SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Os Lusíadas O Autor: Luís Vaz de Camões A Obra: Breve Introdução à Epopeia da Língua Portuguesa
O Autor:  Luís Vaz de Camões
A biografia possível… A biografia de Luís Vaz de Camões levanta inúmeros problemas para os seus estudiosos. Até o ano e o local do seu nascimento são impossíveis de indicar com certeza… Com base em documentos (registos das armadas, carta de perdão, cartas de tença, etc.) e em memórias conservadas pelos primeiros biógrafos, podemos formar uma ideia geral do que foi a vida de Camões.
1. Luís Vaz de Camões Nasceu provavelmente em Lisboa no ano de 1524 ou 1525 (Coimbra, Alenquer e Santarém são outras possibilidades). Filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-se que pertencia à pequena nobreza.  A vastíssima erudição documentada na sua obra levou os seus biógrafos a concluírem que terá frequentado estudos de nível superior em Coimbra.  Conviveu com personagens importantes da Corte, tendo-se envolvido em amores e aventuras várias. Esteve preso várias vezes, devido a desordens.
Luís Vaz de Camões Entre 1549 e 1551, esteve em Ceuta, como soldado (foi aqui, em combate, que perdeu o olho direito).  Regressando a Lisboa, continuou a movimentar-se nos meios palacianos. Manteve-se distante dos meios literários (por exemplo, o círculo em torno de Sá de Miranda). Devido a uma rixa travada no Rossio, foi obrigado, segundo consta da Carta de Perdão de D. João III, a “pagar 4000 réis para piedade e a ir servir o Rei à Índia”. (Sabe-se hoje, porém, que a viagem para as Índias não se deveu a uma imposição)
Em 1553, Camões embarcou para a Índia, tendo sofrido uma grande tempestade no Cabo da Boa Esperança. Ficou em terras do Oriente durante mais de uma década, tendo estado no Malabar na China, em Macau… Prestou serviço militar e, posteriormente, desempenhou cargos administrativos.  Algumas composições poéticas mostram que o poeta não foi feliz nas Índias; Goa foi, na verdade, uma decepção.  Luís Vaz de Camões
Regressou a Portugal em 1567, depois de ter estado preso em Goa. No entanto, o capitão do navio que o levava deixou-o nas costas de Moçambique, onde ficou a viver da ajuda de amigos.  O historiador Diogo do Couto, encontrando Camões em Moçambique, ajudou-o a embarcar para Lisboa. Em 1570, Camões está de novo em solo pátrio, trazendo consigo o manuscrito d’Os Lusíadas. Luís Vaz de Camões
No ano de 1571, obteve licença da Inquisição para publicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, em 1572. Meses antes, lera o poema a D. Sebastião. Em 28 de Junho de 1572, um alvará do Rei D. Sebastião concedeu ao poeta uma tença anual no valor de 15 mil réis.  Morreu no dia 10 de Junho de 1580.  Dia de Portugal Luís Vaz de Camões
LuísVazde Camões Luís de Camões foi enterrado no Convento de Sant’Ana. Um amigo, D. Gonçalo Coutinho, inscreveu na lápide da sepultura que  reservara para o poeta:  “Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.” Túmulo de Luís de Camões. Mosteiro dos Jerónimos (onde se supõe que estão os restos mortais do poeta desde 1880).
Luís Vaz de Camões Quando a história e a lenda dão as mãos…    …diz-se que Camões terá encontrado em Macau uma gruta onde se refugiou para escrever parte d’Os Lusíadas… …diz-se que, quando regressou a Goa depois de ter estado em Macau, Camões naufragou e, a nado, conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas… …sobre o estado de penúria em que viveu os seus últimos dias, existe também a lenda das esmolas colhidas por Jau (Javanês), seu criado…
Luís Vaz de Camões Camões na Gruta de Macau  Pintura do século XIX, da autoria de        Francisco Augusto de Metrass.  Museu de Arte Contemporânea. Gruta de Camões (Macau)
A Obra:  Breve Introdução à Epopeia da Língua Portuguesa
Os Lusíadas A poesia e a vida…  Obra Poética    Camões cultivou, além dos metros tradicionais, todos os géneros poéticos renascentistas, destacando-se o Soneto e a Canção. Também escreveu teatro: os autos Anfitriões, Filodemo e El-rei Seleuco.     É possível considerar que Camõestransformou em poesia parte da sua experiência de vida (como fazem, cada um aproveitando de modo diferente essa experiência, muitos poetas) mas essa consideração não deve transformar em autobiografia cada texto seu...
[object Object]
 Foi, portanto, durante a vida nas Índias que Luís de Camões escreveu Os Lusíadas.,[object Object]
Cantando espalharei por toda a parte…  O que é uma epopeia?    Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma de um poema.     De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens históricas.  A Epopeia Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.) Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.) Eneias – Eneida(séc. I a.C.) Vasco da Gama (e o povo Português) – Os Lusíadas (sec. XVI)
Aquiles e o seu amigo Pátrocolo, personagens da Ilíada (representação de um vaso grego do século VI A.C.)
Ulisses e as sereias. Episódio da Odisseia. Pintura de Herbert Draper
Eneias salvando o pai. Um dos mais belos episódios da Eneida. Pintura de António Manuel da Fonseca.
A Epopeia  São elementos da estrutura clássica da epopeia:      a Proposição;     a Invocação;      a Dedicatória (elemento facultativo);     a Narração (iniciada in medias res) Onde o poeta apresenta o assunto da sua epopeia. Onde o poeta pede o auxílio de entidades superiores. Quando os acontecimentos já decorrem, sendo depois retomados por analepse.
O século XVI em Portugal   As viagens de descoberta de caminhos marítimos feitas pelos navegadores Portugueses, em especial a de Vasco da Gama, permitiam comparar os feitos dos heróis nacionais com a bravura de outros heróis, lendários ou não (aqueles que eram cantados nas epopeias da Antiguidade).   Existia um sentimento nacional de orgulho  era preciso fazer renascer a epopeia clássica para glorificar a realização dos Portugueses.  		  Os Lusíadas foram o produto desta vontade… Os Lusíadas
Os Lusíadas  Falando em renascimento…    A epopeia de Luís de Camões é publicada em 1572…  segunda metade do séc. XVI  A época do Renascimento e do Humanismo.     O que significa esta palavra na história da Humanidade?
Os Lusíadas     O Renascimento é o nome dado a um período da História Ocidental (sécs. XV e XVI) caracterizado, essencialmente, por duas grandes mudanças relativamente ao mundo cultural da Idade Média:   O desejo de seguir os valores estéticos da Grécia e da Roma Antigas (a imitação dos clássicos);   Feito à imagem e semelhança de Deus, o Homem torna-se a medida e a referência do Universo.
 Mas o Renascimento marca também uma nova forma de entender a construção do conhecimento. O homem do Renascimento, o Humanista, valoriza a observação e a experimentação.   É uma época em que se valoriza… …um saber só de experiências feito…  Escreverá Camões, no canto IV d’OsLusíadas, no episódio do Velho do Restelo. Os Lusíadas
OsLusíadas Pode ler-se na História da Literatura Portuguesa (António José Saraiva e Óscar Lopes, 17.ª edição, Porto Editora, 1996): O tema geral escolhido por Camões para o seu poema foi toda a história de Portugal, como se vê pelo próprio título: Os Lusíadas. Esta palavra (neologismo inventado por André de Resende) designa os Portugueses, que a erudição humanística assim nobilitava como descendentes de Luso, filho ou companheiro de Baco. O próprio autor explicita o seu propósito, ao afirmar que canta «o peito ilustre lusitano».

