SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
ANÁLISE DO POEMA
     Não sei quantas almas tenho
POESIA DE FERNANDO PESSOA




    Ricardo Santos – 4071 Beatriz Quiaios - 824
LEITURA DO POEMA
                     Não sei quantas almas tenho

Não sei quantas almas tenho.   Atento ao que eu sou e vejo,    Por isso, alheio, vou lendo
Cada momento mudei.            Torno-me eles e não eu.         Como páginas, meu ser.
Continuamente me estranho.     Cada meu sonho ou desejo        O que segue prevendo,
Nunca me vi nem achei.         É do que nasce e não meu.       O que passou a esquecer.
De tanto ser, só tenho alma.   Sou minha própria paisagem,     Noto à margem do que li
Quem tem alma não tem calma.   Assisto à minha passagem,       O que julguei que senti.
Quem vê é só o que vê,         Diverso, móbil e só,            Releio e digo: "Fui eu"?
Quem sente não é quem é,       Não sei sentir-me onde estou.   Deus sabe, porque o escreveu.




                                                                        Fernando Pessoa
ANÁLISE FORMAL
                 Não sei quantas almas tenho

6 Não sei quantas almas tenho.   a
6 Cada momento mudei.            b   - 3 oitavas
6 Continuamente me estranho.     a
6 Nunca me vi nem achei.         b   - Métrica regular (6 sílabas)
6 De tanto ser, só tenho alma.   c
6 Quem tem alma não tem calma. c     - Rima cruzada/emparelhado
6 Quem vê é só o que vê,         d   e versos soltos
6 Quem sente não é quem é,       f
ANÁLISE DO CONTEÚDO
               Não sei quantas almas tenho
Não sei quantas almas tenho.
                                 Despersonalização de Pessoa (ex.1)
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho. (ex.2)
Nunca me vi nem achei.
                                       - Sujeito   Poético   apresenta    nesta
De tanto ser, só tenho alma. (ex.3)
                                         estrofe uma reflexão que nos leva a
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê, (ex.4)            verificar que não se reconhece. (ex.2)

Quem sente não é quem é,               - Por ser múltiplo (heterónimos) o

                                         sujeito poético não se reconhece
- Exteriorização torna-o estranho
                                         (ex.3)
à própria vida (ex.4)
ANÁLISE DO CONTEÚDO
                 Não sei quantas almas tenho
  Atento ao que eu sou e vejo,
                                 Despersonalização de Pessoa (ex.1)
  Torno-me eles e não eu.

  Cada meu sonho ou desejo                - “Esconde-se da realidade nos
  É do que nasce e não meu.
                                            heterónimos. (ex.1)
  Sou minha própria paisagem,
                                 (ex.2)   - Corpo como se separasse da alma
  Assisto à minha passagem,
                                            (ex.2)
  Diverso, móbil e só, (ex.3)
                                          - Multiplica-se mas ao mesmo tempo é
  Não sei sentir-me onde estou. (ex.4)
                                            solitário (ex.3)
- Quanto mais se sente múltiplo, menos se reconhece, mais se sente perdido
ANÁLISE DO CONTEÚDO
                 Não sei quantas almas tenho
           (ex.2)                          - Esta estrofe apresenta-se como
 Por isso, alheio, vou lendo (ex.1)

 Como páginas, meu ser. (ex.3)                 conclusão do poema (ex.1)

 O que segue prevendo,                     - Sente-se ausente de si próprio

 O que passou a esquecer.                      (ex.2)

 Noto à margem do que li (ex.4)            -   Páginas interiores surgem como
 O que julguei que senti.                      autoanálise (ex.3)
 Releio e digo: "Fui eu"?
                                           - Analogia do “eu” interior como
 Deus sabe, porque o escreveu. (ex.5)
                                               livro, no qual escreve na margem o

- Pessoa = Livro escrito por Deus (ex.5)       que julga sentir (ex.4)
CONCLUSÃO
               Não sei quantas almas tenho



         O poema de Fernando Pessoa, Não Sei Quantas Almas Tenho, remete-nos

para uma autoanálise por parte do sujeito poético. O mesmo apresenta-se com

várias “almas”, como se o seu interior fosse um labirinto no qual tem dificuldade

em se encontrar a si próprio. Ou seja, tenta se expressar através de heterónimos

mas acaba solitário e triste pois na verdade não consegue ser ele mesmo.
ANÁLISE ESTILÍSTICA
                Não sei quantas almas tenho
- "Quem vê é só o que vê, / Quem sente não é quem é,“- antítese - marca ainda mais

  esta oposição viver/pensar. "Quem vê" é aquele que vive só a vida e não a pensa

  (sente). “Quem sente não é quem é" - quer dizer que o pensamento impede a ação

  na vida. Reforça o que dissemos anteriormente, que viver e pensar se tornam

  inconciliáveis.


