SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 147
Baixar para ler offline
Palestra:
Sustentabilidade Econômica,
Social e Ambiental pela Educação,
Ciência, Tecnologia e Inovação
Palestrante:
Antônio Diomário de Queiroz
Diretor de Ciência,Tecnologia e Inovação
Florianópolis, 29 de outubro de 2014
Programa Educacional
Curso:
Gestor de Territórios Inovadores
Módulo 3: territórios inovadores
Florianópolis, Santa Catarina, outubro de 2014
Parceria
1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico,
social e ambiental
2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e
ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina
3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão
mineral no Estado de Santa Catarina
Sustentabilidade Econômica, Social e
Ambiental pela Educação, C&T&I
Sustentabilidade Econômica, Social e
Ambiental
Sustentabilidade: consciência da responsabilidade de manter em
equilíbrio a produção, distribuição e consumo de bens para o
atendimento das necessidades das pessoas e a preservação do
meio ambiente natural do planeta.
Desenvolvimento Sustentável
“Desenvolvimento
capaz de suprir as
necessidades da
geração atual, sem
comprometer a
capacidade de atender
as necessidades das
futuras gerações.
É o desenvolvimento
que não esgota os
recursos para o futuro.’
Definição da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e
Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas nos anos 70, para
discutir e propor meios de harmonizar dois objetivos: o desenvolvimento
econômico e a conservação ambiental.
“Desenvolvimento
é o processo de
transição de
determinada
estrutura
econômica e social
a outras estruturas
que possibilitem um
nível mais elevado
das forças
produtivas.”
Queiroz, Diomário.1971.
Une approche structurale du sous
développement et du développement. Paris.
Os sistemas vivos seguem processos naturais:
crescer, reproduzir, regenerar, reciclar, valorizar.
Os sistemas de colonização
e de industrialização do
Brasil obedecem o fluxo
linear de extrair, explorar,
vender, consumir, descartar.
Desenvolvimento: processo de mudança da
atitude de exploração à valorização!
EXPLORAÇÃO CONCENTRAÇÃO
DE RENDA
MISÉRIA
VALORIZAÇÃO MULTIPLICAÇÃO
DA RIQUEZA
MELHORIA DE
VIDA
PARA TODOS
Desenvolvimento Social
O Desenvolvimento
Social pressupõe o
desenvolvimento
econômico
sustentável, com
distribuição justa de
renda e inclusão
social, para o
conjunto da
população
Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação
Desenvolvimento
científico e
tecnológico
Desenvolvimento
Social
O novo paradigma do desenvolvimento
A economia sustentada pelo conhecimento
DESENVOLVIMENTO
ECONÔMICO
Trabalho Capital
Produtividade
Pessoas Uso das TIC Inovacão e Ciência Impulso Emprendedor
• Nível de formação
• Formação em C&T
• Formação em
Gestão
•Inovação
•Investimento
• Uso
• Base de Ciência
• Difusão
• Ciência-Indústria
• Cultura “inovacão”
• Empresa Internacional
• Criatividade
• Capital de Risco
• Facilidade de Negociação
• Emp. forte crescimento
Entorno Favorável
Adaptado de Angel Landabaso
Conselheiro C & T
Delegação da Comissão Européia no Brasil
Conhecimento
é fator de produção
determinante da
formação do valor
para o
desenvolvimento
regional na sociedade
contemporânea
ADQ: Resposta ao Jornal da Andes, 1994
“A Universidade tem a responsabilidade social de alimentar
continuamente com novos conhecimentos o processo de
desenvolvimento econômico e social de um país.”
Responsabilidade Social da Universidade
Resultados da Pesquisa
Publicações
novos
conhecimentos Protótipos
Sistemas inovadores
Modelos
Artigos Dissertações
CD-rom
Livros Teses
Ciência
Resolvem
Problemas
Científicos
Geram
Inovações
Método
Tecnologia
Ideias Criativas
Tecnologia
Processo contínuo por
meio do qual a
humanidade molda,
modifica e gera a sua
qualidade de vida.
Bueno, Natalia de Lima
CEFET-PR. 1999
A inovação é a
convergência da
história de
diversas
pessoas para
encontrar
uma solução
de futuro.
2003. Queiroz, Diomário
“É imperativo reconhecer que a inovação é
elemento essencial para consolidar a
funcionalidade do trinômio ”
A educação, assim concebida, assegura a
sustentabilidade econômica, social e ambiental do
desenvolvimento do país .
Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia.LIVRO
BRANCO : CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO;Brasília
: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2002.
Calendula officinalis
Inovação
Tecnologia
Ciência
Educação
CAPÍTULO III
Seção I – DA EDUCAÇÃO
“As universidades gozam de
autonomia didático-científica,
administrativa e de gestão
financeira e patrimonial, e
obedecerão ao princípio de
indissociabilidade entre ensino,
pesquisa e extensão”.
A Constituição Federal dispõe em seu Art. 207:
Responsabilidade Social da Universidade
Desenvolvimento Social e
Melhoria da Qualidade de Vida
Ensino
ExtensãoPesquisa
E
d
u
c
a
ç
ã
o
Capítulo IV: da Ciência e Tecnologia
Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento
científico, a pesquisa e a capacitação tecnológicas.
§ 1º - A pesquisa científica básica receberá tratamento prioritário
do Estado, tendo em vista o bem público e o progresso das
ciências.
§ 2º - A pesquisa tecnológica voltar-se-á preponderantemente
para a solução dos problemas brasileiros e para o
desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional.
§ 3º - O Estado apoiará a formação de recursos humanos nas
áreas de ciência, pesquisa e tecnologia, e concederá aos que
delas se ocupem meios e condições especiais de trabalho.
..........................................................................................................
...
Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o
desenvolvimento científico, a pesquisa e a capacitação
tecnológicas.
..................................................................................................
...........
§ 4º - A lei apoiará e estimulará as empresas que invistam
em pesquisa, criação de tecnologia adequada ao País,
formação e aperfeiçoamento de seus recursos humanos e
que pratiquem sistemas de remuneração que
assegurem ao empregado, desvinculada do salário,
participação nos ganhos econômicos resultantes da
produtividade de seu trabalho.
Capítulo IV: da Ciência e Tecnologia
Título VIII
Da ordem econômica e
financeira
CAPÍTULO I
PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA
CATARINENSE
Art. 136. Para incrementar o
desenvolvimento econômico, o Estado
tomará, entre outras, as seguintes
providências:
...............................................................
II - estímulo à pesquisa científica e
tecnológica;
CAPÍTULO IV
DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Art. 177. A política científica e
tecnológica terá como princípios:
.................................................................
.......
Parágrafo único. As universidades e
demais instituições públicas de
pesquisa e as sociedades cientificas
participarão do planejamento, da
execução e da avaliação dos planos
e programas estaduais de
desenvolvimento cientifico e
pesquisa científica e tecnológica.
VI – estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente,
em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados
à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade
CAPÍTULO IV - Da Educação Superior
Art. 43º. A educação superior tem por finalidade:
Diretrizes e Bases da Educação Nacional
Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
VII – promover a extensão, aberta à
participação da população, visando à difusão
das conquistas e benefícios resultantes da
criação cultural e da pesquisa científica e
tecnológica geradas na instituição
Extensão
“A extensão significa a recuperação
da unidade do conhecimento
que fundamenta o ensino
e a pesquisa, pois recupera
sua dimensão do real.”
Queiroz, D. 1987. A Política de Extensão da
UFSC: Reflexos no Ensino de Serviço Social.
Extensão
Queiroz, D. 1987.
A Política de Extensão da UFSC:
Reflexos no Ensino de Serviço Social.
“Pela Extensão, a Universidade
assume plenamente sua
responsabilidade social de agente
do desenvolvimento. Ela ajuda a
compreender a dinâmica do meio
físico, econômico e social que a
envolve. E difundindo
conhecimento, dá sua
contribuição às mudanças que
assegurem às populações a
transição a níveis mais elevados
de qualidade de vida.”
“A qualidade da instituição se mede
pelos resultados junto à sociedade.”
ADQ: Diário Indústria & Comércio, 1995
A eficácia social da Universidade
“A Universidade tende a ser cada vez mais aberta e
solidária, ter compromissos sociais, perseguir a
qualidade de vida da população como parte ativa do
processo de desenvolvimento, gerando
conhecimentos e atuando em conjunto com os demais
parceiros para a solução das grandes questões
regionais e nacionais.”
Nova economia: horizontes da era da
informação e do conhecimento
ADQ:Indústria & Comércio, 1995
“Ou seja, uma Universidade empreendedora e que não
perca de vista tanto seu papel no ensino, pesquisa e
extensão quanto sua função libertária e cultural, como
guardiã dos princípios mais elevados da cidadania e da
relação livre entre as pessoas.”
ADQ:Indústria & Comércio, 1995
Nova economia: horizontes da era da
informação e do conhecimento
Em todos os campos de
conhecimento, o ensino de
qualidade se definirá pela
formação do profissional
crítico, agente transformador
da sociedade, consciente
de sua cidadania, capaz de
enfrentar e solucionar
problemas, a mente aberta
para um processo contínuo de
educação.
Diomário: O ensino, a universidade e o mundo novo, 1994
O profissional do mundo novo
Desafios da Inovação: a prática na
universidade, empresa e sociedade
Prof. Álvaro Toubes Prata
Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - MCTI
IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO
Universidade do Extremo Sul Catarinense
Criciúma, 06 de dezembro de 2012
Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007
Participação (%) dos setores intensivos em recursos
naturais na exportação dos países, 2005
9.3%
15.0%
23.0%
26.0%
29.0%
42.0%
48.0%
56.0%
62.0%
68.0%
71.0%
0.0%
10.0%
20.0%
30.0%
40.0%
50.0%
60.0%
70.0%
80.0%
China Estados
Unidos
México Total Índia Canadá Brasil Chile Austrália Argentina Rússia
Agropecuária
Madeira
Extração mineral
Papel e celulose
Petróleo e álcool
Prod. de Min. Ñ Met.
Alimentos e bebidas
Participação (%) dos setores intensivos em
tecnologia diferenciada e baseada em Ciência,
na exportação dos países, 2005
Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007
3.9% 3.9%
8.3% 8.5%
11.0%
17.0%
33.0%
38.0%
43.0%
47.0% 48.0%
51.0%
0.0%
10.0%
20.0%
30.0%
40.0%
50.0%
60.0%
Argentina Rússia Austrália Índia África do
Sul
Brasil Total Alemanha México Estados
Unidos
China Japão
Máq. e equipamentos
Mat. Eletrônico/Comunicações
Máq. Escritório e informática
Instr. Médicos e ópticos
Aparelhos elétricos
Aviação/Ferrov./Emb./Malas
Principais Produtos Exportados Brasil
(2011)
Fonte: Anuário Estatístico 2012 - MDIC
 Minérios de Ferro e Concentrados 16,3 %
 Soja (Grão e Óleo) 8,6 %
 Óleos Brutos de Petróleo 8,4 %
 Açúcar (Bruto e Refinado) 5,8 %
 Carnes (Frango e Boi) 4,4 %
 Café 3,1 %
Total:46,6 %
Exportações de Aviões:1,5 %
0.19
0.34
0.67
0.52
0.54
0.55
0.62
0.54
0.36
0.60
0.80
0.74
0.70
0.80
0.75
0.54
0.86
0.17
0.15
0.30
0.50
0.57
0.58
0.59
0.80
1.10
0.88
1.02
1.15
1.72
1.70
1.86
2.68
2.46
0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0
México (2007)
Argentina (2007)
Rússia (2008)
Itália (2007)
Brasil (2010*)
Portugal (2007)
Espanha (2007)
Reino Unido (2008)
China (2008)
Canadá (2008)
França (2008)
Austrália (2006)
Alemanha (2007)
Cingapura (2008)
EUA (2008)
Japão (2008)
Coréia (2008)
Fonte: www.mct.gov.br/indicadores.
Inovação:
Falta de protagonismo da empresa
Dispêndio Público e Privado em P&D (% PIB)
Empresas
Governo
2010* estimativa
Ministério da Ciência e Tecnologia
Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
Ministério da
Ciência e Tecnologia
Plano de Ação 2007-2010
Ciência, Tecnologia e Inovação para
o Desenvolvimento Nacional
Investir e inovar para crescer
Principais atores institucionais
EmpresasUniversidades
Institutos Tecnológicos
Centros de P&D
$
$ $
Inovação
P&D
produtos novos,
patentes
Formação de RH
Pesquisa básica
e aplicada
publicações
conhecimento
Política
Financiamento
Pesquisa & Serviço
Governo
Política de Estado
Plano de Ação 2007-2010
Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento
Nacional
Diretrizes do Governo Federal
1. Expandir e Fortalecer a Democracia
2. Crescimento Econômico
3. Desenvolvimento Sustentável
4. Defender o Meio Ambiente
5. Erradicar a Pobreza e Reduzir as Desigualdades
6. Governo de Todos
7. Educação
8. Prover as Cidades de Infraestrutura Adequada
9. Universalizar a Saúde
10. Garantir a Segurança e Combater o Crime
11. Valorizar a Cultura
12. Defender a Soberania Naciona;
13. Transformar o Brasil em Potência Científica,
Tecnológica e Inovadora.
Desafios a superar
 Grande parte dos pesquisadores e cientistas estão nas
Universidades
 O Setor Industrial investe pouco em P&D
 Há pouca interação entre as Universidades e as
empresas
 A cultura científica e inovadora é pouco difundida
 A atitude empreendedora é incipiente
(Pre) conceito tradicional
PRIVADO X PÚBLICO
Propriedade Estatal
Governo
Gratuidade
Convênio
Propriedade Privada
Empresa
Lucro
Contrato
"A Lei da Inovação passa a vigorar em
um contexto de desafios e de
esperanças. Com ela, avançam a
ciência, a tecnologia e a inovação
brasileiras. E o governo cumpre, mais
uma vez, o seu compromisso de mudar
esse País, na perspectiva de suas
maiorias excluídas e da construção de
um desenvolvimento soberano, com
justiça social". Ministro Eduardo Campos
02/12/2004
