pouco e,
individualmente sobre essa
identidade?
• Vamos aprofundar o pensamento
sobre o que fazemos?
• Coordenar?
Origem da palavra:
É o Latim COORDINARI, “ordenar em conjunto”, feita por COM, “junto”,
“arranjar, colocar em ordem”, de ORDO, “ordem”.
• Quem coordenamos?
Professores
Estagiarios
AlunosFamilias
Nos
mesmos
• O que coordenamos?
Formacao
Rotinas
AvaliacaoPlanejamentos
P.P.P
• Quando coordenamos?
• Por que e para que coordenamos?
Vamos assistir uma boa referencia?
.
•https://www.youtube.com/watch?v=-O1jD5wViZc
Beatriz Gouveia Coordenadora de projetos do Instituto Avisa Lá,
professora da pós-graduação em alfabetização do ISE Vera Cruz,
assessora em Educação e selecionadora do Prêmio Educador Nota
10.
Vamos ampliar nossa discussão e compartilhar em pequenos grupos o que
aprendemos ate aqui?
A partir das considerações da Beatriz Gouveia na entrevista apresentada, troquem
impressões e considerações em grupo:
 ATIVIDADE: responder, individualmente, o guia de referência e
discutir as percepções de cada um com o grupo.
 ESTAÇÕES DE TRABALHO: 4 membros
 TEMPO: 15 min
 EXPOSIÇÃO: 5 min – apenas a questão 3
Orientações ...
.
Quais são os pontos mais importantes destacados pela Beatriz
Gouveia para a construção da identidade profissional do
coordenador? Por que?
Em relação a formações de professores, quais aspectos mais
relevantes foram observados ?
Quais implementações pretende-se fazer no exercício da função a
partir dos conhecimentos ate aqui adquiridos ?
• O que mais se
destaca na fala da
Beatriz Gouveia
em relação as
atribuições do
coordenador
pedagógico ?
Como acontece ou
como deve
acontecer a
formação dos
professores na
rotina escolar?
Vamos conversar sobre a
formação em serviço ?
A partir da leitura do texto – O
papel do coordenador
pedagógico na formação do
professor em serviço, quais sua
considerações sobre as reflexões
do autor Paulo Geglio?
 ATIVIDADE: responder, individualmente, o guia de referência e
discutir as percepções de cada um com o grupo.
 ESTAÇÕES DE TRABALHO: 4 membros
 TEMPO: 15 min
 EXPOSIÇÃO: 5 min
Orientações ...
1 ) Referindo-se a expressão citada pelo autor “formação em serviço”.
Quais suas considerações?
2) Observado sua área de atuação, especialmente com o grupo de
professores, em quais situações do cotidiano escolar é possível
desenvolver a prática da “formação em serviço”?
3) Existem obstáculos em sua prática que impedem uma maior
investimento pessoal no processo de formação dos professores? Quais?
4) Quais sugestões para desenvolver a “ formação em serviço” na rotina
escola?
O papel do coordenador pedagógico é o de dialogar,
desafiar, registrar a realidade, recusando, criando,
conflitando, racionalizando, conquistando e construindo
sua territorialidade com equidade, com a função de
definir a identidade nas relações travadas no dia-a-dia
com base em significados históricos, ensaiando novas
formas de ver e fazer, através de um movimento criativo,
com singularidade.
A atribuição essencial do coordenador
pedagógico está, sem dúvida, associada ao processo de
formação em serviço dos professores, ou seja, a
“educação continuada” que se faz necessária pela
própria natureza do saber e do fazer humanos como
