2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM

9.289 visualizações

Publicada em

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Acesse demais arquivos de slides e vídeos com comentários no meu blog:
http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.289
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7.305
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
201
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2016 3 TRI LIÇÃO 4 - O JUÍZO DE JUDÁ E DE JERUSALÉM

  1. 1. TEXTO DO DIA "O Senhor vem em juízo contra os anciãos do seu povo e contra os seus príncipes; é que fostes vós que consumistes esta vinha; o espólio do pobre está em vossas casas." (Is 3.14)
  2. 2. SÍNTESE O profeta de Deus percebe quando há injustiça entre os homens e quando esta atrai o juízo de Deus. Ele discerne tudo e conhece os grandes dilemas do seu povo e do seu tempo.
  3. 3. TEXTO BÍBLICO Isaías 3.1-5; 8; 13-15
  4. 4. 1 Porque eis que o Senhor Deus dos Exércitos tirará de Jerusalém e de Judá o bordão e o cajado, todo o sustento de pão e toda a sede de água; 2 o valente, e o soldado, e o juiz, e o profeta, e o adivinho, e o ancião; 3 o capitão de cinquenta, e o respeitável, e o conselheiro, e o sábio entre os artífices, e o eloquente; 4 e dar-lhes-ei jovens por príncipes, e crianças governarão sobre eles. 5 E o povo será oprimido; um será contra o outro, e cada um, contra o seu próximo; o menino se atreverá contra o ancião, e o vil, contra o nobre. 8 Porque Jerusalém tropeçou, e Judá caiu, porquanto a sua língua e as suas obras são contra o Senhor, para irritarem os olhos da sua glória. 13 O Senhor se levanta para pleitear e sai a julgar os povos. 14 O Senhor vem em juízo contra os anciãos do seu povo e contra os seus príncipes; é que fostes vós que consumistes esta vinha; o espólio do pobre está em vossas casas. 15 Que tendes vós que afligir o meu povo e moer as faces do pobre? - diz o Senhor, o Deus dos Exércitos.
  5. 5. INTRODUÇÃO
  6. 6. INTRODUÇÃO • O que é justiça para você? • A palavra juízo é amplamente usada no AT, em Isaías 40 X. • Os governantes, os ricos, os sacerdotes e os profetas estavam coniventes com o erro; sentindo-se seguros dentro das fortalezas, usavam todo o seu poder para oprimir os pobres. • Quem deveria proteger o povo, faz o contrário, o explora. • O projeta anuncia a justiça e o juízo de Deus.
  7. 7. I - A INJUSTIÇA E A OPRESSÃO DE UM POVO
  8. 8. 1. Justiça • Atualmente a palavra justiça significa o cumprimento de uma lei moral (equidade e a igualdade). • Para o judeu, era sinônimo de seguir as exigências da lei de Deus e de sua justiça. • A arrogância levou, principalmente a elite de Israel, a inverter o sentido da justiça, trocando o que justo pelo injusto. • Exploração daqueles que não têm como se defender, como o fraco, o pobre, o órfão e a viúva (Is 1.17; 23; Is 3.14; 10.2). • Desenvolvimento à custa dos injustiçados.
  9. 9. 2. A opressão oficializada • Sempre existiram desigualdades em Israel, mas no tempo de Isaias elas adquiriram grandes proporções. • Divisão de dois grandes grupos: os oprimidos (pobres e marginalizados) e os opressores (elite) - Is 3.12,15; Am 3.9-12. • Mesmo entre os pobres havia exploração e abuso (Is 3.5). • As instituições, inclusive educacional, serviam para legitimar o sistema de opressão (ver o livro: Educação Cristã Libertadora).
  10. 10. 3. A injustiça como instrumento de triunfo • Justiça tem o significado de retidão em um caminho ético. • Em vez disso, derramavam sangue para se alcançar os objetivos pessoais e egoístas (Is 5.7). • Desonestidade e corrupção na esfera pública e uma grande diferença entre as classes sociais. • Desrespeito à tradição clânica de proteção da terra familiar (Is 5.8 – ver também o exemplo da “vinha de Nabote”) • Isaías denunciou o governo e líderes que enganavam o povo e causava dificuldades em vez de facilitar a vida deles.
  11. 11. 4. A injustiça no mundo atual • Semelhança da organização política e socioeconômica do livro de Isaias com o mundo atual. • Aproximadamente 10 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da miséria; no mundo, quase um bilhão de pessoas sobrevive com menos de dois dólares por dia. • A afirmação de Jesus de que sempre teríamos pobres entre nós não serve de desculpa para uma inércia cristã diante desta situação. • Além de pregar o Evangelho, a Igreja tem a responsabilidade de promover a justiça e igualdade.