Lei 10.973, de 2.12.2004
Lei Brasileira de Inovação
 Estabelece as normas de incentivo à pesquisa
científica e tecnológica.
 Viabiliza a pesquisa na iniciativa privada e institui o
acesso das empresas aos recursos dos fundos
setoriais.
 Permissão para as empresas utilizem os laboratórios,
equipamentos, instrumentos e materiais
existentes nas universidades e nos
institutos de pesquisa.
Lei Brasileira da Inovação
A Lei 11.196/05 cria a
concessão de
incentivos fiscais às
pessoas jurídicas que
realizarem pesquisa e
desenvolvimento de
inovação tecnológica.
Novo marco legal para
Ciência e Tecnologia
Proposta de Emenda à Constituição : PEC 290/13
da Deputada Margarida Salomão (PT-MG) -
Relato e substitutivo do Deputado Izalci (PSDB-
DF).
Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação:
Projeto de Lei 2177/11,
proposto pelo Deputado Bruno Araújo (PSDB-PE)
e outros nove deputados, sendo relator o
Deputado Sibá Machado (PT-AC)
Justificação do PEC 290/13
Deputada Margarida Salomão
Esgotamento das estratégias convencionais de estímulo ao
desenvolvimento econômico e social
Persistente estagnação da produtividade no setor produtivo
brasileiro
Constitucionalizar o conceito de Inovação de modo a fundamentar
as ações articuladas entre academia e setor produtivo, para retomar
o ímpeto da pesquisa nacional e da criação de soluções
tecnológicas adequadas aos desafios econômicos e sociais do país.
Formalização constitucional de um Sistema Nacional de Ciência,
Tecnologia e Inovação
Melhoria da eficácia do SNCTI, desburocratizando procedimentos
e viabilizando novas formas de trabalho
Substitutivo ao
Projeto de Lei 2177/2011
Deputado Sibá Machado
CAPÍTULO II
DA POLÍTICA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA
E INOVAÇÃO
Art. 2º A Política Nacional de Ciência, Tecnologia e
Inovação tem por objetivo o desenvolvimento
sustentável e soberano do País, o bem-estar da
população, a preservação do meio-ambiente e o
progresso econômico, social, científico e tecnológico
(...)
CAPÍTULO III
DA ATUALIZAÇÃO DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E
TECNOLÓGICA NO AMBIENTE PRODUTIVO
Art. 5º A Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de
2004, passa a vigorar com a seguinte redação (...)
CAPÍTULO IV AO CAPÍTULO VIII
DA CONCESSÃO DE BOLSAS PARA SUPORTE À INOVAÇÃO, DO PESQUISADOR
VISITANTE, DAS CONTRATAÇÕES E AQUISIÇÕES, DAS PREFERÊNCIAS NA
AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Substitutivo ao
Projeto de Lei 2177/2011
Deputado Sibá Machado
1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico,
social e ambiental
2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e
ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina
3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão
mineral no Estado de Santa Catarina
Sustentabilidade Econômica, Social e
Ambiental pela Educação, C&T&I
A Lei Catarinense da
Inovação - Lei no 14.328, de
15 de janeiro de 2008 dispõe
sobre incentivos à pesquisa
científica e tecnológica e à
inovação no ambiente
produtivo no Estado de
Santa Catarina, visando à
capacitação em ciência,
tecnologia e inovação, o
equilíbrio regional e o
desenvolvimento econômico
e sustentável.
Baseada na Lei
Brasileira de Inovação
Lei 10.973, de 2.12.2004
PCCT&I
“É a síntese do passado
de trabalho
competente de muitas
pessoas e instituições,
e, ao mesmo tempo, o
desafio estratégico
que une governo,
academia e agentes
econômicos e sociais,
visando à qualidade
de vida dos habitantes
e ao desenvolvimento
de Santa Catarina,
com sustentabilidade
ambiental e equilíbrio
regional.”
Desenvolvimento Regional Sustentável com Base
em Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação
P
C
C
T
&
I
CONHECIMENTO
Princípios
Eixos
Estratégicos
Linhas de Ação
Prioridades
Objetivo
Desenvolvimento
Sustentável e
Qualidade de
Vida da
População,
com Equilíbrio
Regional
6: As três dimensões básicas do desenvolvimento
sustentável: melhoria das condições econômicas,
ambientais e sociais para todos - equidade
intrageracional - sem desconsiderar as possibilidades
para as próximas gerações - equidade intergeracional.
Pressuposto da sustentabilidade
Isaac Newton
(1642 - 1727 )
Eixos estratégicos
I. EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA
CATARINENSE DE CT&I
1.1 Consolidação do Sistema Catarinense de CT&I
1.2 Formação de Recursos Humanos para CT&I
1.3 Infraestrutura para a Pesquisa Científica e
Tecnológica
Santos Dumont
1873-1932
II. PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA
2.1. Pesquisa Científica e Tecnológica
2.2. Pesquisas em Ciências Agrárias e Meio
Ambiente
Eixos estratégicos
Burle Max
(1909 - 1994)
III. INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO
3.1 Apoio ao avanço tecnológico e às inovações nas
empresas e outras organizações públicas e privadas
3.2 Incentivo à Criação e Consolidação de
Empresas Intensivas em Tecnologia
Ozires Silva
(1931)
Eixos estratégicos
IV. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E REGIONAL
SUSTENTÁVEL4.1 Promoção da inclusão digital
4.2 Fomento à disseminação da C&T&I
com enfoque em desenvolvimento local e APLs
4.3 Apoio à P&D aplicado à saúde e à segurança alimentar e
nutricional
4.4 Pesquisa, desenvolvimento agropecuário
e agroindustrial para inserção social
4.5 Fomento a pesquisas para melhoria
da habitação e do saneamento básico
.....................................................................................................
..........
Eixos estratégicos
Celso Furtado
(1920 – 2004)
Disseminação da educação superior
Leonardo da Vinci
(1452 - 1519)
Fonte: INEP 2007: http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/
Disseminação da educação superior
Matrículas nas Instituições de Educação Superior
em Santa Catarina 2001-2008.
Fonte: site da UFSC, da ACAFE e da AMPESC
* associadas à AMPESC.
Galileu Galilei
(1564 - 1642)
Matrículas/ano
Sistema 2001 2005 2006 2007 2008
UFSC 17.111 18.651 22.240 25.737 24.157
Instituições do Sistema ACAFE 112.722 143.153 142.803 159.572 157.520
Instituições de Ensino Superior
Particular*
11.964 41.598 69.453 79.600 121.500
TOTAL 141.797 196.597 233.845 264.909 303.177
Rede Catarinense de Ciência e
Tecnologia - RCT
Instrumentos e instituições de pesquisa
Arranjos Produtivos
Malacocultura
FAPESC: R$ 485.032,32
Finep: R$ 479.977,36
Processos Têxteis
FAPESC:R$ 200.000,00
Finep: R$ 249.599,92
Empresas:R$ 93.600,00
Existentes
Novos Arranjos
Cerâmica Vermelha
FAPESC: R$ 746.620,00
Empresas:R$ 192.000,00
Finep:R$ 655.300,80
TIC
FAPESC : R$ 904.500,00
Finep: R$ 786.000,00
Empresas:R$ 400.000,00
Carvão
Madeira e Móveis
FAPESC : R$ 699.357,00
Finep: R$ 915.700,00
Suinocultura
FAPESC:R$ 619.030,00
Finep: R$ 804.959,00
Perdigão:R$ 608.000,00
Continuidade do APL
FINEP: R$ 500.000,00
Programa estruturante do sistema catarinense de
C&T&I
Inovação Têxtil
P&D
em Fitoterápicos
P&D em
madeira e móveis
P&D em recuperação
ambiental pela
exploração do carvão
P&D em
manejo dos solos
Diversidade genética
de espécies vegetais
Inovação tecnológica
da fruticultura de
clima temperado
Rede de Pesquisa
na área de software
Grande
Florianópolis
Sul
Serrana
Oeste
Norte
Vale do Itajaí
Regionais da EPAGRI e da
EMBRAPA
Instrumentos e instituições de pesquisa
Organização sistêmica empresarial
SOFTVILLE
ABRADI
ACATE
ASSESPRO-SC
SUCESU-SC
BLUSOFT
CÂMARA e-NET
CDI-SC
CETIC
FECOAGRO
FIESC
FUNDAÇÃO CERTI
OCESC
SEBRAE/SC
SIESC
SEINFLO
SEPIJ
SEPROSC
Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
Institucional
Entidade privada, sem fins lucrativos, fundada em 1986
com intuito de representar as empresas catarinenses do
setor de tecnologia
Comandada por empresários associados, eleitos para
mandatos de dois anos, sem remuneração
Possui 300 empresas associadas em diversas cidades
de Santa Catarina
Gerencia a Incubadora MIDI Tecnológico, mantida pelo
SEBRAE-SC
Áreas de Atuação
Fortalecimento do Setor
Apoio a captação de recursos;
Ações de acesso à mercado;
Projetos de Subvenção;
Apoio a elaboração de Projetos;
Divulgação de eventos;
Ações Setoriais junto aos órgãos de fomento;
Projetos Estruturantes.
Marco Regulatório
Decreto Estadual nº 2.024/04
Lei de Inovação Federal
Lei de Inovação SC
ISS
MCT / Abes / Brasscom
SOFTEX - Governo Estado - Prefeitura
Áreas de Atuação
Mercado
Projeto Setorial de Integração para
Exportação de Software
Verticais
Inovação
MIDI Tecnológico
Programa Juro Zero
Santa Catarina
Fundos de investimento
Educação, Capacitação e Pesquisa
Projeto de formação de Recursos Humanos
Universidade Setorial
Empreendedorismo
Verticais
Acate – Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
Projetos 2010 – Jamile Sabatini Marques
9 verticais
estabelecidas
Mais de 70 empresas
participantes
Conquista de novas
adesões
Comunicação entre
verticais
Acompanhamento nas
reuniões
Organização e controle
das empresas
participantes
Equipe:
Gabriel
Kamila
Conceito
SINAPSE
PROTÓTIPO
PN
• Projetos
C&T
• Teses
• Disserta
ções
• TCC
MCTI
CAPES
CNPQ
FINEP
FAPs
EMPRESA
CONSOLIDADA
SUBVENÇÃOPRIME
EMPRESA
NASCENTE
SEBRAETEC
MPEs
“ TRANSFORMAR CONHECIMENTO E IDEIAS CRIATIVAS
EM EMPREENDIMENTOS DE SUCESSO ”
P
C
I
Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica
do Estado de Santa Catarina
Tem por finalidade o apoio e o fomento à pesquisa científica e
tecnológica, para o avanço de todas as áreas do conhecimento,
para o equilíbrio regional, o desenvolvimento sustentável e a
melhoria da qualidade de vida da população do Estado de Santa
Catarina.
Objetivo: Apoio a projetos de C,T&I, que visem o
desenvolvimento sustentável da SDRs do
Estado de Santa Catarina, e que possam
promover relevantes impactos sociais,
ambientais e econômicos para a sociedade
local.
Recursos: R$ 18 milhões
Ciência, Tecnologia e Inovação para o
desenvolvimento regional do estado de Santa
Catarina
Chamada pública nº 12/2009
Chamada Pública 12/2009
C&T&I para o Desenvolvimento Regional do
Estado de Santa Catarina
312 PRÉ-SELECIONADOS PELAS SDRS
 R$ 44.896.227,24
212 RECOMENDADOS PELA FAPESC
 R$ 30.604.799,13
132 APROVADOS PELAS SDRs
39 Termos de Outorga, 80 Convênios e 14 Termos de Subvenção
Econômica
 R$ 17.596.950,24
PROJETOS
Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia
EDITAL MCT/CNPq Nº 15/2008
 Convergência Digital
Total: R$ 4.200.000,00 - (1:1Fapesc/CNPq)
 Refrigeração e Termofísica
Total: R$ 4.789.922,88 - (1:1Fapesc/CNPq)
 Catálise em Sistemas Moleculares e Nanoestruturados
Total: R$ 4.799.414,53 - (1:1Fapesc/CNPq)
 Brasil Plural
Total: R$ 2.400.000,00 Fapesc/Fapeam: R$ 1.200.000,00
CNPq: R$ 1.200.000,00
Principais programas e projetos
Aporte financeiro em 2014
Fundação de Amparo à Pesquisa e
Inovação do Estado de Santa Catarina
Presidente: Dr. Sergio Gargioni
 Chamada Pública N° 04/2013
 Divulgação do resultado: 07/02/2014
 Total: 22,5 milhões
(15 milhões FINEP; 7,5 milhões FAPESC)
Programa tecnova
De 210 propostas foram selecionadas 49
empresas, inclusive a Voxter Soluções
em Manutenção Industrial Ltda de
Jaraguá
 Propostas submetidas: 210 (demanda: 90 milhões)
 Propostas por mesorregião:
Grande Florianópolis - 116
Norte Catarinense - 31
Oeste Catarinense - 23
Sul Catarinense - 6
Vale do Itajaí - 34
Programa tecnova
 Chamada Pública 2013
 Total: 2,5 milhões
 Parceiros: Ministério da Saúde (R$1,5
milhão), Secretaria de Saúde/SC (R$
500 mil) e FAPESC (R$ 500 mil)
 Divulgação dos resultados: 23/01/2014 :
selecionados 37 projetos
Equipamento criado com apoio do PPSUS
PPSUS - Programa de
Pesquisa para o SUS
 Inscritos: 5.986
 Total: 3,5 milhões (fonte: Pró-emprego)
 Municípios atendidos: Blumenau, Brusque, Chapecó,
Criciúma, Grande Florianópolis, Itajaí, Joinville, Lages, Nova
Veneza, São Bento do Sul e Tubarão.
Chamada Pública lançada em 2013
Total da Chamada Pública: até 7,9 milhões
Por empresa selecionada: 50 mil da
FAPESC e até 29 mil do SEBRAETEC
Dos 1226 inscritos foram
selecionados 93 projetos
Retorno
Tempo
Investimentos
Ciência
Tecnologia
Inovação
Resultados
Projeto de
EBT
Empreendedorismo Inovador
intenso em C&T
Empresa
Nascente
Idéia +
Conhecimento
Empresa
consolidada
P&D
Geração
de Idéias
Pré-Incubação
Incubação
Crescimento
NITs
© COPYRIGHT 2008 - Fundação CERTI
1000
Idéias
Cada operação
difunde
articula
avalia
guia
a criação de EBTs
Idéia de produto
Processo Inovador
O processo SINAPSE de Inovação
Mercado
Existente
Potencial
Primeiro
projeto
de
Inovação
Primeira
proposta de
plano de
negócios
Pré -
incubação
Empreendedores
200 Propostas
61 empresas
inovadoras1174
Idéias
Operação SC:2009
Sinapse da inovação sc 2009
Sinapse da inovação sc 2010
 Operações já realizadas:
 Piloto Grande Florianópolis - 2008
 Estado de Santa Catarina – 2009
 Estado de Santa Catarina – 2010
2008 2009 2010
Acessos ao Portal 7.954 51.000 53.675
Participantes
Cadastrados
496 9.800 13.349
Ideias Inscritas 151 1.174 1.158
Projetos apoiados 10 61 50
TOTAL
Empreendimentos
121
HISTÓRICO
Em 2009 recebeu o Prêmio Nacional ANPROTEC
“Melhor Programa de Empreendedorismo Inovador”
Empresas criadas pelo Sinapse da
Inovação
2014: 93 empresas
Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC
IESJ - São José
SC-Entretenimento
Florianópolis
ACITA - Itapema
2007: 35 incubadoras/pré-incubadoras
ITFETEP
São Bento do Sul
UNC CETEC
Curitibanos
G-TEC
Rio do Sul
JARAGUATEC
Pré Incubadora da Unerj
2004: 30 incubadoras/pré-incubadoras
CITEB
Biguaçu
Inc. UnivaliInc. Unifebe
ACIT/INCEVALE
Tijucas
Base Tecnológica Unisul
Software
Pré-Incubadora de São
Miguel Agronegócios
NECTAR
Informática, Biotecnologia
e Alimentos
TECNOVALE -
do Rio do Peixe
IAC – Agroindustrial
de Concórdia
Incubadora Virtual de
Empresas da Uniplac
MIDI Lages
Agronegócios - Fapeu
Software - Senai/CTAI
Eng. Biomédica
CONTESTEC - Planalto Norte
Carvão
