Livro dos Espiritos 266 ESE cap20 item4 parte 2

962 visualizações

Publicada em

Reuniao Publica GECD
espacodespertar.blogspot.com.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Livro dos Espiritos 266 ESE cap20 item4 parte 2

  1. 1. Dubai, 05/10/2014 Estudo de O Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo L.E. – Parte 2ª. Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA - Questão 266 ESE –Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA
  2. 2. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Escolha das provas 266. Não parece natural que se escolham as provas menos dolorosas? “Pode parecer-vos a vós; ao Espírito, não. Logo que este se desliga da matéria, cessa toda ilusão e outra passa a ser a sua maneira de pensar.” Sob a influência das idéias carnais, o homem, na Terra, só vê das provas o lado penoso. Tal a razão de lhe parecer natural sejam escolhidas as que, do seu ponto de vista, podem coexistir com os gozos materiais. Na vida espiritual, porém, compara esses gozos fugazes e grosseiros com a inalterável felicidade que lhe é dado entrever e desde logo nenhuma impressão mais lhe causam os passageiros sofrimentos terrenos.
  3. 3. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Escolha das provas “A doutrina da liberdade que temos de escolher as nossas existências e as provas que devamos sofrer deixa de parecer singular, desde que se atenda a que os Espíritos, uma vez desprendidos da matéria, apreciam as coisas de modo diverso da nossa maneira de apreciá-los. Após cada existência, vêem o passo que deram e compreendem o que ainda lhes falta em pureza para atingirem aquela meta. Daí o se submeterem voluntariamente a todas as vicissitudes da vida corpórea, solicitando as que possam fazer que a alcancem mais presto. Não há, pois, motivo de espanto no fato de o Espírito não preferir a existência mais suave. Não lhe é possível, no estado de imperfeição em que se encontra, gozar de uma vida isenta de amarguras. Ele o percebe e, precisamente para chegar a fruí-la, é que trata de se melhorar.”
  4. 4. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Escolha das provas “Não vemos, aliás, todos os dias, exemplos de escolhas tais? A que se não submete ou expõe o homem pelo seu interesse ou pela sua glória? Ninguém galga qualquer posição nas ciências, nas artes, na indústria, senão passando pela série das posições inferiores, que são outras tantas provas.
  5. 5. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Escolha das provas A vida humana é, pois, cópia da vida espiritual; nela se nos deparam em ponto pequeno todas as peripécias da outra. Ora, se na vida terrena muitas vezes escolhemos duras provas, visando posição mais elevada, por que não haveria o Espírito, que enxerga mais longe que o corpo e para quem a vida corporal é apenas incidente de curta duração, de escolher uma existência árdua e laboriosa, desde que o conduza à felicidade eterna? Não nos ocupamos cada dia em cogitar do que faremos no dia seguinte? Ora, que são, para o Espírito as diversas existências corporais, senão fases, períodos, dias da sua vida espírita, que é, como sabemos, a vida normal, visto que a outra é transitória, passageira?
  6. 6. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Escolha das provas Na noite de 8 de janeiro de 1955,recolhemos a mensagem de P. Brandão, um amigo desencarnado que fora anteriormente socorrido por nossos Benfeitores em nosso templo de reconforto espiritual. (...) Resgate – Livro Vozes do Grande Além pág 129
  7. 7. O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA Dubai, 05/02/2013 Item 4
  8. 8. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA Os trabalhadores da última hora Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos, porque muitos são os chamados e poucos os escolhidos. (S. MATEUS, cap. XX, vv. 1 a 16.)
  9. 9. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS 4. Missão dos espíritas (…) A fé é a virtude que desloca montanhas, disse Jesus. Todavia, mais pesados do que as maiores montanhas, jazem depositados nos corações dos homens a impureza e todos os vícios que derivam da impureza. Parti, então, cheios de coragem, para removerdes essa montanha de iniqüidades que as futuras gerações só deverão conhecer como lenda, do mesmo modo que vós, que só muito imperfeitamente conheceis os tempos que antecederam a civilização pagã. Sim, em todos os pontos do Globo vão produzir-se as subversões morais e filosóficas; aproxima-se a hora em que a luz divina se espargirá sobre os dois mundos.
