Cristiane Oliveira – Usina Leão
Novos Controles• Glicerol%Etanol• Formação de Ácidos Orgânicos• Formação de Alcoóis Superiores• Avaliação de Aplicação de ...
Aquisição de umHPLC - WatersAnálise de Ácidos,Açúcares, Glicerol eEtanol em 2 análisesAnálise destassubstâncias em umaúnic...
USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOColunas/Colunas/Colunas/Colunas/SubstânciasSubstânciasSubstânciasSubstânciasResolv...
Escolha da Coluna de CromatografiaColuna SC 1011Fase Móvel:Água Mille-QTemperatura : 30ºCTempo de corrida : 15 minutos
Tempo : 10 minutosMétodo Açúcares (30ºC)DextranaSacaroseGlicoseFrutoseGlicerolEtanolColuna IC-PakFase Móvel: Solução de Ác...
Coluna IC-PakFase Móvel: Solução de ÁcidoSulfúricoTempo : 10 minutosTemperatura: 75ºCOs açúcares sãoquantificados como ART
Coluna IC-PakFase Móvel: Solução de ÁcidoSulfúricoTempo : 18 minutosTemperatura : 75ºC
Comparativo de Amostras de Mosto FermentadoARTEtanolUtilização dos Dados no Acompanhamento do ProcessoLácticoGlicerolAcético
DiárioDiárioDiárioDiário SemanalSemanalSemanalSemanal QuinzenalQuinzenalQuinzenalQuinzenal TrimestralTrimestralTrimestralT...
DATAS Nº INJEÇÕESSAFRA /ENTRE SAFRANº INJEÇÕES /ANO2011Junho 28 à 30 521.6817816Julho 01 à 31 464Agosto 01 à 31 521Setembr...
USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOAmostraAmostraAmostraAmostra FrequênciaFrequênciaFrequênciaFrequência TempoTempoTe...
012345671 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26Glicerol%EtanolSafra 11/12 Safra 12/13Safra 11...
05010015020025030000,511,522,533,544,5Dorna 1 Dorna 2 Dorna 3 Dorna 4 Dorna 5 Dorna ASafra 12/13Acidez Glic%Etanol Ac Orgâ...
0,000,100,200,300,400,500,600,700,800,901 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26Safra 12/13 Sa...
020406080100120140160180PrimárioMisto Ma Mf PrimárioMisto Ma Mf PrimárioMisto Ma MfÁcidos (mg/100mL)Safra 11/12 Safra 12/1...
0,00100,00200,00300,00400,00500,00600,00700,00800,001 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 67 70 7...
0,0020,0040,0060,0080,00100,00120,00140,00160,00180,00200,00D1 D2 D3 D4 D5 DA D1 D2 D3 D4 D5 DA D1 D2 D3 D4 D5 DA(Acético+...
USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃO00,050,10,150,20,250,30,350,41 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 3...
0,001,002,003,004,005,006,007,00Dorna 3 Dorna 1 Dorna 2 Dorna 5 Dorna A Dorna 4Alcoóis (mg/100mL)I Propanol N Propanol I B...
Avaliação de Ativos050100150200250300350400Ac. Lactico Ac. Acetico Ac. Propionico
Para uma mesma análise de acidez ( teste 1 e 2), podemos ter umadiferença de 171 ppm de ácidos orgânicos de diferença.Colo...
Podemos avaliar a aplicação de ativos na torre através da formação deácidos. Com este acompanhamento por turno também pode...
05010015020025030035001/10/1202/10/1203/10/1204/10/1205/10/1206/10/1207/10/1208/10/1209/10/1210/10/1211/10/1212/10/1213/10...
Utilização das Análises Cromatográficas paraControle das Perdas na Moenda0,005,0010,0015,0020,0025,0030,0035,0040,00Sem1Se...
Estas análises foram feitas das amostras do laboratório central, em horasdeterminadas, uma vez por turno.Observamos que os...
