O QUE ESTÁ SENDO FEITO NO CENTRO SULPARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE EREDUZIR O CUSTO DE PRODUÇÃO DECANA DE AÇÚCAREng.Agr. Di...
010020030040050060070000/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13*Milhõesdetoneladasdeca...
EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE NOVAS USINAS NOCENTRO-SUL BRASIL91925302193 2051015202530352005/6 2006/7 2007/8 2008/9 2009/10 2010/...
PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM T/HA NO PERÍODODE 1988 A 2011ANO TCH1988 821989 781990 801991 821992 821993 821994 781995 751996...
PRODUTIVIDADE DE CANA DE AÇÚCAR EM REGIÕESSIGNIFICATIVAS EM 2012/13REGÕESPRODUTIVIDADE CANA (TCH)2012 2011 2010São Paulo 7...
Evolução da produção de cana de açúcar, açúcare etanol no BrasilAçúcar(Milhõestoneladas)Etanol(bilhõesdelitros)Canadeaçúca...
Balanço de oferta e demanda de etanol projetadapara safra de 2012/2013 (abril-março)PRODUTOS (bilhões de litros)2011/12 20...
REGISTRO DE VEÍCULOS (Passageiros e comerciais leves)POR TIPO DE COMBUSTÍVELUnidades ANO (%)2011Gasolina 376.998 11,0Etano...
“ JÁ PRODUZIMOS A CANA E O AÇUCAR MAIS BARATOS DOMUNDO, PORÉM GRADATIVAMENTE PERDEMOS ACOMPETITIVIDADE PARA A AUSTRÁLIA, T...
“ A GRANDE MAIORIA DAS USINAS ENCONTRA-SE ALTAMENTEENDIVIDADA E EM CONTÍNUO PROCESSO “EXTRATIVISTA” COMBAIXOS INVESTIMENTO...
QUANDO A CRISE SE INSTALOU EM 2008AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:Corte nos orçamentos: reforma de canaviais, tratos culturais...
QUANDO A CRISE SE AGRAVOU EM 2008AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:Atraso nas compras dos suprimentos.Choque de gestão, tirando ...
CUSTO DE PRODUÇÃO DE CANANO ESTADO DE SÃO PAULODescrição UnidadeCustosC/ DepreciaçãoFormação do canavial R$/ha 5.274,24- P...
Evolução dos Custos de produção68,8553,9654,7669,1077,5049,2548,6540,0030,0058,7864,7176,3569,1810,00Fonte: Sucrotec0,0020...
Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
Evolução dos Custos de produçãoFonte: Sucrotec
Custo de Produção de Canano Estado de São PauloR$ 50R$ 60R$ 70R$ 80R$ 90R$ 100R$ 110R$ 120R$ 13040,0 50,0 60,0 70,0 80,0 9...
Custo do Kg do ATR – São PauloR$ 0,4000R$ 0,4500R$ 0,5000R$ 0,5500R$ 0,6000R$ 0,6500120,00 121,97 130,00 140,00 150,00 160...
A IMPORTANCIA DO TEOR DE SACAROSEAçúcarRecuperadoRend.EtanolFaturam.BrutoDiferençaRend. FaturamBrutoDiferençaFat. BrutoAçú...
MERCADO POTENCIAL
WHATS COMES NEXT ?SUGAR: BRASIL REMAINS THE MAIN GLOBAL SUPPLIERPara abastecer o mercadointerno e manter suaparticipação d...
EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMBUSTÍVEIS NO BRASILConsumo ciclo de OttoCapacidade da Produção de gasolina e o consumo de GNVEt...
Evolution of the sugarcane areaEVOLUÇÃO DA ÁREA DE CANA (milhões ha)CENTRO-SUL 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 201...
Sourde: ÚNICA. Note: The hydrous ethanol is pure sold at the pumps and used without modification by the flex-fuel vehicles...
Evolution of sugarcane production612,4635,8660,0684,5701,6719,2737,1627,4667,2709,5753,8791,5831,0872,6590,2642,3699,4761,...
O Etanol de cana de açúcaré um combustívelrenovável com redução de61% de GHG.BilhõesdeGalõesLEI DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEI...
IMPORTAÇÃO DE GASOLINA ATUALMêsGasolina importada pelo BrasilPreço líquidona refinaria -R$/litro (b)Prejuízo(b) – (a)Volum...
Entretanto.....“... É EXATAMENTE NOS PERÍODOS DE GRANDE DIFICULDADEQUE SE ENCONTRAM AS ALTERNATIVAS PARA ASOBREVIVÊNCIA”“ ...
Leis e Atos Geradores de MudançasNR 31 Segurança e Saúde no Trabalho naAgricultura, Pecuária, Silvicultura,Exploração Flor...
Evolução da Colheita da Cana de AçúcarCentro Sul34,5% 34,7%34,4%36,1%42%53,3%61%73%65,5,% 65,3%65,6%63,9%58%46,7%39%27%01....
EVOLUÇÃO COLHEITA CANA CRUACentro-Sul78,4%77,5%77,2%72,8%68,3%61,3%55,10%46,1%21,6%22,5%22,8,%27,2%31,7%38,7%44,9%53,9%01....