Incubadora de Itá
INTECH Chapecó
GENE Blumenau
SOFTVILLE
BLUSOFT
MIDIVILLE
MIDISUL
MIDIOESTE
CELTA
GENESS/FEESC
MIDI Tecnológico/SEBRAE
2002: 10 incubadoras
2010: + 13 aprovadas CP 12/2009
INOVASUL
Incubadora
Ibirama
Incubadora
Luzerna
Incubadora
Caçador
2009: 44 incubadoras/pré-incubadoras
Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC
• Florianópolis: CELTA, GENESIS/FEESC,
MIDI Tecnológico/SEBRAE
• Blumenau: BLUSOFT, GENE Blumenau
• Joinville: SOFTVILLE, MIDIVILLE,INOVAPARQ
• Criciúma: MIDISUL
• Rio do Sul: TECNOPARK
• Chapecó: MIDIOESTE
• OBS: Existiam outras iniciativas em fase de desenvolvimento.
“Da Ciência ao Empreendedorismo”
“Ousadia, coragem e persistência fazem parte do
empreendedorismo”: Dra Betina Zanetti Ramos
Tecnologia e inovação
A Nanovetores é uma
empresa inovadora,
desenvolvedora de insumos
industriais encapsulados de
alta tecnologia.
“Aproveitar profissionais com título de doutor...
pode gerar um novo perfil de empresas no
Brasil, muito mais inovadoras e que aplicam
ciência e tecnologia voltadas às necessidades
do mercado.”
Diário Catarinense, 11 de agosto 2014
“Empresa Catarinense é Líder
em ranking de crescimento no Brasil”
Empresa dos irmãos Rafael
e Gabriel Bottós,
Fabricante de Máquinas
que utilizam tecnologia
laser, instalada na
incubadora do Parctec Alfa,
cresceu 1525% em três
anos e ganhou o topo do
estudo realizado no país
pela consultoria Delloite em
parceria com Exame.
Diário Catarinense, 16 de agosto de 2014
Das19 empresas catarinenses
classificadas,
3 são da Indústria Qímica:
Farben S/A,
Anjo Qímica do Brasil Ltda e
Ekotexquímica Ltda
WELLE Tecnologia Laser LTDA.
Inovação e
Empreendedorismo
em Florianópolis
• 550 empresas de tecnologia
• 3 Parques Tecnológicos
• 6 Incubadoras de Empresas
• 15 Universidades
• 8 Centros de Tecnologia
• 7 Complexos Empresariais para
Empresas de Tecnologia
• Investimentos diretos do Estado de
R$ 50 milhões ao longo de 25 anos
• Setor com maior arrecadação de
impostos – cerca de R$ 150
milhões anuais
• Mudança do perfil econômico e
cultural da região
Parque de
Inovação
Incubadora de
EmpresasInstituto de
Tecnologia
Programa de
Empreendedorismo
Fundos de
Seed e Venture
Parque
Tecnológico
Parqtec
Alfa
Ecossistema
Instituto de
Tecnologia
2014
SC: trajetória estratégica da Inovação
Incubadora
1986
Projeto Sapiens
2001
Parqtec Alfa
1993
CELTA
19951991
Tecnópolis
1984
CERTI
2008
Sapiens Parque
2006
Marco Zero
Sapiens
1960
Parqtec Alfa e CELTA
Parque tecnológico
75 empresas de tecnologia instaladas
Mais de 3.000 postos de trabalho
Receitas anuais de R$ 400 milhões
Incubadora celta
42 empresas incubadas e 65 graduadas
Mais de 600 postos de trabalho (2500
graduadas)
Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M
graduadas)
Parqtec Alfa e Celta
ApoioRealização
Inovação & Sustentabilidade
O que é o Sapiens Parque...
Parque de Inovação & Sustentabilidade
Um ambiente dotado de infraestrutura e sistemas
para talentos e empreendimentos capazes de
gerar ideias e conhecimentos e transformá-los em
novos produtos e serviços para a sociedade,
promovendo o desenvolvimento sustentável
sócio-econômico-ambiental da região
Naturallium
Meio
Ambiente
Scientia
Ciência e
Tecnologia
Artis
Arte e
Cultura
Gens
Comunidade
Sociedade
Cluster de
Turismo
Cluster de
Tecnologia
Cluster de
Serviços
Cluster
Público
Governo Empresas
Academia Sociedade
Infraestrutur
a
do Parque
Infraestrutur
a
da Região
Pessoas Capital
PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL
Centro de
Convenções para
Eventos,
Equipamentos para
esportes
Jardim Botânico
Energia & Clean Tech
Life Sciences &
Biotech
TIC & Mecatrônica
Economia Criativa
Centros Corporativos
para Serviços
empresariais
Saúde, Educação
Unidades de pesquisa
e inovação de órgãos
de governo
(executivo, legislativo
e judiciário)
Modelo Conceitual do Sapiens
Melhoria do
sist . viário,
saneamento
,
Inovações
em
mobilidade,
energia, etc
Investimento
público e
privado
Formação e
Qualificação
Profissional
Projetos de
interação c/
o entorno
Museus,
centros de arte,
espaços de
cultura
3 milhões de
m2 de área
verde
50 módulos
para centros
de P&D e
UniversidadesPARQUE TURÍSTICO
E COMERCIAL
PARQUE
TECNOLÓGICO
COMPLEXO DE
SERVIÇOS DE
CONHECIMENTO
COMPLEXO DE
EMPREENDIMENTO
S PÚBLICOS
PROJETO
SOCIAL
PARQUE
CIENTÍFICO
PARQUE DE
ARTE E
CULTURA
PARQUE
AMBIENTAL
Projeto de
Infra
regional
Projeto de
“Urban Lab”
Projeto de
Investimento
Projeto de
Qualificação
e Formação
Sapiens
Inovação e
Sustentabilidade
Um espaço único ...
Acif
Kart
Senai
MP/SC
Casarão
InovaLa
b
Inpetr
o
FATMA
NeoWa
y
Softpla
n
Fármaco
s
CERTI
Vivariu
m
Reason
ACATE
Emp. Tec.
LPE
DesignLab
Unidades de ICTs
10 mil m2 construídos
7 mil m2 em construção
14 mil m2 em fase inicial
TOTAL – 31 mil m2
Investimentos – R$ 53 M
Centro de
Eventos
Unidades Públicas
5 mil m2 construídos
15 mil m2 em construção
13 mil m2 em negociação
TOTAL – 33 mil m2
Investimentos – R$ 70 M
Unidades Privadas
2 mil m2 construídos
21 mil m2 em construção
48 mil m2 “vendidos”
TOTAL – 71 mil m2
Investimentos – R$ 106 M
Estado Atual do Sapiens
Parque
135 mil m2 – R$ 229 investimentos - 6 mil pessoas
Empreendimentos Empresariais
Empreendimentos de Universidades
Infra bancada pelo Sapiens em 2012
Infra bancada pelo Sapiens até 2014
Infra bancada pelo setor privado
Sapiens Parque em 2014
InovaLab:Centro de Inovação
INPetro:
Instituto de Petróleo, Gás e Energia
CIEnP: CI e Ensaios Pré-Clínicos
Centro Empresarial - ACATE
Softplan
Projetos Inovação SENAI
Instituto Senai de Inovação na
área de Sistemas Embarcados
Escola do Futuro
Centro de Inovação de Educação Básica
Projeto da PMF para a inovação na educação básica
Atividades artísticas-culturais, científicas, desportivas,
informática, ciência e inovação voltadas para o
desenvolvimento da comunicação, sociabilidade, raciocínio,
disciplina e senso crítico para os alunos.
Localização
CIEB – Norte da
Ilha
Centro Integrado Multiusuário:
CIM SOLAR
UFSC no Sapiens Parque
UFSC - FLORIANÓPOLIS
Instituto do Petróleo, Gás e Energia
Universidade Federal de Santa CatarinaUFSC - FLORIANÓPOLIS
Instituto do Petróleo, Gás e Energia
Universidade Federal de Santa Catarina
INEP
Bio☼Santa
Smart Region - “Espaço de Intervenção”
Referências para concepção da Smart Region
Smart Region – Dimensões de Pesquisa
Macro Conceitual
Sistêmico
Urbanístico &
Arquitetônico
Infraestrutura e
Engenharia
Comando e Controle
Ambiental e
Biodiversidade
Energia Sustentável
Smart Region – “Exemplo de Projetos”
5
2
3
8
9
6
4
1
10
7
5
2
3
7
9
6
4
1
10
9
SC 401
Centro Eventos
Sapiens Parque
SC 403
Elevado Canasvieiras
Perimetral Leste
Equipamentos Sociais
Drenagem/Saneam.
Balneabilidade
Sarah Kubitschek
1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico,
social e ambiental
2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e
ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina
3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão
mineral no Estado de Santa Catarina
Sustentabilidade Econômica, Social e
Ambiental pela Educação, C&T&I
ANÁLISE PRELIMINAR
DE ALTERNATIVAS
PARA A VALORIZAÇÃO
DO CARVÃO MINERAL
NO ESTADO DE
SANTA CATARINA
Setembro de 2003
Territórios Inovadores - Exemplo
Da exploração à valorização do carvão
mineral catarinense
Orientação Estratégica:
Resumo do Documento
Definição do ProblemaIndústria
Carboquímica
Pirólise e
Gaseificação
Geração
Termelétrica
Uso de Resíduos e
Gestão Ambiental
EXEMPLO
USITESC – 440
MW
Treviso/SC
Tecnologia: Leito Fluidizado
Circulante (CFB).
Combustível: 70% de carvão ROM
(bruto) e 30% de rejeitos já existentes,
produzidos por beneficiamentos
anteriores, resultando na diminuição
do passivo ambiental.
Geração
Termelétrica
USITESC - Projeto – 440 MW
Termelétrica
USITESC
Criciúma
Carvão-ROM
Metropolitana
Carvão- ROM
Produção de
rejeitos
Rejeitos
Existentes Cinzas
Uso Industrial
Uso Agricultura
Recuperação ambiental
Produção de
Fertilizante
Amônia
Sulfato de
Amônia
(Fertilizante)
Calcário
Distribuição
Fertilizante
Disposição
ENERGIA
Água
Investimento: 654 USD milhões
Empregos: Diretos – 860 / Indiretos (FGV) – 5.000
307 mil (t/ano)
148 mil(t/ano)
2,4 milhões (t/ano)
Pirólise e
Gaseificação
Situação Atual
A totalidade do coque destinado às usinas siderúrgicas
nacionais é produzida a partir do carvão metalúrgico
importado. No Brasil se produz apenas pequena
quantidade de coque em fornos do tipo colméia
(Beehive Ovens).
Não existem centrais de gaseificação em
Santa Catarina.
Pirólise e Gaseificação
Oportunidades e Perspectivas
 Implantação de usinas de gaseificação do carvão.
 Implantação de coquerias modernas com base em
fornos de
câmara.
 Otimização do aproveitamento dos sub-produtos da
coqueificação e da gaseificação.
Pirólise e Gaseificação
Indústria
Carboquímica
Situação Atual
Não existe indústria carboquímica em
Santa Catarina.
No Brasil, a produção anual de alcatrão
provém do processamento do carvão
metalúrgico importado.
Indústria Carboquímica
Oportunidades e Perspectivas
 Implantação de modernas plantas carboquímicas para
produção de insumos químicos de alto valor agregado
a partir de sub-produtos da pirólise e gaseificação.
Indústria Carboquímica
 Produção de fertilizantes a partir do sulfato de amônio.
 Obtenção de produtos a partir de outros processos
primários de transformação do carvão mineral.
Indústria Carboquímica
Oportunidades e Perspectivas
Indústria Carboquímica Catarinense - ICC
1979 a 1992
Indústria Carboquímica
Conceito
Carvão de SC com elevado teor de enxofre -
pirita - FeS2
Brasil importador de enxofre e fertilizante
Disponibilidade de rocha fosfática em Anitápolis
Imbituba : porto melhor localizado
De 1934 a 1965 – estudos de viabilidade
De 1965 a 1979 – implantação do projeto de
produção de ácido sulfúrico e fosfórico
Indústria Carboquímica
Resultados
 Em 13 anos de operação consumiu 2,3
milhões de toneladas de pirita
 Em 1985 e 88 atingiu a 15 % da demanda
brasileira de ácido fosfórico
 Não implantação da mina de fosfato em
Anitápolis, alto custo de produção, baixo
preço de fertilizante no mercado externo
 Politica do Governo Collor de privatização,
em 1992 encerrou as atividades produtivas.
Indústria Carboquímica
Uso de Resíduos e Gestão Ambiental
Situação Atual
O impacto ambiental causado pela carga
poluidora dos resíduos do carvão inseriu a região
sul como uma das 14 áreas críticas de poluição
do país, conforme Decreto Federal
nº 85.206, de 25/09/1980.
Uso de Resíduos e Gestão
Ambiental
Resíduos do carvão, que poderiam substituir a
matéria-prima importada, são considerados lixos e
lançados, ao meio ambiente, provocando danos
incalculáveis.
Uso de Resíduos e Gestão
Ambiental
Situação Atual
Valiosos elementos químicos e componentes
geológicos, associados à camada de carvão,
ainda não foram profundamente pesquisados.
Uso de Resíduos e Gestão
Ambiental
Situação Atual
Oportunidades e Perspectivas
 Aproveitamento de resíduos para a geração de
atividades econômicas associadas à valorização
do carvão.
 Recuperação da bacia hidrográfica regional.
 Utilização de resíduos para correção do solo.
Uso de Resíduos e Gestão
Ambiental
Gestão Ambiental
Uso e Valorização do Carvão
Carvão ROM
(Run of Mine)
Centrais de Gaseificação
e Coqueificação
Gás Combustível Gasoduto Eng. Térmica e Elétrica
Coque Metalurgia Ferro e Aço
Alcatrão Carboquímica Insumos Químicos
Sulfato de Amônio Fertilizantes Agricultura
Cinzas Cimento Construção Civil
Recuperação
Ambiental
(...)
Gestão Ambiental
Carvão ROM
(Run of Mine) Usina Termelétrica
Rede Elétrica Energia Elétrica
Empresas Vapor de Cogeração
Fertilizantes Sulfato de Amônio
Cimento Cinzas
Recuperação
Ambiental
(...)
Ind. Têxtil
Alimentícia
Papel e Celulose...
Construção Civil
Agricultura
Uso e Valorização do Carvão
Produtos da Gestão Ambiental
Tratamento
de Água
Fracionamento
de Rejeitos
Água Tratamento
do Lodo
Enxofre
Produtos
Produtos Finais (Sensores de Luz,
LED, medicamentos, rações, etc.
Química Mineral
(Ind. Carboquímica)
Elementos
Chamada Pública 005/2008 - Valorização do
Carvão Mineral Catarinense
Visa apoiar programas e projetos estratégicos de pesquisa científica,
que visem o desenvolvimento sustentável, tecnológico e de
inovação tecnológica do setor de mineração do carvão no Estado.
Linhas de Apoio – R$ 3,2 milhões (3 anos)
 Linha I - Instalação de centros de excelência e difusão de pesquisa,
tecnologia e inovação
R$ 2.500.000,00
 Linha II - projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável,
tecnológico e de inovação tecnológica do setor
R$ 700.000,00.
Pesquisa Científica e Tecnológica
Resultados
Seis projetos selecionados:
 Centro Tecnológico de Carvão Limpo - SATC
 Estudo da atividade catalítica - UNISUL
 Fitorremediação e monitoramento de áreas degradadas - UNESC
 Inertização das cinzas - UNESC
 Desenvolvimento de novos materiais a partir da cinza - UFSC
 Tratamento conjunto de drenagem ácida e esgoto doméstico - SATC
Recursos liberados em 2008: R$ 1.062.000,00
Chamada Pública 005/2008 - Valorização do
Carvão Mineral Catarinense
Pesquisa Científica e Tecnológica
Centro Tecnológico de Carvão Limpo
CTCL Criciúma - Santa Catarina
Energia Brasileira:
Precisamos rever Conceitos
“Usinas térmicas não são caras... As
térmicas a carvão nacional não têm
subsídio, mantêm um custo de
combustível e um custo operacional
de cerca de 10% do custo de uma
térmica a óleo combustível”
Fernandodo Luiz Zancan
Pres. AB de Carvão Mineral
Diário Catarinense, 12 de agosto de 2014
Diomário Queiroz
Palestra disponível em:
diomarioq@terra.com.br
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteEMEFEzequiel
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentveljaneibe
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavellupajero
 
Fundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalFundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalMarília Gomes
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeSilmara Vedoveli
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambientelaiszanatta
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade-
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidadedebbyguapa
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeMilton Henrique do Couto Neto
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Fundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambientalFundamentos de educação ambiental
Fundamentos de educação ambiental
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
 
Aula de sustentabilidade_ambiental
Aula de sustentabilidade_ambientalAula de sustentabilidade_ambiental
Aula de sustentabilidade_ambiental
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Inovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidadeInovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidade
 

Destaque

Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental-
 
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISAINDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISAequipeagroplus
 
1 educação ambiental
1 educação ambiental1 educação ambiental
1 educação ambientalPelo Siro
 
Sustentabilidade Econômica de Clusters de Inovação
Sustentabilidade Econômica de Clusters de InovaçãoSustentabilidade Econômica de Clusters de Inovação
Sustentabilidade Econômica de Clusters de InovaçãoRECEPETI
 
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"Daniel Mol
 
Educação ambiental na escola roberta galvão
Educação ambiental na escola roberta galvãoEducação ambiental na escola roberta galvão
Educação ambiental na escola roberta galvãoRoberta Lemos
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA forumsustentar
 
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uff
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uffA educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uff
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uffVanessa Marcondes
 
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoSustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoLinccon Carvalho
 
Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país - Aloizio Merc...
Ciência,  Tecnologia  e  Inovação:  Estratégia  para  o  país  - Aloizio Merc...Ciência,  Tecnologia  e  Inovação:  Estratégia  para  o  país  - Aloizio Merc...
Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país - Aloizio Merc...Sistema FIEB
 
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade ruralJosé Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade ruralRevista Cafeicultura
 
COMO DESENVOLVER EQUIPES CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...
COMO  DESENVOLVER EQUIPES  CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...COMO  DESENVOLVER EQUIPES  CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...
COMO DESENVOLVER EQUIPES CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...AntonioCarlos TeixeiradaSilva
 
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à Decisão
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à DecisãoBusiness Intelligence & Sistemas de Apoio à Decisão
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à DecisãoMário Mineiro (ESTA)
 
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...PIFOZ
 

Destaque (20)

Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISAINDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA
 
1 educação ambiental
1 educação ambiental1 educação ambiental
1 educação ambiental
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
 
Sustentabilidade Econômica de Clusters de Inovação
Sustentabilidade Econômica de Clusters de InovaçãoSustentabilidade Econômica de Clusters de Inovação
Sustentabilidade Econômica de Clusters de Inovação
 
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"
revista Balde Branco "Propriedade Agroecológica Família Derlam"
 
Educação ambiental na escola roberta galvão
Educação ambiental na escola roberta galvãoEducação ambiental na escola roberta galvão
Educação ambiental na escola roberta galvão
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
 
Educação ambiental romulo e nv
Educação ambiental romulo e nvEducação ambiental romulo e nv
Educação ambiental romulo e nv
 
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uff
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uffA educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uff
A educação ambiental conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da uff
 
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoSustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país - Aloizio Merc...
Ciência,  Tecnologia  e  Inovação:  Estratégia  para  o  país  - Aloizio Merc...Ciência,  Tecnologia  e  Inovação:  Estratégia  para  o  país  - Aloizio Merc...
Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país - Aloizio Merc...
 
