SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
VIDA DE CAMÕES
FATOS E HIPÓTESES
HTTP://YOUTU.BE/8GWCK_OVAL8
Luís Vaz de Camões
O retrato de Camões por Fernão Gomes, em
cópia de Luís de Resende. Este é considerado
o mais autêntico retrato do poeta, cujo
original, que se perdeu, foi pintado ainda em
sua vida.
Nascimento ca. 1524
Lisboa ?
Morte 10 de
junho de 1580 (56 anos)
Lisboa
Nacionalidade Português
Ocupação Poeta, soldado
Magnum opus Os Lusíadas
ORIGENS E JUVENTUDE
Luiz Vaz de Camões teria nascido em
1524/1525 natural de Lisboa ou Coimbra.
Seus pais chamavam-se Simão Vaz de
Camões e D. Ana de Sá e Macedo.
 Sabe-se que estudou em Coimbra, onde
deve ter começado a ler Petrarca e outros
poetas. Ali terá escrito os primeiros versos,
pois na sua obra se acham referências às
“doces e claras águas do Mondego” ,
( imagem de águas de Mondego – Coimbra)
Em Coimbra os padres Crúzios lhe
proporcionaram uma base solida da
cultura e um profundo conhecimento
da língua portuguesa, que ele utilizou
como ninguém.
Levou uma vida boemia,
frequentando tavernas e envolvendo-
se em arruaças e relações amorosas
tumultuadas.
EM 1547 VIAJOU PARA ÁFRICA, NESSA VIAGEM TERIA ENFRENTADO
TEMPESTADE NO CABO DA BOA ESPERANÇA. ( IMAGEM DO CABO DA BOA
ESPERANÇA) ONDE PERDEU UM DOS OLHOS DURANTE A CONQUISTA DE
CEUTA.
APARÊNCIA, CARÁTER
É descrito pelos seus contemporâneos como um
homem de porte mediano, com um cabelo loiro
arruivado, cego do olho direito, hábil em todos os
exercícios físicos e com uma disposição
temperamental, custando-lhe pouco engajar-se em
brigas. Diz-se que tinha grande valor como soldado,
exibindo coragem, combatividade, senso de honra e
vontade de servir, bom companheiro nas horas de
folga, liberal, alegre e espirituoso quando os golpes
da fortuna não lhe abatiam o espírito e entristeciam.
Tinha consciência do seu mérito como homem, como
soldado e como poeta.
AMORES
Todos os esforços feitos no sentido de se
descobrir a identidade definitiva da sua musa
foram vãos e várias propostas contraditórias
foram apresentadas sobre supostas mulheres
presentes na sua vida. O próprio Camões
sugeriu, num dos seus poemas, que houve
várias musas a inspirá-lo, ao dizer "em várias
flamas variamente ardia". Nomes de damas
supostas como suas amadas só constam
primitivamente nos seus poemas. Nenhuma
menção a quaisquer damas identificáveis pelo
nome é dada nas primeiras biografias do
poeta.
OBRA
CONTEXTO HISTÓRICO EUROPEU
Renascimento europeu;
Transição do feudalismo para
o capitalismo;
Contrarreforma;
Classicismo;
Os Lusíadas -1.ª edição,
1572
OBRA DE CAMÕES
Capa da edição de 1572 dos Lusíadas
Poema épico (1572) de Luís de Camões,
de inspiração clássica (segundo
a Eneida, de Virgílio) mas de
manifesto saber contemporâneo,
colhido na observação, é constituído
por dez cantos compostos de décimas
em decassílabos heroicos, e vive de
uma contradição esteticamente
harmonizada entre a acção das
divindades pagãs (que ajudam ou
prejudicam o progresso dos
Portugueses na viagem marítima
para a Índia, tema do livro) e a tutela
do sentimento cristão e da expansão
da fé, que anima um ardor de
conquista e de possessão do mundo.
"Vasco da Gama na Ilha
dos Amores"
de Vieira Portuense [1765-
1805]
Lírica
1595 - Amor é fogo que arde sem se ver
1595 - Eu cantarei o amor tão docemente
1595 - Verdes são os campos
1595 - Que me quereis, perpétuas saudades?