  12. 12. APLICAÇÃO PRÁTICA Qual a sua contribuição para mudar a realidade injusta de nossa sociedade? O que você pode aprender com a atitude de Isaias?
  13. 13. PENSE A pobreza é uma condição de existência que reduz as potencialidades de vida humana. Ela causa sofrimento e desigualdades sociais.
  14. 14. PONTO IMPORTANTE Na profecia bíblica, os problemas sociais também são encarados como missão e desafios dos servos de Deus. Os profetas eram homens sensíveis à voz do Espírito de Deus e aos clamores das injustiças e opressões sociais.
  15. 15. II - A ARROGÂNCIA QUE CEGA
  16. 16. 1. A descrição da arrogância pelo profeta • Isaías é corajoso ao denunciar que as pessoas importantes do governo se portavam com orgulho. • A profecia de Isaias não era contra o desfrute de coisas boas e do cuidado pessoal. Ele denunciou contra os meios que sustentavam e o descaso com o próximo. • Num círculo vicioso, a arrogância leva à injustiça e a injustiça à arrogância.
  17. 17. 2. Um pecado abominável • O orgulho foi o primeiro pecado praticado no universo. • Desde o início da humanidade, o ser humano procura ser um “deus”, o centro de tudo. • Triste é a situação do ser humano que se acha suficiente e independente de Deus. • Somos seres sociais e precisamos um do outro.
  18. 18. 3. Os males do orgulho • Orgulho uma afronta a Deus. • Supervaloriza o "eu" em detrimento do “outro”. • Leva a prática da desumanização. • Isaias demonstra que o orgulho leva à prática da injustiça.
  19. 19. APLICAÇÃO PRÁTICA Como você tem tratado as pessoas? Você tem dado lugar à arrogância?
  20. 20. PENSE O orgulho revela a nossa falta de autoconhecimento enquanto seres humanos. Quem conhece suas limitações e a fragilidade da vida de modo algum se torna orgulhoso.
  21. 21. PONTO IMPORTANTE O livro do profeta Isaías é um bom exemplo do modo como o orgulho destruiu a dependência do povo israelita de Deus.
  22. 22. III - A MISERICÓRDIA E A JUSTIÇA DE DEUS
  23. 23. 1. O profeta prediz a ruína • A depravação do povo, em especial dos líderes, resultaria em uma anarquia. • O profeta anuncia a destruição do sistema de dominação e humilhação dos exaltados. • O cumprimento foi o exílio babilônico, quando os principais símbolos de proteção divina sobre a nação foram destruídos (templo, inviabilidade de Jerusalém, muros de proteção, entre outros). • Toda causa tem sua consequência: “a lei da semeadura”. • Isso é inevitável!
  24. 24. 2. Humildade • A solução era o reconhecimento da dependência de Deus e submissão à Sua justiça. • “A humildade precede a honra" (Pv 15.33). • Deus promete habitar "com o contrito e humilde de espírito, para dar novo ânimo ao espírito do humilde e novo alento ao coração do contrito" (Is 57.15). • Jesus disse que o Reino dos Céus é dos humildes (Mt 5.3).
  25. 25. 3. A justiça de Deus • A justiça divina geralmente é manifestada como atos de salvação, misericórdia e bondade de Deus, mas também de juízo. • O profeta estava prevendo esse momento para o povo, em que seriam visitados em sua maldade. • O povo seria poupado se estivesse um líder justo = o messias (lembrando que a expectativa era de um líder humano, não divino). • O NT irá demonstrar que a justiça de Deus se revela por meio de Cristo e sua Igreja (Ver livro “Justiça e Graça”).
  26. 26. APLICAÇÃO PRÁTICA Como Igreja, o que temos feito para o estabelecimento da misericórdia e justiça de Deus? Como Igreja, temos feito a diferença na sociedade?
  27. 27. PENSE A humildade é o caminho mais fácil para conseguir o favor de Deus e dos homens.
  28. 28. PONTO IMPORTANTE A tradição profética israelita sempre trouxe em sua mensagem a combinação entre anúncio de juízo e restauração, justiça e graça ao povo, pois em última instância a vontade de Deus é sempre trazer vida e esperança, e não destruição ao ser humano, apesar de sermos merecedores.
