0
FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ SANTA CATARINA
RICARDO DE MATTOS JAHN
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE:
ANALISANDO O CAV...
RICARDO DE MATTOS JAHN
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE
ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS
Monografia apresentada a...
2
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
J25b JAHN, Ricardo de Mattos.
O bobo das trevas e o cavaleiro da...
3
4
Dedico este trabalho aos meus pais, meus eternos
professores.
5
AGRADECIMENTOS
Agradeço aos meus pais, Fernando e Maria Luiza, por me darem uma vida repleta de
carinho, amor e possibil...
6
"Quando eu amo, eu devoro todo meu coração. Eu
odeio, eu adoro, numa mesma oração".
Chico Buarque de Hollanda
7
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Ilustração 1: Estereótipos dos quadrinhos ............................................................
8
SÚMARIO
1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................
9
RESUMO
Neste trabalho é realizado um estudo, por meio de pesquisas do tipo exploratória,
bibliográfica, descritiva e doc...
10
1 INTRODUÇÃO
Toda pessoa já teve ou tem alguém em quem se espelha, alguém que transmite força,
esperança ou alegria. Um...
11
1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA
Super-Homem e Lex Luthor, Homem-Aranha e Duende Verde, Homem de Ferro e
Madarim, os qua...
12
1.2.2 Objetivos específicos
a) Elaborar um levantamento histórico das histórias em quadrinhos;
b) Resgatar as principai...
13
no cinema, DVD, brinquedos, jogos, e diversos outros produtos acabam sendo derivados de
um processo que cresce potencia...
14
2 REVISÃO DE LITERATURA
As histórias em quadrinhos influenciam gerações desde o seu começo. Criando
esperança, medo e o...
15
2.1.1 A Linguagem
Textos, planos de cena, traços, desenhos e cores, todos são elementos da linguagem.
Ela é algo ineren...
16
independentemente de como ele é contada. O que transforma esta estrutura de narração em
história em quadrinhos é o rela...
17
a arte dos quadrinhos lida com reproduções facilmente reconhecíveis da conduta
humana. Seus desenhos são o reflexo no e...
18
Ilustração 2: Estereótipos dos quadrinhos
Fonte: Janson (2005, p. 24).
Ilustração 3: Linhas e iluminação: estereótipos ...
19
A Era de Platina é o começo das histórias em quadrinhos e ainda não se tem super-
heróis, apenas heróis. Segundo Patati...
20
Moreau (2007) evidencia que com o tempo o gênero comédia saiu da exclusividade e
os fatores externos começam a influenc...
21
Ilustração 5: Selo comemorativo, lançado em 1995 nos EUA, com Dick Tracy de Chester Gould
Fonte: Moreau (2007, p. 23).
...
22
leitores, vendo seus pais diariamente enfrentando a recessão econômica que atingia
os EUA.
Com o sucesso de Superman, a...
23
Neste contexto, apesar da existência de vários personagens, um que ganhou destaque
tanto quanto Superman, e foi tão imp...
24
A ilustração 7 apresenta umas das primeiras aparições de Batman nos quadrinhos,
com sua capa com forma de asa de morceg...
25
faroeste, bichos falantes e até quadrinhos para o público feminino, conforme Guedes (2004).
Mas a grande sucesso desta ...
26
outro. O Homem-Morcego e Robin ajudando o último filho de Krypton, novos personagens
como Jimmy Olsen e com histórias m...
27
já que, com seu traço simples, porém marcante, Ditko conseguiu transmitir a carga
necessária de mistério e esquisitice ...
28
Guedes (2004) afirma que na década de 60 a Marvel não para de fazer sucesso, suas
revistas vendem bem, os heróis ganham...
29
Isso deixa clara a diferença crucial que existe entre os dois personagens: Superman
um “escoteiro”, Batman um “vigilant...
30
2.2 SUPER-HERÓIS NO CINEMA
O sonho de qualquer fã de quadrinhos era ver seu super-herói preferido em carne e
osso, o ma...
31
Aguiar (2003) lembra que na década de 60, o seriado Batman, que era um sucesso
nos Estados Unidos, largou o tom sombrio...
32
Os anos 80 também tiveram seus momentos de heróis nas salas de cinema como
argumenta Morelli (2009). Flash Gordon (1980...
33
revista elogiam o filme, e assim é criada uma grande expectativa em relação a obra. E ela não
decepciona, faz mais 1 bi...
34
do outro. Lúcifer discute com Deus sobre a razão dos dois existirem e resume como um se
relaciona como outro.
porque es...
35
Chaui (2000) aborda a filosofia moral como algo instituído por cada cultura e
sociedade. Segundo a autora, o sujeito ét...
36
No livro “Super-Heróis e A Filosofia – Verdade, Justiça e o Caminho Socrático” o
autor Willian Irwin debate filosofia a...
37
3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
Neste capítulo serão apresentados os procedimentos metodológicos utilizados nesta
pesquis...
38
“confundindo a divagação irresponsável com a reflexão sistemática [...] O ato de pensar
caracteriza-se por ser dispersi...
39
A pesquisa descritiva, segundo Cervo e Bervian (2005, p. 66), “[...] observa, registra,
analisa e correlaciona fatos ou...
40
possibilidades de pesquisas documentais além da biblioteca, como confirmam Marconi e
Lakatos (2001, p. 43), definindo a...
41
De acordo com Richardson (1999 apud RAUPP; BEUREN, 2006, p. 91), os
trabalhos “que empregam uma metodologia qualitativa...
42
4 ANÁLISE DE DADOS
Neste capítulo será feita a análise dos personagens Batman e Coringa, do filme O
Cavaleiro das Treva...
43
Ilustrações 10: Batman e Robin entregando uma arma nova para um soldado durante a II Guerra Mundial e
Batman atirando n...
44
Ilustração 11: A família Batman, desenhada por Bob Kane
Fonte: Tipton (2003).
Com este direcionamento Batman foi desagr...
45
Cabeça de Demônio decide que boa parte da humanidade seja exterminada até que um
equilíbrio natural seja atingido. Esta...
46
A década de 80 encerraria ainda, com duas “chaves de ouro”, A Piada Mortal de
Alan Moore e Asilo Arkham de Grant Morris...
47
4.2 CORINGA NOS QUADRINHOS
Criado por Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane, Coringa fez sua primeira
aparição na revi...
48
conseqüência ao sucesso do seriado de TV, e finalmente nos anos 70, o escritor Dennis
O’Neil e o artista Neal Adams, re...
49
Apesar de serem duas grandes histórias, nem elas e nenhuma outra atingiu o sucesso
e o primor de A Piada Mortal, de Ala...
50
realmente trouxe o personagem com força total para os fãs, não estava nos gibis. Estava na
telona.
4.3 CINEMA E TV
O vi...
51
quadrinhos. O ator Michael Keaton interpreta um Batman durão, de poucas palavras e muitos
sopapos, lembrando os tempos ...
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn

1.549 visualizações

Publicada em

O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC do aluno Ricardo Jahn para o curso de Publicidade do Centro Universitário Estácio SC

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS - TCC de Ricardo Jahn

  1. 1. 0 FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ SANTA CATARINA RICARDO DE MATTOS JAHN O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE: ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS SÃO JOSÉ, 2009.
  2. 2. RICARDO DE MATTOS JAHN O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE ANALISANDO O CAVALEIRO DAS TREVAS Monografia apresentada a disciplina Projeto Experimental II, como requisito parcial para obtenção do grau de bacharel em Comunicação social com Habilitação em Publicidade e Propaganda da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina. Professores Orientadores: Conteúdo: Diego Moreau, Mestre. Metodologia: Grasiela Schmitt, Especialista. SÃO JOSÉ, 2009.
  3. 3. 2 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) J25b JAHN, Ricardo de Mattos. O bobo das trevas e o cavaleiro da corte : analisando o cavaleiro das trevas. / Ricardo de Mattos Jahn. – São José, 2009. 80 f. ; il. ; 31 cm. Trabalho Monográfico (Graduação em Comunicação Social com Habilidade em Publicidade e Propaganda) – Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina, 2009. Bibliografia: f. 79 1. História em quadrinhos. 2. Imagem e linguagem. 3. Heróis na literatura. I.Título. CDD 741.5
  4. 4. 3
  5. 5. 4 Dedico este trabalho aos meus pais, meus eternos professores.
  6. 6. 5 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, Fernando e Maria Luiza, por me darem uma vida repleta de carinho, amor e possibilidades. Aos meus irmãos Gustavo e Filipe por todos os momentos de amizade e aprendizado. A toda minha família, especialmente meu primo Antônio, por compartilhar seu imenso conhecimento sobre quadrinhos, música e cinema. Às família Susin e Athanázio, pelo amor, compreensão e companheirismo durante os momentos mais importantes da minha vida até hoje. Aos meus amigos e suas famílias, que ajudaram na construção da pessoa que sou hoje. Ao meu professor Fábio Messa, por todo seu carinho, dedicação e determinação em instigar a sede de conhecimento em seus alunos. E especialmente ao meu amigo, professor e orientador Diego Moreau, que dirigiu cena a cena a minha passagem na Faculdade como uma aventura de aprendizado sem fim e foi a estrela principal no começo de uma bela amizade.
  7. 7. 6 "Quando eu amo, eu devoro todo meu coração. Eu odeio, eu adoro, numa mesma oração". Chico Buarque de Hollanda
  8. 8. 7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1: Estereótipos dos quadrinhos ................................................................................17 Ilustração 2: Estereótipos dos quadrinhos ................................................................................18 Ilustração 3: Linhas e Iluminação.............................................................................................18 Ilustração 4: Yellow Kid de Richard F. Outcult.......................................................................19 Ilustração 5: Selo comemorativo, lançado em 1995 nos EUA, com Dick Tracy de Chester Gould ........................................................................................................................................21 Ilustração 6: Capitão América dando um soco em Hitler.........................................................22 Ilustração 7: Surge o Cavaleiro das Trevas: Batman de Bob Kane..........................................24 Ilustração 8: O Homem-Aranha ...............................................................................................27 Ilustração 9: O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama na capa da revista The Amazing Spiderman #583. .......................................................................................................29 Ilustração 10: Batman e Robin entregando uma arma nova para um soldado durante a II Guerra Mundial e Batman atirando no caminhão com zumbis e falando “Por mais que eu odeie tirar a vida de um ser humano. Eu receio que desta vez seja necessário!”.....................43 Ilustração 11: A família Batman, desenhada por Bob Kane ....................................................44 Ilustração 12: Batman dando um pontapé na cara do cordeiro obediente dos políticos norte- americanos, Superman..............................................................................................................45 Ilustração 13: Gwynplaine, com o sorriso permanente, interpretado pelo ator Conrad Veidt no filme The Man Who Laughs, de 1928. A primeira imagem do Coringa nos quadrinhos ........47 Ilustração 14: Robin é brutalmente assassinado por Coringa na história Batman – Morte em Família, de 1989 .......................................................................................................................48 Ilustração 15: Batman e Robin trocando socos com os bandidos no filme de 1966 ................50 Ilustração 16: Coringa e os mafiosos........................................................................................60 Ilustração 17: Coringa e Batman na prisão...............................................................................61 Ilustração 18: Bruce, Rachel e Harvey.....................................................................................63 Ilustração 19: Coringa visita Duas Caras no hospital...............................................................66 Ilustração 20: Coringa virando Gotham do avesso...................................................................67 Ilustração 21: Batman misturado com Coringa, o super-homem das Trevas...........................69
  9. 9. 8 SÚMARIO 1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................................10 1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA ............................................................................11 1.2 OBJETIVOS.......................................................................................................................11 1.2.1 Objetivo geral.................................................................................................................11 1.2.2 Objetivos específicos......................................................................................................12 1.3 JUSTIFICATIVA...............................................................................................................12 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO.......................................................................................13 2 REVISÃO DE LITERATURA .............................................................................................14 2.1 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.....................................................................................14 2.1.1 A Linguagem..................................................................................................................15 2.1.2 Era de Platina ................................................................................................................18 2.1.3 Era de Ouro....................................................................................................................21 2.1.4 Era de Prata ...................................................................................................................24 2.1.5 A Era de Bronze e Era Moderna..................................................................................28 2.2 SUPER-HERÓIS NO CINEMA ........................................................................................30 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ..........................................................................37 4 ANÁLISE DE DADOS........................................................................................................42 4.1 BATMAN NOS QUADRINHOS ......................................................................................42 4.2 CORINGA NOS QUADRINHOS .....................................................................................47 4.3 CINEMA E TV...................................................................................................................50 4.4 O BOBO DAS TREVAS E O CAVALEIRO DA CORTE ...............................................57 5 CONCLUSÃO......................................................................................................................70 REFERÊNCIAS .....................................................................................................................74 ANEXO A – Declaração de responsabilidade......................................................................79
  10. 10. 9 RESUMO Neste trabalho é realizado um estudo, por meio de pesquisas do tipo exploratória, bibliográfica, descritiva e documental, das características dos super-heróis e vilões dos quadrinhos ao longo do tempo, identificando as semelhanças mais expressivas, a influência do mundo real nas histórias e as conseqüências desta influência. A pesquisa descritiva com o método de observação das cenas do filme o Cavaleiro das Trevas auxiliam na questão principal do projeto que é traçar a distinção entre o Bem e o Mal, personificados como Batman e Coringa no filme. Esta distinção é elaborada através da utilização do método indutivo, que possibilita desenvolver uma reflexão e posicionar-se teoricamente sobre as diferenças e similaridades entre os dois personagens. Usando o filósofo Nietzsche como guia para as questões morais, este trabalho busca evidenciar a forma como estes opostos, Batman e Coringa, se atraem de uma maneira que, em essência, buscam o mesmo fim, impor a sua moral perante o outro. Palavras-chave: Quadrinhos. Super-heróis. Vilões.
