SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 115
Curso de
Atendimento Fraterno
Grupo Espírita e Filantrópico Adolfo Bezerra de Menezes
Edna Costa - 2014
“Coloco em primeira instância o consolo que é preciso
oferecer aos que sofrem, erguer a coragem dos caídos,
arrancar um homem de suas paixões, do desespero, do
suicídio, detê-lo talvez no limiar do crime! Não vale
mais isto do que os lambris dourados?”
Allan Kardec (discurso aos espíritas de Lyon e Bordeaux )
Curso De
Atendimento
Fraterno
“Vinde a mim todos vós que
estais aflitos e
sobrecarregados (...)”
Em Jesus temos o Atendente Fraterno perfeito
que, além de ter ensinado às multidões,
através de Seus inolvidáveis discursos, deixou-
nos preciosas lições dialogadas, através das
quais o Seu verbo de luz socorreu os
indivíduos, cada um a sua necessidade.
O Moço Rico, a Samaritana, Zaqueu, Joana de
Cusa, e tantos outros.
Também propôs: “Que vos ameis uns aos
outros.”
Apoiando-se nessa proposta os
primeiros apóstolos da Palavra, no
Cristianismo Primitivo, após suas
pregações, ainda tocados pelas
“línguas de fogo” inspiradoras da
oratória finda, se punham à
disposição para ouvir e aconselhar
os irmãos de caminhada,
encorajando-os para a luta.
“Eis o Atendimento
Fraterno, ontem, hoje e
sempre.”
(Equipe do Projeto Manoel Philomeno
de Miranda)
As Patologias da Alma
Violência, ódio, ciúme, ressentimento, amargura, suspeita,
insatisfação, dentre outras muitas — respondem por incontáveis
aflições que aturdem o ser humano.
Alma encarnada, nela se encontram as matrizes do bem como do
mal em que se compraz, dando campo ao seu desenvolvimento.
Os sofrimentos humanos de qualquer tipo são manifestações dos
distúrbios profundos que remanescem no ser espiritual,
desarticulando os sensores emocionais e a harmonia vibratória que
vige nas células, o que faculta a instalação das enfermidades.
O conhecimento do ser imortal, da sua
preexistência ao berço e sobrevivência
ao túmulo, torna-se indispensável para
qualquer cometimento terapêutico em
relação aos problemas e dores humanos.
Por isso mesmo, a terapia do amor é de
vital importância, envolvendo o
paciente em confiança e ternura, ao
mesmo tempo esclarecendo-o quanto à
sua realidade e constituição espiritual.
Qual o objetivo primacial do Atendimento Fraterno?
Receber bem e orientar com
segurança todos aqueles que o
buscam. Mas, o Atendimento
Fraterno não se propõe a
resolver os desafios nem as
dificuldades, eliminar as doenças
nem os sofrimentos, mas propor
à pessoa os meios hábeis para a
própria recuperação.
Apoiando-se nos postulados espíritas, o
atendimento fraterno abre perspectivas
novas e projeta luz naqueles que se
debatem nos dédalos das aflições.
Joanna de Ângelis
“Mediante conversação agradável, evitando-se atitudes de
confessionário, o atendente fraternal deve saber desviar os temas
que incidem nos vícios da queixa, da lamentação, da autopunição,
demonstrando que o momento de libertação e paz está chegando,
mas a ação para o êxito depende do próprio paciente, que deve
iniciar, a partir desse momento, o processo de autoterapia.”
“Nessa ocasião, tem início a ação fluídica, o auxílio bio-energético,
a inspiração, que lhe propiciarão a mudança de clima mental (...).”
“Preparar-se bem, psicologicamente e doutrinariamente, faz-se
imprescindível para o desempenho correto do mister a que o
atendente fraterno deseja dedicar-se.”
“Ao lado desses requisitos cabe-lhe desenvolver o sentimento de
amor, embora vigiando-se para evitar qualquer tipo de
envolvimento emocional, jamais esquecendo a fraternidade gentil
e carinhosa como recurso hábil para a desincumbência da tarefa a
que se propõe.”
“ O atendimento fraterno
na Casa Espírita é de vital
importância, para que
todo aquele que lhe
busque a ajuda, seja
orientado com equilíbrio,
guiando-o para o labor de
auto-iluminação.”
Joanna de Ângelis
O papel fundamental do Centro
Espírita na sociedade é ajudar as
pessoas no processo de
reequilíbrio, levando a mensagem
moral de Jesus, à luz da Doutrina
Espírita, à vida daqueles que ainda
se encontram sob o jugo da
ignorância.
Trata-se de uma atividade que deve
ser feita com seriedade, disciplina e
preparo, pois às vezes, sendo esse o
primeiro contato que o assistido
tem com o Espiritismo, vai
obrigatoriamente refletir a
seriedade ou não do trabalho da
casa.
O que é?
- Acolher é estar presente para o outro
- É esquecer um pouco de si
- É enxergar que existe alguém ao seu lado
- É ouvir, mas também escutar nas
entrelinhas, o não dito entre o dito
- É esquecer um pouco de si
- É perceber que o silêncio também fala
- No olhar que suplica… Na mão estendida ,
pedindo Socorro….
- É entender o grito de exaltação mendigando
uma migalha de paciência.
- É enxergar o desequilíbrio clamando por
uma gota de temperança
- É saber que a dor do outro é a maior do
mundo, tão grande, que as vezes não pode
ser contida na queixa. Mas que cabe na
escuta de um minuto.
- É compreender, sem julgar.
- Sabendo que a verdade se transmuta de
mil versões.
Enfim, acolher é estar presente na
presença do outro.
E ser para ele tudo o que ele precisa
que você seja, ainda que por um
breve instante.
“O Atendimento Fraterno é uma psicoterapia que modifica a
estrutura do problema no indivíduo que se acerca da Casa
Espírita com idéias que não correspondem à realidade.”
Divaldo Franco
Qual a utilidade doutrinária do serviço de Atendimento
Fraterno na Casa Espírita?
“Receber as pessoas, orientando-as quanto às possibilidades de que a Casa dispõe em
forma de recursos que são colocados às ordens daqueles que vêm até ao núcleo de
iluminação espiritual, encaminhando os que têm problemas para receberem as
respostas pertinentes às suas necessidades e, por fim, fazendo o trabalho educativo e
fraternal de bem conduzir todos aqueles que batem às portas da Instituição Espírita.”
(Divaldo Franco)
Âmbito de Ação
Os problemas que aturdem as
criaturas humanas, nos dias de
hoje, são os
mais diversificados possíveis e
vão, desde a necessidade pura e
simples do
conhecimento, às angústias
superlativas dos que se
encontram sobraçando os
mais pesados fardos. Nesta
variada gama está a clientela que
busca o
Atendimento Fraterno dos
Centros Espíritas.
Quem procura o Atendimento fraterno?
Pessoas que perderam entes queridos e não conseguiram superar a dor
Que não conseguem um relacionamento estável na vida afetiva ou familiar,
transferem para o convívio social os seus conflitos, desajustando-se e
fracassando nas metas programadas
alguns, pedindo por outros, tocados de compaixão ou incomodados pelo
desequilíbrio daqueles com quem se relacionam;
há os vitimados pela pobreza, pelo desemprego, cuja problemática, conquanto
de ordem material, tem raízes e implicações mais profundas
se incluem os viciados, vítimas de si mesmos mas, de um certo modo,
atingidos pelo meio hostil de uma sociedade ainda não transformada pelas
luzes do Evangelho
doentes de toda ordem: da mente, do corpo e da emoção, em processos
demorados de inadaptação social
os que, de uma hora para outra, se vêem a braços com desafios superiores às
suas forças
Em síntese, poderíamos dizer que o alcance do Atendimento Fraterno
engloba as diversas nuances do sofrimento humano e diretamente os
problemas engendrados pelo ego personalístico, que induz os
indivíduos à utilização incorreta do livre arbítrio.
Destaque para a problemática da obsessão a doença do século, ainda
pouco considerada — pois de permeio com muitos desses conflitos
humanos estão as interferências espirituais variadas, gerando
alterações do comportamento e da emoção de ampliados riscos e
consequências.
Causas que desencadeiam as aflições humanas
O egoísmo é o câncer da sociedade, porque é ele que desencadeia
outros distúrbios em nossa área espiritual. É o egoísmo que responde
pela nossa agressividade, porque ele nos leva ao egocentrismo, ao
direito de crer que somos o centro do Universo, e de merecermos tudo
e todos, tornando-nos soberbos.
O ciúme também é causa infeliz, porque nos faz pensar que somos
proprietários uns dos outros, dos objetos, das ocasiões e das
circunstâncias;
O ódio a todo aquele que não concorda conosco e nos agride é fator
dissolvente e desprezível; a revolta e, consequentemente, a cólera
fulminante, que abre espaço ao ódio, constituindo-se elemento
pernicioso.;
Graças a esses fatores, as enfermidades se alojam com mais
facilidade, porquanto o egoísmo produz enzimas destrutivas, que vêm
perturbar o metabolismo e facultam campo para a instalação de
doenças degenerativas.
Ao mesmo tempo, torna-nos distônicos, e passamos a ter problemas
psicológicos, abrindo ensejo para a vinculação com as Entidades
perversas, malévolas, tendo início aí os processos de obsessão.
Por isso, Jesus ofereceu como
terapia fundamental o amor,
porque, quando se ama, sai-se de
si para poder tornar-se útil; o
indivíduo esquece seus próprios
problemas para contribuir pela
diminuição dos alheios.
Jesus sintetizou tudo isso de uma
forma muito bela, quando os
discípulos afirmaram que Ele
sempre atendia as criaturas
tomado por compaixão. Não esse
sentimento de piedade vulgar,
mas, com a paixão de ternura,
com o desejo veemente de
modificar aquela situação.
Oportunidades onde o Atendimento Fraterno
se impõe como um dever:
No lar
Esteja atento ao comportamento
psicológico do seu familiar.
Notando que alguém do círculo familiar
vive dificuldades ásperas, inerentes
ao carreiro evolutivo, adiante-se para
oferecer sua contribuição de ajuda,
tornando-se solidário...
Lembre-se, sempre, que
Deus ajuda à criatura através de outra criatura...
No Trabalho
Não se isole do companheiro que divide
com você as horas estafantes de
sua jornada de trabalho.
Surgindo na vida do colega a dificuldade
moral e o momento inquietante, eis o seu
instante de compartilhar ajudando,
extravasando sentimentos fraternais em
ondas de amizade pura.
Defenda princípios de cooperação, valorizando o esforço de todos. Não
explorar nem se deixar explorar é atitude educativa que abre, sempre,
possibilidades para trocas de qualidade superior.
Se hoje você ajuda, mais adiante poderá ser
aquele que necessita ser ajudado.
Esforce-se para conservar o bom-humor, para que não seja você o
interruptor a desligar o circuito da alegria, destoando dos demais.
Na via pública
Talvez seja coincidência um encontro
inesperado, na rua, com uma pessoa
desconhecida; mas pode ser alguém
trazido à sua presença, por Deus, a fim
de que você exercite a capacidade de
amar ao próximo.
Cumprimentando-a, gentilmente, ouça-
a com a devida atenção, a fim de que
possa ser útil e (quem sabe?) ajudá-la
na solução de alguma dificuldade.
Suas palavras, envolvidas por um sentimento empático, podem
redirecionar aquela mente, se atribulada, abrindo espaço para que
encontre resposta adequada.
No transporte
coletivo
Verifique, sempre, quem está sentado
ao seu lado, familiarizando-se com
aquela fisionomia que lhe parece
desconhecida.
Tente auscultar o que transita na mente
da pessoa, mantendo uma
conversação amistosa;
Demonstre o seu interesse por aquilo que ele fala pois, assim, terá a
oportunidade de prender a atenção do novo amigo para o que você lhe
quer transmitir. E passe-lhe pequenas notas de compreensão e de
interesse, construindo, a partir daquele instante, vínculos novos de
amizade fraternal.
No Centro
Espírita
Ao perceber alguém que chega, por
primeira vez, a Casa Espírita a que
você está vinculado por laços de
afeição e compromissos de serviços,
aproxime-se, sorria, converse... seja
alguém a dar boas-vindas com efusão
de legítima fraternidade.
Cuidado com a indiferença, o
desapreço e as preferências para que
tais atitudes não maculem a sua
participação no esforço coletivo.
Se o companheiro se afastou, conquanto não saiba o motivo, interesse-
se por ele; nada custa um telefonema, uma visita, uma conversa
estimuladora e, se enfermo, a sua presença junto a ele. São essas
atitudes deveres impostergáveis, sem os quais a convivência cristã deixa
de ter sentido, tornando-se igual a outra qualquer.
“É muito importante para o Atendimento Fraterno que o atendente
conheça algumas noções básicas (ainda que bem simples) acerca dos
problemas de personalidade, a fim de evitar-se o equívoco, diante de certos
casos, considerados como processos obsessivos quando, na realidade,
expressam conflitos, desajustes, traumas, transtornos psíquicos, enfim, que
têm como origem o próprio indivíduo, que é um Espírito enfermo, digamos
assim.”
“Infere-se, pois, que a falta de ajustamento das
tensões pode ocasionar conflitos a manifestar-se
sob variadas formas e sintomas, desde a
timidez, excessivo acanhamento, medo de
relacionar-se com as pessoas, ansiedade,
angústia, fobias, depressão, até desaguar nos
transtornos psíquicos como as neuroses ou, em
casos mais graves, como a esquizofrenia, as
psicoses, etc.”
(Suely Caldas)
Problemas de Personalidades
“Essa fuga passa por uma vasta gama de subterfúgios, como os vícios,
por exemplo, que constituem supostas válvulas de escape, ou o
fechar-se em si mesmo, tentando evitar o confronto com as tensões
naturais da vida.”
“Esses problemas de origem cármica, cujas
causas estão no Espírito endividado perante
as Leis Divinas, encontram nos
esclarecimentos da Doutrina Espírita os
recursos terapêuticos imprescindíveis para
que alcancem a própria libertação...”
(Suely Caldas)
“O ajustamento, a estrutura da personalidade, faz-se pela interação
dos componentes bio-psico-sócio-espirituais.”
Perfil do Atendente Fraterno
A ajuda possível de ser prestada a alguém (...) está vinculado a
valores subjetivos relacionados com o seu comportamento,
diríamos, seu carisma, o amor que irradia — que o torna uma
pessoa dotada de qualidades inter-pessoais relevantes e qualidades
intímas (força interior) que o credenciam para o trabalho.
Em sendo uma pessoa tolerante (sem ser conivente), expressará um
respeito e uma aceitação incondicionais em relação ao ajudado (...)
Ser autêntico (sem ser grosseiro), pois no espaço do Atendimento
Fraterno não há campo para dissimulação da parte de quem atende,
que deverá expressar sentimentos com sinceridade e interesse real
de ajudar.
O atendente fraterno será sempre uma pessoa comedida e discreta,
dosando aquela informação cujo teor integral o ajudado não teria
ainda condições de suportar.
Não cabe ao atendente fraterno passar receitas prontas,
encaminhar soluções que saiam exclusivamente de sua cabeça.
Levar o atendido a essa compreensão de si mesmo (ainda que em
níveis superficiais, no início) para que ele atendido — seja capaz de
flexibilizar suas crenças pouco racionais e lógicas e alterar os seus
valores, a forma de ver a vida e a própria situação, tornando-se mais
otimista.
É da responsabilidade da Direção da Casa
estabelecer o perfil ideal do
atendente fraterno, que será passado ao
Coordenador do serviço que, por sua
vez, se incumbirá de organizar um processo
seletivo capaz de identificar esses
valores humanos e incorporá-los ao
trabalho.
Como e quem define o perfil do atendente fraterno ?
Qual seria o perfil do atendente fraterno?
Digamos que um perfil apropriado englobaria duas ordens de requisitos:
os humanos básicos e os de natureza doutrinária.
Humanos básicos
- Saber ajudar-se
- Interesse fraternal por outras pessoas
- Bom repertório de conhecimentos
- Hábito de oração e de estudo
- Pessoa moralizada
- Equanimidade, ponderação, equilíbrio
emocional, paciência e segurança
(Conquistas emocionais e psíquicas que o
capacitam a lidar com situações desafiadoras)
Natureza
Doutrinária
- Integração nas atividades do Centro e
conhecimento da sua estrutura de funcionamento
- Familiaridade com o Evangelho de Jesus
