SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA
IMAGINOLOGIA
Docente: Thassiany Sarmento
Faculdade Mauricio de Nassau – FMN
Curso de Radiologia
Componente curricular: Imaginologia
REFLEXÕES INICIAIS
• Imaginologia: derivado do latim imago;
• Conjunto de métodos que usa a imagem como
meio de diagnóstico, para atuar no campo de
Diagnóstico por Imagem;
• Compreende técnicas de prevenção, como a
ultrassonografia e análise morfológica e
funcional de diversos órgãos e tecidos
humanos, como é o caso dos estudos por
meio da Ressonância Magnética.
3
RETROSPECTIVA HISTÓRICA
• 8 de Novembro de 1895: Wilhelm Conrad
Roentgen “descobre”, por acaso, os Raios X.
• 22 de Dezembro de 1895: primeira chapa
radiográfica.
• Nota oficial da descoberta: 23 de Janeiro de 1896.
• 1º Físico a Receber o Nobel, em 1901.
4
PRIMEIRAS RADIOGRAFIAS
5
INFLUÊNCIAS DE ROENTGEN
• Fevereiro de 1896: em experiências para
verificar se substâncias fluorescentes emitiam
raios X, Becquerel descobre a
Radioatividade, por “acaso”.
• Amostra utilizada: sais de Urânio e Urânio
metálico.
• Nobel em 1903.
6
BECQUEREL E SUA IMPRESSÃO
7
O CASAL CURIE
• Em 1898, Pierre e Marie Curie anunciam a descoberta do Polônio e
do Rádio, respectivamente.
• Vistos com reservas pela academia científica, após 4 anos de árduo
trabalho obtiveram 1 DECIGRAMA de Rádio, e determinam sua
massa atômica: 226.
• A ação sobre o CÂNCER foi testada por Pierre e os Professores
Charles Bouchard e Balthasard.
• Em 1911 Marie recebe o 2º Nobel! desta vez de Química. Morre em
1934, de Câncer.
• Sua filha lrène Curie e seu marido, Fréderic Joliot, recebem o Nobel
de Química em 1935 pela criação de novos elementos radioativos
(artificiais).
8
O CASAL CURIE
9
A RADIOPROTEÇÃO
As Radiações podem ser perigosas e
provocar danos à saúde das pessoas. Sendo
assim, seu uso deve ser justificado, em áreas
distintas nas quais outras tecnologias não
possam cumprir o papel desejado. Além de
tudo, lidar com elas implica na tomada de todos
os cuidados e precauções necessários ao uso de
toda e qualquer radiação ionizante.
10
ACIDENTES E VÍTIMAS
11
CHERNOBYL
12
APLICAÇÕES:GERAÇÃO DE ENERGIA
• Energia é e tende a continuar sendo um
problema grave a ser resolvido no século XXI.
• Haverá um esgotamento de fontes
importantíssimas como o petróleo, o carvão
mineral, o gás natural e do potencial hidrelétrico.
Os preços tendem a subir muito!
• A Energia Nuclear não poderá ser descartada. Na
França, por exemplo, ela é responsável pela
maior parte da geração de eletricidade.
13
ANGRA I E ANGRA II
14
APLICAÇÕES: RADIOGRAFIAS
INDUSTRIAIS
• Aplicado na indústria
naval, nuclear, aeroespacial entre outras;
• Essa técnica se mostra como um poderoso
Ensaio Não Destrutivo para examinar o
interior de materiais lacrados;
• Medida de espessura de materiais;
• Pode-se utilizar os raios X ou radiação gama.
• Seu princípio básico é semelhante à
radiografia diagnóstica.
15
APLICAÇÕES: MEDICINA NUCLEAR
• Vários radioisótopos diferentes são utilizados em
modernas técnicas de diagnósticos por imagens.
• Dentre estes, merece destaque o Tecnécio, que ligado a
várias drogas cujo metabolismo é bem conhecido, gera
diferentes tipos de imagens.
• Assim, pode-se fazer exames de
coração, rins, pulmão, etc.
• Para tanto é necessário uma câmara de
cintilação, associada a uma poderosa eletrônica para
processamento dos dados e geração da imagem
propriamente.
16
A CÂMARA DE CINTILAÇÃO
17
APLICAÇÕES: EXTERMÍNIO DE MOSCAS
• A mosca do sono, conhecida como Tsé-Tsé, transmite um
microorganismo , Tripanossoma. Infectados: cerca de 2 milhões .
• Irradiando as moscas: operação de alto custo para controle desta
