SlideShare uma empresa Scribd logo
GERALDO MAJELA DE ANDRADE SILVA
ASSESSOR TÉCNICO DA ORPLANA
SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE CANA-DE-AÇÚCAR
RECIFE – ABRIL de 2013
Fundação: 29 de Junho de 1976
Abertura para Centro-Sul : 12/12/2003
34 associadas: SP (25), MT (1),
MS (1), MG (4) e GO (3)
Cerca de 17 mil fornecedores
125 milhões de toneladas de cana
PRODUÇÃO DOS FORNECEDORES DE CANA-DE-AÇÚCAR E
PARCERIAS AGRÍCOLAS – SP/GO/MG/MS/MT
SAFRA 2012/2013
DISCRIMINAÇÃO TOTAL
CANA PROCESSADA (t) 131.808.170
ATR (kg/t) 136,46
PRODUÇÃO DE AÇÚCAR EQUIVALENTE (t) 8.655.923
PRODUÇÃO DE ALCOOL HIDRATADO EQUIVALENTE ( m3) 5.312.632
PRODUÇÃO DE ATR (t) 17.988.894
MOAGEM MÉDIA (2.400.00 Toneladas/Ano)
EQUIVALENCIA EM UNIDADES INDUSTRIAIS 46
Perfil dos Fornecedores Independentes e parcerias de cana-de-açúcar
na safra 2012/2013, considerando-se, apenas, os dados apurados
no sistema ATR de Pagamento de Cana pela Qualidade.
ESTRATOS DE PRODUÇÃO - SISTEMA ATR - SAFRA 2012/2013
ESTRATOS
Nº de
produtores
% de
produtores
Acumulado
%
Área
Média
(ha)
Produção (t)
% de
produtores
Acumulado
%
kg de
ATR/t
Menor que 1.000(t) 8.297 42,8 42,8 8 4.647.524 3,5 3,5 137,32
De 1.001 a 6.000(t) 7.902 40,8 83,6 46 25.451.551 19,3 22,8 138,06
De 6.001 a 12.000(t) 1.580 8,2 91,7 151 16.720.374 12,7 35,5 136,66
De 12.001 a 25.000(t) 941 4,9 96,6 308 20.255.520 15,4 50,9 136,55
De 25.001 a 50.000(t) 394 2,0 98,6 638 17.580.329 13,3 64,2 136,44
De 50.001 a 100.000(t) 161 0,8 99,5 1236 13.902.884 10,5 74,8 136,16
Acima de 100.000(t) 105 0,5 100,0 4533 33.249.989 25,2 100,0 135,10
REGISTRADOS NO
SISTEMA ATR
19.380 100,0 97 131.808.170 100,0 136,48
Regionalização da produção de cana-de-açúcar de fornecedores
Independentes e parcerias na safra 2012/2013, no Estado de São Paulo
e demais Estados da Região Centro-Sul
REGIÃO Nº FORN
CANA (t)
BRIX POL FIBRA PC PUREZA ARC
kg de
ATR/tENTREGUE
Araçatuba 1202 10.984.781 19,04 16,36 13,27 13,54 85,84 0,58 135,70
Araraquara 548 2.492.092 19,06 16,34 14,14 13,32 85,62 0,57 133,52
Oeste 2057 19.081.546 18,99 16,34 12,90 13,61 85,90 0,58 136,35
Jaú 2298 17.023.713 19,04 16,58 12,63 13,88 86,96 0,55 138,74
Piracicaba 6105 17.293.549 18,99 16,41 13,56 13,49 86,30 0,56 135,25
Ribeirão Preto 5681 36.723.718 18,90 16,45 12,57 13,78 86,88 0,55 137,78
Vale do Paranapanema 1303 12.019.841 18,38 15,93 13,21 13,19 86,46 0,56 132,20
ESTADO DE SÃO PAULO 19.194 115.619.239 18,91 16,38 12,95 13,63 86,47 0,56 136,44
Goiás 214 4.578.910 19,37 16,58 12,62 13,88 85,47 0,59 139,13
Mato Grosso 58 1.284.882 18,60 15,78 12,97 13,12 84,66 0,61 131,98
Mato Grosso do Sul 115 2.836.450 18,35 15,91 12,60 13,33 86,51 0,56 133,53
Minas Gerais 401 7.488.689 18,96 16,36 12,66 13,68 86,15 0,58 137,05
TOTAL SISTEMA ATR 19.380 131.808.170 18,92 16,37 12,91 13,63 86,40 0,56 136,46
Conjunto de regras, definidas
em Regulamento, para avaliar a
qualidade da cana-de-açúcar e
nortear os negócios de venda e
compra .
Adoção não-obrigatória – As partes
que o adotarem devem observar as
Regras do Sistema.
O Regulamento possui 3 Anexos:
Anexo I: Normas Operacionais para determinar a qualidade da Cana
Anexo II: Formação do Preço da cana-de-açúcar e da Forma do Pagamento
Anexo III: Regras Contratuais Mínimas.
CÁLCULO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
O preço da cana-de-açúcar é calculado pela seguinte expressão:
Preço da
cana-de-
açúcar
kg de
ATR/t de
cada
produtor
Preço médio do kg
de ATR da unidade
industrial ou do
Grupo de
Comercialização
FORMAÇÃO DO PREÇO DA
CANA-DE-AÇÚCAR
1. Qualidade da Matéria Prima
de cada produtor, expressa em
kg ATR/t
FLUXOGRAMA
BRIX
PBU
POL
FLUXOGRAMA DE ANÁLISES TECNOLÓGICAS
UNIDADE INDUSTRIAL
LABORATÓRIO DE ANÁLISES
BRIX DO CALDO (B) POL DO CALDO (S) PESO DO BAGAÇO ÚMIDO (PBU)
FIBRA DA CANA (F)PUREZA DO CALDO (Q)
AÇÚCARES REDUTORES DO CALDO (AR)
AÇÚCARES REDUTORES DA CANA (ARC)
AÇÚCARES TOTAIS RECUPERÁVEIS (ATR)
POL DA CANA (PC)
PERDAS INDUSTRAIS
PERDAS
INDUSTRIAIS
1998 a
2004
12,0%
2005 a
2010
9,5%
2011
8,5%
CONSECANA – Perdas Industriais para cálculo do ATR
ATR = (10 x PC x FP x 1,05263) + (10 x FP x ARC)
ATR – Açúcar Total Recuperável
PC - Pol % Cana
ARC – Açúcares Redutores % Cana
10 x PC - kg de Pol por Tonelada de Cana
FP – Fator de perdas industriais (1 – (PI ÷ 100))
PI = Perdas industriais (%)
1,05263 - fator de conversão de sacarose para Açúcares redutores
ATR = (10,5263 x 0,905 x PC) + (10 x 0,905 x ARC)
ATR = (10,5263 x 0,88 x PC) + (10 x 0,88 x ARC)
ATR = (10,5263 x 0,915 x PC) + (10 x 0,915 x ARC)
A PARTIR DA SAFRA 2011/2012 – 8,5% PI
SAFRA 2006/07 À SAFRA 2010/11 – 9,5% PI
SAFRA 1998/99 A SAFRA 2005/06 – 12% PI
CONSECANA - ATR
Fórmulas 1998 A 2004 2005 A 2010 EM 2011
ATR 9,26288 x PC + 8,8 x ARC 9,5263 x PC + 9,05 x ARC 9,6316 X PC + 9,15 X ARC
ATR RELATIVO ATRFQ – ATRUQ + ATRUS
FIBRA % CANA – PUREZA DO CALDO – COEFICIENTE C
1998/99 A 2000/2001 A PARTIR DA SAFRA 2001/2002
Fórmula FIBRA 0,152 x PBU – 8,367 0,08 X PBU +0,80
Fórmula
PUREZA
9,9408 - 0,1049 x Q
3,641 - 0,0343 x Q
Coeficiente C 1,0313 – 0,00575 X F
CÁLCULO DO
PREÇO DO kg DO ATR
Participação do Custo da Matéria Prima
no Custo de produção do Açúcar,
do Etanol Anidro e Hidratado
Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos
Mercados Interno e Externo - ESALQ/CEPEA
Fatores de Conversão do Açúcar
e do Etanol em ATR
Para estabelecer um critério adequado de repartição da receita obtida com a
venda dos produtos finais, foi realizado um levantamento de todos os custos
envolvidos na produção de cana de açúcar, de açúcar e de etanol.
DEFINIÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA
Receita
com a
venda de
etanol
ÁREA
INDUSTRIAL
recebe X % da
receita obtida
ÁREA
AGRÍCOLA
recebe Y % da
receita obtida
Receita
com a
venda de
açúcar
ÁREA
INDUSTRIAL
recebe X % da
receita obtida
ÁREA
AGRÍCOLA
recebe Y % da
receita obtida
Período
Açúcar Álcool
Branco VHP Anidro Hidratado
Até 2001 55,8 - 56,8 61,7
2001 56,1 - 60,3 60,8
2002-2004 56,26 57,05 60,63 61,13
Em 2005* 59,5 62,1
Evolução da Participação do Fornecedor de Cana
*Em 2005, como negociação, foi implantado o ATR Relativo
ATR RELATIVO
ENTREGA DE CANA PROPORCIONAL À MOAGEM
DURANTE A SAFRA
CONCEITO DO ATR RELATIVO
O ATR Relativo vem sendo aplicado desde a Safra 2006/2007, com
base nas seguintes argumentações:
• A cana do Fornecedor deve ser entregue ao longo de toda safra,
proporcional à moagem, conforme mostra a Figura.
(Princípio da Proporcionalidade)
A Participação da matéria-prima no custo de
produção do açúcar e do álcool foi calculada
levando em consideração que a cana do Fornecedor
foi entregue ao longo de toda safra, proporcional à
moagem, e
Como é difícil o Fornecedor entregar a cana ao
longo de toda safra, especialmente os pequenos e
médios, o ATR Relativo tem por finalidade corrigir
a entrega, sem desestimular a busca pela
melhoria da qualidade da matéria-prima.
Como é calculado o ATR Relativo
• O ATR Relativo (ATRr) para ajustar a entrega da cana é calculado pela seguinte equação:
ATRr = ATRfq - ATRuq + ATRus, onde:
• ATRr = Açúcar Total Recuperável relativo do fornecedor;
• ATRfq = Açúcar Total Recuperável do fornecedor na quinzena;
• ATRuq = Açúcar Total Recuperável da usina (própria + fornecedor) na quinzena;
Os valores de ATRfq e ATRuq serão obtidos quinzenalmente a partir dos resultados
das análises e dos cálculos da média ponderada.
ATRus = Açúcar Total Recuperável da usina (própria + fornecedor) na safra;
Para o cálculo do ATRus no final do período de moagem da safra considerou-se o
período compreendido entre 01 de Abril e 30 de novembro considerando-se as
seguintes informações: A qualidade e a quantidade da cana própria e de
fornecedores em cada quinzena, no período de moagem.
ATR real e ATR Relativo
110,00
120,00
130,00
140,00
150,00
160,00
170,00
2ºABR
1ºMAI
2ºMAI
1ºJUN
2ºJUN
1ºJUL
2ºJUL
1ºAGO
2ºAGO
1ºSET
2ºSET
1ºOUT
2ºOUT
1ºNOV
2ºNOV
ATR Real ATR Relativo
CALCULO DO PREÇO DA CANA A PARTIR DA RECEITA LÍQUIDA DA
INDÚSTRIA - EXEMPLO
Produto Quantidade ATR PMP R$
Receita Ind. Receita Cana
R$ 1.000
ABMI - t 5.400 5.667 59,50 644,80 2.868 1.707
ABME - t 3.300 3.463 59,50 511,80 1.722 1.025
AVHP - t 10.800 11.289 59,50 450,60 4.962 2.952
EAC - m3 4.000 7.060 62,10 847,45 3.390 2.105
EHC - m3 8.700 14.714 62,10 722,25 6.284 3.902
EAI - m3 250 441 62,10 870,63 218 135
EHI - m3 500 846 62,10 743,47 372 231
EAE - m3 1.900 3.354 62,10 807,53 1.534 953
EHE - m3 1.400 2.368 62,10 781,54 1.094 679
TOTAL ATR 49.203 22.444 13.689
Rend. Ind. Kg/t
CANA - t 346.428 142,03 0,2782 64,79 39,52
R$/kg de ATR
R$/TC 39,52 25,27
PMP % 61,02 60,99
Participação do Custo da Matéria Prima
no Custo de produção do Açúcar,
do Etanol Anidro e Hidratado
Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos Mercados
Interno e Externo - ESALQ/CEPEA
Fatores de Conversão do Açúcar
e do Etanol em ATR
Centro de Estudos Avançados em Economia
Aplicada - CEPEA, vinculado à Universidade de
São Paulo-USP
Atualmente são levantados os preços de venda
do açúcar e do etanol nos mercados interno e
externo
Preço médio
recebido pelo
açúcar
Açúcar
branco
mercado
interno
1998
Açúcar
branco
mercado
externo
1999
Açúcar VHP
Mercado
Externo
2002
Preço médio
recebido pelo etanol
Etanol
anidro
carburante
mercado
interno
1998
Etanol
anidro
outros fins
mercado
interno
2001
Etanol
anidro
mercado
externo
2004
Etanol
hidratado
mercado
externo
2004
Etanol
hidratado
outros fins
mercado
interno
2000
Etanol
hidratado
carburante
mercado
interno
FEV 1999
DEFINIÇÃO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
Centro de Estudos
Avançados em Economia Aplicada
Escola Superior de Agricultura “Luiz de
Queiróz” Universidade de São Paulo
• INDICADORES DE PREÇOS
DE AÇÚCAR E ETANOL - SP
• CEPEA/ESALQ/USP
CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS
INDICADORES
• MERCADO INTERNO:
• PREÇOS DE NEGÓCIOS EFETIVADOS
• MERCADO SPOT;
• PARA VALOR NEGOCIADO A PRAZO É UTILIZADA A TAXA DO
CDI PARA DESCONTO;
• CONTA COM UMA REDE DE COLABORADORES EM TODO O
PAÍS – CONSUMIDORES, INTERMEDIÁRIOS E UNIDADES
PRODUTORAS;
• PREÇOS NA ORIGEM (EXCETO PARA AÇÚCAR CRISTAL
EMPACOTADO E REFINADO).
CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS
INDICADORES
• MERCADO EXTERNO:
• CONDIÇÃO PVU
• PREÇOS LEVANTADOS JUNTO AO MERCADO PARA
