SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Noções da variação
linguística
Prof. Cristiano Gaio
Introdução
Os trechos a seguir procuram reproduzir a fala de diferentes
pessoas em diferentes situações de comunicação. Tente
identificar, pela linguagem utilizada, pelo menos uma
característica do falante: faixa etária, nível de
escolaridade, sexo, lugar em que vive, se vive na atualidade
ou viveu em uma época passada.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
texto I
Nem te conto, querida!!! Eu estava passando em frente daquela
loja que eu a-do-ro e vi uma blusinha assim…. linda…. toda
bordadinha à mão… azulzinha… sabe… do jeito que eu gosto. Ah…
entrei e comprei na hora… fiz um gasticídio! Ah, mas eu
mereço, né?
Para que saber?
Ter consciência de que a língua apresenta variações ajuda você a se
comunicar de maneira adequada e eficiente nas diferentes situações
de interlocução orais ou escritas; ajuda-o também a deixar de lado
possíveis preconceitos linguísticos e, assim, respeitar “maneiras de
falar” diferentes da sua.
texto II
Design de
Snõr
posto que o capitam moor
desta vossa frota e asy os
outros capiaães screpuam a
vossa alteza a noua do
acha mento desta vossa
terra noua que se ora
neesta naue gaçom achou,
nom leixarey tambem de dar
disso minha comta a vossa
alteza [...]
texto II
Design de
Senhor, já que o capitão-mor
desta vossa frota e também os
outros capitães escreveram a
Vossa Alteza a notícia do
descobrimento desta vossa terra
nova que agora nesta navegação
foi achada, não deixarei também
de dar disso meu depoimento a
Vossa Alteza.
texto III
Design de
Quando eu entro no salão
Com minha viola afinada,
Eu canto uma moda arta
E muito bem expricada,
Dizeno que eu não insurto
Mas topo quarqué parada.
Oscar Martins e Rubens Vieira Marques. Pé cascudo. In: Som da Terra
- Vieira e Vieirinha. Warner Music Brasil, 1994.
Texto IV
Design de
Você é baiano se achar
compreensível este diálogo,
numa esquina do Curuzu:
- Colé de mermo, broder?
- É niúma!!!
- Vô pro reggae, ta
ligado?...Vô cumê água com
os cara!!!
- Vá nessa, véi!
- Falô, maluco.
Texto IV
Design de
Você é baiano se achar
compreensível este diálogo,
numa esquina do Curuzu(bairro de
Salvador):
- Colé de mermo, broder? (qual é
a novidade/dica/ o que está aconteecndo?)
- É niúma!!!
- Vô pro reggae, ta
ligado?...Vô cumê água
(beber)com os cara!!!
- Vá nessa, véi!
- Falô, maluco.
texto V
[...] [O poema “Lisboa: aventura”] eu o escrevi por ocasião
de minha primeira viagem a Portugal, quando me diverti com as
discrepâncias vocabulares entre o falar brasileiro e o
lusitano. Explorei caricaturalmente essas discrepâncias sob a
égide alusiva da “Canção do exílio”, de Gonçalves Dias [...]
Todas as pessoas que produziram esses textos se expressaram
em português. No entanto, comparando os trechos, fica
evidente que elas não utilizaram a língua portuguesa de
maneira uniforme, ou seja, uma não falou “igual à outra”.
Essas diferenças ocorrem porque existe um grande número de
fatores (idade, grupo social, situação de comunicação,
assunto, época…) que, combinados uns aos outros, determinam
a maneira individual de expressão dos falantes. Dizemos,
por isso, que em um idioma ocorrem variações linguísticas.
De maneira bastante simplificada, podemos considerar a
existência de quatro tipos gerais de variação, conforme o
quadro:
Tipo Aspecto ao qual se relaciona
Variação sociocultural idade, sexo, escolaridade, condições econômicas do
falante e grupo social do qual ele faz parte
Variação histórica tempo (época) em que o falante viveu
Variação geográfica região em que o falante vive
Variação situacional Situação específica em que se realiza o ato de
comunicação
Variação sociocultural
Compare estas duas frases:
frase 1: Eles não tinha mais grana pra bancá as prestação.
frase 2: Eles não tinham mais dinheiro para pagar as
prestações.
Que falantes usualmente empregariam a frase 1? E a 2?
Não é difícil associar a frase 1 a falantes que fazem
parte de grupos sociais economicamente mais pobres
e de nível de escolaridade mais baixo.
Por outro lado, a frase 2 é mais comum àqueles que
tiveram melhores possibilidades sociais e econômicas
e, por isso, frequentaram por mais tempo a escola,
puderam ter mais contato com a leitura de livros,
jornais e revistas, e também conviveram com pessoas
de nível cultural formal mais elevado.
Além do nível de escolaridade, existem vários outros
aspectos que caracterizam a linguagem dos
diferentes usuários da língua. Ao ler, por exemplo, o
Texto 1, você deve ter percebido que o falante é uma
mulher, por sua vez, o Texto 4, é característico da
variedade empregada por determinados grupos de
jovens urbanos. Essas variações na linguagem,
geradas por influência das condições sociais e
culturais dos falantes, recebem o nome geral de
variações socioculturais.
Variação
histórica:
O quadro 1 apresenta os versos
iniciais de um poema, em sua
redação original; o quadro 1
mostra uma versão atualizada
desses mesmos versos. Leia e
compare:
E então? Você estranhou o texto do quadro 1? Acontece que era
assim mesmo que se escrevia por volta de 1200, época em que foi
composto esse poema, que é considerado o primeiro texto literário
escrito em português.