praga.
– Os espermatozóides dos machos, por se dividirem continuamente, são
particularmente sensíveis à radiação. Assim, os machos permanecem
vivos, porém estéreis.
– Ao se acasalarem, não gerarão descendentes.
– A fêmea da espécie só se acasala uma vez em toda a vida.
– Esta técnica já demonstrou resultados positivos em Zamzibar – África, e
também no controle de uma praga que assolava o rebanho de ovelhas
na Líbia.
ESTERILIZAÇÃO
• Radiações suficientemente energéticas podem
destruir bactérias;
• Desvantagem: mudança na estrutura de
alguns plásticos, tornando-os quebradiços;
• Vantagem: sem aplicação de calor;
• Cobalto-60.
19 Professor Rodrigo Penna
PRODUTOS IRRADIADOS
20
APLICAÇÕES: IRRADIAÇÃO DE ALIMENTOS
• Apenas um ano após a descoberta dos raios X, já
em 1896, Minck estudava os efeitos bactericidas
desta radiação.
• Em 1905 há a primeira proposta documentada do
uso da radiação para a conservação de alimentos:
uma patente inglesa registrada por Appleby e
Banks.
• Já é usada, até há bastante tempo, pelas forças
armadas e inclusive pela NASA para enviar
alimentos para astronautas em pleno espaço.
21 Professor Rodrigo Penna
INIBIÇÃO DA MATURAÇÃO
22
APLICAÇÕES: DATAÇÃO POR CARBONO-14
• A grande maioria dos átomos do elemento químico
Carbono são de massa atômica A = 12. .
• Os Raios Cósmicos, constituídos essencialmente por
prótons de alta energia, ao atingirem a atmosfera
terrestre, provocam uma reação nuclear que produz
continuamente o radioisótopo Carbono-14. .
• O Carbono-14 se incorpora ao ciclo da vida e sua taxa nos
organismos vivos está em equilíbrio com a taxa no meio
ambiente.
• Ao morrer, um organismo para de incorporar este
elemento e como o seu decaimento é conhecido, é
possível calcular a idade dos fósseis ou outros achados
arqueológicos.
C12
6
23 Professor Rodrigo Penna
Mesosaurus brasiliensis
Cerca de 250mil anos
24
APLICAÇÕES: DETECÇÃO DE FUGAS EM
TUBULAÇÕES
• Encanamentos e tubulações enterradas ou submersas
podem apresentar vazamentos, apesar de todas as
precauções que são tomadas nestes casos, como
qualquer outros.
• Obviamente grandes despesas e esforços seriam
empregados para descobrir tais vazamentos, além de
um trabalho inútil que seria o de cavar num local onde a
tubulação estivesse perfeita.
• Para este tipo de detecção, são usados traçadores
radioativos. Com detectores portáteis, o vazamento é
então descoberto.
• No caso de solos, eles precisam ser descontaminados
após a detecção.
25
APLICAÇÕES: ESTUDO DE POLUIÇÃO DO AR
• MÉTODO PIXE: a amostra coletada é irradiada
com prótons ou partículas alfa.
– Os prótons ou partículas alfa arrancam elétrons das
camadas mais internas;
– Elétrons das camadas mais externas saltam para os
espaços vazios, emitindo RX específicos
característicos de cada material;
– A detecção e analise desses RX forneceram
informações sobre a qualidade do ar.
26
APLICAÇÕES: RADIOTERAPIA
• Conforme já vimos, desde praticamente a descoberta das
radiações, foram e vêm sendo feitos diversos tratamentos
para vários tipos de Câncer utilizando radiações.
• Neste caso, as radiações podem ser Raios X ou Radiação .
Existem também tratamentos com prótons e nêutrons.
• O tratamento pode ser feito com modernos aceleradores ou
bombas de radioisótopos, notadamente o Cobalto-60.
• Em BH, a Santa Casa de Misericórdia é tido como o Hospital
mais bem aparelhado para estes tratamentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanogrtalves
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019FLAVIO LOBATO
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaHamilton Nobrega
 
