O PROFETA ELIAS: HOMEM DE DEUS, HOMEM DO POVO                             Frei Carlos Mesters e Wolfgang Gruen       CAPÍT...
2       5. Animar e orientar a luta do povo       A origem destas histórias, sem dúvida nenhuma, está nos grupos dos profe...
3cartomantes. A religião continua sendo usada e até manipulada pelos homens do poder.        O mesmo acontece no início da...
4mesma medida os profetas reagem e os criticam. Inicia-se assim a lenta separação das águas.Começa a tensão entre carisma ...
5aliança!" Alguns se acostumam com os cacos e os ignoram. O profeta faz o contrário. Confronta opovo com os pobres e exige...
6        Desapareceu a igualdade e a fraternidade. O povo rachou no meio: de um lado, o rei, osanciãos, os nobres, os chef...
7do futuro se anunciava. Havia os que resistiam à pressão do ambiente. Apesar de tudo, continuavamfiéis à aliança:        ...
8        De um lado, a sua união com Deus não o afasta dos irmãos. Pelo contrário! Faz com que elese aproxime cada vez mai...
921,7-19 e Lv 25,23); a favor do capitão que, por amor à vida, desobedece à ordem do rei (2Rs 1,12-15); em defesa do povo ...
10conforme eles mesmos gostariam: conforme o esquema da tradição ou do sistema dos reis.        Uma atitude assim é como u...
11       CONTINUAR A OBRA DE ELIAS E ESPERAR SEU RETORNO       1. Continuar a obra de Elias        Ainda 800 anos mais tar...
12Jesus, como se costuma dizer. Foi o próprio Jesus que ensinou aos seus discípulos esta leitura maisprofunda da figura de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Elias e a espiritualidade biblica

4.007 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.007
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
101
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elias e a espiritualidade biblica

  1. 1. O PROFETA ELIAS: HOMEM DE DEUS, HOMEM DO POVO Frei Carlos Mesters e Wolfgang Gruen CAPÍTULO 1 O TEXTO DA BÍBLIA QUE NOS FALA DO PROFETA ELIAS 1. Texto incompleto, imagem completa O texto da Bíblia que nos fala do profeta Elias é como um álbum de fotografias. Mas é umálbum incompleto. Faltam as primeiras e as últimas páginas. A história começa no meio e terminaantes do fim: nada diz sobre o nascimento e a vocação do profeta, nem sobre a sua velhice e morte.Sobraram só seis fotografias: seis capítulos! O texto se parece com o tijolo que o pedreiro colocouno buraco de uma parede já pronta. O buraco era menor que o tijolo. Para poder caber, cortou umpouco dos dois lados e ajeitou o resto com cimento. Mesmo assim, apesar de incompleto, o texto oferece uma imagem perfeita e completa dequem era Elias, do que ele fazia como profeta, e do ideal que ele queria realizar. Pois, para sentirtodo o gosto de um bolo, não é preciso comer o bolo todo. Basta comer só um pedaço. E a Bíblianos oferece seis pedaços! 2. Manter viva a memória do povo Cada um dos seis capítulos traz uma história sobre o profeta Elias. Seis fotografias, vivas ecoloridas! Seis histórias soltas, independentes uma da outra! Antes de serem escritas, elas foramcontadas pelo povo, transmitidas durante séculos, nas rodas de conversa. Mantinham viva alembrança do profeta. Lembrança incômoda para os homens do poder. Estes, se dependesse deles,fariam com que a lembrança de Elias fosse esquecida e enterrada para sempre (cf. lRs 18,17; 19,1-2; 21,20; 2Rs 1,9.11; 2Cr 21,12-15). Mas o povo não permitiu que Elias fosse esquecido. Fez questão de conservar a lembrançada sua vida, das suas andanças, e a história das suas lutas contra a rainha Jezabel e contra o rei Acabe o rei Ocozias. A história de Elias ajudava o povo a não esquecer o passado, a não perder a suaidentidade, a consciência da sua missão. Servia para manter viva a memória subversiva do povo deDeus. 3. Ler a história dos Reis com os olhos de um profeta A história do profeta Elias ocupa quatro capítulos no primeiro livro dos Reis e dois nosegundo: I Reis, capítulos 17, 18, 19 e 21; 2 Reis, capítulos 1 e 2. Na Bíblia dos cristãos, os livrosdos Reis são chamados Livros Históricos, pois contam a história dos reis. Mas o que faz um profetano meio dos reis? Como é que Elias, o defensor dos pequenos, foi parar no meio da história dosgrandes? Na Bíblia dos judeus, os livros dos reis têm outro nome, a saber: Livros Proféticos ou, maisprecisamente, Profetas Anteriores. Para eles, a finalidade principal destes livros não é informar aopovo o que os reis fizeram, mas é formar e ensinar o povo a ler a história dos reis com os olhos deuni profeta. É por isso que Elias aparece no meio dos reis criticando e condenando ocomportamento dos grandes que oprimem e confundem os pequenos. 4. "Pegar o espírito da coisa!" A linguagem destes seis capítulos sobre o profeta Elias é simples e profunda. É linguagempopular. Ora, nas histórias que o povo conta nem tudo pode ser tomado ao pé da letra. Até hoje, ashistórias do povo têm um significado mais profundo. O seu sentido fica para além da letra. Um exemplo de hoje: um lavrador dos sem-terra que participou da longa romaria realizadano Sul do país em 1986 contou: "Certo dia, o caminhão que carregava um grupo de romeiros caiunum buraco, mas não despencou nem virou. Ninguém se machucou! Foi Deus que segurou ocaminhão!" Alguém que não participou da romaria perguntou: "Senhor João, como é que Deussegurou o caminhão? Usou guindaste?" O lavrador sorriu, teve dó do homem que fez a pergunta erespondeu com muito jeito: "O senhor não entendeu a história. Não pegou o espírito da coisa!" Pois bem, a Bíblia conta as histórias do profeta Elias para ajudar a gente a "pegar o espíritoda coisa", o Espírito de Deus, presente nos fatos da nossa história.