  11. 11. 10 1 INTRODUÇÃO Toda pessoa já teve ou tem alguém em quem se espelha, alguém que transmite força, esperança ou alegria. Um herói. Um pai, uma mãe, um irmão ou o Batman. Sim, o Batman. Através dos quadrinhos, a batalha entre super-heróis e vilões ajudou a formar conceitos e valores na cultura do Homem. Os fracos e oprimidos, os mocinhos e mocinhas, diversos personagens que refletem a personalidade do ser humano, sendo ela de uma pessoa calma e alegre como o Superman ou de uma triste e sombria como o Batman. Como afirma Vergueiro (2005), em maio de 1939, a revista “Detective Comics #27” traz Batman na capa e começa escrever a história de um dos personagens mais ambíguos e carismáticos dos quadrinhos. Sem super poderes e com sede de justiça o homem-morcego reinventa o termo herói nos gibis. Em 1940, no gibi Batman #1, surge aquele que viria a ser seu maior inimigo, o Coringa. Um palhaço, um bobo da corte que comete crimes enquanto se diverte duelando com Batman. A indústria dos quadrinhos foi crescendo ao longo do tempo e seus personagens foram saindo das páginas para as televisões em seriados, desenhos, videogames e finalmente para o cinema, sempre retratando de forma bem distinta herói e vilão, o bem e o mal. Em diversas versões, Batman acabou recebendo um tom mais humorístico, tanto em seriados como em desenhos e também no cinema. Os diretores Tim Burton e Joel Schumacher deram suas versões hollywoodianas, sempre levando o filme na perspectiva do certo e errado, representada pelas personagens. Em 2005, recomeçando a franquia no cinema, é lançado o filme Batman Begins, com uma seriedade e um tom sombrio peculiar dos gibis antigos de Batman, como “Asilo Arkham” (1989) e “A Piada Mortal” (1988). Sem um grande vilão, o filme é mais concentrado na formação do alter-ego de Bruce Wayne. Três anos depois, chega às telonas a continuação, Batman – O Cavaleiro das Trevas. Se no primeiro filme percebe-se claramente um herói lutando contra vilões pelo bem da cidade de Gotham, neste filme é apresentada outra perspectiva. Batman também é um vilão, e Coringa é a sua maior ameaça. Seria o palhaço então, o herói?
  12. 12. 11 1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA Super-Homem e Lex Luthor, Homem-Aranha e Duende Verde, Homem de Ferro e Madarim, os quadrinhos sempre tiveram personagens que traçavam muito bem a linha entre o que é certo e o que é errado, quem é o mocinho e quem é o bandido. Através da descrição de tais valores na história nos gibis, pretende-se evidenciar como a questão da moral, retratada no filme, é ambígua em relação a toda história dos quadrinhos, levantando a possibilidade de um de seus maiores heróis na verdade ser um vilão. No filme “O Cavaleiro das Trevas”, as conversas e ações de Batman e Coringa se misturam de tal forma que a linha até então bem traçada, é borrada. Tem-se, então, a problemática deste trabalho, quem é o herói e quem é o vilão? 1.2 OBJETIVOS Neste tópico apresentam-se os objetivos (geral e específico) que auxiliaram na delimitação do estudo. 1.2.1 Objetivo geral Analisar a relação do perfil ideológico dos personagens Batman e Coringa no filme “O Cavaleiro das Trevas”, sob uma perspectiva de valores morais da personificação de bem e mal, do ponto de vista do filósofo Friedrich Nietzsche, demonstrando a ambigüidade entre os personagens.
  13. 13. 12 1.2.2 Objetivos específicos a) Elaborar um levantamento histórico das histórias em quadrinhos; b) Resgatar as principais adaptações das histórias em quadrinhos para o cinema; c) Identificar a trajetória de Batman e Coringa nos quadrinhos e no cinema; d) Teorizar sobre a diferença entre Batman e Coringa de acordo com os valores de bem e mal dos quadrinhos; e) Analisar semiologicamente o filme em relação aos conceitos de moral de Friedrich Nietzsche. 1.3 JUSTIFICATIVA O filme “O Cavaleiro das Trevas” é a 4ª maior bilheteria na história do cinema com mais de 1 bilhão de dólares arrecadados, e a 2ª maior bilheteria nos Estados Unidos com mais de U$ 500 milhões de dólares. Ganhou 65 prêmios, incluindo duas estatuetas no Oscar 2009, melhor ator coadjuvante para Heath Ledger (Coringa) e melhor edição de som. Concorreu ainda a mais seis estatuetas e outros cinqüenta e dois prêmios, como informa o site IMDb1 Para o mercado, o estudo colabora para evidenciar a importância da indústria dos quadrinhos para o cinema, que está lançando cada vez mais filmes de super-heróis. Sucesso . Aclamado por críticos e fãs, o filme agradou a todos de uma forma espantosa. Seria pelos efeitos especiais? Talvez pela saudade em ver na tela o então falecido ator Heath Ledger? Seria pela forte campanha de marketing, esta mesma já um case referência? Ou seria uma combinação de tudo isso e o mais simples: um grande filme? Baseado nos quadrinhos mais sombrios de Batman, o diretor Christopher Nolan foi além de fazer um filme de ação de herói, ele trouxe para o público um conto em que se discute a essência do ser humano, a sua moral. O que leva cada pessoa ao seu limite, e por qual razão ela tem determinado limite. Usando elementos da psicanálise, filosofia, mitos e mais referências dos quadrinhos, o filme apresenta através de um Homem-Mocego e um Palhaço bandido, uma discussão sobre como é definida a questão do certo e o errado para o Homem. 1 O site IMDb (The Internet Movie Data Base – www.imdb.com), é referência para pesquisas de informações sobre cinema, sendo um banco de dados respeitado no meio do entretenimento.
  14. 14. 13 no cinema, DVD, brinquedos, jogos, e diversos outros produtos acabam sendo derivados de um processo que cresce potencialmente. Para a academia, é relevante para enriquecer a bibliografia sobre o tema, já que ainda foi pouco explorado e gera subsídios para outros estudos ligados a quadrinhos, cinema e mitos. Para o acadêmico, o assunto tem grande valor, pois usa ícones importantes da cultura de quadrinhos e cinema, ou seja, da ficção, para discutir sobre o valor de moral constituído pela os homens, na vida real, gerando um aprofundamento mesclado dos conceitos de herói e vilão, e bem e mal, nos quadrinhos. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho é divido em cinco capítulos, mais referências. No primeiro capítulo tem-se a introdução, abordando a temática principal, os objetivos, divididos em objetivo geral e específico, a justificativa e a estrutura do trabalho. No segundo capítulo, é feita a revisão de literatura, com pontuações e relatos de diferentes autores sobre a linguagem e os principais momentos ao longo do tempo nas histórias em quadrinhos, as adaptações cinematográficas dos super-heróis dos quadrinhos e os valores de bem e mal e herói e vilão na filosofia e nas próprias páginas de gibis. No terceiro capítulo são evidenciados os procedimentos metodológicos usados para a realização deste trabalho. No quarto capítulo se tem a análise do problema, através dos métodos de pesquisa, relacionando os dois personagens principais do filme, com as histórias em quadrinhos, adaptações para o cinema e filosofia. No quinto capítulo é apresentada a conclusão do estudo, onde se pontuam as respostas para o problema estabelecido e os objetivos alcançados, e as referências usadas para que este trabalho tenha sido concluído.
  15. 15. 14 2 REVISÃO DE LITERATURA As histórias em quadrinhos influenciam gerações desde o seu começo. Criando esperança, medo e outros sentimentos que fazem parte da cultura de crianças e adultos no mundo todo. Para fazer a análise do filme O Cavaleiro das Trevas, é necessário resgatar a trajetória das histórias em quadrinhos, evidenciando suas características de criação, produção e linguagem para depois discutir suas adaptações para o cinema e enfim chegar ao tema principal que é a distinção de Batman e Coringa no filme. 2.1 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS Não existem limites para as histórias em quadrinhos. Idades, classes sócio- econômicas, sexo, o que seja, ela atinge a todos. Através de heróis, vilões, ajudantes, namoradas e mordomos, elas ajudaram a criar estereótipos, discutem até hoje diversos arquétipos e influenciam o homem na publicidade, arte, televisão e cinema. A polêmica é estabelecida quando vem a famosa frase “é coisa de criança”. “As histórias em quadrinhos (HQs)2 2 Será usada a sigla HQs para se referir ao termo História em Quadrinhos. são vistas como um produto menor, uma “irmã pobre” das outras manifestações artístico-culturais produzidas pelo ser humano”. (MOREAU, 2007, p. 8). O que é inegável é a presença da cultura destas histórias na própria história do Homem. “Tal a dimensão desse sincretismo que não se sabe onde termina a influência externa absorvida pelas HQs e onde começa a sua inserção nos outros meios”. (DANTAS, 2006 apud SOUZA, 2007, p. 18). Para entender o mundo das histórias em quadrinhos, é importante entender primeiro como é feita a comunicação entre cada detalhe impresso nas páginas e o leitor. Como é usada a linguagem.
  16. 16. 15 2.1.1 A Linguagem Textos, planos de cena, traços, desenhos e cores, todos são elementos da linguagem. Ela é algo inerente ao ser humano e em sua forma oral e iconográfica, aparece por volta dos dois anos de idade, como uma das manifestações de “função simbólica”, ou seja, a capacidade da criança de viver situações ausentes, utilizando-se de símbolos ou signos, através da imagem mental ou da palavra (SEBER, 1991). Para Eco (1991, p. 18) o signo é um gesto emitido com a intenção de comunicar, ou seja, para transferir uma representação própria ou um estado interno para um outro ser. Naturalmente, presume se que, para que a transferência tenha êxito, uma determinada regra (um código) habilite tanto o emissor quanto o receptor para entender a manifestação do mesmo modo. De acordo com O’Neil e Adams (2005), os quadrinhos são mais que palavras e imagens numa mesma página. São elementos separados e diferentes, mas que conseguem e devem trabalhar juntos, a fim de transmitir informações. Para Cagnin (1975, p. 29-30), a relação dos sistemas de linguagem oral e visual com os signos nas HQ é diferente, “o código escrito é um sistema de signos discretos ou digitais, isto é, composto unidades autônomas e contáveis (nos dedos), que se manifestam separadamente nos diversos níveis de significação”. Enquanto com as imagens, o composto narrativo tem uma linha contínua, que tem semelhança com o objeto representado, passando a impressão do real. a leitura em busca do significado não é unidirecional, em linha, como na escrita, ou em momentos sucessivos, como na fala, é contínua; a sua significação vem do todo, é próxima do modo de ver e entender as coisas reais, e forma, portanto, um inventário aberto, como o dos signos lingüísticos, com exceção dos abstratos [...]. (CAGNIN, 1975, p. 30). Assim, é evidenciado por Cagnin (1975), a maneira em que leitura da escrita e a leitura da imagem se complementam. O poder da escrita consiste em demonstrar e explicitar conceitos universais, enquanto o elemento icônico nos remete a representação artificial da realidade de determinado objeto físico, com indicações de movimento, enquanto a imagem mantém a semelhança na aparência do real com cada particularidade e especificidade. Eisner (2005) afirma que todas as histórias possuem uma estrutura, não importando o meio: texto, filme ou quadrinhos, pois os elementos de uma narrativa são iguais,
  17. 17. 16 independentemente de como ele é contada. O que transforma esta estrutura de narração em história em quadrinhos é o relacionamento do roteirista e desenhista, buscando uma linguagem simples e unificada com um vocabulário similar, como exemplifica McCloud (2005, p. 48): o desenhista e o roteirista começam de mãos dadas, com um objetivo em comum: Fazer quadrinhos de “qualidade”. O desenhista sabe que, para isso, vai ter que fazer mais do que cartuns grosseiros. Ele parte em busca de uma arte de qualidade. A roteirista sabe que não pode ficar só no Uff! Tum! Blam! Ela parte em busca de algo mais profundo. Em museus e em bibliotecas o desenhista encontra o que busca. Ele estuda os grandes mestres da arte ocidental, praticando noite e dia. Ela também encontra o que procura nos grandes mestres da literatura ocidental. Ela lê e escreve muito, buscando uma voz unicamente sua. Finalmente, os dois estão prontos. As pinceladas dele são perfeitas, suas figuras...Puro Michelangelo as descrições dela são impressionantes. Suas palavras fluem como um soneto Shakespeareano. Ambos estão prontos para dar as mãos de novo e criar uma obra-prima. De uma forma geral, as imagens são representadas de forma simplista, para facilitar a linguagem, e serem reconhecidas pelo leitor, remetendo a situações comuns e a realidade. “Como a experiência precede a análise, o processo digestivo intelectual é acelerado pela imagem fornecida pelos quadrinhos”. (EISNER, 2005, p. 19). Eco (1970) relata que uma imagem que nos remete a um estereótipo3 3 “Imagem preconcebida de alguém ou algo, baseada num modelo ou numa generalização”. HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. 2º Ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. , independente do ambiente, utiliza elementos gráficos que respeitam o próprio gênero, sua origem. Há os que utilizem figuras de linguagem, como as metáforas e as relações de semelhança, para evidenciar a idéia, compondo assim uma trama de convenções, formando um repertório simbólico complexo. Além disto, os estereótipos auxiliam com o dinamismo e a fluência na comunicação entre personagens-leitores nas HQ, uma vez que diferentemente dos filmes, nesta comunicação há falta de tempo e/ou espaço para apresentar e desenvolver os personagens. Ainda sobre o estereotipo de personagens, Eisner (2005, p. 22) explicita: “a imagem ou caricatura tem de defini-lo instantaneamente”. Assim, levando em consideração suas experiências pessoais, o leitor consegue interpretar de maneira rápida informações e características que não estão evidentes no texto, tais como personalidade, humor, idade, entre outras, como ele exemplifica na ilustração 1.