-10,00-8,00-6,00-4,00-2,000,002,004,006,008,0010,0024/09/1225/09/1226/09/1227/09/1202/10/1204/10/1210/10/1212/10/1213/10/1...
Planta Piloto FermentaçãoAbril 2012
Ácido Propiônico(mg/100ml)Ácido Acético(mg/100ml)Ácido Láctico(mg/100ml)Planta pilotoTeste de Ativos – Dosagem Intermediár...
ART (%)ºGL dorna 1 – 4,63 %ºGL dorna 2 – 4,71 %Diferença em litros – 80 em 100m3Ganho = R$ 80,00 (álcool a R$1,00)Lucro re...
USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃO Projeto Usina Leão - MetrohmFoi colocado um equipamento da Metrohm com detector d...
Coluna de ÂnionsObjetivo:Acompanhar as dosagens de nutrientes, otimizar e relacionar com osresultados de eficiência.010020...
Cromatograma de Ânions+Ácidos OrgânicosTempo: 80 minutosOtimização para Análise de Ânions
Futuro?????•Analisar células Vivas em linha•Analisar Aminoácidos•Analisar Ácidos Graxos...Aminoácidos
AgradecimentosAo SINDAÇÚCAR de Pernambuco, na pessoa de Tiago Delfino,pelo convite.A USINA LEÃO em especial Eduardo Montei...
Bastante!!!!!!!!Acreditamos que começamos mudar os nossosparâmetros... E esta evolução está chegando na horacerta!Obrigada...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de novos parâmetros de controle da fermentação -...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de novos parâmetros de controle da fermentação -...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de novos parâmetros de controle da fermentação - cristiane oliveira (usina utinga leão)

732 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
732
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de novos parâmetros de controle da fermentação - cristiane oliveira (usina utinga leão)

  1. 1. Cristiane Oliveira – Usina Leão
  2. 2. Novos Controles• Glicerol%Etanol• Formação de Ácidos Orgânicos• Formação de Alcoóis Superiores• Avaliação de Aplicação de Ativos na Fermentação e nasÁguas Industriais• Dosagem de Nutrientes
  3. 3. Aquisição de umHPLC - WatersAnálise de Ácidos,Açúcares, Glicerol eEtanol em 2 análisesAnálise destassubstâncias em umaúnica corridaAnálise deContaminantes naFermentaçãoParceria em umCromatógrafo IônicoMetrohm para Análise deNutrientesTodo o controlepelo HPLCAnálise de Ácidos,Açúcares, Glicerole Etanol em 10minutosAnálise de Ácidos,Açúcares, Glicerol , Etanol eContaminantesSAFRA 10/11DEZ /2012SAFRA 11/12MAR a SET 2011DEZ /2010MAI /2010SAFRA 12/13MAR a SET 2012
  4. 4. USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOColunas/Colunas/Colunas/Colunas/SubstânciasSubstânciasSubstânciasSubstânciasResolveResolveResolveResolve Dextro PakDextro PakDextro PakDextro Pak SC 1011SC 1011SC 1011SC 1011 KC 811KC 811KC 811KC 811 IC PakIC PakIC PakIC PakSacarose XXXX XXXX XXXX XXXX XXXXGlicose XXXX XXXX XXXXFrutose XXXX XXXX XXXXAR(Glicose+Frutose) XXXX XXXX XXXXDextranaDextranaDextranaDextrana (*) XXXX XXXXRafinose XXXX XXXXGlicerol XXXX XXXX XXXX XXXX XXXXEtanol XXXX XXXX XXXX XXXX XXXXÁcido Láctico XXXX XXXXÁcido Acético XXXX XXXXÁcido Succínico XXXX XXXXÁcido Propiônico XXXX XXXXÁcido Butírico XXXX XXXXIso propanol XXXXN propanol XXXXIso amílico XXXXIso butanol XXXXTeste com Colunas
  5. 5. Escolha da Coluna de CromatografiaColuna SC 1011Fase Móvel:Água Mille-QTemperatura : 30ºCTempo de corrida : 15 minutos