práticas que se transformam constantemente.
Coordenador Pedagógico
Tem a função de:
• articular, junto com o diretor e equipe de professores,
a construção, o desenvolvimento e a avaliação da
proposta pedagógica da escola.
• fazer emergir a necessidade da mudança, o que gera a
desestabilização no grupo.
• descobrir o potencial de cada elemento do grupo.
• centrar sua ação na equipe de professores e promover
o trabalho colaborativo, atuando como indivíduo
dinamizador do ensino.
• atualizar-se para entender o processo de mudança.
• refletir sobre suas ações - auto avaliação
• saber ouvir
• ter clareza da intencionalidade enquanto profissional.
Segurança e competência na articulação:
- Pedagógico: conhecimento teórico e ajudar o professor a
interpretar a sua prática.
- Ética: respeito aos valores e transparência nas relações.
- Política: limites da sua atuação e habilidades nas
negociações com a direção e professores estabelecendo
limites de mudança.
“A identidade profissional se constrói nas relações de trabalho. Ela se constitui na soma da
imagem que o profissional tem de si mesmo, das tarefas que toma para si no dia a dia e das
expectativas que as outras pessoas com as quais se relaciona têm acerca de seu desempenho”
(Vera Placco)
Agora revisite o ano
anterior…
avalie-se…
transforme para o ano
seguinte…
Algumas sugestoes para a legitimacao de
sua identidade profissional...
 Fomentar um espaço de trocas e construção de
conhecimento
 Autonomia de ação e de pensamento
 Resolução de problemas
 Contextualização
 Socialização – trabalho em grupos
•https://www.youtube.com/watch?v=8CE
jKnSwf9g
•https://www.youtube.com/watch?v=-
O1jD5wViZc
Portanto, ensinar não significa apenas por em prática um conjunto de competências
separadamente: escolher um exercício e fazer com que reine a ordem, explicar um texto corrigir
trabalhos... significa tudo isso, sem dúvida, mas com “alguma coisa mais”, “alguma coisa”, que, de
resto, seja reconhecido suficientemente bem, “alguma coisa” que não é redutível ao carisma
individual e, menos ainda, a uma capacidade relacional. “alguma coisa” que, ao contrário, remete a
uma “força interior”, uma “força” que expressa uma coerência e testemunha um projeto. Uma força
da qual emana o sentimento de que o homem e a mulher que ensinam aqui estão no lugar certo.
Seu ofício, faz sentido para eles.” (Philippe Meirieu)
• PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza. ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. SOUZA,
Vera Lucia Trevisan de (Coord.). O Coordenador Pedagógico e a formação de
professores: intenções, tensões e contradições. Pesquisa desenvolvida pela
Fundação Carlos Chagas por encomenda da Fundação Victor Civita. Estudos &
pesquisas Educacionais. São Paulo: Abril, 2011. Disponível em: <
http://www.fvc.org.br/pdf/livro2-04- coordenador.pdf>.
• SERPA, Dagmar. Coordenador pedagógico vive crise de identidade. Edição especial
“Os caminhos da coordenação pedagógica e da formação de professores”.
Fundação Victor Civita, Edição Especial, no 6. Junho/2011.
• PLACCO, V. M. N. S.; ALMEIDA, L. R. (orgs.). O coordenador pedagógico e o
cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
Kajdy Ejdy
 