  18. 18. 17 a arte dos quadrinhos lida com reproduções facilmente reconhecíveis da conduta humana. Seus desenhos são o reflexo no espelho, e dependem de experiências armazenadas na memória do leitor para que ele consiga visualizar ou processar rapidamente uma idéia. Isso torna necessária a simplificação de imagens transformando-as em símbolos que se repetem. Logo, estereótipos. Nos quadrinhos, os estereótipos são desenhados a partir de características físicas comumente aceitas e associadas a uma ocupação. Eles se tornam ícones e são usados como parte da linguagem na narrativa gráfica. (EISNER, 2005, p. 21). Ilustração 1: Estereótipos dos quadrinhos Fonte: Eisner (2005, p. 22). Eisner (2005, p. 20) conclui sobre a capacidade de dinamismo e influência que uma imagem pode ter nas páginas das histórias em quadrinhos: “imagens estáticas têm limitações. Elas não exprimem abstrações ou pensamentos complexos facilmente. Mas as imagens definem em termos absolutos. Elas são específicas”. Parafraseando, Janson (2005) descreve as linhas dando forma e volume à face, iluminação para reforçar os ângulos e planos da face para criar profundidade, volume e peso, são algumas das dicas visuais que o autor cria para dar alguma idéia da personalidade de seu personagem. Tais fatores serão observados nas ilustrações 2 e 3. em faroestes dos anos 40 e 50, uma pista visual consistente era a cor dos chapéus que os personagens usavam: o chapéu preto era do malvado, o chapéu branco do mocinho. O cara mau tinha a barba por fazer; o herói tinha um visual limpo e puro. O público era capaz de determinar de imediato quem estava de que lado pela maneira como os personagens se vestiam e como pareciam”. (JANSON, 2005, p. 24).
  19. 19. 18 Ilustração 2: Estereótipos dos quadrinhos Fonte: Janson (2005, p. 24). Ilustração 3: Linhas e iluminação: estereótipos dos quadrinhos Fonte: Janson (2005, p. 22). Estereótipos e linguagem à parte, toda história tem um começo, e nos quadrinhos, é um menino com uma camisola amarela que dá início a primeira de muitas eras. 2.1.2 Era de Platina A história dos quadrinhos teve quatro grandes fases relacionadas a mudanças, vendas, e história dos super-heróis. A era de Platina, de Ouro, de Prata e de Bronze. A história das revistas em quadrinhos nos Estados Unidos da América começou em 14 de setembro de 1842, com a publicação do suplemento The Adventures of Mr. Obadiah Oldbuck, escrito e desenhado por Rodolphe Töpffer. Tratava-se de uma republicação de tiras feitas para jornais, contendo um total de 40 páginas por história. Töpffer é considerado por muitos historiadores americanos como o pai dos quadrinhos atuais, já que suas quadrinizações possuíam seqüências narrativas e textos nas bordas dos painéis. O próprio autor costumava se referir aos seus quadrinhos como picture story - que poderia ser traduzido como ‘’histórias em retratos’’. (GUEDES 2004, p. 10).
  20. 20. 19 A Era de Platina é o começo das histórias em quadrinhos e ainda não se tem super- heróis, apenas heróis. Segundo Patati e Braga (2006), o primeiro personagem foi Yellow Kid, de Richard Fenton Outcault. Um menino de roupão amarelo junto com seus amigos participava de aventuras em um Estados Unidos que ainda estava sendo formado por diferentes culturas e raças. Os personagens moravam no mesmo bairro, uma espécie de favela americana, onde com um tom cômico, gostavam de aprontar. A ilustração a seguir, apresenta um exemplo dos quadrinhos do personagem Yellow Kid: Ilustração 4: Yellow Kid de Richard F. Outcault Fonte: New York Journal (apud MOREAU, 2007, p 13). A comédia foi o caminho encontrado para o sucesso de jornais da época como The New York World e New York Journal, que buscavam o aumento das vendas, criando mais personagens como Little Nemo in Slumberland, Le Pieds Nickelés e The Katzenjammer Kids, e produtos relacionados: na esteira do sucesso do Yellow Kid, que foi publicado em diversos outros jornais, virou pôsteres e brinquedos, começaram a surgir vários personagens. Em comum, um olhar crítico e bem-humorado do cotidiano da vida americana. Herdeiros diretos das charges políticas, esses primeiros personagens captavam a atenção dos leitores através da identificação direta. (MOREAU, 2007, p. 15).
  21. 21. 20 Moreau (2007) evidencia que com o tempo o gênero comédia saiu da exclusividade e os fatores externos começam a influenciar os quadrinhos. O desemprego, a depressão e a queda das Bolsas de Nova Iorque, desanimavam os leitores. As piadas que então eram engraçadas começaram a se tornar repetitivas e cansativas, levando as pessoas a procurarem por algo diferente, e não tiras que criticavam o cotidiano de um trabalhador que já não tinha dinheiro para pagar as contas no final do mês. Buscava-se mais. Nesse contexto chegam às aventuras e os heróis para os quadrinhos. Moreau (2007) ressalta ainda, que os temas: espaço sideral, viagem no tempo e perseguições, começaram a dominar a atenção dos leitores, que viam nestas novas aventuras, uma saída para aquele cotidiano sofrido, sem perspectiva de mudanças. Príncipe Valente, Buck Rogers e Tubinho foram alguns dos heróis mais famosos da época, que teve ainda um detetive conhecido até hoje, Dick Tracy. A história do policial trazia exatamente o que o público queria, justiça. Bandidos, policiais corruptos, qualquer um que desafiasse a lei era preso. O interessante é como o tom infantil e adulto é mesclado nas histórias de Tracy, nada de pistas, charadas ou brilhantes deduções sherlockianas. Contra vilões sem moral ou limite, apenas socos e balas resolviam. Tudo o que o público ansiava era um policial correto, incorruptível e que não descansava até prender os criminosos. Vale destacar o traço do autor, algo quase infantil, contrastando com o tema pesado e brutal das tramas. Brutal mesmo, afinal mais de uma vez vilões foram mortos em tiroteios violentos. (MOREAU, 2007, p. 22). A ilustração 5 mostra o personagem Dick Tracy, do criador Chester Gould, usando um de seus equipamentos eletrônicos, que faziam sucesso na época, como cita Moreau (2007, p. 22): “Gould também brindou seus leitores com inovações tecnológicas que fizeram história, como o rádio-relógio de Tracy, o avô dos celulares”.
  22. 22. 21 Ilustração 5: Selo comemorativo, lançado em 1995 nos EUA, com Dick Tracy de Chester Gould Fonte: Moreau (2007, p. 23). Conforme exposto, as aventuras e seus heróis mudando o estilo dos quadrinhos, as tiras foram evoluindo e migrando dos jornais para suas próprias edições, sendo bem recebidas pelos leitores. Com isto, a Era de Platina vai dando espaço para uma nova e super fase, a Era de Ouro. 2.1.3 Era de Ouro A era do surgimento dos super-heróis vai aproximadamente de 1938 até 1955, tendo como marco inicial, a aparição de Superman na capa da revista Action Comics # 1, levantando um carro sobre a cabeça. Um ser com superpoderes, um uniforme com cores em homenagem a bandeira dos Estados Unidos e que lutava pela verdade, justiça e o american way4 Superman, em suas primeiras edições, deu uma dura em um senhorio que explorava seus inquilinos, balançando o pobre homem sobre os telhados da cidade. Esse tipo de situação - ficar devendo dinheiro - era, sem dúvida, algo comum na vida dos . Tudo o que as pessoas precisavam. O azulão virou o símbolo do correto, do que seria o bem, e fazia exatamente o que seus leitores desejavam como afirma Moreau (2007, p. 31), 4 A tradução literal de american way é jeito americano, que é uma referência ao estilo de vida patriótico e familiar norte-americano.
  23. 23. 22 leitores, vendo seus pais diariamente enfrentando a recessão econômica que atingia os EUA. Com o sucesso de Superman, as editoras começaram a criar mais super-heróis, é então que nascem: Tocha Humana, Sandman, Capitão Marvel, Spirit, Capitão América e mais. Na Era de Ouro, personagens mais patrióticos como Capitão América e o próprio Superman, lutaram inclusive contra o os inimigos dos Estados Unidos fora dos quadrinhos. Durante a Segunda Guerra Mundial, o então presidente dos Estados Unidos, Franklin Roosevelt, reuniu-se com os criadores de quadrinhos para que eles mostrassem os super- heróis, lutando contra os nazistas. O resultado foi que Superman e Capitão América lutaram, com direito a uma capa de revista com Hitler levando um soco do Capitão América, como evidencia a ilustração 6. As revistas do Capitão América serviram de motivação e apoio, sendo distribuídas para os soldados americanos (GUEDES 2004). Os quadrinhos começam a quebrar a barreira da ficção, trazendo a guerra ao mundo dos super-heróis e levando as pessoas a guerra. Nas páginas, nazistas e seus aliados travavam combates épicos com os personagens, motivando os fãs, que aos milhares, compravam as revistas e “[...] pouco depois se alistariam e combateriam na guerra mundial. Um público a quem o Capitão faria companhia nas trincheiras”. (PATATI, BRAGA, 2006, p. 81). Ilustração 6: Capitão América dando um soco em Hitler Fonte: Moreau (2007, p. 47)
  24. 24. 23 Neste contexto, apesar da existência de vários personagens, um que ganhou destaque tanto quanto Superman, e foi tão importante quanto para a formação de ícone do termo super- herói, foi Batman. Ele não voava, não tinha super força ou era mais rápido que uma bala. Ele era humano, um super-herói humano. A pedido do desenhista Bob Kane, o escritor Bill Finger cria um personagem com uma das histórias mais densas dos quadrinhos. Para explorar o sucesso excepcional de Superman, Whitney Ellsworth, supervisor das publicações da DC, recorre a Bob Kane, um de seus desenhistas mais engenhosos, e lhe pede que crie um novo personagem. Por sua vez, Kane vai buscar orientação com seu amigo Bill Finger, autor de talento, com quem já criara Rusty and His Pals e Clip Carson para a Adventure Comics. A idéia básica de Bob Kane é vaga: um herói vestido de vermelho, com duas abas rígidas nas costas e um pequeno capuz como máscara. Dessa idéia inicial, Bill Finger manterá somente o nome inventado por Kane: Batman. (D.H. Martin, 1987 apud MOREAU, 2007, p. 35). Quando criança, Bruce Wayne vê seus pais serem assassinados por um criminoso. Com sede de justiça e guiado pela determinação, Bruce torna-se um ser quase que sobre- humano, mas que no fim das contas é “apenas” um homem muito inteligente e um super lutador, como explica Guedes (2004). E através de Finger, começa a história de um personagem, que junto com Superman, acaba servindo como modelo para os outros, como afirmam Patati e Braga (2006, p. 68), “entre esses dois extremos típicos, dotados de forte valor icônico, nasceu a fisionomia de toda a geração inicial de super-heróis”. Moreau (2007, p.38) lembra que apesar de características semelhantes com habilidades especiais, origem traumática e identidades secretas, os dois personagens tinham personalidades e particularidades diferentes. “Em essência Batman era um super-herói como Super-Homem, mas diferia em motivação e modus operandi. Se Super-Homem representava a luz, Batman era as trevas”. (GUEDES, 2004, p. 20). Onde tem herói tem vilão. Em 1940 na revista Batman #1, é apresentado um dos personagens mais conhecidos das histórias em quadrinhos, o Coringa. Rodrigo Monteiro do site Omelete, especializado em quadrinhos, conta como ao longo do tempo Batman e Coringa travam uma batalha incessante. Denominando-se O Príncipe Palhaço do Crime, ele começou a cometer uma série de crimes cruéis, em que qualquer lógica deixava de existir. Ao longo dos anos, Batman sempre conseguiu frustrar seus planos, iniciando um ciclo vicioso que é típico da maioria dos vilões dos quadrinhos: o Coringa cometia um crime, Batman o prendia no Asilo Arkham, ele fugia para aprontar mais uma e ser preso novamente. Isso desenvolveu um grande laço de ódio entre o herói e o criminoso. (MONTEIRO, 2005).