- Conhecimento das obras básicas da Codificação e
obras complementares
- Competência para aplicar passes.
- Empatia
- Equanimidade, ponderação, equilíbrio
emocional, paciência e segurança
O Atendimento Fraterno assume um caráter
eminentemente inspirativo, em que
atendentes e atendidos são auxiliados pelos
bons Espíritos que se vinculam à tarefa.
Relembrando:
- A condição essencial é a boa moral
- Ir a Deus através da prece é outra condição imprescindível
- Conhecimento da Doutrina Espírita
- Um bom tato psicológico é necessário
- A capacidade de saber ouvir é valiosa
- Saber tratar as pessoas com generosidade, simpatia, brandura,
indulgência e segurança
- Participar ativamente de, pelo menos, um grupo de estudos na
Casa Espírita
- Ser um trabalhador envolvido e comprometido com tarefas da
Casa
Outros requisitos:
- Confiança no poder divino
- Fé vigorosa
- Boa vontade em servir
- Domínio dos vícios
- Elevada compreensão da vida
- Humildade
- Amor aos semelhantes
ATENDER: expressar de forma indireta (não verbalmente)
disponibilidade e interesse pelo ajudado
RESPONDER: demonstrar, por gestos e palavras, compreensão
por ele, correspondendo-lhe à expectativa pessoal
PERSONALIZAR: conscientizá-lo de que é uma pessoa ativa, com
responsabilidade no seu problema, e capaz de solucioná-lo
ORIENTAR: saber avaliar, com ele, as alternativas de ação
possíveis, de modo a facilitar-lhe a escolha (que é dele) da ação
transformadora
Quando o atendente atende bem
o ajudado envolve-se
Quando o atendente responde bem
o ajudado explora-se
Personalizar processo de compreender no ajudado
Capacidade de orientar possibilidade para o agir
Essa trajetória, que vai do envolver-se à ação transformadora, talvez não
aconteça plenamente num único encontro. Que hajam outros, não
necessariamente com o mesmo atendente fraterno, e, por isso, voltamos
a enfatizar a importância de se dispor, no Centro Espírita, de uma equipe
coesa e que vibre em uníssono sob a regência de idênticos princípios.
cuidado com o ambiente físico
Atender envolve polidez e interesse do atendente
atenção, postura
saber ouvir, ter empatia
Responder é identificar e confirmar com o próprio ajudado o seu
problema principal, expressar com os próprios, os sentimentos do
outro, perceber a linguagem corporal do outro.
Perguntar somente quando não entender ou para ajudar o atendido
a se expressar.
Personalizar é o momento do ajudado se descobrir como pessoa,
perceber o fato de que não é um passivo diante de sua experiência
mas um atuante, uma pessoa responsável por seus atos,
pensamentos e emoções (...)
Orientar será a parte mais
fácil, se o Atendente conhece
a Doutrina, cabendo-lhe
organizar a sua expressão de
forma clara e simples para
transferi-la para o atendido
como informações práticas, a
partir das quais se definirá um
plano de ação, que o atendido
deverá seguir por iniciativa
própria, objetivando
a solução almejada.
“Ouvir é mais produtivo que falar, em todos os níveis.
A pessoa que sabe ouvir é mais simpática, conquista o interlocutor e,
acima de tudo acrescenta ao seu próprio patrimônio cultural, a
informação que o outro exterioriza”.
“Ouvir é renunciar. É a mais alta
forma de altruísmo, em tudo
quanto essa palavra significa de
amor e atenção ao próximo.”
“O ato de ouvir, exige, de quem
ouve, associar-se a quem fala. É
necessário empenho de quem
fala para fazer-se compreender.”
“Qualquer pessoa pode melhorar sua capacidade para ouvir.”
“Escutar é colocar-se de lado por um instante, esvaziar-se de alguns
conceitos pré-estabelecidos e perceber o que o outro quer lhe
transmitir.”
Reinaldo Passadori
Falar é uma
necessidade.
Ouvir é uma arte.
Aprendamos a
ouvir para
auxiliar,
sem a presunção
de resolver.
Fatores que devem ser observados
Físicos Temperatura Mentais Indiferença
Ruído Impaciência
Iluminação Preconceito
Meio Ambiente Preocupação
Condições de saúde Ansiedade
“Ouvir é uma técnica mental que pode ser aperfeiçoada em
treinamento e prática.”
Empatia
Como você gostaria de ser atendido?
X
É a capacidade que temos de nos colocar no lugar do outro e
sentir como ele, entendendo melhor seu problema.
Empatia Simpatia
Tendência instintiva que atrai uma pessoa para outra: sentir
simpatia por alguém.
Inclinação recíproca entre duas pessoas ou duas coisas.
Simpatia
“A empatia ocorre no
momento em que um
ser humano fala com
o outro.”
“É impossível compreender outro
indivíduo se não for possível, ao
mesmo tempo, identificar-se com
ele... “
“Se buscarmos a origem dessa capacidade de agir e sentir como se
fôssemos outra pessoa, iremos encontrá-la na existência de um
sentimento social inato. Na realidade, ela é um sentimento cósmico
e um reflexo do encadeamento de todo o cosmo que vive em nós. É
uma característica inevitável do ser humano.”
Alfredo Adler
A capacidade de empatizar denota amadurecimento espiritual (...)
Para os serviços de Atendimento Fraterno o significado da empatia
amplia-se e torna-se, realmente, na capacidade de amar ao próximo,
consoante o inolvidável ensinamento de Jesus, que sintetiza tudo isto
em plenitude:
“Amar ao próximo como a si mesmo.”
Atendimento Fraterno
Pronto Socorro
Espiritual
Recomendações Práticas para os Atendentes
Não prometer curas ou estabelecer
certezas absolutas
Recusar gratificações, atenções ou
distinções especiais
Evitar opiniões pessoais
Não interferir em
receituários médicos
Manter privacidade mas não
vedação absoluta da sala
Falar com simplicidade
Atender o indivíduo de
preferência sozinho
Não fazer revelações
Não dizer ao atendido: “Você está
obsidiado”
Não doutrinar Espíritos
durante o Atendimento
Não utilizar-se de informações do
Atendimento para orientar
Doutrinadores nem informações
destes para orientar o Atendimento
Recomendações Práticas para os Atendentes
Não encaminhar ou indicar
pessoas para Reuniões
Mediúnicas
Não asseverar para o Atendido:
“Você é Médium”
Não atender incorporado
(Transe mediúnico)
Não estimular que o assistido,
em atitude de queixa, revele
os nomes dos Centros
Espíritas por onde passou.
Motivos para a procura do atendimento fraterno
- Doenças orgânicas, psíquicas e
espirituais (destaque para a
obsessão)
- Questões existenciais
- Insucessos e frustrações, pessoais,
sociais, profissionais, etc.
- Morte de entes queridos
- Orientação em matéria de espiritualidade - Aborto
- Aconselhamento familiar - Adultério
- Drogas, alcoolismo, vícios - Suicídio
- Transtornos de comportamento
Relembrando
“Ouvir é mais produtivo que falar, em todos os níveis.
A pessoa que sabe ouvir é mais simpática, conquista o interlocutor e,
acima de tudo acrescenta ao seu próprio patrimônio cultural, a
informação que o outro exterioriza”.
Perfis dos Atendidos
Convém estarmos alertas para as
diferentes personalidades, com
seus diversos problemas. Dentre o
grande número de tipos de
pacientes, citaremos alguns a
título de exemplo:
O Desesperado
A pessoa que procura o centro em
estado de desespero, tem que ser
acudido a qualquer momento. Em
primeiro lugar, procura-se acalmá-la
envolvendo-a em palavras de
conforto, transmitindo-lhe confiança
e carinho. Na maioria das vezes está
sem condições para ouvir instruções
mais objetivas, portanto o melhor
será encaminhá-la ao passe, para
num segundo momento entrar com
as conversas instrutivas e de
orientação.
O Desesperado
O desespero pode ser oriundo das
mais diversas causas, mas todo o
fundamento dele se baseia na falta
de fé e confiança no futuro. A
pessoa se desespera porque não vê
saída para seu problema. O sentido
de perda lhe traz a sensação de que
tudo está acabado.
Através da segura orientação da
Doutrina Espírita, temos que incutir
lentamente no indivíduo a confiança
em Deus e em Sua justiça, tirando-o
do desespero.
O Desesperado
Com o tempo e o auxílio dos amigos
espirituais, o paciente reencontrará o
equilíbrio.
O Desanimado
Normalmente um paciente é
desanimado porque sua vida
está sem sentido. Ele não tem
ânimo para o trabalho e na
maioria das vezes se isola do
convívio social e familiar.
Frequentemente tem
depressão profunda e
pensamentos que se
relacionam com a morte.
O Desanimado
É necessário ter muita
cautela com a orientação
doutrinária e ter sempre o
cuidado de encaminhar o caso
também ao médico terreno
para que seja avaliada a
necessidade do uso de
medicações, por possíveis
enfermidades físicas que
possam estar instaladas no
organismo.
O Desanimado
Se possível, envolver a família
na orientação, mostrando os
riscos que corre o doente de
enveredar-se pelo caminho do
desequilíbrio. Explicar, através
do diálogo fraterno e
convincente, a necessidade de
sua moralização, pela prática
da religiosidade, da moral e
organização da própria vida
O Descrente
É aquele que inicia sua
conversa já dizendo que foi
trazido por sua família ou
amigos, mas que não acredita
em nada etc. Na maioria das
vezes quer ser convencido de
alguma coisa ou espera que
seus problemas sejam
resolvidos por outros. Tenta
fazer parecer que não está
muito interessado na ajuda
oferecida pelo centro espírita.
O Descrente
Nestes casos, deixar claro que
ele só será auxiliado se quiser
e que terá que se esforçar
para isso. Evitar atitudes
paternalistas com o paciente.
Muitas vezes a ação mais
enérgica do entrevistador faz
com que o indivíduo mude
sua postura perante a vida.
Mostrar as desvantagens da
descrença e os benefícios que
poderia ter, revertendo esse
quadro.
O Fanático
Esse tipo de personagem é
muito encontrado entre
espíritas que supõem resolver
seus problemas com a ação
dos Espíritos superiores, sem
se esforçarem para vencer as
dificuldades. Geralmente não
aceitam interferências de
terceiros em suas convicções
e nos casos de doenças
orgânicas chegam a desprezar
o tratamento da medicina
terrena.
O Fanático
Acham que, por trabalharem
no centro espírita, os irmãos
espirituais estão a postos para
ajudá-los a resolver seus
problemas. É muito delicada a
abordagem desse tipo de
personalidade, pois trata-se
na verdade de pessoas
equivocadas quanto ao papel
do Espiritismo na vida do
homem.
O “Espírita”
São pessoas que se dizem
"espíritas" porque tiveram contato
com outros segmentos
espiritualistas e mesmo com o
Espiritismo. Querem ler muitas
obras psicografadas (ou dizem que
já o fizeram) e vão logo afirmando
que gostariam de trabalhar na
casa. Procuram auxílio por não
estarem bem, mas na maioria das
vezes, já dizem o que acham
necessário para a solução de seus
males.
O “Espírita”
Isso torna bem difícil uma
orientação mais efetiva. Na
medida do possível, conscientizá-lo
sobre a responsabilidade de ser
espírita e demonstrar que a
possibilidade de trabalho será
definida mais tarde. Primeiro é
necessário buscar um estado
mínimo de equilíbrio espiritual
O Médium
Este tipo de assistido já vem com o
diagnóstico de sua "mediunidade".
Acha que a mediunidade é a causa
de sua perturbação. Verificar,
através da própria entrevista, onde
e como exerce (ou exerceu) seu
trabalho de intercâmbio. A
atividade mediúnica inadequada
pode gerar perturbações no
psiquismo das pessoas.
O Médium
Além do mais, dependendo de
onde estava "trabalhando", o
paciente pode estar sendo vítima
de processo obsessivo oriundo de
contaminação. Orientá-lo no
sentido de que seu dom será
reavaliado mais tarde, depois do
tratamento. Jamais prometer que
ele vai trabalhar como médium na
casa, pois muitas vezes a pessoa
vem à entrevista com essa
intenção.
O Médium
Nunca encaminhar o paciente
para sessões práticas de
Espiritismo, antes de submetê-lo a
tratamento, mesmo que o
paciente já tenha tido orientação
kardequiana.
O que perdeu ente querido
Geralmente procuram o centro
inconformados pela perda de
alguém da família, com o objetivo
de conseguir notícias do ente
querido. Confortá-lo com a ajuda
das ferramentas da Doutrina
Espírita. Pode-se anotar o nome do
desencarnado para fazer preces
por ele ou verificar na sessão
prática com está sua situação, se
houver necessidade.
O que perdeu ente querido
Nunca prometer mensagens
mediúnicas. Isso gera uma
expectativa na família e nem
sempre tal coisa é possível. As
conversas em torno da
imortalidade da alma trazem
grande conforto espiritual, bem
como a sugestão da leitura de
livros adequados para o caso. O
convívio na casa, no contato com a
Doutrina Espírita, com o tempo
fará a pessoa compreender mais e
sofrer menos.
O que quer resolver problemas dos outros
Geralmente são pais aflitos ou
cônjuges tentando fazer qualquer
coisa para salvar determinada
situação de desequilíbrio instalada
em suas vidas. Não raro querem se
submeter a tratamento no lugar do
necessitado, na desesperada
tentativa de ajudá-lo, pois de
maneira geral são pessoas
refratárias a procurar ajuda.
O que quer resolver problemas dos outros
O entrevistador deve esclarecer
como se dá o auxílio espírita e a
necessidade da presença do doente
na casa. Deve pedir que façam o
possível para trazê-lo no centro
espírita. Oferecer ajuda indireta
através do livro de pedidos de
amparo. Em casos graves, pode-se
anotar nome e endereço do
necessitado, para ser levado às
sessões práticas.
O "sábio"
Aquele que busca auxílio na casa
espírita, mas acha-se muito sábio,
culto e inteligente e não se sente à
vontade submetendo-se à
orientação de alguém que ele julga
ser inferior a ele. Através da
conversa, quer mostrar-se superior e
se o entrevistador não for
suficientemente experiente, ele
pode monopolizar o diálogo,
tornando infrutífero o trabalho de
esclarecimento.
O "sábio"
Agir com tato, demonstrando que
todos temos muito a aprender na
escola da vida. Nos casos em que o
entrevistado demonstrar que quer
"duelar" no campo das idéias, deve-se
ter a sutileza de desviar seu intento,
fazendo-o ver que aquele não é o
momento e o local apropriado para
disputas. Jamais esquecer que se está
diante de pessoa em desequilíbrio.
Mostrar que a casa espírita e o
Espiritismo estão ali para ajudá-lo, se
tiver humildade para se colocar como
necessitado da alma.
O pessimista
O pessimismo é uma atitude mental
inadequada que gera uma energia
negativa na mente da pessoa,
prejudicando todas as atividades na
vida. Tratar com o pessimista é
muito difícil, pois ele se coloca a
todo momento como fracassado e
descrente de possíveis melhorias.
Geralmente são indivíduos que
portam auto-obsessões e não raro
frequentam casas espíritas a vida
inteira.
O pessimista
O pessimista pode necessitar de
psicoterapia e têm-se que estar
atentos a esse fato, para
encaminhá-lo a profissionais da
área, se for necessário. Com o
estabelecimento da ajuda espiritual,
sua atitude mental poderá se
modificar, facilitando a
compreensão das instruções a ele
oferecidas através das palestras e
conversas periódicas na sala de
entrevistas.
O portador de doença orgânica
Normalmente a pessoa que procura
a casa espírita com problema
orgânico, pensa encontrar ali a cura
de sua doença, pois acha que vai ser
"operado" etc. É bom que seja
informado que a etiologia das
doenças podem ser de ordem
externa e interna. Externas são
aquelas provenientes do meio onde
vivemos e circunstâncias da própria
matéria que constitui nosso
organismo.
O portador de doença orgânica
Internas, quando são oriundas do
corpo espiritual e constituem-se em
conseqüências de condutas e
posicionamentos inadequados de
outras encarnações. É importante
certificar-se se o paciente está em
assistência médica e jamais se deve
suspender o uso de medicamentos.
Encaminhar para tratamento
adequado na casa espírita.
O portador de doença grave
São pessoas que vêm à casa espírita,
normalmente trazidas por seus
familiares, em estado de desespero
por portarem doenças graves e às
vezes crônicas. Essas pessoas vêm
com grande esperança de serem
curadas. É importante não prometer