  6. 6. Tempo : 10 minutosMétodo Açúcares (30ºC)DextranaSacaroseGlicoseFrutoseGlicerolEtanolColuna IC-PakFase Móvel: Solução de ÁcidoSulfúricoTempo : 10 minutosMétodo Ácidos (75ºC)Ácido LácticoÁcido AcéticoÁcido SuccínicoÁcido PropiônicoÁcido Butírico
  7. 7. Coluna IC-PakFase Móvel: Solução de ÁcidoSulfúricoTempo : 10 minutosTemperatura: 75ºCOs açúcares sãoquantificados como ART
  8. 8. Coluna IC-PakFase Móvel: Solução de ÁcidoSulfúricoTempo : 18 minutosTemperatura : 75ºC
  9. 9. Comparativo de Amostras de Mosto FermentadoARTEtanolUtilização dos Dados no Acompanhamento do ProcessoLácticoGlicerolAcético
  10. 10. DiárioDiárioDiárioDiário SemanalSemanalSemanalSemanal QuinzenalQuinzenalQuinzenalQuinzenal TrimestralTrimestralTrimestralTrimestralVerificação dosPadrões (Açúcar,Ácidos,Contaminantes)Retrolavagem Regeneração comMetanolCalibraçãoManutenção Preventiva da Coluna CromatográficaPadrões e Curva de CalibraçãoAçúcaresAçúcaresAçúcaresAçúcares ÁcidosÁcidosÁcidosÁcidos ContaminantesContaminantesContaminantesContaminantesSacarose, Glicose,Frutose,DextranaDextranaDextranaDextranaLáctico, Acético,Propiônico, Butírico,Succínico, AconíticoGlicerol, Etanol, IsoPropanol, N Propanol, IsoButanol, Iso Amílico,Acetaldeído e Metanol5 Pontos na curva de calibração para todos
  11. 11. DATAS Nº INJEÇÕESSAFRA /ENTRE SAFRANº INJEÇÕES /ANO2011Junho 28 à 30 521.6817816Julho 01 à 31 464Agosto 01 à 31 521Setembro 01 à 30 644Outubro 01 à 31 1.62412.149Novembro 01 à 30 2.145Dezembro 01 à 31 2.3662012Janeiro 01 à 31 2.59415.376Fevereiro 01 à 29 2.395Março 01 à 31 1.025Abril 01 à 30 3181.889Maio 01 à 31 438Junho 01 à 29 412Julho 01 à 31 419Agosto 01 à 31 302Setembro 01 à 30 71410.677Outubro 01 à 31 2.288Novembro 01 à 30 2.414Dezembro 01 à 30 2.0572013Janeiro 01 à 31 2.0303480Fevereiro 01 à 28 1.174Março 01 à 27 224276Abril 01 à 04 52Total 23 MESES 641 DIASResultado da Manutenção Preventiva da Coluna26.672
  12. 12. USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOAmostraAmostraAmostraAmostra FrequênciaFrequênciaFrequênciaFrequência TempoTempoTempoTempoCaldo para Destilaria 2 em 2 horas 216minutosMel Final 1 por turno 54 minutosMosto de Alimentação 2 em 2 horas 216minutosMosto Fermentado Max .a cada 2horas216minutosÁgua da Torre de Resfriamento 1 por turno 54 minutosTotal 12:10Controle Analítico da DestilariaDeixamos de fazer no Método Tradicional•Ar e Art Titulado•Teor Alcoólico por Ebuliômetro ou Cromatografia GasosaOBS: Continuamos fazendo no método tradicional a vinhaça e o leite tratado,pensando na preservação da coluna em função da quantidade de impurezas presentes
  13. 13. 012345671 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26Glicerol%EtanolSafra 11/12 Safra 12/13Safra 11/12 - 4,63Safra 12/13 - 3,05Esta relação inicialmente (safra 11/12) era de 5%. Nesta safra conseguimos baixarbastante, porém, procuramos uma causa como viabilidade, % fermento na dorna,brotamento, ART do mosto, ºGL das dornas e nada foi indicativo.Tivemos um pouco mais de cana para a destilaria em relação a safra anterior.Novos Controles : Glicerol%Etanol
  14. 14. 05010015020025030000,511,522,533,544,5Dorna 1 Dorna 2 Dorna 3 Dorna 4 Dorna 5 Dorna ASafra 12/13Acidez Glic%Etanol Ac OrgânicosFormação de GlicerolObservamos que o glicerol é inversamente proporcional a acidez.titulada, assim como, a concentração de ácidos orgânicos.O que nos causou surpresa.