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índiasin3stesia
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belémLurdes
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasClaudia Lazarini
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloFilipaFonseca
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Primo levi
Primo leviPrimo levi
Primo levi
 
Palavra Mágica
Palavra MágicaPalavra Mágica
Palavra Mágica
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 

Destaque

Visita virtual A Casa de Anne Frank
Visita virtual  A Casa de Anne FrankVisita virtual  A Casa de Anne Frank
Visita virtual A Casa de Anne FrankMaria Gomes
 
Textos a pares 2
Textos a pares 2Textos a pares 2
Textos a pares 2SaraHonorio
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)lurdesmartins
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugalHugo Ferreira
 

Destaque (6)

Visita virtual A Casa de Anne Frank
Visita virtual  A Casa de Anne FrankVisita virtual  A Casa de Anne Frank
Visita virtual A Casa de Anne Frank
 
Textos a pares 2
Textos a pares 2Textos a pares 2
Textos a pares 2
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Camoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obraCamoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obra
 

Semelhante a Camões e a epopeia

Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoElsa Maximiano
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesCrisBiagio
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisjuninhowwave
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesPIBID HISTÓRIA
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoLuana D'Luna
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiamaria.j.fontes
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .pptMarlene Cunhada
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptMarlene Cunhada
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Alvaro Gomes
 
Autobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesAutobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesLetceO
 

Semelhante a Camões e a epopeia (20)

Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introdução
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de Camões
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
 
Vida de camões
Vida de camõesVida de camões
Vida de camões
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de Camões
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
O mar na literatura port.
O mar na literatura port.O mar na literatura port.
O mar na literatura port.
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
 
Autobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesAutobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de Camões
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 

Último

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 

Último (20)