IMPACTOS GERADOS PELA COLHEITAMECANIZADA CRUA
1. REDUÇÃO DO TEMPO DE ENTREGADE CANA NA INDUSTRIA2. REDUÇÃO DA CONTAMINAÇÃOMICROBIANA3. REDUÇÃO DA INVERSÃO DESACAROSE4. ...
Histórico de ImpurezasCentro-SulFonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA01234567892003 2004 2005 2006 2007 2008 200...
LIMPEZA À SECO
SPHENOPHORUS
SPHENOPHORUS
OUTROS PROBLEMAS CAUSADOS PELA RAPIDAMECANIZAÇÃO DA CANA DE AÇUCARFALTA DE MÃO DE OBRA QUALIFICADAAUMENTO DAS PERDAS DE CA...
CANAVIAL DEPAUPERADO POR COLHEITAMECANIZADAPISOTEIO, ARRANQUIO E PERDASEM LAVOURAS NÃO SISTEMATIZADAS
MUDANÇAS NA TECNOLOGIADE PREPARO DO SOLO EPLANTIO
SISTEMATIZAÇÃO DA ÁREA
NIVELAMENTO DO TERRENO
Plantio Direto sobre soca de canaSÓCA ELIMINADA POR GLIFOSATO
Utilização de GPS
Piloto automático guiado por GPS
Plantio Mecanizado Utilizando GPS
PREPARO PROFUNDO ECANTEIRIZADODO SOLO
FILME DA NEW HOLLAND E MAFESAPRESENTAÇÃO DO PENTA
PENTAFonte: J.C.S. Rodrigues
Mudança no uso de insumos
Fonte: J.C.S. RodriguesCanteirização eSistematização
Sistemaradicularprofundocom uso doPentaFonte: João Crisóstomo
Redução consumo dieselFazenda RiachueloTIPO horas/ha litros diesel / haPreparo convencional* 2,5 100,7Penta** 1,4 39,3* Fo...
PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
MONTES DE CANA PRONTOS PARA SEREM DISTRIBUIDOSNOS SULCOS
RETIRADA DE MUDAS COM KIT EMBORRACHADO
SULCA, ADUBA, DISTRIBUI OS TOLETES,APLICA DEFENSIVO E COBRE A MUDA~30% DO PLANTIO DE 2012
PLANTADORA DISTRIBUIDORA
ESPAÇAMENTO DUPLOALTERNADO
Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.
Fonte: Lourival C.Monaco.Jr.
PLANTIO MECANIZADOFonte: Lourival C.M.Jr.Fonte: Raizen
Cultivo e AdubaçãoFonte: Raizen
NOVIDADESNA COLHEITA MECANIZADAJOHN DEERE,CASE E SANTAL
Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.Avaliação do Desempenho Operacionaldas Colhedoras em Espaçamento DuploProdutividadedo canavia...
NOVAS VARIEDADESAS VARIEDADES ESTÃO DEVENDO?
CTC, CV, IAC e RBMais de 50 novasvariedades em 6anosFonte: Equipe CTC
E a RB86 7515 ?ESTÁGIOTCH ATRRB86 7515MédiageralRB86 7515Médiageral12 meses 80,0 85,8 122,73 133,02º corte 97,8 107,7 147,...
Fonte: CTC
INTEGRAÇÃO DO MANEJO VARIETALCOM LOGISTICA DE TRANSPORTEProjeto Grupo IDEA
Divisão da Lavoura em Módulos de Produção
Classificação de Ambientes dentro dos Módulos
PRODUTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃOBIOESTIMULANTES E DE PROTEÇÃO DA CULTURA• REGENT• ACTARA• COMET• PRIORI-XTRAMATURADORES• MODDUSH...
NOVAS TECNOLOGIASNOS TRATOS CULTURAIS
CONCENTRADOR DE VINHAÇAFONTE : ADECOAGRO-MS
PARA SUBSTITUIR A MÃO DE OBRA NA CATAÇÃOWEED SEEKER
VEICULO AEREO NÃOTRIPULADO
COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES – ANÁLISE QUALITATIVATALHÃO 1 TALHÃO 2
COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕESTALHÃO 1 TALHÃO 2FALHAS FALHAS
PRODUÇÃO DEMUDASA PARTIR DEMERISTEMAS
MUDAS DE MERISTEMASSYNGENTA
ETANOL DESEGUNDA GERAÇÃO
HIDRÓLISE ENZIMÁTICAC E L U L O S E C E L U L O S EHEXOSES PENTOSESPRODUÇÃOÁLCOOLCOMPOSTOS NÃOFERMENTÁVEIS
HIDRÓLISE ENZIMÁTICAFonte: GraalBio
BIOTECNOLOGIACTC, CANAVIALIS, SYNGENTA E BAYER
Histórico Biotecnologia no CTC1. Resistência a herbicidas2. Cana BT3. Resistência Mosaico4. Resistência AmarelinhoTEOR DE ...
