Vetores De Clonagem Para Eucariotos

14.448 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
71
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
249
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vetores De Clonagem Para Eucariotos

  1. 1. ACADÊMICOS : Kelton Silva Marlon Almeida Richardson Frazão Olivaldo Ataíde UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ – UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Vetores de Clonagem para Eucariotos MACAPÁ-AP OUTUBRO/2004 www.oncogenes.com.br
  2. 2. E. Coli : Mais utilizada como organismo hospedeiro, disponibilidade de maiores vetores de clonagem para este. <ul><li>E. coli </li></ul>Estuda Características Básicas da Biologia Molecular - Estrutura e Função do Gene <ul><li>S. cerevisiae </li></ul>Através da clonagem, controle a melhora a Síntese de produtos Metabólicos <ul><li>Hormônio, tal como a Insulina; </li></ul><ul><li>- Introdução de resistência a herbicida em uma planta cultivável. </li></ul>- VETORES DE CLONAGEM PARA ORGANISMOS DIFERENTES DE E. COLI
  3. 3. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS <ul><li>Levedura Saccharomyces cerevisiae </li></ul>VETORES PARA LEVEDURAS E OUTROS FUNGOS - Uma das mais utilizadas; - Processo de clonagem estimulado pela descoberta do plasmídeo 2 µm; - Vantagens da utilização do círculo 2 µm para um vetor de clonagem; - Desvantagens da utilização do círculo 2 µm para um vetor de clonagem. <ul><li>Vetores baseados no plasmídeo 2 µm </li></ul>- Denominados de Plasmídeos epissômicos para leveduras ou YEps; - YEp13 = contém apenas a origem de replicação; - YEp13 = apresenta várias características dos vetores de leveduras. Plasmídeo 2 µm de levedura. REP1 REP2 estão envolvidos na replicação do plasmídeo, e FLP codifica uma proteína que pode converter a forma A do plasmídeo para forma B, na qual a ordem dos genes foi reorganizada pela combinação intramolecular. A função de D não é exatamente conhecida
  4. 4. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS <ul><li>Outros tipos de Vetores de clonagem para leveduras </li></ul>VETORES PARA LEVEDURAS E OUTROS FUNGOS 1 – Plasmídeos integrativos para levedura (YIps) - Basicamente plasmídeos bacteriano; - Não pode replicar-se; - Sua sobrevivência depende de sua interação no DNA cromossomal. 2 – Plasmídeos replicativos para levedura (YRps) - Capacidade de multiplicar-se como plasmídeos independentes; - Possuem uma seqüência de DNA cromossômico ; <ul><li>Cromossomos artificiais de leveduras </li></ul>- Conseqüência da pesquisa sobre cromossomos eucarióticos - Possuem uma seqüência de DNA cromossômico ; - Capacidade de multiplicar-se como plasmídeos independentes;
  5. 5. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS <ul><li>Outros tipos de Vetores de clonagem para leveduras </li></ul>VETORES PARA LEVEDURAS E OUTROS FUNGOS <ul><li>Cromossomos artificiais de leveduras (YACs) </li></ul>- Uma abordagem nova para a clonagem gênica; - O desenvolvimento dos YACs foi subproduto de pesquisas sobre cromossomos eucarióticos; - Identificando componentes fundamentais de um cromossomo, como: - Centrômero , essencial para que os cromossomos sejam corretamente distribuídos para as células-filhas durante a divisão celular; - Telômeros , são necessárias para as extremidades serem replicadas corretamente, além de impedirem que o cromossoma seja degradado por exonucleases; - As origens de replicação , posições ao longo do cromossomo, nas quais a replicação do DNA inicia, similares à origem de replicação de um plasmídeo.
  6. 6. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES <ul><li>Foram desenvolvidos na década de 80, originando os GM </li></ul>1 – Vetores baseados nos plasmídeos que ocorrem normalmente em Agrobacterium ; 2 - Transferência gênica direta utilizando diversos tipos de DNA plasmidial; 3 – Vetores baseados nos vírus de plantas. <ul><li>Três tipos de Vetores têm sido empregados: </li></ul>- Deu origem ao atualmente chamado de OGM’s; - Apresentando benefícios potenciais muito importantes; - Produção de plantas resistentes a vírus e insetos.
