SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
PREFEITURA MUNICIPAL DE TABOÃO DA SERRA- SP




                 Plano


   Coordenação Pedagógica

                  2012




          ÂNGELA MARIA DA SILVA
I. Justificativa:


     O coordenador pedagógico em sua atuação na escola deve ser de
um agente transformador e formador, ou seja, sua atuação vai muito além
do convívio e relacionamento com os professores, significa ser formador
ouvinte de opiniões, planejando e pondo em execução o dever da escola
que é exercer um papel social; e transformador quando está disposto a
inovar e enfrentar desafios capazes de desencadear um processo de
mudança.
            Assumir essa função é desejar ser um importante articulador
dentro de um processo dinâmico instaurado pela própria natureza do saber
e do fazer humano em constante transformação, uma vez que a atuação
coletiva junto ao corpo docente contribui para um “fazer” pedagógico
eficiente e comprometido com o sucesso escolar, proporcionando o
desenvolvimento do trabalho e crescimento profissional dos professores,
visando à melhoria do trabalho docente em sala de aula e no contexto do
projeto pedagógico da unidade escolar.
     Pretendo contagiá-lo e contribuir para o aperfeiçoamento da sua
prática, através do diálogo e   de reflexões que suscitem novas ideias e
consequentemente reflita na sala de aula e na qualidade do ensino
oferecido na rede pública municipal.
     Sabendo da grande responsabilidade do papel do coordenador, me
proponho a trabalhar de forma democrática para atender as necessidades
da equipe da unidade escolar, levando em conta a ética profissional e o
intuito de contribuir para um bom trabalho coletivo.
II. Concepção de ensino e de aprendizagem:


    Tendo ciência que o saber pedagógico é o saber que o professor
constrói no cotidiano de seu trabalho e que fundamenta sua ação docente,
ou seja, é o saber que possibilita ao professor interagir com seus alunos,
na sala de aula, no contexto da escola onde atua (Pimenta et AL 1999, p.
43), a aquisição e efetivação desses saberes é que faz necessária a
intervenção do coordenador pedagógico, em favor do professor para
contribuir com sua atuação na sala de aula, onde este deve ter em mente
quão é importante essa busca, essa transmissão de conhecimento, e troca
de experiências para a construção de identidade do educando.
      Numa abordagem sócio-interacionista, o coordenador é muito mais
que um facilitador e orientador do processo de desenvolvimento do outro.
      É   um     mediador,    alavancador   de    novos     rumos,    motivador,
proporcionando questionamentos que provoquem e desequilibrem seus
professores em prol da mudança quando necessário.
      De acordo com Vygostsky a interação social é a origem e também o
que impulsiona a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual, onde o
processo de interiorização de conhecimento se torna possível.
      Afinal, é necessário considerar que, muito provavelmente, não
mudamos sozinhos: outros vêm juntos. E cada um tem um ritmo
diferente.     Sendo assim, o coordenador deve procurar potencializar as
dimensões social, comunicativa e colaborativa. As estratégias pedagógicas
devem     desenvolver   a    aprendizagem   e    troca    através    do   trabalho
cooperativo. Os encontros devem desenvolver a aprendizagem pela prática
e pela reflexão, através do diálogo e de trocas.
III. Objetivos:


     •   Colaborar com a construção, implementação e avaliação do
         Projeto Pedagógico da Unidade Educacional, tendo em vista os
         desafios do cotidiano escolar, as modalidades e turnos em
         funcionamento, visando à melhoria da qualidade da educação, em
         consonância com a LDB, ECA e com as diretrizes educacionais do
         município de Taboão da Serra;
     •   Promover estudos          que permitam ressignificar e atualizar as
         práticas pedagógicas em busca de adequá-las a necessidades de
         aprendizagens dos alunos;
     •   Acompanhar a implementação dos Programas e Projetos da
         Secretaria Municipal de Educação por meio da formação dos
         professores da Unidade Educacional, visando a aprendizagem
         bem sucedida para todos.