curas milagrosas, mas a ajuda que a
Doutrina Espírita traz é fundamental
para a superação da prova a que o
paciente está submetido.
O portador de doença grave
A fluidoterapia e a orientação sobre
a origem dos males ajudará o
enfermo no processo de
conscientização e até, quem sabe,
da cura propriamente dita.
Prescrever assistência espiritual e
deixar claro que o tratamento
espírita é um auxiliar da medicina
terrena.
O esquizofrênico
A esquizofrenia é uma enfermidade
mental semelhante à obsessão
espirítica e pode ser classificada
como auto-obsessão. Os pacientes
portadores dessa anomalia mental
escutam vozes constantemente e
têm mania de perseguição. Julgam-
se saudáveis e na maioria das vezes
resistem ao tratamento médico ou
espírita. Nos casos em que o
enfermo aceitar, ele poderá ser
encaminhado ao tratamento
convencional de desobsessão.
O esquizofrênico
O atendente não deverá considerar
as manifestações do psiquismo
doentio desses pacientes, como
sendo informações consistentes
para suas investigações. Geralmente
os esquizofrênicos são Espíritos
muito endividados com o passado,
que estão em encarnações de grave
expiação. A terapia espírita deverá
estar associada ao tratamento
psiquiátrico.
Como se mostra o atendido
AGITADO?
Portemo-nos com serenidade para que se
acalme.
ANGUSTIADO?
Sejamos extremamente habilidosos para
que abra o coração.
DESCONFIADO?
Externemos segurança no que afirmamos,
a fim de que nos dê crédito.
NÃO QUER SER NOTADO?
Tenhamos a sensibilidade de acolhê-lo, respeitando a sua vontade.
Às vezes, nesses casos, um sorriso franco causa melhor efeito.
Como se mostra o atendido
INIBIDO?
Façamos-lhe perguntas com discrição,
estimulando-o a tomar a iniciativa da
conversa.
ZANGADO?
Deixemos que esgote o desabafo sem lhe
cortar a palavra, concedendo-lhe o direito
de pensar como julga acertado,
lamentando as causas do seu
descontentamento com mansuetude e
terminando por colocar-nos à disposição
para ajudar no que puder ser útil, o
recepcionista e a Casa ...
Como se mostra o atendido
CURIOSO?
Informemos-lhe da grandeza do
Espiritismo, que nos convida à fé
raciocinada, sugerindo-lhe leitura
adequada e orientando-lhe sobre as obras
básicas.
FALANTE?
Não se exceder na conversação,
procurando encaminhá-lo para o diálogo
fraterno, se for este o caso.
Como conduzir a orientação a uma pessoa que já tentou o
suicídio algumas vezes e persiste na mesma idéia? Deve-se, de
alguma forma, dizer- lhe quais as consequências funestas do seu
ato infeliz ou ser-lhe compreensivo e consolador?
A melhor maneira de consolar é
advertir quanto aos riscos que advêm
como consequências dos nossos atos
impensados. Consola-se, quando se
esclarece. A melhor forma de consolar
alguém é arrancá-lo da ignorância,
educá-lo.
Dinâmica do
Atendimento
Fraterno
Apresentar-se e perguntar o nome da pessoa entrevistada.
Colocar a pessoa à vontade, perguntando-lhe delicadamente o
motivo da sua vinda ao centro espírita.
Permitir que a pessoa narre seu problema,
ouvindo com atenção todos os detalhes,
procurando ajudá-la a expressar-se caso
encontre dificuldades em expor seu caso.
Não crivá-la de perguntas desnecessárias
que possam descambar para a mera
curiosidade.
Manter-se sempre interessado e fraterno, procurando conduzir o
assunto para os aspectos mais importantes, e se não conseguir,
abreviar, delicadamente a entrevista. O tempo utilizado em cada
entrevista irá variar, de acordo com a gravidade dos casos, mas a média
será de aproximadamente dez a quinze minutos por entrevista..
Se cabível, orientar a pessoa com base nos fundamentos da
doutrina, quanto à teoria, mas a postura deve ser sempre cristã.
Procurar falar com simplicidade, adequando a linguagem ao
interlocutor..
Procurar estabelecer relacionamento
agradável, mostrando semblante
simpático e fraterno para que o
entrevistado se sinta em ambiente de
confiança e encorajado a prosseguir no
diálogo.
Tratar a pessoa respeitosamente pelo nome, quando se dirigir à
mesma, informando-lhe da importância da reunião que vai
assistir e das recomendações que lhe estão sendo prescritas.
Nunca acusar o entrevistado, nem criticá-lo, lembrando sempre
que a finalidade da entrevista é ajudar.
Se receber agradecimentos, seja humilde,
sendo preferível convidar o entrevistado a
endereçá-los a Jesus ou a Deus, nosso Pai.
.
Tratar a pessoa respeitosamente pelo nome, quando se dirigir à
mesma, informando-lhe da importância da reunião que vai
assistir e das recomendações que lhe estão sendo prescritas.
Recomendações práticas
para os atendentes
Atendimento
Fraterno
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Prometer Curas ou Estabelecer Certezas Absolutas
O atendente fraterno deve ser positivo, estimulante e animado
para influenciar as pessoas a fazerem as mudanças necessárias à
conquista de si mesmas, avançando no rumo do progresso e da
paz.
Porém, deve trabalhar sempre com o relativo, fugindo às
declarações extremadas, carregadas de promessas maravilhosas,
que, nem sempre os atendidos estão em condições de construir
ou delas são merecedores.
Deve-se deixar bem claro, isto sim, que Deus ajuda
incessantemente, na medida do esforço e da boa vontade de
cada um, e que nenhuma ação no bem nem qualquer movimento
da alma no sentido de reparação das faltas ficará sem resposta.
Recomendações práticas
para os atendentes
Recusar Gratificações, Atenções ou Distinções Especiais
Tais encômios poderiam ser vistos como pagas indiretas. Todos
os que trabalham nas Casas Espíritas, servindo aos propósitos do
Consolador, na Terra, já sabem que o “dai de graça o que de graça
recebestes” é regra insubstituível. A confiabilidade de uma Casa
Espírita repousa na observância desse princípio ético que, não
sendo único, é fundamental, como base de apoio para todos os
demais.
Recomendações práticas
para os atendentes
Evitar Opiniões Pessoais
O suporte para o aconselhamento num serviço de
Atendimento Fraterno de uma Casa Espírita está nos postulados
da Doutrina Espírita. Ela representa hoje, na Terra, a
concretização da promessa do Consolador Prometido. As pessoas
buscam o Centro Espírita porque estão sequiosas desse
Consolador que lhes esclarecerá as razões do sofrimento, ao
mesmo tempo apresentando para elas a metodologia capaz de
libertá-las desse sofrimento. Sonegar esse “divino alimento” aos
que dele precisam, dando-lhes, em troca, opiniões pessoais,
pode ser qualificado como traição ou burla injustificável e de
graves consequências.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Interferir em Receituários Médicos
O suporte para o aconselhamento num serviço de
Atendimento Fraterno de uma Casa Espírita está nos postulados
da Doutrina Espírita. Ela representa hoje, na Terra, a
concretização da promessa do Consolador Prometido. As pessoas
buscam o Centro Espírita porque estão sequiosas desse
Consolador que lhes esclarecerá as razões do sofrimento, ao
mesmo tempo apresentando para elas a metodologia capaz de
libertá-las desse sofrimento. Sonegar esse “divino alimento” aos
que dele precisam, dando-lhes, em troca, opiniões pessoais,
pode ser qualificado como traição ou burla injustificável e de
graves consequências.
Recomendações práticas
para os atendentes
Manter privacidade, Mas Não Vedação Absoluta da Sala
A privacidade é da estrutura do próprio Serviço. Um local em
que a pessoa possa falar sem ser escutada e expressar. suas
emoções de forma mais reservada.
Não há necessidade, todavia, de se fechar a porta e mantê-la
trancada, como se estivéssemos guardando “delicados segredos”.
O ato de se manter a porta apenas encostada garante essa
privacidade, ao mesmo tempo deixando-se um certo acesso para
alguma providência que se faça necessária, e o atendido, que
vem pela primeira vez, mais tranquilo, por não estar totalmente
isolado da sala de recepção, das pessoas que ali estão, dos
próprios amigos ou parentes que o trouxeram àquele encontro.
Recomendações práticas
para os atendentes
Manter Privacidade, Mas Não Vedação Absoluta da Sala
A medida é também uma precaução para o próprio atendente,
que não está isento das ciladas que lhe podem ser armadas
através de pessoas em desarmonia íntima que acorrem ao
Atendimento Fraterno. A porta apenas encostada inibe um pouco
as arremetidas do desequilíbrio, permitindo-se que rapidamente
alguém seja chamado para ajudar.
Recomendações práticas
para os atendentes
Falar Com Simplicidade
O vocabulário do atendente deve ser ajustado à cultura e às
possibilidades de compreensão do atendido. Não é necessário
violentar-se, mas proceder de tal forma que a comunicação se
estabeleça, sob pena de comprometer a própria relação de
ajuda. Aliás, a boa técnica da comunicação dita a necessidade de
se verificar, durante a conversação, se está havendo
compreensão de parte a parte, o que poderá ser percebido pelas
reações emocionais, posturas ou mesmo através de perguntas
habilmente formuladas.
Recomendações práticas
para os atendentes
Atender o indivíduo, de preferência, sozinho
São comuns as inibições e constrangimentos que presenças
aparentemente inofensivas provocam. Quantas vezes, pessoas
afins (pais, maridos, esposas, etc.) acompanham os seus
afeiçoados aos gabinetes de Atendimento Fraterno não para
ajudarem, mas, para fiscalizarem, colocarem seus pontos de
vista, recalcando os dos seus entes queridos.
O atendente deve sugerir delicada e habilmente que cada um
seja atendido separadamente, porém, em hipótese alguma,
recusar-se a fazer o atendimento em grupo.
Tal recomendação, às vezes, se inverte: quando o atendido não
tiver condições de assimilar a orientação, face às suas
desarmonias íntimas, a presença de um acompanhante poderá
ser bastante útil.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Fazer Revelações
Comentários sobre vidências de Espíritos, revelações do
passado, cenas de outras vidas, etc., são claramente indesejáveis,
prejudiciais e despropositadas na maioria dos casos.
Quando ocorrem tais fenômenos com o atendente (e são
extremamente raros) é para orientá-lo, dar-lhe mais segurança
no atendimento e não para que revele ao seu interlocutor o que
está acontecendo.
Cuidados não serão poucos para que o prazer egóico de se
colocar em evidência não estimule semelhante procedimento.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Dizer ao Atendido: “Você Está Obsidiado!”
Conquanto se perceba, numa entrevista, a obsessão como um
fato evidente e consumado, a colocação do fato nunca pode ser
tão enfática, para não deprimir nem gerar pânico, ocorrências
muito prejudiciais a quem já está fragilizado e dependente.
Pode-se falar, em tese, na ação dos Espíritos sobre as criaturas
humanas, demonstrando que o fato é mais comum do que se
imagina e aconselhar-se um “menu” de providências capazes de
preservar o ajudado desse mal e erradicar-lhe as primeiras
manifestações.
Fixar na mente do atendido a idéia da obsessão é fragilizá-lo
ainda mais e colocá-lo no rol dos doentes, quando poderemos
colocá-lo entre os companheiros de trajetória.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Doutrinar Espíritos Durante o Atendimento
Incorporações ocorrem, algumas vezes, através dos próprios
atendidos em situação de descontrole emocional, obsessão
instalada ou aforamento de mediunidade. A postura correta do
atendente fraterno é chamar à lucidez o atendido-médium para
que o Espírito se afaste. Pode ser necessária uma breve
exortação austera ao Espírito com este propósito, seguida, em
casos renitentes, de passes dispersivos.
Não se trata de descartar uma presença indesejada mas
assegurar a harmonia de ambos, o Espírito e o atendido-médium,
bem como do ambiente.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Utilizar-se de Informações do Atendimento para Orientar
Doutrinadores nem Informações destes para Orientar o
Atendimento
A experiência do Atendimento Fraterno é de uso pessoal para
o atendente. Qualquer julgamento que ele faça não passa de um
julgamento, de uma presunção. Como passar para outrem esse
material informativo, que em si mesmo é apenas uma verdade
parcial, relativa, sabendo-se que ele sofrerá outras tantas
adaptações ao serem transferidas para terceiros, deformando-se
mais ainda?
Por outro lado, os médiuns e doutrinadores que atuam nas
reuniões mediúnicas precisam exercer as suas funções em
absoluta liberdade, sem peias, livres das sugestões alheias a fim
de assumirem a responsabilidade do que fazem, imunes de
quaisquer sugestões que os induzam ao erro.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Utilizar-se de Informações do Atendimento para Orientar
Doutrinadores nem Informações destes para Orientar o
Atendimento
A discussão desse assunto vem a propósito de práticas dessa
ordem que se vêm vulgarizando e fazendo escola no Movimento
Espírita.
Quando é o próprio atendente fraterno que, em sendo
médium ou doutrinador, percebe, nas reuniões mediúnicas,
presenças espirituais ligadas a pessoa por ele atendida, o caso é
diferente. As identificações, nessas oportunidades, que são
muito comuns, se constituem ajudas, informações adicionais
valiosas para nortear o seu trabalho.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Encaminhar ou Indicar Pessoas Para Reuniões Mediúnicas
Já é por demais conhecida a recomendação de que a reunião
mediúnica não é um gabinete de terapia para os encarnados,
diretamente, mas para os desencarnados. Do Atendimento
Fraterno para a reunião mediúnica nenhuma pessoa deve ser
encaminhada, sob pretexto algum, nem para receber ajuda
momentânea, tampouco para aferir se a pessoa é médium e,
muito menos, para ser um dos seus membros, o que requer uma
preparação bem cuidada, estudos e integração na Casa Espírita.
Ver na obra: Projeto Manoel Philomeno de Miranda - Reuniões Mediúnicas.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Asseverar para o Atendido: “Você é Médium”
Não raro, pessoas chegam ao Atendimento Fraterno com
sintomas presumíveis de mediunidade em afloramento. É muito
comum que os “entendidos” em se acercando delas afirmem:
“Você é médium”.
O Atendimento Fraterno tem por filosofia ajudar o ser a se
descobrir. Assim sendo, todo o trabalho se desenvolverá no
sentido de orientá-las para o estudo da Doutrina Espírita e de si
mesmas, de tal maneira que, cada uma, em se percebendo, diga:
“Tudo indica que eu sou médium. Vou criar as condições para
experimentar, como recomendava o Codificador, condição única
para se ter certeza do fato”.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Atender Incorporado (Transe Mediúnico:)
O Atendimento Fraterno é trabalho dos homens para
os homens. A mediunidade, nesse Serviço, se expressará sob o
aspecto da inspiração e capacidade de intuir, mas, nunca por
meio do transe mediúnico. Mesmo porque, esse é um trabalho
de equipe, não se admitindo que uns atendam ostensivamente
mediunizados e outros não.
Recomendações práticas
para os atendentes
Não Estimular Que o Assistido, em Atitude de Queixa, Revele os
Nomes dos Centros Espíritas Por Onde Passou:
Trata-se de uma medida ética, acautelatória, para deixar o
atendente livre de modo a orientar a pessoa com
espontaneidade e seguro de não estar estimulando que se
veicule a palavra de descrédito, o conceito desairoso a respeito
de Instituições co-irmãs.
Recomendações práticas
para os atendentes
Comentários Finais
Atendimento Fraterno
“Vinde a mim, todos vós que estais
aflitos e sobrecarregados, e eu vos aliviarei”
Jesus (Mt 11:28-30)
Recomendações práticas
para os atendentes
Recomendações práticas
para os atendentes
Edna Costa
Ilustrações dos slides: Google
Imagens
Curso de Atendimento Fraterno
2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Daniela Azevedo
 
Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio! Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio! Leonardo Pereira
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaumecamaqua
 
O valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espíritaO valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espíritaHelio Cruz
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoAnderson Dias
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Denise Aguiar
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da mortehome
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Cynthia Castro
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo francoBruno Rodrigues
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Clair Bianchini
 
Obsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e curaObsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e curaVictor Passos
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Cynthia Castro
 
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoMarlon Reikdal
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor JulianoCarvalho29
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRosimeire Alves
 

Mais procurados (20)

O DUELO
O DUELOO DUELO
O DUELO
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
 
Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio! Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio!
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
 
O valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espíritaO valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espírita
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo franco
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Obsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e curaObsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e cura
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
 
O Poder do Pensamento
O Poder do PensamentoO Poder do Pensamento
O Poder do Pensamento
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
 

Semelhante a Curso de Atendimento Fraterno

Projeto manoel philomeno de miranda atendimento fraterno
Projeto manoel philomeno de miranda   atendimento fraternoProjeto manoel philomeno de miranda   atendimento fraterno
Projeto manoel philomeno de miranda atendimento fraternoAugusto Luvisotto
 
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdf
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdfFRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdf
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdfJulianeSNTorres
 
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de MirandaAtendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de MirandaEdna Costa
 
Divaldo -atendimento_fraterno-manoel_p._miranda
Divaldo  -atendimento_fraterno-manoel_p._mirandaDivaldo  -atendimento_fraterno-manoel_p._miranda
Divaldo -atendimento_fraterno-manoel_p._mirandazfrneves
 