  2. 2. 2 5. Animar e orientar a luta do povo A origem destas histórias, sem dúvida nenhuma, está nos grupos dos profetas que viviam aoredor de Elias e de Eliseu, seu sucessor (2Rs 2,35.7; 1Rs 18,4.13). Eles tinham o "espírito de Elias"(2Rs 2,9.15). Como Elias, lutavam para manter o povo na fidelidade a Javé (lRs 18,21) e naobservância da lei de Deus (lRs 19,10). Eles é que contavam e divulgavam as histórias de Elias para orientar o povo na defesa daaliança e para animá-lo a não desistir da luta contra o abuso da religião promovido pelos homens dopoder (lRs 16,32-33; 21,8-10; 2Rs 1,2), contra a falsa imagem de Deus divulgada pelos profetas deBaal (lRs 18,27), contra a opressão e a exploração do povo comandadas pelo próprio rei (lRs 21,19;1Rs 18,12.14), contra a rainha Jezabel que perseguia e matava os profetas (lRs 18,13; 19,1-2). 6. Revelar o rosto de Deus As histórias de Elias funcionavam como um espelho. O povo olhava lá dentro e descobria agrande verdade: "Deus está conosco na luta pela defesa da aliança!" E não só! Descobria também asexigências de Deus. Descobria o rosto de Deus nos fatos da vida e da história. O rosto de Deus é oanúncio mais subversivo e mais incômodo, mais exigente e mais libertador que se possa imaginar! . Hoje, o povo que luta por terra e por justiça, por fraternidade e por nova sociedade, olha noespelho das histórias de Elias e descobre nelas de que lado Deus está. Descobre o que Deus quer denós, quais as suas exigências e apelos, como Ele está presente na luta.do povo. Descobre o rosto deDeus olhando para nós de dentro dos fatos da nossa vida e história. 7. Discernir entre verdadeiros e falsos profetas Um álbum de fotografias pode não ser completo. A Bíblia pode não informar tudo o que agente gostaria de saber sobre o profeta Elias. Mas o que não é incompleto nas histórias de Elias é aimagem, o retrato, que a Bíblia aí nos deixou de Elias. É o retrato de como deve ser o verdadeiroprofeta. Através daquelas seis histórias, a Bíblia nos oferece o modelo perfeito do profeta ideal. Em outras palavras, as histórias de Elias serviam e até hoje servem como critério para opovo poder discernir entre verdadeiros e falsos profetas. Este discernimento nem sempre era fácil(cf. lRs 22,5-28). CAPÍTULO 2 COMO COMEÇOU A AÇÃO DOS PROFETAS ANTES DE ELIAS 1. No início, os profetas eram chamados videntes No começo da história do povo de Deus ainda não era bem claro o que vinha a ser umprofeta. Havia profeta para tudo! Havia profetas não só no povo de Deus, mas também nos outrospovos. O profeta era uma figura comum da cultura daquele tempo. Bem no começo, tanto no povo de Israel como nos outros povos, os profetas eram gruposreligiosos de artistas e cantantes, videntes e poetas, carismáticos e beatos (lSm 10,5.10). Com aajuda de instrumentos musicais (lSm 10,5; 2Rs 3,15), eles entravam em transe coletivo e dançavam.Ninguém resistia. Todos entravam na dança (lSm 19,20-24). Eram grupos muito populares. O povo considerava os profetas como pessoas ligadas àdivindade, "homens de Deus" (lSm 9,6). Por isso, procurava-os para resolver os seus problemascomo, por exemplo, a perda de um jumento (l8m 9,3-6.20), problema de saúde (lRs 17,17-18), faltade água potável (2Rs 2,19-22). Os profetas eram os conselheiros do povo, chamados "videntes". Diza Bíblia: Antigamente, em Israel, quando alguém ia consultar a Deus, dizia: Vamos ao vidente,porque, em vez de profeta, como hoje se diz, dizia-se vidente " (l8m 9,9). 2. No início, rei e profeta andavam juntos Tanto em Israel como nos outros povos, os reis e os governantes procuravam o apoio destesgrupos proféticos ou carismáticos. O apoio de um profeta significava o apoio de Deus! Era umaespécie de confirmação divina do poder do rei. Com o apoio de um profeta era . mais fácil levar opovo a obedecer ao governo e a cumprir as ordens do rei. E assim se faz até hoje. Os políticos e os homens do poder procuram o apoio da religião: vãoà Aparecida do Norte, tiram fotografia com o Papa, visitam os terreiros, consultam videntes e
  3. 3. 3cartomantes. A religião continua sendo usada e até manipulada pelos homens do poder. O mesmo acontece no início da história do povo de Israel. Os chefes das doze tribosprocuram o apoio do profeta 8amuel para mudar o sistema do Governo e introduzir o rei (18m 8,4-5). Os três primeiros reis, Saul, Davi e Salomão, surgem, cada qual por sua vez, com o apoio de umprofeta (18m 10,1.24; 16,1-13; 28m 7,1-17; 2Rs 1,34). Até mesmo o rei Jeroboão, tão criticadoposteriormente pelos próprios profetas, tem o apoio de um profeta para realizar a separação entre osreinos de Israel e Judá (lRs 11,29-31). Em resumo, no início, os reis de Israel podiam contar com o apoio dos profetas. Pois amonarquia era, naquele momento, a expressão da vontade de Deus para o povo. Mas foi só porpouco tempo! 3. O engano trágico dos homens do poder Aos poucos, nas comunidades do povo de Israel, a figura do profeta começa a ter um rostopróprio, diferente dos profetas dos outros povos. Na maioria dos outros povos, o rei era considerado filho de deus. Mas o deus deles nãopassava de uma invenção humana, criada para legitimar o assim chamado "direito do rei" (18m 8,9).Os profetas destes deuses não tinham autonomia. Eram empregados do rei, controlados por ele.Dificilmente eles chegavam a ser uma força crítica frente ao poder do rei. Em vez de independentes,dependiam do rei e eram sustentados por ele. Comiam da mesa da rainha (1Rs 18,19). Os reispodiam contar sempre com o apoio dos seus profetas. Ou seja, Deus, a religião e os profetas faziamparte do sistema dos reis. Eram uma peça importante no motor da sociedade daquele tempo. Ora, os reis de Israel, após um início de muita esperança, começam a imitar estes outros reis(18m 8,5.20; 1Rs 11,1-2), e "o seu coração já não é todo de Javé como tinha sido o coração deDavi" (1Rs 11,4). Apoiando-se no "direito do rei" (18m 8,11-18), introduzem os trabalhos forçados(1Rs 5,27[13]; 1Rs 12,4), desviam o povo dá aliança e prestam culto aos falsos deuses (1Rs 11,1-13). Trazem de volta a opressão do Egito, da qual Deus tinha dito: "Para o Egito vocês nunca maisvão poder voltar!" (Dt 17,16). E o pior é que eles fazem tudo isto como se estivesse de acordo coma vontade de Javé que os tirou do Egito (lRs 12,28). Imaginam Javé, o Deus do povo, como umdaqueles falsos deuses dos outros povos, como um ídolo qualquer, sem autonomia, a serviçoexclusivo dos interesses da monarquia. E é aqui que está o engano dos reis, o erro trágico doshomens do poder. Javé, o Deus de Israel, não é igual aos outros deuses! 