NEGOCIAÇÕES EFETIVADAS
• PREÇO RELATIVO AOS PRODUTOS EMBARCADOS NO
MÊS DE REFERÊNCIA, INDEPENDENTEMENTE DA
ÉPOCA DE REALIZAÇÃO DO NEGÓCIO
MERCADO INTERNO – EM REVISÃO
INDICADOR DE PREÇO DE AÇÚCAR
CRISTAL CEPEA/ESALQ:
MERCADO SPOT - FREQÜÊNCIA DIÁRIA
SEM FRETE - PVU;
DESCONTO FINANCEIRO: CDI - A PARTIR DE
JUNHO/03;
INCLUÍDO IMPOSTOS – Ate 2012 – PIS.COFINS-
IPI e ICMS; A partir de 08.03 apenas ICMS
* SEM FRETE - PVU;
* INDICADORES PONDERADOS
POR VOLUMES NEGOCIADOS;
* DESCONTOS FINANCEIROS:
CDI
FORMA DE DIVULGAR EM
RELAÇÃO A TRIBUTOS:
*SEM IMPOSTOS
MERCADO
INTERNO
INDICADORES DE
PREÇOS DE ETANOL
HIDRATADO:
Indicadores de ETANOL
ANIDRO
Semanais: - SPOT – Até 2011
Mensal: SPOT + CONTRATOS
SAFRA 2011/2012
INDICADOR DE PREÇO DO AÇÚCAR NO
MERCADO EXTERNO
VHP E AÇÚCAR BRANCO
CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS
INDICADORES
• MERCADO EXTERNO:
• CONDIÇÃO PVU
• PREÇOS LEVANTADOS JUNTO AO MERCADO PARA
NEGOCIAÇÕES EFETIVADAS
• PREÇO RELATIVO AOS PRODUTOS EMBARCADOS NO
MÊS DE REFERÊNCIA, INDEPENDENTEMENTE DA
ÉPOCA DE REALIZAÇÃO DO NEGÓCIO
• ATÉ 2011 – VHP E AÇÚCAR BRANCO
O indicador referente ao açúcar bruto exportado será obtido a partir da
seguinte equação:
• Resultado: Valor da média mensal do açúcar bruto exportado em R$/sc de 50 kg.
• Cotação NY11: refere-se à média da cotação do açúcar contrato nº 11 na bolsa de NY -
ICE Futures (metodologia para o cálculo da cotação média será descrita nos próximos
slides).
• Prêmio polarização: prêmio fixo em 4,05% sobre a cotação de bolsa (esse é o valor
máximo admitido, equivalente a açúcar com polarização de 99,3%).
• Fator de conversão de CENTS/libra peso para US$/tonelada: 22,0462
• Câmbio: conversão em dólares americanos é feita pela taxa de câmbio média mensal,
calculada a partir dos valores do dólar comercial, preço de venda, cotado diariamente às
16h30 durante o mês de referência do indicador (ou PTAX – verificar possibilidade).
• Fobização: refere-se aos custos médios de frete e elevação, pagos pelas unidades
produtoras durante o mês de referência do indicador. Os valores serão levantados junto às
unidades produtoras pelo CEPEA e monitorados com informações coletadas junto a
tradings e transportadoras.
Indicador Açúcar VHP ME – Detalhamento do Procedimento – Safra
2011/2012
Indicador Açúcar VHP ME – Detalhamento do Procedimento – Safra
2011/2012
VHPME = [Cotação NY11 × (1 + premio pol) × 22,0462 - fobização] × cambio
Período utilizado para calcular o preço médio de cada
vencimento
Para o cálculo do preço médio de cada vencimento, serão
utilizados os valores de fechamento dos últimos 3 meses
(incluindo apenas dias úteis) da tela de referência. No mês
de expiração de cada contrato, serão eliminados do cálculo os
valores cotados após o dia 25.
A consideração do período de 3 meses (incluindo apenas
dias úteis) visa reduzir a volatilidade do preço auferido para
o pagamento da cana e não traz custos financeiros
significativos às unidades produtoras.
Indicador Açúcar VHP ME
INDICADOR AÇÚCAR VHP ME – DETALHAMENTO DO PROCEDIMENTOINDICADOR AÇÚCAR VHP ME – DETALHAMENTO DO PROCEDIMENTO
Aplicar ponderação para o mês – conforme explicado na próxima planilha
Tela
Cálculo de Referência Mensal a partir de cotações
abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar
4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3
MAIO
fev/mar/
abr
fev/mar/
abr
fev/mar/
abr
JUL
abr/mai/
jun
abr/mai/
jun
abr/mai/
jun
abr/mai/
jun
OUT
jun/jul/
ago
jul/ago/
set
jul/ago/
set
jul/ago/set jul/ago/set
jul/ago/
set
jul/ago/
set
MAR
dez/jan/
fev
set/out/nov
out/nov/
dez
nov/dez/
jan
dez/jan/
fev
dez/jan/
fev
Tela
Sistemática de Ponderação do preço mensal do açúcar
ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR
4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3
MAIO 50% 100% 50% 18%
JULHO 50% 100% 67% 33% 23%
OUT 33% 67% 100% 80% 60% 40% 20% 29%
MAR 50% 20% 40% 60% 80% 100% 30%
Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100%
O indicador referente ao açúcar cristal exportado será obtido a partir
da seguinte equação:
• O valor final do açúcar branco exportado a ser utilizado para o pagamento da cana, em
R$/sc de 50 kg.
• Preço NY11, câmbio, FOBIZAÇÃO: seguem os mesmos critérios descritos para o
cálculo do indicador de açúcar bruto ME.
• Prêmio açúcar branco:
• representa o prêmio/desconto médio auferido pelas unidades produtoras com o
açúcar branco embarcado durante o mês de referência do indicador (em US$/ton),
independentemente do mês em que o produto foi negociado e da tela usada na
venda.
• Esse prêmio será coletado junto às unidades produtoras e deverá ser validado com
tradings e agentes de mercado selecionados como referência .
• Volume e valor para desconto de frete, elevação – segundo levantamento mensal
relacionado ao açúcar branco. Levantamento de dados: a ser feito junto a usinas, e
grupos de comercialização, tradings, operadores de porto, transportadoras, dentre
outras fontes que se fizerem necessárias.
Indicador Açúcar Cristal ME –Indicador Açúcar Cristal ME – 2011/2012
IndicadorCristalME=[CotaçãoNY11×22,0462+premiocristal-fobização]×cambio
Preços médios de
faturamento –
etanol e açúcar
RECEITA DA INDÚSTRIA
(R$/litro de etanol ou
R$/tonelada de açúcar)
RECEITA DO FORNECEDOR
(R$/tonelada de cana ou
R$/tonelada de ATR)
Parcela da receita
destinada à área
industrial e à área
agrícola – Revisão
em 2001-2002 e
2005
Custos de produção
Qualidade da cana-
de-açúcar – Equação
de Fibra - 2001
Amostragem (SondaAmostragem (Sonda
Obliqua) e análise
em laboratório
Preços do etanol e
do açúcar nos
mercados interno e
internacional –
Alteração no Açúcar
ME e em Revisão MI
ESQUEMA SIMPLIFICADO DO MODELO
Participação do Custo da Matéria Prima
no Custo de produção do Açúcar,
do Etanol Anidro e Hidratado
Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos
Mercados Interno e Externo - ESALQ/CEPEA
Fatores de Conversão do Açúcar
e do Etanol em ATR
TRANSFORMAÇÃO DOS PRODUTOS FINAIS EM ATR
AÇÚCAR
•A quantidade de ATR necessário para obter unidades do produto é dada por :
•1,0 kg de açúcar com polarização de 99,7° S contém 0,997/0,95 kg de ATR,
ou seja, 1kg de açúcar equivale a 1,0495 kg de ATR.
AÇÚCAR BRANCO = 0,997/0,95 = 1,0495 kg de ATR
AÇÚCAR VHP = 0,993/0,95 = 1,0453 kg de ATR
DESDE A SAFRA 1998/1999
ORIGENS
1998
a 2005
2006
a 2010
2011
Fermentação 85,5% 88,0% 88,8%
Destilação 99,0% 99,0% 99,0%
EFICIÊNCIAS INDUSTRIAIS PARA O CALCULO DO
FATOR DE CONVERSÃO DO ETANOL
DISTRIBUIÇÃO DO ATR NA INDÚSTRIA
AÇÚCAR ETANOL ANIDRO ETANOL HIDRATADO
PARA PRODUZIR: NECESSITA-SE DE:
SAFRA 1998/1999 à SAFRA 2004/2005
1 LITRO DE ANIDRO 1,8169 kg de ATR
1 LITRO DE HIDRATADO 1,7403 kg de ATR
SAFRA 2005/2006 à SAFRA 2010/2011
1 LITRO DE ANIDRO 1,7651 kg de ATR
1 LITRO DE HIDRATADO 1,6913 kg de ATR
SAFRA 2011/2012
1 LITRO DE ANIDRO
1 LITRO DE HIDRATADO
1,7492 kg de ATR
1,6761 kg de ATR
CÁLCULO DO PREÇO
DO kg DO ATR
CÁLCULO DO PREÇO DO kg DE ATR
Seqüência de cálculos para se chegar ao preço do kg de ATR, a
partir dos preços divulgados pelo CEPEA/ESALQ, levando-se em
consideração que: o preço do açúcar de mercado interno
contém impostos e os preços do açúcar de mercado externo e
do etanol são líquidos, devendo-se levar em conta o fator de
imposto divulgado pelo CONSECANA para cada produto:
PRODUTO PREÇO Sinal Divisor Sinal Fator de
Conversão
Sinal Fator de
Impostos
Sinal PMP
ABMI R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0495 × 0,9300* × 59,5%
ABME R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0495 × 1* × 59,5%
AVHP R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0453 × 1* × 59,5%
EAC R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1%
EAI R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1%
EAE R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1%
EHC R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1%
EHI R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1%
EHE R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1%
* A partir da safra 2013/2014 – Desoneração dos impostos – PIS/COFINS e IPI
TIPO DE ÁLCOOL EAC EHC EAI EHI EAE EHE
PREÇO DO PRODUTO R$/m₃₃₃₃ 1200,00 950,00 1250,00 1000,00 1230,00 1180,00
FATOR DE CONVERSÃO EM ATR 1,7492 1,6761 1,7492 1,6761 1,7492 1,6761
PREÇO DO ATR - R$/t 686,03 566,79 714,61 596,62 703,18 704,02
FATOR DE CONVERSÃO EM PREÇO
LÍQUIDO
1,0000 1,0000 1,0000 1,0000 1,0000 1,0000
PREÇO LÍQUIDO - R$/kg 0,6860 0,5668 0,7146 0,5966 0,7032 0,7040
PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA-
PRIMA
62,1 % 62,1% 62,1% 62,1% 62,1% 62,1%
PREÇO DO kg DE ATR - R$/kg 0,4260 0,3520 0,4605 0,3705 0,4367 0,4372
TIPO DE AÇÚCAR ABMI ABME AVHP-ME
PREÇO DO PRODUTO - R$/sc 45,00 50,00 45,00
PREÇO DO PRODUTO - R$/t 900,00 1000,00 900,00
FATOR DE CONVERSÃO EM ATR 1,0495 1,0495 1,0453
PREÇO DO ATR - R$/t 857,55 952,83 861,00
FATOR DE CONVERSÃO EM PREÇO LÍQUIDO 0,93
ICMS (7%)
PREÇO LÍQUIDO - R$/kg 0,7975 0,9528 0,8610
PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA 59,5% 59,5% 59,5%
PREÇO DO kg DE ATR - R$/kg 0,4745 0,5669 0,5123
CÁLCULO DO PREÇO MÉDIO
DO kg DE ATR
Percentuais de cada produto, açúcar, etanol anidro,
etanol hidratado, etc, comercializados em cada mês.
É calculada uma curva provisória baseada numa
média histórica dos últimos 3 anos, que é
utilizada para ponderar os preços de ATR de
faturamento de abril até março.
Existe uma curva real da safra, levantada pelo
CEPEA/ESALQ, utilizada para ponderar os preços
mensais de ATR para a liquidação.
Curvas de comercialização
Condição de São Paulo
MESES ABMI ABME AVHP EAC EHC EAI EHI EAE EHE
Abril/12 7,43 3,75 3,46 6,51 9,40 8,87 7,69 4,68 2,66
Maio 8,13 5,49 5,74 5,79 9,32 6,94 6,52 5,43 0,90
Junho 7,29 6,57 8,94 6,73 8,05 5,34 15,30 6,47 2,71
Julho 8,92 8,13 10,11 8,81 7,03 3,12 11,07 14,29 6,41
Agosto 9,04 6,05 12,53 8,06 6,71 9,48 8,84 13,24 12,08
Setembro 8,73 10,60 11,86 8,32 6,85 9,14 7,51 13,74 11,90
Outubro 9,99 11,91 8,87 8,85 6,70 6,66 7,93 9,76 13,77
Novembro 9,27 11,43 10,18 8,65 9,59 5,53 6,57 12,91 15,46
Dezembro 8,51 8,23 6,79 10,18 8,51 7,26 6,37 7,69 14,73
Janeiro/13 8,28 9,32 7,72 11,71 11,65 19,29 13,62 3,53 16,53
Fevereiro 8,04 7,69 7,06 8,39 8,47 8,45 5,51 5,01 1,53
Março 6,37 10,83 6,74 8,00 7,72 9,92 3,07 3,25 1,32
Total 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00
