Psicologia- Inteligência

2.756 visualizações

Publicada em

Trabalho escolar, slide show, apresentado na UERN, curso de Administração, disciplina Psicologia, retrata o assunto inteligência. Fabio Roque

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.756
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
107
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia- Inteligência

  1. 1. Essa capacidade de pensar, da qual somos dotados, sempre foi objeto de curiosidade dos filósofos, dos cientistas e, dentre eles, dos psicólogos. Como pensamos? Como resolvemos os problemas que se nos colocam?
  2. 2. • As concepções que o senso comum apresenta sobre a inteligência: qualidade que as pessoas possuem para resolver os problemas. • As concepções científicas da inteligência;
  3. 3. A abordagem da Psicologia Diferencial e a Abordagem Dinâmica
  4. 4. • Baseando-se no Positivismo, acredita que a tarefa da ciência é estudar o que é observável e mensurável; • Não observamos diretamente a inteligência, mas podemos medi-la através dos comportamentos humanos.
  5. 5. Os Testes de Inteligência
  6. 6. • Os primeiros testes de inteligência foram criados em 1904, na França, por Alfred Binet; • Os teste tinham por objetivo verificar os progressos de crianças deficientes do ponto de vista intelectual; • O resultado dos testes de inteligência são representados pelo Quociente Intelectual (Q.I.).
  7. 7. Quociente = Divisão QI = Idade mental Idade biológica Exemplo: Uma criança de 10 anos com idade mental de 18 anos QI = Idade mental = 18 Idade biológica 10 1,8
  8. 8. • Não havia uma uniformidade entre os teste; • Rotulavam ou classificavam as crianças; • Os testes apresentavam tendenciosidade.
  9. 9. Nesta abordagem dos testes psicológicos o termo inteligência é questionado porque supõe uma existência distinta do organismo na sua totalidade. A inteligência existiria como algo, ou algum fator no individuo, que poderia ser medido e avaliado. Na abordagem dinâmica, a inteligência passa a ser um adjetivo inteligente que qualifica a produção cognitiva e intelectual do homem por isso, nessa abordagem, os dados obtidos nos testes não são medidas da inteligência, mas medidas da eficiência intelectual do individuo. Na abordagem dinâmica supõe-se que o individuo, quando estar bem do ponto de vista da vida psíquica, conseguindo lhe dar adequadamente com seus conflitos tem todas as condições para enfrentar o mundo realizando atos “inteligentes”, ou seja, resolvendo adequadamente problemas que se apresentam
  10. 10. “O Homem não tem Natureza, o Homem tem História”
  11. 11. Marx comparou assim, o trabalho Humano ao trabalho Animal: “Uma aranha desempenha operações que se parecem com a de um tecelão, e a abelha envergonha muito arquiteto na construção de seu cortiço. Mas o que distingue o pior dos arquitetos da melhor das abelhas é que o arquiteto figura na mente sua construção antes de transforma-la em realidade. No fim do processo de trabalho aparece um resultado que já existia antes idealmente na imaginação do trabalhador. Ele não transforma apenas o material sobre o qual opera; ele imprime ao material o projeto que tinha conscientemente em mira.” M. Mannoni citou: “Tanto o nível do Q.I como a gravidade dos transtornos da atenção, as dificuldades no campo da abstração ou um transtorno escolar tem sentido somente no seio de uma história.”
  12. 12. Cada vez mais a inteligência da criança brasileira, sobretudo aquela pertencente a setores de baixa renda, vem merecendo estudos e pesquisas que procuram estabelecer se o déficit ou o desenvolvimento cognitivo e linguístico pode ser atribuído a fatores individuais endógenos, ao contexto socioeconômico, ou à interação do indivíduo com o contexto onde se insere.
  13. 13. 1. Autoconhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre; 2. Controle Emocional - habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação; 3. Automotivação - dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca; 4. Reconhecimento de emoções em outras pessoas; 5. Habilidade em relacionamentos interpessoais.
  14. 14. Inteligência Interpessoal É a habilidade de entender outras pessoas: o que as motiva, como trabalham, como trabalhar cooperativamente com elas.
  15. 15. 1. Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança, que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo, habilidade de obter do grupo o reconhecimento da liderança, a cooperação espontânea; 2. Negociação de Soluções: o papel do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos; 3. Empatia - Sintonia Pessoal: é a capacidade de, identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas, responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum; 4. Sensibilidade Social: é a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas.
  16. 16. “Eu sou a Inteligência pura” (Valdirene)

×