SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
Baixar para ler offline
MEIOS DE CONTRASTE: TC E RM
Prof.Herculys Douglas
COMPLETE A FRASE.
PÓS-TÉCNICO EM TC & RM
PÓS-TÉCNICO EM TC & RM
PÓS-TÉCNICO EM TC & RM
CONTRASTE RADIOLÓGICO
• Distancia entre o branco
e preto.
• Tons de cinza
• Qualidade da imagem
PÓS-TÉCNICO EM TC & RM
• Definição das imagens
• Qualidade da informação
morfológica
• Diferenciação de estruturas
anatômicas e/ou
patológicas.
MEIOS DE CONTRASTE
• Raios-X
• TC
• Hemodinâmica
• RM
MEIOS DE CONTRASTE
MEIOS DE CONTRASTE
TC X RM
TC X RM
• Baixa toxicidade
• Fácil administração
• Fácil eliminação
• Fornecer contraste
adequado.
MEIOS DE CONTRASTE
• Elemento da solução:
• Iodo
• Gadolínio
MEIOS DE CONTRASTE
• Substâncias hidrossolúveis
(iodado e gadolínio)
• Substâncias lipossolúveis
• Substâncias insolúveis
SOLUBILIDADE
• Via oral
• Via parental (endovenosa,
arterial, etc).
• Endocavitária (reto e
uretra).
• Intratecal e intra-ar9cular.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
• Sulfato de bário (BaSO4).
• Meios de contraste iodado:
iônico e não iônico.
• Gadolínio-DTPA
MEIOS DE CONTRASTE
A estrutura básica dos MC iodados é formada por um anel
benzênico+iodo+grupamentos complementares.
Podem ser monômeros ou dímeros.
Os agentes iônicos e não iônicos têm iodo.
M.C IODADO
M.C IODADO
• Existem quatro classes de substâncias:
– Monômeros iônicos
– Dímeros iônicos
– Monômeros não iônicos
– Dímeros não iônicos.
• Os monômeros iônicos dissociando-se em
par=culas em solução, podem ser classificados
como MC com relação igual a 1,5.
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
• O não iônico monomérico apresenta uma
relação 3, e o iônico dimérico também
apresenta relação 3.
• Mais recentemente, surgiram os não iônicos
diméricos, pra:camente isotônicos, que
apresentam razão 6.
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
• DENSIDADE (g/ml)
• VISCOSIDADE:
– “Força” necessária para injetar.
– Aumenta geometricamente com a concentração e
com o peso molecular.
– Não-iônicos diméricos> não-iônicos monoméricos.
– É menor quanto maior for a temperatura.
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
• OSMOLALIDADE:
– Nº de par1culas/unidade de volume (mosm/Kg de
água).
– Iônico> não-iônico
– Quanto maior osmolalidade, maior vasodilatação.
– Quanto maior a densidade e a viscosidade, maior será
a dificuldade do MC de se misturar ao plasma e aos
fluidos corporais.
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
UNIDADE INJETORA NA TC
• DELAY= Tempo de espera entre o início da injeção
e a aquisição dos cortes.
• DELAY= Tempo de infusão+Tempo de contraste-
Tempo de aquisição.
• Tempo do contraste:
– Aorta ascendente: 16 +- 2s
– Aorta descendente: 18 +- 2s
– Crânio: 20 +- 2s
UNIDADE INJETORA NA TC
• EFEITO NA VISCOSIDADE SANGUÍNEA:
– Viscosidade da fase suspensa
– Tamanho das células
– Modificação na morfologia das células.
– Capacidade de formar agregado de hemácias, induzidas por
proteínas plasmáKcas.
– Os contrastes iônicos podem aumentar a osmolaridade
plasmáKca em até 6 vezes, provocando desidratação
intracelular.
M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
• EFEITOS NA COAGULAÇÃO:
– Os agentes alteram a coagulação, especialmente através
da inibição da polimeração da fibrina e da agregação
plaquetária.
– Os agentes não iônicos têm menor efeito adverso na
coagulação.
– O efeito anMcoagulante observado com meios iônicos
em angiografia ou angioplasMa coronária é curto.