  15. 15. 0,000,100,200,300,400,500,600,700,800,901 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26Safra 12/13 Safra 11/12Foi observado uma diminuição considerável no ART residual dasdornas. Levar em conta que estamos falando de ARTART Residual no Mosto FermentadoComparativo de Safras
  16. 16. 020406080100120140160180PrimárioMisto Ma Mf PrimárioMisto Ma Mf PrimárioMisto Ma MfÁcidos (mg/100mL)Safra 11/12 Safra 12/13PropiônicoAcéticoLácticoPERFIL DE ÁCIDOS NA FÁBRICA
  17. 17. 0,00100,00200,00300,00400,00500,00600,00700,00800,001 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 67 70 73 76 79 82 85 88 91 94 97 100103106109112115118121124127130133136139142145Comparativo de Ácidos OrgânicosÁcidos (Mosto de Alimentação) Ácidos (Mosto Fermentado)Formação de Ácidos Orgânicos
  18. 18. 0,0020,0040,0060,0080,00100,00120,00140,00160,00180,00200,00D1 D2 D3 D4 D5 DA D1 D2 D3 D4 D5 DA D1 D2 D3 D4 D5 DA(Acético+Latico+Propiônico)Safra 11/12 Safra 12/13Dorna 5 aparece com umamenor formação de ácidos.Tem a maior área de trocatérmica.LácticoAcéticoPerfil de Ácidos por DornaLáctico
  19. 19. USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃO00,050,10,150,20,250,30,350,41 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61 63 65 67 69 71Alcóois Superiores%Etanol(lso Propanol, N Propanol, Iso Butanol, Iso Amílico)Acredito que já podemos buscar este número de 0,2% em relação ao etanolFormação de Alcoóis Superiores naFermentação
  20. 20. 0,001,002,003,004,005,006,007,00Dorna 3 Dorna 1 Dorna 2 Dorna 5 Dorna A Dorna 4Alcoóis (mg/100mL)I Propanol N Propanol I Butanol I AmilicoAlcoóis Superiores por Dorna
  21. 21. Avaliação de Ativos050100150200250300350400Ac. Lactico Ac. Acetico Ac. Propionico
  22. 22. Para uma mesma análise de acidez ( teste 1 e 2), podemos ter umadiferença de 171 ppm de ácidos orgânicos de diferença.Colocando para 200 toneladas de mosto por hora, teríamos 34,2Kg de ácidos produzidos por hora, que não seriam mostrados peloresultado da análise convencional.TesteAc.LacticoAc.AceticoAc.Propionico Ác. Totais Diferença AcidezControle Negativo 40,188 15,007 0,000 55,195 0,581 A1130+A0920+A1330 42,166 31,130 11,591 84,887 0,972 A1120+A0920+A1330 54,281 38,546 9,153 101,980 17,093 0,973 A1130+A1330 80,914 36,627 12,589 130,130 1,174 A1130+A0930+A1320 95,177 40,435 12,371 147,983 17,853 1,175 A1120+A0930+A1320 125,780 57,228 11,189 194,197 1,466 A0940+A1320 136,338 68,956 11,540 216,834 22,637 1,467 A1130+A0930 261,062 100,775 11,074 372,911 156,077 2,44Controle Positivo 309,993 105,976 13,965 429,934 2,93Avaliação dos resultados