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade ruralJosé Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
 
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisadoA AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
 
COMO DESENVOLVER EQUIPES CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...
COMO  DESENVOLVER EQUIPES  CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...COMO  DESENVOLVER EQUIPES  CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...
COMO DESENVOLVER EQUIPES CRIATIVAS E INOVADORAS - Antonio Carlos Teixeira d...
 
Aula fermentação
Aula fermentaçãoAula fermentação
Aula fermentação
 
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à Decisão
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à DecisãoBusiness Intelligence & Sistemas de Apoio à Decisão
Business Intelligence & Sistemas de Apoio à Decisão
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...
Julian Silva Carvalho - “Implementação de Boas Práticas Agrícolas e Certifica...
 

Semelhante a Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnologia e inovação

Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.Antônio Diomário de Queiroz
 
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifesO papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifesAntônio Diomário de Queiroz
 
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...Antônio Diomário de Queiroz
 
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinenseOportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinenseAntônio Diomário de Queiroz
 
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - ExtensãoEducação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - ExtensãoMariangela ziede
 
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e ExtensãoEducação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e ExtensãoMariangela ziede
 
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense finalEnit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense finalAntônio Diomário de Queiroz
 
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...Antônio Diomário de Queiroz
 
Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014daguia
 
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e InovaçãoVisão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e InovaçãoAntônio Diomário de Queiroz
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...Antônio Diomário de Queiroz
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...Universidade Estadual do Ceará
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalLuciano Sathler
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalLuciano Sathler
 
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e InovaçãoCostituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e InovaçãoAntônio Diomário de Queiroz
 

Semelhante a Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnologia e inovação (20)

Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento social
Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento socialCiencia e tecnologia para o desenvolvimento social
Ciencia e tecnologia para o desenvolvimento social
 
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
Desenvolvimento Regional: Desafios para a Ciência, Tecnologia e Inovação.
 
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifesO papel da universidade federal no desenvolvimento do país   andifes
O papel da universidade federal no desenvolvimento do país andifes
 
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
Posicionamento estratégico de Santa Catarina para a inovação tecnológica nas ...
 
Uma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitáriaUma visão estratégica da gestão universitária
Uma visão estratégica da gestão universitária
 
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINAORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
ORIGENS DO ECOSSISTEMA DE C&T&I EM SANTA CATARINA
 
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinenseOportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
Oportunidades e desafios do empreendedorismo no cenário catarinense
 
Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
 Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
 
Sustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade EmpresarialSustentabilidade Empresarial
Sustentabilidade Empresarial
 
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - ExtensãoEducação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
Educação Superior:Ensino - Pesquisa - Extensão
 
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e ExtensãoEducação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
Educação Superior:Ensino,Pesquisa e Extensão
 
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense finalEnit   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
Enit oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense final
 
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
Política de Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de Santa Ca...
 
Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014
 
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e InovaçãoVisão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
Visão Geral do Sistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e Inovação
 
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
A importância da Engenharia de Processos para o Desenvolvimento Sustentável n...
 
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
O PRINCÍPIO DA DIVERSIDADE CULTURAL NA CRIAÇÃO DE PERSONAGENS ANIMADOS PARA A...
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
 
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e InovaçãoCostituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação
Costituição de 1988 e o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação
 

Mais de Antônio Diomário de Queiroz

CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO	 CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Antônio Diomário de Queiroz
 
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinenseUfmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinenseAntônio Diomário de Queiroz
 
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...Antônio Diomário de Queiroz
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015Antônio Diomário de Queiroz
 
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...Antônio Diomário de Queiroz
 
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmicaIntegração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmicaAntônio Diomário de Queiroz
 
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaEmergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaAntônio Diomário de Queiroz
 
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do BrasilAssociados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do BrasilAntônio Diomário de Queiroz
 
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...Antônio Diomário de Queiroz
 
O professor e a construção do saber para a cidadania
O professor e a construção do saber para a cidadania O professor e a construção do saber para a cidadania
O professor e a construção do saber para a cidadania Antônio Diomário de Queiroz
 
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regionalEducação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regionalAntônio Diomário de Queiroz
 

Mais de Antônio Diomário de Queiroz (17)

CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO	 CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
CONSTITUIÇÃO DE 1988 E O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúdeEspiritualidade e valores cristãos para a saúde
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde
 
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!Os escoteiros construindo um mundo melhor!
Os escoteiros construindo um mundo melhor!
 
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em  ParisTestemunho e vivências de maio 1968 em  Paris
Testemunho e vivências de maio 1968 em Paris
 
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinenseUfmt   oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
Ufmt oportunidades e desafios do empreendedorismo catarinense
 
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
Brésil: Action des Associés à la Congrégation de Notre-Dame - Chanoinesses de...
 
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.Paz e conciliação na missão de vida cristã.
Paz e conciliação na missão de vida cristã.
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
 
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
Contribuições da educaçao, ciencia e tecnologia para os municipios de pequeno...
 
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmicaIntegração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
Integração entre o mundo do trabalho e a pesquisa acadêmica
 
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa CatarinaEmergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
Emergência dos parques tecnológicos em Santa Catarina
 
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do BrasilAssociados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
Associados da Congregação de Nossa Senhora no Sul do Brasil
 
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
Interacionismo Social e Novas Tecnologias da Comunicação no Processo Educativ...
 
O professor e a construção do saber para a cidadania
O professor e a construção do saber para a cidadania O professor e a construção do saber para a cidadania
O professor e a construção do saber para a cidadania
 
Empreendedorismo em Química
Empreendedorismo em QuímicaEmpreendedorismo em Química
Empreendedorismo em Química
 
Gestão estratégica da inovação
Gestão estratégica da inovaçãoGestão estratégica da inovação
Gestão estratégica da inovação
 
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regionalEducação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
Educação profissional e tecnológica para o desenvolvimento regional
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Sustentabilidade econômica, social e ambiental pela educação, ciência, tecnologia e inovação