De lá pra cla, nosso idioma, como é natural, foi mudando ao longo
do tempo. Isso porque a língua não é estática, imutável. Ao
contrário, ela se modifica com o passar do tempo e com o uso. As
formas de falar se alteram; novas palavras - os neologismos - são
criadas, outras vão sendo cada vez menos usadas e tornam-se
arcaísmos; altera-se também a grafia, a forma de estruturar as
frases e , muitas vezes, o significado das palavras.
Essas alterações que vão ocorrendo na língua ao longo do tempo
recebem o nome de variações históricas.
Variação geográfica
considere a fala dos
personagens destas
imagens:
As expressões “meu rei” e “índio velho” são empregadas para
tratar o interlocutor de maneira informal e amigável, afetiva.
Embora sejam equivalentes, elas são usadas em lugares distintos
do país: “meu rei” é típica da Bahia, principalmente na região
metropolitana de Salvador, “indio velho” é empregada no Rio
Grande do Sul.
De região para região do país, observam-se formas distintas de
falar. É usual dizermos que os paulistas falam de um jeito, os
cariocas de outro, os mineiros de outro… Essas variações podem
ser identificadas na pronúncia (sotaque nordestino, paulista,
mineiro…), no vocabulário, bem como em certas estruturas de
frases e em sentidos particulares atribuídos a determinadas
palavras e expressões. A esses tipos de diferenças na língua dá-se
o nome de variações geográficas.
Variação situacional
Suponha que um jovem advogado, em um tribunal do júri, diga o
seguinte a respeito de uma testemunha que acabou de ser ouvida
pelos jurados:
Esse falante se expressou adequadamente, uma vez que empregou o padrão formal de
linguagem, em uma simulação formal de comunicação. Se, no entanto, ele estivesse batendo
um papo com uns amigos a respeito do mesmo fato, ele poderia se expressar assim:
Nesse caso, ele estaria se comunicando em uma situação
informal, usando, adequadamente a variedade popular da
língua. Essas diferentes formas de uso do idioma por um
mesmo falante, em diferentes situações de comunicação,
denominam-se variações situacionais.
para finalizar…
As línguas humanas são constituídas de uma multiplicidade de formas de falar, e
a essas diferenças damos o nome de variedade ou variação linguística. Dessa
maneira, a língua é considerada como um conjunto de variedades, sendo ela
heterogênea em sua composição.
Ao considerarmos a língua portuguesa, por exemplo, podemos observar suas
variações desde uma perspectiva mais ampla, comparando com o português falado
em outros países; até uma mais estrita, se analisarmos o tipo de fala de cada região
do Brasil, ou até mesmo a individualidade de cada falante.
Desde a Antiguidade, a variação linguística já era
um objeto de estudo, porém, nesse momento, ela
era vista como algo negativo, pois interferia no
intento dos gramáticos de homogeneizar a língua,
a fim de um maior controle sócio-territorial.
Atualmente, a variação linguística é vista e
estudada de outra perspectiva, considerando sua
lógica gramatical e todos os fatores que
contribuem para a sua manifestação.
Fatores que contribuem para a variação linguística
Tipos de variação linguística.
Vocês lembram quais são?
Preconceito linguístico
ENEM/2014
Óia eu aqui de novo
Óia eu aqui de novo xaxando
Óia eu aqui de novo para xaxar
Vou mostrar pr’esses cabras
Que eu ainda dou no couro
Isso é um desaforo
Que eu não posso levar
Que eu aqui de novo cantando
Que eu aqui de novo xaxando
Óia eu aqui de novo mostrando
Como se deve xaxar
Vem cá morena linda
Vestida de chita
Você é a mais bonita
Desse meu lugar
Vai, chama Maria, chama Luzia
Vai, chama Zabé, chama Raquel
Diz que eu tou aqui com alegria
(BARROS, A. Óia eu aqui de novo. Disponível em: www.
A letra da canção de Antônio de Barros manifesta
aspectos do repertório linguístico e cultural do Brasil. O
verso que singulariza uma forma característica do falar
popular regional é:
A) isso é um desaforo
B) Diz que eu tou aqui com alegria
C) Vou mostrar pr’esses cabras
D) Vai, chama Maria, chama Luzia
E) Vem cá morena linda, vestida de chita
Na alternativa C, a palavra “cabra” refere-se
a homem, marcando a característica de um
falar regional
ENEM/2015
Assum Preto
Tudo em vorta é só beleza
Sol de abril e a mata em frô
Mas assum preto, cego dos óio
Num vendo a luz, ai, canta de dor
Tarvez por ignorança
Ou mardade das pió
Furaro os óio do assum preto
Pra ele assim, ai, cantá mió
Assum preto veve sorto
Mas num pode avuá
Mil veiz a sina de uma gaiola
Desde que o céu, ai, pudesse oiá.
(Baião de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira)
As marcas da variedade regional registradas pelos compositores de Assum
Preto resultam da aplicação de um conjunto de princípios ou regras gerais
que alteram a pronúncia, a morfologia, a sintaxe ou o léxico. No texto, é
resultado de uma mesma regra, a:
As palavras que são resultado de uma
mesma regra estão explicitadas na
alternativa B, pois “tarvez” e “sorto” são
resultados da troca da letra L pela R.
Letra E: Mesmo dominando a linguagem culta, os usuários das línguas
devem selecionar os níveis de linguagem considerando o contexto
discursivo e o nível de formalidade entre os interlocutores.
é isso!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Trabalhando noções de variação linguística

Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
blogdoalunocefa
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
AFMO35
 
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Fernanda Oliveira
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Girias do nortewilliang
Girias do nortewilliangGirias do nortewilliang
Girias do nortewilliang
Janice Schwarz
 

Semelhante a Trabalhando noções de variação linguística (20)

Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicat...
Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicat...Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicat...
Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicat...
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguística
 
6ano variação linguística ensino fundamental.pptx
6ano variação linguística ensino fundamental.pptx6ano variação linguística ensino fundamental.pptx
6ano variação linguística ensino fundamental.pptx
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptxvariaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptxaula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
 
Variacao
VariacaoVariacao
Variacao
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística
 
Variação Linguística e Preconceito Linguístico.pptx
Variação Linguística e Preconceito Linguístico.pptxVariação Linguística e Preconceito Linguístico.pptx
Variação Linguística e Preconceito Linguístico.pptx
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
 
Variação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoVariação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguístico
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Girias do nortewilliang
Girias do nortewilliangGirias do nortewilliang
Girias do nortewilliang
 
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdfVariação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 

Trabalhando noções de variação linguística

  • 2. Introdução Os trechos a seguir procuram reproduzir a fala de diferentes pessoas em diferentes situações de comunicação. Tente identificar, pela linguagem utilizada, pelo menos uma característica do falante: faixa etária, nível de escolaridade, sexo, lugar em que vive, se vive na atualidade ou viveu em uma época passada. >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
  • 3. texto I Nem te conto, querida!!! Eu estava passando em frente daquela loja que eu a-do-ro e vi uma blusinha assim…. linda…. toda bordadinha à mão… azulzinha… sabe… do jeito que eu gosto. Ah… entrei e comprei na hora… fiz um gasticídio! Ah, mas eu mereço, né?
  • 4. Para que saber? Ter consciência de que a língua apresenta variações ajuda você a se comunicar de maneira adequada e eficiente nas diferentes situações de interlocução orais ou escritas; ajuda-o também a deixar de lado possíveis preconceitos linguísticos e, assim, respeitar “maneiras de falar” diferentes da sua.
  • 5. texto II Design de Snõr posto que o capitam moor desta vossa frota e asy os outros capiaães screpuam a vossa alteza a noua do acha mento desta vossa terra noua que se ora neesta naue gaçom achou, nom leixarey tambem de dar disso minha comta a vossa alteza [...]
  • 6. texto II Design de Senhor, já que o capitão-mor desta vossa frota e também os outros capitães escreveram a Vossa Alteza a notícia do descobrimento desta vossa terra nova que agora nesta navegação foi achada, não deixarei também de dar disso meu depoimento a Vossa Alteza.
  • 7. texto III Design de Quando eu entro no salão Com minha viola afinada, Eu canto uma moda arta E muito bem expricada, Dizeno que eu não insurto Mas topo quarqué parada. Oscar Martins e Rubens Vieira Marques. Pé cascudo. In: Som da Terra - Vieira e Vieirinha. Warner Music Brasil, 1994.
  • 8. Texto IV Design de Você é baiano se achar compreensível este diálogo, numa esquina do Curuzu: - Colé de mermo, broder? - É niúma!!! - Vô pro reggae, ta ligado?...Vô cumê água com os cara!!! - Vá nessa, véi! - Falô, maluco.
  • 9. Texto IV Design de Você é baiano se achar compreensível este diálogo, numa esquina do Curuzu(bairro de Salvador): - Colé de mermo, broder? (qual é a novidade/dica/ o que está aconteecndo?) - É niúma!!! - Vô pro reggae, ta ligado?...Vô cumê água (beber)com os cara!!! - Vá nessa, véi! - Falô, maluco.