  23. 23. Podemos avaliar a aplicação de ativos na torre através da formação deácidos. Com este acompanhamento por turno também podemos serpreventivos em relação a contaminação de açúcar e/ou álcool.Utilização das Análises Cromatográficas paraControle de Águas Industriais0,000,020,040,060,080,100,120,140,005,0010,0015,0020,0025,0030,0001/10/1202/10/1203/10/1204/10/1205/10/1206/10/1207/10/1208/10/1209/10/1210/10/1211/10/1212/10/1213/10/1214/10/1215/10/1216/10/1217/10/1218/10/1220/10/1221/10/1222/10/1223/10/1224/10/1225/10/1226/10/1227/10/1228/10/1229/10/1230/10/1231/10/1201/11/1202/11/1203/11/1204/11/12Semana 2 Semana3Semana4Semana 5 Semana6Láctico Acético Propiônico ArT Etanol
  24. 24. 05010015020025030035001/10/1202/10/1203/10/1204/10/1205/10/1206/10/1207/10/1208/10/1209/10/1210/10/1211/10/1212/10/1213/10/1214/10/1215/10/1216/10/1217/10/1218/10/1219/10/1220/10/1221/10/1222/10/1223/10/1224/10/1225/10/1226/10/1227/10/1228/10/1229/10/1230/10/1231/10/1201/11/1202/11/1203/11/1204/11/1206/11/1207/11/1208/11/1209/11/1210/11/1211/11/1212/11/1213/11/1214/11/1215/11/1216/11/1217/11/1218/11/1219/11/1220/11/1221/11/1222/11/1223/11/1224/11/1225/11/1226/11/1227/11/1228/11/1229/11/1230/11/1201/12/1202/12/1204/12/1205/12/1207/12/1208/12/1209/12/1210/12/1211/12/1212/12/1213/12/1214/12/1215/12/1216/12/1217/12/1218/12/1219/12/1220/12/1221/12/1222/12/1223/12/1224/12/1225/12/1226/12/1227/12/1228/12/1229/12/1201/01/1303/01/1304/01/1305/01/1306/01/1308/01/1309/01/1310/01/1311/01/1312/01/1313/01/1314/01/1315/01/1316/01/1317/01/1318/01/1319/01/1320/01/1321/01/1322/01/1323/01/1324/01/1325/01/1326/01/1327/01/1328/01/1329/01/1330/01/1331/01/1301/02/1302/02/1303/02/1304/02/1305/02/1306/02/1307/02/1308/02/1309/02/1310/02/13Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 Semana 6 Semana 7 Semana 8 Semana 9 Semana 10 Semana11Semana 12 Semana 13 Semana 14 Semana 15 Semana 16 Semana 17 Semana 18 Semana 19 Semana 20Ácidos Orgânicos(mg/100ml) – Safra 12/13Láctico Acético Propônico Butírico276 análises87 análises0501001502002503003501 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61 63 65 67 69 71 73 75 77 79 81 83 85 87Ácidos Orgânicos (mg/100ml) – Safra 11/12Ac. Lactico Ac. Acético Ac. Propionico Ac. ButiricoInício de novotratamentoÁgua de Lavagem de Cana
  25. 25. Utilização das Análises Cromatográficas paraControle das Perdas na Moenda0,005,0010,0015,0020,0025,0030,0035,0040,00Sem1Sem2Sem3Sem4Sem5Sem6Sem7Sem8Sem9Sem10Sem11Sem12Sem13Sem14Sem15Sem16Sem17Sem18Sem19Sem20Sem21Acidos Totais (Primário) Acidos Totais (Misto)Somatório Ácidos Orgânicos - Primário e Misto(Lático, Acético e Propiônico)0,000,501,001,502,002,503,003,50Sem1Sem2Sem3Sem4Sem5Sem6Sem7Sem8Sem9Sem10Sem11Sem12Sem13Sem14Sem15Sem16Sem17Sem18Sem19Sem20Sem21AR (Primário) AR (Misto)Açúcares Redutores - Primário e Misto
