Apresentação psicogênese da língua escrita

17.754 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Apresentação psicogênese da língua escrita

  1. 1. Apresentação psicogênese da língua escrita —Presentation Transcript 1. PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA 2. " Ler não é decifrar, escrever não é copiar". (Emilia Ferreiro) 3. As pesquisas sobre a psicogênese da língua escrita, realizadas por Emilia Ferreiro e Ana Teberosky no fim dos anos 1970 e publicadas no Brasil em 1984, mostraram que as crianças constroem diferentes ideias sobre a escrita, resolvem problemas e elaboram conceituações. 4. EMÍLIA FERREIRO ANA TEBEROSKY 5. A aprendizagem da leitura , entendida como o questionamento a respeito da natureza, função e valor desse objeto cultural que é a escrita, inicia-se muito antes do que a escola o imagina, transcorrendo por insuspeitados caminhos. Que além dos métodos, dos manuais, dos recursos didáticos, existe um sujeito que busca a aquisição de conhecimento, que se propõe problemas e trata de solucioná-los seguindo sua própria metodologia. Emília Ferreiro(1999, p.27) 6. • Nível 1: Hipótese Pré-Silábica ; A criança: - não estabelece Vínculo entre fala e escrita; - demonstra intenção de escrever através de traçado linear com formas diferentes; - usa letras do próprio nome ou letras e números dna mesma palavra; - caracteriza uma palavra como letra inicial; - tem leitura global, individual e instável do que escreve: só ela sabe o que quis escrever; 7. Hipótese Pré-silábica ☺ criança: -> supõe que a escrita é outra forma de desenhar ou de representar coisas e usa desenhos, garatujas e rabiscos para escrever; -> supõe que a escrita representa o nome dos objetos; coisas grandes devem ter nomes grandes, coisa pequenas devem ter nomes pequenos; -> faz registros diferentes entre palavras modificando a quantidade e a posição e fazendo variações nos caracteres; -> supõe que para algo poder ser lido precisa ter no mínimo de duas a quatro grafias, geralmente três ( hipóteses da quantidade mínima de caracteres); -> supõe que para algo poder ser lido precisa ter grafias variadas (hipótese da variedade de caracteres) 8. Nível Pré-Sílabico CARACTERÍSTICAS (aquilo que já sabe): - Escrever e desenhar têm o mesmo significado; - Não relaciona a escrita com a fala; - Acredita que coisas grandes têm um nome grande e coisas pequenas têm um nome pequeno (realismo nominal); 9. Nível Pré-Sílabico CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA: - Que sinais eu uso para escrever palavras? - Conhecer o significado dos sinais escritos. O QUE PRECISA SABER: - Diferenciar o desenho da escrita; -Reconhecer que usamos letras para escrever - Identificar e escrever o próprio nome. - Perceber que usamos letras diferentes em diferentes posições. 10. Nível Pré-Sílabico 11. ATIVIDADES FAVORÁVEIS: - Alfabeto móvel - Desenhar e escrever o que desenhou; - Usar o nome em situações significativas: marcar atividades, objetos, utilizá-Io em jogos, bilhetes, etc; - Ouvir leitura feita diária pela professora e poder recontá-Ia; - Ter contato com diferentes portadores de textos; - Freqüentar a biblioteca, banca de jornais, etc; - Reconhecer e ler o próprio nome em situações significativas: chamadas, jogos, etc; - Conversar sobre a função da escrita; - Utilizar letras móveis para pesquisar nomes, reproduzir o próprio nome ou dos amigos; - Bingo de letras; - Produção oral de histórias; - Escrita espontânea; - Textos coletivos tendo o professor como escriba; -
