SlideShare uma empresa Scribd logo
1/22
O LIVRO DOS ESPÍRITOSO LIVRO DOS ESPÍRITOS
“Amai-vos e instruí-vos”
Espírito de verdade
2/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
“O que caracteriza um estudo sério é a
continuidade que se lhe dá.”
Allan Kardec
Introdução de “O livro dos espíritos”
3/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
Em 08 de Junho de 2008
Iniciávamos o estudo …
64 semanas de “O Livro dos espíritos”
Estudo detalhado, sério e continuado
4/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
PRIMEIRO QUADRO
Como O Livro dos Espíritos é estruturado
• Introdução
• Prolegômenos
• PARTE PRIMEIRA - Das causas primárias
4 Capítulos
• PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos
11 Capítulos
• PARTE TERCEIRA – Das leis morais
12 Capítulos
• PARTE QUARTA – Das esperanças e consolações
2 Capítulos
• Conclusão
1018 Perguntas e respostas
5/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
• 22 últimas páginas do livro
• Divididos em 9 ítens
• Colocações de Kardec, onde se destaca o
seu bom senso, a sua sabedoria e a análise
profunda da doutrina que estava iniciando
• É um verdadeiro fecho de “ouro” dessa obra
monumental
6/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item I
• Kardec fala dos críticos ao espiritismo;
• “Zombar de uma coisa que se não conhece,
que se não sondou com o escalpelo do
observador consciencioso, não é criticar, é dar
prova de leviandade e triste mostra de falta de
critério”
7/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item II
• Kardec indica que o espiritismo é o maior
adversário do materialismo;
• “Assim, pois, o Espiritismo se apóia menos no
maravilhoso e no sobrenatural do que a própria
religião. Conseguintemente, os que o atacam por
esse lado mostram que o não conhecem e, ainda
quando fossem os maiores sábios, lhes diríamos: se
a vossa ciência, que vos instruiu em tantas coisas,
não vos ensinou que o domínio da Natureza é
infinito, sois apenas meio sábios.”
8/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item III
• Ainda se referindo ao céticos, Kardec diz;
• “A que se deve atribuir o relaxamento dos laços de
família e a maior parte das desordens que minam a
sociedade, senão à ausência de toda crença?
Demonstrando a existência e a imortalidade da alma,
o Espiritismo reaviva a fé no futuro, levanta os
ânimos abatidos, faz suportar com resignação as
vicissitudes da vida. Ousaríeis chamar a isto um
mal?.”
9/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item IV
• Kardec fala do progresso da humanidade ao
longo da história;
• “O progresso da Humanidade tem seu
princípio na aplicação da lei de justiça, de
amor e de caridade, lei que se funda na
certeza do futuro. Tirai-lhe essa certeza e lhe
tirareis a pedra fundamental.”
10/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item V
• Repetidas vezes os Espíritos hão dito: “Não
vos inquieteis com a oposição; tudo o que
contra vós fizerem se tornará a vosso favor e
os vossos maiores adversários, sem o
quererem, servirão à vossa causa. Contra a
vontade de Deus não poderá prevalecer a má
vontade dos homens.”
11/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item V
• Kardec fala da da rapidez com que as idéias
espíritas se propagam.
• Três períodos distintos apresenta o
desenvolvimento dessas idéias: primeiro, o da
curiosidade, que a singularidade dos
fenômenos produzidos desperta; segundo, o
do raciocínio e da filosofia; terceiro, o da
aplicação e das conseqüências
12/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VI
• Kardec diz: “Falsíssima idéia formaria do
Espiritismo quem julgasse que a sua força lhe
vem da prática das manifestações materiais e
que, portanto, obstando-se a tais
manifestações, se lhe terá minado a base.
Sua força está na sua filosofia, no apelo que
dirige à razão, ao bom-senso.”
13/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VI
• “Que faz a moderna ciência espírita? Reúne
em corpo de doutrina o que estava esparso;
explica, com os termos próprios, o que só era