CURVA DE COMERCIALIZAÇÃO DA SAFRA 2012/13
Quantidade Comercializada e Preços de Faturamento do Açúcar nos mercados interno e externo,
Álcool Anidro e Álcool Hidratado Carburante
Quantidade comercializada de açúcar e álcool, convertidos em ATR, e Preço Líquido do kg de ATR
MÊS
AÇÚCAR ETANOL CARBURANTE
ABMI MERCADO EXTERNO EAC EHC
% R$/saco % AVHP-R$/sc % ABME-R$/sc % R$/m3 % R$/m3
ABRIL 7,43 56,44 3,46 46,24 3,75 51,10 6,51 1259,70 9,40 1191,40
MAIO 8,13 54,58 5,74 50,08 5,49 55,59 5,79 1294,30 9,32 1140,10
JUNHO 7,29 55,12 8,94 48,07 6,57 53,45 6,73 1234,00 8,05 1082,80
JULHO 8,92 56,96 10,11 43,43 8,13 47,27 8,81 1232,50 7,03 1059,90
AGOSTO 9,04 56,08 12,53 43,32 6,05 48,02 8,06 1198,70 6,71 1041,70
SETEMBRO 8,73 49,85 11,86 43,19 10,60 47,47 8,32 1198,90 6,85 1062,40
OUTUBRO 9,99 50,57 8,87 43,33 11,91 46,00 8,85 1140,00 6,70 1010,60
NOVEMBRO 9,27 50,20 10,18 43,72 11,43 46,24 8,65 1234,90 9,59 1095,90
DEZEMBRO 8,51 49,12 6,79 43,32 8,23 45,99 10,18 1287,20 8,51 1132,50
JANEIRO 8,28 48,80 7,72 40,60 9,32 43,14 11,71 1302,50 11,65 1144,60
FEVEREIRO 8,04 47,97 7,06 37,88 7,69 40,53 8,39 1352,70 8,47 1232,00
MARÇO 6,37 49,23 6,74 36,50 10,83 41,44 8,00 1374,50 7,72 1226,40
TOTAL 100,0 52,07 100,0 43,22 100,0 46,43 100,0 1259,66 100,0 1124,15
MÊS
AÇÚCAR ETANOL CARBURANTE
ABMI MERCADO EXTERNO EAC EHC
% R$/kg % AVHP-R$/kg ABME-R$/kg % R$/kg % R$/kg
ABRIL 7,43 0,5289 3,46 0,5367 3,75 0,5908 6,51 0,4472 9,40 0,4414
MAIO 8,13 0,5114 5,74 0,5813 5,49 0,6427 5,79 0,4595 9,32 0,4224
JUNHO 7,29 0,5165 8,94 0,5580 6,57 0,6180 6,73 0,4381 8,05 0,4012
JULHO 8,92 0,5337 10,11 0,5041 8,13 0,5465 8,81 0,4376 7,03 0,3927
AGOSTO 9,04 0,5255 12,53 0,5029 6,05 0,5552 8,06 0,4256 6,71 0,3860
SETEMBRO 8,73 0,4671 11,86 0,5013 10,60 0,5488 8,32 0,4256 6,85 0,3936
OUTUBRO 9,99 0,4739 8,87 0,5030 11,91 0,5318 8,85 0,4047 6,70 0,3744
NOVEMBRO 9,27 0,4704 10,18 0,5075 11,43 0,5346 8,65 0,4384 9,59 0,4060
DEZEMBRO 8,51 0,4603 6,79 0,5029 8,23 0,5317 10,18 0,4570 8,51 0,4196
JANEIRO 8,28 0,4573 7,72 0,4713 9,32 0,4988 11,71 0,4624 11,65 0,4241
FEVEREIRO 8,04 0,4494 7,06 0,4397 7,69 0,4686 8,39 0,4802 8,47 0,4565
MARÇO 6,37 0,4613 6,74 0,4177 10,83 0,4723 8,00 0,4880 7,72 0,4544
TOTAL 100,0 0,4879 100,0 0,5013 100,0 0,5361 100,0 0,4472 100,0 0,4165
Quantidade comercializada de álcool, convertidos em ATR, e Preço Líquido do kg de ATR
Quantidade Comercializada e Preços de Faturamento do Álcool Anidro e Hidratado Industrial
e destinados ao mercado externo
MÊS
ETANOL INDUSTRIAL ETANOL EXPORTAÇÃO
EAI EHI EAE EHE
% R$/m3 % R$/m3 % R$/m3 % R$/m3
ABRIL 8,87 1321,20 7,69 1217,90 4,68 1230,96 2,66 1434,51
MAIO 6,94 1331,40 6,52 1176,00 5,43 1391,05 0,90 1294,37
JUNHO 5,34 1340,70 15,30 1114,80 6,47 1375,88 2,71 1370,20
JULHO 3,12 1315,00 11,07 1101,20 14,29 1383,59 6,41 1192,28
AGOSTO 9,48 1277,80 8,84 1078,20 13,24 1347,07 12,08 1150,17
SETEMBRO 9,14 1286,10 7,51 1104,30 13,74 1320,53 11,90 1175,60
OUTUBRO 6,66 1194,10 7,93 1060,00 9,76 1311,98 13,77 1134,89
NOVEMBRO 5,53 1252,20 6,57 1127,40 12,91 1287,13 15,46 1115,09
DEZEMBRO 7,26 1334,60 6,37 1157,70 7,69 1365,29 14,73 1123,20
JANEIRO 19,29 1371,20 13,62 1160,40 3,53 1381,07 16,53 1143,54
FEVEREIRO 8,45 1368,10 5,51 1203,20 5,01 1324,43 1,53 1182,55
MARÇO 9,92 1363,70 3,07 1234,00 3,25 1273,87 1,32 1175,46
TOTAL 100,0 1321,95 100,0 1135,15 100,0 1335,39 100,0 1158,95
MÊS
ETANOL INDUSTRIAL EXPORTAÇÃO
EAI EHI EAE EHE
% R$/kg % R$/kg % R$/kg % R$/kg
ABRIL 8,87 0,4691 7,69 0,4512 4,68 0,4370 2,66 0,5315
MAIO 6,94 0,4727 6,52 0,4357 5,43 0,4938 0,90 0,4796
JUNHO 5,34 0,4760 15,30 0,4130 6,47 0,4885 2,71 0,5077
JULHO 3,12 0,4669 11,07 0,4080 14,29 0,4912 6,41 0,4417
AGOSTO 9,48 0,4536 8,84 0,3995 13,24 0,4782 12,08 0,4261
SETEMBRO 9,14 0,4566 7,51 0,4091 13,74 0,4688 11,90 0,4356
OUTUBRO 6,66 0,4239 7,93 0,3927 9,76 0,4658 13,77 0,4205
NOVEMBRO 5,53 0,4446 6,57 0,4177 12,91 0,4570 15,46 0,4131
DEZEMBRO 7,26 0,4738 6,37 0,4289 7,69 0,4847 14,73 0,4161
JANEIRO 19,29 0,4868 13,62 0,4299 3,53 0,4903 16,53 0,4237
FEVEREIRO 8,45 0,4857 5,51 0,4458 5,01 0,4702 1,53 0,4381
MARÇO 9,92 0,4841 3,07 0,4572 3,25 0,4522 1,32 0,4355
TOTAL 100,0 0,4693 100,0 0,4206 100,0 0,4741 100,0 0,4295
CÁLCULO DO PREÇO MÉDIO
MENSAL E ACUMULADO
DO kg DE ATR
Mix de produção e comercialização
O Mix de uma usina nada mais é do que a cesta de produtos
que uma determinada usina produz e comercializa
durante o ano safra, ou seja, de 01/04 a 31/03;
PRODUTOS
Quantidade
% do ATRProduto ATR (t)
Açúcar Branco Mercado Interno 4.966.621 5.212.468 11,67%
Açúcar Branco Mercado Externo 2.827.434 2.967.392 6,64%
Açúcar VHP 15.491.287 16.193.042 36,25%
Etanol Anidro Carburante – EAC 3.623.711 6.338.595 14,19%
Etanol Hidratado Carburante – EHC 4.741.310 7.946.909 17,79%
Etanol Anidro Industrial – EAI 141.460 247.441 0,55%
Etanol Hidratado Industrial – EHI 555.417 930.935 2,08%
Etanol Anidro Exportação – EAE 1.834.847 3.209.514 7,19%
Etanol Hidratado Exportação – EHE 970.175 1.626.110 3,64%
TOTAL 44.672.407 100,00
Mix de Comercialização da Safra 2012/2013
PREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAIS
PREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOS
AÇÚCAR ÁLCOOL CARBURANTE ÁLCOOL OUTROS FINS ÁLCOOL EXPORTAÇÃO
MÊS R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR MÉDIA
M.Interno VHP Branco Anidro Hidratado Anidro Hidratado Anidro Hidratado R$/kg ATR
Mix de Prod. 11,67% 36,25% 6,64% 14,19% 17,79% 0,55% 2,08% 7,19% 3,64% 100,00%
ABRIL 0,5289 0,5367 0,5908 0,4472 0,4414 0,4691 0,4512 0,4370 0,5315 0,5002
MAIO 0,5114 0,5813 0,6427 0,4595 0,4224 0,4727 0,4357 0,4938 0,4796 0,5181
JUNHO 0,5165 0,5580 0,6180 0,4381 0,4012 0,4760 0,4130 0,4885 0,5077 0,5019
JULHO 0,5337 0,5041 0,5465 0,4376 0,3927 0,4669 0,4080 0,4912 0,4417 0,4757
AGOSTO 0,5255 0,5029 0,5552 0,4256 0,3860 0,4536 0,3995 0,4782 0,4261 0,4702
SETEMBRO 0,4671 0,5013 0,5488 0,4256 0,3936 0,4566 0,4091 0,4688 0,4356 0,4637
OUTUBRO 0,4739 0,5030 0,5318 0,4047 0,3744 0,4239 0,3927 0,4658 0,4205 0,4563
NOVEMBRO 0,4704 0,5075 0,5346 0,4384 0,4060 0,4446 0,4177 0,4570 0,4131 0,4678
DEZEMBRO 0,4603 0,5029 0,5317 0,4570 0,4196 0,4738 0,4289 0,4847 0,4161 0,4723
JANEIRO 0,4573 0,4713 0,4988 0,4624 0,4241 0,4868 0,4299 0,4903 0,4237 0,4607
FEVEREIRO 0,4494 0,4397 0,4686 0,4802 0,4565 0,4857 0,4458 0,4702 0,4381 0,4540
MARÇO 0,4613 0,4177 0,4723 0,4880 0,4544 0,4841 0,4572 0,4522 0,4355 0,4472
AÇÚCAR ÁLCOOL CARBURANTE ÁLCOOL OUTROS FINS ÁLCOOL EXPORTAÇÃO
MÊS R$/kg de ATR R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR MÉDIA
M.Interno VHP Branco Anidro Hidratado Anidro Hidratado Anidro Hidratado R$/kg ATR
Mix de Prod. 11,67% 36,25% 6,64% 14,19% 17,79% 0,55% 2,08% 7,19% 3,64% 100,00%
ABRIL 0,5289 0,5367 0,5908 0,4472 0,4414 0,4691 0,4512 0,4370 0,5315 0,5002
MAIO 0,5198 0,5646 0,6216 0,4530 0,4320 0,4706 0,4441 0,4675 0,5184 0,5120
JUNHO 0,5187 0,5613 0,6201 0,4477 0,4227 0,4720 0,4280 0,4757 0,5137 0,5083
JULHO 0,5228 0,5409 0,5951 0,4445 0,4165 0,4713 0,4225 0,4829 0,4773 0,4973
AGOSTO 0,5235 0,5292 0,5871 0,4403 0,4114 0,4664 0,4184 0,4815 0,4524 0,4899
SETEMBRO 0,5136 0,5229 0,5771 0,4375 0,4088 0,4643 0,4172 0,4785 0,4469 0,4845
OUTUBRO 0,5069 0,5200 0,5668 0,4320 0,4046 0,4589 0,4142 0,4766 0,4397 0,4800
NOVEMBRO 0,5020 0,5183 0,5610 0,4329 0,4048 0,4574 0,4145 0,4735 0,4335 0,4781
DEZEMBRO 0,4974 0,5169 0,5577 0,4363 0,4065 0,4593 0,4157 0,4745 0,4303 0,4777
JANEIRO 0,4935 0,5128 0,5510 0,4400 0,4090 0,4658 0,4178 0,4751 0,4292 0,4763
FEVEREIRO 0,4897 0,5073 0,5439 0,4437 0,4133 0,4677 0,4194 0,4748 0,4293 0,4747
MARÇO 0,4879 0,5013 0,5361 0,4472 0,4165 0,4693 0,4206 0,4741 0,4294 0,4728
Produção de Açúcar e Etanol da
Unidade Industrial
Mix de Comercialização da Unidade
Industrial ou do Grupo de
Comercialização
Preços dos Produtos da cana-de-
açúcar
Preços do kg de ATR CONSECANA
Quantificação de ATR por tonelada
INFORMAÇÕES
NECESSÁRIAS
FORMAÇÃO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
Produtos
QUANTIDADE % Preços
Preços
do
Part. Rel. Fator de ATR devido
Produto ATR - ton.
Part.
ATR
Produtos ATR M.Prima% Impostos Produtor
ABMI - t 4.966.621 5.212.468 11,67% 1041,40 992,28 59,50% 0,8264 0,4879
ABME - t 2.827.434 2.967.392 6,64% 928,50 884,68 59,50% 1,01863 0,5361
AVHP - t 15.491.287 16.193.042 36,25% 864,69 827,22 59,50% 1,01863 0,5013
EAC - m3 3.623.711 6.338.595 14,19% 1259,66 720,13 62,10% 1 0,4471
EHC - m3 4.741.310 7.946.909 17,79% 1124,15 670,69 62,10% 1 0,4164
EAI - m3 141.460 247.441 0,55% 1321,95 755,75 62,10% 1 0,4692
EHI - m3 555.417 930.935 2,08% 1135,15 677,26 62,10% 1 0,4205
EAE - m3 1.834.847 3.209.514 7,19% 1335,39 763,43 62,10% 1 0,4740
EHE - m3 970.175 1.626.110 3,64% 1158,95 691,46 62,10% 1 0,4293
TOTAL/MÉDIA 44.672.407 100,00 593,29 60,90% 0,4728
Preço da
cana-de-
açúcar
kg de ATR/t de
cada produtor
Preço médio do kgPreço médio do kg
de ATR da unidade
industrial ou do
Grupo de
Comercialização
64,66 136,75 0,4728
CALCULO DO PREÇO DO kg DO ATR DO FORNECEDOR DE CANA
mm de Chuva, Cana Entregue, kg de ATR/t, R$/kg de ATR e VTC
Safras 1998/1999 a 2012/2013
ANO
Chuva
Cana Entregue (t) Kg de ATR/t R$/kg de ATR
Preço da Cana
R$/t(mm)
1998/1999 1.645 51.595.640 142,83 0,1035 14,78
1999/2000 1.368 46.180.652 148,38 0,1193 17,70
2000/2001 1.571 35.794.160 145,23 0,1977 28,71
2001/2002 1.354 43.151.850 144,65 0,2074 30,00
2002/2003 1.423 49.189.092 147,62 0,2438 35,99
2003/2004 1.586 51.898.999 148,96 0,2030 30,24
2004/2005 1.534 59.242.819 143,95 0,2445 35,20
2005/2006 1.384 60.097.011 145,77 0,3083 44,94
2006/2007 1.366 68.648.990 150,65 0,3430 51,67
2007/2008 1.478 88.881.041 146,59 0,2443 35,81
2008/2009 1.411 109.705.961 143,34 0,2782 39,88
2009/2010 1.816 109.817.278 132,81 0,3492 46,38
2010/2011 1.348 111.648.003 143,19 0,4022 57,59
2011/2012 1.427 93.214.926 140,17 0,5018 70,34
2012/2013 1.400 105.511.655 136,75 0,4728 64,66
COMPORTAMENTO DOS PREÇOS E DOS CUSTOS MÉDIOS DE PRODUÇÃO
NAS SAFRAS 1998/99 A 2012/13
Eliminação
da Queima
da Cana
Colheita de Cana
Crua
PALHA =
PONTAS,
FOLHAS, PALHA
1/3 DA
ENERGIA DA
CANA
Revisão do
Sistema de
Produção
Remuneração
da palha e do
bagaço
residual
Site:www.orplana.com.br E-mail: orplana @ orplana.com.br
“AS VEZES NOS PREOCUPAMOS COM QUEM
ESTÁ CERTO OU ERRADO E ESQUECEMOS O
QUE É CERTO E ERRADO”