  2. 2. Aumentar o repertório de letras; - leitura dos nomes das crianças da classe,quando isto for significativo. - Comparar e relacionar palavras;- Produzir textosde forma não convencional;12. Nível 2: Intermediário I CARACTERÍSTICAS (aquilo que já sabe): - Paracada fonema, usa uma letra para representá-lo. - Não atribui valor sonoro à letra.-Pode usar muitas letras para escrever e ao ler, aponta uma letra para cadafonema, ainda que sobrem letras. -Ao escrever a frase pode usar uma letra pararepresentar cada palavra. CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTAETAPA: - A escrita está vincula à pronúncia das partes da palavra? - Comoajustar a escrita à fala? - Qual a quantidade mínima de letras necessárias para seescrever?13. Nível Intermediário I O QUE PRECISA SABER: - Atribuir valor sonoro àsletras. - Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever, apenas onecessário para representar a fala. - Perceber que palavras diferentes são escritascom letras em ordens diferentes, que costumam não se repetir.14. SILÁBICO SEM VALOR SONORO Intermediário I ATIVIDADESFAVORÁVEIS: - Todas as atividades do nível anterior. - Comparar e relacionarescritas de palavras diversas. - Escrever pequenos textos memorizados(parlendas, poemas, músicas, trava-línguas...). - Relacionar personagens a partirdo nome escrito. - Relacionar figura às palavras, através do reconhecimento daletra inicial. -Ter contato com a escrita convencional em atividadessignificativas: -Reconhecer letras em um pequeno texto conhecido. - Leitura detextos conhecidos. - Relacionar textos memorizados com sua grafia.15. Para interpretar a produção escrita de uma criança, precisa-se acompanhar oprocesso de construção desenvolvido por ela. Como agiu no momento, sesilabou, como leu, como ajustou o que leu ao que escreveu. Ao acompanhar aconstrução, a análise de escrita ocorrerá de acordo com o ponto de vista dacriança e não o do adulto. Com esse acompanhamento se torna possível saber oque pensou e como procedeu ao escrever, e ainda, se torna possível detectar qualo nível conceitual de evolução da escrita que essa criança apresenta. Para EmíliaFerrero, (1999, p.213), “a hipótese silábica é uma construção original dascrianças que não pode ser atribuída a uma transmissão por parte do adulto. Nãosomente pode coexistir com formas estáveis aprendidas globalmente (...), masque pode aparecer quando ainda não tem letras escritas no sentido escrito (...)”16. • Nível 3: Hipótese Silábica ; A criança: - já supõe que a escrita representa afala; - tenta fonetizar a escrita e dar valor sonoro às letras; - já supõe que amenor unidade de língua seja a sílaba; - em frases, pode escrever uma letra paracada palavra.17. Hipótese silábica CARACTERÍSTICAS (aquilo que já sabe): - Para cadafonema, usa uma letra para representá-lo. - Atribui valor sonoro à letra(sejavogal ou consoante). - Pode usar muitas letras para escrever e ao fazer a leitura,apontar uma letra para cada fonema. - Ao escrever frases, pode usar uma letrapara cada palavra. CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA:- A escrita está vincula à pronúncia das partes da palavra? - Como ajustar aescrita à fala? - Qual a quantidade mínima de letras necessárias para se escrever?18. "EIA"- Menina "OIA"- bonita "AO" -Laço "IA" - Fita O QUE PRECISA SABER: - Atribuir valor sonoroa todas as letras. - Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever,apenas o necessário para representar a fala. - Perceber que palavras diferentessão escritas com letras em ordens diferentes, que costumam não se repetir.