  • 1. Palestra: Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental pela Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação Palestrante: Antônio Diomário de Queiroz Diretor de Ciência,Tecnologia e Inovação Florianópolis, 29 de outubro de 2014
  • 2. Programa Educacional Curso: Gestor de Territórios Inovadores Módulo 3: territórios inovadores Florianópolis, Santa Catarina, outubro de 2014 Parceria
  • 3. 1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico, social e ambiental 2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina 3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão mineral no Estado de Santa Catarina Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental pela Educação, C&T&I
  • 4. Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental Sustentabilidade: consciência da responsabilidade de manter em equilíbrio a produção, distribuição e consumo de bens para o atendimento das necessidades das pessoas e a preservação do meio ambiente natural do planeta.
  • 5. Desenvolvimento Sustentável “Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro.’ Definição da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas nos anos 70, para discutir e propor meios de harmonizar dois objetivos: o desenvolvimento econômico e a conservação ambiental.
  • 6. “Desenvolvimento é o processo de transição de determinada estrutura econômica e social a outras estruturas que possibilitem um nível mais elevado das forças produtivas.” Queiroz, Diomário.1971. Une approche structurale du sous développement et du développement. Paris.
  • 7. Os sistemas vivos seguem processos naturais: crescer, reproduzir, regenerar, reciclar, valorizar.
  • 8. Os sistemas de colonização e de industrialização do Brasil obedecem o fluxo linear de extrair, explorar, vender, consumir, descartar.
  • 9. Desenvolvimento: processo de mudança da atitude de exploração à valorização! EXPLORAÇÃO CONCENTRAÇÃO DE RENDA MISÉRIA VALORIZAÇÃO MULTIPLICAÇÃO DA RIQUEZA MELHORIA DE VIDA PARA TODOS
  • 10. Desenvolvimento Social O Desenvolvimento Social pressupõe o desenvolvimento econômico sustentável, com distribuição justa de renda e inclusão social, para o conjunto da população
  • 11. Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação Desenvolvimento científico e tecnológico Desenvolvimento Social
  • 12. O novo paradigma do desenvolvimento A economia sustentada pelo conhecimento DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Trabalho Capital Produtividade Pessoas Uso das TIC Inovacão e Ciência Impulso Emprendedor • Nível de formação • Formação em C&T • Formação em Gestão •Inovação •Investimento • Uso • Base de Ciência • Difusão • Ciência-Indústria • Cultura “inovacão” • Empresa Internacional • Criatividade • Capital de Risco • Facilidade de Negociação • Emp. forte crescimento Entorno Favorável Adaptado de Angel Landabaso Conselheiro C & T Delegação da Comissão Européia no Brasil
  • 13. Conhecimento é fator de produção determinante da formação do valor para o desenvolvimento regional na sociedade contemporânea
  • 14. ADQ: Resposta ao Jornal da Andes, 1994 “A Universidade tem a responsabilidade social de alimentar continuamente com novos conhecimentos o processo de desenvolvimento econômico e social de um país.” Responsabilidade Social da Universidade
  • 15. Resultados da Pesquisa Publicações novos conhecimentos Protótipos Sistemas inovadores Modelos Artigos Dissertações CD-rom Livros Teses
  • 17. Tecnologia Processo contínuo por meio do qual a humanidade molda, modifica e gera a sua qualidade de vida. Bueno, Natalia de Lima CEFET-PR. 1999
  • 18. A inovação é a convergência da história de diversas pessoas para encontrar uma solução de futuro. 2003. Queiroz, Diomário
  • 19. “É imperativo reconhecer que a inovação é elemento essencial para consolidar a funcionalidade do trinômio ” A educação, assim concebida, assegura a sustentabilidade econômica, social e ambiental do desenvolvimento do país . Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia.LIVRO BRANCO : CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO;Brasília : Ministério da Ciência e Tecnologia, 2002. Calendula officinalis Inovação Tecnologia Ciência Educação
  • 20. CAPÍTULO III Seção I – DA EDUCAÇÃO “As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão”. A Constituição Federal dispõe em seu Art. 207: Responsabilidade Social da Universidade
  • 21. Desenvolvimento Social e Melhoria da Qualidade de Vida Ensino ExtensãoPesquisa E d u c a ç ã o
  • 22. Capítulo IV: da Ciência e Tecnologia Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa e a capacitação tecnológicas. § 1º - A pesquisa científica básica receberá tratamento prioritário do Estado, tendo em vista o bem público e o progresso das ciências. § 2º - A pesquisa tecnológica voltar-se-á preponderantemente para a solução dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. § 3º - O Estado apoiará a formação de recursos humanos nas áreas de ciência, pesquisa e tecnologia, e concederá aos que delas se ocupem meios e condições especiais de trabalho. .......................................................................................................... ...
  • 23. Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa e a capacitação tecnológicas. .................................................................................................. ........... § 4º - A lei apoiará e estimulará as empresas que invistam em pesquisa, criação de tecnologia adequada ao País, formação e aperfeiçoamento de seus recursos humanos e que pratiquem sistemas de remuneração que assegurem ao empregado, desvinculada do salário, participação nos ganhos econômicos resultantes da produtividade de seu trabalho. Capítulo IV: da Ciência e Tecnologia
  • 24. Título VIII Da ordem econômica e financeira CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA CATARINENSE Art. 136. Para incrementar o desenvolvimento econômico, o Estado tomará, entre outras, as seguintes providências: ............................................................... II - estímulo à pesquisa científica e tecnológica;
  • 25. CAPÍTULO IV DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Art. 177. A política científica e tecnológica terá como princípios: ................................................................. ....... Parágrafo único. As universidades e demais instituições públicas de pesquisa e as sociedades cientificas participarão do planejamento, da execução e da avaliação dos planos e programas estaduais de desenvolvimento cientifico e pesquisa científica e tecnológica.
  • 26. VI – estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade CAPÍTULO IV - Da Educação Superior Art. 43º. A educação superior tem por finalidade: Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. VII – promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição
  • 27. Extensão “A extensão significa a recuperação da unidade do conhecimento que fundamenta o ensino e a pesquisa, pois recupera sua dimensão do real.” Queiroz, D. 1987. A Política de Extensão da UFSC: Reflexos no Ensino de Serviço Social.
  • 28. Extensão Queiroz, D. 1987. A Política de Extensão da UFSC: Reflexos no Ensino de Serviço Social. “Pela Extensão, a Universidade assume plenamente sua responsabilidade social de agente do desenvolvimento. Ela ajuda a compreender a dinâmica do meio físico, econômico e social que a envolve. E difundindo conhecimento, dá sua contribuição às mudanças que assegurem às populações a transição a níveis mais elevados de qualidade de vida.”
  • 29. “A qualidade da instituição se mede pelos resultados junto à sociedade.” ADQ: Diário Indústria & Comércio, 1995 A eficácia social da Universidade
  • 30. “A Universidade tende a ser cada vez mais aberta e solidária, ter compromissos sociais, perseguir a qualidade de vida da população como parte ativa do processo de desenvolvimento, gerando conhecimentos e atuando em conjunto com os demais parceiros para a solução das grandes questões regionais e nacionais.” Nova economia: horizontes da era da informação e do conhecimento ADQ:Indústria & Comércio, 1995
  • 31. “Ou seja, uma Universidade empreendedora e que não perca de vista tanto seu papel no ensino, pesquisa e extensão quanto sua função libertária e cultural, como guardiã dos princípios mais elevados da cidadania e da relação livre entre as pessoas.” ADQ:Indústria & Comércio, 1995 Nova economia: horizontes da era da informação e do conhecimento
  • 32. Em todos os campos de conhecimento, o ensino de qualidade se definirá pela formação do profissional crítico, agente transformador da sociedade, consciente de sua cidadania, capaz de enfrentar e solucionar problemas, a mente aberta para um processo contínuo de educação. Diomário: O ensino, a universidade e o mundo novo, 1994 O profissional do mundo novo
  • 33. Desafios da Inovação: a prática na universidade, empresa e sociedade Prof. Álvaro Toubes Prata Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - MCTI IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO Universidade do Extremo Sul Catarinense Criciúma, 06 de dezembro de 2012
  • 34. Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007 Participação (%) dos setores intensivos em recursos naturais na exportação dos países, 2005 9.3% 15.0% 23.0% 26.0% 29.0% 42.0% 48.0% 56.0% 62.0% 68.0% 71.0% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% 50.0% 60.0% 70.0% 80.0% China Estados Unidos México Total Índia Canadá Brasil Chile Austrália Argentina Rússia Agropecuária Madeira Extração mineral Papel e celulose Petróleo e álcool Prod. de Min. Ñ Met. Alimentos e bebidas
  • 35. Participação (%) dos setores intensivos em tecnologia diferenciada e baseada em Ciência, na exportação dos países, 2005 Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007 3.9% 3.9% 8.3% 8.5% 11.0% 17.0% 33.0% 38.0% 43.0% 47.0% 48.0% 51.0% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% 50.0% 60.0% Argentina Rússia Austrália Índia África do Sul Brasil Total Alemanha México Estados Unidos China Japão Máq. e equipamentos Mat. Eletrônico/Comunicações Máq. Escritório e informática Instr. Médicos e ópticos Aparelhos elétricos Aviação/Ferrov./Emb./Malas
  • 36. Principais Produtos Exportados Brasil (2011) Fonte: Anuário Estatístico 2012 - MDIC  Minérios de Ferro e Concentrados 16,3 %  Soja (Grão e Óleo) 8,6 %  Óleos Brutos de Petróleo 8,4 %  Açúcar (Bruto e Refinado) 5,8 %  Carnes (Frango e Boi) 4,4 %  Café 3,1 % Total:46,6 % Exportações de Aviões:1,5 %
  • 37. 0.19 0.34 0.67 0.52 0.54 0.55 0.62 0.54 0.36 0.60 0.80 0.74 0.70 0.80 0.75 0.54 0.86 0.17 0.15 0.30 0.50 0.57 0.58 0.59 0.80 1.10 0.88 1.02 1.15 1.72 1.70 1.86 2.68 2.46 0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 México (2007) Argentina (2007) Rússia (2008) Itália (2007) Brasil (2010*) Portugal (2007) Espanha (2007) Reino Unido (2008) China (2008) Canadá (2008) França (2008) Austrália (2006) Alemanha (2007) Cingapura (2008) EUA (2008) Japão (2008) Coréia (2008) Fonte: www.mct.gov.br/indicadores. Inovação: Falta de protagonismo da empresa Dispêndio Público e Privado em P&D (% PIB) Empresas Governo 2010* estimativa
  • 38. Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Investir e inovar para crescer
  • 39. Principais atores institucionais EmpresasUniversidades Institutos Tecnológicos Centros de P&D $ $ $ Inovação P&D produtos novos, patentes Formação de RH Pesquisa básica e aplicada publicações conhecimento Política Financiamento Pesquisa & Serviço Governo Política de Estado Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional
  • 40. Diretrizes do Governo Federal 1. Expandir e Fortalecer a Democracia 2. Crescimento Econômico 3. Desenvolvimento Sustentável 4. Defender o Meio Ambiente 5. Erradicar a Pobreza e Reduzir as Desigualdades 6. Governo de Todos 7. Educação 8. Prover as Cidades de Infraestrutura Adequada 9. Universalizar a Saúde 10. Garantir a Segurança e Combater o Crime 11. Valorizar a Cultura 12. Defender a Soberania Naciona; 13. Transformar o Brasil em Potência Científica, Tecnológica e Inovadora.
  • 41. Desafios a superar  Grande parte dos pesquisadores e cientistas estão nas Universidades  O Setor Industrial investe pouco em P&D  Há pouca interação entre as Universidades e as empresas  A cultura científica e inovadora é pouco difundida  A atitude empreendedora é incipiente
  • 42. (Pre) conceito tradicional PRIVADO X PÚBLICO Propriedade Estatal Governo Gratuidade Convênio Propriedade Privada Empresa Lucro Contrato
  • 43. "A Lei da Inovação passa a vigorar em um contexto de desafios e de esperanças. Com ela, avançam a ciência, a tecnologia e a inovação brasileiras. E o governo cumpre, mais uma vez, o seu compromisso de mudar esse País, na perspectiva de suas maiorias excluídas e da construção de um desenvolvimento soberano, com justiça social". Ministro Eduardo Campos 02/12/2004 Lei 10.973, de 2.12.2004 Lei Brasileira de Inovação
  • 44.  Estabelece as normas de incentivo à pesquisa científica e tecnológica.  Viabiliza a pesquisa na iniciativa privada e institui o acesso das empresas aos recursos dos fundos setoriais.  Permissão para as empresas utilizem os laboratórios, equipamentos, instrumentos e materiais existentes nas universidades e nos institutos de pesquisa. Lei Brasileira da Inovação
