SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
OS LUSÍADAS-
REFLEXÕES DO POETA
Trabalho elaborado por:
Patrícia Colaço- nº24 10ºA
Ano letivo: 2015/2016
Docente: Celeste Lopes
Escola Secundária Sá da Bandeira- Santarém
Canto I- Pequenez e insegurança do
Homem
 Nesta reflexão, o poeta desabafa sobre os perigos aos quais os
portugueses estão sujeitos, neste percurso tão incerto e pouco
seguro.
Versos ilustrativos:
 “… aonde a gente põe sua esperança, tenha a vida tão pouca segurança!”,
est.105
 “Que não se arme e se indigne o Céu sereno contra um bicho da terra tão
pequeno?”, est.106
Ilustrações:
Fig.1-Pequenez do
Homem face aos
deuses
Fig.2-Representação dos
perigos a que estavam
sujeitos
Canto V- Falta de culturismo
 Crítica à falta de culturismo que os portugueses apresentam. Os
portugueses desvalorizam o que é nacional, enaltecendo o que
provém do estrangeiro, o poeta considera isto irónico.
Versos ilustrativos:
 “Não merecem tamanha glória e fama como a sua, que o céu e a
terra espanta.”, est. 94
 “Porque o amor fraterno e puro gosto de dar a todo o Lusitano feito
seu louvor, é somente o pressuposto das Tágides gentis, e seu
respeito.”, est.100
Ilustrações:
Fig.3- Ilustração de
Luís Vaz de Camões
Canto VI- Enaltece o herói
 O poeta caracteriza o herói, enaltecendo esta figura, devido ao facto
de este ser digno desse nome, porque se criou com grande esforço.
É uma crítica universal, que fala sobre o valor da fama.
Versos ilustrativos:
 “Os que são de fama amigos alcançam as honras imortais e graus
maiores.”, est.95
 “E com forçar o rosto, que se enfia, a parecer seguro, ledo,
inteiro, pera o pelouro ardente que assovia e leva a perna ou
braço ao companheiro.”, est.98
Ilustrações:
Fig.4- Herói, os
portugueses
Canto VII- Inveja e ignorância
 Chama aos portugueses de ignorantes e invejosos, pois estes nem
conhecem a própria história, ou seja, a história do país.
Versos ilustrativos:
 “Nua mão sempre a espada e noutra a pena.”, est.79
 “Que tamanhas misérias me cercassem, senão aqueles que eu
cantando andava”, est.81
Ilustrações:
Fig.5- Representação
do Herói
Canto VIII- Sede do dinheiro
 O sujeito poético crítica os portugueses, devido ao facto de estes
nunca escaparem ao poder do dinheiro, o que pode originar
corrupção.
Versos ilustrativos:
 “Quanto no rico, assi como no pobre, pode o vil interesse e sede
immiga do dinheiro, que a tudo nos obriga.”, est.96
Ilustrações:
Fig.6- Ilustração de
corrupção
Canto IX- Valor das
recompensas
 Fazendo a comparação com o episódio da Ilha dos Amores, que é
fictício, o poeta interpela para o valor das verdadeiras recompensas.
Estas são as que provém da alma, que vêm do nosso interior, e não
a níveis materiais.
Versos ilustrativos:
 “Não eram senão prémios que reparte, por feitos imortais e
soberanos, o mundo cos varões que esforço e arte divinos os
fizeram, sendo humanos.”, est.91
Ilustrações:
Fig.7- Representação da
Ilha dos Amores
Fig.8- Representação das
Ninfas
Canto X- Conselho ao rei
 O sujeito poético demonstra o seu descontentamento (razão por
não continuar a obra) ao ver a ingratidão dos portugueses, e
aconselha o rei a prestarem atenção aos mais sábios, ou seja, aos
mais experientes.
Versos ilustrativos:
 “ No gosto da cobiça e na rudeza dua austera, apagada e vil
tristeza.”, est.145
 “Nem me falta na vida honesto estudo, com longa experiência
misturado.”, est.154
Ilustrações:
Fig.9- Ilustração de Luís
Vaz de Camões
Fig.10- Representação do
episódio, Máquina do
mundo
Bibliografia de imagens:
 Fig.1-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas&imgrc=A5JeEn9oYZFCeM%3A
 Fig.2-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas&imgrc=CLqkWdMqwYa_TM%3A
 Fig.3-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#imgrc=btMh7stINZew4M%3ª
 Fig.4-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas+heroi&imgrc=_HBoExzPeGzxwM%3ª
 Fig.5-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=nua+mao+sempre+a+espada+e+noutra+a+pena+lusiadas&i
mgrc=irpUkUgrWZDOkM%3ª
 Fig.6-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=corrup%C3%A7%C3%A3o+lusiadas&imgrc=IU9jAb2npKpa
QM%3A
Bibliografia de imagens:
 Fig.7-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=ilha+dos+amores+lusiadas&imgrc=kmSI8EhI74q8VM%3ª
 Fig.8-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=ilha+dos+amores+lusiadas&imgrc=ZtAs0DQyRyQ4FM%3ª
 Fig.9-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=+lusiadas+canto+x&imgrc=-A43IEbcLfqlCM%3ª
 Fig.10- https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b-
ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg
C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=+lusiadas+canto+x&imgrc=ypOhE4XR6AMHUM%3A
Bibliografia:
 Novo Plural 10, Raiz editora