  25. 25. 24 A ilustração 7 apresenta umas das primeiras aparições de Batman nos quadrinhos, com sua capa com forma de asa de morcego, o desenho traz traços pontiagudos e cores chamativas. Ilustração7: Surge o Cavaleiro das Trevas: Batman de Bob Kane Fonte: Edição Fac Símile Editora Abril (apud MOREAU, 2007 p. 36). Com o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, os super-heróis vão perdendo espaço. Como explica Moreau (2007), com a manobra do Presidente Roosevelt e dos criadores das histórias em quadrinhos, os personagens acabaram ficando muito ligados a briga com espiões e nazistas. Levando as vendas do personagem mais famoso na época, Capitão Marvel, caírem pela metade. Assim a Era de Ouro é encerrada dando lugar a uma época onde a ficção científica, humor e principalmente o terror eram os temas dominantes das histórias. 2.1.4 Era de Prata Para tentar atrair os leitores que andavam desanimados com os super-heróis, as editoras tentavam achar um novo caminho. Enredos mais infantis, histórias de policias e
  26. 26. 25 faroeste, bichos falantes e até quadrinhos para o público feminino, conforme Guedes (2004). Mas a grande sucesso desta era, viria de uma tragédia. Um dos responsáveis pelo sucesso dos super-heróis da editora National e dono da editora Educational Comics - EC, Max Gaines, morre afogado ao tentar socorrer uma criança em 1947. Então Willian Gaines, de 25 anos, herda a empresa do pai, mas como cita Guedes (2004, p. 42) ele “[...] não tinha muito tato para lidar com aqueles tipos de publicações”, ele contrata o desenhista e editor Al Feldstein para juntos criarem um dos marcos da Era de Prata, as revistas de terror. Gibis como Tales From the Crypt, The Haunt of Fear, foram ganhando os leitores. Com o sucesso, diversas editoras começaram a apostar no gênero até o momento que o terror ficou proibido. Patati e Braga (2006) contam que concorrentes da EC, apoiados por um grupo conservador, começam uma cruzada, procurando censurar as histórias e afirmando que elas eram ofensivas e degradantes. O autor ironiza e questiona a razão da perseguição “Terá sido porque não só Gaines não tinha medo de mostrar sangue e sugerir sexo? Ou também porque seus monstros incluíam a Klu Klux Klan e a Máfia? Seus quadrinhos policiais rotineiramente denunciavam a corrupção da polícia”. (PATATI; BRAGA, 2006, p. 97). As editoras começaram a demitir desenhistas, infantilizar suas tramas e sofreram repressão de uma sociedade que tinha figuras como psiquiatra Frederic Wertham, que chegou a propor situações de homossexualismo nos quadrinhos, como discute Moya (1970) sobre uma passagem do livro Seduction of the Innocent de Wertham: o psiquiatra, ignorando as cifras oficiais a respeito do homossexualismo no Exército americano, corajosamente preocupa-se com as relações entre Batman e Robin. ‘Constantemente eles se salvam um ao outro de ataques violentos de um número sem fim de inimigos. Transmite-se a sensação de que nós, homens, devemos nos manter juntos porque há muitas criaturas malvadas que têm que ser exterminadas[...] Às vezes, Batman acaba numa cama, ferido, e mostra-se o jovem Robin sentado ao seu lado. Em casa, levam uma vida idílica. São Bruce Wayne e Dick Grayson. Bruce é descrito como um grã-fino e o relacionamento oficial é que Dick é pupilo de Bruce. Vivem em aposentos suntuosos com lindas flores em grandes vasos[...] Batman é, às vezes, mostrado num robe de chambre[...] é como um sonho de dois homossexuais vivendo juntos.’ Neste parágrafo não se sabe quem é mais doentio a respeito do robe de chambre, Bob Kane ou o Dr. Frederic Wertham. Portanto, o maior perigo já enfrentado por Batman e Robin está representado num robe de chambre e num vaso de flores. Esses e outros símbolos sexuais ficaram no subconsciente dos jovens que se pederastizaram nas fileiras das forças armadas norte-americanas. (MOYA, 1970, p. 72-73). Guedes (2004) explica que mesmo com a censura, Superman e Batman ainda faziam sucesso, principalmente depois que os editores juntam os dois personagens na mesma aventura em julho de 1952, na revista Superman 76#, onde um descobre a identidade do
  27. 27. 26 outro. O Homem-Morcego e Robin ajudando o último filho de Krypton, novos personagens como Jimmy Olsen e com histórias mais leves, os heróis começam a traçar seu caminho para uma nova era. Moreau (2007) discorre que se na Era de Ouro as histórias dos heróis eram baseadas no místico e mitológico, no final da década de 50 com a influência da Guerra Fria, era a ciência que respondia diversas questões nos quadrinhos. O Flash corria tão rápido que atravessava sólidos, vibrando entre a matéria e inclusive caindo em uma realidade paralela, onde existia outro Flash, o famoso Multiverso. Depois criaram mais realidades onde até os heróis eram vilões, algo que animava os fãs que se empolgavam com toda esta realidade paralela. O fato mais marcante da Era de Prata é o surgimento de uma das editoras mais importantes da história dos quadrinhos, a Marvel. Patati e Braga (2006) relatam que a editora Marvel buscava um caminho diferente na época e guiada por Stan Lee e Jack Kirby ela foge de personagens ligados a acidentes nucleares, resolve fazer algo no estilo da Liga da Justiça, a liga de heróis da editora concorrente National. Stan Lee então cria novos personagens que não formam uma liga e sim uma família, nasce o Quarteto Fantástico. Relatando a história dos personagens, Moreau (2007) explica que o cientista Reed Richards embarca numa missão espacial com sua noiva, Sue Storm, o irmão caçula dela, Johnny Storm e o melhor amigo de Reed, o piloto Ben Grimm. No espaço sua nave é atingida por uma tempestade de raios cósmicos e quando voltam a terra, descobrem que os raios deram a eles super poderes. Uma mudança significativa nas características dos heróis começa no Quarteto Fantástico através do personagem de Ben Grimm, que depois dos raios vira o herói O Coisa. Ele era o único que não gostava de ter poderes, ele não se via como um herói e sim como um monstro. Guedes (2004) esclarece que depois de criar a primeira “família” da Marvel, Stan Lee apresenta mais um herói que vem para se tornar um dos mais adorados e que irá servir de padrão para uma série de outros heróis, o Homem-Aranha. O aracnídeo é um herói inovador no mundo dos quadrinhos, um garoto órfão que mora com os tios, com estilo nerd e desajeitado que acaba sendo picado por uma aranha radioativa e adquire super poderes da noite pro dia. Indo na contramão de todos, esse era exatamente o personagem que Stan Lee queria como afirma o autor: de acordo com Goodman o personagem tinha tudo para dar errado: não era rico, era cheio de complexos e falhas de caráter e nem ao menos era bonito, fisicamente. Bem, tais tópicos eram o que servia de argumento para Stan Lee. A escolha do desenhista Steve Ditko foi também de uma inspiração quase divina por parte de Lee,
  28. 28. 27 já que, com seu traço simples, porém marcante, Ditko conseguiu transmitir a carga necessária de mistério e esquisitice ao herói. (GUEDES, 2004, p. 64). Nada de um personagem destemido, o Homem-Aranha era conhecido como o “amigo da vizinhança”, e assim foi ganhando a atenção da garotada que via no alter-ego, Peter Parker, uma forte semelhança com o real. Mas como afirma Moreau (2007), nem sempre o herói, era visto como um herói. só que a vida de Parker realmente não é fácil. Enquanto os outros super-heróis são admirados e festejados, o Homem-Aranha é visto como uma ameaça. O editor do maior jornal de Nova York - Clarim Diário, J.J. Jameson, odeia o escalador de paredes. E faz de tudo para voltar a opinião pública contra o herói. (MOREAU, 2007, p. 69). Na ilustração 8, a capa da revista ratifica como a trama do aracnídeo era diferente, sendo que ele não era adorado pelas pessoas. Ele é chamado de aberração e ameaça pública pelas pessoas, algo um tanto quanto incomum para um super-herói. Ilustração 8: O Homem-Aranha Fonte: Moreau (2007, p. 68). Segundo Moreau (2007), o sucesso dos super-heróis traz novos personagens como Homem de Ferro, Thor O Deus do Trovão, Nick Fury, X-Men, Hulk, Homem Formiga, e o grupo que era a verdadeira resposta a Liga da Justiça da National, Os Vingadores. O grupo era formado por Hulk, Homem de Ferro, Thor, Homem-Formiga e sua esposa Vespa.
  29. 29. 28 Guedes (2004) afirma que na década de 60 a Marvel não para de fazer sucesso, suas revistas vendem bem, os heróis ganham desenhos na televisão e novas revistas são lançadas, como a do personagem preferido de Stan Lee, O Surfista Prateado. A época era farta de edições com cada herói tendo a sua própria revista e com histórias de heróis se encontrando e lutando juntos, até que no final dos anos 60, os quadrinhos vão ganhando aventuras com teor mais adulto, perdendo a censura e decretando o fim da Era de Prata. 2.1.5 A Era de Bronze e Era Moderna Duas épocas dos quadrinhos de características muito similares, em que as histórias dos super-heróis, traziam temas mais fortes como morte, drogas e violência. Moreau (2007) cita que a era de bronze é marcada pela morte da namorada do Homem-Aranha, Gwen Stacy, que é assassinada pelo Duende Verde, desencadeando uma revolução nos quadrinhos e no período de transição da Era de Bronze para Moderna, década de 80, o conservadorismo começa a sair de cena para que pessoas como Alan Moore e Frank Miller criem algumas das obras mais importantes de todas as eras. O escritor britânico Alan Moore junto com o desenhista Dave Gibbons lança em 1986, Watchmen. Uma história repleta de polêmica, envolvendo filosofia, política e questionando a moral dos super-heróis, que na HQ, são pessoas comuns que vivem normalmente entre a sociedade fundamenta Irwin (2005). Assis (2006) lembra que Watchmen é considerada uma das melhores histórias em quadrinhos já lançadas, sendo a única do gênero que consta na lista dos 100 melhores romances dos últimos 80 anos, elaborada por críticos da conceituada revista americana Time. Frank Miller, que já era conhecido pelo seu trabalho com O Demolidor, não traz novos personagens, mas usa os dois maiores ícones dos quadrinhos para criar O Cavaleiro das Trevas. Um Batman de quase 60 anos e aposentado resolve voltar à ativa. Com medo do que o Homem-Morcego possa fazer, o presidente americano resolve chamar alguém para colocar limites no Morcegão, o seu velho amigo, Superman. Com um posicionamento inovador, Miller coloca frente a frente os dois heróis, cada um representando a sua essência, o vigilante com sede de justiça e o protetor do american way (IRWIN, 2005).