  • 45. A Lei 11.196/05 cria a concessão de incentivos fiscais às pessoas jurídicas que realizarem pesquisa e desenvolvimento de inovação tecnológica.
  • 46. Novo marco legal para Ciência e Tecnologia Proposta de Emenda à Constituição : PEC 290/13 da Deputada Margarida Salomão (PT-MG) - Relato e substitutivo do Deputado Izalci (PSDB- DF). Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: Projeto de Lei 2177/11, proposto pelo Deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) e outros nove deputados, sendo relator o Deputado Sibá Machado (PT-AC)
  • 47. Justificação do PEC 290/13 Deputada Margarida Salomão Esgotamento das estratégias convencionais de estímulo ao desenvolvimento econômico e social Persistente estagnação da produtividade no setor produtivo brasileiro Constitucionalizar o conceito de Inovação de modo a fundamentar as ações articuladas entre academia e setor produtivo, para retomar o ímpeto da pesquisa nacional e da criação de soluções tecnológicas adequadas aos desafios econômicos e sociais do país. Formalização constitucional de um Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Melhoria da eficácia do SNCTI, desburocratizando procedimentos e viabilizando novas formas de trabalho
  • 48. Substitutivo ao Projeto de Lei 2177/2011 Deputado Sibá Machado CAPÍTULO II DA POLÍTICA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Art. 2º A Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação tem por objetivo o desenvolvimento sustentável e soberano do País, o bem-estar da população, a preservação do meio-ambiente e o progresso econômico, social, científico e tecnológico (...)
  • 49. CAPÍTULO III DA ATUALIZAÇÃO DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO AMBIENTE PRODUTIVO Art. 5º A Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, passa a vigorar com a seguinte redação (...) CAPÍTULO IV AO CAPÍTULO VIII DA CONCESSÃO DE BOLSAS PARA SUPORTE À INOVAÇÃO, DO PESQUISADOR VISITANTE, DAS CONTRATAÇÕES E AQUISIÇÕES, DAS PREFERÊNCIAS NA AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Substitutivo ao Projeto de Lei 2177/2011 Deputado Sibá Machado
  • 50. 1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico, social e ambiental 2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina 3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão mineral no Estado de Santa Catarina Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental pela Educação, C&T&I
  • 51. A Lei Catarinense da Inovação - Lei no 14.328, de 15 de janeiro de 2008 dispõe sobre incentivos à pesquisa científica e tecnológica e à inovação no ambiente produtivo no Estado de Santa Catarina, visando à capacitação em ciência, tecnologia e inovação, o equilíbrio regional e o desenvolvimento econômico e sustentável. Baseada na Lei Brasileira de Inovação Lei 10.973, de 2.12.2004
  • 52. PCCT&I “É a síntese do passado de trabalho competente de muitas pessoas e instituições, e, ao mesmo tempo, o desafio estratégico que une governo, academia e agentes econômicos e sociais, visando à qualidade de vida dos habitantes e ao desenvolvimento de Santa Catarina, com sustentabilidade ambiental e equilíbrio regional.”
  • 53. Desenvolvimento Regional Sustentável com Base em Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 55. 6: As três dimensões básicas do desenvolvimento sustentável: melhoria das condições econômicas, ambientais e sociais para todos - equidade intrageracional - sem desconsiderar as possibilidades para as próximas gerações - equidade intergeracional. Pressuposto da sustentabilidade Isaac Newton (1642 - 1727 )
  • 56. Eixos estratégicos I. EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA CATARINENSE DE CT&I 1.1 Consolidação do Sistema Catarinense de CT&I 1.2 Formação de Recursos Humanos para CT&I 1.3 Infraestrutura para a Pesquisa Científica e Tecnológica Santos Dumont 1873-1932
  • 57. II. PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2.1. Pesquisa Científica e Tecnológica 2.2. Pesquisas em Ciências Agrárias e Meio Ambiente Eixos estratégicos Burle Max (1909 - 1994)
  • 58. III. INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 3.1 Apoio ao avanço tecnológico e às inovações nas empresas e outras organizações públicas e privadas 3.2 Incentivo à Criação e Consolidação de Empresas Intensivas em Tecnologia Ozires Silva (1931) Eixos estratégicos
  • 59. IV. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E REGIONAL SUSTENTÁVEL4.1 Promoção da inclusão digital 4.2 Fomento à disseminação da C&T&I com enfoque em desenvolvimento local e APLs 4.3 Apoio à P&D aplicado à saúde e à segurança alimentar e nutricional 4.4 Pesquisa, desenvolvimento agropecuário e agroindustrial para inserção social 4.5 Fomento a pesquisas para melhoria da habitação e do saneamento básico ..................................................................................................... .......... Eixos estratégicos Celso Furtado (1920 – 2004)
  • 60. Disseminação da educação superior Leonardo da Vinci (1452 - 1519) Fonte: INEP 2007: http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/
  • 61. Disseminação da educação superior Matrículas nas Instituições de Educação Superior em Santa Catarina 2001-2008. Fonte: site da UFSC, da ACAFE e da AMPESC * associadas à AMPESC. Galileu Galilei (1564 - 1642) Matrículas/ano Sistema 2001 2005 2006 2007 2008 UFSC 17.111 18.651 22.240 25.737 24.157 Instituições do Sistema ACAFE 112.722 143.153 142.803 159.572 157.520 Instituições de Ensino Superior Particular* 11.964 41.598 69.453 79.600 121.500 TOTAL 141.797 196.597 233.845 264.909 303.177
  • 62. Rede Catarinense de Ciência e Tecnologia - RCT Instrumentos e instituições de pesquisa
  • 63. Arranjos Produtivos Malacocultura FAPESC: R$ 485.032,32 Finep: R$ 479.977,36 Processos Têxteis FAPESC:R$ 200.000,00 Finep: R$ 249.599,92 Empresas:R$ 93.600,00 Existentes Novos Arranjos Cerâmica Vermelha FAPESC: R$ 746.620,00 Empresas:R$ 192.000,00 Finep:R$ 655.300,80 TIC FAPESC : R$ 904.500,00 Finep: R$ 786.000,00 Empresas:R$ 400.000,00 Carvão Madeira e Móveis FAPESC : R$ 699.357,00 Finep: R$ 915.700,00 Suinocultura FAPESC:R$ 619.030,00 Finep: R$ 804.959,00 Perdigão:R$ 608.000,00 Continuidade do APL FINEP: R$ 500.000,00
  • 64. Programa estruturante do sistema catarinense de C&T&I Inovação Têxtil P&D em Fitoterápicos P&D em madeira e móveis P&D em recuperação ambiental pela exploração do carvão P&D em manejo dos solos Diversidade genética de espécies vegetais Inovação tecnológica da fruticultura de clima temperado Rede de Pesquisa na área de software Grande Florianópolis Sul Serrana Oeste Norte Vale do Itajaí
  • 65. Regionais da EPAGRI e da EMBRAPA Instrumentos e instituições de pesquisa
  • 66. Organização sistêmica empresarial SOFTVILLE ABRADI ACATE ASSESPRO-SC SUCESU-SC BLUSOFT CÂMARA e-NET CDI-SC CETIC FECOAGRO FIESC FUNDAÇÃO CERTI OCESC SEBRAE/SC SIESC SEINFLO SEPIJ SEPROSC
  • 67. Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
  • 68. Institucional Entidade privada, sem fins lucrativos, fundada em 1986 com intuito de representar as empresas catarinenses do setor de tecnologia Comandada por empresários associados, eleitos para mandatos de dois anos, sem remuneração Possui 300 empresas associadas em diversas cidades de Santa Catarina Gerencia a Incubadora MIDI Tecnológico, mantida pelo SEBRAE-SC
  • 69. Áreas de Atuação Fortalecimento do Setor Apoio a captação de recursos; Ações de acesso à mercado; Projetos de Subvenção; Apoio a elaboração de Projetos; Divulgação de eventos; Ações Setoriais junto aos órgãos de fomento; Projetos Estruturantes. Marco Regulatório Decreto Estadual nº 2.024/04 Lei de Inovação Federal Lei de Inovação SC ISS MCT / Abes / Brasscom SOFTEX - Governo Estado - Prefeitura
  • 70. Áreas de Atuação Mercado Projeto Setorial de Integração para Exportação de Software Verticais Inovação MIDI Tecnológico Programa Juro Zero Santa Catarina Fundos de investimento Educação, Capacitação e Pesquisa Projeto de formação de Recursos Humanos Universidade Setorial Empreendedorismo
  • 71. Verticais Acate – Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia Projetos 2010 – Jamile Sabatini Marques 9 verticais estabelecidas Mais de 70 empresas participantes Conquista de novas adesões Comunicação entre verticais Acompanhamento nas reuniões Organização e controle das empresas participantes Equipe: Gabriel Kamila
  • 72. Conceito SINAPSE PROTÓTIPO PN • Projetos C&T • Teses • Disserta ções • TCC MCTI CAPES CNPQ FINEP FAPs EMPRESA CONSOLIDADA SUBVENÇÃOPRIME EMPRESA NASCENTE SEBRAETEC MPEs “ TRANSFORMAR CONHECIMENTO E IDEIAS CRIATIVAS EM EMPREENDIMENTOS DE SUCESSO ”
  • 73.
  • 74. P C I
  • 75.
  • 76.
  • 77. Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina Tem por finalidade o apoio e o fomento à pesquisa científica e tecnológica, para o avanço de todas as áreas do conhecimento, para o equilíbrio regional, o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida da população do Estado de Santa Catarina.
  • 78. Objetivo: Apoio a projetos de C,T&I, que visem o desenvolvimento sustentável da SDRs do Estado de Santa Catarina, e que possam promover relevantes impactos sociais, ambientais e econômicos para a sociedade local. Recursos: R$ 18 milhões Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento regional do estado de Santa Catarina Chamada pública nº 12/2009
  • 79. Chamada Pública 12/2009 C&T&I para o Desenvolvimento Regional do Estado de Santa Catarina 312 PRÉ-SELECIONADOS PELAS SDRS  R$ 44.896.227,24 212 RECOMENDADOS PELA FAPESC  R$ 30.604.799,13 132 APROVADOS PELAS SDRs 39 Termos de Outorga, 80 Convênios e 14 Termos de Subvenção Econômica  R$ 17.596.950,24 PROJETOS
  • 80. Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia EDITAL MCT/CNPq Nº 15/2008  Convergência Digital Total: R$ 4.200.000,00 - (1:1Fapesc/CNPq)  Refrigeração e Termofísica Total: R$ 4.789.922,88 - (1:1Fapesc/CNPq)  Catálise em Sistemas Moleculares e Nanoestruturados Total: R$ 4.799.414,53 - (1:1Fapesc/CNPq)  Brasil Plural Total: R$ 2.400.000,00 Fapesc/Fapeam: R$ 1.200.000,00 CNPq: R$ 1.200.000,00
  • 81. Principais programas e projetos Aporte financeiro em 2014 Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina Presidente: Dr. Sergio Gargioni
  • 82.  Chamada Pública N° 04/2013  Divulgação do resultado: 07/02/2014  Total: 22,5 milhões (15 milhões FINEP; 7,5 milhões FAPESC) Programa tecnova De 210 propostas foram selecionadas 49 empresas, inclusive a Voxter Soluções em Manutenção Industrial Ltda de Jaraguá
  • 83.  Propostas submetidas: 210 (demanda: 90 milhões)  Propostas por mesorregião: Grande Florianópolis - 116 Norte Catarinense - 31 Oeste Catarinense - 23 Sul Catarinense - 6 Vale do Itajaí - 34 Programa tecnova
  • 84.  Chamada Pública 2013  Total: 2,5 milhões  Parceiros: Ministério da Saúde (R$1,5 milhão), Secretaria de Saúde/SC (R$ 500 mil) e FAPESC (R$ 500 mil)  Divulgação dos resultados: 23/01/2014 : selecionados 37 projetos Equipamento criado com apoio do PPSUS PPSUS - Programa de Pesquisa para o SUS
  • 85.  Inscritos: 5.986  Total: 3,5 milhões (fonte: Pró-emprego)  Municípios atendidos: Blumenau, Brusque, Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Itajaí, Joinville, Lages, Nova Veneza, São Bento do Sul e Tubarão.
  • 86. Chamada Pública lançada em 2013 Total da Chamada Pública: até 7,9 milhões Por empresa selecionada: 50 mil da FAPESC e até 29 mil do SEBRAETEC Dos 1226 inscritos foram selecionados 93 projetos
  • 87. Retorno Tempo Investimentos Ciência Tecnologia Inovação Resultados Projeto de EBT Empreendedorismo Inovador intenso em C&T Empresa Nascente Idéia + Conhecimento Empresa consolidada P&D Geração de Idéias Pré-Incubação Incubação Crescimento NITs © COPYRIGHT 2008 - Fundação CERTI
  • 88. 1000 Idéias Cada operação difunde articula avalia guia a criação de EBTs Idéia de produto Processo Inovador O processo SINAPSE de Inovação Mercado Existente Potencial Primeiro projeto de Inovação Primeira proposta de plano de negócios Pré - incubação Empreendedores 200 Propostas 61 empresas inovadoras1174 Idéias Operação SC:2009
  • 91.  Operações já realizadas:  Piloto Grande Florianópolis - 2008  Estado de Santa Catarina – 2009  Estado de Santa Catarina – 2010 2008 2009 2010 Acessos ao Portal 7.954 51.000 53.675 Participantes Cadastrados 496 9.800 13.349 Ideias Inscritas 151 1.174 1.158 Projetos apoiados 10 61 50 TOTAL Empreendimentos 121 HISTÓRICO Em 2009 recebeu o Prêmio Nacional ANPROTEC “Melhor Programa de Empreendedorismo Inovador” Empresas criadas pelo Sinapse da Inovação 2014: 93 empresas
  • 92. Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC IESJ - São José SC-Entretenimento Florianópolis ACITA - Itapema 2007: 35 incubadoras/pré-incubadoras ITFETEP São Bento do Sul UNC CETEC Curitibanos G-TEC Rio do Sul JARAGUATEC Pré Incubadora da Unerj 2004: 30 incubadoras/pré-incubadoras CITEB Biguaçu Inc. UnivaliInc. Unifebe ACIT/INCEVALE Tijucas Base Tecnológica Unisul Software Pré-Incubadora de São Miguel Agronegócios NECTAR Informática, Biotecnologia e Alimentos TECNOVALE - do Rio do Peixe IAC – Agroindustrial de Concórdia Incubadora Virtual de Empresas da Uniplac MIDI Lages Agronegócios - Fapeu Software - Senai/CTAI Eng. Biomédica CONTESTEC - Planalto Norte Carvão Incubadora de Itá INTECH Chapecó GENE Blumenau SOFTVILLE BLUSOFT MIDIVILLE MIDISUL MIDIOESTE CELTA GENESS/FEESC MIDI Tecnológico/SEBRAE 2002: 10 incubadoras 2010: + 13 aprovadas CP 12/2009 INOVASUL Incubadora Ibirama Incubadora Luzerna Incubadora Caçador 2009: 44 incubadoras/pré-incubadoras
