SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPLICAÇÕES
NA CALDEIRA
COM A UTILIZAÇÃO
DE PALHA
Ney Prieto Peres
CB Serv Consultoria Ltda
pintura de Juliane Prieto Peres
CÁLCULO DO PODER CALORÍFICO
INFERIOR DO BAGAÇO - PCI
• PCI = 4.361 – 49,4 X Umid – 43,6 x Cinzas – 7,4 x Brix
• Exemplo:
• Umidade % Bagaço = 50,0
• Cinzas % Bagaço = 3,0
• Brix % Bagaço = 2,0
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 3 – 7,4 x 2 = 1.745 kcal/kg
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 5 – 7,4 x 2 = 1.658 kcal/kg (-5,0%)
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 7 – 7,4 x 2 = 1.571 kcal/kg (-10 %)
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 9 – 7,4 x 2 = 1.484 kcal/kg (-15 %)
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 11–7,4 x 2 = 1.397 kcal/kg (-20 %)
• PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 13–7,4 x 2 = 1.309 kcal/kg (-25 %)
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO
BAGAÇO/PALHA
1 – No Grelhado
2 – No Superaquecedor
3 – No Feixe Tubular
4 – No Pré-Aquecedor de Ar
5 – No Economizador
6 – No Lavador de Gás
7 – No Exaustor
8 – Na Atmosfera
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
1 – No Grelhado
Obstrução dos Orifícios -
Entrada Ar Primário
Formação de Pedras por Fusão
Desgaste por Abrasão Tubeiros
de Limpeza a Vapor -
Pinhole
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
2 – No Superaquecedor
Obstrução Passagem dos
Gases
Desgaste por Abrasão dos
Tubos
DESGASTES POR ABRASÃO
SOPRADORES
RETRÁTEIS
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
3 – No Feixe Tubular
Desgaste por Abrasão nos
Tubos – Entre Chicanas e na
Saída dos Gases
DESGASTES POR ABRASÃO
CARACTERÍSTICAS DA QUEDA DE TEMPERATURA SOBRE A
SUPERFÍCIE DAS PAREDES DE ÁGUA DA FORNALHA
1.370°
1.090°
810°
530°
260°
TEMPERATURAEMGRAUSCELSIUS
RedemoinhodeGás
534.3Mkcal/h/m²a1.300°C
PelículadeGás
PelículadeÁgua
ParededoTubo
TurbulênciasdaMisturaÁguaeVapor
TemperaturaLimite520°C
Paredes Limpas Paredes com
depósitos de fuligem
Paredes com
incrustações
Paredes com depósitos de
fuligem e incrustações
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
LadodaÁgua
LadodaFornalha
398.7Mkcal/h/m²a
1.300°C
Incrustação
AcumulodeFuligem
AcumulodeFuligem
Incrustação
409.5Mkcal/h/m²a
1.300°C
325.5Mkcal/h/m²a
1.300°C
(-25%)
(-23%)
(-39%)
PontoProvávelde
Falta
Formación de muñeco (bagazo, arena, chip) en el área del sobre calentador de
vapor
CARACTERÍSTICAS DA QUEDA DE TEMPERATURA SOBRE A
SUPERFÍCIE DAS PAREDES DE CONVECÇÃOTEMPERATURAEMGRAUSCELSIUS
Turbulências
53.16Mkcal/h/m²a
357°C
PelículadeGás
PelículadeÁgua
ParededoTubo
Paredes Limpas Paredes com
depósitos de fuligem
Paredes com
incrustações
Paredes com depósitos de
fuligem e incrustações
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
243°C
35Kgf/cm²
LadodaÁgua
LadodaFornalha
53.16Mkcal/h/m²a
367°C
Incrustação
AcumulodeFuligem
AcumulodeFuligem
Incrustação
53.16Mkcal/h/m²a
357°C
53.16Mkcal/h/m²a
400°C
(-35%)
(-29%)
(-49%)
427
400
370
343
316
288
260
Gás
Turbulências
Água
34.4Mkcal/h/m²a
323°C
37.7Mkcal/h/m²a
323°C
27.12Mkcal/h/m²a
323°C
SOPRADORES ROTATIVOS FIXOS
DESGASTES POR ABRASÃO
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
4 – No Pré-Aquecedor de Ar
Obstrução dos Tubos
Desgaste Abrasivo na
Entrada aos Tubos
DESGASTES POR ABRASÃO
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
5 – No Economizador
Desgaste por Abrasão nos
Tubos - Curvas
SOPRADORES RETRÁTEIS PARA
LIMPEZA DE ECONOMIZADORES
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
6 – Lavador de Gás
Acumulo de Lama –
Passagem do Gás
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
7 – No Exaustor
Desgaste por Abrasão:
Palhetas do Rotor
Carcaça Metálica
MATÉRIA ESTRANHA MINERAL
DO BAGAÇO/PALHA
8 – Na Atmosfera
Material Particulado – Limite
200 mg/Nm³
CALDEIRA DE ALTA EFICIÊNCIA
ECONOMIZADOR
PRÉ-AQUECEDOR
DE AR
AR PRIMÁRIO
70%
OVERFIRE
30%
PAREDES MEMBRANA
MOEGA
DE CINZA
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilização de palha - ney pietro (cb serv)