  7. 7. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS Acrobacterium tumeraciens Menor Engenheiro genético da Natureza. - O A. tumefaciens geneticamente programa as células da planta para seu próprio benefício. - É encontrado do Solo; - Causador da doença do tumor da Galha em muitas espécies de plantas; - A capacidade de causar a doença está associada a presença do Plasmídeo Ti das células bacterianas; VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES <ul><li>Percebe-se então que o Plasmídeo Ti poderia ser utilizado para introduzir novos genes no interior de células vegetais. </li></ul>
  8. 8. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES <ul><li>Se a A. tumefaciens com plasmídeo Ti modificado foi inserido pelo ferimento no caule. Somente as células do tumor da galha resultante irão possuir o gene clonado. </li></ul>Produção de Plantas Transformadas com o Plasmídeo Ti
  9. 9. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES O Plasmídeo Ri - Plasmídeo de Agrobacterium rhyzogenes; - Semelhante ao Ti; - A diferença está no T-DNA; - O plasmídeo Ri não resulta em um tumor de Galha, mas na doença da raiz Cabeculada.
  10. 10. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES CLONAGEM GÊNICA EM PLANTAS PELA TRANSFERÊNCIA DIRETA DE GENES - É diferente da integração de um vetor de levedura no cromossomo, pois não há necessidade de uma região de Homologia. Entre o plasmídeo bacteriano e o DNA da planta. - A integração ocorre aleatoriamente em qualquer cromossomo da Planta.
  11. 11. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA PLANTAS SUPERIORES Tentativa para utilizar Vírus de Plantas como Vetores de Clonagem - O uso seria conveniente, pois a transformação seria obtida simplesmente por meio da fricção do DNA viral sobre a superfície de uma folha; - O problema do uso, está no seu Genoma, que é o RNA, não sendo úteis como Vetores de Clonagem; - Apenas duas classes de Vírus de DNA são utilizados, os caulimovírus e os Geminivírus.
  12. 12. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA ANIMAIS - São usados para a síntese de proteínas Recombinantes; - Desenvolver Técnicas para a Teoria Gênica; - Existem dois sistemas de clonagens para Animais: <ul><li>Vetores de Clonagem para Mamíferos; </li></ul><ul><li>- Vetores de Clonagem para Insetos. </li></ul>
  13. 13. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA ANIMAIS - A mosca-das-frutas Drosophila melanogaster , é o mais importante organismo com constituição gênica para vetores de clonagem; - Como nenhum plasmídeo é conhecido na Drosophila, a clonagem é obtida, através de um transposon, chamado elemento “P” Vetores de Clonagem pra Insetos
  14. 14. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA ANIMAIS - Vetores Virais não são Desenvolvidos para a clonagem gênica em Drosophila; - Outros insetos, possuem como vetores de clonagem o vírus bacolovírus; Vetores de Clonagem baseados em Vírus de Insetos - A utilização dos vetores destes vírus está na produção de proteínas recombinantes.
  15. 16. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA ANIMAIS <ul><li>Realizada por 3 Razões: </li></ul>1 – Para obtenção de um gene nocaute; Clonagem em Mamíferos 2 – Para produção de proteína Recombinante; 3 – Na teoria Gênica <ul><li>Atualmente, os retrovírus são os vetores mais utilizados para a clonagem de genes em células de mamíferos. </li></ul>
  16. 17. VETORES DE CLONAGEM PARA EUCARIOTOS VETORES DE CLONAGEM PARA ANIMAIS - Realizada através de microinjeção de plasmídeos bacterianos, dentro do núcleo das células de mamíferos; Clonagem Gênica Sem um Vetor - É mais satisfatório que a utilização de um vetor Viral, pois evita a possibilidade de que o DNA viral infecte as células e promova mutações.
  17. 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS   ALBERTS, Bruee. Biologia Molecular da Célula. 3ª Edição. Porto Alegre. Artes Médicas, 1997. BROWN, T. A. Genética – um enfoque celular. Ed: Guanabara Koogan. 3º Edição. Rio de Janeiro, 1999. ZAHA, A. Biologia Molecular Básica. Ed. Mercado Aberto. Porto Alegre, 1996. http://www.biomania.com.br   http://router.ceap.tche.br/projetos/8sClonagem/clonagem.htm   http://pt.wikipedia.org/wiki/Fago http://www.dbio.uevora.pt/LBM/Foco/Vectores/vectores.html

×