Apostila física radiológica
Apostila   física radiológicaApostila   física radiológica
Apostila física radiológicaRicardo Daniel
 
Raio X
Raio XRaio X
Raio Xtaynaz
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemPollyanna Medeiros
 
Historia da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoliHistoria da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoliLeonardo Flor
 
Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Edna Souza
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xMeiry Vieira
 

Mais procurados (20)

Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIAURGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIAINTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
 
Apostila física radiológica
Apostila   física radiológicaApostila   física radiológica
Apostila física radiológica
 
Aula radioproteção
Aula radioproteçãoAula radioproteção
Aula radioproteção
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Raio X
Raio XRaio X
Raio X
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
Historia da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoliHistoria da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoli
 
Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Meios de contraste 2
Meios de contraste 2
 
A descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-xA descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-x
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
 

Destaque

Doppler carotideo
 Doppler carotideo Doppler carotideo
Doppler carotideorenanbqc
 
Exames de imagem na infertilidade masculina
Exames de imagem na infertilidade masculinaExames de imagem na infertilidade masculina
Exames de imagem na infertilidade masculinaSandro Esteves
 
Doppler principios
Doppler principiosDoppler principios
Doppler principiosIared
 
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoEcocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoDr. Rafael Higashi
 
Efeito doppler e ondas em
Efeito doppler e ondas emEfeito doppler e ondas em
Efeito doppler e ondas emRodrigo Araujo
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaradiomed
 
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaDalvânia Santos
 
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Germano Correia
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Marcella Reis Goulart
 
Fisica 02 - Ondas Sonoras
Fisica 02 - Ondas SonorasFisica 02 - Ondas Sonoras
Fisica 02 - Ondas SonorasWalmor Godoi
 
Us doppler de carótidas
Us doppler de carótidasUs doppler de carótidas
Us doppler de carótidasIared
 
Indicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisIndicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisCibele Carvalho
 

Destaque (20)

Doppler fisica
Doppler fisicaDoppler fisica
Doppler fisica
 
Doppler carotideo
 Doppler carotideo Doppler carotideo
Doppler carotideo
 
NAV DOPPLER
NAV DOPPLERNAV DOPPLER
NAV DOPPLER
 
Exames de imagem na infertilidade masculina
Exames de imagem na infertilidade masculinaExames de imagem na infertilidade masculina
Exames de imagem na infertilidade masculina
 
Doppler principios
Doppler principiosDoppler principios
Doppler principios
 
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoEcocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
 
Efeito doppler e ondas em
Efeito doppler e ondas emEfeito doppler e ondas em
Efeito doppler e ondas em
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologia
 
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
 
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
 
Efeito doppler
Efeito dopplerEfeito doppler
Efeito doppler
 
26 ondas sonoras
26  ondas sonoras26  ondas sonoras
26 ondas sonoras
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Fisica 02 - Ondas Sonoras
Fisica 02 - Ondas SonorasFisica 02 - Ondas Sonoras
Fisica 02 - Ondas Sonoras
 
Us doppler de carótidas
Us doppler de carótidasUs doppler de carótidas
Us doppler de carótidas
 
Tumores anexiais
Tumores anexiaisTumores anexiais
Tumores anexiais
 
Efeito Doppler © Slideshow by Jair LP
Efeito Doppler © Slideshow by Jair LPEfeito Doppler © Slideshow by Jair LP
Efeito Doppler © Slideshow by Jair LP
 
Indicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisIndicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animais
 
Imaginologia
ImaginologiaImaginologia
Imaginologia
 

Semelhante a Introdução à Imaginologia

Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoene...
Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoene...Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoene...
Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoene...Rodrigo Penna
 
Trabalho de história 2.pptx
Trabalho de história 2.pptxTrabalho de história 2.pptx
Trabalho de história 2.pptxLuisa586693
 
História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aulaDouglas Henrique
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteMagno Cavalheiro
 
Aula 23 radiografia industrial
Aula 23   radiografia industrialAula 23   radiografia industrial
Aula 23 radiografia industrialRenaldo Adriano
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAna Clara Raft
 
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorial
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorialSegunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorial
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorialMafalda Cardeira
 
Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212Cakage
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividadeElyda Santos
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAyrttonAnacleto3
 

Semelhante a Introdução à Imaginologia (20)

Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoene...
Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoene...Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoene...
Aplicações das radiações - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoene...
 
Trabalho de história 2.pptx
Trabalho de história 2.pptxTrabalho de história 2.pptx
Trabalho de história 2.pptx
 
História da radiologia
História da radiologiaHistória da radiologia
História da radiologia
 
Radiação fisica
Radiação fisicaRadiação fisica
Radiação fisica
 
aula anatomia radiologica
aula anatomia radiologicaaula anatomia radiologica
aula anatomia radiologica
 
História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aula
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizante
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Daniel Radiacao
Daniel RadiacaoDaniel Radiacao
Daniel Radiacao
 
Radiografias
RadiografiasRadiografias
Radiografias
 
RADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADERADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADE
 
Aula 23 radiografia industrial
Aula 23   radiografia industrialAula 23   radiografia industrial
Aula 23 radiografia industrial
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividade
 
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorial
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorialSegunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorial
Segunda aula de introdução aos métodos de exame e análise laboratorial
 
Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212
 
Histórico da radiação
Histórico da radiaçãoHistórico da radiação
Histórico da radiação
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
 
Fontes naturais de radiação ionizante
Fontes naturais de radiação ionizanteFontes naturais de radiação ionizante
Fontes naturais de radiação ionizante
 

Mais de Thassiany Sarmento

INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIA
INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIAINTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIA
INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIAThassiany Sarmento
 
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADES
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADESANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADES
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADESThassiany Sarmento
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialThassiany Sarmento
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea HumanaIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea HumanaThassiany Sarmento
 
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTECONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTEThassiany Sarmento
 

Mais de Thassiany Sarmento (6)

INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIA
INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIAINTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIA
INTERAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS COM A MATÉRIA
 
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADES
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADESANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADES
ANATOMIA PEDIÁTRICA: PARTICULARIDADES
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea HumanaIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTECONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
CONCEITOS DE RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO IONIZANTE
 

Introdução à Imaginologia

  • 1. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGINOLOGIA Docente: Thassiany Sarmento Faculdade Mauricio de Nassau – FMN Curso de Radiologia Componente curricular: Imaginologia
  • 2. REFLEXÕES INICIAIS • Imaginologia: derivado do latim imago; • Conjunto de métodos que usa a imagem como meio de diagnóstico, para atuar no campo de Diagnóstico por Imagem; • Compreende técnicas de prevenção, como a ultrassonografia e análise morfológica e funcional de diversos órgãos e tecidos humanos, como é o caso dos estudos por meio da Ressonância Magnética.
  • 3. 3 RETROSPECTIVA HISTÓRICA • 8 de Novembro de 1895: Wilhelm Conrad Roentgen “descobre”, por acaso, os Raios X. • 22 de Dezembro de 1895: primeira chapa radiográfica. • Nota oficial da descoberta: 23 de Janeiro de 1896. • 1º Físico a Receber o Nobel, em 1901.
  • 5. 5 INFLUÊNCIAS DE ROENTGEN • Fevereiro de 1896: em experiências para verificar se substâncias fluorescentes emitiam raios X, Becquerel descobre a Radioatividade, por “acaso”. • Amostra utilizada: sais de Urânio e Urânio metálico. • Nobel em 1903.
  • 6. 6 BECQUEREL E SUA IMPRESSÃO
  • 7. 7 O CASAL CURIE • Em 1898, Pierre e Marie Curie anunciam a descoberta do Polônio e do Rádio, respectivamente. • Vistos com reservas pela academia científica, após 4 anos de árduo trabalho obtiveram 1 DECIGRAMA de Rádio, e determinam sua massa atômica: 226. • A ação sobre o CÂNCER foi testada por Pierre e os Professores Charles Bouchard e Balthasard. • Em 1911 Marie recebe o 2º Nobel! desta vez de Química. Morre em 1934, de Câncer. • Sua filha lrène Curie e seu marido, Fréderic Joliot, recebem o Nobel de Química em 1935 pela criação de novos elementos radioativos (artificiais).
  • 9. 9 A RADIOPROTEÇÃO As Radiações podem ser perigosas e provocar danos à saúde das pessoas. Sendo assim, seu uso deve ser justificado, em áreas distintas nas quais outras tecnologias não possam cumprir o papel desejado. Além de tudo, lidar com elas implica na tomada de todos os cuidados e precauções necessários ao uso de toda e qualquer radiação ionizante.
  • 12. 12 APLICAÇÕES:GERAÇÃO DE ENERGIA • Energia é e tende a continuar sendo um problema grave a ser resolvido no século XXI. • Haverá um esgotamento de fontes importantíssimas como o petróleo, o carvão mineral, o gás natural e do potencial hidrelétrico. Os preços tendem a subir muito! • A Energia Nuclear não poderá ser descartada. Na França, por exemplo, ela é responsável pela maior parte da geração de eletricidade.
  • 13. 13 ANGRA I E ANGRA II