dito em linguagem alegórica; poda o que a
superstição e a ignorância engendraram, para
só deixar o que é real e positivo.”
14/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VII
• “O Espiritismo se apresenta sob três aspectos
diferentes: o das manifestações, o dos princípios e
da filosofia que delas decorrem e o da aplicação
desses princípios. Daí, três classes, ou, antes, três
graus de adeptos: 1º os que crêem nas
manifestações e se limitam a comprová-las; para
esses, o Espiritismo é uma ciência experimental; 2º
os que lhe percebem as conseqüências morais; 3º
os que praticam ou se esforçam por praticar essa
moral.”
15/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VII
• “Quanto aos adversários, também podemos
classificá-los em três categorias. 1ª — A dos que
negam sistematicamente tudo o que é novo, ou
deles não venha, e que falam sem conhecimento
de causa. A esta classe pertencem todos os que
não admitem senão o que possa ter o testemunho
dos sentidos. Nada viram, nada querem ver e
ainda menos aprofundar.”
16/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VII
• “2ª — A dos que, sabendo muito bem o que
pensar da realidade dos fatos, os combatem,
todavia, por motivos de interesse pessoal. Para
estes, o Espiritismo existe, mas lhe receiam as
conseqüências. Atacam-no como a um inimigo.”
17/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VII
• “3ª — A dos que acham na moral espírita uma
censura por demais severa aos seus atos ou às
suas tendências. Tomado ao sério, o Espiritismo os
embaraçaria; não o rejeitam, nem o aprovam:
preferem fechar os olhos.”
18/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item VIII
• Kardec reafirma que a moral do espiritismo é
a mesma ensinada pelo Cristo nos
evangelhos
•“Mas, perguntamos, por nossa vez: Antes que
viesse o Cristo, não tinham os homens a lei dada
por Deus a Moisés? A doutrina do Cristo não se
acha contida no Decálogo? Dir- -se-á, por isso, que
a moral de Jesus era inútil? Perguntaremos, ainda,
aos que negam utilidade à moral espírita: Por que
tão pouco praticada é a do Cristo?”
19/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item IX
• Kardec fala sobre as divergências entre os
adeptos do espiritismo
• “Os Espíritos sempre disseram que nos não
inquietássemos com essas divergências e que a
unidade se estabeleceria. Ora, a unidade já se fez
quanto à maioria dos pontos e as divergências
tendem cada vez mais a desaparecer”
20/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item IX
• Sobre as questões relacionadas às
divergências, reproduz conselho de Santo
Agostinho
• “Por bem largo tempo, os homens se têm
estraçalhado e anatematizado mutuamente em
nome de um Deus de paz e misericórdia,
ofendendo-o com semelhante sacrilégio. O
Espiritismo é o laço que um dia os unirá, porque
lhes mostrará onde está a verdade, onde o erro.”
21/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
CONCLUSÃO
Item IX
• “Jamais os bons Espíritos foram os instigadores
do mal; jamais aconselharam ou legitimaram o
assassínio e a violência; jamais estimularam os
ódios dos partidos, nem a sede das riquezas e
das honras, nem a avidez dos bens da Terra. Os
que são bons, humanitários e benevolentes para
com todos, esses os seus prediletos e prediletos
de Jesus, porque seguem a estrada que este lhes
indicou para chegarem até ele.”
22/22
O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS
“O Espiritismo pode não ser
a religião do futuro, mas é o
futuro das religiões.”
Leon Denis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareismanumino
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuEduardo Ottonelli Pithan
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a leiGraça Maciel
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaGraça Maciel
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três RevelaçõesGraça Maciel
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosAlmir Silva
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da mortehome
 