 IV. Metas Previstas:


    As metas     foram traçadas, a partir do conhecimento do perfil e da
realidade do grupo docente. No entanto, essas metas terão como foco, a
aprendizagem de qualidade para todos através de uma formação eficaz do
grupo, que pode incluir:
     •   Reflexão da Prática;
     •   Como lidar com a comunidade;
     •   Ver o aluno como um todo, considerando-o como um sujeito
         interativo   e    ativo    no   seu   processo   de   construção   de
         conhecimento;
     •   Ser um instrumento de transformação da realidade - resgatar a
         potência da coletividade;
     •   Aumentar o grau de realização e, portanto, de satisfação de
         trabalho.
V.   Ações a desencadear:
VI.   Avaliação:


    O coordenador pedagógico deve realizar uma avaliação que propicie
uma visão clara e pontual do processo de aprendizagem que acompanha
o professor. A avaliação diagnóstica ou formativa nesse âmbito oferece
uma perspectiva de crescimento e formação, já que, dá abertura para
tomada de decisão que poderá ser construída junto ao grupo.
  Assim, poderá ser realizada através de    auto-avaliação, registros em
atas, comentários, fotos, reflexão, síntese de discussões e portifólio do
coordenador.
VII. Bibliografia

OSTETTO, Luciana E. (Org.). Educação infantil: saberes e fazeres da
formação de professores. Campinas: Papirus, 2008.
OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos.
São Paulo: Cortez, 2007. cap. 9.
CAMPS, Ana. Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto
Alegre: Artmed, 2006. cap. 1 - 3.
PERRENOUD,      Philippe  et   al.  (Orgs.).  Formando professores
profissionais: quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre:
Artmed, 2001.
WEISZ, Telma. O Diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São
Paulo:Ática, 2002.
ALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva.
São Paulo, Cortez, 2003 – (Coleção Questões da Nossa Época; 103).
LIMA, Paulo Gomes. O coordenador pedagógico na educação básica:
desafios e perspectivas- Revista de Educação. Vol.2 nº4 jul/dez 2007.
Pag. 77-90. Disponível em
<http://www.ufgd.edu.br/faed/nefope/publicacoes/o-coordenador-
pedagogico-na-educacao-basica-desafios-e-perspectivas >. Acesso em 18-
07-2011
PIMENTA, Selma Garrido textos Nascimento Edson et al. Saberes
pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
Elisângela Chaves
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
Luiza Carvalho
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
pdescola
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
alvinarocha
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
luannagorges
 

Mais procurados (20)

PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
Coordenador Pedagógico
Coordenador PedagógicoCoordenador Pedagógico
Coordenador Pedagógico
 
Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
 
Ap. plano de ação
Ap. plano de açãoAp. plano de ação
Ap. plano de ação
 

Destaque

Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
QUEDMA SILVA
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
tatyathaydes
 
Revistacrianca seb44
Revistacrianca seb44Revistacrianca seb44
Revistacrianca seb44
FSBA
 
Rev crian 39
Rev crian 39Rev crian 39
Rev crian 39
FSBA
 
Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011
dencia999
 
Revista criança sobre inclusão
Revista criança  sobre inclusãoRevista criança  sobre inclusão
Revista criança sobre inclusão
Compede
 
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
colegioellos
 
Show de talentos 2013
Show de talentos 2013Show de talentos 2013
Show de talentos 2013
brunoma
 
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICALPORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
Luciano Fonseca
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
profarosangela
 
Família & Escola-Projeto
Família & Escola-ProjetoFamília & Escola-Projeto
Família & Escola-Projeto
Graça Sousa
 

Destaque (20)

Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
 
Construção da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escolaConstrução da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escola
 
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
Plano de ação coordenação pedagógica 2013 ec10
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
 
Revistacrianca seb44
Revistacrianca seb44Revistacrianca seb44
Revistacrianca seb44
 
Rev crian 39
Rev crian 39Rev crian 39
Rev crian 39
 
O brincar como um modo de ser e estar no mundo
O brincar como um modo de ser e estar no mundoO brincar como um modo de ser e estar no mundo
O brincar como um modo de ser e estar no mundo
 
Plano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloPlano de ação - Modelo
Plano de ação - Modelo
 
15 e 16
15 e 1615 e 16
15 e 16
 
Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011
 
Revista criança sobre inclusão
Revista criança  sobre inclusãoRevista criança  sobre inclusão
Revista criança sobre inclusão
 
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
Reunião de Pais Fundamental II 1o Bimestre 2012
 
Show de talentos 2013
Show de talentos 2013Show de talentos 2013
Show de talentos 2013
 
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICALPORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
PORTIFÓLIO_ PROJ VERTICAL
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
 