IRRIGAÇÃO PORGOTEJAMENTO
O EXEMPLO DA AGROPASTORIL PASCHOALCAMPANELLI
O sistema de produção mudou !!!Fonte: Agro Pastoril Campanelli
O Porque do investimento em tecnologiaFonte: Agro Pastoril Campanelli
Conceito de Insanidade !!!"Insanidade é continuar fazendo semprea mesma coisa e esperar resultadosdiferentes."Albert Einst...
Aplicação de calcário• Sistema de cocho• Aplicação de alta qualidade e baixo rendimento• Maior custo de aplicação quando c...
Sistematização - Erosão• Antigo dilema▫ Rendimento Operacional x Manejo da ErosãoFonte: Agro Pastoril Campanelliantes depois
Terraço não é garantia de não ter erosão !!Fonte: Agro Pastoril Campanelli
PLANTIO DIRETO –milho sobre palhada de cana de açúcarFonte: Agro Pastoril Campanelli
Subsolagem com barreira química sobre palhada de MilhoFonte: Agro Pastoril CampanelliUso de piloto automático na subsolage...
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAntes DepoisPlantioLinhasdecanaComprimentomédio (mts)Me...
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliSistematização: Plantio sem “ruas mortas”Planejamento d...
Fonte: Agro Pastoril Campanelli
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação em Taxa Variável com Fósforo e PotássioMapa do...
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação em Taxa Variável com Fósforo e PotássioP K
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliVantagensPiloto automático – operador livre para monito...
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliCONTROLE DE QUALIDADE DA MUDA
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliCOBRIÇÃO SEM PISOTEIO NA MUDATrator MXM 180Trator do tr...
PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliSULCO LARGO EM FORMA DE “U”
SISTEMATIZAÇÃO + CONTROLE DE TRÁFEGOFonte:AgroPastorilCampanelli
Tráfego controlado e sistematizaçãoFonte: Agro Pastoril CampanelliLinha decanaEntrelinhas -Tráfego
Quebra-lomboGreen Seeker para adubação NitrogenadaFonte: Agro Pastoril Campanelli
VANT –AGX Tiriba – Mapa de NitrogênioFonte: Agro Pastoril Campanelli
Fonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação Nitrogenada de CoberturaUniport 3000 NPK
Fonte: Agro Pastoril CampanelliVANT –AGX Tiriba – Id de falhas do plantio
Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
Fonte: Agro Pastoril CampanelliModelo de sustentabilidade
Área de Soqueira de Cana de Açúcarda Agropastoril Campanelli
Fonte: Agro Pastoril CampanelliIDADEMÉDIADOCANAVIALxINDICEDERENOVAÇÃO
* Valores estimadosPRODUTIVIDADE HISTÓRICA
SEMPRE QUE OLHAR PARA OFUTURO... SEJA OUSADODib Nunes Jr.(16) 8144 7810dib@ideaonline.com.br
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a pr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a produtividade dos canaviais - dib nunes (grupo idea)

816 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
816
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul para reduzir o custo da produção e melhorar a produtividade dos canaviais - dib nunes (grupo idea)

  1. 1. O QUE ESTÁ SENDO FEITO NO CENTRO SULPARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE EREDUZIR O CUSTO DE PRODUÇÃO DECANA DE AÇÚCAREng.Agr. Dib Nunes Jr.Grupo IDEA
  2. 2. 010020030040050060070000/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13*MilhõesdetoneladasdecanadeaçúcarEstagnaçãoPRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR NO BRASILSource: UNICA, ALCOPAR, BIOSUL, SIAMIG, SINDALCOOL, SIFAEG, SINDAAF, SUDES e MAPA.1. World financial crisis → acquisitions involving affected companies2. Weather problems in three consecutive harvests3. Perda de competitividade doméstica etanol comparado à gasolina
  3. 3. EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE NOVAS USINAS NOCENTRO-SUL BRASIL91925302193 2051015202530352005/6 2006/7 2007/8 2008/9 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13*In recent years, 65 distilleries also installed sugar factoriesSource: Brasilian Ministry for Agriculture (MAPA) and ÚNICA. Note:2012/13* estimate
  4. 4. PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA EM T/HA NO PERÍODODE 1988 A 2011ANO TCH1988 821989 781990 801991 821992 821993 821994 781995 751996 801997 831998 951999 82MÉDIA 81,5ANO TCH2000 702001 822002 782003 832004 862005 822006 832007 822008 862009 882010 822011 70MÉDIA 81,0MÉDIA GERAL81,3FONTE:MAPA/CTC ELABORADO POR DEMATTÊ
  5. 5. PRODUTIVIDADE DE CANA DE AÇÚCAR EM REGIÕESSIGNIFICATIVAS EM 2012/13REGÕESPRODUTIVIDADE CANA (TCH)2012 2011 2010São Paulo 76 70 85Araçatuba 67 65 84Assis / Presidente Prudente 73 70 78Jaú 75 71 81Piracicaba 77 ’74 81Ribeirão Preto 77 75 95São José do Rio Preto 72 69 86Goiás 67 66 79Minas Gerais 67 66 80Mato Grosso do Sul 69 73 87Mato Grosso 58 54 61Paraná 68 62 79Centro-Sul 71 68 81Fonte: CTC / IDEA
