Variação linguística

2.284 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
125
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Variação linguística

  1. 1. FALA E ESCRITAFALA E ESCRITA Variações linguísticasVariações linguísticas Prof.AngelaFranciscaMendezProf.AngelaFranciscaMendez
  2. 2. ASSALTO À LÍNGUA PORTUGUESAASSALTO À LÍNGUA PORTUGUESA OS MELHORES DO MUNDOOS MELHORES DO MUNDO http://www.youtube.com/watch?v=XWxAltA1J14 2
  3. 3. “Seria interessante saber do que o homem tem mais medo: se dar um novo passo ou pronunciar uma nova palavra” . Hannah Arendt (filósofa)
  4. 4. AA ESCRITAESCRITA apresenta as seguintes características:apresenta as seguintes características: Presença de um leitor, sem, necessariamente, a presença física do autor, e mais, entre o momento da escrita e o tempo da leitura pode acontecer distância no tempo e no espaço; Produção reflexiva - Deve-se ter um plano de escrita, visto que, de acordo com a comunicação estrutura desejada, construímos um projeto do que vamos escrever e podemos recorrer a outros textos a fim de fundamentar as ideias. Revisão do texto - As reescritas serão marcas propostas pelo próprio produtor do texto. Texto à disposição do leitor - Depois de considerado pronto pelo autor e publicado, o texto fica à disposição do leitor, sem que o autor tenha domínio sobre as consequências. Possibilidade de escritas e reescritas - Muitas vezes, as escritas e reescritas são dependentes da autocrítica ou de posições do leitor; aliás, o segredo de bem escrever é reescrever até que o autor se sinta satisfeito. 4
  5. 5. EVOLUÇÃO DA LÍNGUA?! https://www.youtube.com/watch?v=FjZcfg9b8MY 5
  6. 6. AA FALAFALA apresenta as seguintes características:apresenta as seguintes características: Pressuposição de um ouvinte - A comunicação é imediata, logo, na linguagem oral, há um falante e um ouvinte. Até mesmo naquele caso em que o falante diz que “fala com seus botões”, para dizer que está falando sozinho, há necessidade de um ouvinte. Rapidez na enunciação - Pensa-se e logo se enuncia, não há elaboração vocabular. Quando há diálogo, a fala acontece com naturalidade. Comunicação em que não há fontes para pesquisa - Fala-se o que se sabe ou se tem em mente, o que se diz é fruto de um saber e, se houver dúvida, o próprio interlocutor, no caso, o ouvinte, esclarece no momento da fala. Possibilidade de explicações, em caso de turnos de fala - Os pontos que tiverem ficado obscuros podem ser explicados. Por turnos de fala entende-se que, num diálogo, ou conversa de grupo, cada locutor fala e dá espaço para que outro falante tome a palavra. Retomadas, repetições e explicações, ainda em turnos de fala - O interlocutor retoma, repete e explica conforme o seu desejo. 6
  7. 7. VARIEDADES LINGUÍSTICAS Entendemos por variedades as diversas linguagens que usamos conforme a situação. Veremos as variedades sincrônicas, as que são usadas no tempo presente, por isso se diz num mesmo plano temporal; as variações diacrônicas, mudanças que acontecem em tempos diferentes, por exemplo, a linguagem de nossos avós é diferente da nossa. 7
  8. 8. Variedades Diacrônicas simultâneas, observáveis num mesmo plano temporal Trata-se das variedades dispostas em vários planos de uma só tradição histórica.). Pesquisa e observa as variações ocorridas em diferentes períodos históricos. Por exemplo, a variação de uma palavra no português medieval, depois no período dos oitocentos e na modernidade. Vamos a um exemplo usando a palavra “embora” numa visão diacrônica. No século XIX, dizia-se “em boa hora”; modernamente, usa-se “embora”, mas, na fala de jovens, hoje, pode-se ouvir “bora” ou até “bó”. 8
  9. 9. Coisas que se falava nos ANOS 80 http://www.youtube.com/watch?v=JVGOxef7XPw&list=UU8PsBEV7Ds7arWRJ5iEZs4Q 9
  10. 10. Variedades Sincrônicas simultâneas, observáveis num mesmo plano temporal Fatores geográficos - dialetos, ou falares próprios em uma região, vila ou aldeia. Será que se fala a mesma linguagem no Rio Grande do Sul e no Rio Grande do Norte? Veremos que há termos que são diferentes para designar a mesma situação. Fatores socioculturais - família, classe, padrão cultural, atividades habituais. Classes sociais diferentes apresentam formas diferentes de comunicação; por outro lado, conforme a profissão que o indivíduo exerce, pode trazer palavras do trabalho para a linguagem cotidiana. Fatores estilísticos – Trata-se da forma como cada indivíduo constrói sua comunicação para ficar adequado à situação de fala. Por exemplo, em uma 10