- “Por isso, alheio, vou lendo/ Como páginas o meu ser.”- metáfora - A vida foi

  racionalizada, foi reduzida a linguagem escrita, transferida para os seus

  personagens literários, que acabam por viver a sua vida por si, por deixá-lo a um

  canto, reduzido quase a nada enquanto individualidade.
ANÁLISE ESTILÍSTICA
                Não sei quantas almas tenho
• “Quem tem alma não tem calma/Quem vê é só o que vê,/Quem sente não é quem

  é,” Quem tem alma não tem calma“ – Anáfora - Quer dizer que quem pensa não

  tem paz - é inconciliável pensar e viver, ou se vive sem pensar ou se pensa sem

  viver.


- De tanto ser, só tenho alma/Quem tem alma não tem calma – Assonância - Pessoa

  quer dizer que não sente ter vida, mas só alma - ou seja, a sua vida foi (e é) toda

  pensada, toda racionalizada. Como sempre passou para pensamento tudo o que

  lhe acontecia, tudo o que sente é na alma, e parece que nada sente no corpo.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
                 Não sei quantas almas tenho

• Uso de frases nominais : “Como páginas, meu ser”; “Diverso , móbil e só”


• Eufonia dos versos-Musicalidade: aliterações, rimas, ritmo, tom nasal.


• Interrogação “ fui eu?” inquietações do poeta


• Uso de pronomes: indefinidos “quantas e interrogativos “ quem” :expressando

  quantidade indeterminada e dando sentido vago (impreciso) e ainda pessoais “

  me, eu” e “eles” alternância entre Fernando pessoa ortonimo e heterónimos.
QUESTIONÁRIO
              Não sei quantas almas tenho
- Justifica o uso do presente do indicativo no poema
  - Este poema apresenta-se como uma reflexão feita por Fernando Pessoa.

- Como justificas a pergunta da terceira estrofe? Porque é que está
  entre aspas? Porque é que está lá? (“Releio e digo: "Fui eu"?”)
  - Pensamento em voz alta, como se fosse de outra pessoa pois o sujeito lírico não se
    reconhece

- Explica o verso 5 (“De tanto ser, só tenho alma”)
  - Pluralidade do “eu” não lhe permite conhecer-se a si próprio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Mariana Domingues
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaNao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaJoão Teles
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposAline Araújo
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)Sara Guerra
 

Mais procurados (20)

Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaNao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 

Destaque

Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -frodemandacaru
 
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...Antônia de Fátima Codonho
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesRicardo Santos
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativaPaulinho Gonçalves
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaDiogo Tavares
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)guestcb31cc
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorTânia Patrícia
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhoseuequesei
 
Poema alvaro de campos
Poema alvaro de camposPoema alvaro de campos
Poema alvaro de camposMaria Teixiera
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemasPaula CAA
 

Destaque (13)

Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
 
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
Quadras ao gosto popular de Fernando Pessoa Ativ. 5 e 6 , Apresentação Prof. ...
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder Países
 
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo   teste aval. sumativaF.pessoa heterónimo   teste aval. sumativa
F.pessoa heterónimo teste aval. sumativa
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática Amor
 
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
 
Poema alvaro de campos
Poema alvaro de camposPoema alvaro de campos
Poema alvaro de campos
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 

Semelhante a Análise do poema Nao sei quantas almas tenho

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79luisprista
 
Fernando pessoa nas suas palavras
Fernando pessoa   nas suas palavrasFernando pessoa   nas suas palavras
Fernando pessoa nas suas palavrasMargarida Tomaz
 
13557335 teste-pessoa
13557335 teste-pessoa13557335 teste-pessoa
13557335 teste-pessoafilipa silva
 
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa Mima Badan
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.docPaula Duarte
 
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 Poesia Heterônima de Alberto Caiero Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Poesia Heterônima de Alberto CaieroLindolfo Teixeira
 
Fernando Pessoa Ficcoes Do Interludio
Fernando Pessoa Ficcoes Do InterludioFernando Pessoa Ficcoes Do Interludio
Fernando Pessoa Ficcoes Do Interludioguestfd29b755
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimosAntónio Fraga
 
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Fernanda Pantoja
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimosMariana338866
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15quintaldasletras
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Catarina Cruz
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoRaquel Martins
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosCustódia Rebocho
 
Sentir pensando convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...
Sentir pensando    convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...Sentir pensando    convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...
Sentir pensando convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...Diógenes de Oliveira
 

Semelhante a Análise do poema Nao sei quantas almas tenho (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 78-79
 
Fernando pessoa nas suas palavras
Fernando pessoa   nas suas palavrasFernando pessoa   nas suas palavras
Fernando pessoa nas suas palavras
 