  26. 26. Estas análises foram feitas das amostras do laboratório central, em horasdeterminadas, uma vez por turno.Observamos que os valores de ácidos orgânicos são muito baixos e como temos quefazer a diluição, muitas vezes não conseguirmos detectar.Por outro lado precisaria ser feita a correção da diluição do primário para o misto.Tentando achar um modelo de controle eficiente fizemos as seguintes correções:Para a perda por inversãoO resultado do AR do primário seria o inicial multiplicado por 0,95 para transformar emsacarose. O mesmo seria feito para o misto.A diferença da sacarose perdida no misto menos o primário seria a perda por inversãona moenda.Exemplo:Ar PrimárioAr PrimárioAr PrimárioAr Primário Ar MistoAr MistoAr MistoAr Misto SacaroseSacaroseSacaroseSacarosePrimárioPrimárioPrimárioPrimárioSacaroseSacaroseSacaroseSacaroseMistoMistoMistoMisto1,39 1,47 14,14 13,25Sacarose perdida em relação a concentração de sacarose na amostra (%)(1,39*0,95)/14,14*100=9,34 (1,47*0,95)/13,25*100=10,5410,54 - 9,34 = 1,2% de sacarose perdida na moendaUtilização das Análises Cromatográficas paraControle das Perdas na Moenda
  27. 27. -10,00-8,00-6,00-4,00-2,000,002,004,006,008,0010,0024/09/1225/09/1226/09/1227/09/1202/10/1204/10/1210/10/1212/10/1213/10/1214/10/1215/10/1217/10/1220/10/1221/10/1222/10/1224/10/1226/10/1230/10/1201/11/1207/11/1209/11/1210/11/1211/11/1212/11/1214/11/1216/11/1217/11/1218/11/1219/11/1220/11/1221/11/1223/11/1224/11/1225/11/1226/11/1228/11/1229/11/1230/11/1201/12/1202/12/1203/12/1205/12/1207/12/1208/12/1209/12/1210/12/1211/12/1212/12/1213/12/1214/12/1215/12/1225/12/1227/12/1229/12/1203/01/1305/01/1306/01/1309/01/1311/01/1312/01/1313/01/1315/01/1316/01/1317/01/1322/01/1323/01/1324/01/1325/01/1326/01/1329/01/1330/01/1331/01/1301/02/1302/02/1303/02/1304/02/1305/02/1306/02307/02/1308/02/1309/02/1310/02/1311/02/1312/02/1313/02/1314/02/1315/02/1316/02/1317/02/13Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 Semana 6 Semana 7 Semana 8 Semana 9 Semana 10 Semana 11Semana 12 Semana 13Semana 14Semana 15Semana 16Semana 17Semana 18Semana 19 Semana 20 Semana 21Perdas nas Moendas – Safra 12/13Perdas por InversãoPerda Média por Inversão (AR)Perda Média por Inversão (AR)Perda Média por Inversão (AR)Perda Média por Inversão (AR)1,085Gráfico Horário
  28. 28. Planta Piloto FermentaçãoAbril 2012
  29. 29. Ácido Propiônico(mg/100ml)Ácido Acético(mg/100ml)Ácido Láctico(mg/100ml)Planta pilotoTeste de Ativos – Dosagem IntermediáriaForam utilizados nesta dosagem intermediária:30ppm do Ativo “X” com 15 ppm do Ativo“Y”Custo = R$ 15,00/100m3(Preços praticados na safra 12/13)Foram usados ativos e dosagens testadas nolaboratório para as prováveis bactérias produtorasdestes ácidos especificamente.