04 texto orsolon coordenador pedagógico transformador atitudes
04  texto orsolon coordenador pedagógico transformador   atitudes04  texto orsolon coordenador pedagógico transformador   atitudes
04 texto orsolon coordenador pedagógico transformador atitudes
 
Apresentação Preparatório OTP
Apresentação Preparatório  OTPApresentação Preparatório  OTP
Apresentação Preparatório OTP
 
Família & Escola-Projeto
Família & Escola-ProjetoFamília & Escola-Projeto
Família & Escola-Projeto
 
Motivação Escolar
Motivação EscolarMotivação Escolar
Motivação Escolar
 
Reunião de pais 2ºa no 1º bimestre
Reunião de pais 2ºa no 1º bimestreReunião de pais 2ºa no 1º bimestre
Reunião de pais 2ºa no 1º bimestre
 

Semelhante a Angela proposta coordenação 2012

A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
Ivaneide B S
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
Liberty Ensino
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
Eduardo Lopes
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
aninhaw2
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Nelma Quinto
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
UAB -Polo de Primavera do Leste
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
cefaprodematupa
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
Liberty Ensino
 

Semelhante a Angela proposta coordenação 2012 (20)

Gorete exercicio
Gorete exercicioGorete exercicio
Gorete exercicio
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Professor como protagonista
Professor como protagonistaProfessor como protagonista
Professor como protagonista
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
 
A Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede MunicipalA Supervisão Escolar na Rede Municipal
A Supervisão Escolar na Rede Municipal
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
 
As formas de planejar do professor
As formas de planejar do professorAs formas de planejar do professor
As formas de planejar do professor
 
Sala ppp
Sala pppSala ppp
Sala ppp
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
 
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado  formação continuada dos gestores na educação infantilAtualizado  formação continuada dos gestores na educação infantil
Atualizado formação continuada dos gestores na educação infantil
 
Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
 
O Professor o Coordernador e a Importância da Formação Continuada
O Professor o Coordernador e a Importância da Formação ContinuadaO Professor o Coordernador e a Importância da Formação Continuada
O Professor o Coordernador e a Importância da Formação Continuada
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
Artigo pós - pdf
Artigo pós  - pdfArtigo pós  - pdf
Artigo pós - pdf
 
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
 

Mais de Angela Silva

Mais de Angela Silva (7)

Sequência didática -_gênero_convite
Sequência didática -_gênero_conviteSequência didática -_gênero_convite
Sequência didática -_gênero_convite
 
Xadrez - Pauta
Xadrez - PautaXadrez - Pauta
Xadrez - Pauta
 
Pauta- Xadrez
Pauta- XadrezPauta- Xadrez
Pauta- Xadrez
 
Pauta- Xadrez
Pauta- XadrezPauta- Xadrez
Pauta- Xadrez
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
16 e 17 05
16 e 17 0516 e 17 05
16 e 17 05
 