13557335 teste-pessoa
13557335 teste-pessoa13557335 teste-pessoa
13557335 teste-pessoa
 
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
Não sei quantas almas tenho - Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
 
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 Poesia Heterônima de Alberto Caiero Poesia Heterônima de Alberto Caiero
Poesia Heterônima de Alberto Caiero
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
106
106106
106
 
Fernando Pessoa Ficcoes Do Interludio
Fernando Pessoa Ficcoes Do InterludioFernando Pessoa Ficcoes Do Interludio
Fernando Pessoa Ficcoes Do Interludio
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
Monografia A eterna busca do Ideal em Florbela espanca
 
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa   ortónimos e heterónimosFernando pessoa   ortónimos e heterónimos
Fernando pessoa ortónimos e heterónimos
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
Sonho. não sei quem sou. (Fernando Pessoa)
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
 
Sentir pensando convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...
Sentir pensando    convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...Sentir pensando    convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...
Sentir pensando convergências textuais entre fernando pessoa e álvaro de c...
 

Mais de Ricardo Santos

RESUMO Matemática 9º ano
RESUMO Matemática 9º anoRESUMO Matemática 9º ano
RESUMO Matemática 9º anoRicardo Santos
 
A importância de Matilde - Felizmente Há Luar
A importância de Matilde - Felizmente Há LuarA importância de Matilde - Felizmente Há Luar
A importância de Matilde - Felizmente Há LuarRicardo Santos
 
Características de Blimunda
Características de BlimundaCaracterísticas de Blimunda
Características de BlimundaRicardo Santos
 
Condição física no desporto automóvel - Educação Física
Condição física no desporto automóvel - Educação FísicaCondição física no desporto automóvel - Educação Física
Condição física no desporto automóvel - Educação FísicaRicardo Santos
 
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando PessoaEstrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando PessoaRicardo Santos
 
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e MensagemSemelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e MensagemRicardo Santos
 

Mais de Ricardo Santos (7)

RESUMO Matemática 9º ano
RESUMO Matemática 9º anoRESUMO Matemática 9º ano
RESUMO Matemática 9º ano
 
Chinificação
ChinificaçãoChinificação
Chinificação
 
A importância de Matilde - Felizmente Há Luar
A importância de Matilde - Felizmente Há LuarA importância de Matilde - Felizmente Há Luar
A importância de Matilde - Felizmente Há Luar
 
Características de Blimunda
Características de BlimundaCaracterísticas de Blimunda
Características de Blimunda
 
Condição física no desporto automóvel - Educação Física
Condição física no desporto automóvel - Educação FísicaCondição física no desporto automóvel - Educação Física
Condição física no desporto automóvel - Educação Física
 
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando PessoaEstrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
 
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e MensagemSemelhança Os Lusíadas e Mensagem
Semelhança Os Lusíadas e Mensagem
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Análise do poema Nao sei quantas almas tenho