4. Javé, o nosso Deus, é um Deus diferente! Javé não é um deus criado pelo povo, mas é, Ele mesmo, o Criador do povo! Não é umainvenção humana para o rei conseguir o apoio do povo. Pelo contrário! É o rei que deve obedecer aJavé e ser o seu representante para governar o povo, não de acordo com o "direito do rei", mas deacordo com os Dez Mandamentos da Lei de Deus (Dt 17,18-19). Javé não é uma peça no plano dorei, mas o rei é que deve ser o executor do plano de Javé! Javé, o Deus de Israel, é um Deus diferente! E é por isso que também os profetas de Javé sãodiferentes. Eles não podem ser iguais aos profetas dos outros povos. Sendo "homens de Deus", elestêm a sua experiência de Deus e reagem de acordo com as exigências de Deus. A experiência de Javé, o Deus do povo, traz consigo a sua própria evidência. É, antes detudo, uma experiência do Deus dos pais, do Deus da aliança, do mesmo Deus que tirou o povo doEgito. Por isso, ela traz consigo a lembrança de tudo o que Deus fez no passado. O profeta toma-sea memória crítica do povo. Lembra coisas incômodas que muitos gostariam de esquecer. Aexperiência da santidade de Deus é, ao mesmo tempo, a experiência do pecado e das falhas queexistem no meio do povo e na vida dos seus governantes. É nesta experiência de Deus e do povo deDeus que está a fonte da liberdade e da autonomia do profeta frente ao poder do rei. Aqui está asemente do futuro conflito entre reis e profetas. 5. O conflito entre reis e profetas A semente deste conflito já existia no chão da vida do povo desde os tempos de Moisés,chamado profeta (Dt 18,17), desde os tempos da profetisa Débora (Jz 4,4) e do profeta Samuel (ISm3,20). A semente era e continua sendo a própria fé em Javé, o Deus do povo. O conflito crescelentamente, aos poucos. À medida que os reis de Israel imitam a prática dos outros povos, nesta
  4. 4. 4mesma medida os profetas reagem e os criticam. Inicia-se assim a lenta separação das águas.Começa a tensão entre carisma e poder. A separação ficou clara e definitiva na ação de Elias. Com Elias, a profecia irrompe dofundo da consciência do povo de Deus e surge como força independente, livre frente ao poder dorei, expressão da liberdade do próprio Deus frente aos homens, suas criaturas. A partir de Elias, osprofetas tomam o rumo da defesa da aliança e da vida do povo contra a prepotência do poder. Diante da resistência e da crítica que o profeta lhe faz, o rei percebe que não é dono nem de.Deus e nem do povo. O seu poder não é ilimitado nem pode ser usado sem controle. O único donode tudo e de todos é Javé, o Deus do povo, do qual tanto o rei como o profeta devem serempregados para servir ao povo de Deus, cada um a seu modo, dentro das exigências da aliança. 6. Verdadeiros e falsos profetas Nem todos os profetas seguem o exemplo de Elias (IRs 22,6). Sempre teve e sempre teráprofetas e profetisas (Ez 13,17) ligados aos falsos deuses do poder opressor. Eles usam a religiãoem benefício próprio e reduzem Deus ao tamanho das suas próprias idéias e interesses. Estes são os assim chamados "falsos profetas": confundem o povo (Jr 27,9-10), fazem apropaganda do sistema do rei e só falam aquilo que o rei gosta de ouvir (IRs 22,6.11-12). Esta lutaentre verdadeiros e falsos profetas percorre toda a história dos reis, desde Elias (IRs 18,13; 19,10)até o cativeiro. Quase todos os profetas tiveram problemas, conflitos e brigas com os falsos profetas(Jr 28,1-17; 23,9-40; 14,13-16; Ez 13,1-23; Is 28,7-13). Para o povo não era fácil discernir (IRs 22,8). Eles se perguntavam: "Como saber se tal e talpalavra do profeta é realmente de Javé?" (Dt 18,21). Problema sério que continua até hoje! O povofica confuso diante das divergências inevitáveis, existentes dentro da Igreja: um bispo diz umacoisa, outro diz outra! O que fazer? Como discernir quando todos pretendem falar em nome deDeus? Como fez o povo daquele tempo para resolver este problema? Quais os critérios que usavampara discernir entre verdadeiros e falsos profetas? 7. Os critérios para discernir A Bíblia registra vários critérios para discernir entre verdadeiros e falsos profetas. Eis algunsdeles: 1. Deus disse a Moisés: "Vou suscitar para eles um profeta como tu!" (Dt 18,17). Umcritério básico é verificar se as palavras e a prática do profeta estão em continuidade com Moisés(Dt 18,15.18). Moisés é visto pelo povo como o maior de todos os profetas (Nm 12,6-8; Dt 34,10-12). 2. Como já vimos, Elias ficou na memória do povo como marco e modelo do profeta ideal.As histórias de Elias servem como norma para avaliar as pessoas que se apresentam como profetade Javé ao povo. 3. Critério seguro é verificar se os sinais anunciados pelo profeta se realizam. Neste caso,eles confirmam a profecia como sendo de Javé. "Se o profeta fala em nome de Javé, mas a palavranão se cumpre nem se realiza, trata-se então de uma palavra que Javé não disse. Tal profeta faloucom presunção. Não o temas" (Dt 18,22; cf. lSm 10,1-8; lRs 22,28; Is 7,14; Jr 28,15-16; 44,29-30). 4. Às vezes, não basta que o sinal anunciado se realize. Há falsos profetas que realizamsinais e, ao mesmo tempo, confundem o povo dizendo: "Vamos seguir outros deuses e servi-los!"(Dt 13,3). "Não ouças as palavras deste profeta! Porque é Javé vosso Deus que vos experimenta,para saber se de fato amais a Javé vosso Deus com todo o vosso coração e com todo o vosso ser!"(Dt 13,4). Com outras palavras, o critério mais seguro é quando a vida e a mensagem do profetaestão de acordo com a aliança e com os mandamentos da lei de Deus (Dt 13,2-6; Jr 23,16-18). CAPÍTULO 3 A SITUAÇÃO DO POVO QUE PROVOCOU A AÇÃO DE ELIAS 1. Captar o grito calado do pobre Onde aparecem cacos de vidro no chão, você passa, olha e diz: "Alguém quebrou a janela!"Onde aparecem pobres no meio do povo de Deus, o profeta passa, olha e diz: "Alguém quebrou a
