1/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
“Na casa do Pai, há muitas moradas”
O Céu dos
anjos e
dos
eleitos
O Inferno dos
de...
2/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
Parte I - Doutrina
I-O PORVIR E O NADA
II-TEMOR DA MORTE
Causas do temor da morte
...
3/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes
Kardec enumera os seguintes casos:
Sanson
A morte do justo
...
4/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Bernadin
“Sou, de há muitos séculos, um Espírito
esquecido....
5/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Condessa Paula
“Em várias existências passei por provas de
...
6/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Jean Reynaud
Três comunicações por médiuns diferentes e a
p...
7/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Emma Livry
Jovem que desencarnou após cruéis
sofrimentos de...
8/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Doutor Vignal
Antigo membro da Sociedade Espírita de
Paris....
9/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Doutor Vignal
A separação foi rápida; mais do que podia
esp...
10/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon
Era muito jovem e notável pela doçura d...
11/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon
P. Podem os vossos parentes fazer algo ...
12/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon
P. Como pode ser tão poética a vossa
li...
13/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Maurice Gontran
Era filho único e faleceu, aos dezoito ano...
14/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Maurice Gontran
“A dor de meus pais aflige-me, porém, ela ...
15/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Maurice Gontran
“... aproximai-vos deles a fim de os
conve...
16/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
II – Espíritos felizes Maurice Gontran
“Os sérios estudos feitos fortificaram-me
...
17/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Joseph Bré
Falecido em 1840 e evocado em Bordéus,
por sua ...
18/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Joseph Bré
Como? Pois não vivestes sempre
honestamente?
— ...
19/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Marquês de Saint-Paul
Era médium vidente e nos momentos qu...
20/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Sr. Cardon
Médico, é acometido de moléstia incurável e
pre...
21/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Sr. Cardon
Alguns minutos depois, acorda e fala aos
parent...
22/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Sr. Cardon
Como descreve o fenômeno, fica claro que
houve ...
23/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
III–Condições Medianas Eric Stanislas
Comunicação expontânea, onde o espírito
agr...
24/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
Parte I - Doutrina
I-O PORVIR E O NADA
II-TEMOR DA MORTE
Causas do temor da morte...
25/25
O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO
Fora da caridade não
há salvação
Lema da Doutrina Espírita
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos

366 visualizações

Publicada em

Estudo do livro espirita em ppt "O CÉU E O INFERNO"