  3. 3. 19. Pé Lápis Caderno Computador O meu caderno tem linhas ATIVIDADESFAVORÁVEIS: -Cruzadinhas (Com e sem banco de palavras) - Caça-palavras.(Com e sem banco de palavras) - Completar lacunas em textos e palavras. -Construir um dicionário ilustrado, desde que o tema seja significativo. -Evidenciar rimas entre as palavras; - Usar o alfabeto móvel para escritassignificativas; - Jogos variados para associar o desenho e seu nome; Colocarletras em ordem alfabética; - Contar a quantidade de palavras de uma frase.20. • Nível 4: Hipótese Silábico-Alfabética ou Intermediário II ; A criança: -inicia a superação da hipótese silábica; - compreende que a escrita representa osom da fala; - passa a fazer uma leitura termo a termo; (não global) - conseguecombinar vogais e consoantes numa mesma palavra, numa tentativa de combinarsons, sem tornar, ainda, sua escrita socializável. Por exemplo, CAL para cavalo.21. CARACTERÍSTICAS (aquilo que já sabe): - Compreende que a escritarepresenta os sons da fala; - Percebe a necessidade de mais de uma letra para amaioria das sílabas; - Reconhece o som das letras; - Pode dar ênfase a escrita dosom só das vogais ou só das consoantes: bola = oa ou bl; - Atribui o valor dofonema em algumas letras: cabelo = kblo. Nível 4: Hipótese Silábico-Alfabéticaou Intermediário II ;22. CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA: - Como fazer aescrita dela ser lida por outras pessoas? - Como separar as palavras na escrita seisto não acontece na fala? - Como adequar a escrita à quantidade mínima decaracteres?23. O QUE PRECISA SABER: - Usar mais de uma letra para representar ofonema quando necessário; - Atribuir o valor sonoro das letras. ATIVIDADESFAVORÁVEIS: - As mesmas do nível anterior; - Separar as palavras de umtexto memorizado; - Generalizar os conhecimentos para escrever palavras quenão conhece: associar o "G” do nome da "GABRIELI” para escrever“GAROTA‟, “GAVETA”“; - Ditado de palavras do mesmo campo semântico,conhecidas ou não. - Produzir pequenos textos; individuais e coletivos. . -Reescrever histórias individualmente ou coletivamente Hipótese Silábico-Alfabética ou Intermediário II ;24. Silábico Alfabético: Mesmo quando a criança conhece o valor sonoro detodas as letras, ainda assim n o é capaz de ler, pois a leitura não se baseia nahabilidade de unir os sons das letras ou sílabas, e sim na construç o de umconhecimento. Ler n o significa soletrar sílabas, como escrever n o é somente acapacidade da criança realizar ditados e cópias. Nesta etapa, a criança pensa quena escrita é necessário fazer a correspondência de uma letra para cada sílaba,mas logo perceberá que n o funciona deste modo. Convivem as formas de fazercorresponder os sons às formas silábica e alfabética e a criança pode escolher asletras ou de forma ortográfica ou fonética. Larissa – 6 anos – Escrita Silábico-Alfabética Eu comi carne assada25. A hipótese silábico-alfabética também não satisfaz completamente à criançae ela continua na sua busca incansável de construção e superação de hipóteses afim de procurar satisfazer sua ansiedade enquanto nova escritora. Sentir-se-ámelhor quando alcançar a fonetização da sílaba, ou seja, quando enfim percebera constituição alfabética de sílabas que caracteriza a escrita da LínguaPortuguesa. No entanto, essa fonetização não é nem instantânea nem definitiva.É comum encontrar crianças, que ora escrevem com sílabas completas, ora deforma silábica, mesmo apresentando escrita alfabética. Nesse nível, a principalcaracterística é o reconhecimento do som da letra. Entretanto, nesse nível a
