Cei 100310-i-cap.8-os anjos

262 visualizações

Publicada em

Estudo do livro espirita em ppt "O CÉU E O INFERNO"

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cei 100310-i-cap.8-os anjos

  1. 1. 1/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO “Na casa do Pai, há muitas moradas” O Céu dos anjos e dos eleitos O Inferno dos demônios e dos condenados O Espiritismo tem uma visão totalmente diferente do tema
  2. 2. 2/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  3. 3. 3/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Aproximadamente 150 livros sobre o tema Fonte: www.saraiva.com.br O quanto o maravilhoso, o sobrenatural chama a atenção das pessoas...
  4. 4. 4/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Como pode alguém em pleno século XXI acreditar nisso?
  5. 5. 5/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Todas as religiões têm tido anjos sob vários nomes, isto é, seres superiores à Humanidade, intermediários entre Deus e os homens. A crença nos anjos é parte essencial dos dogmas da Igreja, que assim os define:
  6. 6. 6/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja O 4º Concílio de Latrão (1215) decretou que só há um Deus verdadeiro, eterno e infinito, que no começo dos tempos tirou conjuntamente do nada as duas criaturas - espiritual e corpórea, tendo formado depois, como elo entre as duas, o homem, composta de corpo e Espírito. Neste mesmo concílio, também é professado que os demônios eram anjos que abusaram do livre arbítrio ao cometer pecados
  7. 7. 7/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja “Na esfera mais elevada aparecem a existência e a vida puramente espirituais; na última ordem, uma e outra puramente materiais e, intermediariamente, uma união maravilhosa das duas substâncias, uma vida ao mesmo tempo comum ao Espírito inteligente e ao corpo organizado. (homens)”
  8. 8. 8/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Em cada página dos sagrados livros, do Velho como do Novo Testamento, se fez menção dessas inteligências sublimes; A sua intervenção aparece manifestamente na vida dos patriarcas e dos profetas. Serve-se Deus de tal ministério, ora para transmitir a sua vontade, ora para anunciar futuros acontecimentos, e os anjos são também quase sempre órgãos de sua justiça e misericórdia.
  9. 9. 9/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Os padres da Igreja e os teólogos ensinam geralmente que os anjos se dividem em três grandes hierarquias ou principados, e cada hierarquia em três companhias ou coros.
  10. 10. 10/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Os da primeira e mais alta hierarquia designam- se conforme às funções que exercem no céu: ― Os Serafins são assim designados por serem como que abrasados perante Deus pelos ardores da caridade; outros, os Querubins, por isso que refletem luminosamente a divina sabedoria; e finalmente Tronos os que proclamam a grandeza do Criador, cujo brilho fazem resplandecer.
  11. 11. 11/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Os anjos da segunda hierarquia recebem nomes consentâneos com as operações que se lhes atribui no governo geral do Universo, e são: ― as Dominações, que determinam aos anjos de classes inferiores suas missões e deveres; as Virtudes, que promovem os prodígios reclamados pelos grandes interesses da Igreja e do gênero humano; e as Potências, que protegem por sua força e vigilância as leis que regem o mundo físico e moral.
  12. 12. 12/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo a igreja Os da terceira hierarquia têm por missão a direção das sociedades e das pessoas, e são: os Principados, encarregados de reinos, províncias e dioceses; os Arcanjos, que transmitem as mensagens de alta importância, e os Anjos de guarda, que acompanham as criaturas a fim de velarem pela sua segurança e santificação.
  13. 13. 13/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação Da doutrina da igreja em relação aos anjos, diz-se que são criaturas privilegiadas e votadas à felicidade suprema e eterna desde a sua formação. Estão, por assim dizer, no primeiro plano da Criação, contrastando com o último onde a vida é puramente material; e, entre os dois, medianamente existe a Humanidade, isto é, as almas, seres inferiores aos anjos e ligados a corpos materiais.