  5. 5. 5aliança!" Alguns se acostumam com os cacos e os ignoram. O profeta faz o contrário. Confronta opovo com os pobres e exige mudança em nome de Deus: "Entre vocês não podem ex;istir pobres"(Dt 15,4). A aliança com Deus pede que todos sejam irmãos (Lv 19,15-18), que os bens sejampartilhados (Dt 15,7; Ex 16,4), que o poder seja serviço (Dt 17,14-20; Ex 18,13-23), que o pobrenão seja explorado (Ex 22,20-26), que os Dez Mandamentos sejam observados (Ex 20,1-17), que opovo nunca mais volte para o Egito (Dt 17,16). Vivendo assim, o povo cumpre a aliança e imita aDeus que escuta o clamor dos pobres (Ex 22,22.26) e desce para libertá-los (Ex 3,8). Se o povoobservar tudo isto, não haverá pobre no meio dele (Dt 15,4-5). Se, no entanto, aparecer algum pobre no meio do povo, "mesmo que seja um só dos teusirmãos, numa das tuas cidades" (Dt 15,7), então é um sinal de que alguém quebrou a aliança.Alguém se apoderou do que não lhe pertence e, assim, empobreceu o irmão. Por isso, mesmo semdizer nada, apenas existindo, o pobre, isto é, o empobrecido, é um grito que faz apelo à consciênciado povo de Deus. O profeta capta o grito calado do pobre e o devolve ao povo. Ele o interpreta comoexpressão do apelo de Deus. Por isso, o profeta incomoda e provoca a raiva muitas vezes irracionaldaqueles que se enriquecem à custa dos pobres. 2. Elias entra em cena Elias aparece em torno do ano 860 antes de Cristo. Época de uma seca que durou mais detrês anos (IRs 17,1 e lRs 18,1; Tg 5,17). Época de Omri e Acab, reis de Israel. Elias se apresenta aAcab e lhe diz que a seca é castigo de Deus: "Juro por Javé, Deus de Israel, a quem sirvo: nestesanos não haverá orvalho, nem chuva, a não ser quando eu mandar" (IRs 17,1). Elias entra em cena provocando um conflito aberto com as autoridades. O conflito é tãograve que o rei considera Elias como um "inimigo" (lRs 21,20) que merece a morte (lRs 19,1-2).Elias é denunciado como sendo o responsável pelos males que se abatem sobre o país, como o"flagelo de Israel" (IRs 18,17). O rei manda emissários por todo canto para prendê-lo (lRs 18,10). Quais os erros na vida do povo que levaram Elias a falar e a agir? Qual o apelo de Deus queele escutou? E o que ele fez para merecer uma reação tão violenta por parte do rei e da rainha? 3. A preocupação do rei: "salvar os cavalos e os burros" Omri, o pai de Acab, era chefe do exército do rei de Israel (IRs 16,16). Num momento demuita confusão (IRs 16,8-16), ele tomou o poder (1Rs 16,17-22). Seu filho Acab consolidou opoder. Pai e filho, juntos, reina- . ram ao todo durante 34 anos (IRs 16,23-29). Trouxeram grandedesenvolvimento econômico, atestado até hoje pela arqueologia e pela Bíblia. Omri fez de Samaria a sua nova capital (1Rs 16, 23-24), e Acab construiu aí a sua "casa demarfim" (IRs 22,39), condenada mais tarde pelo profeta Amós (Am 3,15; 6,4). Além disso, Acabmandou reconstruir e fortificar as cidades (IRs 16,34; 22,39) e fez uma aliança com o rei de Tiroque foi selada através do casamento com Jezabel, a filha do rei de Tiro (IRs 16,31). Mas o progresso econômico era feito à custa de mui- . tas injustiças. Na antiga capital Tersa,por exemplo, onde Omri reinou durante seis anos (1Rs 16,23), os arqueólogos encontraramvestígios de bairros ricos e pobres. Apelando para o "direito do rei" (IRs 21,7), Acab e Jezabel pisavam nos pobres, roubavamsuas terras e matavam para alcançar o que queriam, como se fossem donos da vida e da morte dosseus súditos! (lRs 21,1-16). E para tanto eles podiam contar com a ajuda e o apoio dos "nobres", dos"anciãos" (IRs 21,8) e dos "chefes militares" (2Rs 1,9.11). Naquela época de seca e de fome (IRs 17,12; 18,2), o rei não se preocupava nem um poucoem salvar o povo, mas só em "manter vivos os cavalos e os burros" (lRs 18,5). Isto é, ele só estavapreocupado em manter o seu poder ("cavalos") e em aumentar a sua riqueza ("burros"). Assim,comodamente sentados no luxo da sua capital Samaria (Am 6,1), os ricos faziam as suas festasàcusta dos pobres e dos indigentes (Am 4,1), "sem se preocupar com a ruína de José (do povo)"(Am 6,6). 4. Povo dividido, aliança quebrada, religião manipulada!
  6. 6. 6 Desapareceu a igualdade e a fraternidade. O povo rachou no meio: de um lado, o rei, osanciãos, os nobres, os chefes militares; do outro lado, os lavradores, as viúvas, os profetasperseguidos, os pobres! A aliança estava quebrada! (lRs 19,10.14). O culpado de tudo era o próprio rei (IRs 18,18), que já não se importava nem com a aliançanem com os pobres. "Fez o mal aos olhos de Javé" (IRs 16,30): abandonou Javé, o Deus do povo(IRs 18,18), e permitiu que Jezabel, sua esposa, trouxesse consigo o falso deus Baal e o instalasseno templo de Samaria (1Rs 16,31-32). Os profetas deste falso deus gozavam de muitos privilégios na casa de Jezabel (IRs 18,19),enquanto os verdadeiros profetas, companheiros de Elias, eram perseguidos e mortos (IRs 18,13;19,10.14). O número dos falsos profetas era imenso: havia 450 profetas de Baal que vieram comJezabellá de Tiro (IRs 18,19). Havia outros 400 profetas ligados ao rei Acab (IRs 22,6). Todos elesfaziam a propaganda do rei e da rainha, enquanto Elias estava sozinho para divulgar a mensagem deJavé, o Deus do povo (IRs 18,22; 19,10). Quem não pensava conforme a cabeça do rei era considerado "flagelo do povo" (IRs 18,18)e "inimigo do rei" (IRs 21,20). O povo ficou com medo, sem coragem de contestar e de reagir (lRs18,12.14). Ficou confuso, sem saber de que lado ficar (lRs 18,21). 