  6. 6. Evolução da produção de cana de açúcar, açúcare etanol no BrasilAçúcar(Milhõestoneladas)Etanol(bilhõesdelitros)Canadeaçúcar(milhõesdetoneladas)
  7. 7. Balanço de oferta e demanda de etanol projetadapara safra de 2012/2013 (abril-março)PRODUTOS (bilhões de litros)2011/12 2012/13VARIAÇÃOVol. %DEMANDA CICLO OTTO (exceto GNV)Combustíveis 44,66 46,92 2,26 5,1%CONSUMO ETANOLAnhydrous ethanol 8,38 7,84 -0,54 -6,4%Hydrous ethanol 11,26 11,55 0,30 2,6%Total 19,64 19,40 -0,24 -1,2%CONSUMO GASOLINAGasoline C 36,80 38,33 2,03 5,5%Source: UNICA
  8. 8. REGISTRO DE VEÍCULOS (Passageiros e comerciais leves)POR TIPO DE COMBUSTÍVELUnidades ANO (%)2011Gasolina 376.998 11,0Etanol 51 0,0Flex fuel 2.848.071 83,1Diesel 200.619 5,92012Gasolina 274.030 7,5Etanol 52 0,0Flex fuel 3.162.822 87,0Diesel 197.211 5,4 Source: Renavam/ Denatran
  9. 9. “ JÁ PRODUZIMOS A CANA E O AÇUCAR MAIS BARATOS DOMUNDO, PORÉM GRADATIVAMENTE PERDEMOS ACOMPETITIVIDADE PARA A AUSTRÁLIA, TAILÂNDIA E ATÉARGENTINA”Glencore
  10. 10. “ A GRANDE MAIORIA DAS USINAS ENCONTRA-SE ALTAMENTEENDIVIDADA E EM CONTÍNUO PROCESSO “EXTRATIVISTA” COMBAIXOS INVESTIMENTOS NA PRODUÇÃO CANAVIEIRA E NAMELHORIA DE SEUS PROCESSOS INDUSTRIAIS”
  11. 11. QUANDO A CRISE SE INSTALOU EM 2008AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:Corte nos orçamentos: reforma de canaviais, tratos culturais,expansão, quadro de funcionários e investimentos em melhoriastecnológicas, tanto na lavoura como na indústria.Terceirização das operações agrícolas, repassando aos “incautos”terceiros, as atividades mais onerosas como a colheita,por exemplo.Atraso no pagamento de fornecedores de cana,arrendamentos de terras e fornecedores de produtose serviços.
  12. 12. QUANDO A CRISE SE AGRAVOU EM 2008AS PRIMEIRAS ATITUDES FORAM:Atraso nas compras dos suprimentos.Choque de gestão, tirando o foco da produção com qualidadee colocando-o em cortes e reduções, muitas vezes semcritérios.Busca por novos financiamentos (mais endividamento) enovos investidores.Tudo para dar fôlego ao caixa, porém estas atitudes sem arecuperação de preços, não adiantou nada.Todas as atitudes citadas acima só agravaram o problema
  13. 13. CUSTO DE PRODUÇÃO DE CANANO ESTADO DE SÃO PAULODescrição UnidadeCustosC/ DepreciaçãoFormação do canavial R$/ha 5.274,24- Preparo do solo R$/ha 1.247,04- Plantio R$/ha 3.536,00- Tratos culturais da cana planta R$/ha 491,20Tratos culturais da cana soca R$/ha 1.301,29Colheita R$/t 25,03Administração R$/ha 164,39Frota de apoio R$/ha 1.083,99CUSTO DA TONELADA DE CANA R$/t 73,93CUSTO DO kg DO ATR R$/kg ATR 0,5422Produtividade t cana/ha 75,95ART Recuperado kg/t 126,39Raio médio km 27,81Fonte: Grupo IDEA ( base outubro 2012)
  14. 14. Evolução dos Custos de produção68,8553,9654,7669,1077,5049,2548,6540,0030,0058,7864,7176,3569,1810,00Fonte: Sucrotec0,0020,0050,0060,0070,0080,00R$ / tonelada Custo da Cana de FornecedoresHistóricoCorrigido (out/12)Exclusive Depreciações e Despesas financeirasFonte: Sucrotec
  15. 15. Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
  16. 16. Evolução dos Custos de produção – Média x Proj. 2012/13
  17. 17. Evolução dos Custos de produçãoFonte: Sucrotec
  18. 18. Custo de Produção de Canano Estado de São PauloR$ 50R$ 60R$ 70R$ 80R$ 90R$ 100R$ 110R$ 120R$ 13040,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0TCHFonte: IDEA
  19. 19. Custo do Kg do ATR – São PauloR$ 0,4000R$ 0,4500R$ 0,5000R$ 0,5500R$ 0,6000R$ 0,6500120,00 121,97 130,00 140,00 150,00 160,00A T RFonte: idea
  20. 20. A IMPORTANCIA DO TEOR DE SACAROSEAçúcarRecuperadoRend.EtanolFaturam.BrutoDiferençaRend. FaturamBrutoDiferençaFat. BrutoAçúcar(kg/t) (litros/t) (R$ / t) (R$ / t) (sc/ t) (R$ / t) R$ / t)120 77,78 86,53 0,00 2,01 101,81 0,00130 84,18 93,65 7,12 2,16 109,40 7,59140 90,65 100,85 14,36 2,47 125,11 23,3150 97,12 108,05 21,52 2,64 133,72 31,91160 103,6 115,26 28,73 2,81 142,33 40,521. INCLUSOS IMPOSTOS2. Saindo de 120 para 130 kg a mais por tonelada, numa moagem de um milhãode toneladas, representaria um faturamento adicional de R$ 7,6 milhões numausina de 2mt
  21. 21. MERCADO POTENCIAL
  22. 22. WHATS COMES NEXT ?SUGAR: BRASIL REMAINS THE MAIN GLOBAL SUPPLIERPara abastecer o mercadointerno e manter suaparticipação de 50% domercado mundial, aprodução brasileira deaçúcar terá que expandirpor 15,7 milhõestoneladasSources: F.O.Licht, LMC, Secex and ÚNICA estimate. Note : The amount of sugar consumed in the domestic market includes the sugar contained in processed products forexport.