1595 - Sôbolos rios que vão
1595 - Transforma-se o amador na cousa amada
1595 - Sete anos de pastor Jacob servia
1595 - Alma minha gentil, que te partiste
1595 - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades
1595 - Quem diz que Amor é falso ou enganoso
Teatro
1587 - El-Rei Seleuco.
1587 - Auto de Filodemo.
1587 - Anfitriões
RIMAS
Capa da primeira edição
das Rimas, de 1595
Rimas é o título da primeira
compilação das poesias líricas
de Luís de Camões, publicada
em 1595, quinze anos após a
morte do autor.
A coletânea
compreende redondilhas, odes
, glosas, cantigas, voltas ou
variações,
sextilhas, sonetos,elegias, écog
las e outras estâncias
pequenas.
NÚCLEO TEMÁTICO DA OBRA CAMONIANA
 A CONQUISTA, O
HÉROI PORTUGUÊS E
O PAPEL NA ARTE:
 Os lusíadas se ajustou
perfeitamente a
necessidade cultural
da empreitada
expansionista de
Portugal. A arte
colabora contando a
grandeza de Portugal.
 DESENGANO:
 Reflexão sobre a
vida,o homem e o
mundo.Retrata o
desengano do
homem,perplexo
diante do desconcerto
do mundo.
 RELIGIÃO:
 SUA INTENÇÃO É
MOSTRAR A ESSÊNCIA
DO CONTRASTE ENTRE
A VISÃO RELIGIOSA E
A VISÃO
MATERIALISTA.
O AMOR: É UM TIPO DE IDEAL SUPERIOR, PERFEITO E ÚNICO.
CAMÕES E A LINGUAGEM
Camões lendo Os Lusíadas, por António
Carneiro.
“Uma permanente
reflexão sobre a
língua, uma aguda
sensibilidade aos
nomes das coisas, às
palavras e à maneira
de as usar... Em Os
Lusíadas, por
exemplo, várias
vezes se dá notícia da
estranheza perante o
encontro de novas
línguas".
CORRESPONDÊNCIA AUTÓGRAFA
Na Carta III ele narrou a um amigo o hábito das
alcoviteiras de Lisboa, que traziam "sempre
aparadas as palavras para falar com quem se
preze disso, cousa que eu tenho por grande
trabalho".
Na Carta II o poeta descreveu a linguagem das
moças da Índia, que de tão rude lhe esfriava o
ânimo romântico: "Respondem-vos uma
linguagem meada de ervilhaca, que trava na
garganta do entendimento, a qual vos lança água
na fervura da mor quentura do mundo“.
O seu linguajar literário foi sempre reconhecido
como erudito; Faria e Sousa já dissera que Camões
não escrevera para ignorantes.
Para o pesquisador (Verdelho) a linguagem de
Camões mantém uma notável proximidade entre os
códigos linguísticos e os códigos poéticos, dando-lhe
uma transparência e legibilidade únicas.
Cabe notar que se deve a Camões a introdução de
uma quantidade de latinismos na linguagem
corrente, tais como aéreo, áureo, celeuma, diligente,
diáfano, excelente, aquático, fabuloso, pálido,
radiante, recíproco, hemisfério e muitos outros.
DIFUSÃO E A INFLUÊNCIA
 Ao longo dos séculos Camões foi louvado por
diversos luminares não lusófonos da cultura
ocidental.
 A fama de Camões iniciou a expandir-se
através de Espanha, onde teve vários
admiradores desde o século XVI, aparecendo
duas traduções d' Os Lusíadas em 1580, ano da
morte do poeta, impressas a mando de Filipe II
de Espanha, então rei também de Portugal
Entre 1735 e 1874 surgiram nada menos do que vinte traduções
francesas do livro, sem contar inúmeras segundas edições e
paráfrases de alguns dos episódios mais marcantes.
Em 1777 Pieterszoon traduziu Os Lusíadas para o holandês e no
século XIX surgiram mais cinco outras, parciais.