  • 10. texto V [...] [O poema “Lisboa: aventura”] eu o escrevi por ocasião de minha primeira viagem a Portugal, quando me diverti com as discrepâncias vocabulares entre o falar brasileiro e o lusitano. Explorei caricaturalmente essas discrepâncias sob a égide alusiva da “Canção do exílio”, de Gonçalves Dias [...]
  • 11. Todas as pessoas que produziram esses textos se expressaram em português. No entanto, comparando os trechos, fica evidente que elas não utilizaram a língua portuguesa de maneira uniforme, ou seja, uma não falou “igual à outra”. Essas diferenças ocorrem porque existe um grande número de fatores (idade, grupo social, situação de comunicação, assunto, época…) que, combinados uns aos outros, determinam a maneira individual de expressão dos falantes. Dizemos, por isso, que em um idioma ocorrem variações linguísticas.
  • 12. De maneira bastante simplificada, podemos considerar a existência de quatro tipos gerais de variação, conforme o quadro: Tipo Aspecto ao qual se relaciona Variação sociocultural idade, sexo, escolaridade, condições econômicas do falante e grupo social do qual ele faz parte Variação histórica tempo (época) em que o falante viveu Variação geográfica região em que o falante vive Variação situacional Situação específica em que se realiza o ato de comunicação
  • 13. Variação sociocultural Compare estas duas frases: frase 1: Eles não tinha mais grana pra bancá as prestação. frase 2: Eles não tinham mais dinheiro para pagar as prestações. Que falantes usualmente empregariam a frase 1? E a 2?
  • 14. Não é difícil associar a frase 1 a falantes que fazem parte de grupos sociais economicamente mais pobres e de nível de escolaridade mais baixo. Por outro lado, a frase 2 é mais comum àqueles que tiveram melhores possibilidades sociais e econômicas e, por isso, frequentaram por mais tempo a escola, puderam ter mais contato com a leitura de livros, jornais e revistas, e também conviveram com pessoas de nível cultural formal mais elevado.
  • 15. Além do nível de escolaridade, existem vários outros aspectos que caracterizam a linguagem dos diferentes usuários da língua. Ao ler, por exemplo, o Texto 1, você deve ter percebido que o falante é uma mulher, por sua vez, o Texto 4, é característico da variedade empregada por determinados grupos de jovens urbanos. Essas variações na linguagem, geradas por influência das condições sociais e culturais dos falantes, recebem o nome geral de variações socioculturais.
  • 16. Variação histórica: O quadro 1 apresenta os versos iniciais de um poema, em sua redação original; o quadro 1 mostra uma versão atualizada desses mesmos versos. Leia e compare:
  • 17. E então? Você estranhou o texto do quadro 1? Acontece que era assim mesmo que se escrevia por volta de 1200, época em que foi composto esse poema, que é considerado o primeiro texto literário escrito em português. De lá pra cla, nosso idioma, como é natural, foi mudando ao longo do tempo. Isso porque a língua não é estática, imutável. Ao contrário, ela se modifica com o passar do tempo e com o uso. As formas de falar se alteram; novas palavras - os neologismos - são criadas, outras vão sendo cada vez menos usadas e tornam-se arcaísmos; altera-se também a grafia, a forma de estruturar as frases e , muitas vezes, o significado das palavras. Essas alterações que vão ocorrendo na língua ao longo do tempo recebem o nome de variações históricas.
  • 19. considere a fala dos personagens destas imagens:
  • 20. As expressões “meu rei” e “índio velho” são empregadas para tratar o interlocutor de maneira informal e amigável, afetiva. Embora sejam equivalentes, elas são usadas em lugares distintos do país: “meu rei” é típica da Bahia, principalmente na região metropolitana de Salvador, “indio velho” é empregada no Rio Grande do Sul. De região para região do país, observam-se formas distintas de falar. É usual dizermos que os paulistas falam de um jeito, os cariocas de outro, os mineiros de outro… Essas variações podem ser identificadas na pronúncia (sotaque nordestino, paulista, mineiro…), no vocabulário, bem como em certas estruturas de frases e em sentidos particulares atribuídos a determinadas palavras e expressões. A esses tipos de diferenças na língua dá-se o nome de variações geográficas.