  30. 30. 29 Isso deixa clara a diferença crucial que existe entre os dois personagens: Superman um “escoteiro”, Batman um “vigilante”. O clímax da trama acontece com uma luta de vida e morte entre os heróis, com Batman dando uma surra no homem de aço. O tom sombrio, a discussão política e a realidade que impregnam a história mudaram os HQ. (MOREAU, 2007, p. 88). A partir daí a porteira ficou aberta e o mundo dos quadrinhos foi sendo renovado por outro direcionamento e público. Selos como Vertigo, Dark Horse e Image, focavam nos fãs de quadrinhos que queriam histórias mais adultas, e assim davam mais liberdade aos seus escritores e desenhistas para criarem (SOUZA, 2007). O Monstro do Pântano, V de Vingança, From Hell e muitas outras obras abriram um novo caminho que dura até os dias de hoje. A história em quadrinhos nunca apaga o que já foi percorrido, mas recria e inova a partir da realidade apresentada no mundo atual, seja recessão, guerra mundial, guerra fria, ditadura ou até de uma esperança de democracia (MOREAU, 2007). A ilustração 9, com então presidente eleito dos Estados Unidos Barack Obama , na capa da revista do Homem-Aranha, representa a interação dos quadrinhos com a realidade. Ilustração 9: O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama na capa da revista The Amazing Spiderman #583 Fonte: Forlani (2009). Os super-heróis eram o principal produto dos quadrinhos, fazendo sucesso nas páginas, nas lojas de fantasias e brinquedos, qual seria próximo passo?
  31. 31. 30 2.2 SUPER-HERÓIS NO CINEMA O sonho de qualquer fã de quadrinhos era ver seu super-herói preferido em carne e osso, o mais perto que chegaram até hoje foram assistindo às adaptações para telona. Atores e atrizes representando os ideais, vestindo o uniforme e usando falas tradicionais dos gibis. Aguiar (2002a) descreve os anos 40 como uma década em que as pessoas lotavam as sessões matinês de cinema para ver aventuras baseadas nas histórias em quadrinhos. O autor ratifica a importância das adaptações na época: nos anos 40, as matinês de cinema viviam seu auge. Numa época em que ainda não havia a televisão, toneladas de séries de aventura invadiam as telas oferecendo ao público o escapismo necessário numa sala de projeção perto de sua casa. Legiões de fãs iam religiosamente assistir toda semana às peripécias de seus heróis e descobrir como eles se safariam da enrascada em que se meteram no final do episódio anterior. Os quadrinhos serviram de fonte de inspiração para muitos desses seriados. Tarzan, Flash Gordon, Super-Homem, Fantasma, Buck Rogers, Capitão América, Mandrake, Capitão Marvel, entre tantos outros cativaram o público; cada um à sua maneira, com suas virtudes e defeitos em particular. (AGUIAR, 2002a). Segundo Morelli (2009), Superman teve suas primeiras adaptações para o cinema em 1948 com uma série de curtas-metragens exibidos antes do filme principal. Apenas alguns anos depois, em 1951, é lançado o seu primeiro filme de sucesso, com o ator George Reeves no papel principal: “Superman e Os Homens Toupeiras foi o primeiro longa-metragem do famoso herói”. (MORELLI, 2009, p. 105). O autor salienta ainda que George Reeves repetiu o papel na TV, para um seriado. Morelli (2009) relata ainda que as décadas de 50, 60 e 70, foram recheadas de adaptações de super-heróis para a telona. Príncipe Valente de 1954 era inspirado numa das famosas HQ’s, mas como ressalta o autor, não fez tanto sucesso. Barbarella (1968), Diabolik (1968), Besouro Verde (1974), Doc Savage (1975), Capitão América (1974) e muitos outros completam a lista. O problema é que nem toda adaptação respeitou as características primordiais dos personagens, exagerando em certos pontos ou até fugindo totalmente da história original dos quadrinhos. A questão é sempre o jogo de interesses entre estúdio, diretor, atores, o criador do personagem e editora. A opinião dos editores, criadores e desenhistas não tinha importância diante do investimento dos estúdios, assim os personagens eram modelados a gosto do que era visto como lucrativo na época.
  32. 32. 31 Aguiar (2003) lembra que na década de 60, o seriado Batman, que era um sucesso nos Estados Unidos, largou o tom sombrio do personagem nos quadrinhos e usou a comédia como fator chave para alavancar a audiência do programa. Morelli (2009) comenta o filme Batman, O Homem-Morcego, baseado na série de TV: todos os elementos que fizeram a fama do seriado estão presentes em Homem-Morcego: as lutas com onomatopéias, os vilões impagáveis e o humor nonsense – numa cena, Batman sai correndo com uma bomba de pavio aceso, no melhor estilo desenho animado. A produção também caprichou nos bat-acessórios como a bat-lancha, o bat-cóptero e a bat-moto, que depois foram usados no seriado. (MORELLI, 2009, p. 14). Em 1978, é lançado Superman – O Filme, com Christopher Reeve no papel do super- herói. Com direção de Richard Donner, a obra contava ainda com Marlon Brando no papel do pai de Kal-El e Gene Hackman como o vilão Lex Luthor. O filme foi um marco nas adaptações dos quadrinhos para o cinema, sendo elogiado por fãs e críticos em conseqüência da fidelidade às HQs comenta Medeiros (2006) no site Omelete5 5 O site Omelete será usado como referência neste trabalho por ter um grande acervo de informações sobre o tema, que tem pouca bibliografia a respeito. Lembrando ainda que os profissionais do site, são respeitados e usados como referência no meio, principalmente sobre quadrinhos e cinema. : A trama do filme seguiu a origem conhecida das histórias em quadrinhos, com desdobramentos inteligentes. Contribuiu para a isso o fato de Elliot S. Maggin, o roteirista do herói de maior importância desde o início dos anos 1970, ter atuado como consultor criativo, dando verdadeiras aulas sobre o significado mítico do Super-Homem. (MEDEIROS, 2006) Dois anos depois chega a continuação, Superman II, e como afirma Medeiros (2006), o filme foi finalizado por Richard Lester, isto porque Richard Donner começou a filmar, mas depois de opiniões divergentes com o estúdio abandona o projeto. Lester usaria ainda alguma coisa das filmagens de Donner e construiria o filme dali em diante. Os vilões do filme são alienígenas do mesmo planeta que Superman, mas parecem fisicamente e pelo sotaque que vieram da União Soviética. Os personagens General Zod, Ursa e Non sofrem influência do mundo real, em plena luta do capitalismo contra o comunismo, e acabam sendo usados no filme como bandeira contra a União Soviética. A franquia ainda teria um terceiro filme, praticamente uma comédia pastelão com o famoso comediante Richard Pryor com vilão e o quarto filme, usando da Guerra Fria mais uma vez como pretexto para encaixar um vilão “soviético”, no caso o Nuclear Man (SUPERMAN II..., 1980).
  33. 33. 32 Os anos 80 também tiveram seus momentos de heróis nas salas de cinema como argumenta Morelli (2009). Flash Gordon (1980), Conan O Bárbaro (1982), He-Man e Os Mestres do Universo (1987) e A Volta do Monstro do Pântano (1989) são exemplos. Sendo que o último citado, tenta reproduzir o sucesso dos quadrinhos, mas falha na produção: “Algumas idéias criadas por Alan Moore para os quadrinhos do personagem foram utilizadas de maneira amadora na trama”. (MORELLI, 2009, p. 83). A década de 90 continuou triste para os super-heróis no cinema, com adaptações fracas, exageradas e que de nada lembravam as histórias em quadrinhos. Capitão América, O Fantasma e a franquia de Batman. Em Batman & Robin de 1997, as características dos personagens foram deixadas completamente de lado, colocando Val Kilmer, o ator que interpretava Batman, numa bat-enrascada como lembra Aguiar (2002b): o galãzinho Val Kilmer até que tentou, mas era inexpressivo demais para impor respeito como um Batman decente; ainda mais usando uma armadura com mamilos salientes e protagonizando uma das mais deprimentes cenas da história das adaptações das HQs paras as telas:O close das NÁDEGAS de Batman enquanto veste as calças do uniforme! Não bastasse a cena degradante, vemos que o dito tem um zíper dividindo seus bat-glúteos! Para piorar a situação, trouxeram Robin (Chris O´Donnel) de volta do limbo, provido claro, de mamilos igualmente assanhados como os de seu parceiro. Agora, porém, ele não é mais um menino órfão e indefeso, e sim um mauricinho com quase trinta anos nas costas, que Bruce Wayne acolhe em sua casa Após uma longa década, o diretor e fã de quadrinhos, Bryan Singer, chega para mudar a história das adaptações de quadrinhos para o cinema. Em 2000, lança o filme X-Men, sendo um sucesso de crítica e bilheteria. Fidelidade aos quadrinhos, sem exageros e com um Wolverine furioso, Singer abre a porta para outras adaptações que se enriquecem cada vez mais os estúdios. Hulk, três filmes do Homem-Aranha, onde só o primeiro arrecadou mais 800 milhões de dólares em bilheteria, Superman, Homem de Ferro e Batman (MORELLI, 2009). Após virar piada nos anos 90, Batman ressurge com força em 2005, pelas mãos do jovem diretor Christopher Nolan. Com o foco na construção do alter-ego de Bruce Wayne, o filme é fiel a história original do super-herói nos quadrinhos, uma criança que tem seus pais assassinados na sua frente, e a partir daí procura por justiça. Com um tom adulto e sério, característico do personagem, a obra agrada de uma forma geral e prepara o terreno para uma continuação avassaladora. Em 2008 é lançado O Cavaleiro das Trevas, o filme ganha muito destaque na mídia pela morte acidental do ator Heath Ledger, que interpreta o Coringa na trama. Jornalistas comentam que é a melhor atuação da carreira do ator, diversos jornais e
  34. 34. 33 revista elogiam o filme, e assim é criada uma grande expectativa em relação a obra. E ela não decepciona, faz mais 1 bilhão de dólares em bilheterias, se tornando a 4ª maior bilheteria da história do cinema, ganha diversos prêmios, inclusive o Oscar póstumo de melhor ator coadjuvante para Heath Ledger, e assim colocando de vez as adaptações dos super-heróis no patamar de clássicos do cinema (BORGO; FORLANI; HESSEL, 2009). Ao ver o filme, é possível ir além do entretenimento, identificando conflitos morais entre os personagens, que discutem o conceito do certo e do errado, do bem e do mal, quem é o herói e quem é o vilão. 2.3 BEM E O MAL, HERÓI E VILÃO O que faz de uma pessoa o herói? Ou um vilão? O bem e o mal travam uma discussão nos quadrinhos na perspectiva do mocinho e do bandido, e na maior parte das vezes é visível a diferença de características dos dois. Já por outra perspectiva é possível ver certa similaridade entre os dois, tornando difícil a distinção sobre quem é quem. Filósofos ao longo da história discutiram sobre a moral e o que leva o homem a ter determinada ação, como sentimento de amor ao próximo e de coletividade como afirma Nietzsche (1992, p. 113): não pode haver moral do "amor ao próximo" eu quanto o olhar permaneça fixo na observação da humanidade, enquanto se considere imoral apenas o que parece ameaçar a sobrevivência da coletividade: enquanto o utilitarismo das avaliações morais permanecer subordinado unicamente à utilidade do rebanho. Na época romana mais florescente um ato caritativo não se qualificava nem como bom nem mau, nem como moral ou imoral. Ainda que se o louvasse, seu elogio era concedido com uma espécie de desprezo involuntário quando se comparava esta ação com outra que servisse ao interesse da comunidade, da res pública. Ainda que tenha existido em outras épocas uma prática limitada e constante da compaixão, da igualdade, da ajuda recíproca, estavam entretanto à margem da moral. Em resumo, o "amor ao próximo" é quase sempre coisa secundária, convencional por um lado, e arbitrária por outro, se comparado com o medo ao próximo. Uma vez que a estrutura da sociedade parece ter boas bases ao abrigo de perigos exteriores, esse medo ao próximo abre aos juízos morais perspectivas novas, instintos fortes e perigosos. Nasce a espírito da aventura, da louca temeridade, o rancor, a astúcia, a capacidade, o desejo de dominar que eram até então não apenas respeitados, sob nomes distintos, é claro, daqueles que indicamos, e obrigatoriamente cultivados e selecionados, já que constantemente se tinha necessidade deles contra os inimigos da coletividade. No livro O Evangelho Segundo Jesus Cristo do escritor José Saramago, se tem uma luta do bem e do mal com Deus e o Diabo, como dois pólos que equilibram um a existência
  35. 35. 34 do outro. Lúcifer discute com Deus sobre a razão dos dois existirem e resume como um se relaciona como outro. porque este Bem que eu sou não existiria sem esse Mal que tu és, um Bem que tivesse de existir sem ti seria inconcebível, a tal ponto que nem eu posso imaginá-lo, enfim, se tu acabas, eu acabo, para que eu seja o Bem, é necessário que tu continues a ser o Mal, se o Diabo não vive como Diabo, Deus não vive como Deus, a morte de um seria a morte do outro. (SARAMAGO, 1991 p. 392-393). O herói não está tão distante do vilão como parece, ao mesmo tempo em que se veem como opostos, a essência os torna iguais. Determinados por diferentes morais procuram mesmo fim, impor a sua moral. O homem necessita desta diferenciação, como prova de que um possa triunfar sobre o outro, passando a se transformar no ser dominante e que dita as regras da sociedade. Toda nova elevação do tipo "homem" foi até aqui obra de uma sociedade aristocrática — e sempre será assim, isto é, será sempre inegavelmente devida a uma sociedade que tem fé na necessidade de uma grande escala hierárquica e de uma profunda diferenciação de valor de homem a homem e que para chegar à sua finalidade não saberia fazer menos que escravizar sob uma forma ou outra. Sem o "pathos" da distância que nasce de decisiva diferença de classe, do constante olhar ao redor de si e sob si das classes dominantes sobre pessoas e instrumentos, e de seu constante exercício no obedecer e no comandar, em manter os outros opressos e distantes, não seria nem mesmo possível o outro misterioso "pathos", o desejo de sempre novas expansões das distâncias entre a própria alma, o desenvolvimento de estados sempre mais elevados, mais variados, distantes. maiores. tendentes a alturas ignotas, logo à elevação do tipo "homem", o incessante triunfo do homem sobre si mesmo para adotar em sentido supermoral uma fórmula moral. (NIETZSCHE, 1992, p. 193). Superman e Lex Luthor, Homem-Aranha e Duende Verde, têm suas características opostas mais visíveis, sendo que com a exceção de Luthor, os outros 3 tem algo de sobre- humano. Já entre Batman e Coringa não. Sem teias de aranha, super força, visão raio-x, nada disto, apenas a determinação e os conflitos que os guiam para impor cada um a sua moral. O que a primeira impressão os torna forças opostas, sob um olhar mais específico, se observa as ligações da mesma essência (IRWIN 2005). Qualquer que seja o valor que concedamos ao verdadeiro, à veracidade, ao desinteresse, poderia acontecer que nos víssemos obrigados a atribuir à aparência, à vontade da ilusão, ao egoísmo e à cobiça, um valor superior e mais essencial à vida; poder-se-ia chegar a supor inclusive que as coisas boas têm um valor pela forma insidiosa em que estão emaranhadas e talvez até cheguem a ser idênticas em essência às coisas más que parecem suas contrárias. (NIETZSCHE, 1992, p. 12).
