Psicogênese da língua escrita

2.759 visualizações

Publicada em

Alfabetização até os oito anos conforme prevê o Pacto da Alfabetização.
Formação de Professores, CRE de São Luis Gonzaga/Rs/2013

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.759
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicogênese da língua escrita

  1. 1. Psicogênese da Língua escrita mediadas pelas tecnologias QUAIS COMPETÊNCIAS E QUAIS HABILIDADES ? Eloí de Oliveira Batista Professora Especialista em Literatura e Educação a Distância-Santiago-RS
  2. 2. Psicogênese da língua escrita Processo complexo de aquisição da linguagem.  “Percurso de cada indivíduo para adquirir a base alfabética da língua escrita”. FERREIRO  TEMPO /ESPAÇO: 1º ao 3º Anos Aquisição do Sistema de Alfabética: processo Escrita
  3. 3. TRABALHAR TODOS OS GÊNEROS TEXTUAIS  Na atualidade, temos uma enorme diversidade de textos:  TIPOS DE TEXTOS- de natureza linguística: narrativos, descritivos e dissertativos...  GÊNEROS TEXTUAIS-ligados às situações do cotidiano da comunicação, fortalecido pelas trocas de informações.  TEXTOS ELETRÔNICOS: e mail, carto do leitor...  TEXTOS JORNALÍSTICOS-notícia, reportagem, entrevista, editorial, carta, artigo...  TEXTO INSTRUCIONAL- manual, bula...  TEXTOS CIENTÍFICOS- monografias, teses...
  4. 4. FINALIDADE E ESTRUTURA
  5. 5. Referencial para sala de aula “ Repensar de como se ensina para como se aprende” Reorganização didática- base para ensino: o texto (de diferentes gêneros) em sequência didática, de preferência. Mediação tecnológica: blog. Webquest, facebook, wiki.....
  6. 6. Emília Ferreiro “ Processo de construção da escrita... OU SEJA a aquisição do SEA A criança evidencia a escrita tal qual a vê, a leitura tal como a entende e os problemas tal como os propõe para si”.
  7. 7. MEDIAÇÃO TECNOLÓGICA  O computador e outras mídias são os recursos para novas estratégias de ensino que conduz a aprendizagem integrada dando novos significados sobre o conhecimento de mundo. É indispensável que as tecnologias estejam à disposição do professor, para mediação, na escola. A lousa digital é uma ferramenta que integra conteúdos, relaciona, interage, facilitando a interdisciplinaridade.
  8. 8. Conceitos para refletir:  “Letrar é mais que alfabetizar”. (Magda Soares) Variados autores concordam que cada criança a seu modo, ritmo e tempo é capaz de conhecer, progredir e tornar-se autônoma.  Não há alfabetização sem relação escritamundo, escrita contexto.  “ A leitura do mundo precede a leitura da palavra”. Freire  Aprendizagem... (Ausuber)  Leitura deleite (ludicidade, lazer, literatura).
  9. 9. Leitura da leitura se desloca  “O foco de ser visto como um processo interativo entre menino ou a menina e o TEXTO, para a interação entre os meninos, as meninas e as diferentes pessoas adultas que estão ao seu redor em relação com o texto. O processo interpretativo, construção de significado e criação de sentido em relação ao escrito deixa de ser individual e se torna coletivo”. (Teberosky e Gallart, 2004 )
  10. 10. DIREITOS DE APRENDIZAGEM  Nessa concepção... NÍVEIS de exigência: ( critérios ) INICIAR APROFUNDAR CONSOLIDAR # NOS ANOS INICIAIS...
  11. 11. Cont.  “Quando a criança é estimulada por materiais escritos, ela constroi conhecimentos sobre a escrita e a leitura e, em consequência, conhecimentos de mundo”.  “O ambiente alfabetizador, ao fornecer elementos estimulantes, desafia o sujeito a pensar sobre a língua escrita como sistema de representação de significados contextuais”.
  12. 12. Compreendendo o processo de desenvolvimento de leitura e escrita  • • • • • • • Nível Pré-silábico: CRIANÇA Não há vínculo entre fala/escrita; Usa traçados lineares com formas diferenciadas; Usa letras do nome para representar a escrita. Usa letras e número sem diferenciação; Caracteriza uma palavra por /como letra inicial; Faz leitura global; Só ela sabe ler o que escreveu;
