Analise de poemas

46.086 visualizações

Publicada em

Análise temática e formal de poemas. Escrita acróstico

Publicada em: Educação
1 comentário
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
46.086
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
482
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Analise de poemas

  1. 1. Os livros. A sua cálida, terna, serena pele. Amorosa Análise do poema companhia. Dispostos sempre a partilhar o sol « Num exemplar das Geórgicas* » das suas águas. Tão dóceis, tão calados, tão leais. Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada melancolia. Amados como nenhuns outros companheiros da alma. Tão musicais no fluvial e transbordante ardor de cada dia. Eugénio de Andrade In Poesia, Rosto Editora, 2011* Geórgicas: obra literária que tem relação com a agricultura
  2. 2. Análise temática | estrutura interna Recursos expressivos que dão ênfase à temática do poema   • Adjetivação expressiva • Qualidade dos livros que possuem uma textura “cálida”, “terna” e “serena” (vv. 1-2) • São uma companhia “amorosa”, são “dóceis”, “calados”, “leais”, “luminosos” e “musicais” (vv. 2, 5-6) • Iluminam, dão conhecimento, na sua melancolia “branca e vegetal e cerrada” (v. 8)   • Polissíndeto – o uso da conjunção coordenativa copulativa “e” reforça a melancolia – o caráter harmonioso, aprazível dos livros   • Personificação salienta a importância dos livros que adquirem vida para o sujeito poético: “Tão dóceis,/tão calados, tão leais.” (vv. 5-6) • Metáfora que realça o sol como conhecimento inesgotável que emana das suas folhasOs livros. A sua cálida, “Dispostos sempre/ a partilhar o sol/ das suas águas.” (vv. 3-5)terna, serena pele. Amorosacompanhia. Dispostos semprea partilhar o sol • Comparação situa os livros ao nível do amor do sujeito poético por outrosdas suas águas. Tão dóceis, companheiros “Amados/como nenhuns outros companheiros/da alma” (vv. 9-11)tão calados, tão leais.Tão luminosos na suabranca e vegetal e cerrada • O advérbio de intensidade “tão” que acentua o caráter excecional do livro: “Tãomelancolia. Amados luminosos”, “Tão musicais” (vv. 7, 11)como nenhuns outros companheiros  da alma. Tão musicais • Metáfora através da qual se compara cada dia a um curso de água agitado com recursono fluvial e transbordante à dupla adjetivação : “fluvial e transbordante ardor de cada dia” (vv. 12-13) – aí emergemardor de cada dia. os livros que de “tão musicais” (v.11) permitem ao sujeito poético descontrair com umaEugénio de Andrade melodia suave, fonte de prazer.
  3. 3. Análise formal | estrutura externaPoema | classificação• Os livros. A sua cálida, Uma estrofe de 13 versos terna, serena pele. Amorosa• Versos irregulares quanto à métrica e companhia. Dispostos sempre acentuação: a partilhar o sol - Verso hexassílabo agudo: das suas águas. Tão dóceis, tão calados, tão leais. “a| par|ti|lhar| o| sol Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada melancolia. Amados - Verso eneassílabo grave: como nenhuns outros companheiros “co|mo| ne|nhuns| ou|tros| com|pa|nhei|ros” da alma. Tão musicais no fluvial e transbordante• Rima irregular ardor de cada dia. Eugénio de Andrade
  4. 4. Relacionando com outro poema: disposição gráficados versos e tema; relação com o primeiro poema Livros De quantas árvores Se faz um livro… Por isso os folheio devagar -disposição dos versos sugere agitação e rumor p’ra sentir ainda das folhas das árvores e nos dedos do folhear do livro - em ambos os poemas: as folhas macias afinidade entre o sujeito as folhas rugosas poético e os livros, fonte de conhecimento e E escutar prazer. o seu rumor. In Guardador de Árvores, João Pedro Mésseder, Trampolim Edições, 2009
  5. 5. Escrita criativa: constrói poemas com a técnica do ACRÓSTICOÁRV LO IR VE R O © PCA| 2012

×