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado de são paulo - geraldo majela (orplanta)

20130401161058t wdbrxm4rx
20130401161058t wdbrxm4rx20130401161058t wdbrxm4rx
20130401161058t wdbrxm4rx
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptxStudies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
gusgrafon
 
Relatorio de compras de fevereiro 2014
Relatorio de compras de fevereiro 2014Relatorio de compras de fevereiro 2014
Relatorio de compras de fevereiro 2014
José Luiz Graunna
 
Boletim (22)
Boletim (22)Boletim (22)
Boletim (22)
Gabriela Rodrigues
 
Boletim (21)
Boletim (21)Boletim (21)
Boletim (21)
Gabriela Rodrigues
 
8-Treinamento Boletim Diário
8-Treinamento Boletim Diário8-Treinamento Boletim Diário
8-Treinamento Boletim Diário
Leandro Cândido
 
15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx
DestileriaPOPLARCAPI
 
Boletim (20)
Boletim (20)Boletim (20)
Boletim (20)
Gabriela Rodrigues
 
025291000101011 (9).pdf
025291000101011 (9).pdf025291000101011 (9).pdf
025291000101011 (9).pdf
Renandantas16
 
Pierre Nicolas Pérès - ABPM
Pierre Nicolas Pérès - ABPMPierre Nicolas Pérès - ABPM
Pierre Nicolas Pérès - ABPM
natalinolazare
 