Poesia
PoesiaPoesia
Poesia
 

Angela proposta coordenação 2012

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE TABOÃO DA SERRA- SP Plano Coordenação Pedagógica 2012 ÂNGELA MARIA DA SILVA
  • 2. I. Justificativa: O coordenador pedagógico em sua atuação na escola deve ser de um agente transformador e formador, ou seja, sua atuação vai muito além do convívio e relacionamento com os professores, significa ser formador ouvinte de opiniões, planejando e pondo em execução o dever da escola que é exercer um papel social; e transformador quando está disposto a inovar e enfrentar desafios capazes de desencadear um processo de mudança. Assumir essa função é desejar ser um importante articulador dentro de um processo dinâmico instaurado pela própria natureza do saber e do fazer humano em constante transformação, uma vez que a atuação coletiva junto ao corpo docente contribui para um “fazer” pedagógico eficiente e comprometido com o sucesso escolar, proporcionando o desenvolvimento do trabalho e crescimento profissional dos professores, visando à melhoria do trabalho docente em sala de aula e no contexto do projeto pedagógico da unidade escolar. Pretendo contagiá-lo e contribuir para o aperfeiçoamento da sua prática, através do diálogo e de reflexões que suscitem novas ideias e consequentemente reflita na sala de aula e na qualidade do ensino oferecido na rede pública municipal. Sabendo da grande responsabilidade do papel do coordenador, me proponho a trabalhar de forma democrática para atender as necessidades da equipe da unidade escolar, levando em conta a ética profissional e o intuito de contribuir para um bom trabalho coletivo.
  • 3. II. Concepção de ensino e de aprendizagem: Tendo ciência que o saber pedagógico é o saber que o professor constrói no cotidiano de seu trabalho e que fundamenta sua ação docente, ou seja, é o saber que possibilita ao professor interagir com seus alunos, na sala de aula, no contexto da escola onde atua (Pimenta et AL 1999, p. 43), a aquisição e efetivação desses saberes é que faz necessária a intervenção do coordenador pedagógico, em favor do professor para contribuir com sua atuação na sala de aula, onde este deve ter em mente quão é importante essa busca, essa transmissão de conhecimento, e troca de experiências para a construção de identidade do educando. Numa abordagem sócio-interacionista, o coordenador é muito mais que um facilitador e orientador do processo de desenvolvimento do outro. É um mediador, alavancador de novos rumos, motivador, proporcionando questionamentos que provoquem e desequilibrem seus professores em prol da mudança quando necessário. De acordo com Vygostsky a interação social é a origem e também o que impulsiona a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual, onde o processo de interiorização de conhecimento se torna possível. Afinal, é necessário considerar que, muito provavelmente, não mudamos sozinhos: outros vêm juntos. E cada um tem um ritmo diferente. Sendo assim, o coordenador deve procurar potencializar as dimensões social, comunicativa e colaborativa. As estratégias pedagógicas devem desenvolver a aprendizagem e troca através do trabalho cooperativo. Os encontros devem desenvolver a aprendizagem pela prática e pela reflexão, através do diálogo e de trocas.
  • 4. III. Objetivos: • Colaborar com a construção, implementação e avaliação do Projeto Pedagógico da Unidade Educacional, tendo em vista os desafios do cotidiano escolar, as modalidades e turnos em funcionamento, visando à melhoria da qualidade da educação, em consonância com a LDB, ECA e com as diretrizes educacionais do município de Taboão da Serra; • Promover estudos que permitam ressignificar e atualizar as práticas pedagógicas em busca de adequá-las a necessidades de aprendizagens dos alunos; • Acompanhar a implementação dos Programas e Projetos da Secretaria Municipal de Educação por meio da formação dos professores da Unidade Educacional, visando a aprendizagem bem sucedida para todos. IV. Metas Previstas: As metas foram traçadas, a partir do conhecimento do perfil e da realidade do grupo docente. No entanto, essas metas terão como foco, a aprendizagem de qualidade para todos através de uma formação eficaz do grupo, que pode incluir: • Reflexão da Prática; • Como lidar com a comunidade; • Ver o aluno como um todo, considerando-o como um sujeito interativo e ativo no seu processo de construção de conhecimento; • Ser um instrumento de transformação da realidade - resgatar a potência da coletividade; • Aumentar o grau de realização e, portanto, de satisfação de trabalho.
  • 5. V. Ações a desencadear:
  • 6. VI. Avaliação: O coordenador pedagógico deve realizar uma avaliação que propicie uma visão clara e pontual do processo de aprendizagem que acompanha o professor. A avaliação diagnóstica ou formativa nesse âmbito oferece uma perspectiva de crescimento e formação, já que, dá abertura para tomada de decisão que poderá ser construída junto ao grupo. Assim, poderá ser realizada através de auto-avaliação, registros em atas, comentários, fotos, reflexão, síntese de discussões e portifólio do coordenador.
  • 7. VII. Bibliografia OSTETTO, Luciana E. (Org.). Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2008. OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2007. cap. 9. CAMPS, Ana. Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto Alegre: Artmed, 2006. cap. 1 - 3. PERRENOUD, Philippe et al. (Orgs.). Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed, 2001. WEISZ, Telma. O Diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo:Ática, 2002. ALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva. São Paulo, Cortez, 2003 – (Coleção Questões da Nossa Época; 103). LIMA, Paulo Gomes. O coordenador pedagógico na educação básica: desafios e perspectivas- Revista de Educação. Vol.2 nº4 jul/dez 2007. Pag. 77-90. Disponível em <http://www.ufgd.edu.br/faed/nefope/publicacoes/o-coordenador- pedagogico-na-educacao-basica-desafios-e-perspectivas >. Acesso em 18- 07-2011 PIMENTA, Selma Garrido textos Nascimento Edson et al. Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.