Em 1782 apareceu a primeira tradução alemã, ainda que
parcial. A primeira versão integral veio à luz entre 1806 e 1807,
trabalho de Herse, e no final da centúria Storck traduziu as
suas obras completas e ofereceu um estudo monumental: Vida
e Obra de Camões, traduzido para o português por Michaëlis.
Camões foi uma das mais fortes influências sobre a formação e
evolução da literatura brasileira, uma influência que começou
a ser efetiva a partir do período barroco, no século XVII, como
se constata pelas semelhanças entre Os Lusíadas e o primeiro
épico brasileiro, a Prosopopeia, de Bento Teixeira, de 1601
Camões como poeta laureado,
por François Gérard.
CRÍTICAS
Apesar de o mérito artístico de Camões ser largamente reconhecido,
a sua obra não ficou imune a críticas.
O bispo de Viseu, Dom Francisco Lobo, acusou-o de jamais haver
amado verdadeiramente e, por isso, ter falseado o amor através do
embelezamento poético.
Hegel, embora elogiando várias qualidades d' Os Lusíadas, criticou a
incongruência entre o tema nacionalista e o uso de modelos formais
clássicos e italianos.
Cesário Verde considerou o "desconcerto" camoniano, um modo
errático de ser sujeito no mundo e de estar sujeito no mundo,
carregando as penas do mundo sobre os ombros, como um desejo
absurdo de sofrer.
Sérgio Buarque de Holanda disse que as cores épicas com que
Camões pintou os feitos lusitanos não correspondem tanto a "uma
aspiração generosa e ascendente", mas espelham antes uma
retrospecção melancólica da glória extinta que mais desfigurou do
que fixou a verdadeira fisionomia moral dos agentes da expansão
marítima.
SÍMBOLO NACIONAL PORTUGUÊS
Monumento ao poeta na Praça
Luís de Camões, no Bairro Alto,
em Lisboa.
Monumento ao poeta no Jardim
Luís de Camões, Leiria.
A identificação de Camões e da sua obra como
símbolos da nação portuguesa parece datar,
como acredita Vanda Anastácio, do início da
monarquia dual de Filipe II de Espanha,
Camões tornou-se especialmente importante
em Portugal no século XIX, quando, conforme
afirmaram Lourenço, Freeland, Souza e outros
autores.
Os Lusíadas sofreu um processo de releitura e
mitificação por alguns dos expoentes do
Romantismo local, como Almeida
Garrett, Antero de Quental e Oliveira Martins,
que o colocaram como um símbolo da história
e do destino que estaria reservado ao país.
NOTÍCIAS DOS JORNAIS:
"O Centenário de Camões neste momento histórico, e
nesta crise dos espíritos tem a significação de uma
revivescência nacional"... "É sublime o acordo entre
as conclusões científicas das mais elevadas
inteligências da Europa e a intuição da alma popular
que encontram em Camões o representante duma
literatura inteira e a síntese da
nacionalidade"... "Todas as forças vivas da nação se
aliavam nesse grande preito à memória do homem
cuja alma foi a síntese grandiosa da alma
portuguesa".
http://youtu.be/ctAWPmcHoF8
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
CAMÕES, Luís de. Lírica-Épico-Teatro-Cartas.Organização de José
Alves das Neves e Douglas Tufano. São Paulo: Moderna;
Brasília: INL, 1980.
Site: noticiasuniversia. pt.