  • 1. ANÁLISE DO POEMA Não sei quantas almas tenho POESIA DE FERNANDO PESSOA Ricardo Santos – 4071 Beatriz Quiaios - 824
  • 2. LEITURA DO POEMA Não sei quantas almas tenho Não sei quantas almas tenho. Atento ao que eu sou e vejo, Por isso, alheio, vou lendo Cada momento mudei. Torno-me eles e não eu. Como páginas, meu ser. Continuamente me estranho. Cada meu sonho ou desejo O que segue prevendo, Nunca me vi nem achei. É do que nasce e não meu. O que passou a esquecer. De tanto ser, só tenho alma. Sou minha própria paisagem, Noto à margem do que li Quem tem alma não tem calma. Assisto à minha passagem, O que julguei que senti. Quem vê é só o que vê, Diverso, móbil e só, Releio e digo: "Fui eu"? Quem sente não é quem é, Não sei sentir-me onde estou. Deus sabe, porque o escreveu. Fernando Pessoa
  • 3. ANÁLISE FORMAL Não sei quantas almas tenho 6 Não sei quantas almas tenho. a 6 Cada momento mudei. b - 3 oitavas 6 Continuamente me estranho. a 6 Nunca me vi nem achei. b - Métrica regular (6 sílabas) 6 De tanto ser, só tenho alma. c 6 Quem tem alma não tem calma. c - Rima cruzada/emparelhado 6 Quem vê é só o que vê, d e versos soltos 6 Quem sente não é quem é, f
  • 4. ANÁLISE DO CONTEÚDO Não sei quantas almas tenho Não sei quantas almas tenho. Despersonalização de Pessoa (ex.1) Cada momento mudei. Continuamente me estranho. (ex.2) Nunca me vi nem achei. - Sujeito Poético apresenta nesta De tanto ser, só tenho alma. (ex.3) estrofe uma reflexão que nos leva a Quem tem alma não tem calma. Quem vê é só o que vê, (ex.4) verificar que não se reconhece. (ex.2) Quem sente não é quem é, - Por ser múltiplo (heterónimos) o sujeito poético não se reconhece - Exteriorização torna-o estranho (ex.3) à própria vida (ex.4)
  • 5. ANÁLISE DO CONTEÚDO Não sei quantas almas tenho Atento ao que eu sou e vejo, Despersonalização de Pessoa (ex.1) Torno-me eles e não eu. Cada meu sonho ou desejo - “Esconde-se da realidade nos É do que nasce e não meu. heterónimos. (ex.1) Sou minha própria paisagem, (ex.2) - Corpo como se separasse da alma Assisto à minha passagem, (ex.2) Diverso, móbil e só, (ex.3) - Multiplica-se mas ao mesmo tempo é Não sei sentir-me onde estou. (ex.4) solitário (ex.3) - Quanto mais se sente múltiplo, menos se reconhece, mais se sente perdido
  • 6. ANÁLISE DO CONTEÚDO Não sei quantas almas tenho (ex.2) - Esta estrofe apresenta-se como Por isso, alheio, vou lendo (ex.1) Como páginas, meu ser. (ex.3) conclusão do poema (ex.1) O que segue prevendo, - Sente-se ausente de si próprio O que passou a esquecer. (ex.2) Noto à margem do que li (ex.4) - Páginas interiores surgem como O que julguei que senti. autoanálise (ex.3) Releio e digo: "Fui eu"? - Analogia do “eu” interior como Deus sabe, porque o escreveu. (ex.5) livro, no qual escreve na margem o - Pessoa = Livro escrito por Deus (ex.5) que julga sentir (ex.4)
  • 7. CONCLUSÃO Não sei quantas almas tenho O poema de Fernando Pessoa, Não Sei Quantas Almas Tenho, remete-nos para uma autoanálise por parte do sujeito poético. O mesmo apresenta-se com várias “almas”, como se o seu interior fosse um labirinto no qual tem dificuldade em se encontrar a si próprio. Ou seja, tenta se expressar através de heterónimos mas acaba solitário e triste pois na verdade não consegue ser ele mesmo.
  • 8. ANÁLISE ESTILÍSTICA Não sei quantas almas tenho - "Quem vê é só o que vê, / Quem sente não é quem é,“- antítese - marca ainda mais esta oposição viver/pensar. "Quem vê" é aquele que vive só a vida e não a pensa (sente). “Quem sente não é quem é" - quer dizer que o pensamento impede a ação na vida. Reforça o que dissemos anteriormente, que viver e pensar se tornam inconciliáveis. - “Por isso, alheio, vou lendo/ Como páginas o meu ser.”- metáfora - A vida foi racionalizada, foi reduzida a linguagem escrita, transferida para os seus personagens literários, que acabam por viver a sua vida por si, por deixá-lo a um canto, reduzido quase a nada enquanto individualidade.
  • 9. ANÁLISE ESTILÍSTICA Não sei quantas almas tenho • “Quem tem alma não tem calma/Quem vê é só o que vê,/Quem sente não é quem é,” Quem tem alma não tem calma“ – Anáfora - Quer dizer que quem pensa não tem paz - é inconciliável pensar e viver, ou se vive sem pensar ou se pensa sem viver. - De tanto ser, só tenho alma/Quem tem alma não tem calma – Assonância - Pessoa quer dizer que não sente ter vida, mas só alma - ou seja, a sua vida foi (e é) toda pensada, toda racionalizada. Como sempre passou para pensamento tudo o que lhe acontecia, tudo o que sente é na alma, e parece que nada sente no corpo.
  • 10. ANÁLISE LINGUÍSTICA Não sei quantas almas tenho • Uso de frases nominais : “Como páginas, meu ser”; “Diverso , móbil e só” • Eufonia dos versos-Musicalidade: aliterações, rimas, ritmo, tom nasal. • Interrogação “ fui eu?” inquietações do poeta • Uso de pronomes: indefinidos “quantas e interrogativos “ quem” :expressando quantidade indeterminada e dando sentido vago (impreciso) e ainda pessoais “ me, eu” e “eles” alternância entre Fernando pessoa ortonimo e heterónimos.
  • 11. QUESTIONÁRIO Não sei quantas almas tenho - Justifica o uso do presente do indicativo no poema - Este poema apresenta-se como uma reflexão feita por Fernando Pessoa. - Como justificas a pergunta da terceira estrofe? Porque é que está entre aspas? Porque é que está lá? (“Releio e digo: "Fui eu"?”) - Pensamento em voz alta, como se fosse de outra pessoa pois o sujeito lírico não se reconhece - Explica o verso 5 (“De tanto ser, só tenho alma”) - Pluralidade do “eu” não lhe permite conhecer-se a si próprio.