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos

  1. 1. 1/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO “Na casa do Pai, há muitas moradas” O Céu dos anjos e dos eleitos O Inferno dos demônios e dos condenados O Espiritismo tem uma visão totalmente diferente do tema
  2. 2. 2/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES - Cont. III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  3. 3. 3/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Kardec enumera os seguintes casos: Sanson A morte do justo Jobard Samuel Filipe Van Durst Sixdeniers O doutor Demeure A viúva Foulon Um médico russo Bernardin A condessa Paula Jean Reynaud Antoine Costeau A Srta. Emma O doutor Vignal Victor Lebufle A Sra. Anais Gourdon Maurice Gontran
  4. 4. 4/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Bernadin “Sou, de há muitos séculos, um Espírito esquecido. Aí na Terra vivi no opróbrio e na miséria, trabalhando incessantemente e dia por dia para dar à família escasso pão. Amava, porém, o verdadeiro Senhor, e quando o que me oprimia na Terra sobrecarregava o fardo das minhas dores” Em que época vivestes? — R. De 1400 a 1460. Depois tive outra encarnação como missionária da fé.
  5. 5. 5/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Condessa Paula “Em várias existências passei por provas de trabalho e miséria que voluntariamente havia escolhido para fortalecer e depurar o meu Espírito; dessas provas tive a dita de triunfar, vindo a faltar no entanto uma, porventura de todas a mais perigosa: a da fortuna e bem- estar materiais, um bem-estar sem sombras de desgosto. Nessa consistia o perigo. E antes de o tentar, eu quis sentir-me assaz forte para não sucumbir.”
  6. 6. 6/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Jean Reynaud Três comunicações por médiuns diferentes e a primeira, expontânea. Traz uma reflexão interessante para todos os espíritas e cristãos P. Em vida professáveis o Espiritismo? — R. Há uma grande diferença em professar e praticar. Muita gente professa uma doutrina, que não pratica; pois bem, eu praticava e não professava. Assim como cristão é todo homem que segue as leis do Cristo, mesmo sem conhecê-lo.
  7. 7. 7/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Emma Livry Jovem que desencarnou após cruéis sofrimentos decorrentes de um incêndio. Se apresentou expontaneamente na Sociedade Espírita de Paris pouco tempo após o seu desencarne “A chama que me consumia o corpo débil também me despojou das suas cadeias, e, assim, morri vivendo já a verdadeira vida. Não experimentei a perturbação”
  8. 8. 8/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Doutor Vignal Antigo membro da Sociedade Espírita de Paris. Um sonâmbulo, em desdobramento, descreve a cena que se lhe apresenta na véspera do enterro. Percebe uma agitação no cadáver, como uma agitação, na suas palavras algo que tenta se desprender do corpo. Dias depois, comunica-se e fala sobre as preces dos amigos e da importância para o seu completo desprendimento da matéria.
  9. 9. 9/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Doutor Vignal A separação foi rápida; mais do que podia esperar pelo meu pouco merecimento. Muito fui auxiliado pelo vosso concurso e o médium vos deu uma idéia bastante clara do fenômeno da separação, para que eu nele insista. Era uma espécie de oscilação intermitente, um como arrastamento em sentidos opostos. Triunfou o Espírito aqui presente. Só deixei completamente o corpo quando ele baixou à terra; e aqui vim ter convosco.
  10. 10. 10/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon Era muito jovem e notável pela doçura do caráter e de eminentes qualidades morais que a distinguiam, tendo falecido em novembro de 1860. Pertencia a uma família de mineiros dos arredores de Saint-Étienne, de condição social bem inferior e Kardec julga interessante a comunicação para ver como está a sua posição em termos espirituais.
  11. 11. 11/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon P. Podem os vossos parentes fazer algo em vosso favor? R. Podem, caros irmãos, não mais me entristecendo com as suas lamentações, pois sabem que não estou perdida de todo para eles. Desejo que a recordação de meu ser lhes seja suave e doce. Passei qual flor sobre a Terra, e nada de pesaroso deve subsistir dessa passagem.
  12. 12. 12/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Sra. Anais Gourdon P. Como pode ser tão poética a vossa linguagem, e tão pouco em harmonia com a posição que tivestes na Terra? ― R. É que a minha alma é quem fala. Sim, eu tinha conhecimentos adquiridos e Deus permite muitas vezes que Espíritos delicados encarnem entre os homens mais rústicos, para fazer-lhes pressentir as delicadezas ao seu alcance, que compreenderão mais tarde.
  13. 13. 13/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Maurice Gontran Era filho único e faleceu, aos dezoito anos, de uma afecção pulmonar. Inteligência rara, razão precoce, grande amor ao estudo, caráter doce, terno e simpático, possuía todas as qualidades que fazem prever brilhante futuro. A família, inconsolável, atribuia a excesso de estudo a causa maior da sua morte e diziam: “De que valeu tanto estudo...”
  14. 14. 14/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Maurice Gontran “A dor de meus pais aflige-me, porém, ela se acalmará quando tiverem a certeza de que não estou perdido para eles; aproximai-vos deles a fim de os convencer desta verdade, o que certamente conseguireis. Era preciso este acontecimento para insinuar-lhes uma crença que lhes trará a felicidade, impedindo- os de murmurar contra os decretos da Providência. Sabeis que meu pai era muito céptico a respeito da vida futura. — Deus concedeu-lhe este desgosto para arrancá-lo do seu erro.”
  15. 15. 15/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Maurice Gontran “... aproximai-vos deles a fim de os convencer desta verdade, o que certamente conseguireis. ...” Percebamos que o trabalho de Allan Kardec tinha também esse aspecto de consolar os aflitos aqui na terra, bem como de esclarescer os espíritos. Não era o mestre, como muitos espíritos se referiam a ele, um estudioso frio, mas alguém sempre preocupado em vivenciar o Espiritismo.
  16. 16. 16/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO II – Espíritos felizes Maurice Gontran “Os sérios estudos feitos fortificaram-me a alma, aumentando- lhe os conhecimentos, e se em virtude da minha curta existência não pude dar- lhes aplicação, nem por isso deixarei de o fazer mais tarde e com maior utilidade. Adeus, caro amigo: eu parto para junto de meus pais, a fim de predispô-los ao recebimento desta comunicação.”
  17. 17. 17/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Joseph Bré Falecido em 1840 e evocado em Bordéus, por sua neta, em 1862 P. Como vos encontrais no mundo dos Espíritos? R. Eu expio a minha descrença; porém, grande é a bondade de Deus, que atende às circunstâncias. Sofro, mas não como poderias imaginar: é o desgosto de não ter melhor aproveitado o tempo aí na Terra.
  18. 18. 18/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Joseph Bré Como? Pois não vivestes sempre honestamente? — R. Sim, no juízo dos homens; mas há um abismo entre a honestidade perante os homens e a honestidade perante Deus.
  19. 19. 19/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Marquês de Saint-Paul Era médium vidente e nos momentos que antecedem o desencarne, observa o próprio corpo e dava a impressão de uma dupla existência: a do corpo e a do espírito Dizia frequentemente se referindo corpo na terceira pessoa: Ele tem sede, ele tem frio, ele sente dores, etc. Quando os familiares indagavam, mas é você quem sente tudo isto, não é? Então respondia: Não, é ele.
  20. 20. 20/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Sr. Cardon Médico, é acometido de moléstia incurável e prevê com antecedência de 2 meses o seu desencarne. Nos seus últimos momentos, reúne a família e acontece um fenômeno interessante. Tem uma crise e fica totalmente corado e inerte, dando a entender que tinha desencarnado.
  21. 21. 21/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Sr. Cardon Alguns minutos depois, acorda e fala aos parentes das maravilhas que tinha percebido, dos locais, das belezas que não podia descrever e começa a tecer conselhos aos filhos e esposas para que tenha uma vida correta a fim de merecer no futuro essas belezas que tinha presenciado. Kardec, acha interessante este relato, e evoca tempos depois este espírito para saber mais detalhes deste desencarne.
  22. 22. 22/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Sr. Cardon Como descreve o fenômeno, fica claro que houve um desdobramento e que ainda se conservava ligado ao corpo, embora de uma forma muito frágil Fala que apesar de ser descrente por quase toda a vida, os seus atos foram importantes e considera um merecimento, ter retornado momento antes da morte para aconselhar os filhos e esposa.
  23. 23. 23/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III–Condições Medianas Eric Stanislas Comunicação expontânea, onde o espírito agradece por tudo que recebeu na reunião e incentiva a todos a continuar o trabalho no bem Em seguida, o guia do médium, dá uma comunicação dizendo que aquele espírito muito já sofreu por conta dos seus erros e que hoje, sinceramente arrependido, está em trabalhos no mundo espiritual em favor de outros espíritos mais necessitados.
  24. 24. 24/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES - Cont. III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  25. 25. 25/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Fora da caridade não há salvação Lema da Doutrina Espírita

×