Seminário marxismo e filosofia da linguagem

4.357 visualizações

Publicada em

Curso CET

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.357
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
366
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • DISCIPLINA - ANÁLISE DO DISCURSO - Profª Drª Ivânia Torres
  • Seminário marxismo e filosofia da linguagem

    1. 1.  Mikhail M. Bakhtin nasceu em 1895, em Oriol, numa família da velha nobreza arruinada, de um pai empregado de um banco.  Diplomado em História e Filosofia, em 1918.  Pertencia a um pequeno círculo de intelectuais e de artistas entre os quais: Mar Chagall, Sollertinsky, Volochinov e Medviédiev.  Volochinov e Medviédiev passam a publicar as obras de Bakhtin. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    2. 2.  O Freudismo – 1927  Método Formalista Aplicado à Crítica Literária. Introdução à Poética Sociológica – 1928.  Marxismo e Filosofia da Linguagem – 1929  Problema da Obra de Dostoievski – 1929 CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    3. 3.  Em 1936, foi nomeado para o Instituto Pedagógico de Saransk.  De 1945 a 1961, termina sua carreira na Universidade de Saransk.  Em 1969, instalou-se em Moscou, onde publicou contribuições nas revistas: Questão de literatura e Contexto.  Bakhtin morreu em Moscou, em 1975, após uma longa doença. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    4. 4.  O livro constitui a 1ª intervenção de Bakhtin sobre a reflexão da linguagem  A URSS dos anos 20 vivia as ideias de Saussure a favor de uma abordagem sincrônica, via a língua como uma totalidade, focalizada na LANGUE (sistema da linguagem, com suas unidades básicas e suas regras de combinação) e não a PAROLE. Para Bakhtin a parole evidencia a emissão, o discurso vivido e partilhado por seres humanos em intenção social. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    5. 5.  Bakhtin translinguísmo para uma teoria do papel dos signos na vida e no pensamento humano, e da natureza do enunciado na linguagem.  Considera a linguística uma parte do estudo das ideologias, pois o domínio da ideologia coincide com o domínio dos signos.  Crítica o marxismo quando elege a superestrutura determinada pela economia para responder a tudo. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    6. 6.  Para Bakhtin a palavra é onipresente na vida social, seja sob a forma de discurso interno, seja como texto escrito, e tem a capacidade de registrar todas as fases transitórias do processo social.  Para ele a linguagem é um campo de batalha social, o local onde os embates políticos são travados tanto público quanto intimamente.  A linguagem e o poder vivem numa interseção permanente.  Cada palavra, cada embate transforma-se na arena onde competem as entonações sociais. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    7. 7.  Bakhtin chama de objetivismo abstrato a concepção de gramática universal, saussure enfatiza os fatores: fonéticos, gramaticais e léxicos – que devem permanecer idênticos, normativos para todos os enunciados, ou seja, um sistema estável que a consciência individual já encontra pronto, sistema sicrônico, onde o motivo ideológico tem pouca importância. Bakhtin diz a linguagem nunca se apresenta ordenada com tanta nitidez; é confusa, como a própria história, a linguagem não é um sistema acabado. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    8. 8.  São dedicados a uma questão técnica: o fenômeno do discurso relatado (os modelos sintáticos – discurso direto, discurso indireto e discurso semidireto)  A linguagem serve para conhecermos os discursos dos outros e incorporá-lo ao nosso cotidiano. – Por isso os discursos são técnico,literário, ético e político.  O discurso revela o ethos de uma cultura e de uma sociedade CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    9. 9.  Estudo das Ideologias e Filosofia da Linguagem – Bakhtin (2006 – p. 29).  Afirma que: “tudo que é ideológico é um signo. Sem signos não existe ideologia”  “Todavia, um instrumento pode ser convertido em signo ideológico: é o caso, por exemplo da foice e do martelo como emblema da União Soviética. A foice e o martelo possuem, um sentido puramente ideológico” (Bakhtin, 2006, p. 30) CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    10. 10.  