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
jjailsonsilvaaa
 
Escola e família
Escola e famíliaEscola e família
Escola e família
Arethusa Dantas
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
ditadoida
 
Rotina para quê
Rotina para quêRotina para quê
Rotina para quê
Anaí Peña
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Rosangela Moreira
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
Grasiela Dourado
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Almeida Emilene Santos
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
Rosana Santos
 
PEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdfPEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdf
PatrciaDaSilvaGaldin1
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
Jeovany Anjos
 
Slides semana pedagógica
Slides  semana pedagógicaSlides  semana pedagógica
Slides semana pedagógica
Walter de Carvalho Baptista
 
Áreas de atuação do pedagogo escolar
Áreas de atuação do pedagogo escolarÁreas de atuação do pedagogo escolar
Áreas de atuação do pedagogo escolar
profamiriamnavarro
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Anaí Peña
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
Adriana Mércia
 
Diário de bordo
Diário  de  bordoDiário  de  bordo
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
Fernando Lima
 

Mais procurados (20)

EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
Seminário 05 - Avaliação da aprendizagem escolar: um ato amoroso.
 
Escola e família
Escola e famíliaEscola e família
Escola e família
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Rotina para quê
Rotina para quêRotina para quê
Rotina para quê
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
 
PEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdfPEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdf
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
 
Slides semana pedagógica
Slides  semana pedagógicaSlides  semana pedagógica
Slides semana pedagógica
 
Áreas de atuação do pedagogo escolar
Áreas de atuação do pedagogo escolarÁreas de atuação do pedagogo escolar
Áreas de atuação do pedagogo escolar
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
Diário de bordo
Diário  de  bordoDiário  de  bordo
Diário de bordo
 
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
 

Semelhante a Coordenador Pedagógico e sua Identidade Profissional

Os caminhos e descaminhos no cotidiano
Os caminhos e descaminhos no cotidianoOs caminhos e descaminhos no cotidiano
Os caminhos e descaminhos no cotidiano
gabrielbertoldo
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
Ivaneide B S
 
Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011
adrianafrancisca
 
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
supervisorafernanda
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
Angela Silva
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
Joao Balbi
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
gilfaca158
 
Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4
CETUR
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
Eduardo Lopes
 
Formação
FormaçãoFormação
Formação
Valeria Rios
 
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTACurso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
GRAÇA SANTOS
 
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Silvier Dias
 
Para uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construídaPara uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construída
cefaprodematupa
 
Coachingmentoring
CoachingmentoringCoachingmentoring
Coachingmentoring
Claiton Dos Santos Pereira
 
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
seduc
 
Portfólio ricardo
Portfólio ricardoPortfólio ricardo
Portfólio ricardo
jricardoduartedoliveira
 
Afinal,quemmandaaqui
Afinal,quemmandaaquiAfinal,quemmandaaqui
Afinal,quemmandaaqui
Andy Willians
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
Liberty Ensino
 
Ser ou Estar Professor_novo.docx
Ser ou Estar Professor_novo.docxSer ou Estar Professor_novo.docx
Ser ou Estar Professor_novo.docx
alcilenevirginia
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
Seduc MT
 

Semelhante a Coordenador Pedagógico e sua Identidade Profissional (20)

Os caminhos e descaminhos no cotidiano
Os caminhos e descaminhos no cotidianoOs caminhos e descaminhos no cotidiano
Os caminhos e descaminhos no cotidiano
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011
 
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
04 o papel do coordenador e supervisor
04  o papel do coordenador e supervisor04  o papel do coordenador e supervisor
04 o papel do coordenador e supervisor
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
 
Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
 
Formação
FormaçãoFormação
Formação
 
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTACurso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
 
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
Slide_Mentoria de diretores e a busca da escuta ativa e da cultura colaborati...
 
Para uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construídaPara uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construída
 
Coachingmentoring
CoachingmentoringCoachingmentoring
Coachingmentoring
 
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
04opapeldocoordenadoresupervisor-111016103852-phpapp02.ppt
 
Portfólio ricardo
Portfólio ricardoPortfólio ricardo
Portfólio ricardo
 
Afinal,quemmandaaqui
Afinal,quemmandaaquiAfinal,quemmandaaqui
Afinal,quemmandaaqui
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
 
Ser ou Estar Professor_novo.docx
Ser ou Estar Professor_novo.docxSer ou Estar Professor_novo.docx
Ser ou Estar Professor_novo.docx
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Coordenador Pedagógico e sua Identidade Profissional