Site: IIfeioleiturasblogspot.com.br
http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_princ
ipal
http://youtu.be/8gwcK_ovAL8
http://youtu.be/ctAWPmcHoF8
CURSO DE SEGUNDA LICENCIATURA
PLENA EM LETRAS – HABILITAÇÃO EM
LÍNGUA PORTUGUESA
DISCIPLINA:Teoria da Literatura I
PROFESSORA: Mona Lisa Bezerra
Teixeira
COORDENADORA: Luciana Aires da
Costa
TURMA: Letras 06
GRUPO: Célia Tavares
Geciane Carla
Maria Neirly
Maria Nascimento
Natal/2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"CatarinaSilva1000
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana Sara Afonso
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasclaudiarmarques
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesjulykathy
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorMarisa Ferreira
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoaguest0f0d8
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemasPaula CAA
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Os Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto IIIOs Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto III
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 

Semelhante a Vida de camões

Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoLuana D'Luna
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesPIBID HISTÓRIA
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoesutario
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoesutario
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Alvaro Gomes
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.Vanuza Duarte
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugalJonatas Carlos
 
Luís de Camões
Luís de CamõesLuís de Camões
Luís de CamõesEFA11
 

Semelhante a Vida de camões (20)

Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Camões
Camões Camões
Camões
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de Camões
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
 
Luís de Camões
Luís de CamõesLuís de Camões
Luís de Camões
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 

Vida de camões

  • 1. VIDA DE CAMÕES FATOS E HIPÓTESES
  • 3. Luís Vaz de Camões O retrato de Camões por Fernão Gomes, em cópia de Luís de Resende. Este é considerado o mais autêntico retrato do poeta, cujo original, que se perdeu, foi pintado ainda em sua vida. Nascimento ca. 1524 Lisboa ? Morte 10 de junho de 1580 (56 anos) Lisboa Nacionalidade Português Ocupação Poeta, soldado Magnum opus Os Lusíadas
  • 4. ORIGENS E JUVENTUDE Luiz Vaz de Camões teria nascido em 1524/1525 natural de Lisboa ou Coimbra. Seus pais chamavam-se Simão Vaz de Camões e D. Ana de Sá e Macedo.  Sabe-se que estudou em Coimbra, onde deve ter começado a ler Petrarca e outros poetas. Ali terá escrito os primeiros versos, pois na sua obra se acham referências às “doces e claras águas do Mondego” ,
  • 5. ( imagem de águas de Mondego – Coimbra)
  • 6. Em Coimbra os padres Crúzios lhe proporcionaram uma base solida da cultura e um profundo conhecimento da língua portuguesa, que ele utilizou como ninguém. Levou uma vida boemia, frequentando tavernas e envolvendo- se em arruaças e relações amorosas tumultuadas.
  • 7. EM 1547 VIAJOU PARA ÁFRICA, NESSA VIAGEM TERIA ENFRENTADO TEMPESTADE NO CABO DA BOA ESPERANÇA. ( IMAGEM DO CABO DA BOA ESPERANÇA) ONDE PERDEU UM DOS OLHOS DURANTE A CONQUISTA DE CEUTA.
  • 8. APARÊNCIA, CARÁTER É descrito pelos seus contemporâneos como um homem de porte mediano, com um cabelo loiro arruivado, cego do olho direito, hábil em todos os exercícios físicos e com uma disposição temperamental, custando-lhe pouco engajar-se em brigas. Diz-se que tinha grande valor como soldado, exibindo coragem, combatividade, senso de honra e vontade de servir, bom companheiro nas horas de folga, liberal, alegre e espirituoso quando os golpes da fortuna não lhe abatiam o espírito e entristeciam. Tinha consciência do seu mérito como homem, como soldado e como poeta.
  • 9. AMORES Todos os esforços feitos no sentido de se descobrir a identidade definitiva da sua musa foram vãos e várias propostas contraditórias foram apresentadas sobre supostas mulheres presentes na sua vida. O próprio Camões sugeriu, num dos seus poemas, que houve várias musas a inspirá-lo, ao dizer "em várias flamas variamente ardia". Nomes de damas supostas como suas amadas só constam primitivamente nos seus poemas. Nenhuma menção a quaisquer damas identificáveis pelo nome é dada nas primeiras biografias do poeta.