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoHelena Coutinho
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ixKaryn XP
 
Esparsa ao desconcerto mundo
Esparsa  ao desconcerto mundoEsparsa  ao desconcerto mundo
Esparsa ao desconcerto mundoMaria Góis
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesbeonline5
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativaPaulinho Gonçalves
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obraHelena Coutinho
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCatarina Sousa
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Maria Freitas
 
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora kikaveiga1
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoaguest0f0d8
 

Mais procurados (20)

Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Esparsa ao desconcerto mundo
Esparsa  ao desconcerto mundoEsparsa  ao desconcerto mundo
Esparsa ao desconcerto mundo
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os Lusíadas - Canto VII
Os Lusíadas -  Canto VIIOs Lusíadas -  Canto VII
Os Lusíadas - Canto VII
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 

Destaque

Customer Retention - Analytics paving way
Customer Retention - Analytics paving wayCustomer Retention - Analytics paving way
Customer Retention - Analytics paving wayAnubhav Srivastava
 
Malaria vaccine 5 mins
Malaria vaccine 5 minsMalaria vaccine 5 mins
Malaria vaccine 5 minsVivek Varat
 
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)Vivek Varat
 
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...Vivek Varat
 
Change the work. Work the change.
Change the work. Work the change.Change the work. Work the change.
Change the work. Work the change.Conduent
 
6 Ways to change human resources in the millennial age
6 Ways to change human resources in the millennial age6 Ways to change human resources in the millennial age
6 Ways to change human resources in the millennial ageConduent
 
Reinventing finance and accounting through automation
Reinventing finance and accounting through automationReinventing finance and accounting through automation
Reinventing finance and accounting through automationConduent
 
How to get started and scale in Robotic Process Automation
How to get started and scale in Robotic Process AutomationHow to get started and scale in Robotic Process Automation
How to get started and scale in Robotic Process AutomationConduent
 

Destaque (12)

Customer Retention - Analytics paving way
Customer Retention - Analytics paving wayCustomer Retention - Analytics paving way
Customer Retention - Analytics paving way
 
Liliana getial actividad1_2mapac.pdf
Liliana getial actividad1_2mapac.pdfLiliana getial actividad1_2mapac.pdf
Liliana getial actividad1_2mapac.pdf
 
Malaria vaccine 5 mins
Malaria vaccine 5 minsMalaria vaccine 5 mins
Malaria vaccine 5 mins
 
Women Empowerment
Women EmpowermentWomen Empowerment
Women Empowerment
 
Flu Vaccine
Flu VaccineFlu Vaccine
Flu Vaccine
 
Olga getial mapaconceptual_aaa.doc
Olga getial mapaconceptual_aaa.docOlga getial mapaconceptual_aaa.doc
Olga getial mapaconceptual_aaa.doc
 
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)
Integrated Disease Surveillance Project (IDSP)
 
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...
National Program for Prevention and Control of Cancer, Diabetes, CVD and Stro...
 