  23. 23. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMBUSTÍVEIS NO BRASILConsumo ciclo de OttoCapacidade da Produção de gasolina e o consumo de GNVEtanol4875Déficit decombustívelProdução de gasolinae o consumo de GNV:estávelCapacidade de produçãode etanol(> 30 bilhões litros)2012 2021Necessidade de ampliara produçãode etanol e/ou gasolinaSource: UNICA
  24. 24. Evolution of the sugarcane areaEVOLUÇÃO DA ÁREA DE CANA (milhões ha)CENTRO-SUL 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21C-South (2,5% a.a.) 7,6 7,8 7,9 8,1 8,4 8,6 8,8 9,0C-South (5% a.a.) 7,6 7,9 8,3 8,8 9,2 9,7 10,1 10,6C-South (7,5% a.a.) 7,6 8,1 8,7 9,4 10,1 10,9 11,7 12,67,87,98,18,48,68,89,07,98,38,89,29,710,110,67,68,18,79,410,110,911,712,67,08,09,010,011,012,013,014,02013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21Million/haC-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.)Source: IDEA
  25. 25. Sourde: ÚNICA. Note: The hydrous ethanol is pure sold at the pumps and used without modification by the flex-fuel vehicles, then it competesdirectly with gasoline by the preference of consumers. The anhydrous ethanol is blended with gasoline in proportions ranging from 18% a 25%.
  26. 26. Evolution of sugarcane production612,4635,8660,0684,5701,6719,2737,1627,4667,2709,5753,8791,5831,0872,6590,2642,3699,4761,4828,2890,3957,11.028,8500,0600,0700,0800,0900,01.000,01.100,02013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21Million/tC-SUL (2,5% a.a.) C-SUL (5% a.a.) C-SUL (7,5% a.a.)EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA (milhões/t)2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21C-South (2,5% a.a.) 590,2 612,4 635,8 660,0 684,5 701,6 719,2 737,1C-South (5% a.a.) 590,2 627,4 667,2 709,5 753,8 791,5 831,0 872,6C-South (7,5% a.a.) 590,2 642,3 699,4 761,4 828,2 890,3 957,1 1.028,8Source: IDEA
  27. 27. O Etanol de cana de açúcaré um combustívelrenovável com redução de61% de GHG.BilhõesdeGalõesLEI DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS (RFS-2)- EUA
  28. 28. IMPORTAÇÃO DE GASOLINA ATUALMêsGasolina importada pelo BrasilPreço líquidona refinaria -R$/litro (b)Prejuízo(b) – (a)Volume(m3)Valor(mil US$FOB)US$/litersR$/ liters(a)Ago/11 95.366 74.250 0,78 1,24 1,06 -0,19Set/11 332.865 253.544 0,76 1,33 1,06 -0,28Out/11 508.549 387.668 0,76 1,35 1,06 -0,29Nov/11 289.270 214.005 0,74 1,32 1,16 -0,16Dez/11 547.512 384.481 0,70 1,29 1,16 -0,13Jan/12 314.592 229.827 0,73 1,31 1,16 -0,15Fev/12 429.404 330.744 0,77 1,32 1,16 -0,16Mar/12 482.543 397.666 0,82 1,48 1,16 -0,32Abr/12 292.553 251.978 0,82 1,60 1,17 -0,43Mai/12 196.299 170.257 0,87 1,72 1,17 -0,56Jun/12 227.592 188.390 0,83 1,70 1,26 -0,44Jul/12 194.729 140.240 0,72 1,46 1,26 -0,20Ago/12 143.528 108.032 0,75 1,53 1,26 -0,27
  29. 29. Entretanto.....“... É EXATAMENTE NOS PERÍODOS DE GRANDE DIFICULDADEQUE SE ENCONTRAM AS ALTERNATIVAS PARA ASOBREVIVÊNCIA”“ O SETOR CANAVIEIRO ESTÁ SENDO FORÇADO A FAZERPROFUNDAS MUDANÇAS EM SEUS PROCESSOSPRODUTIVOS PARA VOLTAR A SER COMPETITIVO”
  30. 30. Leis e Atos Geradores de MudançasNR 31 Segurança e Saúde no Trabalho naAgricultura, Pecuária, Silvicultura,Exploração Florestal e AquiculturaNR 12 Segurança no trabalhoem maquinase equipamentosLEI DE ELIMINAÇÃO DAS QUEIMADAS E AÇÕES JUDICIAIS