  36. 36. 35 Chaui (2000) aborda a filosofia moral como algo instituído por cada cultura e sociedade. Segundo a autora, o sujeito ético moral sabes o que está fazendo, tendo conhecimento das causas e fins de seus atos e intenções. Ela salienta que para a concepção racionalista, “a filosofia moral é o conhecimento das motivações e intenções (que movem interiormente o sujeito moral) e dos meios e fins da ação moral capazes de concretizar aquelas motivações e intenções”. (CHAUI, 2000, p. 352). Já Nietzsche, é contrário a esta concepção, afirmando que a liberdade é essencial junto com a manifestação completa de quem deseja como conclui a escritora Chaui (2000, p. 353): a moral racionalista foi inventada pelos fracos para controlar e cominar os fortes, cujos desejos, paixões e vontade afirmam a vida, mesmo na crueldade e na agressividade. Por medo da força vital dos fortes, os fracos condenaram paixões e desejos, submeteram a vontade à razão, inventaram o dever e impuseram castigos para os transgressores [...] transgredir normas e regras estabelecidas é a verdadeira expressão de liberdade e somente os fortes são capazes dessa ousadia. Para disciplinar e dobrar a vontade dos fortes, a moral racionalista, inventada pelos fracos, transformou a transgressão em falta, culpa e castigo [...] No filme O Cavaleiro das Trevas, Coringa e Batman atuam de acordo com seus desejos e senso de moral, sendo que Batman, que já é conhecido dentre outras coisas, por usar da violência contra seus inimigos para conseguir a justiça, quebra a perna de mafioso para conseguir informações sobre o paradeiro do Palhaço do Crime. Gikovate (2005) distingue o bem e o mal como egoísmo e generosidade respectivamente. O autor conclui que o conceito de justiça carrega certa dualidade e que não se deve entender o justo como algo bom e a justiça como idealização do bem: “O bem e o mal são formas de injustiça”. (GIKOVATE, 2005, p. 138). Nietzsche (2005, p. 65-66) vai além: cada um satisfaz o outro, ao receber aquilo que estima mais que o outro.Um dá ao outro o que ele quer, para tê-lo como seu a partir de então, e por sua vez recebe o desejado. A justiça é, portanto, retribuição e intercâmbio sob o pressuposto de um poderio mais ou menos igual: originalmente a vingança pertence ao domínio da justiça, ela é um intercâmbio. Do ponto de vista de uma perspicaz autoconservação, isto é, ao egoísmo da reflexão que diz: “por que deveria eu prejudicar-me inutilmente e talvez não alcançar a minha meta?”. – Isso quanto à origem da justiça. Dado que os homens, conforme o seu hábito intelectual, esqueceram a finalidade original das ações denominadas justas e equitativas, e especialmente porque durante milênios as crianças foram ensinadas a admirar e imitar essas ações, aos poucos formou-se a aparência de que uma ação justa é uma ação altruísta; mas nesta aparência se baseia a alta valorização que ela tem, a qual, como todas as valorizações, está sempre em desenvolvimento: pois algo altamente valorizado é buscado, imitado, multiplicado com sacrifício, e se desenvolve porque o valor do esforço e do zelo de cada indivíduo é também acrescido ao valor da coisa estimada.
  37. 37. 36 No livro “Super-Heróis e A Filosofia – Verdade, Justiça e o Caminho Socrático” o autor Willian Irwin debate filosofia através das histórias em quadrinhos. Usa exemplos clássicos para discutir a moral. No caso de Superman, por exemplo, que é visto como um símbolo do altruísmo, Irwin (2005) explica que o super-herói só se sente realizado quando usa seus poderes plenamente. Então cada vez que ele ajuda um “fraco e oprimido”, na verdade ele está agindo para o seu bem. De certa forma pode-se dizer que ele é um ser egoísta dotado de uma grande generosidade. O autor também comenta sobre a série de gibis O Retorno do Cavaleiro das Trevas6 , onde Batman é apresentado de uma forma mais fria e traumatizada que o normal, fortalecendo o status de vigilante que não se importa com a justiça, ele faz a sua justiça. As leis podem ser injustas, os políticos podem ser corruptos e o sistema legal pode proteger os maus, mas nada disso desanima Batman de sua missão. O super-herói vigilante, combatente do crime não deixa nada se interpor entre ele e a busca do que ele vê como a verdadeira justiça. Por que as estruturas sociais bem-intencionadas deveriam ficar no caminho do que é objetivamente certo? (IRWIN, 2005, p. 44) Segundo Irwin (2005), justiça, moral, ética, bem e mal, trevas e luz, são conceitos e temas abordados deste os primórdios da humanidade até os dias de hoje. Desde pinturas nas cavernas, até as salas de cinema. Na trama de O Cavaleiro das Trevas, Batman busca distanciar-se das características de Coringa o filme inteiro, inclusive afirmando que os dois não são iguais. Nietzsche (1992, p. 89), resume o problema em um aforismo: “quem deve enfrentar monstros deve permanecer atento para não se tornar um monstro. Se olhares demasiado tempo dentro de um abismo, o abismo acabará por olhar dentro de ti”. As questões levantadas até o presente momento, como a moral, o bem e o mal serão aprofundadas no quarto capítulo, procurando evidenciar estas distinções no filme e em relação aos conceitos estabelecidos nas histórias em quadrinhos e suas adaptações para o cinema. 6 Apesar do nome semelhante, o filme usou esta série apenas como inspiração em relação as características de personalidade do personagem e não a história em si.
  38. 38. 37 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Neste capítulo serão apresentados os procedimentos metodológicos utilizados nesta pesquisa. Com o objetivo de evidenciar o caminho traçado para alcançar as metas deste projeto, será descrito o método científico e os tipos de pesquisa adotados na análise dos dados apresentados. Cervo e Bervian (2005, p. 25) afirmam “o método científico quer descobrir a realidade dos fatos e esses, ao serem descobertos, devem, por sua vez, guiar o método”. Longaray e Beuren (2004, p. 30) dizem “em seu sentido mais geral, o método é o ordenamento que se deve auferir aos diferentes processos necessários para alcançar determinado fim estabelecido ou um objetivo esperado”. Como Cervo e Bervian (2005, p. 25) relatam: toda investigação nasce de algum problema observado ou sentido, de tal modo que não pode prosseguir, a menos que se faça uma seleção da matéria a ser tratada. Essa seleção requer alguma hipótese ou pressuposição que irá guiar e, ao mesmo tempo, delimitar o assunto investigado. Daí o conjunto de processos ou etapas de que se serve o método científico, tais como a observação e a coleta de todos os dados possíveis [...]. Para Galliano (1986, p. 32), metodologia é um “instrumento utilizado pela ciência na sondagem da realidade, mas um instrumento formado por um conjunto de procedimentos, mediante os quais os problemas científicos são formulados”. Demo (1985, p. 19), afirma: “metodologia é uma preocupação instrumental. Trata das formas de se fazer ciência. Cuida dos procedimentos, das ferramentas, dos caminhos”, ou seja, ajuda no direcionamento do trabalho, assistindo o pesquisador do início ao fim. Gil (2002, p. 162) conclui sobre metodologia: “descrevem-se os procedimentos a serem seguidos na realização da pesquisa. Sua organização varia de acordo com as peculiaridades de cada pesquisa. Requer-se, no entanto, a apresentação de informações acerca de alguns assuntos”. Assim para este trabalho destacam-se o uso do método indutivo e das pesquisas do tipo exploratória, descritiva, bibliográfica e documental. O método indutivo, explica Máttar Neto (2002, p. 50), trabalha com probabilidades, e não com certezas como no processo dedutivo. Porém, o autor afirma que é na indução onde se consegue o avanço científico: “é com a indução que a ciência arrisca e salta. A indução afina- se, nesse sentido, com o espírito experimental da ciência”. Cervo e Bervian (2005, p. 32) defendem que costumeiramente, as pessoas pensam, mas não raciocinam sobre os problemas,
  39. 39. 38 “confundindo a divagação irresponsável com a reflexão sistemática [...] O ato de pensar caracteriza-se por ser dispersivo, natural e espontâneo. A reflexão, porém, requer esforço e concentração voluntária. É dirigida e planificada”. Oliveira (1999, p. 60) acrescenta ainda que o método indutivo “é considerado como o elemento distintivo da ciência. O seu emprego é considerado como forma ou critério de demarcação entre aquilo que é científico e aquilo que não é científico”. Através da utilização deste método, foi possível elaborar uma reflexão e um posicionamento teórico sobre a dualidade dos valores de Batman e Coringa na produção O Cavaleiro das Trevas. Para a realização desta indução científica, foram efetuadas pesquisas, visando adquirir grande quantidade e diversidade de informações para o enriquecimento do trabalho. Pesquisa segundo Gil (2002, p. 17), é “[...] o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos”. Cervo e Bervian (2005) comentam que a pesquisa parte de uma dúvida ou problema, e que a solução ou resposta será encontrada com a utilização do método científico. Com o problema definido, as pesquisas, exploratória e descritiva, servem como forma de análise dos objetivos deste projeto. A pesquisa exploratória tem por base tornar o problema conhecido para assim torná- lo mais explícito ou para a criação de hipóteses (GIL, 2002). Cervo e Bervian (2005, p. 69) afirmam que: o estudo exploratório, designado por alguns autores como pesquisa quase científica ou não científica é, normalmente, o passo inicial no processo de pesquisa pela experiência e um auxílio que traz a formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas. Raupp e Beuren (2006) ressaltam que explorar determinado assunto, é agregar mais informações com aspectos inéditos, objetivando dar início a elaboração a outros tipos de pesquisa que tenham o mesmo tema, como por exemplo, a descritiva. Definido o tema deste trabalho, a pesquisa exploratória foi iniciada, com levantamento de materiais sobre quadrinhos, os personagens Batman e Coringa, adaptações de quadrinhos para o cinema e posicionamentos filosóficos sobre os conceitos de Bem e Mal. Estes materiais foram importantes, pois ajudaram na argumentação e principalmente na pesquisa descritiva, onde foram explicitados por diferentes autores.