  • 10. OBRA CONTEXTO HISTÓRICO EUROPEU Renascimento europeu; Transição do feudalismo para o capitalismo; Contrarreforma; Classicismo;
  • 11. Os Lusíadas -1.ª edição, 1572 OBRA DE CAMÕES Capa da edição de 1572 dos Lusíadas
  • 12. Poema épico (1572) de Luís de Camões, de inspiração clássica (segundo a Eneida, de Virgílio) mas de manifesto saber contemporâneo, colhido na observação, é constituído por dez cantos compostos de décimas em decassílabos heroicos, e vive de uma contradição esteticamente harmonizada entre a acção das divindades pagãs (que ajudam ou prejudicam o progresso dos Portugueses na viagem marítima para a Índia, tema do livro) e a tutela do sentimento cristão e da expansão da fé, que anima um ardor de conquista e de possessão do mundo. "Vasco da Gama na Ilha dos Amores" de Vieira Portuense [1765- 1805]
  • 13. Lírica 1595 - Amor é fogo que arde sem se ver 1595 - Eu cantarei o amor tão docemente 1595 - Verdes são os campos 1595 - Que me quereis, perpétuas saudades? 1595 - Sôbolos rios que vão 1595 - Transforma-se o amador na cousa amada 1595 - Sete anos de pastor Jacob servia 1595 - Alma minha gentil, que te partiste 1595 - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades 1595 - Quem diz que Amor é falso ou enganoso
  • 14. Teatro 1587 - El-Rei Seleuco. 1587 - Auto de Filodemo. 1587 - Anfitriões
  • 15. RIMAS Capa da primeira edição das Rimas, de 1595 Rimas é o título da primeira compilação das poesias líricas de Luís de Camões, publicada em 1595, quinze anos após a morte do autor. A coletânea compreende redondilhas, odes , glosas, cantigas, voltas ou variações, sextilhas, sonetos,elegias, écog las e outras estâncias pequenas.
  • 16. NÚCLEO TEMÁTICO DA OBRA CAMONIANA  A CONQUISTA, O HÉROI PORTUGUÊS E O PAPEL NA ARTE:  Os lusíadas se ajustou perfeitamente a necessidade cultural da empreitada expansionista de Portugal. A arte colabora contando a grandeza de Portugal.
  • 17.  DESENGANO:  Reflexão sobre a vida,o homem e o mundo.Retrata o desengano do homem,perplexo diante do desconcerto do mundo.
  • 18.  RELIGIÃO:  SUA INTENÇÃO É MOSTRAR A ESSÊNCIA DO CONTRASTE ENTRE A VISÃO RELIGIOSA E A VISÃO MATERIALISTA.
  • 19. O AMOR: É UM TIPO DE IDEAL SUPERIOR, PERFEITO E ÚNICO.
  • 20. CAMÕES E A LINGUAGEM Camões lendo Os Lusíadas, por António Carneiro. “Uma permanente reflexão sobre a língua, uma aguda sensibilidade aos nomes das coisas, às palavras e à maneira de as usar... Em Os Lusíadas, por exemplo, várias vezes se dá notícia da estranheza perante o encontro de novas línguas".
  • 21. CORRESPONDÊNCIA AUTÓGRAFA Na Carta III ele narrou a um amigo o hábito das alcoviteiras de Lisboa, que traziam "sempre aparadas as palavras para falar com quem se preze disso, cousa que eu tenho por grande trabalho". Na Carta II o poeta descreveu a linguagem das moças da Índia, que de tão rude lhe esfriava o ânimo romântico: "Respondem-vos uma linguagem meada de ervilhaca, que trava na garganta do entendimento, a qual vos lança água na fervura da mor quentura do mundo“.
  • 22. O seu linguajar literário foi sempre reconhecido como erudito; Faria e Sousa já dissera que Camões não escrevera para ignorantes. Para o pesquisador (Verdelho) a linguagem de Camões mantém uma notável proximidade entre os códigos linguísticos e os códigos poéticos, dando-lhe uma transparência e legibilidade únicas. Cabe notar que se deve a Camões a introdução de uma quantidade de latinismos na linguagem corrente, tais como aéreo, áureo, celeuma, diligente, diáfano, excelente, aquático, fabuloso, pálido, radiante, recíproco, hemisfério e muitos outros.