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdfAndré Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdfVIEIRA RESENDE
 
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)LidiceReisPereira
 
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)Helio Cruz
 
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessao
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessaoSuely caldasshubertobsessaoe desobsessao
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessaoWallancy Nunes
 

Semelhante a Curso de Atendimento Fraterno (20)

Projeto manoel philomeno de miranda atendimento fraterno
Projeto manoel philomeno de miranda   atendimento fraternoProjeto manoel philomeno de miranda   atendimento fraterno
Projeto manoel philomeno de miranda atendimento fraterno
 
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdf
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdfFRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdf
FRANCO, Divaldo Pereira - Atendimento Fraterno -Manoel Philomeno de Miranda-.pdf
 
Atendimentofraterno
AtendimentofraternoAtendimentofraterno
Atendimentofraterno
 
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de MirandaAtendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
Atendimento Fraterno (Livro) - Projeto Manoel Philomeno de Miranda
 
Divaldo -atendimento_fraterno-manoel_p._miranda
Divaldo  -atendimento_fraterno-manoel_p._mirandaDivaldo  -atendimento_fraterno-manoel_p._miranda
Divaldo -atendimento_fraterno-manoel_p._miranda
 
Atendfraterno
AtendfraternoAtendfraterno
Atendfraterno
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 06 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 06 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 06 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 06 doc
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 
Apostila 06 doc
Apostila 06 docApostila 06 doc
Apostila 06 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
 
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdfAndré Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
 
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)
Obsessao e desobsessao (suely caldas schubert)
 
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)
Obsessão e desobsessão (suely caldas schubert)
 
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessao
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessaoSuely caldasshubertobsessaoe desobsessao
Suely caldasshubertobsessaoe desobsessao
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 06 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 06 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 06 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 06 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 06 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 06 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 06 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 06 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
 

Mais de Edna Costa

Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia EnergéticaCurso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia EnergéticaEdna Costa
 
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1Edna Costa
 
Estudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doençasEstudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doençasEdna Costa
 
Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016Edna Costa
 
Apresentação do Esde
Apresentação do Esde Apresentação do Esde
Apresentação do Esde Edna Costa
 
Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Edna Costa
 
As Negatividades e as Máscaras do Ego
As Negatividades e as Máscaras do Ego As Negatividades e as Máscaras do Ego
As Negatividades e as Máscaras do Ego Edna Costa
 
Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1Edna Costa
 

Mais de Edna Costa (8)

Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia EnergéticaCurso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
 
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
 
Estudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doençasEstudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doenças
 
Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016
 
Apresentação do Esde
Apresentação do Esde Apresentação do Esde
Apresentação do Esde
 
Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014
 
As Negatividades e as Máscaras do Ego
As Negatividades e as Máscaras do Ego As Negatividades e as Máscaras do Ego
As Negatividades e as Máscaras do Ego
 
Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 

Curso de Atendimento Fraterno

  • 1. Curso de Atendimento Fraterno Grupo Espírita e Filantrópico Adolfo Bezerra de Menezes Edna Costa - 2014
  • 2. “Coloco em primeira instância o consolo que é preciso oferecer aos que sofrem, erguer a coragem dos caídos, arrancar um homem de suas paixões, do desespero, do suicídio, detê-lo talvez no limiar do crime! Não vale mais isto do que os lambris dourados?” Allan Kardec (discurso aos espíritas de Lyon e Bordeaux )
  • 3. Curso De Atendimento Fraterno “Vinde a mim todos vós que estais aflitos e sobrecarregados (...)” Em Jesus temos o Atendente Fraterno perfeito que, além de ter ensinado às multidões, através de Seus inolvidáveis discursos, deixou- nos preciosas lições dialogadas, através das quais o Seu verbo de luz socorreu os indivíduos, cada um a sua necessidade.
  • 4. O Moço Rico, a Samaritana, Zaqueu, Joana de Cusa, e tantos outros. Também propôs: “Que vos ameis uns aos outros.” Apoiando-se nessa proposta os primeiros apóstolos da Palavra, no Cristianismo Primitivo, após suas pregações, ainda tocados pelas “línguas de fogo” inspiradoras da oratória finda, se punham à disposição para ouvir e aconselhar os irmãos de caminhada, encorajando-os para a luta.
  • 5. “Eis o Atendimento Fraterno, ontem, hoje e sempre.” (Equipe do Projeto Manoel Philomeno de Miranda)
  • 6.
  • 7. As Patologias da Alma Violência, ódio, ciúme, ressentimento, amargura, suspeita, insatisfação, dentre outras muitas — respondem por incontáveis aflições que aturdem o ser humano. Alma encarnada, nela se encontram as matrizes do bem como do mal em que se compraz, dando campo ao seu desenvolvimento.
  • 8. Os sofrimentos humanos de qualquer tipo são manifestações dos distúrbios profundos que remanescem no ser espiritual, desarticulando os sensores emocionais e a harmonia vibratória que vige nas células, o que faculta a instalação das enfermidades. O conhecimento do ser imortal, da sua preexistência ao berço e sobrevivência ao túmulo, torna-se indispensável para qualquer cometimento terapêutico em relação aos problemas e dores humanos. Por isso mesmo, a terapia do amor é de vital importância, envolvendo o paciente em confiança e ternura, ao mesmo tempo esclarecendo-o quanto à sua realidade e constituição espiritual.
  • 9. Qual o objetivo primacial do Atendimento Fraterno? Receber bem e orientar com segurança todos aqueles que o buscam. Mas, o Atendimento Fraterno não se propõe a resolver os desafios nem as dificuldades, eliminar as doenças nem os sofrimentos, mas propor à pessoa os meios hábeis para a própria recuperação. Apoiando-se nos postulados espíritas, o atendimento fraterno abre perspectivas novas e projeta luz naqueles que se debatem nos dédalos das aflições. Joanna de Ângelis
  • 10. “Mediante conversação agradável, evitando-se atitudes de confessionário, o atendente fraternal deve saber desviar os temas que incidem nos vícios da queixa, da lamentação, da autopunição, demonstrando que o momento de libertação e paz está chegando, mas a ação para o êxito depende do próprio paciente, que deve iniciar, a partir desse momento, o processo de autoterapia.” “Nessa ocasião, tem início a ação fluídica, o auxílio bio-energético, a inspiração, que lhe propiciarão a mudança de clima mental (...).” “Preparar-se bem, psicologicamente e doutrinariamente, faz-se imprescindível para o desempenho correto do mister a que o atendente fraterno deseja dedicar-se.” “Ao lado desses requisitos cabe-lhe desenvolver o sentimento de amor, embora vigiando-se para evitar qualquer tipo de envolvimento emocional, jamais esquecendo a fraternidade gentil e carinhosa como recurso hábil para a desincumbência da tarefa a que se propõe.”
  • 11. “ O atendimento fraterno na Casa Espírita é de vital importância, para que todo aquele que lhe busque a ajuda, seja orientado com equilíbrio, guiando-o para o labor de auto-iluminação.” Joanna de Ângelis
  • 12.
  • 13. O papel fundamental do Centro Espírita na sociedade é ajudar as pessoas no processo de reequilíbrio, levando a mensagem moral de Jesus, à luz da Doutrina Espírita, à vida daqueles que ainda se encontram sob o jugo da ignorância. Trata-se de uma atividade que deve ser feita com seriedade, disciplina e preparo, pois às vezes, sendo esse o primeiro contato que o assistido tem com o Espiritismo, vai obrigatoriamente refletir a seriedade ou não do trabalho da casa.
  • 14. O que é? - Acolher é estar presente para o outro - É esquecer um pouco de si - É enxergar que existe alguém ao seu lado - É ouvir, mas também escutar nas entrelinhas, o não dito entre o dito - É esquecer um pouco de si - É perceber que o silêncio também fala
  • 15. - No olhar que suplica… Na mão estendida , pedindo Socorro…. - É entender o grito de exaltação mendigando uma migalha de paciência. - É enxergar o desequilíbrio clamando por uma gota de temperança - É saber que a dor do outro é a maior do mundo, tão grande, que as vezes não pode ser contida na queixa. Mas que cabe na escuta de um minuto. - É compreender, sem julgar. - Sabendo que a verdade se transmuta de mil versões.
  • 16. Enfim, acolher é estar presente na presença do outro. E ser para ele tudo o que ele precisa que você seja, ainda que por um breve instante.
  • 17. “O Atendimento Fraterno é uma psicoterapia que modifica a estrutura do problema no indivíduo que se acerca da Casa Espírita com idéias que não correspondem à realidade.” Divaldo Franco
  • 18. Qual a utilidade doutrinária do serviço de Atendimento Fraterno na Casa Espírita? “Receber as pessoas, orientando-as quanto às possibilidades de que a Casa dispõe em forma de recursos que são colocados às ordens daqueles que vêm até ao núcleo de iluminação espiritual, encaminhando os que têm problemas para receberem as respostas pertinentes às suas necessidades e, por fim, fazendo o trabalho educativo e fraternal de bem conduzir todos aqueles que batem às portas da Instituição Espírita.” (Divaldo Franco)
  • 19. Âmbito de Ação Os problemas que aturdem as criaturas humanas, nos dias de hoje, são os mais diversificados possíveis e vão, desde a necessidade pura e simples do conhecimento, às angústias superlativas dos que se encontram sobraçando os mais pesados fardos. Nesta variada gama está a clientela que busca o Atendimento Fraterno dos Centros Espíritas.
  • 20. Quem procura o Atendimento fraterno? Pessoas que perderam entes queridos e não conseguiram superar a dor Que não conseguem um relacionamento estável na vida afetiva ou familiar, transferem para o convívio social os seus conflitos, desajustando-se e fracassando nas metas programadas alguns, pedindo por outros, tocados de compaixão ou incomodados pelo desequilíbrio daqueles com quem se relacionam; há os vitimados pela pobreza, pelo desemprego, cuja problemática, conquanto de ordem material, tem raízes e implicações mais profundas se incluem os viciados, vítimas de si mesmos mas, de um certo modo, atingidos pelo meio hostil de uma sociedade ainda não transformada pelas luzes do Evangelho doentes de toda ordem: da mente, do corpo e da emoção, em processos demorados de inadaptação social os que, de uma hora para outra, se vêem a braços com desafios superiores às suas forças
  • 21. Em síntese, poderíamos dizer que o alcance do Atendimento Fraterno engloba as diversas nuances do sofrimento humano e diretamente os problemas engendrados pelo ego personalístico, que induz os indivíduos à utilização incorreta do livre arbítrio. Destaque para a problemática da obsessão a doença do século, ainda pouco considerada — pois de permeio com muitos desses conflitos humanos estão as interferências espirituais variadas, gerando alterações do comportamento e da emoção de ampliados riscos e consequências.
  • 22. Causas que desencadeiam as aflições humanas O egoísmo é o câncer da sociedade, porque é ele que desencadeia outros distúrbios em nossa área espiritual. É o egoísmo que responde pela nossa agressividade, porque ele nos leva ao egocentrismo, ao direito de crer que somos o centro do Universo, e de merecermos tudo e todos, tornando-nos soberbos.
  • 23. O ciúme também é causa infeliz, porque nos faz pensar que somos proprietários uns dos outros, dos objetos, das ocasiões e das circunstâncias; O ódio a todo aquele que não concorda conosco e nos agride é fator dissolvente e desprezível; a revolta e, consequentemente, a cólera fulminante, que abre espaço ao ódio, constituindo-se elemento pernicioso.; Graças a esses fatores, as enfermidades se alojam com mais facilidade, porquanto o egoísmo produz enzimas destrutivas, que vêm perturbar o metabolismo e facultam campo para a instalação de doenças degenerativas. Ao mesmo tempo, torna-nos distônicos, e passamos a ter problemas psicológicos, abrindo ensejo para a vinculação com as Entidades perversas, malévolas, tendo início aí os processos de obsessão.
  • 24. Por isso, Jesus ofereceu como terapia fundamental o amor, porque, quando se ama, sai-se de si para poder tornar-se útil; o indivíduo esquece seus próprios problemas para contribuir pela diminuição dos alheios. Jesus sintetizou tudo isso de uma forma muito bela, quando os discípulos afirmaram que Ele sempre atendia as criaturas tomado por compaixão. Não esse sentimento de piedade vulgar, mas, com a paixão de ternura, com o desejo veemente de modificar aquela situação.
  • 25. Oportunidades onde o Atendimento Fraterno se impõe como um dever: No lar Esteja atento ao comportamento psicológico do seu familiar. Notando que alguém do círculo familiar vive dificuldades ásperas, inerentes ao carreiro evolutivo, adiante-se para oferecer sua contribuição de ajuda, tornando-se solidário... Lembre-se, sempre, que Deus ajuda à criatura através de outra criatura...
  • 26. No Trabalho Não se isole do companheiro que divide com você as horas estafantes de sua jornada de trabalho. Surgindo na vida do colega a dificuldade moral e o momento inquietante, eis o seu instante de compartilhar ajudando, extravasando sentimentos fraternais em ondas de amizade pura. Defenda princípios de cooperação, valorizando o esforço de todos. Não explorar nem se deixar explorar é atitude educativa que abre, sempre, possibilidades para trocas de qualidade superior. Se hoje você ajuda, mais adiante poderá ser aquele que necessita ser ajudado. Esforce-se para conservar o bom-humor, para que não seja você o interruptor a desligar o circuito da alegria, destoando dos demais.
  • 27. Na via pública Talvez seja coincidência um encontro inesperado, na rua, com uma pessoa desconhecida; mas pode ser alguém trazido à sua presença, por Deus, a fim de que você exercite a capacidade de amar ao próximo. Cumprimentando-a, gentilmente, ouça- a com a devida atenção, a fim de que possa ser útil e (quem sabe?) ajudá-la na solução de alguma dificuldade. Suas palavras, envolvidas por um sentimento empático, podem redirecionar aquela mente, se atribulada, abrindo espaço para que encontre resposta adequada.
  • 28. No transporte coletivo Verifique, sempre, quem está sentado ao seu lado, familiarizando-se com aquela fisionomia que lhe parece desconhecida. Tente auscultar o que transita na mente da pessoa, mantendo uma conversação amistosa; Demonstre o seu interesse por aquilo que ele fala pois, assim, terá a oportunidade de prender a atenção do novo amigo para o que você lhe quer transmitir. E passe-lhe pequenas notas de compreensão e de interesse, construindo, a partir daquele instante, vínculos novos de amizade fraternal.
  • 29. No Centro Espírita Ao perceber alguém que chega, por primeira vez, a Casa Espírita a que você está vinculado por laços de afeição e compromissos de serviços, aproxime-se, sorria, converse... seja alguém a dar boas-vindas com efusão de legítima fraternidade. Cuidado com a indiferença, o desapreço e as preferências para que tais atitudes não maculem a sua participação no esforço coletivo. Se o companheiro se afastou, conquanto não saiba o motivo, interesse- se por ele; nada custa um telefonema, uma visita, uma conversa estimuladora e, se enfermo, a sua presença junto a ele. São essas atitudes deveres impostergáveis, sem os quais a convivência cristã deixa de ter sentido, tornando-se igual a outra qualquer.
  • 30. “É muito importante para o Atendimento Fraterno que o atendente conheça algumas noções básicas (ainda que bem simples) acerca dos problemas de personalidade, a fim de evitar-se o equívoco, diante de certos casos, considerados como processos obsessivos quando, na realidade, expressam conflitos, desajustes, traumas, transtornos psíquicos, enfim, que têm como origem o próprio indivíduo, que é um Espírito enfermo, digamos assim.” “Infere-se, pois, que a falta de ajustamento das tensões pode ocasionar conflitos a manifestar-se sob variadas formas e sintomas, desde a timidez, excessivo acanhamento, medo de relacionar-se com as pessoas, ansiedade, angústia, fobias, depressão, até desaguar nos transtornos psíquicos como as neuroses ou, em casos mais graves, como a esquizofrenia, as psicoses, etc.” (Suely Caldas) Problemas de Personalidades
  • 31. “Essa fuga passa por uma vasta gama de subterfúgios, como os vícios, por exemplo, que constituem supostas válvulas de escape, ou o fechar-se em si mesmo, tentando evitar o confronto com as tensões naturais da vida.” “Esses problemas de origem cármica, cujas causas estão no Espírito endividado perante as Leis Divinas, encontram nos esclarecimentos da Doutrina Espírita os recursos terapêuticos imprescindíveis para que alcancem a própria libertação...” (Suely Caldas) “O ajustamento, a estrutura da personalidade, faz-se pela interação dos componentes bio-psico-sócio-espirituais.”
  • 32. Perfil do Atendente Fraterno A ajuda possível de ser prestada a alguém (...) está vinculado a valores subjetivos relacionados com o seu comportamento, diríamos, seu carisma, o amor que irradia — que o torna uma pessoa dotada de qualidades inter-pessoais relevantes e qualidades intímas (força interior) que o credenciam para o trabalho. Em sendo uma pessoa tolerante (sem ser conivente), expressará um respeito e uma aceitação incondicionais em relação ao ajudado (...) Ser autêntico (sem ser grosseiro), pois no espaço do Atendimento Fraterno não há campo para dissimulação da parte de quem atende, que deverá expressar sentimentos com sinceridade e interesse real de ajudar. O atendente fraterno será sempre uma pessoa comedida e discreta, dosando aquela informação cujo teor integral o ajudado não teria ainda condições de suportar.
  • 33. Não cabe ao atendente fraterno passar receitas prontas, encaminhar soluções que saiam exclusivamente de sua cabeça. Levar o atendido a essa compreensão de si mesmo (ainda que em níveis superficiais, no início) para que ele atendido — seja capaz de flexibilizar suas crenças pouco racionais e lógicas e alterar os seus valores, a forma de ver a vida e a própria situação, tornando-se mais otimista. É da responsabilidade da Direção da Casa estabelecer o perfil ideal do atendente fraterno, que será passado ao Coordenador do serviço que, por sua vez, se incumbirá de organizar um processo seletivo capaz de identificar esses valores humanos e incorporá-los ao trabalho. Como e quem define o perfil do atendente fraterno ?
  • 34. Qual seria o perfil do atendente fraterno? Digamos que um perfil apropriado englobaria duas ordens de requisitos: os humanos básicos e os de natureza doutrinária. Humanos básicos - Saber ajudar-se - Interesse fraternal por outras pessoas - Bom repertório de conhecimentos - Hábito de oração e de estudo - Pessoa moralizada - Equanimidade, ponderação, equilíbrio emocional, paciência e segurança (Conquistas emocionais e psíquicas que o capacitam a lidar com situações desafiadoras)
