Alergias, Auto Imunidade, Transplantes

3.971 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.971
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alergias, Auto Imunidade, Transplantes

  1. 1. Immunologia Curso de Análises Clinicas Aula Teórica Nº 11 Tolerância: Alergia, Autoimunidade, Transplantes
  2. 2. Tolerância <ul><li>Delecção clonal </li></ul><ul><ul><li>Induzida durante a maturação celular por auto-antigénio ubiquitários </li></ul></ul><ul><ul><li>Induzida na periferia por antigénios muito abundantes </li></ul></ul><ul><li>Inactivação clonal (anergização) </li></ul><ul><ul><li>Induzida na periferia por antigénios muito abundantes </li></ul></ul>
  3. 3. Delecção clonal As células T Formam-se no timo, mas a maioria morre, não chegando à periferia 98% das células morrem not imo sem induzirem quer inflamação, quer aumento do tamanho do timo (os macrófagos timicos fagocitam os timócitos apoptóticos) Timo de ratinho 1-2 x 10 8 timócitos 5 x 10 7 /dia 2 x 10 6 /dia
  4. 4. Porquê indução de tolerância na periferia? <ul><li>Proteínas ubíquas são expressas no timo </li></ul><ul><ul><li>Células T específicas para estes antigénios são delectadas no timo </li></ul></ul><ul><li>Proteínas específicas de outros órgãos não são expressas no timo </li></ul><ul><ul><li>Não há delecção clonal para células T reactivas com estes antigénios </li></ul></ul><ul><ul><li>Estas células têm que ser anergizadas na periferia </li></ul></ul>
  5. 5. Indução de tolerância na periferia
  6. 6. Indução de tolerância na periferia
  7. 7. Células auto-reactivas? <ul><li>Existem células auto-reactivas em todos os indivíduos </li></ul><ul><li>Poucos auto-antigénios são potencialmente funcionais </li></ul><ul><ul><li>[] alta para activar celulas T </li></ul></ul><ul><ul><li>[] baixa para não induzir anergia/delecção </li></ul></ul><ul><ul><li>Expresso fora das zona imunologicamente privilegiadas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Olho, SNS, barreira placentária </li></ul></ul></ul>
  8. 8. A tolerância em situações patológicas <ul><li>Hipersensibilidade e alergia </li></ul><ul><li>Doenças Autoimunes </li></ul><ul><li>Transplantes </li></ul>
  9. 9. Hipersensibilidade / Alergia
  10. 10. Hipersensibilidade Tipo I
  11. 11. Fase imediata e tardia numa reacção de hipersensibilid. tipo I: a asma como modelo
  12. 13. Hipersensibilidade Tipo II
  13. 14. Hipersensibilidade Tipo III
  14. 15. Hipersensibilidade Tipo IV
  15. 16. Doenças Autoimunes
  16. 17. Indução de autoimunidade <ul><li>Libertação de antigénios sequestrados </li></ul><ul><li>“ Imitação” molecular </li></ul><ul><li>Expressão inapropriada de MHC-II </li></ul><ul><li>Activação policlonal B inespecifica </li></ul>
  17. 18. Eventos na indução de autoimunidade
  18. 19. Tratamento de doenças autoimunes <ul><li>Supressão inespecifica do S.I. </li></ul><ul><ul><li>Corticoesteroides; azatioprina; ciclofosfamida </li></ul></ul><ul><ul><li>Ciclosporina A, FK506 (inibem apenas celulas T activadas) </li></ul></ul><ul><li>Timectomia </li></ul><ul><li>Plasmaferese (beñeficio de curta duração) </li></ul><ul><li>Terapias experimentais </li></ul><ul><ul><li>Vacinação com células T autoreactivas “fixadas” </li></ul></ul><ul><ul><li>Bloqueio do MHC com péptidos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Só péptido </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Péptido + MHC solúvel </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Indução de tolerância com antigénios orais </li></ul></ul><ul><ul><li>Terapia com anticorpos monoclonais </li></ul></ul>
  19. 20. Terapia com anticorpos monoclonais
  20. 21. Transplantes
  21. 22. HLA matching
  22. 23. Mecanismos de rejeição de enxerto

×