Para Bakhtin “A palavra é o fenômeno ideológico por excelência. A realidade toda da palavra é absorvida por sua função de signo. A palavra não comporta nada que não esteja ligado a essa função, nada que não tenha sido gerado por ela. A palavra é o modo mais puro e sensível de relação social.” (Bakhtin, 2006, p. 34).  “A palavra está presente em todos os atos de compreensão e em todas os atos de interpretação (Bakhtin, 2006, p. 36) CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    11. 11.  Bakhtin afirma, que “todas as análises sintáticas do discurso exigem que se analise o corpo vivo do enunciado.  Para Bakhtin a própria consciência é linguística, e portanto social. Fala que a consciência é uma ficção (a consciência só existe sob forma semiótica).  A consciência é conformada pela linguagem  A forma semiótica da linguagem é o discurso interno, quando esse discurso é exteriorizado atua sobre o mundo (arte, ética, preconceito e outros) CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    12. 12.  Bakhtin dá o nome de tato ao conjunto de códigos que governam a interação verbal.  A palavra é o produto da relação recíproca entre os sujeitos  Pala ele a interação verbal é o diálogo.  Dialogismo é o mesmo que intertextualidade para Júlia Kristeva.  Filme, poesia, romance, reportagem, documentários e outros dialogam permanentemente com o sujeito. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    13. 13.  CAPÍTULO 9 – O “DISCURSO DE OUTREM”  Para Bakhtin o discurso é uma construção social, por isso o discurso do outro é importante.  Ele divide o discurso em três: discurso direto, discurso indireto e discurso indireto livre fazem parte do universo enunciador do individuo. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    14. 14.  Explicita que todo discurso citado preserva a autonomia estrutural e é fiel a fonte  Por exemplo: numa narrativa os elementos linguísticos da estrutura primitiva deve ser preservados, pois a composição tem relação sintática do discurso primeiro.  Bakhtin chama a atenção no seguinte aspecto: todo processo de transmissão tem um fim específico(legal, polêmico, científico etc), além do mais a transmissão leva em consideração a terceira pessoa, ou seja, a pessoa a quem estão sendo transmitida as enunciações citadas CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    15. 15.  Toda língua é reflexo das relações sociais dos falantes, levado em consideração o contexto socio-histórico. A língua sofre variação de forma, atestando dessa forma, força e fraqueza dentro de uma comunidade linguística.  Para Bakhtin o discurso interior é a essência da enunciação de outrem, ideologicamente significativo, ou seja, quando a pessoa entra em contato com outro discurso carrega o fundo perceptivo que é mediatizado pelo discurso interior e externo por meio da junção dos discursos CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    16. 16.  Para o autor a interrelação social dos individuo são essências para o acontecimento da comunicação, com ocorrência entre o discurso narrativa e o discurso citado.  Todos discursos os discurso recebe influência do comportamento social do contexto que está inserido – Para entender o discurso necessita-se da seguinte orientação: firmeza, ideológica, autoritarismo e dogmatismo. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    17. 17.  Bakhtin fala também do estilo linear como citação do discurso de outrem, da interrelação da enunciação do discurso e do discurso dogmático e autoritário (relativista) – pois apresenta uma matizes linguística do pensamento e sentimento, ás vezes tornando-se objeto decorativo, perde o objeto do discurso.  O discurso indireto livre é enfraquecido. O discurso direto e o discurso indireto são mais permeáveis. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    18. 18.  O discurso literário transmite sutilezas que outros discursos não são capazes.  Para Bakhtin, a língua existe não por si mesma, mas conjuntamente com uma estrutura concreta. A língua torna-se realidade quando a enunciação toma contato com a comunicação. Portanto a transmissão do discurso de outrem depende das condições sociais e econômicas da época. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA
    19. 19. OBRIGADO!!!!!!  Belém, 06 de Junho de 2013. CET - CONSULTORIA EDUCACIONAL TECNOLÓGICA

    ×