Boletim (13)
Boletim (13)Boletim (13)
Boletim (13)
Gabriela Rodrigues
 
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidadInfluencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
Geraldo Sebastian
 
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
STAB Setentrional
 
Catalogo trineva2013
Catalogo trineva2013Catalogo trineva2013
Catalogo trineva2013
kenneth Araujo
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
ANCP Ribeirão Preto
 
Gas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediaisGas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediais
Gabi Coelho
 
Gas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediaisGas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediais
Diego Santos
 

Semelhante a Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado de são paulo - geraldo majela (orplanta) (20)

20130401161058t wdbrxm4rx
20130401161058t wdbrxm4rx20130401161058t wdbrxm4rx
20130401161058t wdbrxm4rx
 
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptxStudies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
 
Relatorio de compras de fevereiro 2014
Relatorio de compras de fevereiro 2014Relatorio de compras de fevereiro 2014
Relatorio de compras de fevereiro 2014
 
Boletim (22)
Boletim (22)Boletim (22)
Boletim (22)
 
Boletim (21)
Boletim (21)Boletim (21)
Boletim (21)
 
8-Treinamento Boletim Diário
8-Treinamento Boletim Diário8-Treinamento Boletim Diário
8-Treinamento Boletim Diário
 
15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx
 
Boletim (20)
Boletim (20)Boletim (20)
Boletim (20)
 
025291000101011 (9).pdf
025291000101011 (9).pdf025291000101011 (9).pdf
025291000101011 (9).pdf
 
Pierre Nicolas Pérès - ABPM
Pierre Nicolas Pérès - ABPMPierre Nicolas Pérès - ABPM
Pierre Nicolas Pérès - ABPM
 
Boletim (13)
Boletim (13)Boletim (13)
Boletim (13)
 
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidadInfluencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
Influencia do biodisel no desempenho, emissoes e durabilidad
 
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...Seminário stab 2013   agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
Seminário stab 2013 agrícola - 16. colheita mecânica com uso do ancinho - r...
 
Catalogo trineva2013
Catalogo trineva2013Catalogo trineva2013
Catalogo trineva2013
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
Seminário ANCP 2022 - Incrementos na produtividade pecuária de corte com o us...
 
Gas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediaisGas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediais
 
Gas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediaisGas es instalacao-prediais
Gas es instalacao-prediais
 

Mais de STAB Setentrional

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
STAB Setentrional
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 

Mais de STAB Setentrional (20)

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 

Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado de são paulo - geraldo majela (orplanta)