  • 1. O(a) Coordenador(a) Pedagógico(a) e sua identidade profissional. Autoria: Danielle Buna
  • 2. Formadora na área de Gestão Pedagógica e Ed. Infantil . É formada em Pedagogia pela UNICEUMA, com especialização Psicopedagogia. Foi formadora da rede municipal de São Paulo pelo Sistema de Ensino PUERI DOMUS, Gerente de Formação e Educação pela PEARSON. Atualmente é consultora, empreendedora, escritora amadora, coaching e Sócia Fundadora da CONCEITO + Inspirações e Soluções.
  • 3. Objetivo da Formação Refletir sobre a construção da identidade do coordenador pedagógico a partir de suas funções, atuações , trajetórias e experiências, buscando ressignificar a sua pratica a partir do alinhando concepções e práticas, garantindo um espaço para análise, troca e sistematização da prática de coordenação pedagógica.
  • 4. Apresentação da Proposta Expectativas de aprendizagem • Oferecer subsídios aos coordenadores pedagógicos na constituição da sua identidade e no desenvolvimento de uma prática que contribua para o melhor desempenho do seu fazer gestor; • Ampliar a compreensão sobre a função articuladora e formadora do Coordenador Pedagógico; • Inspirar práticas otimizadas para a concretização de um grupo gestor fortalecido, focado no pedagógico.
  • 5. Como iremos trabalhar...  Auto- analise a partir de imagens  Trabalho em grupo  Análise de entrevistas – Beatriz Gouveia  Exposição participada
  • 6. O (a) Coordenador (a) Pedagógico (a) e sua identidade profissional
  • 7. Um pouco do contexto histórico A história da coordenação pedagógica é relativamente recente, iniciada a partir dos anos 1980, em substituição à supervisão pedagógica, que tinha o papel fiscalizador de professores, totalmente ligada que era ao curso de pedagogia e a Lei de Diretrizes e Bases no. 5.692/71, outorgada em pleno regime autoritário. Em 1970 intitulada de supervisão pedagógica, passando pela transição para coordenação pedagógica ao longo dos anos 1980 e a legitimação dessa função nos anos de 1990 por meio da nova Lei de Diretrizes e Bases no. 9394/96, passando a ter um papel de articuladora dentro do espaço escolar.
  • 8. Um pouco do contexto histórico Em algumas redes de ensino, ele é chamado de: • orientador • supervisor • gestor Nas unidades que contam com sua funcao , ele faz parte da equipe de gestao e é o braço direito do diretor. Num passado não muito remoto, essa figura nem sequer existia. Começou a aparecer nos quadros das Secretarias de Educação quando os responsáveis pelas políticas públicas perceberam que a aprendizagem dos alunos depende diretamente da maneira como o professor ensina.
  • 10. Quem são os coordenadores pedagógicos no Brasil Um resumo das características do profissional que atua nessa função • 90% são mulheres • 88% já deram aula na Educação Básica • 76% têm entre 36 e 55 anos • A maioria tem mais de 5 anos de • experiência na função Fonte:Fundação Carlos Chagas (FCC)
  • 11. Como os coordenadores pedagógicos se veem Porcentagem de profissionais que se se acham importantes para: • A aprendizagem dos alunos: 95% • O trabalho pedagógico dos professores: 100% • Porém, quando se compara com outros • agentes, ele se coloca na sexta • posição em importância: Fonte:Fundação Carlos Chagas (FCC)
  • 12. Mas o que é, afinal, identidade? Esta parece ser mais uma daquelas palavras que todos sabemos o que significa, mas que nunca conseguimos explicar. Uma maneira simples e pouco eficiente seria definir identidade simplesmente como “aquilo que alguém é”. Essa falta de eficiência se dá pois, nunca somos os mesmos ao longo de nossas vidas, estamos sempre mudando.
  • 13. Mas o que é, afinal, identidade? Ao mesmo tempo, contudo, afirmar a identidade como sendo “aquilo que alguém é” evidencia o traço marcante que associa a identidade a algo estável, fixo e imutável.