  • 22. Suponha que um jovem advogado, em um tribunal do júri, diga o seguinte a respeito de uma testemunha que acabou de ser ouvida pelos jurados:
  • 23. Esse falante se expressou adequadamente, uma vez que empregou o padrão formal de linguagem, em uma simulação formal de comunicação. Se, no entanto, ele estivesse batendo um papo com uns amigos a respeito do mesmo fato, ele poderia se expressar assim:
  • 24. Nesse caso, ele estaria se comunicando em uma situação informal, usando, adequadamente a variedade popular da língua. Essas diferentes formas de uso do idioma por um mesmo falante, em diferentes situações de comunicação, denominam-se variações situacionais.
  • 26. As línguas humanas são constituídas de uma multiplicidade de formas de falar, e a essas diferenças damos o nome de variedade ou variação linguística. Dessa maneira, a língua é considerada como um conjunto de variedades, sendo ela heterogênea em sua composição. Ao considerarmos a língua portuguesa, por exemplo, podemos observar suas variações desde uma perspectiva mais ampla, comparando com o português falado em outros países; até uma mais estrita, se analisarmos o tipo de fala de cada região do Brasil, ou até mesmo a individualidade de cada falante.
  • 27. Desde a Antiguidade, a variação linguística já era um objeto de estudo, porém, nesse momento, ela era vista como algo negativo, pois interferia no intento dos gramáticos de homogeneizar a língua, a fim de um maior controle sócio-territorial. Atualmente, a variação linguística é vista e estudada de outra perspectiva, considerando sua lógica gramatical e todos os fatores que contribuem para a sua manifestação.
  • 28. Fatores que contribuem para a variação linguística
  • 29.
  • 30. Tipos de variação linguística. Vocês lembram quais são?
  • 31.
  • 33. ENEM/2014 Óia eu aqui de novo Óia eu aqui de novo xaxando Óia eu aqui de novo para xaxar Vou mostrar pr’esses cabras Que eu ainda dou no couro Isso é um desaforo Que eu não posso levar Que eu aqui de novo cantando Que eu aqui de novo xaxando Óia eu aqui de novo mostrando Como se deve xaxar Vem cá morena linda Vestida de chita Você é a mais bonita Desse meu lugar Vai, chama Maria, chama Luzia Vai, chama Zabé, chama Raquel Diz que eu tou aqui com alegria (BARROS, A. Óia eu aqui de novo. Disponível em: www.
  • 34. A letra da canção de Antônio de Barros manifesta aspectos do repertório linguístico e cultural do Brasil. O verso que singulariza uma forma característica do falar popular regional é: A) isso é um desaforo B) Diz que eu tou aqui com alegria C) Vou mostrar pr’esses cabras D) Vai, chama Maria, chama Luzia E) Vem cá morena linda, vestida de chita
  • 35. Na alternativa C, a palavra “cabra” refere-se a homem, marcando a característica de um falar regional
  • 36. ENEM/2015 Assum Preto Tudo em vorta é só beleza Sol de abril e a mata em frô Mas assum preto, cego dos óio Num vendo a luz, ai, canta de dor Tarvez por ignorança Ou mardade das pió Furaro os óio do assum preto Pra ele assim, ai, cantá mió Assum preto veve sorto Mas num pode avuá Mil veiz a sina de uma gaiola Desde que o céu, ai, pudesse oiá. (Baião de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira)
  • 37. As marcas da variedade regional registradas pelos compositores de Assum Preto resultam da aplicação de um conjunto de princípios ou regras gerais que alteram a pronúncia, a morfologia, a sintaxe ou o léxico. No texto, é resultado de uma mesma regra, a:
  • 38. As palavras que são resultado de uma mesma regra estão explicitadas na alternativa B, pois “tarvez” e “sorto” são resultados da troca da letra L pela R.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53. Letra E: Mesmo dominando a linguagem culta, os usuários das línguas devem selecionar os níveis de linguagem considerando o contexto discursivo e o nível de formalidade entre os interlocutores.