  • 1. GERALDO MAJELA DE ANDRADE SILVA ASSESSOR TÉCNICO DA ORPLANA SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE CANA-DE-AÇÚCAR RECIFE – ABRIL de 2013
  • 2. Fundação: 29 de Junho de 1976 Abertura para Centro-Sul : 12/12/2003 34 associadas: SP (25), MT (1), MS (1), MG (4) e GO (3) Cerca de 17 mil fornecedores 125 milhões de toneladas de cana
  • 3. PRODUÇÃO DOS FORNECEDORES DE CANA-DE-AÇÚCAR E PARCERIAS AGRÍCOLAS – SP/GO/MG/MS/MT SAFRA 2012/2013 DISCRIMINAÇÃO TOTAL CANA PROCESSADA (t) 131.808.170 ATR (kg/t) 136,46 PRODUÇÃO DE AÇÚCAR EQUIVALENTE (t) 8.655.923 PRODUÇÃO DE ALCOOL HIDRATADO EQUIVALENTE ( m3) 5.312.632 PRODUÇÃO DE ATR (t) 17.988.894 MOAGEM MÉDIA (2.400.00 Toneladas/Ano) EQUIVALENCIA EM UNIDADES INDUSTRIAIS 46
  • 4. Perfil dos Fornecedores Independentes e parcerias de cana-de-açúcar na safra 2012/2013, considerando-se, apenas, os dados apurados no sistema ATR de Pagamento de Cana pela Qualidade. ESTRATOS DE PRODUÇÃO - SISTEMA ATR - SAFRA 2012/2013 ESTRATOS Nº de produtores % de produtores Acumulado % Área Média (ha) Produção (t) % de produtores Acumulado % kg de ATR/t Menor que 1.000(t) 8.297 42,8 42,8 8 4.647.524 3,5 3,5 137,32 De 1.001 a 6.000(t) 7.902 40,8 83,6 46 25.451.551 19,3 22,8 138,06 De 6.001 a 12.000(t) 1.580 8,2 91,7 151 16.720.374 12,7 35,5 136,66 De 12.001 a 25.000(t) 941 4,9 96,6 308 20.255.520 15,4 50,9 136,55 De 25.001 a 50.000(t) 394 2,0 98,6 638 17.580.329 13,3 64,2 136,44 De 50.001 a 100.000(t) 161 0,8 99,5 1236 13.902.884 10,5 74,8 136,16 Acima de 100.000(t) 105 0,5 100,0 4533 33.249.989 25,2 100,0 135,10 REGISTRADOS NO SISTEMA ATR 19.380 100,0 97 131.808.170 100,0 136,48
  • 5. Regionalização da produção de cana-de-açúcar de fornecedores Independentes e parcerias na safra 2012/2013, no Estado de São Paulo e demais Estados da Região Centro-Sul REGIÃO Nº FORN CANA (t) BRIX POL FIBRA PC PUREZA ARC kg de ATR/tENTREGUE Araçatuba 1202 10.984.781 19,04 16,36 13,27 13,54 85,84 0,58 135,70 Araraquara 548 2.492.092 19,06 16,34 14,14 13,32 85,62 0,57 133,52 Oeste 2057 19.081.546 18,99 16,34 12,90 13,61 85,90 0,58 136,35 Jaú 2298 17.023.713 19,04 16,58 12,63 13,88 86,96 0,55 138,74 Piracicaba 6105 17.293.549 18,99 16,41 13,56 13,49 86,30 0,56 135,25 Ribeirão Preto 5681 36.723.718 18,90 16,45 12,57 13,78 86,88 0,55 137,78 Vale do Paranapanema 1303 12.019.841 18,38 15,93 13,21 13,19 86,46 0,56 132,20 ESTADO DE SÃO PAULO 19.194 115.619.239 18,91 16,38 12,95 13,63 86,47 0,56 136,44 Goiás 214 4.578.910 19,37 16,58 12,62 13,88 85,47 0,59 139,13 Mato Grosso 58 1.284.882 18,60 15,78 12,97 13,12 84,66 0,61 131,98 Mato Grosso do Sul 115 2.836.450 18,35 15,91 12,60 13,33 86,51 0,56 133,53 Minas Gerais 401 7.488.689 18,96 16,36 12,66 13,68 86,15 0,58 137,05 TOTAL SISTEMA ATR 19.380 131.808.170 18,92 16,37 12,91 13,63 86,40 0,56 136,46
  • 6.
  • 7. Conjunto de regras, definidas em Regulamento, para avaliar a qualidade da cana-de-açúcar e nortear os negócios de venda e compra . Adoção não-obrigatória – As partes que o adotarem devem observar as Regras do Sistema. O Regulamento possui 3 Anexos: Anexo I: Normas Operacionais para determinar a qualidade da Cana Anexo II: Formação do Preço da cana-de-açúcar e da Forma do Pagamento Anexo III: Regras Contratuais Mínimas.
  • 8. CÁLCULO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR O preço da cana-de-açúcar é calculado pela seguinte expressão: Preço da cana-de- açúcar kg de ATR/t de cada produtor Preço médio do kg de ATR da unidade industrial ou do Grupo de Comercialização
  • 9. FORMAÇÃO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR 1. Qualidade da Matéria Prima de cada produtor, expressa em kg ATR/t
  • 11. FLUXOGRAMA DE ANÁLISES TECNOLÓGICAS UNIDADE INDUSTRIAL LABORATÓRIO DE ANÁLISES BRIX DO CALDO (B) POL DO CALDO (S) PESO DO BAGAÇO ÚMIDO (PBU) FIBRA DA CANA (F)PUREZA DO CALDO (Q) AÇÚCARES REDUTORES DO CALDO (AR) AÇÚCARES REDUTORES DA CANA (ARC) AÇÚCARES TOTAIS RECUPERÁVEIS (ATR) POL DA CANA (PC)
  • 14. ATR = (10 x PC x FP x 1,05263) + (10 x FP x ARC) ATR – Açúcar Total Recuperável PC - Pol % Cana ARC – Açúcares Redutores % Cana 10 x PC - kg de Pol por Tonelada de Cana FP – Fator de perdas industriais (1 – (PI ÷ 100)) PI = Perdas industriais (%) 1,05263 - fator de conversão de sacarose para Açúcares redutores ATR = (10,5263 x 0,905 x PC) + (10 x 0,905 x ARC) ATR = (10,5263 x 0,88 x PC) + (10 x 0,88 x ARC) ATR = (10,5263 x 0,915 x PC) + (10 x 0,915 x ARC) A PARTIR DA SAFRA 2011/2012 – 8,5% PI SAFRA 2006/07 À SAFRA 2010/11 – 9,5% PI SAFRA 1998/99 A SAFRA 2005/06 – 12% PI
  • 15. CONSECANA - ATR Fórmulas 1998 A 2004 2005 A 2010 EM 2011 ATR 9,26288 x PC + 8,8 x ARC 9,5263 x PC + 9,05 x ARC 9,6316 X PC + 9,15 X ARC ATR RELATIVO ATRFQ – ATRUQ + ATRUS FIBRA % CANA – PUREZA DO CALDO – COEFICIENTE C 1998/99 A 2000/2001 A PARTIR DA SAFRA 2001/2002 Fórmula FIBRA 0,152 x PBU – 8,367 0,08 X PBU +0,80 Fórmula PUREZA 9,9408 - 0,1049 x Q 3,641 - 0,0343 x Q Coeficiente C 1,0313 – 0,00575 X F
  • 17. Participação do Custo da Matéria Prima no Custo de produção do Açúcar, do Etanol Anidro e Hidratado Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos Mercados Interno e Externo - ESALQ/CEPEA Fatores de Conversão do Açúcar e do Etanol em ATR
  • 18. Para estabelecer um critério adequado de repartição da receita obtida com a venda dos produtos finais, foi realizado um levantamento de todos os custos envolvidos na produção de cana de açúcar, de açúcar e de etanol. DEFINIÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA PRIMA Receita com a venda de etanol ÁREA INDUSTRIAL recebe X % da receita obtida ÁREA AGRÍCOLA recebe Y % da receita obtida Receita com a venda de açúcar ÁREA INDUSTRIAL recebe X % da receita obtida ÁREA AGRÍCOLA recebe Y % da receita obtida
  • 19. Período Açúcar Álcool Branco VHP Anidro Hidratado Até 2001 55,8 - 56,8 61,7 2001 56,1 - 60,3 60,8 2002-2004 56,26 57,05 60,63 61,13 Em 2005* 59,5 62,1 Evolução da Participação do Fornecedor de Cana *Em 2005, como negociação, foi implantado o ATR Relativo
  • 20. ATR RELATIVO ENTREGA DE CANA PROPORCIONAL À MOAGEM DURANTE A SAFRA
  • 21. CONCEITO DO ATR RELATIVO O ATR Relativo vem sendo aplicado desde a Safra 2006/2007, com base nas seguintes argumentações: • A cana do Fornecedor deve ser entregue ao longo de toda safra, proporcional à moagem, conforme mostra a Figura. (Princípio da Proporcionalidade)
  • 22. A Participação da matéria-prima no custo de produção do açúcar e do álcool foi calculada levando em consideração que a cana do Fornecedor foi entregue ao longo de toda safra, proporcional à moagem, e Como é difícil o Fornecedor entregar a cana ao longo de toda safra, especialmente os pequenos e médios, o ATR Relativo tem por finalidade corrigir a entrega, sem desestimular a busca pela melhoria da qualidade da matéria-prima.
  • 23. Como é calculado o ATR Relativo • O ATR Relativo (ATRr) para ajustar a entrega da cana é calculado pela seguinte equação: ATRr = ATRfq - ATRuq + ATRus, onde: • ATRr = Açúcar Total Recuperável relativo do fornecedor; • ATRfq = Açúcar Total Recuperável do fornecedor na quinzena; • ATRuq = Açúcar Total Recuperável da usina (própria + fornecedor) na quinzena; Os valores de ATRfq e ATRuq serão obtidos quinzenalmente a partir dos resultados das análises e dos cálculos da média ponderada. ATRus = Açúcar Total Recuperável da usina (própria + fornecedor) na safra; Para o cálculo do ATRus no final do período de moagem da safra considerou-se o período compreendido entre 01 de Abril e 30 de novembro considerando-se as seguintes informações: A qualidade e a quantidade da cana própria e de fornecedores em cada quinzena, no período de moagem.
  • 24. ATR real e ATR Relativo 110,00 120,00 130,00 140,00 150,00 160,00 170,00 2ºABR 1ºMAI 2ºMAI 1ºJUN 2ºJUN 1ºJUL 2ºJUL 1ºAGO 2ºAGO 1ºSET 2ºSET 1ºOUT 2ºOUT 1ºNOV 2ºNOV ATR Real ATR Relativo
  • 25. CALCULO DO PREÇO DA CANA A PARTIR DA RECEITA LÍQUIDA DA INDÚSTRIA - EXEMPLO Produto Quantidade ATR PMP R$ Receita Ind. Receita Cana R$ 1.000 ABMI - t 5.400 5.667 59,50 644,80 2.868 1.707 ABME - t 3.300 3.463 59,50 511,80 1.722 1.025 AVHP - t 10.800 11.289 59,50 450,60 4.962 2.952 EAC - m3 4.000 7.060 62,10 847,45 3.390 2.105 EHC - m3 8.700 14.714 62,10 722,25 6.284 3.902 EAI - m3 250 441 62,10 870,63 218 135 EHI - m3 500 846 62,10 743,47 372 231 EAE - m3 1.900 3.354 62,10 807,53 1.534 953 EHE - m3 1.400 2.368 62,10 781,54 1.094 679 TOTAL ATR 49.203 22.444 13.689 Rend. Ind. Kg/t CANA - t 346.428 142,03 0,2782 64,79 39,52 R$/kg de ATR R$/TC 39,52 25,27 PMP % 61,02 60,99
  • 26. Participação do Custo da Matéria Prima no Custo de produção do Açúcar, do Etanol Anidro e Hidratado Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos Mercados Interno e Externo - ESALQ/CEPEA Fatores de Conversão do Açúcar e do Etanol em ATR
  • 27. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - CEPEA, vinculado à Universidade de São Paulo-USP Atualmente são levantados os preços de venda do açúcar e do etanol nos mercados interno e externo Preço médio recebido pelo açúcar Açúcar branco mercado interno 1998 Açúcar branco mercado externo 1999 Açúcar VHP Mercado Externo 2002 Preço médio recebido pelo etanol Etanol anidro carburante mercado interno 1998 Etanol anidro outros fins mercado interno 2001 Etanol anidro mercado externo 2004 Etanol hidratado mercado externo 2004 Etanol hidratado outros fins mercado interno 2000 Etanol hidratado carburante mercado interno FEV 1999 DEFINIÇÃO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
  • 28. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiróz” Universidade de São Paulo • INDICADORES DE PREÇOS DE AÇÚCAR E ETANOL - SP • CEPEA/ESALQ/USP
  • 29. CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS INDICADORES • MERCADO INTERNO: • PREÇOS DE NEGÓCIOS EFETIVADOS • MERCADO SPOT; • PARA VALOR NEGOCIADO A PRAZO É UTILIZADA A TAXA DO CDI PARA DESCONTO; • CONTA COM UMA REDE DE COLABORADORES EM TODO O PAÍS – CONSUMIDORES, INTERMEDIÁRIOS E UNIDADES PRODUTORAS; • PREÇOS NA ORIGEM (EXCETO PARA AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO E REFINADO).
  • 30. CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS INDICADORES • MERCADO EXTERNO: • CONDIÇÃO PVU • PREÇOS LEVANTADOS JUNTO AO MERCADO PARA NEGOCIAÇÕES EFETIVADAS • PREÇO RELATIVO AOS PRODUTOS EMBARCADOS NO MÊS DE REFERÊNCIA, INDEPENDENTEMENTE DA ÉPOCA DE REALIZAÇÃO DO NEGÓCIO
