<ul><li>Na verdade, o slogan talvez devesse dizer ‘o tempo nos diversos Pessoas’.  </li></ul><ul><li>Em Fernando Pessoa, e...
<ul><li>Já Caeiro, o heterónimo mestre dos outros, vive só no presente, não quer saber de recordações do passado nem de in...
<ul><li>Quanto a Campos, partilha com o ortónimo a nostalgia da infância; no entanto, com Caeiro, seu Mestre, aprendeu a s...
<ul><li>Por fim, Reis vive e goza o presente, num  carpe diem  epicurista que apregoa como norma de vida; mas o que o moti...
 
<ul><li>Prepara a leitura em voz alta dos textos entre as pp. 15-26 (Brasão: I - Os Campos; II - Os Castelos) </li></ul>
<ul><li>O dos Castelos  p. 15 </li></ul><ul><li>O das Quinas  p. 16 </li></ul><ul><li>Ulisses p. 19 </li></ul><ul><li>Viri...
 
 
<ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Escreve texto em prosa, a computador, susceptível de concorrer ao Prémio Literário Correntes...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação para décimo segundo ano, aula 16

6.037 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.037
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.491
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano, aula 16

  1. 3. <ul><li>Na verdade, o slogan talvez devesse dizer ‘o tempo nos diversos Pessoas’. </li></ul><ul><li>Em Fernando Pessoa, ele mesmo, a tendência para a recordação e o sonho provocam uma certa incapacidade de vivência do presente. O poeta refugia-se na nostalgia da infância e, por isso, foge para o passado. </li></ul>
  2. 4. <ul><li>Já Caeiro, o heterónimo mestre dos outros, vive só no presente, não quer saber de recordações do passado nem de indagações do futuro, pois, para ele, só o presente existe. </li></ul>
  3. 5. <ul><li>Quanto a Campos, partilha com o ortónimo a nostalgia da infância; no entanto, com Caeiro, seu Mestre, aprendeu a sentir as sensações do presente, o que faz a intervalos das suas evasões, de forma por vezes torrencial; é nestes momentos de quase histeria que chega a querer projectar-se no futuro. </li></ul>
  4. 6. <ul><li>Por fim, Reis vive e goza o presente, num carpe diem epicurista que apregoa como norma de vida; mas o que o motiva é o medo do futuro, da morte, e é por isso que, rejeitando a memória do passado que pode magoá-lo, não quer viver nada que mereça ser recordado. </li></ul>
  5. 8. <ul><li>Prepara a leitura em voz alta dos textos entre as pp. 15-26 (Brasão: I - Os Campos; II - Os Castelos) </li></ul>
  6. 9. <ul><li>O dos Castelos p. 15 </li></ul><ul><li>O das Quinas p. 16 </li></ul><ul><li>Ulisses p. 19 </li></ul><ul><li>Viriato p. 20 </li></ul><ul><li>O Conde D. Henrique p. 21 </li></ul><ul><li>D. Tareja p. 22 </li></ul><ul><li>D. Afonso Henriques p. 23 </li></ul><ul><li>D. Dinis p. 24 </li></ul><ul><li>D. João o Primeiro p. 25 </li></ul><ul><li>D. Filipa de Lencastre p. 26 </li></ul>
  7. 12. <ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Escreve texto em prosa, a computador, susceptível de concorrer ao Prémio Literário Correntes d’Escritas. </li></ul>

×