  29. 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  30. 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta lição nos aprendemos que: 1. A função profética sempre esteve junto com questões sociais e políticas. As formas de injustiça social em nossa sociedade, demonstra o quanto a profecia de Isaías é atual; 2. A arrogância conduz o ser humano a ignorar o outro; 3. A igreja de Cristo deve ser um meio da revelação da misericórdia e a justiça de Deus.
  31. 31. Subsídios bibliográficos
  32. 32. "Depois da morte do bom rei Ezequias, em 686, e do profeta Isaías, Judá entrou em um processo de declínio em todos os setores, do qual não mais viria a recuperar-se, exceto pelo breve reinado de Josias. Uma falha específica no caráter de Ezequias pode ser vista no seu comportamento para com os embaixadores de Merodaque-Baladã, de Babilônia. [...] O autor de Reis e o profeta Isaías declaram que o rei Ezequias expôs os tesouros do reino à embaixada babilônica (2Rs 20.12-15; Is 39.1-4). [...] O fato de Ezequias ter aberto seus tesouros para os embaixadores da Babilônia pode ser a expressão de um suposto apoio a causa dos caldeus, de forma que queria impressioná- los mostrando sua força e seu poder. Tal atitude foi má aos olhos do Senhor, ocasionando a ira de Yahweh contra Judá e Jerusalém. Ezequias arrependeu-se, mas Isaías o informou de que chegaria o tempo em que os descendentes políticos desses mesmos caldeus retornariam para Jerusalém. Eles despojariam todo o tesouro de Judá e levariam seus filhos e filhas para a corte real da Babilônia" (MERRILL, H. Eugene. História de Israel no Antigo Testamento: O reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações. 12.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 457-458).
  33. 33. HORA DA REVISÃO 1. Quais são as duas fortes denúncias que Isaías fez na profecia analisada nesta lição? R) Isaías denuncia a injustiça e o orgulho. 2. Que tipos de injustiça estavam sendo praticadas por Judá? R) Deus havia ordenado que ninguém deveria acumular terras (Is 5.8), que os julgamentos tinham que ser justos e não deveriam construir nada a preço de sangue, os comerciantes não deveriam ter balança desonesta, ninguém poderia praticar extorsão, não deveriam dar lugar ao orgulho da riqueza. 3. Qual característica o povo assumiu ao se tornar arrogante? R) É como se Deus não se importasse com nada, ou como se Ele não precisasse ser honrado, assumindo uma postura de autossuficiência. 4. Qual foi o primeiro pecado praticado no universo? R) O orgulho. 5. Que promessa o Evangelho de Mateus faz aos humildes? R) Que o Reino dos Céus seria deles.
  34. 34. Referências
  35. 35. REFERÊNCIAS ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Fundamentos Bíblicos de um Autêntico Avivamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. ARAUJO, Israel de. Dicionário do Movimento Pentecostal. 1ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. Comentário Bíblico Beacon. Vol 4. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. CROATTO, J. S. Isaías. Vol I: 1-39. O profeta da justiça e da fidelidade. Petrópolis: Vozes, 1989. DORTCH, W. Richard. Orgulho Fatal: Um Ousado Desafio a este Mundo Faminto de Poder. FEINBERG, Charles L. Os profetas menores. São Paulo: Vida, 1988. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Isaias: eis-me aqui, envia-me a mim. 3º Trim, Edição Professor, Rio de Janeiro, 2016. MERRILL, H. Eugene. História de Israel no Antigo Testamento: O reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações. 12.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013.
  36. 36. REFERÊNCIAS NAKANOSE, Shigeyuki; PEDRO, Enilda de Paula. Como ler o Primeiro Isaías (Is 1-39). São Paulo: Paulus, 2002. NEVES, Natalino das. Educação Cristã Libertadora. São Paulo: Fonte Editorial, 2013. NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da salvação na Epístola aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. RENDTORFF, Rolf. Antigo Testamento: uma introdução. Santo André-SP: Academia Cristã, 2009. SCHOKEL, Alonso Luís; SICRE. José Luís. Os profetas. São Paulo: Paulus, 2004. SICRE, José Luís. Profetismo em Israel. Petrópolis: Vozes, 1996. SILVA, Airton José. A voz necessária: encontro com os profetas do século VIII a.C. São Paulo: Paulus, 1998.
  37. 37. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094

×