  • 23. DIFUSÃO E A INFLUÊNCIA  Ao longo dos séculos Camões foi louvado por diversos luminares não lusófonos da cultura ocidental.  A fama de Camões iniciou a expandir-se através de Espanha, onde teve vários admiradores desde o século XVI, aparecendo duas traduções d' Os Lusíadas em 1580, ano da morte do poeta, impressas a mando de Filipe II de Espanha, então rei também de Portugal
  • 24. Entre 1735 e 1874 surgiram nada menos do que vinte traduções francesas do livro, sem contar inúmeras segundas edições e paráfrases de alguns dos episódios mais marcantes. Em 1777 Pieterszoon traduziu Os Lusíadas para o holandês e no século XIX surgiram mais cinco outras, parciais. Em 1782 apareceu a primeira tradução alemã, ainda que parcial. A primeira versão integral veio à luz entre 1806 e 1807, trabalho de Herse, e no final da centúria Storck traduziu as suas obras completas e ofereceu um estudo monumental: Vida e Obra de Camões, traduzido para o português por Michaëlis. Camões foi uma das mais fortes influências sobre a formação e evolução da literatura brasileira, uma influência que começou a ser efetiva a partir do período barroco, no século XVII, como se constata pelas semelhanças entre Os Lusíadas e o primeiro épico brasileiro, a Prosopopeia, de Bento Teixeira, de 1601
  • 25. Camões como poeta laureado, por François Gérard.
  • 26. CRÍTICAS Apesar de o mérito artístico de Camões ser largamente reconhecido, a sua obra não ficou imune a críticas. O bispo de Viseu, Dom Francisco Lobo, acusou-o de jamais haver amado verdadeiramente e, por isso, ter falseado o amor através do embelezamento poético. Hegel, embora elogiando várias qualidades d' Os Lusíadas, criticou a incongruência entre o tema nacionalista e o uso de modelos formais clássicos e italianos. Cesário Verde considerou o "desconcerto" camoniano, um modo errático de ser sujeito no mundo e de estar sujeito no mundo, carregando as penas do mundo sobre os ombros, como um desejo absurdo de sofrer. Sérgio Buarque de Holanda disse que as cores épicas com que Camões pintou os feitos lusitanos não correspondem tanto a "uma aspiração generosa e ascendente", mas espelham antes uma retrospecção melancólica da glória extinta que mais desfigurou do que fixou a verdadeira fisionomia moral dos agentes da expansão marítima.
  • 27. SÍMBOLO NACIONAL PORTUGUÊS Monumento ao poeta na Praça Luís de Camões, no Bairro Alto, em Lisboa. Monumento ao poeta no Jardim Luís de Camões, Leiria.
  • 28. A identificação de Camões e da sua obra como símbolos da nação portuguesa parece datar, como acredita Vanda Anastácio, do início da monarquia dual de Filipe II de Espanha, Camões tornou-se especialmente importante em Portugal no século XIX, quando, conforme afirmaram Lourenço, Freeland, Souza e outros autores. Os Lusíadas sofreu um processo de releitura e mitificação por alguns dos expoentes do Romantismo local, como Almeida Garrett, Antero de Quental e Oliveira Martins, que o colocaram como um símbolo da história e do destino que estaria reservado ao país.
  • 29. NOTÍCIAS DOS JORNAIS: "O Centenário de Camões neste momento histórico, e nesta crise dos espíritos tem a significação de uma revivescência nacional"... "É sublime o acordo entre as conclusões científicas das mais elevadas inteligências da Europa e a intuição da alma popular que encontram em Camões o representante duma literatura inteira e a síntese da nacionalidade"... "Todas as forças vivas da nação se aliavam nesse grande preito à memória do homem cuja alma foi a síntese grandiosa da alma portuguesa".
  • 31. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: CAMÕES, Luís de. Lírica-Épico-Teatro-Cartas.Organização de José Alves das Neves e Douglas Tufano. São Paulo: Moderna; Brasília: INL, 1980. Site: noticiasuniversia. pt. Site: IIfeioleiturasblogspot.com.br http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_princ ipal http://youtu.be/8gwcK_ovAL8 http://youtu.be/ctAWPmcHoF8
  • 32. CURSO DE SEGUNDA LICENCIATURA PLENA EM LETRAS – HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA:Teoria da Literatura I PROFESSORA: Mona Lisa Bezerra Teixeira COORDENADORA: Luciana Aires da Costa TURMA: Letras 06 GRUPO: Célia Tavares Geciane Carla Maria Neirly Maria Nascimento Natal/2013