  • 31. MERCADO INTERNO – EM REVISÃO INDICADOR DE PREÇO DE AÇÚCAR CRISTAL CEPEA/ESALQ: MERCADO SPOT - FREQÜÊNCIA DIÁRIA SEM FRETE - PVU; DESCONTO FINANCEIRO: CDI - A PARTIR DE JUNHO/03; INCLUÍDO IMPOSTOS – Ate 2012 – PIS.COFINS- IPI e ICMS; A partir de 08.03 apenas ICMS
  • 32. * SEM FRETE - PVU; * INDICADORES PONDERADOS POR VOLUMES NEGOCIADOS; * DESCONTOS FINANCEIROS: CDI FORMA DE DIVULGAR EM RELAÇÃO A TRIBUTOS: *SEM IMPOSTOS MERCADO INTERNO INDICADORES DE PREÇOS DE ETANOL HIDRATADO:
  • 33. Indicadores de ETANOL ANIDRO Semanais: - SPOT – Até 2011 Mensal: SPOT + CONTRATOS SAFRA 2011/2012
  • 34. INDICADOR DE PREÇO DO AÇÚCAR NO MERCADO EXTERNO
  • 35. VHP E AÇÚCAR BRANCO CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS INDICADORES • MERCADO EXTERNO: • CONDIÇÃO PVU • PREÇOS LEVANTADOS JUNTO AO MERCADO PARA NEGOCIAÇÕES EFETIVADAS • PREÇO RELATIVO AOS PRODUTOS EMBARCADOS NO MÊS DE REFERÊNCIA, INDEPENDENTEMENTE DA ÉPOCA DE REALIZAÇÃO DO NEGÓCIO • ATÉ 2011 – VHP E AÇÚCAR BRANCO
  • 36. O indicador referente ao açúcar bruto exportado será obtido a partir da seguinte equação: • Resultado: Valor da média mensal do açúcar bruto exportado em R$/sc de 50 kg. • Cotação NY11: refere-se à média da cotação do açúcar contrato nº 11 na bolsa de NY - ICE Futures (metodologia para o cálculo da cotação média será descrita nos próximos slides). • Prêmio polarização: prêmio fixo em 4,05% sobre a cotação de bolsa (esse é o valor máximo admitido, equivalente a açúcar com polarização de 99,3%). • Fator de conversão de CENTS/libra peso para US$/tonelada: 22,0462 • Câmbio: conversão em dólares americanos é feita pela taxa de câmbio média mensal, calculada a partir dos valores do dólar comercial, preço de venda, cotado diariamente às 16h30 durante o mês de referência do indicador (ou PTAX – verificar possibilidade). • Fobização: refere-se aos custos médios de frete e elevação, pagos pelas unidades produtoras durante o mês de referência do indicador. Os valores serão levantados junto às unidades produtoras pelo CEPEA e monitorados com informações coletadas junto a tradings e transportadoras. Indicador Açúcar VHP ME – Detalhamento do Procedimento – Safra 2011/2012 Indicador Açúcar VHP ME – Detalhamento do Procedimento – Safra 2011/2012 VHPME = [Cotação NY11 × (1 + premio pol) × 22,0462 - fobização] × cambio
  • 37. Período utilizado para calcular o preço médio de cada vencimento Para o cálculo do preço médio de cada vencimento, serão utilizados os valores de fechamento dos últimos 3 meses (incluindo apenas dias úteis) da tela de referência. No mês de expiração de cada contrato, serão eliminados do cálculo os valores cotados após o dia 25. A consideração do período de 3 meses (incluindo apenas dias úteis) visa reduzir a volatilidade do preço auferido para o pagamento da cana e não traz custos financeiros significativos às unidades produtoras. Indicador Açúcar VHP ME
  • 38. INDICADOR AÇÚCAR VHP ME – DETALHAMENTO DO PROCEDIMENTOINDICADOR AÇÚCAR VHP ME – DETALHAMENTO DO PROCEDIMENTO Aplicar ponderação para o mês – conforme explicado na próxima planilha Tela Cálculo de Referência Mensal a partir de cotações abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 MAIO fev/mar/ abr fev/mar/ abr fev/mar/ abr JUL abr/mai/ jun abr/mai/ jun abr/mai/ jun abr/mai/ jun OUT jun/jul/ ago jul/ago/ set jul/ago/ set jul/ago/set jul/ago/set jul/ago/ set jul/ago/ set MAR dez/jan/ fev set/out/nov out/nov/ dez nov/dez/ jan dez/jan/ fev dez/jan/ fev Tela Sistemática de Ponderação do preço mensal do açúcar ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 MAIO 50% 100% 50% 18% JULHO 50% 100% 67% 33% 23% OUT 33% 67% 100% 80% 60% 40% 20% 29% MAR 50% 20% 40% 60% 80% 100% 30% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100%
  • 39. O indicador referente ao açúcar cristal exportado será obtido a partir da seguinte equação: • O valor final do açúcar branco exportado a ser utilizado para o pagamento da cana, em R$/sc de 50 kg. • Preço NY11, câmbio, FOBIZAÇÃO: seguem os mesmos critérios descritos para o cálculo do indicador de açúcar bruto ME. • Prêmio açúcar branco: • representa o prêmio/desconto médio auferido pelas unidades produtoras com o açúcar branco embarcado durante o mês de referência do indicador (em US$/ton), independentemente do mês em que o produto foi negociado e da tela usada na venda. • Esse prêmio será coletado junto às unidades produtoras e deverá ser validado com tradings e agentes de mercado selecionados como referência . • Volume e valor para desconto de frete, elevação – segundo levantamento mensal relacionado ao açúcar branco. Levantamento de dados: a ser feito junto a usinas, e grupos de comercialização, tradings, operadores de porto, transportadoras, dentre outras fontes que se fizerem necessárias. Indicador Açúcar Cristal ME –Indicador Açúcar Cristal ME – 2011/2012 IndicadorCristalME=[CotaçãoNY11×22,0462+premiocristal-fobização]×cambio
  • 40. Preços médios de faturamento – etanol e açúcar RECEITA DA INDÚSTRIA (R$/litro de etanol ou R$/tonelada de açúcar) RECEITA DO FORNECEDOR (R$/tonelada de cana ou R$/tonelada de ATR) Parcela da receita destinada à área industrial e à área agrícola – Revisão em 2001-2002 e 2005 Custos de produção Qualidade da cana- de-açúcar – Equação de Fibra - 2001 Amostragem (SondaAmostragem (Sonda Obliqua) e análise em laboratório Preços do etanol e do açúcar nos mercados interno e internacional – Alteração no Açúcar ME e em Revisão MI ESQUEMA SIMPLIFICADO DO MODELO
  • 41. Participação do Custo da Matéria Prima no Custo de produção do Açúcar, do Etanol Anidro e Hidratado Preços do Açúcar e do Etanol praticados nos Mercados Interno e Externo - ESALQ/CEPEA Fatores de Conversão do Açúcar e do Etanol em ATR
  • 42. TRANSFORMAÇÃO DOS PRODUTOS FINAIS EM ATR AÇÚCAR •A quantidade de ATR necessário para obter unidades do produto é dada por : •1,0 kg de açúcar com polarização de 99,7° S contém 0,997/0,95 kg de ATR, ou seja, 1kg de açúcar equivale a 1,0495 kg de ATR. AÇÚCAR BRANCO = 0,997/0,95 = 1,0495 kg de ATR AÇÚCAR VHP = 0,993/0,95 = 1,0453 kg de ATR DESDE A SAFRA 1998/1999
  • 43. ORIGENS 1998 a 2005 2006 a 2010 2011 Fermentação 85,5% 88,0% 88,8% Destilação 99,0% 99,0% 99,0% EFICIÊNCIAS INDUSTRIAIS PARA O CALCULO DO FATOR DE CONVERSÃO DO ETANOL
  • 44. DISTRIBUIÇÃO DO ATR NA INDÚSTRIA AÇÚCAR ETANOL ANIDRO ETANOL HIDRATADO PARA PRODUZIR: NECESSITA-SE DE: SAFRA 1998/1999 à SAFRA 2004/2005 1 LITRO DE ANIDRO 1,8169 kg de ATR 1 LITRO DE HIDRATADO 1,7403 kg de ATR SAFRA 2005/2006 à SAFRA 2010/2011 1 LITRO DE ANIDRO 1,7651 kg de ATR 1 LITRO DE HIDRATADO 1,6913 kg de ATR SAFRA 2011/2012 1 LITRO DE ANIDRO 1 LITRO DE HIDRATADO 1,7492 kg de ATR 1,6761 kg de ATR
  • 46. CÁLCULO DO PREÇO DO kg DE ATR Seqüência de cálculos para se chegar ao preço do kg de ATR, a partir dos preços divulgados pelo CEPEA/ESALQ, levando-se em consideração que: o preço do açúcar de mercado interno contém impostos e os preços do açúcar de mercado externo e do etanol são líquidos, devendo-se levar em conta o fator de imposto divulgado pelo CONSECANA para cada produto: PRODUTO PREÇO Sinal Divisor Sinal Fator de Conversão Sinal Fator de Impostos Sinal PMP ABMI R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0495 × 0,9300* × 59,5% ABME R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0495 × 1* × 59,5% AVHP R$/sc ÷ 50 ÷ 1,0453 × 1* × 59,5% EAC R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1% EAI R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1% EAE R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,7492 × 1 × 62,1% EHC R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1% EHI R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1% EHE R$/m3 ÷ 1000 ÷ 1,6761 × 1 × 62,1% * A partir da safra 2013/2014 – Desoneração dos impostos – PIS/COFINS e IPI
  • 47. TIPO DE ÁLCOOL EAC EHC EAI EHI EAE EHE PREÇO DO PRODUTO R$/m₃₃₃₃ 1200,00 950,00 1250,00 1000,00 1230,00 1180,00 FATOR DE CONVERSÃO EM ATR 1,7492 1,6761 1,7492 1,6761 1,7492 1,6761 PREÇO DO ATR - R$/t 686,03 566,79 714,61 596,62 703,18 704,02 FATOR DE CONVERSÃO EM PREÇO LÍQUIDO 1,0000 1,0000 1,0000 1,0000 1,0000 1,0000 PREÇO LÍQUIDO - R$/kg 0,6860 0,5668 0,7146 0,5966 0,7032 0,7040 PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA- PRIMA 62,1 % 62,1% 62,1% 62,1% 62,1% 62,1% PREÇO DO kg DE ATR - R$/kg 0,4260 0,3520 0,4605 0,3705 0,4367 0,4372 TIPO DE AÇÚCAR ABMI ABME AVHP-ME PREÇO DO PRODUTO - R$/sc 45,00 50,00 45,00 PREÇO DO PRODUTO - R$/t 900,00 1000,00 900,00 FATOR DE CONVERSÃO EM ATR 1,0495 1,0495 1,0453 PREÇO DO ATR - R$/t 857,55 952,83 861,00 FATOR DE CONVERSÃO EM PREÇO LÍQUIDO 0,93 ICMS (7%) PREÇO LÍQUIDO - R$/kg 0,7975 0,9528 0,8610 PARTICIPAÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA 59,5% 59,5% 59,5% PREÇO DO kg DE ATR - R$/kg 0,4745 0,5669 0,5123
  • 48. CÁLCULO DO PREÇO MÉDIO DO kg DE ATR
  • 49. Percentuais de cada produto, açúcar, etanol anidro, etanol hidratado, etc, comercializados em cada mês. É calculada uma curva provisória baseada numa média histórica dos últimos 3 anos, que é utilizada para ponderar os preços de ATR de faturamento de abril até março. Existe uma curva real da safra, levantada pelo CEPEA/ESALQ, utilizada para ponderar os preços mensais de ATR para a liquidação. Curvas de comercialização Condição de São Paulo
  • 50. MESES ABMI ABME AVHP EAC EHC EAI EHI EAE EHE Abril/12 7,43 3,75 3,46 6,51 9,40 8,87 7,69 4,68 2,66 Maio 8,13 5,49 5,74 5,79 9,32 6,94 6,52 5,43 0,90 Junho 7,29 6,57 8,94 6,73 8,05 5,34 15,30 6,47 2,71 Julho 8,92 8,13 10,11 8,81 7,03 3,12 11,07 14,29 6,41 Agosto 9,04 6,05 12,53 8,06 6,71 9,48 8,84 13,24 12,08 Setembro 8,73 10,60 11,86 8,32 6,85 9,14 7,51 13,74 11,90 Outubro 9,99 11,91 8,87 8,85 6,70 6,66 7,93 9,76 13,77 Novembro 9,27 11,43 10,18 8,65 9,59 5,53 6,57 12,91 15,46 Dezembro 8,51 8,23 6,79 10,18 8,51 7,26 6,37 7,69 14,73 Janeiro/13 8,28 9,32 7,72 11,71 11,65 19,29 13,62 3,53 16,53 Fevereiro 8,04 7,69 7,06 8,39 8,47 8,45 5,51 5,01 1,53 Março 6,37 10,83 6,74 8,00 7,72 9,92 3,07 3,25 1,32 Total 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 CURVA DE COMERCIALIZAÇÃO DA SAFRA 2012/13