  • 14. “EU”, Coordenador... * Com o que mais me identifico na função ? * Quais maiores satisfações ? * Quais frustrações?
  • 15. “EU”, Coordenador... * Escolha uma imagem que você se identifique no exercício da função... * Reflita sobre o que a imagem diz sobre você...
  • 16. “EU”, Coordenador... * Vamos refletir um pouco e, individualmente sobre essa identidade?
  • 17. • Vamos aprofundar o pensamento sobre o que fazemos?
  • 18. • Coordenar? Origem da palavra: É o Latim COORDINARI, “ordenar em conjunto”, feita por COM, “junto”, “arranjar, colocar em ordem”, de ORDO, “ordem”.
  • 20. • O que coordenamos? Formacao Rotinas AvaliacaoPlanejamentos P.P.P
  • 22. • Por que e para que coordenamos?
  • 23. Vamos assistir uma boa referencia? . •https://www.youtube.com/watch?v=-O1jD5wViZc Beatriz Gouveia Coordenadora de projetos do Instituto Avisa Lá, professora da pós-graduação em alfabetização do ISE Vera Cruz, assessora em Educação e selecionadora do Prêmio Educador Nota 10. Vamos ampliar nossa discussão e compartilhar em pequenos grupos o que aprendemos ate aqui? A partir das considerações da Beatriz Gouveia na entrevista apresentada, troquem impressões e considerações em grupo:
  • 24.  ATIVIDADE: responder, individualmente, o guia de referência e discutir as percepções de cada um com o grupo.  ESTAÇÕES DE TRABALHO: 4 membros  TEMPO: 15 min  EXPOSIÇÃO: 5 min – apenas a questão 3 Orientações ...
  • 25. . Quais são os pontos mais importantes destacados pela Beatriz Gouveia para a construção da identidade profissional do coordenador? Por que? Em relação a formações de professores, quais aspectos mais relevantes foram observados ? Quais implementações pretende-se fazer no exercício da função a partir dos conhecimentos ate aqui adquiridos ?
  • 26. • O que mais se destaca na fala da Beatriz Gouveia em relação as atribuições do coordenador pedagógico ?
  • 27. Como acontece ou como deve acontecer a formação dos professores na rotina escolar?
  • 28. Vamos conversar sobre a formação em serviço ?
  • 29. A partir da leitura do texto – O papel do coordenador pedagógico na formação do professor em serviço, quais sua considerações sobre as reflexões do autor Paulo Geglio?
  • 30.  ATIVIDADE: responder, individualmente, o guia de referência e discutir as percepções de cada um com o grupo.  ESTAÇÕES DE TRABALHO: 4 membros  TEMPO: 15 min  EXPOSIÇÃO: 5 min Orientações ...
  • 31. 1 ) Referindo-se a expressão citada pelo autor “formação em serviço”. Quais suas considerações? 2) Observado sua área de atuação, especialmente com o grupo de professores, em quais situações do cotidiano escolar é possível desenvolver a prática da “formação em serviço”? 3) Existem obstáculos em sua prática que impedem uma maior investimento pessoal no processo de formação dos professores? Quais? 4) Quais sugestões para desenvolver a “ formação em serviço” na rotina escola?
  • 32. O papel do coordenador pedagógico é o de dialogar, desafiar, registrar a realidade, recusando, criando, conflitando, racionalizando, conquistando e construindo sua territorialidade com equidade, com a função de definir a identidade nas relações travadas no dia-a-dia com base em significados históricos, ensaiando novas formas de ver e fazer, através de um movimento criativo, com singularidade. A atribuição essencial do coordenador pedagógico está, sem dúvida, associada ao processo de formação em serviço dos professores, ou seja, a “educação continuada” que se faz necessária pela própria natureza do saber e do fazer humanos como práticas que se transformam constantemente.
  • 33. Coordenador Pedagógico Tem a função de: • articular, junto com o diretor e equipe de professores, a construção, o desenvolvimento e a avaliação da proposta pedagógica da escola. • fazer emergir a necessidade da mudança, o que gera a desestabilização no grupo. • descobrir o potencial de cada elemento do grupo.