  31. 31. Evolução da Colheita da Cana de AçúcarCentro Sul34,5% 34,7%34,4%36,1%42%53,3%61%73%65,5,% 65,3%65,6%63,9%58%46,7%39%27%01.0002.0003.0004.0005.0006.0007.0008.0009.0002003 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012mil/haColheita mecanizada Colheita manualFonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
  32. 32. EVOLUÇÃO COLHEITA CANA CRUACentro-Sul78,4%77,5%77,2%72,8%68,3%61,3%55,10%46,1%21,6%22,5%22,8,%27,2%31,7%38,7%44,9%53,9%01.0002.0003.0004.0005.0006.0007.0008.0009.0002005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012MIL/haColheita queimada Colheita cruaFonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA
  33. 33. IMPACTOS GERADOS PELA COLHEITAMECANIZADA CRUA
  34. 34. 1. REDUÇÃO DO TEMPO DE ENTREGADE CANA NA INDUSTRIA2. REDUÇÃO DA CONTAMINAÇÃOMICROBIANA3. REDUÇÃO DA INVERSÃO DESACAROSE4. MATERIAL ORGANICO DEVOLVIDOPARA A LAVOURA – Aproveitamento dapalhaPOSITIVOS11. AUMENTO DE IMPUREZASVEGETAIS(Mais amido, compostos, fenóficos, ácidosorgânicos e AR)2. REDUÇÃO DA DENSIDADE DE CARGA3. REDUÇÃO DA EXTRAÇÃO DO CALDO4. AUMENTO DA UMIDADE DO BAGAÇO5. REDUÇÃO DA CAPACIDADE DEMOAGEM6. INCRUSTAÇÃO DOS EVAPORADORE7. PIORA NA COR DO AÇÚCARNEGATIVOS2IMPACTOS DA COLHEITA MECANIZADA DECANA “CRUA”
  35. 35. Histórico de ImpurezasCentro-SulFonte: Luiz Antônio Paes- CTC - elaboração IDEA01234567892003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012Porcentagem(%)Impureza Vegetal Impureza Mineral
  36. 36. LIMPEZA À SECO
  37. 37. SPHENOPHORUS
  38. 38. SPHENOPHORUS
  39. 39. OUTROS PROBLEMAS CAUSADOS PELA RAPIDAMECANIZAÇÃO DA CANA DE AÇUCARFALTA DE MÃO DE OBRA QUALIFICADAAUMENTO DAS PERDAS DE CANA NA LAVOURA(>4t/ha)QUEDA DE MAIS DE 7 KG NOS TEORES DE SACAROSEAUMENTO DA COMPACTAÇÃO DE SOLOSAUMENTO DO ARRANQUIO DE SOQUEIRAS E FALHASDESCARTE DE AREAS PRODUTIVAS COM DECLIVIDADE >12%PERDA DE PRODUTIVIDADE
  40. 40. CANAVIAL DEPAUPERADO POR COLHEITAMECANIZADAPISOTEIO, ARRANQUIO E PERDASEM LAVOURAS NÃO SISTEMATIZADAS
  41. 41. MUDANÇAS NA TECNOLOGIADE PREPARO DO SOLO EPLANTIO
  42. 42. SISTEMATIZAÇÃO DA ÁREA
  43. 43. NIVELAMENTO DO TERRENO
  44. 44. Plantio Direto sobre soca de canaSÓCA ELIMINADA POR GLIFOSATO
  45. 45. Utilização de GPS
  46. 46. Piloto automático guiado por GPS
  47. 47. Plantio Mecanizado Utilizando GPS
  48. 48. PREPARO PROFUNDO ECANTEIRIZADODO SOLO
  49. 49. FILME DA NEW HOLLAND E MAFESAPRESENTAÇÃO DO PENTA
  50. 50. PENTAFonte: J.C.S. Rodrigues
  51. 51. Mudança no uso de insumos
  52. 52. Fonte: J.C.S. RodriguesCanteirização eSistematização
  53. 53. Sistemaradicularprofundocom uso doPentaFonte: João Crisóstomo
  54. 54. Redução consumo dieselFazenda RiachueloTIPO horas/ha litros diesel / haPreparo convencional* 2,5 100,7Penta** 1,4 39,3* Foi considerado duas gradagens, uma subsolagem e uma grade niveladora** Apenas o PentaFonte: Roberto Sako
  55. 55. PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
  56. 56. PLANTIO POR ESPARRAMAÇÃO
  57. 57. MONTES DE CANA PRONTOS PARA SEREM DISTRIBUIDOSNOS SULCOS
  58. 58. RETIRADA DE MUDAS COM KIT EMBORRACHADO
  59. 59. SULCA, ADUBA, DISTRIBUI OS TOLETES,APLICA DEFENSIVO E COBRE A MUDA~30% DO PLANTIO DE 2012
  60. 60. PLANTADORA DISTRIBUIDORA
  61. 61. ESPAÇAMENTO DUPLOALTERNADO
  62. 62. Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.