  40. 40. 39 A pesquisa descritiva, segundo Cervo e Bervian (2005, p. 66), “[...] observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los”. Gil (2002) elucida que ela também tem como objetivo, averiguar se há ligações entre as variáveis. Raupp e Beuren (2006, p. 81) fundamentam que a pesquisa descritiva é “como um estudo intermediário entre a pesquisa exploratória e explicativa, ou seja, não é tão preliminar como a primeira nem tão aprofundada como a segunda. Nesse contexto, descrever significa identificar, relatar, comparar, entre outros aspectos”. Este tipo de pesquisa foi importante para o capítulo 4, onde foram descritas cenas do filme O Cavaleiro das Trevas, para então analisá- las, relacionando as semelhanças e diferenças entre Batman e Coringa, a partir de ideais de Friedrich Nietzsche, também descritos no capítulo supracitado. Para obter dados necessários para a pesquisa foram utilizadas as pesquisas, bibliográfica e documental. Cervo e Bervian (2005, p. 65) afirmam “a pesquisa bibliográfica procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos”. Gil (2002, p. 44) comenta: a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Embora quase todos os estudos seja exigido algum tipo de trabalho dessa natureza, há pesquisas desenvolvidas exclusivamente a partir de fontes bibliográficas. Marconi e Lakatos (2001, p 43-44) acrescentam que este tipo de pesquisa apresenta um “levantamento de toda a bibliografia já publicada, em forma de livros, revistas, publicações e imprensa escrita. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto [...]”. Toda a bibliografia pesquisada contribuiu para a elaboração do capítulo 2 deste trabalho, a revisão de literatura. Diferentes autores, pontuando e discutindo os mesmos temas. Como Eisner e Cagnin na parte de linguagem nos quadrinhos, Moreau, Patati e Braga sobre as Eras das HQ’s, Morelli e os redatores do site Omelete sobre as adaptações para o cinema, e Nietzsche e Saramago nos conceitos filosóficos. Grande parte do acervo bibliográfico usado serviu também como documentos, que validaram ainda mais, a qualidade e o bom desenvolvimento deste trabalho. Gil (1996, p. 51) sustenta que enquanto a pesquisa bibliográfica usa uma gama de colaborações de diferentes autores sobre um tema, “a pesquisa documental vale-se de materiais que não receberam ainda um tratamento analítico, ou que ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetos de pesquisa”. Máttar Neto (2002) defende que existem
  41. 41. 40 possibilidades de pesquisas documentais além da biblioteca, como confirmam Marconi e Lakatos (2001, p. 43), definindo a pesquisa documental como aquela de fontes primárias, os documentos de fonte primária são aqueles de primeira mão, provenientes dos próprios órgãos que realizaram as observações. Englobam todos os materiais, ainda não elaborados, escritos ou não, que podem servir como fonte de informação para a pesquisa científica. Podem ser encontrados em arquivos públicos ou particulares, assim como em fontes não escritas: fotografias, gravações, imprensa falada (televisão e rádio), desenhos, pinturas, canções, indumentárias, objetos de arte, folclore, etc. Para Raupp e Beuren (2006, p. 89), a investigação documental pode juntar-se a outras pesquisas ou ter como característica um traçado distinto sobre determinado tema. Os autores salientam: “sua notabilidade é justificada no momento em que se podem organizar informações que se encontram dispersas, conferindo-lhe uma nova importância como fonte de consulta”. DVDs de filmes para cinema e televisão, foram os documentos pesquisados, observados e analisados. A observação de obras como do escritor Friedrich Nietzsche ou do diretor de cinema Christopher Nolan, somadas com os outros documentos usados, contribuíram em forma de conhecimento, embasamento e defesa teórica para a construção, análise e conclusão deste trabalho. Os autores Marconi e Lakatos (2001, p. 90) fundamentam sobre a observação: “é uma técnica de coleta de dados para conseguir informações e utiliza os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também em examinar fatos ou fenômenos que se deseja estudar”. Para Colauto e Beuren (2006), na observação simples, o pesquisador apenas examina os acontecimentos, mantendo o controle dos resultados. É uma técnica “assistemática – não estruturada” afirma Andrade (1999, p. 118). Rudio (1979 apud MARCONI; LAKATOS, 2001, p. 91) conceitua “é o fato de o conhecimento ser obtido através de uma experiência casual, sem que se tenha determinado de antemão quais os aspectos relevantes a serem observados e que meios utilizar para observá- los”. O filme Cavaleiro das Trevas foi observado diversas vezes, em DVD, sendo pausado em determinadas cenas, que apresentavam características importantes para análise do problema deste trabalho. Registrando os conceitos visualizados e entendidos, foi possível acrescentar as demais pesquisas e dados coletados, para enfim analisar todo material de uma forma mais profunda, através de uma abordagem qualitativa.
  42. 42. 41 De acordo com Richardson (1999 apud RAUPP; BEUREN, 2006, p. 91), os trabalhos “que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais”. Oliveira (2007, p. 60) lembra: “os dados podem ser obtidos através de uma pesquisa bibliográfica, entrevistas, questionários, planilhas e todo instrumento (técnica) que se faz necessário para obtenção de informações”. Oliveira (1999, p. 116) entende que é justificável o uso da metodologia qualitativa para um problema, “pode até ser uma opção do pesquisador, apresentar-se de uma forma adequada para entender a relação de causa e efeito do fenômeno e consequentemente chegar à sua verdade e razão”. O autor salienta que neste tipo de abordagem, é necessário coletar uma série de dados sobre o assunto, de autores e especialistas distintos, para então relacionar estes dados e o pesquisador dar seu expor suas conclusões. Raupp e Beuren (2006, p. 92) esclarecem: “na pesquisa qualitativa concebem-se análises mais profundas em relação ao fenômeno que está sendo estudado” diferente do estudo quantitativo, que segundo os autores, é superficial. O capítulo 4, ou seja, a análise de todas as pesquisas, fatos observados e registrados e dos dados coletados, foram abordados de forma qualitativa, procurando mostrar uma observação e descrição detalhada do fenômeno. Em razão da complexidade do problema, não é possível usar instrumentos estatísticos para quantificar as informações reunidas. Sendo assim, a reflexão e o aprofundamento teórico nos conceitos de valores morais de Friedrich Nietzsche, as pesquisas sobre história em quadrinhos e seus personagens junto à observação da obra cinematográfica O Cavaleiro das Trevas, contribuíram para o uso desta abordagem.
  43. 43. 42 4 ANÁLISE DE DADOS Neste capítulo será feita a análise dos personagens Batman e Coringa, do filme O Cavaleiro das Trevas, sob uma perspectiva dos valores de bem e mal, segundo conceitos de Friedrich Nietzsche e a base de heróis e vilões dos quadrinhos. Para chegar neste aprofundamento, será contextualizada a história de Batman e Coringa nos quadrinhos, TV e cinema, os heróis e vilões nas histórias em quadrinhos, a questão da interpretação de uma obra, pela visão do leitor-modelo de Umberto Eco e finalmente analisar o filme, para chegar a resposta do problema proposto. 4.1 BATMAN NOS QUADRINHOS Criado para continuar o sucesso de Superman, Batman estreia nos quadrinhos em 1939, na revista de histórias policiais, Detective Comics. Inspirados no filme The Bat, nos personagens Zorro e Sherlock Holmes e nos desenhos de uma máquina voadora de Leonardo da Vinci, Bob Kane e Bill Finger concebem um personagem que iria servir de modelo para tantos outros no mundo dos gibis. No início, suas histórias continham um teor sombrio e violento, mostrando inclusive o morcegão atirando e matando vilões. Atordoado por presenciar ainda quando criança, o assassinato de seus pais, Bruce Wayne decide estudar e treinar para se tornar um homem de habilidades únicas e assim vingar-se. Recebendo reclamações do excesso de violência, o desenhista Jerry Robinson cria Robin, um parceiro adolescente para Batman, que traz certa dose de humor às histórias e ameniza as críticas. Contudo, diante da Segunda Guerra Mundial, as revistas ainda traziam tramas violentas, com direito a Batman entregando armas para soldados e matando humanos que foram transformados em zumbis, acreditando que é um mal necessário, como é visto nas ilustrações 10 e 11 (VERGUEIRO, 2005).
  44. 44. 43 Ilustrações 10: Batman e Robin entregando uma arma nova para um soldado durante a II Guerra Mundial e Batman atirando no caminhão com zumbis e falando “Por mais que eu odeie tirar a vida de um ser humano. Eu receio que desta vez seja necessário!” Fonte: Curley (2005). Na década de 50 as críticas à violência continuaram e o livro “The Seduction of The Innocent” do médico Frederic Wertham catalisa um movimento para censurar as histórias em quadrinhos. É criado então o código de ética dos quadrinhos, que usava o infeliz discurso de querer preservar os valores da família e do bem, ignorando a liberdade de expressão e escolha, e impondo do esdrúxulo ao absurdo nos quadrinhos. Como hoje a TV e jogos de Videogame são apontados como os culpados por qualquer desvio de conduta, o sensual, menções a defeitos físicos, personagens de terror, eram as causas da época. Para Wertham e companhia, o mal nunca deveria prevalecer e o bem sempre iria triunfar, ou seja, era proibido retratar a realidade, só era permitido o mundo do faz de conta, onde tudo acaba bem. As revistas que seguiam as normas recebiam um selo na capa, afirmando que aquela edição havia sido aprovada pelo código de ética, já as que contrariavam, eram boicotadas e duramente criticadas (ABBADE, 2006). Com toda esta adversidade, as histórias começam ganhar um tom infantil e personagens que serviam apenas para provar que Batman e Robin não eram um casal homossexual, como afirmava Wertham. Mulher-morcego, Batmoça, Batcão e até um Batduende que levava Bruce Wayne para outra dimensão para lutar com monstros e alienígenas (BEATTY, et al. 2008, tradução nossa). A ilustração 12 traz estes personagens reunidos, junto com o mordomo da família, Alfred, e Comissário da polícia de Gotham, Jim Gordon.
  45. 45. 44 Ilustração 11: A família Batman, desenhada por Bob Kane Fonte: Tipton (2003). Com este direcionamento Batman foi desagradando aos fãs e estava prestes a ser cancelado, até que o editor Julius Schwartz chama o artista Carmine Infantino, e juntos remodelam Batman, aumentando as vendas e o tornando um sucesso nas décadas de 60 e 70. Apesar de nos quadrinhos a mudança ter sido clara, o seriado de TV, Batman, com Adam West, no papel principal, levava ares cômicos e infantis, mas mesmo assim, foi um sucesso estrondoso na época. Começa então a chamada Batmania, com os espectadores curiosos para ver qual astro de Hollywood ia fazer uma ponta no episódio a semana ou qual bugiganga o homem-morcego iria tirar do seu cinto de utilidades. Em meados dos anos 70, nos quadrinhos, Dennis O’Neil e Neal Adams vão acrescentando cada vez mais o status de detetive ao personagem, devolvendo o tom sóbrio às histórias do herói. O’Neil e Adams resgataram a essência de Coringa, retratando sua insanidade sem limites e também criaram um dos inimigos mais famosos do homem- morcego, o vilão imortal Ra’s Al Ghul, também conhecido como Cabeça do Demônio. (VERGUEIRO, 2005). Ra’s está vivo há centenas de anos graças ao Poço de Lázaro, algo como uma fonte da juventude. Comandando a Liga dos Assassinos, o vilão tem como objetivo proteger o planeta dos estragos do homem. Para deter estas ações nocivas do homem, O
  46. 46. 45 Cabeça de Demônio decide que boa parte da humanidade seja exterminada até que um equilíbrio natural seja atingido. Estas histórias vão conquistando os fãs até a chegada de um escritor que mudaria o mundo de Batman mais uma vez (MOREAU, 2007). Bruce Wayne com 60 anos tentando reabilitar criminosos? Gotham dominada por gangues e políticos corruptos? Superman o vilão? Em 1985 é lançada uma das obras mais aclamadas do personagem, O Cavaleiro das Trevas. Frank Miller apresenta uma história onde o herói está aposentado e isolado em sua mansão. Cansado de ser passivo, resolve voltar à ativa e acabar com o crime, custe o que custar. Caçando os inimigos um a um, Batman é visto pelos políticos conservadores, como um justiceiro incontrolável que não respeita as leis e que precisa de um basta. E este basta tem uma capa vermelha, um uniforme azul com um emblema de um S no peito. Na tentativa de capturar Batman, Superman toma uma surra histórica, com direito a pontapé na cara, como pode ser visto na ilustração 13. No final o Cavaleiro das Trevas forja a própria morte e se esconde num esconderijo subterrâneo, onde começa planejar e treinar “[...] um exército...para trazer sentido ao mundo infectado por algo pior que ladrões e assassinos”. (BRUCE WAYNE, apud MILLER, 1987, p. 49). Ilustração 12: Batman dando um pontapé na cara do cordeiro obediente dos políticos norte-americanos, Superman Fonte: Miller (1987, p. 45).