  • 35. Natureza Doutrinária - Integração nas atividades do Centro e conhecimento da sua estrutura de funcionamento - Familiaridade com o Evangelho de Jesus - Conhecimento das obras básicas da Codificação e obras complementares - Competência para aplicar passes. - Empatia - Equanimidade, ponderação, equilíbrio emocional, paciência e segurança O Atendimento Fraterno assume um caráter eminentemente inspirativo, em que atendentes e atendidos são auxiliados pelos bons Espíritos que se vinculam à tarefa.
  • 36. Relembrando: - A condição essencial é a boa moral - Ir a Deus através da prece é outra condição imprescindível - Conhecimento da Doutrina Espírita - Um bom tato psicológico é necessário - A capacidade de saber ouvir é valiosa - Saber tratar as pessoas com generosidade, simpatia, brandura, indulgência e segurança - Participar ativamente de, pelo menos, um grupo de estudos na Casa Espírita - Ser um trabalhador envolvido e comprometido com tarefas da Casa
  • 37. Outros requisitos: - Confiança no poder divino - Fé vigorosa - Boa vontade em servir - Domínio dos vícios - Elevada compreensão da vida - Humildade - Amor aos semelhantes
  • 38. ATENDER: expressar de forma indireta (não verbalmente) disponibilidade e interesse pelo ajudado RESPONDER: demonstrar, por gestos e palavras, compreensão por ele, correspondendo-lhe à expectativa pessoal PERSONALIZAR: conscientizá-lo de que é uma pessoa ativa, com responsabilidade no seu problema, e capaz de solucioná-lo ORIENTAR: saber avaliar, com ele, as alternativas de ação possíveis, de modo a facilitar-lhe a escolha (que é dele) da ação transformadora
  • 39. Quando o atendente atende bem o ajudado envolve-se Quando o atendente responde bem o ajudado explora-se Personalizar processo de compreender no ajudado Capacidade de orientar possibilidade para o agir Essa trajetória, que vai do envolver-se à ação transformadora, talvez não aconteça plenamente num único encontro. Que hajam outros, não necessariamente com o mesmo atendente fraterno, e, por isso, voltamos a enfatizar a importância de se dispor, no Centro Espírita, de uma equipe coesa e que vibre em uníssono sob a regência de idênticos princípios.
  • 40. cuidado com o ambiente físico Atender envolve polidez e interesse do atendente atenção, postura saber ouvir, ter empatia Responder é identificar e confirmar com o próprio ajudado o seu problema principal, expressar com os próprios, os sentimentos do outro, perceber a linguagem corporal do outro. Perguntar somente quando não entender ou para ajudar o atendido a se expressar.
  • 41. Personalizar é o momento do ajudado se descobrir como pessoa, perceber o fato de que não é um passivo diante de sua experiência mas um atuante, uma pessoa responsável por seus atos, pensamentos e emoções (...) Orientar será a parte mais fácil, se o Atendente conhece a Doutrina, cabendo-lhe organizar a sua expressão de forma clara e simples para transferi-la para o atendido como informações práticas, a partir das quais se definirá um plano de ação, que o atendido deverá seguir por iniciativa própria, objetivando a solução almejada.
  • 42.
  • 43. “Ouvir é mais produtivo que falar, em todos os níveis. A pessoa que sabe ouvir é mais simpática, conquista o interlocutor e, acima de tudo acrescenta ao seu próprio patrimônio cultural, a informação que o outro exterioriza”. “Ouvir é renunciar. É a mais alta forma de altruísmo, em tudo quanto essa palavra significa de amor e atenção ao próximo.” “O ato de ouvir, exige, de quem ouve, associar-se a quem fala. É necessário empenho de quem fala para fazer-se compreender.” “Qualquer pessoa pode melhorar sua capacidade para ouvir.”
  • 44. “Escutar é colocar-se de lado por um instante, esvaziar-se de alguns conceitos pré-estabelecidos e perceber o que o outro quer lhe transmitir.” Reinaldo Passadori Falar é uma necessidade. Ouvir é uma arte. Aprendamos a ouvir para auxiliar, sem a presunção de resolver.
  • 45. Fatores que devem ser observados Físicos Temperatura Mentais Indiferença Ruído Impaciência Iluminação Preconceito Meio Ambiente Preocupação Condições de saúde Ansiedade
  • 46.
  • 47. “Ouvir é uma técnica mental que pode ser aperfeiçoada em treinamento e prática.”
  • 48. Empatia Como você gostaria de ser atendido? X É a capacidade que temos de nos colocar no lugar do outro e sentir como ele, entendendo melhor seu problema. Empatia Simpatia Tendência instintiva que atrai uma pessoa para outra: sentir simpatia por alguém. Inclinação recíproca entre duas pessoas ou duas coisas. Simpatia
  • 49. “A empatia ocorre no momento em que um ser humano fala com o outro.” “É impossível compreender outro indivíduo se não for possível, ao mesmo tempo, identificar-se com ele... “
  • 50. “Se buscarmos a origem dessa capacidade de agir e sentir como se fôssemos outra pessoa, iremos encontrá-la na existência de um sentimento social inato. Na realidade, ela é um sentimento cósmico e um reflexo do encadeamento de todo o cosmo que vive em nós. É uma característica inevitável do ser humano.” Alfredo Adler
  • 51. A capacidade de empatizar denota amadurecimento espiritual (...) Para os serviços de Atendimento Fraterno o significado da empatia amplia-se e torna-se, realmente, na capacidade de amar ao próximo, consoante o inolvidável ensinamento de Jesus, que sintetiza tudo isto em plenitude: “Amar ao próximo como a si mesmo.”
  • 53. Recomendações Práticas para os Atendentes Não prometer curas ou estabelecer certezas absolutas Recusar gratificações, atenções ou distinções especiais Evitar opiniões pessoais Não interferir em receituários médicos Manter privacidade mas não vedação absoluta da sala Falar com simplicidade Atender o indivíduo de preferência sozinho Não fazer revelações Não dizer ao atendido: “Você está obsidiado” Não doutrinar Espíritos durante o Atendimento Não utilizar-se de informações do Atendimento para orientar Doutrinadores nem informações destes para orientar o Atendimento
  • 54. Recomendações Práticas para os Atendentes Não encaminhar ou indicar pessoas para Reuniões Mediúnicas Não asseverar para o Atendido: “Você é Médium” Não atender incorporado (Transe mediúnico) Não estimular que o assistido, em atitude de queixa, revele os nomes dos Centros Espíritas por onde passou.
  • 55. Motivos para a procura do atendimento fraterno - Doenças orgânicas, psíquicas e espirituais (destaque para a obsessão) - Questões existenciais - Insucessos e frustrações, pessoais, sociais, profissionais, etc. - Morte de entes queridos - Orientação em matéria de espiritualidade - Aborto - Aconselhamento familiar - Adultério - Drogas, alcoolismo, vícios - Suicídio - Transtornos de comportamento Relembrando
  • 56. “Ouvir é mais produtivo que falar, em todos os níveis. A pessoa que sabe ouvir é mais simpática, conquista o interlocutor e, acima de tudo acrescenta ao seu próprio patrimônio cultural, a informação que o outro exterioriza”.
  • 57. Perfis dos Atendidos Convém estarmos alertas para as diferentes personalidades, com seus diversos problemas. Dentre o grande número de tipos de pacientes, citaremos alguns a título de exemplo:
  • 58. O Desesperado A pessoa que procura o centro em estado de desespero, tem que ser acudido a qualquer momento. Em primeiro lugar, procura-se acalmá-la envolvendo-a em palavras de conforto, transmitindo-lhe confiança e carinho. Na maioria das vezes está sem condições para ouvir instruções mais objetivas, portanto o melhor será encaminhá-la ao passe, para num segundo momento entrar com as conversas instrutivas e de orientação.
  • 59. O Desesperado O desespero pode ser oriundo das mais diversas causas, mas todo o fundamento dele se baseia na falta de fé e confiança no futuro. A pessoa se desespera porque não vê saída para seu problema. O sentido de perda lhe traz a sensação de que tudo está acabado. Através da segura orientação da Doutrina Espírita, temos que incutir lentamente no indivíduo a confiança em Deus e em Sua justiça, tirando-o do desespero.
  • 60. O Desesperado Com o tempo e o auxílio dos amigos espirituais, o paciente reencontrará o equilíbrio.
  • 61. O Desanimado Normalmente um paciente é desanimado porque sua vida está sem sentido. Ele não tem ânimo para o trabalho e na maioria das vezes se isola do convívio social e familiar. Frequentemente tem depressão profunda e pensamentos que se relacionam com a morte.
  • 62. O Desanimado É necessário ter muita cautela com a orientação doutrinária e ter sempre o cuidado de encaminhar o caso também ao médico terreno para que seja avaliada a necessidade do uso de medicações, por possíveis enfermidades físicas que possam estar instaladas no organismo.
  • 63. O Desanimado Se possível, envolver a família na orientação, mostrando os riscos que corre o doente de enveredar-se pelo caminho do desequilíbrio. Explicar, através do diálogo fraterno e convincente, a necessidade de sua moralização, pela prática da religiosidade, da moral e organização da própria vida
  • 64. O Descrente É aquele que inicia sua conversa já dizendo que foi trazido por sua família ou amigos, mas que não acredita em nada etc. Na maioria das vezes quer ser convencido de alguma coisa ou espera que seus problemas sejam resolvidos por outros. Tenta fazer parecer que não está muito interessado na ajuda oferecida pelo centro espírita.
  • 65. O Descrente Nestes casos, deixar claro que ele só será auxiliado se quiser e que terá que se esforçar para isso. Evitar atitudes paternalistas com o paciente. Muitas vezes a ação mais enérgica do entrevistador faz com que o indivíduo mude sua postura perante a vida. Mostrar as desvantagens da descrença e os benefícios que poderia ter, revertendo esse quadro.
  • 66. O Fanático Esse tipo de personagem é muito encontrado entre espíritas que supõem resolver seus problemas com a ação dos Espíritos superiores, sem se esforçarem para vencer as dificuldades. Geralmente não aceitam interferências de terceiros em suas convicções e nos casos de doenças orgânicas chegam a desprezar o tratamento da medicina terrena.
  • 67. O Fanático Acham que, por trabalharem no centro espírita, os irmãos espirituais estão a postos para ajudá-los a resolver seus problemas. É muito delicada a abordagem desse tipo de personalidade, pois trata-se na verdade de pessoas equivocadas quanto ao papel do Espiritismo na vida do homem.
  • 68. O “Espírita” São pessoas que se dizem "espíritas" porque tiveram contato com outros segmentos espiritualistas e mesmo com o Espiritismo. Querem ler muitas obras psicografadas (ou dizem que já o fizeram) e vão logo afirmando que gostariam de trabalhar na casa. Procuram auxílio por não estarem bem, mas na maioria das vezes, já dizem o que acham necessário para a solução de seus males.
  • 69. O “Espírita” Isso torna bem difícil uma orientação mais efetiva. Na medida do possível, conscientizá-lo sobre a responsabilidade de ser espírita e demonstrar que a possibilidade de trabalho será definida mais tarde. Primeiro é necessário buscar um estado mínimo de equilíbrio espiritual
  • 70. O Médium Este tipo de assistido já vem com o diagnóstico de sua "mediunidade". Acha que a mediunidade é a causa de sua perturbação. Verificar, através da própria entrevista, onde e como exerce (ou exerceu) seu trabalho de intercâmbio. A atividade mediúnica inadequada pode gerar perturbações no psiquismo das pessoas.
  • 71. O Médium Além do mais, dependendo de onde estava "trabalhando", o paciente pode estar sendo vítima de processo obsessivo oriundo de contaminação. Orientá-lo no sentido de que seu dom será reavaliado mais tarde, depois do tratamento. Jamais prometer que ele vai trabalhar como médium na casa, pois muitas vezes a pessoa vem à entrevista com essa intenção.
  • 72. O Médium Nunca encaminhar o paciente para sessões práticas de Espiritismo, antes de submetê-lo a tratamento, mesmo que o paciente já tenha tido orientação kardequiana.
  • 73. O que perdeu ente querido Geralmente procuram o centro inconformados pela perda de alguém da família, com o objetivo de conseguir notícias do ente querido. Confortá-lo com a ajuda das ferramentas da Doutrina Espírita. Pode-se anotar o nome do desencarnado para fazer preces por ele ou verificar na sessão prática com está sua situação, se houver necessidade.
  • 74. O que perdeu ente querido Nunca prometer mensagens mediúnicas. Isso gera uma expectativa na família e nem sempre tal coisa é possível. As conversas em torno da imortalidade da alma trazem grande conforto espiritual, bem como a sugestão da leitura de livros adequados para o caso. O convívio na casa, no contato com a Doutrina Espírita, com o tempo fará a pessoa compreender mais e sofrer menos.
  • 75. O que quer resolver problemas dos outros Geralmente são pais aflitos ou cônjuges tentando fazer qualquer coisa para salvar determinada situação de desequilíbrio instalada em suas vidas. Não raro querem se submeter a tratamento no lugar do necessitado, na desesperada tentativa de ajudá-lo, pois de maneira geral são pessoas refratárias a procurar ajuda.
  • 76. O que quer resolver problemas dos outros O entrevistador deve esclarecer como se dá o auxílio espírita e a necessidade da presença do doente na casa. Deve pedir que façam o possível para trazê-lo no centro espírita. Oferecer ajuda indireta através do livro de pedidos de amparo. Em casos graves, pode-se anotar nome e endereço do necessitado, para ser levado às sessões práticas.
  • 77. O "sábio" Aquele que busca auxílio na casa espírita, mas acha-se muito sábio, culto e inteligente e não se sente à vontade submetendo-se à orientação de alguém que ele julga ser inferior a ele. Através da conversa, quer mostrar-se superior e se o entrevistador não for suficientemente experiente, ele pode monopolizar o diálogo, tornando infrutífero o trabalho de esclarecimento.
  • 78. O "sábio" Agir com tato, demonstrando que todos temos muito a aprender na escola da vida. Nos casos em que o entrevistado demonstrar que quer "duelar" no campo das idéias, deve-se ter a sutileza de desviar seu intento, fazendo-o ver que aquele não é o momento e o local apropriado para disputas. Jamais esquecer que se está diante de pessoa em desequilíbrio. Mostrar que a casa espírita e o Espiritismo estão ali para ajudá-lo, se tiver humildade para se colocar como necessitado da alma.
  • 79. O pessimista O pessimismo é uma atitude mental inadequada que gera uma energia negativa na mente da pessoa, prejudicando todas as atividades na vida. Tratar com o pessimista é muito difícil, pois ele se coloca a todo momento como fracassado e descrente de possíveis melhorias. Geralmente são indivíduos que portam auto-obsessões e não raro frequentam casas espíritas a vida inteira.
  • 80. O pessimista O pessimista pode necessitar de psicoterapia e têm-se que estar atentos a esse fato, para encaminhá-lo a profissionais da área, se for necessário. Com o estabelecimento da ajuda espiritual, sua atitude mental poderá se modificar, facilitando a compreensão das instruções a ele oferecidas através das palestras e conversas periódicas na sala de entrevistas.
  • 81. O portador de doença orgânica Normalmente a pessoa que procura a casa espírita com problema orgânico, pensa encontrar ali a cura de sua doença, pois acha que vai ser "operado" etc. É bom que seja informado que a etiologia das doenças podem ser de ordem externa e interna. Externas são aquelas provenientes do meio onde vivemos e circunstâncias da própria matéria que constitui nosso organismo.
  • 82. O portador de doença orgânica Internas, quando são oriundas do corpo espiritual e constituem-se em conseqüências de condutas e posicionamentos inadequados de outras encarnações. É importante certificar-se se o paciente está em assistência médica e jamais se deve suspender o uso de medicamentos. Encaminhar para tratamento adequado na casa espírita.