Mais conteúdo relacionado

Destaque

apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
Marcelo Martins
 
Caldeira
CaldeiraCaldeira
Caldeira
guest122c68e
 
Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1
Izabela Martelozzo Pegorer
 
Manutenção caldeiras
Manutenção caldeirasManutenção caldeiras
Manutenção caldeiras
Jair Lopes
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
educacao f
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
123marcao123
 
Etanol apresentacao
Etanol apresentacaoEtanol apresentacao
Etanol apresentacao
Brenda Gonçalves
 
Álcool
ÁlcoolÁlcool
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
Renan Atanázio
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
Rodolfo Ferreira
 
Manual caldeiras
Manual caldeirasManual caldeiras
Manual caldeiras
dahssaat
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
Cleuber Martins
 
Caldeiras apostila
Caldeiras   apostilaCaldeiras   apostila
Caldeiras apostila
Renan Margonar
 
Tubulações
TubulaçõesTubulações
Tubulações
Ana Cristina Vieira
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Alessandro Baqueiro Dórea
 
Caldeiras industriais
Caldeiras industriaisCaldeiras industriais
Caldeiras industriais
Safia Naser
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
Jaime Filho
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Carlinhos .
 
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSTubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Mário Sérgio Mello
 
Tubulações industriais senai rj
Tubulações industriais senai rjTubulações industriais senai rj
Tubulações industriais senai rj
Michelle Paulina
 

Destaque (20)

apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
 
Caldeira
CaldeiraCaldeira
Caldeira
 
Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1
 
Manutenção caldeiras
Manutenção caldeirasManutenção caldeiras
Manutenção caldeiras
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Etanol apresentacao
Etanol apresentacaoEtanol apresentacao
Etanol apresentacao
 
Álcool
ÁlcoolÁlcool
Álcool
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Manual caldeiras
Manual caldeirasManual caldeiras
Manual caldeiras
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
 
Caldeiras apostila
Caldeiras   apostilaCaldeiras   apostila
Caldeiras apostila
 
Tubulações
TubulaçõesTubulações
Tubulações
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
 
Caldeiras industriais
Caldeiras industriaisCaldeiras industriais
Caldeiras industriais
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
 
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSTubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
 
Tubulações industriais senai rj
Tubulações industriais senai rjTubulações industriais senai rj
Tubulações industriais senai rj
 

Mais de STAB Setentrional

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
STAB Setentrional
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 

Mais de STAB Setentrional (20)

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 

Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilização de palha - ney pietro (cb serv)