Change the work. Work the change.
Change the work. Work the change.Change the work. Work the change.
Change the work. Work the change.
 
6 Ways to change human resources in the millennial age
6 Ways to change human resources in the millennial age6 Ways to change human resources in the millennial age
6 Ways to change human resources in the millennial age
 
Reinventing finance and accounting through automation
Reinventing finance and accounting through automationReinventing finance and accounting through automation
Reinventing finance and accounting through automation
 
How to get started and scale in Robotic Process Automation
How to get started and scale in Robotic Process AutomationHow to get started and scale in Robotic Process Automation
How to get started and scale in Robotic Process Automation
 

Semelhante a Os lusíadas reflexões do poeta

en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comisaianabrito
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfPaula Vieira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141luisprista
 
Lusiadas hugo e carlos
Lusiadas hugo e carlosLusiadas hugo e carlos
Lusiadas hugo e carlosmanuelainacio
 
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlos
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlosOs Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlos
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlosmanuelainacio
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51luisprista
 
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasTrabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasDaniel Maia
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAmariasantos1451
 
Ficha informativa a dedicatória
Ficha informativa   a dedicatóriaFicha informativa   a dedicatória
Ficha informativa a dedicatóriaLúcia Martins
 
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.pptMarlenePastor2
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112luisprista
 

Semelhante a Os lusíadas reflexões do poeta (20)

OS LUSÍADAS 2.docx
OS LUSÍADAS 2.docxOS LUSÍADAS 2.docx
OS LUSÍADAS 2.docx
 
en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.com
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
 
Lusiadas hugo e carlos
Lusiadas hugo e carlosLusiadas hugo e carlos
Lusiadas hugo e carlos
 
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlos
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlosOs Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlos
Os Lusíadas - comentários do poeta trabalho de hugo e carlos
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
 
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasTrabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Ficha informativa a dedicatória
Ficha informativa   a dedicatóriaFicha informativa   a dedicatória
Ficha informativa a dedicatória
 
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt
1º ANO - ENSINO MÉDIO classicismo-ppt.ppt
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 

Último

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Os lusíadas reflexões do poeta