5. Esconder do povo o rosto de Deus Na prática, Javé, o Deus do povo, o Deus vivo e verdadeiro, ficou enquadrado dentro dosistema da monarquia, reduzido ao tamanho dos interesses de Acab. Era venerado como se fosse umídolo qualquer, um baal, peça central do sistema do rei. Deste modo, a estrutura injusta da sociedade não só roubava do povo o dinheiro e o poder,mas - o que era pior - escondia dele o rosto de Javé. E quando o rosto de Javé fica escondido, tudose desintegra, e o povo perde o sentido de sua vida! Teve gente que chegou ao absurdo de sacrificarseu próprio filho aos falsos deuses! Como se os deuses precisassem do sangue humano para podergarantir a segurança aos seus protegidos! (IRs 16,34). A falsa imagem de Deus, que estava sendo difundida no meio do povo através dos profetasde Baal, era a imagem de um deus distante, ocupado em altos negócios, um deus conversador,viajante, dorminhoco, que precisava ser acordado: "Gritem mais! Ele é deus! Talvez estejaconversando ou fazendo negócios! Quem sabe, ele está viajando! Talvez esteja dormindo e precisaser acordado!" (IRs 18,27). Um deus assim só favorece aos que têm força, prestígio e dinheiro. Jamais escutará o clamordos pequenos e, dificilmente, será invocado por eles. Um deus assim só serve para legitimar aopressão e a dominação. 6. Fazer o mal aos olhos de Javé Ao relatar a vida de Omri e Acab, reis de Israel, a Bíblia afirma de cada um deles: "Fez omal aos olhos de Javé" (IRs 16,25.30). A mesma frase, ou frase semelhante, é usada para todos osreis de Israel, desde Acab até Oséias, o último (2Rs 17,2). Todos eles, sem exceção, "fizeram o malaos olhos de Javé". E muitas vezes se acrescenta ainda que "imitou o comportamento de seus pais"(IRs 22,53; 2Rs 8,27; 13,2; 14,24 etc). Com outras palavras, o vício e o pecado passavam de pai para filho. O sistema do rei era tãoforte que não morria com a morte do rei. Tinha vida mais resistente do que os seus mantenedores! Asua organização se reproduzia e conseguia sobreviver e se fortalecer. De certo modo, todos eramprisioneiros do sistema que eles mesmos criaram e que, no fim, os levou para a ruína (2Rs 17,7-18). Foi graças a este sistema que as portas se abriram para os falsos deuses com seus cultos semcompromisso e com seus numerosos profetas que se encarregavam da propaganda oficial no meiodo povo. Foi por causa deste sistema que, no tempo de Elias, quase todos abandonaram a aliança (IRs19,10.14), muitos ficaram confusos, sem saber de que lado ficar (IRs 19,21), outros já nemquestionavam o sistema e obedeciam cegamente às ordens do rei, seja para matar o irmão (IRs21,11-14), seja para prender os profetas de Javé, contrários ao sistema (2Rs 1,9-12). 7. Sementes de resistência Debaixo desta situação de opressão, apesar de todas as aparências em contrário, o começo
  7. 7. 7do futuro se anunciava. Havia os que resistiam à pressão do ambiente. Apesar de tudo, continuavamfiéis à aliança: Abdias, o empregado do rei, contrariou as ordens da rainha e, com risco de vida, salvou avida de cem profetas, sustentando-os no escondido (1Rs 18,13). A viúva de Sarepta, pobre eestrangeira, continuava fiel ao ideal da partilha e soube dividir com Elias o pouco de pão e de azeiteque lhe restava (1Rs 17,13-15). Nabot, o lavrador, continuava fiel à lei que proibia a venda e trocade terras (1Rs 21,3). Havia os grupos dos profetas, companheiros de Elias, que viviam em Betel(2Rs 2,3) e em Jericó (2Rs 2,5). Finalmente, havia ainda sete mil pessoas que não tinhàm dobrado ojoelho diante dos falsos deuses (lRs 19,18). Numa palavra, os pobres, os pequenos, os anônimos, os desconhecidos, os profetascontinuavam fiéis à aliança. Calados e escondidos resistiam à pressão do rei e da rainha. É do meiodeles que surge o profeta Elias para denunciar o que estava errado e revelar novamente o rosto deDeus ao povo. Ele assumiu a defesa dos pequenos e se tornou a grande revelação do Deus vivo. Eleentrou na memória do povo, que nos conservou o seu retrato. CAPÍTULO 4 O RETRATO QUE O POVO NOS DEIXOU DO PROFETA ELIAS 1. Homem de Deus O profeta Elias é conhecido como "Homem de Deus" (lRs 17,18.24; 2Rs 1,9.11.13). Não dequalquer Deus, mas de Javé"o Deus do povo, Deus vivo e libertador, o Deus da aliança. O lema deElias, a sua marca registrada, era: "Juro por Javé, Deus de Israel, a quem sirvo". É com esta fraseque ele entra na história do povo e se apresenta ao rei (lRs 17,1; 18,15). Elias permitiu que Deus tomasse conta de sua vida: a palavra de Deus vinha até ele e olevava a agir (lRs 17,2.8.24; 18,1; 19,9.15; 21,17.28); o anjo de Deus o animava e o orientava (lRs19,5.7; 2Rs 1,3.15); o Espírito de Deus podia dispor dele e arrebatá-lo a qualquer momento para osserviços mais imprevisíveis (lRs 18,12; 2Rs 2,16); a mão de Deus vinha sobre ele e o fazia corrermais depressa que o próprio rei (lRs 18,46). Esta experiência tão profunda de Javé, o Deus do povo, capacita Elias a perceber e adesmascarar a falsa imagem de Deus divulgada pela religião do rei (1 Rs 18,27 e a ser para o povo arevelação do" Deus vivo e verdadeiro (IRs 18,39), a ponto de se falar no "Deus de Elias" (2Rs2,14). Elias não age por interesse próprio. É o zelo pela causa de Deus que o empurra (IRs19,10.14). Tudo o que faz, ele o faz em nome de Deus (IRs 18,36). Para os pobres, Elias é o "homem de Deus que fala as palavras de Deus" (IRs 17,24). Para oscompanheiros, os profetas das comunidades de Betel e Jericó, ele é conhecido como o homemsempre disponível que pode ser arrebatado a qualquer momento pela ação imprevisível do Espíritode Deus (2Rs 2,3.5). Ele entrou na. história como o "homem de fogo, cuja palavra ardia como umatocha" (Eclo 48,1) e como aquele que deve voltar no fim dos tempos para "restabelecer as tribos deIsrael" (Eclo 48,10) e, assim, "preparar um povo bem organizado para o Senhor" (Lc 1,17). 2. Homem do povo Homem de Deus, Elias era também homem do povo. Dois lados da mesma medalha, duasfotografias do mesmo rosto! Deus do povo, povo de Deus! Elias nasceu em Tesbi. Daí o seu apelido Tesbita (IRs 17,1; 2Rs 1,3.8). Tesbi era umpovoado que ficava na região de Galaad, na Transjordânia, do outro lado do Jordão, no nordeste daPalestina. Terra de fortes tradições religiosas com um povo aguerrido e conservador. Conservadorno bom sentido da palavra: conservava os valores da fé no Deus vivo e verdadeiro e reagiafortemente contra os desmandos e abusos do rei. Membro deste povo de lavradores, Elias não freqüentava o palácio do rei, nem comia damesa da rainha Jezabel como faziam os profetas oficiais (IRs 18,19). Mas vivia na solidão do deserto (IRs 17,3; 19,4) e das montanhas (2Rs 1,9), ou conviviacom os pobres (IRs 17,19). Vestia roupas grosseiras (2Rs 1,8) e se alimentava daquilo que anatureza lhe oferecia (IRs 17,4-6) ou que os pobres com ele partilhavam (IRs 17,11-16).