  63. 63. Fonte: Lourival C.Monaco.Jr.
  64. 64. PLANTIO MECANIZADOFonte: Lourival C.M.Jr.Fonte: Raizen
  65. 65. Cultivo e AdubaçãoFonte: Raizen
  66. 66. NOVIDADESNA COLHEITA MECANIZADAJOHN DEERE,CASE E SANTAL
  67. 67. Fonte: Lourival C. Monaco.Jr.Avaliação do Desempenho Operacionaldas Colhedoras em Espaçamento DuploProdutividadedo canavial(t/ha)Produção (t)/metro linearDistância paraencher transbordo(m)Quantidade degiros cabeceiraTempo decolheita (min)Tempo Total(min)ProduçãoDiária (t)Litros / t3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 3522 3520 352260 0,0084 0,0150 1.428,6 800,0 3 2 17,14 12,00 20,14 14,00 471,8 678,9 1,50 1,0565 0,0091 0,0163 1.318,7 738,5 3 2 15,82 11,08 18,82 13,08 504,9 726,8 1,40 0,9870 0,0098 0,0175 1.224,5 685,7 3 2 14,69 10,29 17,69 12,29 537,1 773,6 1,31 0,9175 0,0105 0,0188 1.142,9 640,0 2 2 13,71 9,60 15,71 11,60 604,8 819,3 1,18 0,8680 0,0112 0,0200 1.071,4 600,0 2 2 12,86 9,00 14,86 11,00 639,7 864,0 1,12 0,8185 0,0119 0,0213 1.008,4 564,7 2 1 12,10 8,47 14,10 9,47 674,0 1.003,5 1,06 0,7290 0,0126 0,0225 952,4 533,3 2 1 11,43 8,00 13,43 9,00 707,7 1.056,0 1,00 0,6895 0,0133 0,0238 903,4 505,3 2 1 10,83 7,58 12,83 8,58 740,9 1.107,8 0,96 0,65100 0,0140 0,0250 857,1 480,0 2 1 10,29 7,20 12,29 8,20 773,6 1.159,0 0,91 0,62105 0,0147 0,0263 816,3 457,1 2 1 9,80 6,86 11,80 7,86 805,7 1.209,6 0,87 0,59110 0,0154 0,0275 779,2 436,4 2 1 9,35 6,55 11,35 7,55 837,3 1.259,6 0,84 0,57115 0,0161 0,0288 745,3 417,4 2 1 8,94 6,26 10,94 7,26 868,4 1.308,9 0,81 0,55120 0,0168 0,0300 713,3 400,0 2 1 8,57 6,00 10,57 7,00 899,0 1.357,7 0,78 0,52
  68. 68. NOVAS VARIEDADESAS VARIEDADES ESTÃO DEVENDO?
  69. 69. CTC, CV, IAC e RBMais de 50 novasvariedades em 6anosFonte: Equipe CTC
  70. 70. E a RB86 7515 ?ESTÁGIOTCH ATRRB86 7515MédiageralRB86 7515Médiageral12 meses 80,0 85,8 122,73 133,02º corte 97,8 107,7 147,26 141,133º corte 73,7 81,1 133,23 129,294º corte 62,7 64,3 135,39 134,705º corte 58,6 62,0 139,93 136,306º corte 57,4 63,1 137,05 131,56MÉDIA 71,7 77,3 135,92 134,33Fonte: usina assistida pelo IDEA
  71. 71. Fonte: CTC
  72. 72. INTEGRAÇÃO DO MANEJO VARIETALCOM LOGISTICA DE TRANSPORTEProjeto Grupo IDEA
  73. 73. Divisão da Lavoura em Módulos de Produção
  74. 74. Classificação de Ambientes dentro dos Módulos
  75. 75. PRODUTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃOBIOESTIMULANTES E DE PROTEÇÃO DA CULTURA• REGENT• ACTARA• COMET• PRIORI-XTRAMATURADORES• MODDUSHERBICIDA SELETIVOS E PARA SECA• CALLISTO• DUAL GOLD• PLATEAU• CONTAIN
  76. 76. NOVAS TECNOLOGIASNOS TRATOS CULTURAIS
  77. 77. CONCENTRADOR DE VINHAÇAFONTE : ADECOAGRO-MS
  78. 78. PARA SUBSTITUIR A MÃO DE OBRA NA CATAÇÃOWEED SEEKER
  79. 79. VEICULO AEREO NÃOTRIPULADO
  80. 80. COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕES – ANÁLISE QUALITATIVATALHÃO 1 TALHÃO 2
  81. 81. COMPARAÇÃO VISUAL ENTRE TALHÕESTALHÃO 1 TALHÃO 2FALHAS FALHAS
  82. 82. PRODUÇÃO DEMUDASA PARTIR DEMERISTEMAS
  83. 83. MUDAS DE MERISTEMASSYNGENTA
  84. 84. ETANOL DESEGUNDA GERAÇÃO
  85. 85. HIDRÓLISE ENZIMÁTICAC E L U L O S E C E L U L O S EHEXOSES PENTOSESPRODUÇÃOÁLCOOLCOMPOSTOS NÃOFERMENTÁVEIS
  86. 86. HIDRÓLISE ENZIMÁTICAFonte: GraalBio
  87. 87. BIOTECNOLOGIACTC, CANAVIALIS, SYNGENTA E BAYER
  88. 88. Histórico Biotecnologia no CTC1. Resistência a herbicidas2. Cana BT3. Resistência Mosaico4. Resistência AmarelinhoTEOR DE SACAROSEESTRESS HÍDRICO
  89. 89. IRRIGAÇÃO PORGOTEJAMENTO
  90. 90. O EXEMPLO DA AGROPASTORIL PASCHOALCAMPANELLI
  91. 91. O sistema de produção mudou !!!Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  92. 92. O Porque do investimento em tecnologiaFonte: Agro Pastoril Campanelli