  13. 13.  Usa desenhos para representação, garatujas, ;  Supõe que a escrita representa as coisas, os objetos;  Faz realismo nominal; hipótese qualitativa e quantitativa;  Faz registros com as trocas de posição de caracteres... (letras do nome);  Identifica as letras do nome, mas não usa a posição correta;
  14. 14. Orientações didáticas;     Representar histórias com desenhos, nome , partes, ( leitura como ativ. Permanente) Realizar atividades significativas com o nome e nome do grupo da sala; Ter o alfabeto móvel e usá-lo em situações didáticas, jogos, formação de palavras, ordem... ( alfabeto na sala, concreto, com ilustrações...), bingo de letras, dominó: letra/desenho... Criar textos coletivos com auxílio do quadro ; painel de tipos de textos: convite, carta, propaganda, narrativa, poesia, com o objetivo de cada texto...
  15. 15. Nível Silábico  Tentativa de atribuir valor sonoro à letra;  Cada letra representa uma sílaba falada;  Escrita sem valor sonoro convencional da sílaba.  Leitura silabada;  Pode usar muitas letras para representar uma palavra;  Ao escrever frase atribui uma letra para cada palavra;  Supõe que a escrita representa a fala, dá valor sonoro a sílaba e ou a frase;
  16. 16. Orientações didáticas          Pode usar as do nível anterior; Ler e ouvir leitura diária; Escrever textos, distinguir gêneros, escrever textos memorizados, músicas... Representar personagem da história, desenho escrita do nome... Criar painel de letras, palavras e desenhos, figuras, jogos com essa comparação. Manusear e fazer pseudoleituras em diferentes materiais didáticos e livros; Use jogos no computador ( internet), clik jogos, jogos de menina e menino, etc. Vídeos com livros, histórias, músicas, imagens de pintura, escultura... Trabalhar com todas as áreas de conhecimento de forma lúdica.
  17. 17. Nível silábico -alfabético  Fase intermediária, início da superação, pode estar silábica na escrita e alfabética na leitura;  A escrita representa a fala (som);  Sai da leitura global para a termo a termo;  Consegue representar palavras com vogais e consoantes;  Distingue som de letra inicial de palavras e representa; ( vogal ou consoante);
  18. 18. Orientações didáticas         Todas as anteriores; Criar jogos e atividades de generalização de letras, palavras, frases e textos. Ditado de palavras do mesmo campo semântico ( jogos, pesquisas em jornais, internet, painéis representativos de temas trabalhados com relação imagem/ palavra, texto/imagem, palavra/palavra; Mostrar o que é leitura/escrita; Criar textos coletivos; Levar ao reconhecimento do som da letra; Desafio a fonetização; ( consciência fonológica); Organizar atividades e jogos de sílabas com duas ou mais letras;
  19. 19. Nível Alfabético           Reconhece som/letra; É capaz de resolver alguns problemas de escrita e matemática; Acha que sílaba tem duas letras, que palavras não iniciam com vogais; Faz segmentação e juntura; Pode perceber que letras têm mais de uma função; Pode entender que a mesma letra representa vários sons: X O som pode ser representado por letras diferentes: SS, Ç Pode criar textos espontâneos; convencionais; Pode resolver questões ortográficas; textuais; Usar letra cursiva ( dependendo???)
  20. 20. Orientações didáticas          Leitura; Listas de palavras usando a mesma regularidade no registro; Texto, frase, palavra, sílaba, letra, ordenar, destacar, identificar, jogos... A memória vai ajudar na internalização das convenções gramaticais ( oral/escrita); Adquirir a base ortográfica; raciocínio lógico; (Quadro de 10 itens SEA) Silabário; Bingo de palavras; Jogos de frases e textos fatiado; Atividades de consciência fonológica
  21. 21. AVALIAÇÃO  Interna:  Processual, contínua, diagnóstica e mediadora.  EXTERNA:  Provinha Brasil,  Avaliação do INEP, 3º Ano.