2.1.2 mundo normal primitivo
2.1.2   mundo normal primitivo2.1.2   mundo normal primitivo
2.1.2 mundo normal primitivoMarta Gomes
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6Graça Maciel
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometidoGraça Maciel
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consoladorgrupodepaisceb
 
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e Expiações
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e ExpiaçõesEvangeliza - Terra - Planeta de Provas e Expiações
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e ExpiaçõesAntonino Silva
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações Mima Badan
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosEduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
 
A moral evangelica do espiritismo
A moral evangelica do espiritismoA moral evangelica do espiritismo
A moral evangelica do espiritismo
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
 
2.1.2 mundo normal primitivo
2.1.2   mundo normal primitivo2.1.2   mundo normal primitivo
2.1.2 mundo normal primitivo
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
O Livro dos Espíritos
O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos
O Livro dos Espíritos
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
 
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e Expiações
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e ExpiaçõesEvangeliza - Terra - Planeta de Provas e Expiações
Evangeliza - Terra - Planeta de Provas e Expiações
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 

Semelhante a 091028 conclusão de o livro dos espíritos

Ciência e espiritismo
Ciência e espiritismoCiência e espiritismo
Ciência e espiritismoMarcos Accioly
 
Espiritismo e espíritas.pptx
Espiritismo e espíritas.pptxEspiritismo e espíritas.pptx
Espiritismo e espíritas.pptxssuser7710ea
 
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!Jorge Luiz dos Santos
 
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITAESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITAAlmir Silva
 
Revista espírita 1869
Revista espírita   1869Revista espírita   1869
Revista espírita 1869anaccc2013
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862igmateus
 
Apresentação 01 pentateuco
Apresentação 01 pentateucoApresentação 01 pentateuco
Apresentação 01 pentateucodanieladaj
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hhome
 
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritas
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritasOlm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritas
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritasCarlos Alberto Freire De Souza
 
Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03Leonardo Pereira
 
Allan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismoAllan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismoLeonardo Pereira
 
Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865Henrique Vieira
 
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbanda
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbandaSouza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbanda
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbandarenatopaulo_gomes
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867anaccc2013
 

Semelhante a 091028 conclusão de o livro dos espíritos (20)

Ciência e espiritismo
Ciência e espiritismoCiência e espiritismo
Ciência e espiritismo
 
Espiritismo e espíritas.pptx
Espiritismo e espíritas.pptxEspiritismo e espíritas.pptx
Espiritismo e espíritas.pptx
 
Beume 57
Beume 57Beume 57
Beume 57
 
Introdução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptxIntrodução ao ESE.pptx
Introdução ao ESE.pptx
 
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!
SEMINÁRIO ESPÍRITA - MÓDULO II -INSTRUÍ-VOS!
 
Olm 100804-introdução ao estudo
Olm 100804-introdução ao estudoOlm 100804-introdução ao estudo
Olm 100804-introdução ao estudo
 
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITAESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
ESDE 3 - 2013 - REVISÃO POSTULADOS DOUTRINA ESPÍRITA
 
Revista espírita 1869
Revista espírita   1869Revista espírita   1869
Revista espírita 1869
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
 
Apresentação 01 pentateuco
Apresentação 01 pentateucoApresentação 01 pentateuco
Apresentação 01 pentateuco
 
O que e_espiritismo
O que e_espiritismoO que e_espiritismo
O que e_espiritismo
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
 
Espiritismo Kardecista
Espiritismo KardecistaEspiritismo Kardecista
Espiritismo Kardecista
 
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritas
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritasOlm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritas
Olm 101103-reuniões e sociedade-regulamento-disertações espíritas
 
Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03Espiritismo e mediunidade 03
Espiritismo e mediunidade 03
 
Allan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismoAllan kardec e o espiritismo
Allan kardec e o espiritismo
 
Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865
 
Obras Póstumas
Obras PóstumasObras Póstumas
Obras Póstumas
 
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbanda
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbandaSouza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbanda
Souza leal espiritismo_a_magia_sete_linhas_de_umbanda
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867
 

Mais de Carlos Alberto Freire De Souza

091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...
091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...
091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...Carlos Alberto Freire De Souza
 
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9Carlos Alberto Freire De Souza
 
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro iiCarlos Alberto Freire De Souza
 
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...Carlos Alberto Freire De Souza
 
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6Carlos Alberto Freire De Souza
 
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...Carlos Alberto Freire De Souza
 

Mais de Carlos Alberto Freire De Souza (20)

Principio da acao e reacao
Principio da acao e reacaoPrincipio da acao e reacao
Principio da acao e reacao
 
Os milagres na_visao_espirita-clea alves
Os milagres na_visao_espirita-clea alvesOs milagres na_visao_espirita-clea alves
Os milagres na_visao_espirita-clea alves
 
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
9 ciclo-iii-fenomenos de-emancipacao_da_alma
 
2 maneira-de-orar
2 maneira-de-orar2 maneira-de-orar
2 maneira-de-orar
 
O que é o perespirito?
O que é o perespirito?O que é o perespirito?
O que é o perespirito?
 