  93. 93. Conceito de Insanidade !!!"Insanidade é continuar fazendo semprea mesma coisa e esperar resultadosdiferentes."Albert EinsteinFonte: Agro Pastoril Campanelli
  94. 94. Aplicação de calcário• Sistema de cocho• Aplicação de alta qualidade e baixo rendimento• Maior custo de aplicação quando comparado com sistema a lanço• Trimble FMX + Field IFonte: Agro Pastoril Campanelli
  95. 95. Sistematização - Erosão• Antigo dilema▫ Rendimento Operacional x Manejo da ErosãoFonte: Agro Pastoril Campanelliantes depois
  96. 96. Terraço não é garantia de não ter erosão !!Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  97. 97. PLANTIO DIRETO –milho sobre palhada de cana de açúcarFonte: Agro Pastoril Campanelli
  98. 98. Subsolagem com barreira química sobre palhada de MilhoFonte: Agro Pastoril CampanelliUso de piloto automático na subsolagemreduz perdas ou sobreposição de produto,além de evitar falhas na operação.
  99. 99. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAntes DepoisPlantioLinhasdecanaComprimentomédio (mts)MetroslinearesManobrasTempo de1 min./ manobraPlantio Antigo1,40 mts1.728 369,54 638.565,1 1.728 1,728Plantio novo1,50 mts626 1.080,32676.280,3(+5,9%)626 626 (-19 horas)
  100. 100. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliSistematização: Plantio sem “ruas mortas”Planejamento de Novos Traçados
  101. 101. Fonte: Agro Pastoril Campanelli
  102. 102. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação em Taxa Variável com Fósforo e PotássioMapa do FósforoMapa do Potássio
  103. 103. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação em Taxa Variável com Fósforo e PotássioP K
  104. 104. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliVantagensPiloto automático – operador livre para monitorar plantioMonitoramento com 4 câmeras (alteração)Plantio noturno com alta qualidadeVantagensBoa distribuição de mudasRedução das falhas (equipe de qualidade)Paralelismo
  105. 105. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliCONTROLE DE QUALIDADE DA MUDA
  106. 106. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliCOBRIÇÃO SEM PISOTEIO NA MUDATrator MXM 180Trator do transbordoBitola 3 metrosEixo traseiro reforçadoRedimensionamento do tanque de produto (300 p/ 600 litros)
  107. 107. PLANTIO MECANIZADO DE ALTA QUALIDADEFonte: Agro Pastoril CampanelliSULCO LARGO EM FORMA DE “U”
  108. 108. SISTEMATIZAÇÃO + CONTROLE DE TRÁFEGOFonte:AgroPastorilCampanelli
  109. 109. Tráfego controlado e sistematizaçãoFonte: Agro Pastoril CampanelliLinha decanaEntrelinhas -Tráfego
  110. 110. Quebra-lomboGreen Seeker para adubação NitrogenadaFonte: Agro Pastoril Campanelli
  111. 111. VANT –AGX Tiriba – Mapa de NitrogênioFonte: Agro Pastoril Campanelli
  112. 112. Fonte: Agro Pastoril CampanelliAdubação Nitrogenada de CoberturaUniport 3000 NPK
  113. 113. Fonte: Agro Pastoril CampanelliVANT –AGX Tiriba – Id de falhas do plantio
  114. 114. Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
  115. 115. Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
  116. 116. Fonte: Agro Pastoril CampanelliORGANOMINERAL : Mistura de um fertilizante orgânico com um fertilizante mineralORGANOMINERAL
  117. 117. Fonte: Agro Pastoril CampanelliModelo de sustentabilidade
  118. 118. Área de Soqueira de Cana de Açúcarda Agropastoril Campanelli
  119. 119. Fonte: Agro Pastoril CampanelliIDADEMÉDIADOCANAVIALxINDICEDERENOVAÇÃO
  120. 120. * Valores estimadosPRODUTIVIDADE HISTÓRICA
  121. 121. SEMPRE QUE OLHAR PARA OFUTURO... SEJA OUSADODib Nunes Jr.(16) 8144 7810dib@ideaonline.com.br

×