  • 93. Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC • Florianópolis: CELTA, GENESIS/FEESC, MIDI Tecnológico/SEBRAE • Blumenau: BLUSOFT, GENE Blumenau • Joinville: SOFTVILLE, MIDIVILLE,INOVAPARQ • Criciúma: MIDISUL • Rio do Sul: TECNOPARK • Chapecó: MIDIOESTE • OBS: Existiam outras iniciativas em fase de desenvolvimento.
  • 94. “Da Ciência ao Empreendedorismo” “Ousadia, coragem e persistência fazem parte do empreendedorismo”: Dra Betina Zanetti Ramos Tecnologia e inovação A Nanovetores é uma empresa inovadora, desenvolvedora de insumos industriais encapsulados de alta tecnologia. “Aproveitar profissionais com título de doutor... pode gerar um novo perfil de empresas no Brasil, muito mais inovadoras e que aplicam ciência e tecnologia voltadas às necessidades do mercado.” Diário Catarinense, 11 de agosto 2014
  • 95. “Empresa Catarinense é Líder em ranking de crescimento no Brasil” Empresa dos irmãos Rafael e Gabriel Bottós, Fabricante de Máquinas que utilizam tecnologia laser, instalada na incubadora do Parctec Alfa, cresceu 1525% em três anos e ganhou o topo do estudo realizado no país pela consultoria Delloite em parceria com Exame. Diário Catarinense, 16 de agosto de 2014 Das19 empresas catarinenses classificadas, 3 são da Indústria Qímica: Farben S/A, Anjo Qímica do Brasil Ltda e Ekotexquímica Ltda WELLE Tecnologia Laser LTDA.
  • 96. Inovação e Empreendedorismo em Florianópolis • 550 empresas de tecnologia • 3 Parques Tecnológicos • 6 Incubadoras de Empresas • 15 Universidades • 8 Centros de Tecnologia • 7 Complexos Empresariais para Empresas de Tecnologia • Investimentos diretos do Estado de R$ 50 milhões ao longo de 25 anos • Setor com maior arrecadação de impostos – cerca de R$ 150 milhões anuais • Mudança do perfil econômico e cultural da região
  • 97. Parque de Inovação Incubadora de EmpresasInstituto de Tecnologia Programa de Empreendedorismo Fundos de Seed e Venture Parque Tecnológico Parqtec Alfa Ecossistema Instituto de Tecnologia
  • 98. 2014 SC: trajetória estratégica da Inovação Incubadora 1986 Projeto Sapiens 2001 Parqtec Alfa 1993 CELTA 19951991 Tecnópolis 1984 CERTI 2008 Sapiens Parque 2006 Marco Zero Sapiens 1960
  • 99. Parqtec Alfa e CELTA Parque tecnológico 75 empresas de tecnologia instaladas Mais de 3.000 postos de trabalho Receitas anuais de R$ 400 milhões Incubadora celta 42 empresas incubadas e 65 graduadas Mais de 600 postos de trabalho (2500 graduadas) Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M graduadas) Parqtec Alfa e Celta
  • 101. O que é o Sapiens Parque... Parque de Inovação & Sustentabilidade Um ambiente dotado de infraestrutura e sistemas para talentos e empreendimentos capazes de gerar ideias e conhecimentos e transformá-los em novos produtos e serviços para a sociedade, promovendo o desenvolvimento sustentável sócio-econômico-ambiental da região
  • 102. Naturallium Meio Ambiente Scientia Ciência e Tecnologia Artis Arte e Cultura Gens Comunidade Sociedade Cluster de Turismo Cluster de Tecnologia Cluster de Serviços Cluster Público Governo Empresas Academia Sociedade Infraestrutur a do Parque Infraestrutur a da Região Pessoas Capital PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Centro de Convenções para Eventos, Equipamentos para esportes Jardim Botânico Energia & Clean Tech Life Sciences & Biotech TIC & Mecatrônica Economia Criativa Centros Corporativos para Serviços empresariais Saúde, Educação Unidades de pesquisa e inovação de órgãos de governo (executivo, legislativo e judiciário) Modelo Conceitual do Sapiens Melhoria do sist . viário, saneamento , Inovações em mobilidade, energia, etc Investimento público e privado Formação e Qualificação Profissional Projetos de interação c/ o entorno Museus, centros de arte, espaços de cultura 3 milhões de m2 de área verde 50 módulos para centros de P&D e UniversidadesPARQUE TURÍSTICO E COMERCIAL PARQUE TECNOLÓGICO COMPLEXO DE SERVIÇOS DE CONHECIMENTO COMPLEXO DE EMPREENDIMENTO S PÚBLICOS PROJETO SOCIAL PARQUE CIENTÍFICO PARQUE DE ARTE E CULTURA PARQUE AMBIENTAL Projeto de Infra regional Projeto de “Urban Lab” Projeto de Investimento Projeto de Qualificação e Formação Sapiens Inovação e Sustentabilidade
  • 104. Acif Kart Senai MP/SC Casarão InovaLa b Inpetr o FATMA NeoWa y Softpla n Fármaco s CERTI Vivariu m Reason ACATE Emp. Tec. LPE DesignLab Unidades de ICTs 10 mil m2 construídos 7 mil m2 em construção 14 mil m2 em fase inicial TOTAL – 31 mil m2 Investimentos – R$ 53 M Centro de Eventos Unidades Públicas 5 mil m2 construídos 15 mil m2 em construção 13 mil m2 em negociação TOTAL – 33 mil m2 Investimentos – R$ 70 M Unidades Privadas 2 mil m2 construídos 21 mil m2 em construção 48 mil m2 “vendidos” TOTAL – 71 mil m2 Investimentos – R$ 106 M Estado Atual do Sapiens Parque 135 mil m2 – R$ 229 investimentos - 6 mil pessoas
  • 105. Empreendimentos Empresariais Empreendimentos de Universidades Infra bancada pelo Sapiens em 2012 Infra bancada pelo Sapiens até 2014 Infra bancada pelo setor privado Sapiens Parque em 2014
  • 106.
  • 109. CIEnP: CI e Ensaios Pré-Clínicos
  • 112. Projetos Inovação SENAI Instituto Senai de Inovação na área de Sistemas Embarcados Escola do Futuro
  • 113. Centro de Inovação de Educação Básica Projeto da PMF para a inovação na educação básica Atividades artísticas-culturais, científicas, desportivas, informática, ciência e inovação voltadas para o desenvolvimento da comunicação, sociabilidade, raciocínio, disciplina e senso crítico para os alunos. Localização CIEB – Norte da Ilha
  • 115. UFSC no Sapiens Parque UFSC - FLORIANÓPOLIS Instituto do Petróleo, Gás e Energia Universidade Federal de Santa CatarinaUFSC - FLORIANÓPOLIS Instituto do Petróleo, Gás e Energia Universidade Federal de Santa Catarina INEP Bio☼Santa
  • 116. Smart Region - “Espaço de Intervenção”
  • 117. Referências para concepção da Smart Region
  • 118. Smart Region – Dimensões de Pesquisa Macro Conceitual Sistêmico Urbanístico & Arquitetônico Infraestrutura e Engenharia Comando e Controle Ambiental e Biodiversidade Energia Sustentável
  • 119. Smart Region – “Exemplo de Projetos” 5 2 3 8 9 6 4 1 10 7 5 2 3 7 9 6 4 1 10 9 SC 401 Centro Eventos Sapiens Parque SC 403 Elevado Canasvieiras Perimetral Leste Equipamentos Sociais Drenagem/Saneam. Balneabilidade Sarah Kubitschek
  • 120. 1. Educação, C&T&I para o desenvolvimento econômico, social e ambiental 2. Política de desenvolvimento sustentável, mecanismos e ambientes do Ecossistema de Inovação em Santa Catarina 3. Exemplo de territórios inovadores: valorização do carvão mineral no Estado de Santa Catarina Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental pela Educação, C&T&I
  • 121. ANÁLISE PRELIMINAR DE ALTERNATIVAS PARA A VALORIZAÇÃO DO CARVÃO MINERAL NO ESTADO DE SANTA CATARINA Setembro de 2003 Territórios Inovadores - Exemplo
  • 122. Da exploração à valorização do carvão mineral catarinense Orientação Estratégica: Resumo do Documento
  • 123. Definição do ProblemaIndústria Carboquímica Pirólise e Gaseificação Geração Termelétrica Uso de Resíduos e Gestão Ambiental
  • 124. EXEMPLO USITESC – 440 MW Treviso/SC Tecnologia: Leito Fluidizado Circulante (CFB). Combustível: 70% de carvão ROM (bruto) e 30% de rejeitos já existentes, produzidos por beneficiamentos anteriores, resultando na diminuição do passivo ambiental. Geração Termelétrica
  • 125. USITESC - Projeto – 440 MW Termelétrica USITESC Criciúma Carvão-ROM Metropolitana Carvão- ROM Produção de rejeitos Rejeitos Existentes Cinzas Uso Industrial Uso Agricultura Recuperação ambiental Produção de Fertilizante Amônia Sulfato de Amônia (Fertilizante) Calcário Distribuição Fertilizante Disposição ENERGIA Água Investimento: 654 USD milhões Empregos: Diretos – 860 / Indiretos (FGV) – 5.000 307 mil (t/ano) 148 mil(t/ano) 2,4 milhões (t/ano)
  • 127. Situação Atual A totalidade do coque destinado às usinas siderúrgicas nacionais é produzida a partir do carvão metalúrgico importado. No Brasil se produz apenas pequena quantidade de coque em fornos do tipo colméia (Beehive Ovens). Não existem centrais de gaseificação em Santa Catarina. Pirólise e Gaseificação
  • 128. Oportunidades e Perspectivas  Implantação de usinas de gaseificação do carvão.  Implantação de coquerias modernas com base em fornos de câmara.  Otimização do aproveitamento dos sub-produtos da coqueificação e da gaseificação. Pirólise e Gaseificação
  • 130. Situação Atual Não existe indústria carboquímica em Santa Catarina. No Brasil, a produção anual de alcatrão provém do processamento do carvão metalúrgico importado. Indústria Carboquímica
  • 131. Oportunidades e Perspectivas  Implantação de modernas plantas carboquímicas para produção de insumos químicos de alto valor agregado a partir de sub-produtos da pirólise e gaseificação. Indústria Carboquímica
  • 132.  Produção de fertilizantes a partir do sulfato de amônio.  Obtenção de produtos a partir de outros processos primários de transformação do carvão mineral. Indústria Carboquímica Oportunidades e Perspectivas
  • 133. Indústria Carboquímica Catarinense - ICC 1979 a 1992 Indústria Carboquímica
  • 134. Conceito Carvão de SC com elevado teor de enxofre - pirita - FeS2 Brasil importador de enxofre e fertilizante Disponibilidade de rocha fosfática em Anitápolis Imbituba : porto melhor localizado De 1934 a 1965 – estudos de viabilidade De 1965 a 1979 – implantação do projeto de produção de ácido sulfúrico e fosfórico Indústria Carboquímica
  • 135. Resultados  Em 13 anos de operação consumiu 2,3 milhões de toneladas de pirita  Em 1985 e 88 atingiu a 15 % da demanda brasileira de ácido fosfórico  Não implantação da mina de fosfato em Anitápolis, alto custo de produção, baixo preço de fertilizante no mercado externo  Politica do Governo Collor de privatização, em 1992 encerrou as atividades produtivas. Indústria Carboquímica
  • 136. Uso de Resíduos e Gestão Ambiental
  • 137. Situação Atual O impacto ambiental causado pela carga poluidora dos resíduos do carvão inseriu a região sul como uma das 14 áreas críticas de poluição do país, conforme Decreto Federal nº 85.206, de 25/09/1980. Uso de Resíduos e Gestão Ambiental
  • 138. Resíduos do carvão, que poderiam substituir a matéria-prima importada, são considerados lixos e lançados, ao meio ambiente, provocando danos incalculáveis. Uso de Resíduos e Gestão Ambiental Situação Atual
  • 139. Valiosos elementos químicos e componentes geológicos, associados à camada de carvão, ainda não foram profundamente pesquisados. Uso de Resíduos e Gestão Ambiental Situação Atual
  • 140. Oportunidades e Perspectivas  Aproveitamento de resíduos para a geração de atividades econômicas associadas à valorização do carvão.  Recuperação da bacia hidrográfica regional.  Utilização de resíduos para correção do solo. Uso de Resíduos e Gestão Ambiental
  • 141. Gestão Ambiental Uso e Valorização do Carvão Carvão ROM (Run of Mine) Centrais de Gaseificação e Coqueificação Gás Combustível Gasoduto Eng. Térmica e Elétrica Coque Metalurgia Ferro e Aço Alcatrão Carboquímica Insumos Químicos Sulfato de Amônio Fertilizantes Agricultura Cinzas Cimento Construção Civil Recuperação Ambiental (...)
  • 142. Gestão Ambiental Carvão ROM (Run of Mine) Usina Termelétrica Rede Elétrica Energia Elétrica Empresas Vapor de Cogeração Fertilizantes Sulfato de Amônio Cimento Cinzas Recuperação Ambiental (...) Ind. Têxtil Alimentícia Papel e Celulose... Construção Civil Agricultura Uso e Valorização do Carvão
  • 143. Produtos da Gestão Ambiental Tratamento de Água Fracionamento de Rejeitos Água Tratamento do Lodo Enxofre Produtos Produtos Finais (Sensores de Luz, LED, medicamentos, rações, etc. Química Mineral (Ind. Carboquímica) Elementos
  • 144. Chamada Pública 005/2008 - Valorização do Carvão Mineral Catarinense Visa apoiar programas e projetos estratégicos de pesquisa científica, que visem o desenvolvimento sustentável, tecnológico e de inovação tecnológica do setor de mineração do carvão no Estado. Linhas de Apoio – R$ 3,2 milhões (3 anos)  Linha I - Instalação de centros de excelência e difusão de pesquisa, tecnologia e inovação R$ 2.500.000,00  Linha II - projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável, tecnológico e de inovação tecnológica do setor R$ 700.000,00. Pesquisa Científica e Tecnológica
  • 145. Resultados Seis projetos selecionados:  Centro Tecnológico de Carvão Limpo - SATC  Estudo da atividade catalítica - UNISUL  Fitorremediação e monitoramento de áreas degradadas - UNESC  Inertização das cinzas - UNESC  Desenvolvimento de novos materiais a partir da cinza - UFSC  Tratamento conjunto de drenagem ácida e esgoto doméstico - SATC Recursos liberados em 2008: R$ 1.062.000,00 Chamada Pública 005/2008 - Valorização do Carvão Mineral Catarinense Pesquisa Científica e Tecnológica
  • 146. Centro Tecnológico de Carvão Limpo CTCL Criciúma - Santa Catarina Energia Brasileira: Precisamos rever Conceitos “Usinas térmicas não são caras... As térmicas a carvão nacional não têm subsídio, mantêm um custo de combustível e um custo operacional de cerca de 10% do custo de uma térmica a óleo combustível” Fernandodo Luiz Zancan Pres. AB de Carvão Mineral Diário Catarinense, 12 de agosto de 2014
  • 147. Diomário Queiroz Palestra disponível em: diomarioq@terra.com.br Obrigado!