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
 
A palestra doutrinaria na casa espirita
A palestra doutrinaria na casa espiritaA palestra doutrinaria na casa espirita
A palestra doutrinaria na casa espirita
 
Liberdade, Igualdade e Fraternidade
Liberdade, Igualdade e FraternidadeLiberdade, Igualdade e Fraternidade
Liberdade, Igualdade e Fraternidade
 
Passe 4
Passe 4Passe 4
Passe 4
 
Foto kirlian
Foto kirlianFoto kirlian
Foto kirlian
 
Abenção da vida 2
Abenção da vida 2Abenção da vida 2
Abenção da vida 2
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Sede perfeitos
 
091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...
091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...
091021 ação dos espíritos sobre a natureza-combates-bençãos e maldições – cap...
 
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9
091014 possessos-pressentimentos-influência dos espíritos-livro ii,cap9
 
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
091007 funerais-cap6-a infância-simpatias e antipatias terrenas-cap7-livro ii
 
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...
090930 a prece-politeismo-cap2–liii - duração da penas futuras-ressurreição-c...
 
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6
090916 as relações de além túmulo-metades eternas-recordações – livro ii, cap 6
 
090923 da lei de liberdade-penas temporais
090923 da lei de liberdade-penas temporais090923 da lei de liberdade-penas temporais
090923 da lei de liberdade-penas temporais
 
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
 
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...
090902 sexo nos espíritos-semelhanças físicas e morais-ideias inatas–livro ii...
 

Último

JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2emprego2
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfFrancisco Baptista
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...edsonjsmarques
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.pptNuno724230
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 

Último (10)

JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 

091028 conclusão de o livro dos espíritos

  • 1. 1/22 O LIVRO DOS ESPÍRITOSO LIVRO DOS ESPÍRITOS “Amai-vos e instruí-vos” Espírito de verdade
  • 2. 2/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS “O que caracteriza um estudo sério é a continuidade que se lhe dá.” Allan Kardec Introdução de “O livro dos espíritos”
  • 3. 3/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS Em 08 de Junho de 2008 Iniciávamos o estudo … 64 semanas de “O Livro dos espíritos” Estudo detalhado, sério e continuado
  • 4. 4/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS PRIMEIRO QUADRO Como O Livro dos Espíritos é estruturado • Introdução • Prolegômenos • PARTE PRIMEIRA - Das causas primárias 4 Capítulos • PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos 11 Capítulos • PARTE TERCEIRA – Das leis morais 12 Capítulos • PARTE QUARTA – Das esperanças e consolações 2 Capítulos • Conclusão 1018 Perguntas e respostas
  • 5. 5/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO • 22 últimas páginas do livro • Divididos em 9 ítens • Colocações de Kardec, onde se destaca o seu bom senso, a sua sabedoria e a análise profunda da doutrina que estava iniciando • É um verdadeiro fecho de “ouro” dessa obra monumental
  • 6. 6/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item I • Kardec fala dos críticos ao espiritismo; • “Zombar de uma coisa que se não conhece, que se não sondou com o escalpelo do observador consciencioso, não é criticar, é dar prova de leviandade e triste mostra de falta de critério”
  • 7. 7/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item II • Kardec indica que o espiritismo é o maior adversário do materialismo; • “Assim, pois, o Espiritismo se apóia menos no maravilhoso e no sobrenatural do que a própria religião. Conseguintemente, os que o atacam por esse lado mostram que o não conhecem e, ainda quando fossem os maiores sábios, lhes diríamos: se a vossa ciência, que vos instruiu em tantas coisas, não vos ensinou que o domínio da Natureza é infinito, sois apenas meio sábios.”
  • 8. 8/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item III • Ainda se referindo ao céticos, Kardec diz; • “A que se deve atribuir o relaxamento dos laços de família e a maior parte das desordens que minam a sociedade, senão à ausência de toda crença? Demonstrando a existência e a imortalidade da alma, o Espiritismo reaviva a fé no futuro, levanta os ânimos abatidos, faz suportar com resignação as vicissitudes da vida. Ousaríeis chamar a isto um mal?.”
  • 9. 9/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item IV • Kardec fala do progresso da humanidade ao longo da história; • “O progresso da Humanidade tem seu princípio na aplicação da lei de justiça, de amor e de caridade, lei que se funda na certeza do futuro. Tirai-lhe essa certeza e lhe tirareis a pedra fundamental.”
  • 10. 10/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item V • Repetidas vezes os Espíritos hão dito: “Não vos inquieteis com a oposição; tudo o que contra vós fizerem se tornará a vosso favor e os vossos maiores adversários, sem o quererem, servirão à vossa causa. Contra a vontade de Deus não poderá prevalecer a má vontade dos homens.”
  • 11. 11/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item V • Kardec fala da da rapidez com que as idéias espíritas se propagam. • Três períodos distintos apresenta o desenvolvimento dessas idéias: primeiro, o da curiosidade, que a singularidade dos fenômenos produzidos desperta; segundo, o do raciocínio e da filosofia; terceiro, o da aplicação e das conseqüências
  • 12. 12/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VI • Kardec diz: “Falsíssima idéia formaria do Espiritismo quem julgasse que a sua força lhe vem da prática das manifestações materiais e que, portanto, obstando-se a tais manifestações, se lhe terá minado a base. Sua força está na sua filosofia, no apelo que dirige à razão, ao bom-senso.”
  • 13. 13/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VI • “Que faz a moderna ciência espírita? Reúne em corpo de doutrina o que estava esparso; explica, com os termos próprios, o que só era dito em linguagem alegórica; poda o que a superstição e a ignorância engendraram, para só deixar o que é real e positivo.”
  • 14. 14/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VII • “O Espiritismo se apresenta sob três aspectos diferentes: o das manifestações, o dos princípios e da filosofia que delas decorrem e o da aplicação desses princípios. Daí, três classes, ou, antes, três graus de adeptos: 1º os que crêem nas manifestações e se limitam a comprová-las; para esses, o Espiritismo é uma ciência experimental; 2º os que lhe percebem as conseqüências morais; 3º os que praticam ou se esforçam por praticar essa moral.”
  • 15. 15/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VII • “Quanto aos adversários, também podemos classificá-los em três categorias. 1ª — A dos que negam sistematicamente tudo o que é novo, ou deles não venha, e que falam sem conhecimento de causa. A esta classe pertencem todos os que não admitem senão o que possa ter o testemunho dos sentidos. Nada viram, nada querem ver e ainda menos aprofundar.”
  • 16. 16/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VII • “2ª — A dos que, sabendo muito bem o que pensar da realidade dos fatos, os combatem, todavia, por motivos de interesse pessoal. Para estes, o Espiritismo existe, mas lhe receiam as conseqüências. Atacam-no como a um inimigo.”
  • 17. 17/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VII • “3ª — A dos que acham na moral espírita uma censura por demais severa aos seus atos ou às suas tendências. Tomado ao sério, o Espiritismo os embaraçaria; não o rejeitam, nem o aprovam: preferem fechar os olhos.”
  • 18. 18/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item VIII • Kardec reafirma que a moral do espiritismo é a mesma ensinada pelo Cristo nos evangelhos •“Mas, perguntamos, por nossa vez: Antes que viesse o Cristo, não tinham os homens a lei dada por Deus a Moisés? A doutrina do Cristo não se acha contida no Decálogo? Dir- -se-á, por isso, que a moral de Jesus era inútil? Perguntaremos, ainda, aos que negam utilidade à moral espírita: Por que tão pouco praticada é a do Cristo?”
  • 19. 19/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item IX • Kardec fala sobre as divergências entre os adeptos do espiritismo • “Os Espíritos sempre disseram que nos não inquietássemos com essas divergências e que a unidade se estabeleceria. Ora, a unidade já se fez quanto à maioria dos pontos e as divergências tendem cada vez mais a desaparecer”
  • 20. 20/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item IX • Sobre as questões relacionadas às divergências, reproduz conselho de Santo Agostinho • “Por bem largo tempo, os homens se têm estraçalhado e anatematizado mutuamente em nome de um Deus de paz e misericórdia, ofendendo-o com semelhante sacrilégio. O Espiritismo é o laço que um dia os unirá, porque lhes mostrará onde está a verdade, onde o erro.”
  • 21. 21/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS CONCLUSÃO Item IX • “Jamais os bons Espíritos foram os instigadores do mal; jamais aconselharam ou legitimaram o assassínio e a violência; jamais estimularam os ódios dos partidos, nem a sede das riquezas e das honras, nem a avidez dos bens da Terra. Os que são bons, humanitários e benevolentes para com todos, esses os seus prediletos e prediletos de Jesus, porque seguem a estrada que este lhes indicou para chegarem até ele.”
  • 22. 22/22 O LIVRO DOS ESPIRITOSO LIVRO DOS ESPIRITOS “O Espiritismo pode não ser a religião do futuro, mas é o futuro das religiões.” Leon Denis