  8. 8. 8 De um lado, a sua união com Deus não o afasta dos irmãos. Pelo contrário! Faz com que elese aproxime cada vez mais do povo oprimido: da viúva de Sarepta, pobre e faminta (IRs 17,9); deAbdias, o empregado esforçado, ameaçado de morte (IRs 18,7-16); de Nabot, o agricultorassassinado por causa de problemas de terra (IRs 21,17-19), do povo enganado e confuso (IRs18,20-24). De outro lado, a sua convivência com os pobres não o afasta de Deus. Pelo contrário! Fazcom que o busque cada vez mais: a sua convivência com a viúva o leva a rezar por ela e por seufilho (IRs 17,20-22); a sua luta em favor do povo abandonado o leva a procurar Deus no monteHoreb e a reencontrar nele a fonte da sua coragem (IRs 19,1-14). Elias participa ativamente da vida nacional: tira a seca da neutralidade e interpreta, à luz dosacontecimentos, como castigo de Deus (IRs 17,1); convoca o povo ao monte Carmelo e o ajuda adecidir-se diante dos fatos e diante de Deus (IRs 18,21); intervém no processo político de Aram e deIsrael (IRs 19,15-16). 3. Homem de oração Homem de Deus e do povo, Elias é homem de oração. É esta a lição que dele ficou namemória do povo até no Novo Testamento. Diz São Tiago na sua carta: A oração fervorosa dojusto tem grande poder. Assim, Elias, homem semelhante a nós, orou com insistência para que nãochovesse, e não houve chuva na terra durante três anos e seis meses. Em seguida, tornou a orar e océu deu a sua chuva e a terra voltou a produzir o seu fruto" (Tg 5,16-18). Elias sabia rezar. A sua oração acionava o poder de Deus a favor do povo: devolveu a vidaao filho da viúva (1Rs 17,22); trouxe a chuva após uma seca prolongada (lRs 18,41-45; Tg 5,18);fez o fogo descer sobre o capitão que cumpria as ordens injustas do rei (2Rs 1,10.12); fez o fogoconsumir o sacrifício e provou ao povo que Javé é o verdadeiro Deus (1Rs 18,36-38). Elias reabastecia a sua vida de oração e de união com Deus nas fontes da fé que estavam naorigem do povo: retirou-se para o deserto de Carit do outro lado do Jordão (1Rs 17,3), de onde, nostempos dos Juízes, o povo tinha vindo para ocupar a terra (Js 3,1-17); bebeu da torrente e recebiapão e carne (lRs 17,5) como o povo no tempo do deserto (Ex 17,6; 16,1-36); andou no deserto aosul de Bersabéia, quarenta dias e quarenta noites (1Rs 19,3-8), onde, no tempo do êxodo, o povoandou por quarenta anos (Dt 8,2); foi o monte Horeb, a montanha de Deus, onde, nos tempos doêxodo, nascera o povo e fora concluída a aliança com Deus (1Rs 19,8-13); vivia na solidão dasmontanhas (1Rs 18,19.42; 2Rs 1,9), pois o Deus de Israel era conhecido como um Deus dasmontanhas (1Rs 20,23.28); convive com a viúva que, apesar da seca e da pobreza, conservava oideal. Antigo da Aliança e praticava a partilha dos poucos bens que possuía (lRs 17,19). Numapalavra, Elias refaz a caminhada do Povo de Deus, volta às fontes da fé e, assim, reencontra Deus ese coloca a seu serviço. Deste modo, através de uma oração encarnada na vida e na história do seu povo, a vida deElias se torna transparente, sinal eloqüente da presença viva de Javé no meio do povo. O próprionome do profeta é o resumo da sua fé e do seu testemunho: Elias quer dizer Meu Deus é Javé! 4. Toma posição nos conflitos Javé, o Deus de Elias, não é neutro. Por isso, Elias não é neutro. Ele toma posição clara nosconflitos. Coloca-se do lado dos pequenos e oprimidos e assume a sua causa. Toma posição contraos grandes que oprimem e exploram o povo. Toma posição contra o rei Acab que transgride a aliança (1Rs 18,18); contra a rainha Jezabelque rouba e mata (1Rs 21,23); contra o rei Ocozias que consulta os falsos deuses (2Rs 1,3-4); contrao rei Jorão de Judá que mata os irmãos e leva o povo a se prostituir com outros deuses (2Cr 21,12-15); contra os falsos profetas que sustentam o governo injusto de Acab e Jezabel (1Rs 18,40);contra o capitão que executa ordens injustas de prisão (2Rs 1,10). Toma posição a favor da viúva e do seu filho, ambos pobres, que fazem a partilha do poucoque lhes resta para viver (1Rs 17,11-16); a favor de Abdias, o empregado do rei, que com risco devida desobedece à rainha e defende à vida de cem profetas de Javé (1Rs 18,7-15); a favor de Nabot,agricultor assassinado por causa da sua fidelidade à lei que proibia vender ou trocar as terras (1Rs
  9. 9. 921,7-19 e Lv 25,23); a favor do capitão que, por amor à vida, desobedece à ordem do rei (2Rs 1,12-15); em defesa do povo confuso que foi desviado pela propaganda dos falsos profetas (1Rs 18,20-21.39). Numa palavra, através da sua ação tão decidida e da sua palavra tão clara, Elias se faz porta-voz e revelação de Javé, o Deus do povo. Faz saber que o Espírito de Javé intervém na históriahumana a favor e em defesa dos pequenos e dos oprimidos que conservam a Aliança e contra osopressores que praticam a injustiça. Por causa dos conflitos que assim enfrenta, Elias é perseguido e ameaçado de morte (IRs19,1-2), procurado pelo rei em todo canto (lRs 18,10), intimado a descer da montanha e acomparecer diante do rei (2Rs 1, 9.11). Deve fugir para o outro lado do Jordão, de volta para a suaterra de origem (lRs 17,3), ou para o deserto no sul do país (lRs 19,3). Ele assume asconseqüências! 5. Sinal de contradição Nem todos reconhecem Elias como profeta de Javé. Para Acab, o rei, ele é o "inimigo" (lRs21,20), o "flagelo de Israel" (IRs 18,17). Para os funcionários do rei, ele é um desconhecido deaparência estranha, vestido de pêlos (2Rs 1,6-8). Para a rainha Jezabel, ele é uma pessoa perigosaque deve ser exterminada o mais rápido possível (IRs 19,2). Só os pequenos souberam reconhecer a verdadeira identidade do profeta e aceitar a suamensagem. Eles reconhecem os sinais que ele coloca e se abrem para Deus: a viúva de Sarepta (IRs17,24); Abdias, o empregado do rei (IRs 18,7-8.12); o capitão medroso com amor à vida (2Rs 1,13-14); Eliseu, que abandonou tudo para seguir a Elias (IRs 19,19-21); os companheiros profetas dascomunidades de Betel e Jericó (2Rs 2,14-15); o povo confuso e abandonado (lRs 18,39-40). Os grandes não o reconhecem porque defendem interesses contrários. O rei transgride asexigências da aliança (IRs 18,18; 19,10.14; 21,20). Os seus interesses são: salvar os "cavalos"(exército) e os "burros" (comércio) (IRs 18,5), aumentar as suas terras (IRs 21,2), matar os seusadversários (IRs 19,1-2), ganhar as guerras (IRs 22,1-6). Os interesses dos funcionários do rei, istoé, dos "nobres e anciãos" (lRs 21,8) e dos dois "capitães" (2Rs 1,9.11), é obedecer ao rei. Eexecutando as ordens do rei e da rainha, eles chegam a matar o agricultor Nabot (IRs 21,8.11-14) ea prender os profetas de Javé (2Rs 1,9.11). Os pequenos reconhecem em Elias o "homem de Deus que fala as palavras de Deus", porqueeles têm os mesmos interesses. A prática deles está de acordo com as exigências da aliança: a viúva,que faz a partilha dos bens (IRs 17,11-16); Abdias, que observa a lei de Deus desde, a sua juventude(IRs 18,12); Nabot, que observava a lei da terra (IRs 21,3). Só a prática de acordo com as exigências da aliança e da lei de Deus é que abre os olhos parase poder enxergar o apelo de Deus presente nas pessoas e nos fatos da vida. Assim era no tempo deElias, assim continua. sendo hoje! 6. Luta pessoal e luta do povo Apesar de sua admiração pelo profeta Elias, o povo não o transformou num super-herói.Pelo contrário! Conservou dele o retrato de um homem humano, limitado. Elias teve os seusmomentos de medo e de desânimo, vontade de sumir e de morrer. Ele que já tinha enfrentado o rei eos 450 profetas de Baal e que carregava dentro de si a convicção de ser o único defensor da causade Deus: "Só eu sobrei! até a mim eles querem matar!" (IRs 19,10). Este mesmo Elias foge darainha que jurou matá-lo; anda pelo deserto, sozinho, deita debaixo de uma árvore e invoca a morte:"Basta Senhor! Quero morrer! Não sou melhor que os outros!" (lRs 19,4). Como explicar estacontradição? A palavra de Deus é como uma espada que penetra até o mais profundo da alma (Hb 4,12).Ela penetrou em Elias e apontou os defeitos. Na sua busca de Deus, Elias se orientava peloscritérios da tradição: "tempestade, raio, terremoto" (lRs 19,11), pois foi por estes sinais que- Deusse tinha revelado a Moisés no monte Sinai (Horeb) (Ex 19,16-18). Elias desejava que Deus serevelasse conforme o esquema da tradição. O rei queria que Deus se revelasse conforme osinteresses da monarquia. Tanto um como outro, ambos, cada um do seu jeito, embora em vista deobjetivos opostos, tiram de Deus a liberdade de ser Deus. Ou seja, queriam obrigá-lo a ser Deus
  10. 10. 10conforme eles mesmos gostariam: conforme o esquema da tradição ou do sistema dos reis. Uma atitude assim é como uma semente de morte. Morte não de Deus, mas da fé em Deus eda liberdade humana. Pois identifica Deus com o sistema da segurança humana. E neste caso,falhando a segurança humana, falha também a fé em Deus e aparecem o medo e o desânimo:"Basta! Quero morrer! Não sou melhor que os outros!" O campo de batalha pela justiça e pela liberdade não é só a sociedade injusta criada pelosistema do rei, mas era também o interior de cada um, onde está o reflexo e a causa das estruturasinjustas da sociedade e do pensamento humano sobre Deus. Apesar de ser homem de muitasvitórias, Elias não teve medo de reconhecer seus limites e de se converter. Para a caminhada dopovo, a luta interior do profeta foi tão importante quanto a sua luta pública no monte Carmelo. 7. A redescoberta de Deus Fiel ao seu modo de agir, Deus atendeu ao grito desanimado do profeta injustiçado. Masigualmente fiel ao seu modo de agir, Deus não se enquadrou dentro do esquema dos critérios datradição e se revelou com liberdade. Em vez de revelar-se na "tempestade, no raio ou no terremoto",revelou-se na "brisa leve", apenas perceptível (IRs 19,12-13). Totalmente livre, Deus não seprendeu nem sequer aos critérios que os homens tinham elaborado para guiar o povo com segurançano caminho que conduz a Deus. Esta liberdade de Deus fez cair o peso que estava nas costas de Elias. Elias pensava ser ele oúnico defensor de Deus: "Sobrei só eu!" Como se dissesse: "Se não fosse eu, a causa de Deusestaria perdida!" Pretensão muito grande: resultado lógico da identificação de Deus com opensamento humano sobre Deus. Ora, entrando na vida de Elias; Deus mostrou que ele continuava sendo o mesmo Deus desempre, impossível de ser aprisionado em qualquer esquema de pensamento humano; que ele nãodependia da tradição, mas que a tradição dependia dele; que a brisa leve não podia ser reduzida aotamanho da tradição, mas que os critérios da tradição deviam ser relidos a partir da brisa leve, isto é,a partir do novo que Deus estava realizando naquele momento na história do povo; que não eraElias que defendia a Deus, mas que era Deus que defendia o pobre profeta Elias! Esta liberdade de Deus foi o estalo revelador que libertou Elias daquela angústia de morte elhe ensinou que o fundamento último da segurança humana não é aquilo que nós ou a tradiçãoconseguimos pensar a respeito de Deus, mas sim aquilo que Deus é em si mesmo: Javé, Deus livre elibertador, Deus conosco! Foi a partir daqui que Elias, refeito e renovado, pôde voltar para retomara sua missão (1Rs 19,15). Renasceu nele a verdadeira liberdade, fonte de nova coragem. Agindo com liberdade frente aos esquemas humanos, Deus preservou a liberdade de seupovo e deu esperança aos pobres, pois confirmou mais uma vez que ele não se deixa enquadrar nosesquemas do pensamento e da segurança humana. Fiel a si mesmo Deus surpreende sempre parapoder escutar de perto o clamor dos oprimidos. E tarefa do profeta manter-se aberto para a surpresade Deus, livre e libertador. Pois a liberdade de Deus é a última garantia da liberdade humana. É oúnico facão que consegue quebrar a prisão das ideologias totalitárias e opressoras. Continuamente,Deus reaparece na margem da história, recriando a nova consciência. A caminhada de Elias foi longa e penosa. Foi uma noite escura. Ele teve que aprender que,até dentro dele mesmo, Deus não estava do lado do Elias vitorioso e famoso, combativo e agressivo,que pensava ser o dono da luta contra os erros do rei, mas sim do lado do Elias reprimido eangustiado, perseguido e desanimado. Teve que descobrir, com a ajuda do próprio Deus, que haviamais de 7.000 homens que não tinham dobrado o joelho diante dos falsos deuses. Ele não estavasozinho; não era o único defensor. Elias estava tão fechado na sua visão da luta que já não era capazde perceber os outros que lutavam a mesma luta ao seu lado. Deus lhe abriu os olhos através daexperiência dolorosa dos seus limites. Elias teve que experimentar dolorosamente que Deus é livre,não só frente ao rei e aos opressores, que pensavam poder controlá-lo, mas é livre também frente aopróprio Elias. É neste momento que Elias ficou livre para poder libertar! CAPÍTULO 5