  • 83. O portador de doença grave São pessoas que vêm à casa espírita, normalmente trazidas por seus familiares, em estado de desespero por portarem doenças graves e às vezes crônicas. Essas pessoas vêm com grande esperança de serem curadas. É importante não prometer curas milagrosas, mas a ajuda que a Doutrina Espírita traz é fundamental para a superação da prova a que o paciente está submetido.
  • 84. O portador de doença grave A fluidoterapia e a orientação sobre a origem dos males ajudará o enfermo no processo de conscientização e até, quem sabe, da cura propriamente dita. Prescrever assistência espiritual e deixar claro que o tratamento espírita é um auxiliar da medicina terrena.
  • 85. O esquizofrênico A esquizofrenia é uma enfermidade mental semelhante à obsessão espirítica e pode ser classificada como auto-obsessão. Os pacientes portadores dessa anomalia mental escutam vozes constantemente e têm mania de perseguição. Julgam- se saudáveis e na maioria das vezes resistem ao tratamento médico ou espírita. Nos casos em que o enfermo aceitar, ele poderá ser encaminhado ao tratamento convencional de desobsessão.
  • 86. O esquizofrênico O atendente não deverá considerar as manifestações do psiquismo doentio desses pacientes, como sendo informações consistentes para suas investigações. Geralmente os esquizofrênicos são Espíritos muito endividados com o passado, que estão em encarnações de grave expiação. A terapia espírita deverá estar associada ao tratamento psiquiátrico.
  • 87. Como se mostra o atendido AGITADO? Portemo-nos com serenidade para que se acalme. ANGUSTIADO? Sejamos extremamente habilidosos para que abra o coração. DESCONFIADO? Externemos segurança no que afirmamos, a fim de que nos dê crédito. NÃO QUER SER NOTADO? Tenhamos a sensibilidade de acolhê-lo, respeitando a sua vontade. Às vezes, nesses casos, um sorriso franco causa melhor efeito.
  • 88. Como se mostra o atendido INIBIDO? Façamos-lhe perguntas com discrição, estimulando-o a tomar a iniciativa da conversa. ZANGADO? Deixemos que esgote o desabafo sem lhe cortar a palavra, concedendo-lhe o direito de pensar como julga acertado, lamentando as causas do seu descontentamento com mansuetude e terminando por colocar-nos à disposição para ajudar no que puder ser útil, o recepcionista e a Casa ...
  • 89. Como se mostra o atendido CURIOSO? Informemos-lhe da grandeza do Espiritismo, que nos convida à fé raciocinada, sugerindo-lhe leitura adequada e orientando-lhe sobre as obras básicas. FALANTE? Não se exceder na conversação, procurando encaminhá-lo para o diálogo fraterno, se for este o caso.
  • 90. Como conduzir a orientação a uma pessoa que já tentou o suicídio algumas vezes e persiste na mesma idéia? Deve-se, de alguma forma, dizer- lhe quais as consequências funestas do seu ato infeliz ou ser-lhe compreensivo e consolador? A melhor maneira de consolar é advertir quanto aos riscos que advêm como consequências dos nossos atos impensados. Consola-se, quando se esclarece. A melhor forma de consolar alguém é arrancá-lo da ignorância, educá-lo.
  • 92. Apresentar-se e perguntar o nome da pessoa entrevistada. Colocar a pessoa à vontade, perguntando-lhe delicadamente o motivo da sua vinda ao centro espírita. Permitir que a pessoa narre seu problema, ouvindo com atenção todos os detalhes, procurando ajudá-la a expressar-se caso encontre dificuldades em expor seu caso. Não crivá-la de perguntas desnecessárias que possam descambar para a mera curiosidade. Manter-se sempre interessado e fraterno, procurando conduzir o assunto para os aspectos mais importantes, e se não conseguir, abreviar, delicadamente a entrevista. O tempo utilizado em cada entrevista irá variar, de acordo com a gravidade dos casos, mas a média será de aproximadamente dez a quinze minutos por entrevista..
  • 93. Se cabível, orientar a pessoa com base nos fundamentos da doutrina, quanto à teoria, mas a postura deve ser sempre cristã. Procurar falar com simplicidade, adequando a linguagem ao interlocutor.. Procurar estabelecer relacionamento agradável, mostrando semblante simpático e fraterno para que o entrevistado se sinta em ambiente de confiança e encorajado a prosseguir no diálogo. Tratar a pessoa respeitosamente pelo nome, quando se dirigir à mesma, informando-lhe da importância da reunião que vai assistir e das recomendações que lhe estão sendo prescritas.
  • 94. Nunca acusar o entrevistado, nem criticá-lo, lembrando sempre que a finalidade da entrevista é ajudar. Se receber agradecimentos, seja humilde, sendo preferível convidar o entrevistado a endereçá-los a Jesus ou a Deus, nosso Pai. . Tratar a pessoa respeitosamente pelo nome, quando se dirigir à mesma, informando-lhe da importância da reunião que vai assistir e das recomendações que lhe estão sendo prescritas.
  • 95. Recomendações práticas para os atendentes Atendimento Fraterno
  • 96. Recomendações práticas para os atendentes Não Prometer Curas ou Estabelecer Certezas Absolutas O atendente fraterno deve ser positivo, estimulante e animado para influenciar as pessoas a fazerem as mudanças necessárias à conquista de si mesmas, avançando no rumo do progresso e da paz. Porém, deve trabalhar sempre com o relativo, fugindo às declarações extremadas, carregadas de promessas maravilhosas, que, nem sempre os atendidos estão em condições de construir ou delas são merecedores. Deve-se deixar bem claro, isto sim, que Deus ajuda incessantemente, na medida do esforço e da boa vontade de cada um, e que nenhuma ação no bem nem qualquer movimento da alma no sentido de reparação das faltas ficará sem resposta.
  • 97. Recomendações práticas para os atendentes Recusar Gratificações, Atenções ou Distinções Especiais Tais encômios poderiam ser vistos como pagas indiretas. Todos os que trabalham nas Casas Espíritas, servindo aos propósitos do Consolador, na Terra, já sabem que o “dai de graça o que de graça recebestes” é regra insubstituível. A confiabilidade de uma Casa Espírita repousa na observância desse princípio ético que, não sendo único, é fundamental, como base de apoio para todos os demais.
  • 98. Recomendações práticas para os atendentes Evitar Opiniões Pessoais O suporte para o aconselhamento num serviço de Atendimento Fraterno de uma Casa Espírita está nos postulados da Doutrina Espírita. Ela representa hoje, na Terra, a concretização da promessa do Consolador Prometido. As pessoas buscam o Centro Espírita porque estão sequiosas desse Consolador que lhes esclarecerá as razões do sofrimento, ao mesmo tempo apresentando para elas a metodologia capaz de libertá-las desse sofrimento. Sonegar esse “divino alimento” aos que dele precisam, dando-lhes, em troca, opiniões pessoais, pode ser qualificado como traição ou burla injustificável e de graves consequências.
  • 99. Recomendações práticas para os atendentes Não Interferir em Receituários Médicos O suporte para o aconselhamento num serviço de Atendimento Fraterno de uma Casa Espírita está nos postulados da Doutrina Espírita. Ela representa hoje, na Terra, a concretização da promessa do Consolador Prometido. As pessoas buscam o Centro Espírita porque estão sequiosas desse Consolador que lhes esclarecerá as razões do sofrimento, ao mesmo tempo apresentando para elas a metodologia capaz de libertá-las desse sofrimento. Sonegar esse “divino alimento” aos que dele precisam, dando-lhes, em troca, opiniões pessoais, pode ser qualificado como traição ou burla injustificável e de graves consequências.
  • 100. Recomendações práticas para os atendentes Manter privacidade, Mas Não Vedação Absoluta da Sala A privacidade é da estrutura do próprio Serviço. Um local em que a pessoa possa falar sem ser escutada e expressar. suas emoções de forma mais reservada. Não há necessidade, todavia, de se fechar a porta e mantê-la trancada, como se estivéssemos guardando “delicados segredos”. O ato de se manter a porta apenas encostada garante essa privacidade, ao mesmo tempo deixando-se um certo acesso para alguma providência que se faça necessária, e o atendido, que vem pela primeira vez, mais tranquilo, por não estar totalmente isolado da sala de recepção, das pessoas que ali estão, dos próprios amigos ou parentes que o trouxeram àquele encontro.
  • 101. Recomendações práticas para os atendentes Manter Privacidade, Mas Não Vedação Absoluta da Sala A medida é também uma precaução para o próprio atendente, que não está isento das ciladas que lhe podem ser armadas através de pessoas em desarmonia íntima que acorrem ao Atendimento Fraterno. A porta apenas encostada inibe um pouco as arremetidas do desequilíbrio, permitindo-se que rapidamente alguém seja chamado para ajudar.
  • 102. Recomendações práticas para os atendentes Falar Com Simplicidade O vocabulário do atendente deve ser ajustado à cultura e às possibilidades de compreensão do atendido. Não é necessário violentar-se, mas proceder de tal forma que a comunicação se estabeleça, sob pena de comprometer a própria relação de ajuda. Aliás, a boa técnica da comunicação dita a necessidade de se verificar, durante a conversação, se está havendo compreensão de parte a parte, o que poderá ser percebido pelas reações emocionais, posturas ou mesmo através de perguntas habilmente formuladas.
  • 103. Recomendações práticas para os atendentes Atender o indivíduo, de preferência, sozinho São comuns as inibições e constrangimentos que presenças aparentemente inofensivas provocam. Quantas vezes, pessoas afins (pais, maridos, esposas, etc.) acompanham os seus afeiçoados aos gabinetes de Atendimento Fraterno não para ajudarem, mas, para fiscalizarem, colocarem seus pontos de vista, recalcando os dos seus entes queridos. O atendente deve sugerir delicada e habilmente que cada um seja atendido separadamente, porém, em hipótese alguma, recusar-se a fazer o atendimento em grupo. Tal recomendação, às vezes, se inverte: quando o atendido não tiver condições de assimilar a orientação, face às suas desarmonias íntimas, a presença de um acompanhante poderá ser bastante útil.
  • 104. Recomendações práticas para os atendentes Não Fazer Revelações Comentários sobre vidências de Espíritos, revelações do passado, cenas de outras vidas, etc., são claramente indesejáveis, prejudiciais e despropositadas na maioria dos casos. Quando ocorrem tais fenômenos com o atendente (e são extremamente raros) é para orientá-lo, dar-lhe mais segurança no atendimento e não para que revele ao seu interlocutor o que está acontecendo. Cuidados não serão poucos para que o prazer egóico de se colocar em evidência não estimule semelhante procedimento.
  • 105. Recomendações práticas para os atendentes Não Dizer ao Atendido: “Você Está Obsidiado!” Conquanto se perceba, numa entrevista, a obsessão como um fato evidente e consumado, a colocação do fato nunca pode ser tão enfática, para não deprimir nem gerar pânico, ocorrências muito prejudiciais a quem já está fragilizado e dependente. Pode-se falar, em tese, na ação dos Espíritos sobre as criaturas humanas, demonstrando que o fato é mais comum do que se imagina e aconselhar-se um “menu” de providências capazes de preservar o ajudado desse mal e erradicar-lhe as primeiras manifestações. Fixar na mente do atendido a idéia da obsessão é fragilizá-lo ainda mais e colocá-lo no rol dos doentes, quando poderemos colocá-lo entre os companheiros de trajetória.
  • 106. Recomendações práticas para os atendentes Não Doutrinar Espíritos Durante o Atendimento Incorporações ocorrem, algumas vezes, através dos próprios atendidos em situação de descontrole emocional, obsessão instalada ou aforamento de mediunidade. A postura correta do atendente fraterno é chamar à lucidez o atendido-médium para que o Espírito se afaste. Pode ser necessária uma breve exortação austera ao Espírito com este propósito, seguida, em casos renitentes, de passes dispersivos. Não se trata de descartar uma presença indesejada mas assegurar a harmonia de ambos, o Espírito e o atendido-médium, bem como do ambiente.
  • 107. Recomendações práticas para os atendentes Não Utilizar-se de Informações do Atendimento para Orientar Doutrinadores nem Informações destes para Orientar o Atendimento A experiência do Atendimento Fraterno é de uso pessoal para o atendente. Qualquer julgamento que ele faça não passa de um julgamento, de uma presunção. Como passar para outrem esse material informativo, que em si mesmo é apenas uma verdade parcial, relativa, sabendo-se que ele sofrerá outras tantas adaptações ao serem transferidas para terceiros, deformando-se mais ainda? Por outro lado, os médiuns e doutrinadores que atuam nas reuniões mediúnicas precisam exercer as suas funções em absoluta liberdade, sem peias, livres das sugestões alheias a fim de assumirem a responsabilidade do que fazem, imunes de quaisquer sugestões que os induzam ao erro.
  • 108. Recomendações práticas para os atendentes Não Utilizar-se de Informações do Atendimento para Orientar Doutrinadores nem Informações destes para Orientar o Atendimento A discussão desse assunto vem a propósito de práticas dessa ordem que se vêm vulgarizando e fazendo escola no Movimento Espírita. Quando é o próprio atendente fraterno que, em sendo médium ou doutrinador, percebe, nas reuniões mediúnicas, presenças espirituais ligadas a pessoa por ele atendida, o caso é diferente. As identificações, nessas oportunidades, que são muito comuns, se constituem ajudas, informações adicionais valiosas para nortear o seu trabalho.
  • 109. Recomendações práticas para os atendentes Não Encaminhar ou Indicar Pessoas Para Reuniões Mediúnicas Já é por demais conhecida a recomendação de que a reunião mediúnica não é um gabinete de terapia para os encarnados, diretamente, mas para os desencarnados. Do Atendimento Fraterno para a reunião mediúnica nenhuma pessoa deve ser encaminhada, sob pretexto algum, nem para receber ajuda momentânea, tampouco para aferir se a pessoa é médium e, muito menos, para ser um dos seus membros, o que requer uma preparação bem cuidada, estudos e integração na Casa Espírita. Ver na obra: Projeto Manoel Philomeno de Miranda - Reuniões Mediúnicas.
  • 110. Recomendações práticas para os atendentes Não Asseverar para o Atendido: “Você é Médium” Não raro, pessoas chegam ao Atendimento Fraterno com sintomas presumíveis de mediunidade em afloramento. É muito comum que os “entendidos” em se acercando delas afirmem: “Você é médium”. O Atendimento Fraterno tem por filosofia ajudar o ser a se descobrir. Assim sendo, todo o trabalho se desenvolverá no sentido de orientá-las para o estudo da Doutrina Espírita e de si mesmas, de tal maneira que, cada uma, em se percebendo, diga: “Tudo indica que eu sou médium. Vou criar as condições para experimentar, como recomendava o Codificador, condição única para se ter certeza do fato”.
  • 111. Recomendações práticas para os atendentes Não Atender Incorporado (Transe Mediúnico:) O Atendimento Fraterno é trabalho dos homens para os homens. A mediunidade, nesse Serviço, se expressará sob o aspecto da inspiração e capacidade de intuir, mas, nunca por meio do transe mediúnico. Mesmo porque, esse é um trabalho de equipe, não se admitindo que uns atendam ostensivamente mediunizados e outros não.
  • 112. Recomendações práticas para os atendentes Não Estimular Que o Assistido, em Atitude de Queixa, Revele os Nomes dos Centros Espíritas Por Onde Passou: Trata-se de uma medida ética, acautelatória, para deixar o atendente livre de modo a orientar a pessoa com espontaneidade e seguro de não estar estimulando que se veicule a palavra de descrédito, o conceito desairoso a respeito de Instituições co-irmãs.
  • 113. Recomendações práticas para os atendentes Comentários Finais Atendimento Fraterno “Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” Jesus (Mt 11:28-30)
  • 115. Recomendações práticas para os atendentes Edna Costa Ilustrações dos slides: Google Imagens Curso de Atendimento Fraterno 2014