  30. 30. ART (%)ºGL dorna 1 – 4,63 %ºGL dorna 2 – 4,71 %Diferença em litros – 80 em 100m3Ganho = R$ 80,00 (álcool a R$1,00)Lucro real= 80-15= R$ 65,00/ 100m3Planta pilotoTeste de Ativos – Dosagem IntermediáriaGlicerol (%) Etanol (%)
  31. 31. USINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃOUSINA LEÃO Projeto Usina Leão - MetrohmFoi colocado um equipamento da Metrohm com detector de condutividade para análisesde ânions e cátions (nutrientes) na destilaria. Como ele tem apenas um detector sópodemos fazer uma análise por vez.Escolhemos os ânions para iniciar com fosfato.
  32. 32. Coluna de ÂnionsObjetivo:Acompanhar as dosagens de nutrientes, otimizar e relacionar com osresultados de eficiência.0100200300400500600700800900PF2/DT3-11:20PF1/DT5-15:00PF2/DT1-16:55PF1/DT4-20:45PF2/DTA-22:20PF1/DT2-02:25PF2/DT3-07:45PF2/DT1-11:00PF1/DT4-13:30PF2/DTA-20:20PF1/DT2-22:30PF2/DT3-05:15PF1/DT5-07:30PF2/DT1-09:30PF1/DT4-10:45PF2/DT2-16:45PF1/DT3-18:40PF2/DT5-21:00PF1/DT1-00:20PF2/DT4-06:55PF3/DTA-07:45PF1/DT2-15:00PF2/DT5-16:40PF1/DT1-22:00PF2/DT4-01:15PF1/DT3-03:55PF3/DT2-06:30PF2/DT2-09:35PF1/DT5-10:50PF2/DT4-14:40PF1/DT3-18:15PF2/DT1-21:15PF1/DT2-02:00PF2/DT5-04:10PF1/DT4-05:35PF2/DT3-06:10PF1/DT1-16:50PF2/DT2-19:00PF1/DT5-00:30PF2/DT4-03:20PF1/DT3-07:30PF2/DT1-09:45PF1/DT2-13:00PF1/DT4-19:00PF1/DT1-01:30PF2/DT2-03:15PF1/DTA-05:35PF2/DT5-09:40PF2/DT1-18.20PF1/DT1-20:30PF2/DT2-23:00PF1/DTA-02:00PF2/DT5-05:55PF1/DT3-08:50PF2/DT1-16:25PF1/DT2-17:45PF2/DT4-21:25PF1/DT5-00:05PF2/DT3-05:35PF1/DT1-09:00PF2/DT2-11.30PF1/DT3-21:15PF2/DT1-00:45PF1/DT2-03:00PF1/DT2-03:00Ajuste na dosagem de Fósforo (ppm)Sem Produto Com Produto
  33. 33. Cromatograma de Ânions+Ácidos OrgânicosTempo: 80 minutosOtimização para Análise de Ânions
  34. 34. Futuro?????•Analisar células Vivas em linha•Analisar Aminoácidos•Analisar Ácidos Graxos...Aminoácidos
  35. 35. AgradecimentosAo SINDAÇÚCAR de Pernambuco, na pessoa de Tiago Delfino,pelo convite.A USINA LEÃO em especial Eduardo Monteiro e Marcos Aurélio,pela oportunidade de desenvolver este trabalho.A PROSUGAR na pessoa de José Raimundo que sempre estádisposto a contribuir nos auxiliando nas dúvidas.A COREMAL na pessoa de Roberto Maia pela disponibilização dealguns equipamentos.A WATERS pelo apoio técnico.A METROHM por disponibilizar um equipamento para iniciarmos odesenvolvimento, em especial a Larissa Zanuni e Elder Polo peloapoio técnico a qualquer hora.E de uma forma muito especial a minha equipe Luciana, Victor,Ane, Fabiana, Camila, Paula e Evanio , sem eles com certeza istonão seria possível.
  36. 36. Bastante!!!!!!!!Acreditamos que começamos mudar os nossosparâmetros... E esta evolução está chegando na horacerta!Obrigada pela atençãocristiane.oliveira@leaoirmaos.ind.br(82)9126-7541

×