  11. 11. 11 CONTINUAR A OBRA DE ELIAS E ESPERAR SEU RETORNO 1. Continuar a obra de Elias Ainda 800 anos mais tarde, no tempo de Jesus, Elias continuava a ser lembrado pelosjudeus: nas histórias que o povo contava, nas comparações que fazia, e até na celebração do culto. Na boca do povo, a figura de Elias foi crescendo, crescendo. Contavam-se coisasmaravilhosas sobre a sua origem e seu arrebatamento ao céu . Acreditava-se que, lá do céu, Eliasprotegia os judeus que estivessem em especiais apuros (Mt 27,47.49; Mc 15,5.36). .Jesus e seus discípulos também gostavam muito da figura de Elias. Basta dizer que é umdos personagens do Antigo Testamento mais citados no Novo: 29 vezes - superado nisto apenas porMoisés (citado 80 vezes), Abraão (73 vezes), Davi (59). Mas, como era seu costume, Jesus e seusdiscípulos iam direto ao mais importante: é preciso ser Elias hoje, continuar a sua obra. Esta mentalidade entrou no Novo Testamento. Elias é apresentado como o homem de Deusque, com sua oração, consegue tudo de Deus (Tg 5,17-18 à luz de lRs 17,1); com este poder deDeus, vence os poderosos (Ap 11,5 à luz de 2Rs 1,10; veja também neste sentido Lc 9,54), e ajudaos rejeitados pela sociedade, colocando-se a seu lado (Lc 4,25-26 à luz de lRs 17,1 e 18,1). Mesmoquando pensa que está lutando sozinho, acaba descobrindo que Deus está com ele (Rm 11,2-4 à luzde lRs 19,1-8). Numa palavra, Elias é "profeta"; tão significativo, que pode ser considerado orepresentante do profetismo (Mt 17,3; Mc 9,4; Lc 9,30; Ap 11,3-6). Apresentar Elias deste jeito é mais que recordar: é convidar a comunidade a acompanharElias nesta caminhada profética. 2. Esperar pelo seu retorno Principalmente um pormenor excitava a fantasia popular. De acordo com a crença geral,Elias nem tinha morrido: subiu vivo até ao céu naquele carro de fogo puxado por cavalos tambémde fogo (2Rs 2,11). Agora, lá estava Elias, pertinho de Deus, aguardando ordens. Um dia, voltaria àterra, organizaria o povo e anunciaria o fim próximo (Mc 6,15; 8,28). Nos detalhes, variavam asopiniões: para alguns, Elias seria o precursor do próprio Deus, antes do Juízo Final; para outros,seria o precursor do Messias. De qualquer forma, ele era um personagem misterioso, vivamenteaguardado. Boa prova disto é o lugar especial que os judeus reservavam, e ainda hoje reservam, a Eliasna celebração da Páscoa. Nessa celebração, tomam-se quatro cálices de vinho, cada vez com umsentido simbólico diferente. Mas há ainda um quinto cálice, chamado "cálice de Elias", que não se toma: só poderá serbebido por Elias, no tempo do fim. Quando será isto? Ninguém sabe. Mas a comunidade estásempre de prontidão. Por isso, depois da ceia pascal, abre-se a porta para Elias entrar, e reza-se"Bendito o que vem em nome do Senhor" (SI 118,26). Que querem dizer todo este bonito simbolismo e as histórias que o povo contava a respeitode Elias? Expressam uma grande verdade: a fé nos educa a não entregar os pontos. Deus tarda, masnão falha. Estamos sofrendo demais da conta; mas sabemos que virá o dia do acerto final, o Dia doSenhor. Esta hora da justiça de Deus será preparada por gente de fé, por quem vive "com o espíritoe o poder de Elias" (Lc 1,17; Mt 11,14; 17,10 e seguintes). 3. João Batista: novo Elias Os discípulos de Jesus foram mais além. Com Jesus, o julgamento definitivo da históriahumana já começou. Sim, ainda esperamos o Reino de Deus em plenitude (ICor 15,24-25; Mt 6,10);mas ele já começou, já está presente no meio de nós (Lc 11,20; 17,21). Ora, houve um homem chamado por Deus a preparar a atuação de Jesus: João Batista (Mt3,1-3; Jo 1,6-8). Nesse sentido, Elias já voltou. João Batista tem a mesma missão, a ser cumpridacom a mesma força do Alto (Lc 1,14-17; 1,68-79). Até no modo austero de vestir e de viver, Joãolembra Elias (Mt 3,4). Claro, João Batista não é Elias em carne e osso (Jo 1,21); mas veio realizar oque se esperava de Elias. Ele é o novo Elias. 4. O próprio Jesus revive a figura de Elias Sim, Elias é o profeta precursor do Messias. Mas é ainda mais que isto: sua presença chega amostrar com oito séculos de antecedência como seria a vida do Messias. Ele é "prefiguração" de
  12. 12. 12Jesus, como se costuma dizer. Foi o próprio Jesus que ensinou aos seus discípulos esta leitura maisprofunda da figura de Elias. Vejamos. Mais que Elias, João Batista ou qualquer profeta, é Jesus o homem que aderiu à causa dospobres (Lc 4,18-22 comparado com 4,25-27); incomodou os poderosos e foi por eles perseguido(Mt 17,10-13; Mc 9,11-13); é ele o profeta que questiona a incoerência de seu próprio povo (Mt23,37 comparado com Rm 11,3 e lRs 19,10); é o homem de oração (Mt 14,23 e ao longo doevangelho; Tg 5,17, alusão a lRs 17,1; 18,1.41-42), cheio de zelo pelo projeto de Deus (Jo 2,17; lRs19,10). A esta luz, toma novo sentido o final de Malaquias, aqueles últimos dois versículos doAntigo Testamento, na atual seqüência dos livros: "Eis que vos enviarei Elias, o profeta, antes quechegue o Dia de Javé, grande e terrível. Ele fará voltar o coração dos pais para os filhos e o coraçãodos filhos para os pais, para que eu não venha ferir a terra com anátema" (Ml 3,23-24). Elias,profeta da reconciliação dos filhos com os pais, e que evita que a terra seja castigada é prefiguraçãode Jesus Cristo, que haveria de reconciliar os filhos com o Pai (Rm 5,10-11) e dar sua vida pelasalvação de todos os homens (Mt 20,28). Até mesmo o final da história de Elias aponta para Jesus - elevado ao céu (Lc 24,51), parade lá voltar (At 1,9-11); e, enquanto isto, seu espírito repousa sobre o(s) discípulo(s) (2Rs 2,1-5comparado com At 1,8 e as muitas alusões ao Espírito depois da Páscoa). Mais que qualquer outro, é Jesus o profeta dos tempos finais: passou fazendo o bem (At10,38); foi esmagado mas não eliminado. Está junto de Deus, sempre pronto a nos ajudar (Rm 8,34;Hb 7,25). Virá de novo para o grande Dia do Julgamento (Mt 24,29-31; 25,31-46). Jesus é aqueleque veio, está presente e virá. Bonito, não é? Mas que não fique só em semelhanças interessantes para a mente. Para osseguidores de Jesus, o importante será sempre levar adiante a obra do seu mestre e, deste modo,esperar ativamente a sua volta.

×