– Cateteres e seringas têm importante efeito
procoagulante.
M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
• EFEITO NA FUNÇÃO CARDIOVASCULAR:
– Agentes não iônicos estão relacionados a menor
efeito advers0, possivelmente apresentando efeito
inotrópico posiGvo.
– Os agentes de contraste determinam efeitos
adversos no sistema cardiovascular através de:
• Efeito central no coração;
• Efeito periférico.
M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
• EFEITO NA FUNÇÃO PULMONAR:
– A administração EV de contraste provoca
broncoespasmo subclínico.
– Aumentam a permeabilidade vascular.
M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
• EFEITO NA FUNÇÃO RENAL:
– Os rins excretam, por filtração glomerular, 99% dos
agentes de contraste hidrossolúvel.
– A administração de contraste produz vacuolização do
citoplasma das células tubulares proximais renais
(nefrose osmóNca).
– O fator químico é mais importante na agressão do que
a osmolalidade.
– Os mecanismos da ins renal induzida pelos MC não
são completamente conhecidos.
M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
GADOLÍNIO (Gd)
• Elemento químico
metálico, maleável e
estrutura cristalina.
• Aspecto semelhante ao
aço.
• Tóxico
• Johan Gadolin
GADOLÍNIO (Gd)
Clorofila-absorção de fótons
de luz, é um quelato de Mg.
Hemoglobina-transporte de
O2 é um quelato de ferro.
QUELANTES
• “Sequestrantes de
materiais ou substância “.
• Evita a absorção
• Excreção renal
• Acidente de Goiânia-Azul
da Prússia.
QUELANTES
QUEM CHUPA O VENENO DA
COBRA?
QUEM CHUPA O VENENO DA
COBRA? QUELANTE!
INTOXICAÇÃO POR CHUMBO?
INTOXICAÇÃO POR CHUMBO?
QUELANTE!
• GADOLÍNIO+DIETILENOTRI
AMINA PENTA-ACÉTICO.
• Excreção renal
• União quase perfeita
• Gadolínio DTPA
GADOLÍNIO + QUELANTE
• Redução do tempo de
relaxamento T1.
• Doses baixas-0,1 a 0,2
mmol/Kg
• Baixa viscosidade
• Excreção entre 1,3 e 4 h.
GADOLÍNIO + DTPA
EXEMPLOS
PRIMOVIST-FASE HEPATOBILIAR
ARTRO-RM
FERIDEX-T2
INJETORA NA RM
SEQUÊNCIAS T1 PRÉ E PÓS-Gd
GADOLÍNIO-DTPA
GADOLÍNIO-DTPA
• Efeito nocivo ou indesejado
• Grau de severidade
• Tempo decorrido
• Reação anafilactóides e
quimiotóxicas.
REAÇÕES ADVERSAS
• Reações leves
• Reações moderadas
• Reações graves
GRAU DE SEVERIDADE
QUANTO AO TEMPO DECORRIDO
• Agudas ou imediatas (entre
5 e 20 min).
• Tardia (após o paciente
deixar o serviço de
radiologia).
FATORES DE RISCO
• Idade
• Medicamentos
• Alérgicos
• Doenças subjacentes
• Insuficiência renal
• Desidratação
• Lactante
• Insuficiência renal
dialí0ca.
• Realizar hemodiálise no
mesmo dia que injetar o
meio de contraste.
• Processo de filtração do
sangue de uma forma
ar0ficial.
HEMODIÁLISE
TRATAMENTO DAS REAÇÕES ADVERSAS
• Vaso(neuro)-vagal
• Estabilizar condições
psicológicas
• Estar preparado para iniciar
medidas terapêu=cas
• Cor=cóides e an=-
histamínicos
(hidrocor=sona).
KIT DE REAÇÃO ALÉRGICA
RISCO DA INJETORA
• Extravassamento
• Evitar o uso de veia da mão, pé, tornozelo e acesso
venoso central.
• Não usar scalp (bu;erfly).
EM CASO DE EXTRAVASAMENTO
• Elevar a extremidade afetada para cima.
• Gelo por 15 a 30 min.
• Observação de 1 a 4 h.
• Informar o médico radiologista
DIFERENÇA DO CONTRASTE DA RM E TC
• Viscosidade
• Osmolaridade e osmolalidade
• Quan1dade
• Índices de reações adversas
PRINCIPAL DÚVIDA DOS CLIENTES
Eritema polimorfo
Síndrome de stevens johnson
Necrólise epidérmica tóxica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOEXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOMagno Cavalheiro
 