  • 1. IMPLICAÇÕES NA CALDEIRA COM A UTILIZAÇÃO DE PALHA Ney Prieto Peres CB Serv Consultoria Ltda pintura de Juliane Prieto Peres
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. CÁLCULO DO PODER CALORÍFICO INFERIOR DO BAGAÇO - PCI • PCI = 4.361 – 49,4 X Umid – 43,6 x Cinzas – 7,4 x Brix • Exemplo: • Umidade % Bagaço = 50,0 • Cinzas % Bagaço = 3,0 • Brix % Bagaço = 2,0 • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 3 – 7,4 x 2 = 1.745 kcal/kg • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 5 – 7,4 x 2 = 1.658 kcal/kg (-5,0%) • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 7 – 7,4 x 2 = 1.571 kcal/kg (-10 %) • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 9 – 7,4 x 2 = 1.484 kcal/kg (-15 %) • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 11–7,4 x 2 = 1.397 kcal/kg (-20 %) • PCI = 4.361 – 49,6 x 50 – 43,6 x 13–7,4 x 2 = 1.309 kcal/kg (-25 %)
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 1 – No Grelhado 2 – No Superaquecedor 3 – No Feixe Tubular 4 – No Pré-Aquecedor de Ar 5 – No Economizador 6 – No Lavador de Gás 7 – No Exaustor 8 – Na Atmosfera
  • 25. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 1 – No Grelhado Obstrução dos Orifícios - Entrada Ar Primário Formação de Pedras por Fusão Desgaste por Abrasão Tubeiros de Limpeza a Vapor - Pinhole
  • 26.
  • 27.
  • 28. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 2 – No Superaquecedor Obstrução Passagem dos Gases Desgaste por Abrasão dos Tubos
  • 30.
  • 32. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 3 – No Feixe Tubular Desgaste por Abrasão nos Tubos – Entre Chicanas e na Saída dos Gases
  • 34.
  • 35. CARACTERÍSTICAS DA QUEDA DE TEMPERATURA SOBRE A SUPERFÍCIE DAS PAREDES DE ÁGUA DA FORNALHA 1.370° 1.090° 810° 530° 260° TEMPERATURAEMGRAUSCELSIUS RedemoinhodeGás 534.3Mkcal/h/m²a1.300°C PelículadeGás PelículadeÁgua ParededoTubo TurbulênciasdaMisturaÁguaeVapor TemperaturaLimite520°C Paredes Limpas Paredes com depósitos de fuligem Paredes com incrustações Paredes com depósitos de fuligem e incrustações 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² LadodaÁgua LadodaFornalha 398.7Mkcal/h/m²a 1.300°C Incrustação AcumulodeFuligem AcumulodeFuligem Incrustação 409.5Mkcal/h/m²a 1.300°C 325.5Mkcal/h/m²a 1.300°C (-25%) (-23%) (-39%) PontoProvávelde Falta
  • 36.
  • 37. Formación de muñeco (bagazo, arena, chip) en el área del sobre calentador de vapor
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. CARACTERÍSTICAS DA QUEDA DE TEMPERATURA SOBRE A SUPERFÍCIE DAS PAREDES DE CONVECÇÃOTEMPERATURAEMGRAUSCELSIUS Turbulências 53.16Mkcal/h/m²a 357°C PelículadeGás PelículadeÁgua ParededoTubo Paredes Limpas Paredes com depósitos de fuligem Paredes com incrustações Paredes com depósitos de fuligem e incrustações 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² 243°C 35Kgf/cm² LadodaÁgua LadodaFornalha 53.16Mkcal/h/m²a 367°C Incrustação AcumulodeFuligem AcumulodeFuligem Incrustação 53.16Mkcal/h/m²a 357°C 53.16Mkcal/h/m²a 400°C (-35%) (-29%) (-49%) 427 400 370 343 316 288 260 Gás Turbulências Água 34.4Mkcal/h/m²a 323°C 37.7Mkcal/h/m²a 323°C 27.12Mkcal/h/m²a 323°C
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 47.
  • 48.
  • 49. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 4 – No Pré-Aquecedor de Ar Obstrução dos Tubos Desgaste Abrasivo na Entrada aos Tubos
  • 50.
  • 52.
  • 53. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 5 – No Economizador Desgaste por Abrasão nos Tubos - Curvas
  • 54.
  • 55.
  • 57. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 6 – Lavador de Gás Acumulo de Lama – Passagem do Gás
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 7 – No Exaustor Desgaste por Abrasão: Palhetas do Rotor Carcaça Metálica
  • 64.
  • 65.
  • 66. MATÉRIA ESTRANHA MINERAL DO BAGAÇO/PALHA 8 – Na Atmosfera Material Particulado – Limite 200 mg/Nm³
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74. CALDEIRA DE ALTA EFICIÊNCIA ECONOMIZADOR PRÉ-AQUECEDOR DE AR AR PRIMÁRIO 70% OVERFIRE 30% PAREDES MEMBRANA MOEGA DE CINZA