  47. 47. 46 A década de 80 encerraria ainda, com duas “chaves de ouro”, A Piada Mortal de Alan Moore e Asilo Arkham de Grant Morrison (BEATTY et al. 2008, tradução nossa). Estas obras são marcas na construção do homem-morcego, sendo celebradas e tendo características usadas como influência até hoje, inclusive para os filmes Batman Begins e Batman O Cavaleiro das Trevas do diretor Christopher Nolan e o roteirista David S. Goyer (LOEB; SALE, 2008). Dos anos 90 até os dias de hoje, o tom sombrio, solitário e violento, é o que permanece nos quadrinhos do herói (GUEDES, 2004). Entre as diversas histórias durante esses anos, a mais conhecida e elogiada pela crítica e fãs, é a mini-série Batman – O Longo dia das Bruxas, de Jeph Loeb, lançada entre 1996 e 1997, em 13 edições (LOEB; SALE, 2008). Com desenhos de Tim Sale, a trama é recheada de suspense, com Batman, Jim Gordon e o promotor de justiça Harvey Dent, em busca de um assassino que sempre comete um crime em um feriado. Intrigas entre famílias mafiosas de Gotham, vilões fugindo do Asilo Arkham, completam o verdadeiro pano de fundo da história, que é a luta pela justiça e o que isso implica em três personagens. Batman cada vez mais incentivado pelo sentimento de vingança encontra dificuldades de encontrar o ponto certo entre justiça e vingança. Jim Gordon se distancia da família enquanto se aproxima de solucionar casos e Harvey Dent, determinado a restaurar a paz na cidade, vai perdendo a fé na justiça, e quando vira vítima pela falta dela, resolve criar as suas próprias regras, as suas leis, tornando-se o Duas-Caras. O diretor Christopher Nolan e o roteirista David S. Goyer, afirmam que de todas as histórias de Batman, esta foi a que mais influenciou na construção dos dois filmes da Batfranquia, principalmente no Cavaleiro das Trevas. A luta de Dent, os problemas pessoais de Gordon, o clima noir dos desenhos, entre outras características, serviram como referência, inclusive uma frase usada por Batman no conto, é usada no filme, para promover a campanha de Harvey a promotor de justiça: “Eu acredito em Harvey Dent” (LOEB; SALE, 2008, p. 376). Dentre todos os vilões, de todas as décadas, sempre só teve um que realmente conseguia tirar o morcegão do sério. Um personagem, que apesar de poder parecer o contrário, de bobo não tem nada. Se a cidade de Gotham é um circo de loucos criminosos, não há dúvida quem é o palhaço.
  48. 48. 47 4.2 CORINGA NOS QUADRINHOS Criado por Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane, Coringa fez sua primeira aparição na revista Batman #1, em 1940. A aparência do personagem foi inspirada no personagem Gwynplaine, do filme The Man Who Laughs, de 1928. Na história, Gwynplaine é filho de um homem que insultou um Rei. Revoltado, o rei ordena que matem o homem e torturem seu filho. Então um médico desfigura o rosto de Gwynplaine, deixando-o com um sorriso aterrorizador e permanente, como pode ser visto na comparação entre o personagem (ilustração 14) e primeira imagem de coringa nos quadrinhos (ilustração 15) (TIPTON, 2004). Ilustrações 13: Gwynplaine, com o sorriso permanente, interpretado pelo ator Conrad Veidt no filme The Man Who Laughs, de 1928. A primeira imagem do Coringa nos quadrinhos Fonte: Tipton (2004). Inicialmente, Coringa tinha caráter extremamente violento e não era tão cômico, inclusive assassinando e torturando suas vítimas, que mesmo depois de mortas ficavam com um sorriso, o que veio se tornar a marca registrada do personagem. O sucesso foi instantâneo, e os embates com Batman eram praticamente mensais. Mas como todos os personagens das HQ’s, na década de 50, ele sofreu com o Código de Ética dos Quadrinhos, tendo a participação quase que extinguida, devido a sua aparência e atitudes, consideradas ofensivas pelas normas. Na década de 60 foi retornando às paginas, com ares de comédia pastelão, em
  49. 49. 48 conseqüência ao sucesso do seriado de TV, e finalmente nos anos 70, o escritor Dennis O’Neil e o artista Neal Adams, resgatam o verdadeiro espírito do Palhaço do Crime. Um assassino cruel, insano, que segue apenas as suas próprias regras. Nesta época o vilão chegou a ter sua própria revista, tamanha sua aprovação dos fãs (BASÍLIO, 2008). A década de 80 é com certeza, a mais especial e importante na história do personagem. Em Asilo Arkham, quase leva Batman a loucura, usando pressão psicológica para mostrar que os dois não são tão diferentes. Na polêmica Morte em Família, a editora DC surpreende ao deixar o público escolher o destino de Robin através de uma votação por telefone. Eram duas opções, ele continuava vivo, ou morria. O resultado comprovou o quanto o garoto-prodígio não era adorado pelos fãs. O Robin Jason Todd é espancado por Coringa com um pé de cabra e amarrado junto a uma bomba, que explode um pouco antes do Homem- morcego chegar. A imagem de Batman carregando Robin morto impressiona com os traços que caracterizam a violência que o jovem foi submetido, como é visto na ilustração 15. Ilustração 14: Robin é brutalmente assassinado por Coringa na história Batman – Morte em Família, de 1989 Fonte: Assis (2009).
  50. 50. 49 Apesar de serem duas grandes histórias, nem elas e nenhuma outra atingiu o sucesso e o primor de A Piada Mortal, de Alan Moore e Dave Gibbons. Lançada em 1988, ela apresenta uma origem para Coringa, que até hoje, é a mais aceita pra fãs e críticos. Um assistente de laboratório abandona o emprego para tentar a carreira de comediante. Sem sucesso, com uma esposa grávida e dívidas, ele começa a se desesperar por uma oportunidade de mudança. Dois criminosos o convidam para ajudar a assaltar uma fábrica de baralhos que fica ao lado da fábrica química onde ele trabalhava. Como sabia o caminho para chegar de uma fábrica a outra, aceita. No dia do assalto, recebe a notícia que sua esposa sofrera um acidente testando um aquecedor de mamadeiras e acabara falecendo. Incrédulo e pressionado pelos bandidos, continua com o plano. Para despistar a polícia, na noite do crime, usa uma máscara igual a de um bandido procurado pela polícia, o Capuz Vermelho. Enquanto estão atravessando a fábrica química, um guarda os avista e começa atirar, já chamando reforço. Os dois criminosos acabam sendo mortos enquanto o ex- assistente de laboratório tentando fugir, sem enxergar direito por causa da máscara, acaba ficando cara a cara com Batman, que deduz que ele é o famoso bandido Capuz Vermelho. Tentando fugir do super-herói, acaba pulando em um tonel de produtos químicos que deixam seus cabelos verdes, a pele brutalmente branca, seus lábios vermelhos e ele totalmente enlouquecido. O então comediante sem graça torna-se o verdadeiro Bobo da Corte de Gotham, O Coringa. No presente, o já formado e cada vez mais insano Coringa, foge do Asilo Arkham, invade a casa do Comissário Gordon e atira em sua filha, deixando-a paraplégica. Não satisfeito, tira fotos dela nua e ensangüentada para depois torturar Gordon. Respondendo a garota despida e baleada no chão, ele afirma que está cometendo essas atrocidades, para “provar algo”. Ele quer provar que qualquer ser humano pode perder todo seu conceito de moral se for exposto a uma experiência traumática, seja perder a esposa grávida, ou ter os pais assassinados. É neste ponto que o escritor Alan Moore consegue dobrar a idéia de herói e vilão nos quadrinhos, apontando que Batman e Coringa, não são tão diferentes assim. No final da história, quando captura o criminoso, o homem-morcego afirma que entende a razão do seu sofrimento e oferece uma trégua, perguntando se ele não quer ajuda. A resposta? Não poderia ser diferente: uma piada. E pela primeira vez, Batman não ri, mas gargalha, junto com Coringa. Dos anos 90 até os dias de hoje, diversas outras histórias foram contadas nas páginas dos quadrinhos, mantendo a violência e ironia como características do Coringa. Mas o que
  51. 51. 50 realmente trouxe o personagem com força total para os fãs, não estava nos gibis. Estava na telona. 4.3 CINEMA E TV O vigilante de Gotham começou sua trajetória no cinema, na década de 40, com curtas-metragens que animavam o público toda semana, em sessões vespertinas. A partir de 1943, Lewis Wilson encarna o personagem principal, em uma série de 15 filmes, batizada “O Morcego”. Com uniformes colantes e fantasias desajeitadas, Batman e Robin desvendavam mistérios de uma forma mais cômica do que policial. Em 1949, o ator Robert Lowery assume o uniforme do homem-morcego, mantendo as principais características do seu antecessor: um herói atrapalhado, desconfortável em seu traje, que provocava mais gargalhadas do que suspiros ou pavor (AGUIAR, 2002a). Na década de 60, estréia o seriado para TV “Batman”, estrelada pelo rechonchudo Adam West e o menino prodígio Burt Ward. Assumidamente uma comédia, o programa foi sucesso instantâneo, gerando inúmeras aparições de celebridades da época como Bruce Lee, Sammy Davis Jr e Jerry Lewis. No ano de 1966, chega ao cinema, o filme derivado do seriado. Praticamente um episódio longo do seriado, o longa-metragem apresenta as mesmas características do programa de TV. Bat-acessórios, vilões engraçados, legendas para cada soco (como é visto na ilustração 16) e uma dupla de heróis se safando no final, não importando o tamanho da enrascada (MORELLI, 2009). Ilustração 15: Batman e Robin trocando socos com os bandidos no filme de 1966 Fonte: Morelli (2009, p. 14). Mais de 20 anos depois, em 1989, o diretor Tim Burton assume a franquia e reformula completamente o tom do personagem. Sombrio e aventureiro, Batman – O Filme foi sucesso de críticas e acabou abrindo caminho para adaptações mais fiéis às histórias em
  52. 52. 51 quadrinhos. O ator Michael Keaton interpreta um Batman durão, de poucas palavras e muitos sopapos, lembrando os tempos de quando o personagem era escrito por Frank Miller. Jack Nicholson como Coringa rouba todas as cenas em que aparece: engraçado, assustador e enlouquecido, acaba deixando Keaton como um mero coadjuvante. Apesar da boa retomada, o filme se perde três pontos principais. Michael Keaton não tinha a mínima semelhança com o personagem, tanto fisicamente como na interpretação da personalidade complexa. O Coringa é o assassino dos pais de Batman: uma manobra triste que desrespeita a história das HQ’s, e que faz com que a palavra clichê pareça um elogio. Coringa morre no final: Gotham sem seu Bobo da Corte? Difícil. O palhaço do crime não é só principal inimigo do morcegão como é um dos mais conhecidos vilões de toda a história. Burton e Keaton voltam em 1992 com Batman – O Retorno, agora com Pinguim e Mulher-Gato nos papéis de vilões. Melhor que o primeiro, a continuação ainda sim, segue com algumas patinadas do diretor. Novamente o herói fica no segundo plano e deixa Danny DeVito (Pinguim) e Michelle Pfeiffer (Mulher-Gato) carregarem o filme nas costas. O problema, além de o ator principal ter a mesma expressão facial para todo tipo de sentimento, é mais uma vez a origem dos personagens. Pingüins do esgoto resgatam um bebê deformado abandonado em um rio. Uma mulher que cai de um prédio tem o corpo mordido e lambido por gatos e acaba ganhando super força, agilidade e algumas vidas a mais. Mesmo gostando do direcionamento que foge a comédia, os fãs acabam insatisfeitos com a produção e ficam felizes quando o diretor anuncia que está largando a franquia. Mal sabiam os fãs, que a pior fase ainda estava por vir. O estadunidense Joel Schumacher é sem dúvida alguma a pessoa mais odiada por qualquer pessoa que goste um pouco de Batman e quadrinhos. Abraçado a uma estética debochada e a ignorância total em relação ao personagem, ele dirige os dois maiores fracassos do herói no cinema. Batman Eternamente estréia em 1995, com Val Kilmer no papel principal. Mais uma vez a inexpressão toma conta da estrela do filme. Chris O’Donnel dá vida a Robin, enquanto Jim Carrey (Charada) e Tommy Lee Jones (Duas-Caras) encarnam os vilões. Excesso de cores, de personagens, falhas no roteiro, não se comparam aos mamilos pontiagudos na armadura de Batman e uma das cenas mais desnecessárias na história do cinema, um close nas nádegas de Batman, enquanto ele veste o uniforme. O filme tem ainda a participação dispensável de Nicole Kidman, como uma psicóloga que tem interesse em Bruce Wayne. No final, o Duas-Caras morre, Charada acaba sendo vítima da sua própria arma, uma espécie de liquidificador que lê a mente das pessoas, e enlouquece. Antes dos créditos finais,

×