  10. 10. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA Ide, pois, e levai a palavra divina: aos grandes que a desprezarão, aos eruditos que exigirão provas, aos pequenos e simples que a aceitarão; porque, principalmente entre os mártires do trabalho, desta provação terrena, encontrareis fervor e fé. Ide; estes receberão, com hinos de gratidão e louvores a Deus, a santa consolação que lhes levareis, e baixarão a fronte, rendendo-lhe graças pelas aflições que a Terra lhes destina. Arme-se a vossa falange de decisão e coragem! Mãos à obra! o arado está pronto; a terra espera; arai! Erasto, anjo da guarda do médium. (Paris, 1863.)
  11. 11. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA Em uma das tais assembléias, presididas pelo coração misericordioso e augusto do Cordeiro, for a destacado um dos grandes discípulos do Senhor para vir à Terra…pág 156 1804 Brasil, Coração do Mundo Pátria do Evangelho 1ª Edição 1938
  12. 12. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA • Codificador da Doutrina Espírita Nascido em Lyon, França, no dia 3 de outubro de 1804 e desencarnado em Paris, no dia 31 de março de 1869. Allan Kardec (Hippolyte Léon Denizard Rivail) desde a primeira juventude, sentiu-se inclinado ao estudo das ciências e da filosofia. Destacou-se na profissão para a qual fora aprimoradamente educado na Suíça, na escola do maior pedagogo do primeiro quartel do século 19, João Henrique Pestalozzi. E, em Paris, sucedeu ao próprio mestre. Allan Kardec contava 51 anos quando se dedicou à observação e estudo dos fenômenos espíritas. Dois anos depois, em 1857, divulgava "O Livro dos Espíritos". Em 1858, iniciava a publicação da famosa "Revue Spirite". Em 1861, dava a lume "O Livro dos Médiuns". Em 1864, aparecia "O Evangelho segundo o Espiritismo"; seguido de "O Céu e o Inferno" em 1865. Finalmente, em 1868 "A Gênesis”, completava o pentateuco do Espiritismo. https://www.youtube.com/watch?v=7qu0BXFjlVA
  13. 13. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA “Não nos referimos aqui ao professor emérito que foste, mas ao discípulo de Jesus que possibilitou o levantamento das bases do Espiritismo Cristão, cuja estrutura desafia a passagem do tempo. Falem outros dos títulos de cultura que te exornavam a personalidade, do prestígio que desfrutavas na esfera da inteligência, do brilho de tua presença nos fastos sociais, da glória que te ilustrava o nome, de vez que todas as referências à tua dignidade pessoal nunca dirão integralmente o exato valor de teus créditos humanos. Reportar-nos-emos ao amigo fiel do Cristo e da Humanidade, em agradecimento pela coragem e abnegação com que te esqueceste para entregar ao mundo a mensagem da Espiritualidade Superior”. Pelo Espírito Irmão X (Humberto de Campos). Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Histórias e Anotações. Lição nº 12. Pág. 78. São Paulo: Ed. CEU. Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, em homenagem, ao aniversário de Allan Kardec.
  14. 14. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA A primeira manifestação ostensiva do Espírito de Verdade ao professor Hippolyte Léon Denizard Rivail ocorreu em sua casa no dia 25/3/1856 através de pancadas. https://www.youtube.com/watch?v=3RzdSNk49Tc Trecho do DVD - Organização do livro e critério dos textos do evangelho pelo codificador. Palestra com Haroldo Dutra Dias realizada na Federação Espírita do Paraná no dia 15.03.2014.
  15. 15. Cap. XX OS TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA “Seja Allan Kardec, não apenas crido ou sentido, apregoado ou manifestado, a nossa bandeira, mas suficientemente vivido, sofrido, chorado e realizado em nossas próprias vidas. Sem essa base é difícil forjar o caráter espírita-cristão que o mundo conturbado espera de nós pela unificação” Bezerra de Menezes (“Unificação”, psicografia de Chico Xavier, 1963).

×