  4. 4. criança ainda tem muitos problemas a resolver e precisa ser estimulada acontinuar a elaborar hipóteses.26. Um problema muito freqüente é o de acreditar que todas as sílabas sãoconstituídas por duas letras, geralmente primeiro por uma consoante seguida poruma vogal. Precisa de intervenções adequadas para perceber sílabas com trêsletras ou mais. E ainda, quando aparece uma palavra iniciada por uma vogal atendência é de grafar a 1ª sílaba de forma inversa. Exemplo: espelho à „sepelho‟.Outro problema encontrado no nível alfabético está relacionado com asegmentação das palavras. Ora escrevem tudo emendado, ora partem a palavraem vários pedaços, pois ao concentrar-se na sílaba acabam por não identificar asvárias categorias lingüísticas. Também é comum enfrentarem questõesortográficas, pois dão ênfase à adequação fonética do escrito ao sonoro.Começam a perceber que uma letra tem mais de uma função e assumem sonsdiferentes em diferentes situações.27. • Nível 5: Hipótese alfabética . A criança: - compreende que a escrita temfunção social; - compreende o modo de construção do código da escrita; - omiteletras quando mistura as hipóteses alfabética e silábica; - não tem problemas deescrita no que se refere a conceito; - não e ortográfica e nem léxica.28. HIPÓTESE ALFABÉTICA CARACTERÍSTICAS (aquilo que já sabe): -Compreende a função social da escrita: comunicação; - Conhece o valor sonorode todas ou quase todas as letras; - Apresenta estabilidade na escrita daspalavras; - Compreende que cada letra corresponde aos menores valores sonorosda sílaba; - Procura adequar a escrita à fala; - Faz leitura com ou sem imagem; -Inicia preocupação com as questões ortográficas; - Separa as palavras quandoescreve frases; - Produz textos de forma convencional.29. CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA: - Por queescrevemos de uma forma e falamos de outra? - Como distinguir letras, sílabas efrases? - Como aprender as convenções da língua escrita? HIPÓTESEALFABÉTICA O que precisa saber: - Preocupação com as questões ortográficase textuais (parágrafo e pontuação). -Usar a letra cursiva.30. Felipe – 7 anos – Escrita Alfabética ESCRITA ALFABÉTICA:ATIVIDADES FAVORÁVEIS: Todas as anteriores; - Leituras diversas; -Escrita de listas de palavras que apresentem as mesmas regularidadesortográficas em momentos em que isto seja significativo; - Atividades a partir deum texto: leitura, localização de palavras ou frases; ordenar o texto; -Jogosdiversos como bingo de letras e palavras; forca...31. A memorização e fixação mecânica, agora, são meios de auxílio parainternalizar regras e convenções de palavras constituídas por gruposconsonantais. Para tal, a criança necessita de muito esforço e raciocínio lógico.Do contrário terá imensa dificuldade da escrita e leitura de sílabas complexas. Onível alfabético constitui o final da evolução construtiva da leitura e da escrita. Oaluno continuará progredindo, eliminando suas dúvidas uma a uma se tiver aoportunidade de ter uma aprendizagem marcada pela elaboração pessoal e dereflexão lógica. Assim, a aquisição da base ortográfica envolve a inter-relaçãode aspectos afetivos, sociais, culturais, lógicos, perceptivos, motores, etc., paraque a aprendizagem seja de fato construtiva. Para Ferrero (1999, p.217),“quando o meio não provê esta informação, falha uma das ocasiões de conflito.Por isso vemos crianças (...) chegarem até o nível da hipótese silábica, mas nãoalém disso.” É importante que o professor tenha clareza de que, ao atingir aescrita alfabética a criança já superou muitas dificuldades, tendo pela frente as
  5. 5. questões ortográficas que não são problemas de escrita propriamente. Ferreroobserva: (1999, p.219). “Parece-nos importante fazer essa distinção, já queamiúde se confundem as dificuldades ortográficas com as dificuldades decompreensão do sistema de escrita.”32. “ Quem tem muito pouco, ou quase nada, merece que a escola lhe abrahorizontes” Emília Ferreiro33. JOGOS PARA ALFABETIZAR www.projetospedagogicosdinamicos.com34. Silabário Para jogar: Se não houver a possibilidade de construir um silabáriopara cada criança, será necessário um para cada grupo de 3 ou 4 crianças.Formas de jogar: 1 - O professor leva as fichas e sorteia, as crianças montam aspalavras sorteadas, depois registram no caderno. Pode-se, ainda, pedir queidentifiquem a letra inicial/final, número de letras, vogais e consoantes.Dependendo do nível, pode-se solicitar que separem as sílabas. 