  • 34. • centrar sua ação na equipe de professores e promover o trabalho colaborativo, atuando como indivíduo dinamizador do ensino. • atualizar-se para entender o processo de mudança. • refletir sobre suas ações - auto avaliação • saber ouvir • ter clareza da intencionalidade enquanto profissional.
  • 35. Segurança e competência na articulação: - Pedagógico: conhecimento teórico e ajudar o professor a interpretar a sua prática. - Ética: respeito aos valores e transparência nas relações. - Política: limites da sua atuação e habilidades nas negociações com a direção e professores estabelecendo limites de mudança.
  • 36. “A identidade profissional se constrói nas relações de trabalho. Ela se constitui na soma da imagem que o profissional tem de si mesmo, das tarefas que toma para si no dia a dia e das expectativas que as outras pessoas com as quais se relaciona têm acerca de seu desempenho” (Vera Placco)
  • 37. Agora revisite o ano anterior… avalie-se… transforme para o ano seguinte…
  • 38. Algumas sugestoes para a legitimacao de sua identidade profissional...  Fomentar um espaço de trocas e construção de conhecimento  Autonomia de ação e de pensamento  Resolução de problemas  Contextualização  Socialização – trabalho em grupos
  • 40. Portanto, ensinar não significa apenas por em prática um conjunto de competências separadamente: escolher um exercício e fazer com que reine a ordem, explicar um texto corrigir trabalhos... significa tudo isso, sem dúvida, mas com “alguma coisa mais”, “alguma coisa”, que, de resto, seja reconhecido suficientemente bem, “alguma coisa” que não é redutível ao carisma individual e, menos ainda, a uma capacidade relacional. “alguma coisa” que, ao contrário, remete a uma “força interior”, uma “força” que expressa uma coerência e testemunha um projeto. Uma força da qual emana o sentimento de que o homem e a mulher que ensinam aqui estão no lugar certo. Seu ofício, faz sentido para eles.” (Philippe Meirieu)
  • 41. • PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza. ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. SOUZA, Vera Lucia Trevisan de (Coord.). O Coordenador Pedagógico e a formação de professores: intenções, tensões e contradições. Pesquisa desenvolvida pela Fundação Carlos Chagas por encomenda da Fundação Victor Civita. Estudos & pesquisas Educacionais. São Paulo: Abril, 2011. Disponível em: < http://www.fvc.org.br/pdf/livro2-04- coordenador.pdf>. • SERPA, Dagmar. Coordenador pedagógico vive crise de identidade. Edição especial “Os caminhos da coordenação pedagógica e da formação de professores”. Fundação Victor Civita, Edição Especial, no 6. Junho/2011. • PLACCO, V. M. N. S.; ALMEIDA, L. R. (orgs.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003. Referências

Notas do Editor

  1. Nesse momento, o grupo terá um quadro onde estarão escritas algumas ações referentes ao trabalho do coordenador pedagógico. Informar que o grupo deverá sinalizar (com adesivos) as ações mais frequentes no exercício da função na escola; Conduzir a reflexão a partir dos resultados obtidos com a dinâmica, ou seja, verificar a incidência maior desta ou daquela ação dentro do cenário do coordenador. Não aprofundar a discussão, neste momento, mas informar que os resultados são legítimos e importantes para a reflexão do encontro.
  2. Nesse momento, o grupo terá um quadro onde estarão escritas algumas ações referentes ao trabalho do coordenador pedagógico. Informar que o grupo deverá sinalizar (com adesivos) as ações mais frequentes no exercício da função na escola; Conduzir a reflexão a partir dos resultados obtidos com a dinâmica, ou seja, verificar a incidência maior desta ou daquela ação dentro do cenário do coordenador. Não aprofundar a discussão, neste momento, mas informar que os resultados são legítimos e importantes para a reflexão do encontro.