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

Camões e a epopeia

  • 1. Os Lusíadas O Autor: Luís Vaz de Camões A Obra: Breve Introdução à Epopeia da Língua Portuguesa
  • 2. O Autor: Luís Vaz de Camões
  • 3. A biografia possível… A biografia de Luís Vaz de Camões levanta inúmeros problemas para os seus estudiosos. Até o ano e o local do seu nascimento são impossíveis de indicar com certeza… Com base em documentos (registos das armadas, carta de perdão, cartas de tença, etc.) e em memórias conservadas pelos primeiros biógrafos, podemos formar uma ideia geral do que foi a vida de Camões.
  • 4. 1. Luís Vaz de Camões Nasceu provavelmente em Lisboa no ano de 1524 ou 1525 (Coimbra, Alenquer e Santarém são outras possibilidades). Filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-se que pertencia à pequena nobreza. A vastíssima erudição documentada na sua obra levou os seus biógrafos a concluírem que terá frequentado estudos de nível superior em Coimbra. Conviveu com personagens importantes da Corte, tendo-se envolvido em amores e aventuras várias. Esteve preso várias vezes, devido a desordens.
  • 5. Luís Vaz de Camões Entre 1549 e 1551, esteve em Ceuta, como soldado (foi aqui, em combate, que perdeu o olho direito). Regressando a Lisboa, continuou a movimentar-se nos meios palacianos. Manteve-se distante dos meios literários (por exemplo, o círculo em torno de Sá de Miranda). Devido a uma rixa travada no Rossio, foi obrigado, segundo consta da Carta de Perdão de D. João III, a “pagar 4000 réis para piedade e a ir servir o Rei à Índia”. (Sabe-se hoje, porém, que a viagem para as Índias não se deveu a uma imposição)
  • 6. Em 1553, Camões embarcou para a Índia, tendo sofrido uma grande tempestade no Cabo da Boa Esperança. Ficou em terras do Oriente durante mais de uma década, tendo estado no Malabar na China, em Macau… Prestou serviço militar e, posteriormente, desempenhou cargos administrativos. Algumas composições poéticas mostram que o poeta não foi feliz nas Índias; Goa foi, na verdade, uma decepção. Luís Vaz de Camões
  • 7. Regressou a Portugal em 1567, depois de ter estado preso em Goa. No entanto, o capitão do navio que o levava deixou-o nas costas de Moçambique, onde ficou a viver da ajuda de amigos. O historiador Diogo do Couto, encontrando Camões em Moçambique, ajudou-o a embarcar para Lisboa. Em 1570, Camões está de novo em solo pátrio, trazendo consigo o manuscrito d’Os Lusíadas. Luís Vaz de Camões
  • 8. No ano de 1571, obteve licença da Inquisição para publicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, em 1572. Meses antes, lera o poema a D. Sebastião. Em 28 de Junho de 1572, um alvará do Rei D. Sebastião concedeu ao poeta uma tença anual no valor de 15 mil réis. Morreu no dia 10 de Junho de 1580. Dia de Portugal Luís Vaz de Camões
  • 9. LuísVazde Camões Luís de Camões foi enterrado no Convento de Sant’Ana. Um amigo, D. Gonçalo Coutinho, inscreveu na lápide da sepultura que reservara para o poeta: “Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.” Túmulo de Luís de Camões. Mosteiro dos Jerónimos (onde se supõe que estão os restos mortais do poeta desde 1880).
  • 10. Luís Vaz de Camões Quando a história e a lenda dão as mãos… …diz-se que Camões terá encontrado em Macau uma gruta onde se refugiou para escrever parte d’Os Lusíadas… …diz-se que, quando regressou a Goa depois de ter estado em Macau, Camões naufragou e, a nado, conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas… …sobre o estado de penúria em que viveu os seus últimos dias, existe também a lenda das esmolas colhidas por Jau (Javanês), seu criado…
  • 11. Luís Vaz de Camões Camões na Gruta de Macau Pintura do século XIX, da autoria de Francisco Augusto de Metrass. Museu de Arte Contemporânea. Gruta de Camões (Macau)