  22. 22. PARECER DESCRITIVO Análise de resultados: base, direitos de aprendizagem, objetivos, necessidades de domínios a nível de ano escolar. ( introduz/aprofunda/ consolida). Quais avanços constatados? Registro do processo, divulgação. PORTFÓLIO... ( Alarcão)
  23. 23. LETRAMENTO      Conceito novo, mas carregado de significado, uma vez que o conceito de alfabetização tornouse insuficiente. (SOARES, 2008). Além de ler e escrever, a criança deve ser levada ao domínio das práticas sociais de leitura e escrita. Levar a criança a conviver, experimentar e dominar as práticas de leitura e escrita da sociedade com base: oralidade, leitura, escrita . Desenvolver habilidades de ler o mundo; Alfabetização é um componente do letramento, deve-se alfabetizar letrando;
  24. 24. ORIENTAÇÃO  Usar todos os gêneros textuais da sociedade com identificação de componentes estruturais composicionais, finalidades dos textos, intenções de comunicação, oralmente ou por escrito, contexto onde está veiculado, assunto, partes... No cotidiano.
  25. 25. Considerações Finais:         “ Considerar a interação sujeito-objeto. Construtivismo: nova visão de mundo e da natureza humana, “ sistema epistemológico que fundamenta a construção da mente e do conhecimento sobre bases anteriores, num processo dinâmico... ( Matui, 96. p. 32) Diálogo. ( Freire, 87.p.78) Prática Social. Ação para conceituação. Mediação e mediação tecnológica. (professor/mídias) Aluno sujeito Alfabetizar e letrar é uma questão que permeia todo o processo.
  26. 26. ALARCÃO, Isabel-2003Professores reflexivos... SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO.  Global  Diferenças de acesso ao conhecimento;  Filtrar informações-preparar para aprender;  ALUNO: gerir informações, para transformá-la em conhecimentos;  PROFESSOR: não é mais a fonte do saber  Conhecimento=> aprendizagem;  COMPETÊNCIA: comunicação do conhecimento/”saber fazer bem”, mobilizar saberes para vida; o aluno “aprender a aprender” ao longo da vida; 
  27. 27. O professor é fundamental para “ajudar o aluno a desenvolver a competência, aprender, dar suporte, estrutura, estimular a aprendizagem e autoconfiança, direcionando a informação processual, ver o que precisam”.  ESCOLA: infraestrutura física, pedagógica e dar suporte a : aluno ativo, atividades curriculares e extracurriculares, missão social, tirar proveito das tecnologias como meio de PESQUISA E CONTEXTUALIZAÇÃO.
  28. 28. AUSUBER  “ APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: todo o processo de ensino necessita fazer algum sentido para o aluno e a informação deverá interagir e ancorar-se nos conceitos”.
  29. 29. VYGOTSKY Valoriza a relação linguagem e pensamento que fomenta o desenvolvimento=> possibilitando a passagem de uma capacidade potencial para uma real;  Aprendizagem e desenvolvimento são processos distintos, mas integrados.  Aprendizagem vem antes do desenvolvimento, essa é fundamental para o desenvolvimento: real e potencial=ZDP 
  30. 30. MENSAGEM ... Não é o universo que é o sentido da palavra É a palavra que é o sentido do universo Não é o dedo que aponta para a lua É a lua que aponta para o dedo Sentido do universo é O verso Que faz escondido, não falado Dentro do seu silêncio Guimarães Rosa
  31. 31. REFERÊNCIAS Para aprofundar!
  32. 32. Referências Bibliográficas          ALARCÃO, Isabel. CAGLIARI, luiz Carlos. Alfabetizando sem BE-A-BÁ-BÉ-BI-BOBU, Scipione, 1999. FERREIRO, Emília & TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita, Artes Médicas, 1991. INTERNET MATUÍ, Jiron. Construtivismo, Moderna, 1995. NOVA ESCOLA. OUTROS, citados nos textos. http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/files/uploads/ palestras_do_pnaic/generos_ano_3_jul_2013.pdf http://www.nead.fgf.edu.br/novo/material/monografias_p ortugues/FRANCISCA_JULIANA_NOBRE_DE_ALMEIDA.pdf

×