  11. 11. VariaçõesVariações SocioculturaisSocioculturais • Idade - Refere-se à linguagem jovem, linguagem infantil e linguagem adulta. São realizadas análises com intuito de identificar o que uma difere de outras linguagens, como e quando é usada. • Sexo - Diz respeito à oposição entre a linguagem do homem e a da mulher. Estudos mostram de que forma a linguagem revela o preconceito de gênero numa sociedade e como os meios de comunicação de massa expressam certos tabus em relação ao feminismo e machismo. • Raça (ou cultura) - Corresponde às variações que são fruto de fatores etnológicos. No Brasil, por exemplo, as variações em regiões de maior imigração negra, ou de maior imigração europeia. 11
  12. 12. • Profissão: Diz respeito à linguagem técnica em que o locutor utiliza vocábulos referentes à atividade que exercem. É rica a variação entre vendedores ambulantes, jogadores e comentaristas de futebol, entre outros profissionais. • Posição social: O status do locutor determina a linguagem que vai usar. Um político tem uma expressão, um dirigente industrial ou um servente de pedreiro também, isto é, a linguagem varia de acordo com a cultura, posição social e instrução. • Grau de escolaridade: Uma simples frase falada ou escrita já revela a capacidade de reflexão, de escolha de variações mais cultas, conforme o grau de instrução do locutor. 12
  13. 13. Variações : Nelson Freitas http://www.youtube.com/watch?v=NrtrLbDPC-Y 13
  14. 14. RIO GRANDE NO INVERNO http://www.youtube.com/watch?v=bmiA7RltbZA&list=UU8PsBEV7Ds7arWRJ5iEZs4Q 14
  15. 15. Xaxado Chiado http://www.youtube.com/watch?v=ZTzq3kEqs8Y Letra http://letras.mus.br/gabriel-pensador/96120/ 15
  16. 16. VAMOS LER...VAMOS LER... TotonhaTotonha Marcelino FreireMarcelino Freire http://www.youtube.com/wat ch?v=WIv1KfwIstQ
  17. 17. Capim sabe ler? Escrever? Já viu cachorro letrado, científico? Já viu juízo de valor? Em quê? Não quero aprender, dispenso. Deixa pra gente que é moço. Gente que tem ainda vontade de doutorar. De falar bonito. De salvar vida de pobre. O pobre só precisa ser pobre. E mais nada precisa. Deixa eu, aqui no meu canto. Na boca do fogão é que fico. Tô bem. Já viu fogo ir atrás de sílaba? O governo me dê o dinheiro da feira. O dente o presidente. E o vale-doce e o vale-linguiça. Quero ser bem ignorante. Aprender com o vento, ta me entendendo? Demente como um mosquito. Na bosta ali, da cabrita. Que ninguém respeita mais a bosta do que eu. A química.
  18. 18. Tem coisa mais bonita? A geografia do rio mesmo seco, mesmo esculhambado? O risco da poeira? O pó da água? Hein? O que eu vou fazer com essa cartilha? Número? Só para o prefeito dizer que valeu a pena o esforço? Tem esforço mais esforço que o meu esforço? Todo dia, há tanto tempo, nesse esquecimento. Acordando com o sol. Tem melhor bê-á-bá? Assoletrar se a chuva vem? Se não vem? Morrer, já sei. Comer, também. De vez em quando, ir atrás de preá, caruá. Roer osso de tatu. Adivinhar quando a coceira é só uma coceira, não uma doença. Tenha santa paciência!
  19. 19. Será que eu preciso mesmo garranchear meu nome? Desenhar só pra mocinha aí ficar contente? Dona professora, que valia tem o meu nome numa folha de papel, me diga honestamente. Coisa mais sem vida é um nome assim, sem gente. Quem está atrás do nome não conta? No papel, sou menos ninguém do que aqui, no Vale do Jequitinhonha. Pelo menos aqui todo mundo me conhece. Grita, apelida. Vem me chamar de Totonha. Quase não mudo de roupa, quase não mudo de lugar. Sou sempre a mesma pessoa. Que voa. Para mim, a melhor sabedoria é olhar na cara da pessoa. No focinho de quem for. Não tenho medo de linguagem superior. Deus que me ensinou. Só quero que me deixem sozinha. Eu e minha língua, sim, que só passarinho entende, entende? Não preciso ler, moça. A mocinha que aprenda. O doutor. O presidente é que precisa saber o que assinou. Eu é que não vou baixar minha cabeça para escrever. Ah, não vou.
  20. 20. QUEM É TOTONHA??? QUEM É TOTONHA???

×