2 - Em grupo,cada criança recebe um determinado número de tampinhas. Um por vez devetentar formar palavras colocando apenas uma tampa no tabuleiro, sendo possívelaproveitar as sílabas/letras dos demais integrantes. 3 - Cada criança forma 4palavras no silabário, depois, preenche os espaços com sílabas soltas e troca osilabário com o colega, que deverá localizar as palavras formadas pelos amigos.Depois deverá ser feito um registro da atividade no caderno.35. Memória 3D - figura e palavra Jogo da memória com imagem e nome dapalavra. Podem ser usadas letras bastão ou cursiva, minúscula ou maiúscula,dependendo do nível de escrita da turma.36. Pescaria Objetivo: Desenvolver a consciência silábica. Materiais necessários: Caixa para pescaria, peixes com letras, anzol. Modo de jogar: O jogador retirade um envelope uma ficha com uma figura. O mesmo deverá encontrar o peixeque contém a letra que inicia a figura. Deve dizer o nome da figura,segmentando-a silabicamente e classificando-a pelo número de sílabas. Emseguida, deverá colocar o peixe no aquário adequado ao número de sílabas.Podem ser somados pontos por acerto.37. Bingo das letras O professor oferece uma cartela onde estão escritas aspalavras faltando uma letra. De acordo com o sorteio, as crianças completam aspalavras com o apoio do alfabeto móvel. Jogo da memória das letras Objetivo:Desenvolver a memória e identificar as letras que compõem o alfabeto,relacionando-as com o fonema inicial de cada palavra. Materiais necessários:Cartas com as letras do alfabeto38. Caixas ilustradas Objetivo : Desenvolver a percepção da linguagem escrita;promover a associação da palavra com a figura e dos grafemas com os fonemas.Materiais necessários :Caixinhas de fósforo; figuras pequenas; letras recortadas.Modo de jogar : As professoras deverão formar as palavras de acordo com afigura Quebra-cabeça com palitos ou caixas Objetivo: Familiarizar as criançascom a noção de palavras e sílabas. Materiais necessários: fichas em forma dequebra-cabeça, palitos ou caixas. Vence a equipe que formar o maior número depalavras.39. Jogo das abelhas Objetivo: Consciência fonêmica - identificação do fonemainicial e segmentação fonêmica. Materiais necessários: Abelhas e mãozinhas emE.V.A. Modo de jogar: O professor sorteia uma letra e produz o som da mesma.Cada integrande da equipe ficará com uma mãozinha. O aluno que identificar aletra deverá bater na abelha com a mãozinha, ficando com a mesma caso estejacorreto. Ganha quem tiver mais abelhas.
  6. 6. 40. Boliche do alfabeto - Jogo das argolas Objetivos: Identificar as letras doalfabeto relacionando-as com o fonema inicial de cada palavra; Desenvolver acoordenação ampla. Materiais necessários: embalagens de refrigerante e bola.Modo de jogar: Ao derrubar as garrafas, deverá identificar a letra e dizer umapalavra que inicie com a mesma.41. Varal das letras Montar 4 alfabeto completos, incluindo K,Y, W. Selecionaro mesmo número de imagens (que possuam 4 letras). A criança escolhe umaimagem e procura no varal as letras que formam seu nome.42. Alfabeto concreto Uma faixa com as letras do alfabeto. Cada bolso recebeuma figura, cujo o nome inicia com a letra que está no bolso. Confeccionado emfeltro. Como jogar: 1 - Cada criança recebe um determinado número de figuras edeve organizar dentro dos bolsos. 2- Divididos em duas ou três equipes, cadauma recebe um número de figuras, quem organizar primeiro ganha um ponto. 3-Organizar livremente, de acordo com a letra inicial.43. Trilha Alfabética Objetivo: Consciência fonêmica Materiais necessários:Placas de E.V.A. com as letras do alfabeto e dado numérico. Modo de jogar: Ojogador joga o dado, anda as casas correspondentes e executa a tarefadeterminada pelo professor. Bingo fonológico Bingo inspirado no jogotradicional, no entanto, o professor sorteia apenas a sílaba inicial da figura44. "Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensinae como se aprende". ( César Coll ) PROFESSORA ANDREIA CIPITELLI

×