Meios de contraste iodado
Meios de contraste iodadoMeios de contraste iodado
Meios de contraste iodadoEdna Souza
 
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologicoradiomed
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanogrtalves
 
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...Wendesor Oliveira
 
Meios de contrastes tc
Meios de contrastes tcMeios de contrastes tc
Meios de contrastes tcAline Teka
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaHamilton Nobrega
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaJaqueline Almeida
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaHeraldo Silva
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira Wendesor Oliveira
 
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes Fabiano Ladislau
 

Mais procurados (20)

EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOEXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
 
Meios de contraste iodado
Meios de contraste iodadoMeios de contraste iodado
Meios de contraste iodado
 
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologico
 
Meios de contraste
Meios de contrasteMeios de contraste
Meios de contraste
 
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIAURGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
 
Meios de contrastes tc
Meios de contrastes tcMeios de contrastes tc
Meios de contrastes tc
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIAINTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
 
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
Palestra de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes
 

Mais de Herculys Douglas Clímaco Marques

Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicosSegurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicosHerculys Douglas Clímaco Marques
 
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICAHEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICAHerculys Douglas Clímaco Marques
 

Mais de Herculys Douglas Clímaco Marques (20)

Neuroimagem
NeuroimagemNeuroimagem
Neuroimagem
 
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicosSegurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
 
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermicularesTrichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
 
ANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIAANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIA
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
 
Radiologia Intervencionista
Radiologia IntervencionistaRadiologia Intervencionista
Radiologia Intervencionista
 
Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM
 
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
 
Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
 
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância MagnéticaMeios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.
 
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICAHEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
 
Ressonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: AbdomeRessonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: Abdome
 
Radiologia Forense
Radiologia ForenseRadiologia Forense
Radiologia Forense
 
Estudo de caso: um jovem e a radiologia.
Estudo de caso: um jovem e a radiologia.Estudo de caso: um jovem e a radiologia.
Estudo de caso: um jovem e a radiologia.
 
QUESTÕES DE RADIOLOGIA: CONCURSOS
QUESTÕES DE RADIOLOGIA: CONCURSOSQUESTÕES DE RADIOLOGIA: CONCURSOS
QUESTÕES DE RADIOLOGIA: CONCURSOS
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 