  • 51. Quantidade Comercializada e Preços de Faturamento do Açúcar nos mercados interno e externo, Álcool Anidro e Álcool Hidratado Carburante Quantidade comercializada de açúcar e álcool, convertidos em ATR, e Preço Líquido do kg de ATR MÊS AÇÚCAR ETANOL CARBURANTE ABMI MERCADO EXTERNO EAC EHC % R$/saco % AVHP-R$/sc % ABME-R$/sc % R$/m3 % R$/m3 ABRIL 7,43 56,44 3,46 46,24 3,75 51,10 6,51 1259,70 9,40 1191,40 MAIO 8,13 54,58 5,74 50,08 5,49 55,59 5,79 1294,30 9,32 1140,10 JUNHO 7,29 55,12 8,94 48,07 6,57 53,45 6,73 1234,00 8,05 1082,80 JULHO 8,92 56,96 10,11 43,43 8,13 47,27 8,81 1232,50 7,03 1059,90 AGOSTO 9,04 56,08 12,53 43,32 6,05 48,02 8,06 1198,70 6,71 1041,70 SETEMBRO 8,73 49,85 11,86 43,19 10,60 47,47 8,32 1198,90 6,85 1062,40 OUTUBRO 9,99 50,57 8,87 43,33 11,91 46,00 8,85 1140,00 6,70 1010,60 NOVEMBRO 9,27 50,20 10,18 43,72 11,43 46,24 8,65 1234,90 9,59 1095,90 DEZEMBRO 8,51 49,12 6,79 43,32 8,23 45,99 10,18 1287,20 8,51 1132,50 JANEIRO 8,28 48,80 7,72 40,60 9,32 43,14 11,71 1302,50 11,65 1144,60 FEVEREIRO 8,04 47,97 7,06 37,88 7,69 40,53 8,39 1352,70 8,47 1232,00 MARÇO 6,37 49,23 6,74 36,50 10,83 41,44 8,00 1374,50 7,72 1226,40 TOTAL 100,0 52,07 100,0 43,22 100,0 46,43 100,0 1259,66 100,0 1124,15 MÊS AÇÚCAR ETANOL CARBURANTE ABMI MERCADO EXTERNO EAC EHC % R$/kg % AVHP-R$/kg ABME-R$/kg % R$/kg % R$/kg ABRIL 7,43 0,5289 3,46 0,5367 3,75 0,5908 6,51 0,4472 9,40 0,4414 MAIO 8,13 0,5114 5,74 0,5813 5,49 0,6427 5,79 0,4595 9,32 0,4224 JUNHO 7,29 0,5165 8,94 0,5580 6,57 0,6180 6,73 0,4381 8,05 0,4012 JULHO 8,92 0,5337 10,11 0,5041 8,13 0,5465 8,81 0,4376 7,03 0,3927 AGOSTO 9,04 0,5255 12,53 0,5029 6,05 0,5552 8,06 0,4256 6,71 0,3860 SETEMBRO 8,73 0,4671 11,86 0,5013 10,60 0,5488 8,32 0,4256 6,85 0,3936 OUTUBRO 9,99 0,4739 8,87 0,5030 11,91 0,5318 8,85 0,4047 6,70 0,3744 NOVEMBRO 9,27 0,4704 10,18 0,5075 11,43 0,5346 8,65 0,4384 9,59 0,4060 DEZEMBRO 8,51 0,4603 6,79 0,5029 8,23 0,5317 10,18 0,4570 8,51 0,4196 JANEIRO 8,28 0,4573 7,72 0,4713 9,32 0,4988 11,71 0,4624 11,65 0,4241 FEVEREIRO 8,04 0,4494 7,06 0,4397 7,69 0,4686 8,39 0,4802 8,47 0,4565 MARÇO 6,37 0,4613 6,74 0,4177 10,83 0,4723 8,00 0,4880 7,72 0,4544 TOTAL 100,0 0,4879 100,0 0,5013 100,0 0,5361 100,0 0,4472 100,0 0,4165
  • 52. Quantidade comercializada de álcool, convertidos em ATR, e Preço Líquido do kg de ATR Quantidade Comercializada e Preços de Faturamento do Álcool Anidro e Hidratado Industrial e destinados ao mercado externo MÊS ETANOL INDUSTRIAL ETANOL EXPORTAÇÃO EAI EHI EAE EHE % R$/m3 % R$/m3 % R$/m3 % R$/m3 ABRIL 8,87 1321,20 7,69 1217,90 4,68 1230,96 2,66 1434,51 MAIO 6,94 1331,40 6,52 1176,00 5,43 1391,05 0,90 1294,37 JUNHO 5,34 1340,70 15,30 1114,80 6,47 1375,88 2,71 1370,20 JULHO 3,12 1315,00 11,07 1101,20 14,29 1383,59 6,41 1192,28 AGOSTO 9,48 1277,80 8,84 1078,20 13,24 1347,07 12,08 1150,17 SETEMBRO 9,14 1286,10 7,51 1104,30 13,74 1320,53 11,90 1175,60 OUTUBRO 6,66 1194,10 7,93 1060,00 9,76 1311,98 13,77 1134,89 NOVEMBRO 5,53 1252,20 6,57 1127,40 12,91 1287,13 15,46 1115,09 DEZEMBRO 7,26 1334,60 6,37 1157,70 7,69 1365,29 14,73 1123,20 JANEIRO 19,29 1371,20 13,62 1160,40 3,53 1381,07 16,53 1143,54 FEVEREIRO 8,45 1368,10 5,51 1203,20 5,01 1324,43 1,53 1182,55 MARÇO 9,92 1363,70 3,07 1234,00 3,25 1273,87 1,32 1175,46 TOTAL 100,0 1321,95 100,0 1135,15 100,0 1335,39 100,0 1158,95 MÊS ETANOL INDUSTRIAL EXPORTAÇÃO EAI EHI EAE EHE % R$/kg % R$/kg % R$/kg % R$/kg ABRIL 8,87 0,4691 7,69 0,4512 4,68 0,4370 2,66 0,5315 MAIO 6,94 0,4727 6,52 0,4357 5,43 0,4938 0,90 0,4796 JUNHO 5,34 0,4760 15,30 0,4130 6,47 0,4885 2,71 0,5077 JULHO 3,12 0,4669 11,07 0,4080 14,29 0,4912 6,41 0,4417 AGOSTO 9,48 0,4536 8,84 0,3995 13,24 0,4782 12,08 0,4261 SETEMBRO 9,14 0,4566 7,51 0,4091 13,74 0,4688 11,90 0,4356 OUTUBRO 6,66 0,4239 7,93 0,3927 9,76 0,4658 13,77 0,4205 NOVEMBRO 5,53 0,4446 6,57 0,4177 12,91 0,4570 15,46 0,4131 DEZEMBRO 7,26 0,4738 6,37 0,4289 7,69 0,4847 14,73 0,4161 JANEIRO 19,29 0,4868 13,62 0,4299 3,53 0,4903 16,53 0,4237 FEVEREIRO 8,45 0,4857 5,51 0,4458 5,01 0,4702 1,53 0,4381 MARÇO 9,92 0,4841 3,07 0,4572 3,25 0,4522 1,32 0,4355 TOTAL 100,0 0,4693 100,0 0,4206 100,0 0,4741 100,0 0,4295
  • 53. CÁLCULO DO PREÇO MÉDIO MENSAL E ACUMULADO DO kg DE ATR
  • 54. Mix de produção e comercialização O Mix de uma usina nada mais é do que a cesta de produtos que uma determinada usina produz e comercializa durante o ano safra, ou seja, de 01/04 a 31/03;
  • 55. PRODUTOS Quantidade % do ATRProduto ATR (t) Açúcar Branco Mercado Interno 4.966.621 5.212.468 11,67% Açúcar Branco Mercado Externo 2.827.434 2.967.392 6,64% Açúcar VHP 15.491.287 16.193.042 36,25% Etanol Anidro Carburante – EAC 3.623.711 6.338.595 14,19% Etanol Hidratado Carburante – EHC 4.741.310 7.946.909 17,79% Etanol Anidro Industrial – EAI 141.460 247.441 0,55% Etanol Hidratado Industrial – EHI 555.417 930.935 2,08% Etanol Anidro Exportação – EAE 1.834.847 3.209.514 7,19% Etanol Hidratado Exportação – EHE 970.175 1.626.110 3,64% TOTAL 44.672.407 100,00 Mix de Comercialização da Safra 2012/2013
  • 56. PREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAISPREÇOS MÉDIOS MENSAIS PREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOSPREÇOS MÉDIOS ACUMULADOS AÇÚCAR ÁLCOOL CARBURANTE ÁLCOOL OUTROS FINS ÁLCOOL EXPORTAÇÃO MÊS R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR MÉDIA M.Interno VHP Branco Anidro Hidratado Anidro Hidratado Anidro Hidratado R$/kg ATR Mix de Prod. 11,67% 36,25% 6,64% 14,19% 17,79% 0,55% 2,08% 7,19% 3,64% 100,00% ABRIL 0,5289 0,5367 0,5908 0,4472 0,4414 0,4691 0,4512 0,4370 0,5315 0,5002 MAIO 0,5114 0,5813 0,6427 0,4595 0,4224 0,4727 0,4357 0,4938 0,4796 0,5181 JUNHO 0,5165 0,5580 0,6180 0,4381 0,4012 0,4760 0,4130 0,4885 0,5077 0,5019 JULHO 0,5337 0,5041 0,5465 0,4376 0,3927 0,4669 0,4080 0,4912 0,4417 0,4757 AGOSTO 0,5255 0,5029 0,5552 0,4256 0,3860 0,4536 0,3995 0,4782 0,4261 0,4702 SETEMBRO 0,4671 0,5013 0,5488 0,4256 0,3936 0,4566 0,4091 0,4688 0,4356 0,4637 OUTUBRO 0,4739 0,5030 0,5318 0,4047 0,3744 0,4239 0,3927 0,4658 0,4205 0,4563 NOVEMBRO 0,4704 0,5075 0,5346 0,4384 0,4060 0,4446 0,4177 0,4570 0,4131 0,4678 DEZEMBRO 0,4603 0,5029 0,5317 0,4570 0,4196 0,4738 0,4289 0,4847 0,4161 0,4723 JANEIRO 0,4573 0,4713 0,4988 0,4624 0,4241 0,4868 0,4299 0,4903 0,4237 0,4607 FEVEREIRO 0,4494 0,4397 0,4686 0,4802 0,4565 0,4857 0,4458 0,4702 0,4381 0,4540 MARÇO 0,4613 0,4177 0,4723 0,4880 0,4544 0,4841 0,4572 0,4522 0,4355 0,4472 AÇÚCAR ÁLCOOL CARBURANTE ÁLCOOL OUTROS FINS ÁLCOOL EXPORTAÇÃO MÊS R$/kg de ATR R$/kg ATR R$/kg ATR R$/kg ATR MÉDIA M.Interno VHP Branco Anidro Hidratado Anidro Hidratado Anidro Hidratado R$/kg ATR Mix de Prod. 11,67% 36,25% 6,64% 14,19% 17,79% 0,55% 2,08% 7,19% 3,64% 100,00% ABRIL 0,5289 0,5367 0,5908 0,4472 0,4414 0,4691 0,4512 0,4370 0,5315 0,5002 MAIO 0,5198 0,5646 0,6216 0,4530 0,4320 0,4706 0,4441 0,4675 0,5184 0,5120 JUNHO 0,5187 0,5613 0,6201 0,4477 0,4227 0,4720 0,4280 0,4757 0,5137 0,5083 JULHO 0,5228 0,5409 0,5951 0,4445 0,4165 0,4713 0,4225 0,4829 0,4773 0,4973 AGOSTO 0,5235 0,5292 0,5871 0,4403 0,4114 0,4664 0,4184 0,4815 0,4524 0,4899 SETEMBRO 0,5136 0,5229 0,5771 0,4375 0,4088 0,4643 0,4172 0,4785 0,4469 0,4845 OUTUBRO 0,5069 0,5200 0,5668 0,4320 0,4046 0,4589 0,4142 0,4766 0,4397 0,4800 NOVEMBRO 0,5020 0,5183 0,5610 0,4329 0,4048 0,4574 0,4145 0,4735 0,4335 0,4781 DEZEMBRO 0,4974 0,5169 0,5577 0,4363 0,4065 0,4593 0,4157 0,4745 0,4303 0,4777 JANEIRO 0,4935 0,5128 0,5510 0,4400 0,4090 0,4658 0,4178 0,4751 0,4292 0,4763 FEVEREIRO 0,4897 0,5073 0,5439 0,4437 0,4133 0,4677 0,4194 0,4748 0,4293 0,4747 MARÇO 0,4879 0,5013 0,5361 0,4472 0,4165 0,4693 0,4206 0,4741 0,4294 0,4728
  • 57. Produção de Açúcar e Etanol da Unidade Industrial Mix de Comercialização da Unidade Industrial ou do Grupo de Comercialização Preços dos Produtos da cana-de- açúcar Preços do kg de ATR CONSECANA Quantificação de ATR por tonelada INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS FORMAÇÃO DO PREÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR
  • 58. Produtos QUANTIDADE % Preços Preços do Part. Rel. Fator de ATR devido Produto ATR - ton. Part. ATR Produtos ATR M.Prima% Impostos Produtor ABMI - t 4.966.621 5.212.468 11,67% 1041,40 992,28 59,50% 0,8264 0,4879 ABME - t 2.827.434 2.967.392 6,64% 928,50 884,68 59,50% 1,01863 0,5361 AVHP - t 15.491.287 16.193.042 36,25% 864,69 827,22 59,50% 1,01863 0,5013 EAC - m3 3.623.711 6.338.595 14,19% 1259,66 720,13 62,10% 1 0,4471 EHC - m3 4.741.310 7.946.909 17,79% 1124,15 670,69 62,10% 1 0,4164 EAI - m3 141.460 247.441 0,55% 1321,95 755,75 62,10% 1 0,4692 EHI - m3 555.417 930.935 2,08% 1135,15 677,26 62,10% 1 0,4205 EAE - m3 1.834.847 3.209.514 7,19% 1335,39 763,43 62,10% 1 0,4740 EHE - m3 970.175 1.626.110 3,64% 1158,95 691,46 62,10% 1 0,4293 TOTAL/MÉDIA 44.672.407 100,00 593,29 60,90% 0,4728 Preço da cana-de- açúcar kg de ATR/t de cada produtor Preço médio do kgPreço médio do kg de ATR da unidade industrial ou do Grupo de Comercialização 64,66 136,75 0,4728 CALCULO DO PREÇO DO kg DO ATR DO FORNECEDOR DE CANA
  • 59. mm de Chuva, Cana Entregue, kg de ATR/t, R$/kg de ATR e VTC Safras 1998/1999 a 2012/2013 ANO Chuva Cana Entregue (t) Kg de ATR/t R$/kg de ATR Preço da Cana R$/t(mm) 1998/1999 1.645 51.595.640 142,83 0,1035 14,78 1999/2000 1.368 46.180.652 148,38 0,1193 17,70 2000/2001 1.571 35.794.160 145,23 0,1977 28,71 2001/2002 1.354 43.151.850 144,65 0,2074 30,00 2002/2003 1.423 49.189.092 147,62 0,2438 35,99 2003/2004 1.586 51.898.999 148,96 0,2030 30,24 2004/2005 1.534 59.242.819 143,95 0,2445 35,20 2005/2006 1.384 60.097.011 145,77 0,3083 44,94 2006/2007 1.366 68.648.990 150,65 0,3430 51,67 2007/2008 1.478 88.881.041 146,59 0,2443 35,81 2008/2009 1.411 109.705.961 143,34 0,2782 39,88 2009/2010 1.816 109.817.278 132,81 0,3492 46,38 2010/2011 1.348 111.648.003 143,19 0,4022 57,59 2011/2012 1.427 93.214.926 140,17 0,5018 70,34 2012/2013 1.400 105.511.655 136,75 0,4728 64,66
  • 60. COMPORTAMENTO DOS PREÇOS E DOS CUSTOS MÉDIOS DE PRODUÇÃO NAS SAFRAS 1998/99 A 2012/13
  • 61. Eliminação da Queima da Cana Colheita de Cana Crua PALHA = PONTAS, FOLHAS, PALHA 1/3 DA ENERGIA DA CANA Revisão do Sistema de Produção Remuneração da palha e do bagaço residual
  • 62. Site:www.orplana.com.br E-mail: orplana @ orplana.com.br “AS VEZES NOS PREOCUPAMOS COM QUEM ESTÁ CERTO OU ERRADO E ESQUECEMOS O QUE É CERTO E ERRADO”