  14. 14. 14/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação Algumas dificuldades surgem desta doutrina: Que vida é essa puramente material? É da matéria bruta? E as plantas? Deduz-se que as plantas tem algo a mais que a matéria bruta. E os animais? Também deduz-se que têm algo a mais que as plantas. Onde se encaixam na criação?
  15. 15. 15/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação Diz a Igreja que esses três pontos culminantes da Criação são necessários à harmonia do conjunto. Mas outro dogma diz que a terra, as plantas, os animais, o mundo, o sol, as estrelas e até a luz foram criados do nada há 6.000 anos. Então, antes disto a obra divina era imperfeita?
  16. 16. 16/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação E ainda, o quadro hierárquico dos anjos nos mostra que várias ordens têm, nas suas atribuições, o governo do mundo físico e da Humanidade, para cujo fim foram criados. Mas, o que faziam, pois, tais anjos, anteriormente a essa era, durante a eternidade, quando não existia o objetivo das suas ocupações?
  17. 17. 17/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação Aqui reponta uma questão vital, qual a de saber-se se a alma pode adquirir conhecimentos após a morte do corpo. Se uma vez liberta do corpo não pode adquirir novos conhecimentos, a alma da criança, do selvagem, do imbecil, do idiota ou do ignorante permanecera tal qual era no momento da morte, condenada à nulidade por todo o sempre.
  18. 18. 18/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação Mas se, ao contrário, ela adquire novos conhecimentos depois da vida atual, então, é que pode progredir. As duas opções levam a absurdos e a negação de outros dogmas, tais como a eternidade das penas
  19. 19. 19/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Refutação A respeito da união da alma com o corpo, o Espiritismo professa uma doutrina infinitamente mais espiritualista, para não dizer menos materialista, tendo ao demais a seu favor a conformidade com a observação e o destino da alma. Ele ensina-nos que a alma é independente do corpo, não passando este de temporário invólucro: a espiritualidade é-lhe a essência, e a sua vida normal é a vida espiritual.
  20. 20. 20/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo o Espiritismo Que haja seres dotados de todas as qualidades atribuídas aos anjos, não restam dúvidas. A revelação espírita neste ponto confirma a crença de todos os povos, fazendo-nos conhecer ao mesmo tempo a origem e natureza de tais seres.
  21. 21. 21/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo o Espiritismo Deus no Livro da natureza nos diz a cada momento: “Eis a lei que deve constituir a vossa norma de conduta; ela só pode levar- vos ao fim; tudo que lhe for conforme é o bem; tudo que lhe for contrário é o mal. Tendes inteira liberdade de observar ou infringir esta lei, e assim sereis os árbitros da vossa própria sorte.”
  22. 22. 22/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo o Espiritismo Deste modo, pouco a pouco, se desenvolve, aperfeiçoa e adianta na hierarquia espiritual até ao estado de puro Espírito ou anjo. Os anjos são, pois, as almas dos homens chegados ao grau de perfeição que a criatura comporta, fruindo em sua plenitude a prometida felicidade.
  23. 23. 23/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo o Espiritismo Tendo-a criado de toda a eternidade, Deus jamais cessa de criá-la. Muito antes que a Terra existisse e por mais remota que a suponhamos, outros mundos havia, nos quais Espíritos encarnados percorreram as mesmas fases que ora percorrem os de mais recente formação, atingindo seu fim antes mesmo que houvéramos saído das mãos do Criador.
  24. 24. 24/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO VIII – Os anjos Os anjos segundo o Espiritismo Deus nunca esteve inativo e sempre teve puros Espíritos, experimentados e esclarecidos, para transmissão de suas ordens e direção do Universo, desde o governo dos mundos até os mais ínfimos detalhes. Tampouco teve Deus necessidade de criar seres privilegiados, isentos de obrigações; todos, antigos e novos, adquiriram suas posições na luta e por mérito próprio; todos, enfim, são filhos de suas obras.
  25. 25. 25/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  26. 26. 26/26 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO “Sede perfeitos como perfeito é o vosso pai” Jesus “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar. Tal é a lei” Inscrição no túmulo de Allan Kardec

×