  • 12. A Obra: Breve Introdução à Epopeia da Língua Portuguesa
  • 13. Os Lusíadas A poesia e a vida…  Obra Poética Camões cultivou, além dos metros tradicionais, todos os géneros poéticos renascentistas, destacando-se o Soneto e a Canção. Também escreveu teatro: os autos Anfitriões, Filodemo e El-rei Seleuco. É possível considerar que Camõestransformou em poesia parte da sua experiência de vida (como fazem, cada um aproveitando de modo diferente essa experiência, muitos poetas) mas essa consideração não deve transformar em autobiografia cada texto seu...
  • 14.
  • 15.
  • 16. Cantando espalharei por toda a parte…  O que é uma epopeia? Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma de um poema. De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens históricas. A Epopeia Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.) Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.) Eneias – Eneida(séc. I a.C.) Vasco da Gama (e o povo Português) – Os Lusíadas (sec. XVI)
  • 17. Aquiles e o seu amigo Pátrocolo, personagens da Ilíada (representação de um vaso grego do século VI A.C.)
  • 18. Ulisses e as sereias. Episódio da Odisseia. Pintura de Herbert Draper
  • 19. Eneias salvando o pai. Um dos mais belos episódios da Eneida. Pintura de António Manuel da Fonseca.
  • 20. A Epopeia  São elementos da estrutura clássica da epopeia: a Proposição; a Invocação; a Dedicatória (elemento facultativo); a Narração (iniciada in medias res) Onde o poeta apresenta o assunto da sua epopeia. Onde o poeta pede o auxílio de entidades superiores. Quando os acontecimentos já decorrem, sendo depois retomados por analepse.
  • 21. O século XVI em Portugal  As viagens de descoberta de caminhos marítimos feitas pelos navegadores Portugueses, em especial a de Vasco da Gama, permitiam comparar os feitos dos heróis nacionais com a bravura de outros heróis, lendários ou não (aqueles que eram cantados nas epopeias da Antiguidade).  Existia um sentimento nacional de orgulho  era preciso fazer renascer a epopeia clássica para glorificar a realização dos Portugueses. Os Lusíadas foram o produto desta vontade… Os Lusíadas
  • 22. Os Lusíadas  Falando em renascimento… A epopeia de Luís de Camões é publicada em 1572…  segunda metade do séc. XVI  A época do Renascimento e do Humanismo. O que significa esta palavra na história da Humanidade?
  • 23. Os Lusíadas  O Renascimento é o nome dado a um período da História Ocidental (sécs. XV e XVI) caracterizado, essencialmente, por duas grandes mudanças relativamente ao mundo cultural da Idade Média:  O desejo de seguir os valores estéticos da Grécia e da Roma Antigas (a imitação dos clássicos);  Feito à imagem e semelhança de Deus, o Homem torna-se a medida e a referência do Universo.
  • 24.  Mas o Renascimento marca também uma nova forma de entender a construção do conhecimento. O homem do Renascimento, o Humanista, valoriza a observação e a experimentação.  É uma época em que se valoriza… …um saber só de experiências feito…  Escreverá Camões, no canto IV d’OsLusíadas, no episódio do Velho do Restelo. Os Lusíadas
  • 25. OsLusíadas Pode ler-se na História da Literatura Portuguesa (António José Saraiva e Óscar Lopes, 17.ª edição, Porto Editora, 1996): O tema geral escolhido por Camões para o seu poema foi toda a história de Portugal, como se vê pelo próprio título: Os Lusíadas. Esta palavra (neologismo inventado por André de Resende) designa os Portugueses, que a erudição humanística assim nobilitava como descendentes de Luso, filho ou companheiro de Baco. O próprio autor explicita o seu propósito, ao afirmar que canta «o peito ilustre lusitano».