  • 1. OS LUSÍADAS- REFLEXÕES DO POETA Trabalho elaborado por: Patrícia Colaço- nº24 10ºA Ano letivo: 2015/2016 Docente: Celeste Lopes Escola Secundária Sá da Bandeira- Santarém
  • 2. Canto I- Pequenez e insegurança do Homem  Nesta reflexão, o poeta desabafa sobre os perigos aos quais os portugueses estão sujeitos, neste percurso tão incerto e pouco seguro. Versos ilustrativos:  “… aonde a gente põe sua esperança, tenha a vida tão pouca segurança!”, est.105  “Que não se arme e se indigne o Céu sereno contra um bicho da terra tão pequeno?”, est.106
  • 3. Ilustrações: Fig.1-Pequenez do Homem face aos deuses Fig.2-Representação dos perigos a que estavam sujeitos
  • 4. Canto V- Falta de culturismo  Crítica à falta de culturismo que os portugueses apresentam. Os portugueses desvalorizam o que é nacional, enaltecendo o que provém do estrangeiro, o poeta considera isto irónico. Versos ilustrativos:  “Não merecem tamanha glória e fama como a sua, que o céu e a terra espanta.”, est. 94  “Porque o amor fraterno e puro gosto de dar a todo o Lusitano feito seu louvor, é somente o pressuposto das Tágides gentis, e seu respeito.”, est.100
  • 6. Canto VI- Enaltece o herói  O poeta caracteriza o herói, enaltecendo esta figura, devido ao facto de este ser digno desse nome, porque se criou com grande esforço. É uma crítica universal, que fala sobre o valor da fama. Versos ilustrativos:  “Os que são de fama amigos alcançam as honras imortais e graus maiores.”, est.95  “E com forçar o rosto, que se enfia, a parecer seguro, ledo, inteiro, pera o pelouro ardente que assovia e leva a perna ou braço ao companheiro.”, est.98
  • 8. Canto VII- Inveja e ignorância  Chama aos portugueses de ignorantes e invejosos, pois estes nem conhecem a própria história, ou seja, a história do país. Versos ilustrativos:  “Nua mão sempre a espada e noutra a pena.”, est.79  “Que tamanhas misérias me cercassem, senão aqueles que eu cantando andava”, est.81
  • 10. Canto VIII- Sede do dinheiro  O sujeito poético crítica os portugueses, devido ao facto de estes nunca escaparem ao poder do dinheiro, o que pode originar corrupção. Versos ilustrativos:  “Quanto no rico, assi como no pobre, pode o vil interesse e sede immiga do dinheiro, que a tudo nos obriga.”, est.96
  • 12. Canto IX- Valor das recompensas  Fazendo a comparação com o episódio da Ilha dos Amores, que é fictício, o poeta interpela para o valor das verdadeiras recompensas. Estas são as que provém da alma, que vêm do nosso interior, e não a níveis materiais. Versos ilustrativos:  “Não eram senão prémios que reparte, por feitos imortais e soberanos, o mundo cos varões que esforço e arte divinos os fizeram, sendo humanos.”, est.91
  • 13. Ilustrações: Fig.7- Representação da Ilha dos Amores Fig.8- Representação das Ninfas
  • 14. Canto X- Conselho ao rei  O sujeito poético demonstra o seu descontentamento (razão por não continuar a obra) ao ver a ingratidão dos portugueses, e aconselha o rei a prestarem atenção aos mais sábios, ou seja, aos mais experientes. Versos ilustrativos:  “ No gosto da cobiça e na rudeza dua austera, apagada e vil tristeza.”, est.145  “Nem me falta na vida honesto estudo, com longa experiência misturado.”, est.154
  • 15. Ilustrações: Fig.9- Ilustração de Luís Vaz de Camões Fig.10- Representação do episódio, Máquina do mundo
  • 16. Bibliografia de imagens:  Fig.1-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas&imgrc=A5JeEn9oYZFCeM%3A  Fig.2-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas&imgrc=CLqkWdMqwYa_TM%3A  Fig.3-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#imgrc=btMh7stINZew4M%3ª  Fig.4-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=lusiadas+heroi&imgrc=_HBoExzPeGzxwM%3ª  Fig.5-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=nua+mao+sempre+a+espada+e+noutra+a+pena+lusiadas&i mgrc=irpUkUgrWZDOkM%3ª  Fig.6-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=corrup%C3%A7%C3%A3o+lusiadas&imgrc=IU9jAb2npKpa QM%3A
  • 17. Bibliografia de imagens:  Fig.7-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=ilha+dos+amores+lusiadas&imgrc=kmSI8EhI74q8VM%3ª  Fig.8-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=ilha+dos+amores+lusiadas&imgrc=ZtAs0DQyRyQ4FM%3ª  Fig.9-https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=+lusiadas+canto+x&imgrc=-A43IEbcLfqlCM%3ª  Fig.10- https://www.google.pt/search?q=luis+de+camoes+e+lusiadas&client=firefox-b- ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjZtrCU4PjMAhVMahoKHWMGBO0Q_AUICCg C&biw=1093&bih=482#tbm=isch&q=+lusiadas+canto+x&imgrc=ypOhE4XR6AMHUM%3A
  • 18. Bibliografia:  Novo Plural 10, Raiz editora