  • 14. 14 APLICAÇÕES: RADIOGRAFIAS INDUSTRIAIS • Aplicado na indústria naval, nuclear, aeroespacial entre outras; • Essa técnica se mostra como um poderoso Ensaio Não Destrutivo para examinar o interior de materiais lacrados; • Medida de espessura de materiais; • Pode-se utilizar os raios X ou radiação gama. • Seu princípio básico é semelhante à radiografia diagnóstica.
  • 15. 15 APLICAÇÕES: MEDICINA NUCLEAR • Vários radioisótopos diferentes são utilizados em modernas técnicas de diagnósticos por imagens. • Dentre estes, merece destaque o Tecnécio, que ligado a várias drogas cujo metabolismo é bem conhecido, gera diferentes tipos de imagens. • Assim, pode-se fazer exames de coração, rins, pulmão, etc. • Para tanto é necessário uma câmara de cintilação, associada a uma poderosa eletrônica para processamento dos dados e geração da imagem propriamente.
  • 16. 16 A CÂMARA DE CINTILAÇÃO
  • 17. 17 APLICAÇÕES: EXTERMÍNIO DE MOSCAS • A mosca do sono, conhecida como Tsé-Tsé, transmite um microorganismo , Tripanossoma. Infectados: cerca de 2 milhões . • Irradiando as moscas: operação de alto custo para controle desta praga. – Os espermatozóides dos machos, por se dividirem continuamente, são particularmente sensíveis à radiação. Assim, os machos permanecem vivos, porém estéreis. – Ao se acasalarem, não gerarão descendentes. – A fêmea da espécie só se acasala uma vez em toda a vida. – Esta técnica já demonstrou resultados positivos em Zamzibar – África, e também no controle de uma praga que assolava o rebanho de ovelhas na Líbia.
  • 18. ESTERILIZAÇÃO • Radiações suficientemente energéticas podem destruir bactérias; • Desvantagem: mudança na estrutura de alguns plásticos, tornando-os quebradiços; • Vantagem: sem aplicação de calor; • Cobalto-60.
  • 19. 19 Professor Rodrigo Penna PRODUTOS IRRADIADOS
  • 20. 20 APLICAÇÕES: IRRADIAÇÃO DE ALIMENTOS • Apenas um ano após a descoberta dos raios X, já em 1896, Minck estudava os efeitos bactericidas desta radiação. • Em 1905 há a primeira proposta documentada do uso da radiação para a conservação de alimentos: uma patente inglesa registrada por Appleby e Banks. • Já é usada, até há bastante tempo, pelas forças armadas e inclusive pela NASA para enviar alimentos para astronautas em pleno espaço.
  • 21. 21 Professor Rodrigo Penna INIBIÇÃO DA MATURAÇÃO
  • 22. 22 APLICAÇÕES: DATAÇÃO POR CARBONO-14 • A grande maioria dos átomos do elemento químico Carbono são de massa atômica A = 12. . • Os Raios Cósmicos, constituídos essencialmente por prótons de alta energia, ao atingirem a atmosfera terrestre, provocam uma reação nuclear que produz continuamente o radioisótopo Carbono-14. . • O Carbono-14 se incorpora ao ciclo da vida e sua taxa nos organismos vivos está em equilíbrio com a taxa no meio ambiente. • Ao morrer, um organismo para de incorporar este elemento e como o seu decaimento é conhecido, é possível calcular a idade dos fósseis ou outros achados arqueológicos. C12 6
  • 23. 23 Professor Rodrigo Penna Mesosaurus brasiliensis Cerca de 250mil anos
  • 24. 24 APLICAÇÕES: DETECÇÃO DE FUGAS EM TUBULAÇÕES • Encanamentos e tubulações enterradas ou submersas podem apresentar vazamentos, apesar de todas as precauções que são tomadas nestes casos, como qualquer outros. • Obviamente grandes despesas e esforços seriam empregados para descobrir tais vazamentos, além de um trabalho inútil que seria o de cavar num local onde a tubulação estivesse perfeita. • Para este tipo de detecção, são usados traçadores radioativos. Com detectores portáteis, o vazamento é então descoberto. • No caso de solos, eles precisam ser descontaminados após a detecção.
  • 25. 25 APLICAÇÕES: ESTUDO DE POLUIÇÃO DO AR • MÉTODO PIXE: a amostra coletada é irradiada com prótons ou partículas alfa. – Os prótons ou partículas alfa arrancam elétrons das camadas mais internas; – Elétrons das camadas mais externas saltam para os espaços vazios, emitindo RX específicos característicos de cada material; – A detecção e analise desses RX forneceram informações sobre a qualidade do ar.
  • 26. 26 APLICAÇÕES: RADIOTERAPIA • Conforme já vimos, desde praticamente a descoberta das radiações, foram e vêm sendo feitos diversos tratamentos para vários tipos de Câncer utilizando radiações. • Neste caso, as radiações podem ser Raios X ou Radiação . Existem também tratamentos com prótons e nêutrons. • O tratamento pode ser feito com modernos aceleradores ou bombas de radioisótopos, notadamente o Cobalto-60. • Em BH, a Santa Casa de Misericórdia é tido como o Hospital mais bem aparelhado para estes tratamentos.