Meios de contraste TC e RM: reações e segurança

  • 1. MEIOS DE CONTRASTE: TC E RM Prof.Herculys Douglas
  • 5. CONTRASTE RADIOLÓGICO • Distancia entre o branco e preto. • Tons de cinza • Qualidade da imagem PÓS-TÉCNICO EM TC & RM
  • 6. • Definição das imagens • Qualidade da informação morfológica • Diferenciação de estruturas anatômicas e/ou patológicas. MEIOS DE CONTRASTE
  • 7. • Raios-X • TC • Hemodinâmica • RM MEIOS DE CONTRASTE
  • 11. • Baixa toxicidade • Fácil administração • Fácil eliminação • Fornecer contraste adequado. MEIOS DE CONTRASTE
  • 12. • Elemento da solução: • Iodo • Gadolínio MEIOS DE CONTRASTE
  • 13. • Substâncias hidrossolúveis (iodado e gadolínio) • Substâncias lipossolúveis • Substâncias insolúveis SOLUBILIDADE
  • 14. • Via oral • Via parental (endovenosa, arterial, etc). • Endocavitária (reto e uretra). • Intratecal e intra-ar9cular. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 15.
  • 16. • Sulfato de bário (BaSO4). • Meios de contraste iodado: iônico e não iônico. • Gadolínio-DTPA MEIOS DE CONTRASTE
  • 17. A estrutura básica dos MC iodados é formada por um anel benzênico+iodo+grupamentos complementares. Podem ser monômeros ou dímeros. Os agentes iônicos e não iônicos têm iodo. M.C IODADO
  • 19. • Existem quatro classes de substâncias: – Monômeros iônicos – Dímeros iônicos – Monômeros não iônicos – Dímeros não iônicos. • Os monômeros iônicos dissociando-se em par=culas em solução, podem ser classificados como MC com relação igual a 1,5. M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
  • 20. • O não iônico monomérico apresenta uma relação 3, e o iônico dimérico também apresenta relação 3. • Mais recentemente, surgiram os não iônicos diméricos, pra:camente isotônicos, que apresentam razão 6. M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
  • 21. • DENSIDADE (g/ml) • VISCOSIDADE: – “Força” necessária para injetar. – Aumenta geometricamente com a concentração e com o peso molecular. – Não-iônicos diméricos> não-iônicos monoméricos. – É menor quanto maior for a temperatura. M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
  • 22. • OSMOLALIDADE: – Nº de par1culas/unidade de volume (mosm/Kg de água). – Iônico> não-iônico – Quanto maior osmolalidade, maior vasodilatação. – Quanto maior a densidade e a viscosidade, maior será a dificuldade do MC de se misturar ao plasma e aos fluidos corporais. M.C IODADO: ASPECTOS GERAIS
  • 26. • DELAY= Tempo de espera entre o início da injeção e a aquisição dos cortes. • DELAY= Tempo de infusão+Tempo de contraste- Tempo de aquisição. • Tempo do contraste: – Aorta ascendente: 16 +- 2s – Aorta descendente: 18 +- 2s – Crânio: 20 +- 2s UNIDADE INJETORA NA TC
  • 27. • EFEITO NA VISCOSIDADE SANGUÍNEA: – Viscosidade da fase suspensa – Tamanho das células – Modificação na morfologia das células. – Capacidade de formar agregado de hemácias, induzidas por proteínas plasmáKcas. – Os contrastes iônicos podem aumentar a osmolaridade plasmáKca em até 6 vezes, provocando desidratação intracelular. M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
  • 28. • EFEITOS NA COAGULAÇÃO: – Os agentes alteram a coagulação, especialmente através da inibição da polimeração da fibrina e da agregação plaquetária. – Os agentes não iônicos têm menor efeito adverso na coagulação. – O efeito anMcoagulante observado com meios iônicos em angiografia ou angioplasMa coronária é curto. – Cateteres e seringas têm importante efeito procoagulante. M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
  • 29. • EFEITO NA FUNÇÃO CARDIOVASCULAR: – Agentes não iônicos estão relacionados a menor efeito advers0, possivelmente apresentando efeito inotrópico posiGvo. – Os agentes de contraste determinam efeitos adversos no sistema cardiovascular através de: • Efeito central no coração; • Efeito periférico. M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
  • 30. • EFEITO NA FUNÇÃO PULMONAR: – A administração EV de contraste provoca broncoespasmo subclínico. – Aumentam a permeabilidade vascular. M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
  • 31. • EFEITO NA FUNÇÃO RENAL: – Os rins excretam, por filtração glomerular, 99% dos agentes de contraste hidrossolúvel. – A administração de contraste produz vacuolização do citoplasma das células tubulares proximais renais (nefrose osmóNca). – O fator químico é mais importante na agressão do que a osmolalidade. – Os mecanismos da ins renal induzida pelos MC não são completamente conhecidos. M.C.I ALTERAÇÕES FUNCIONAIS
  • 32. GADOLÍNIO (Gd) • Elemento químico metálico, maleável e estrutura cristalina. • Aspecto semelhante ao aço. • Tóxico • Johan Gadolin GADOLÍNIO (Gd)
  • 33. Clorofila-absorção de fótons de luz, é um quelato de Mg. Hemoglobina-transporte de O2 é um quelato de ferro. QUELANTES
  • 34. • “Sequestrantes de materiais ou substância “. • Evita a absorção • Excreção renal • Acidente de Goiânia-Azul da Prússia. QUELANTES
  • 35. QUEM CHUPA O VENENO DA COBRA?
  • 36. QUEM CHUPA O VENENO DA COBRA? QUELANTE!
  • 39. • GADOLÍNIO+DIETILENOTRI AMINA PENTA-ACÉTICO. • Excreção renal • União quase perfeita • Gadolínio DTPA GADOLÍNIO + QUELANTE
  • 40.
  • 41. • Redução do tempo de relaxamento T1. • Doses baixas-0,1 a 0,2 mmol/Kg • Baixa viscosidade • Excreção entre 1,3 e 4 h. GADOLÍNIO + DTPA
  • 46.
  • 48. SEQUÊNCIAS T1 PRÉ E PÓS-Gd
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. • Efeito nocivo ou indesejado • Grau de severidade • Tempo decorrido • Reação anafilactóides e quimiotóxicas. REAÇÕES ADVERSAS
  • 55. • Reações leves • Reações moderadas • Reações graves GRAU DE SEVERIDADE
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60. QUANTO AO TEMPO DECORRIDO • Agudas ou imediatas (entre 5 e 20 min). • Tardia (após o paciente deixar o serviço de radiologia).
  • 61. FATORES DE RISCO • Idade • Medicamentos • Alérgicos • Doenças subjacentes • Insuficiência renal • Desidratação • Lactante
  • 62.
  • 63. • Insuficiência renal dialí0ca. • Realizar hemodiálise no mesmo dia que injetar o meio de contraste. • Processo de filtração do sangue de uma forma ar0ficial. HEMODIÁLISE
  • 64. TRATAMENTO DAS REAÇÕES ADVERSAS • Vaso(neuro)-vagal • Estabilizar condições psicológicas • Estar preparado para iniciar medidas terapêu=cas • Cor=cóides e an=- histamínicos (hidrocor=sona).
  • 65.
  • 66. KIT DE REAÇÃO ALÉRGICA
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70. RISCO DA INJETORA • Extravassamento • Evitar o uso de veia da mão, pé, tornozelo e acesso venoso central. • Não usar scalp (bu;erfly).
  • 71.
  • 72. EM CASO DE EXTRAVASAMENTO • Elevar a extremidade afetada para cima. • Gelo por 15 a 30 min. • Observação de 1 a 4 h. • Informar o médico radiologista
  • 73.
  • 74. DIFERENÇA DO CONTRASTE DA RM E TC • Viscosidade • Osmolaridade e osmolalidade • Quan1dade • Índices de reações adversas
  • 76.