Cei 100210-i-cap. 3 e 5-o céu-o purgatório

357 visualizações

Publicada em

Estudo do livro espirita em ppt "O CÉU E O INFERNO"

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
357
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cei 100210-i-cap. 3 e 5-o céu-o purgatório

  1. 1. 1/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO “Na casa do Pai, há muitas moradas” O Céu dos anjos e dos eleitos O Inferno dos demônios e dos condenados O Espiritismo tem uma visão totalmente diferente do tema
  2. 2. 2/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  3. 3. 3/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Em geral, a palavra céu designa o espaço indefinido que circunda a Terra, e mais particularmente a parte que está acima do nosso horizonte Os antigos acreditavam na existência de muitos céus superpostos, de matéria sólida e transparente, formando esferas concêntricas e tendo a Terra por centro.
  4. 4. 4/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Segundo a opinião mais comum, havia sete céus e daí a expressão — estar no sétimo céu — para exprimir perfeita felicidade. Os muçulmanos admitem nove céus, em cada um dos quais se aumenta a felicidade dos crentes. O astrônomo Ptolomeu, contava onze
  5. 5. 5/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu O modelo de Ptolomeu, que perdurou por 1400 anos e que colocava a terra no centro do universo.
  6. 6. 6/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu
  7. 7. 7/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu O Cientista Galileu, em 1632 é julgado pela “Santa Inquisição” e forçado a negar as suas idéias sobre o heliocentrismo (Sol no centro do universo
  8. 8. 8/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Outra sorte teve Giordano Bruno (1548- 1600), condenado a morte na fogueira pelas suas idéias contrárias à igreja católica Monumento erguido em 1889 por círculos maçônicos italianos, no local onde Giordano Bruno foi executado.
  9. 9. 9/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu A teologia cristã reconhece três céus: o primeiro é o da região do ar e das nuvens; o segundo, o espaço em que giram os astros, e o terceiro, para além deste, é a morada do Altíssimo, a habitação dos que o contemplam face a face. É conforme a esta crença que se diz que São Paulo foi alçado ao terceiro céu.
  10. 10. 10/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu É na última camada, além das estrelas, que todas têm colocado a residência afortunada e a morada do Todo-Poderoso. Singular anomalia que coloca o Autor de todas as coisas, Aquele que as governa a todas, nos confins da criação, em vez de no centro, donde o seu pensamento poderia,irradiante, abranger tudo!
  11. 11. 11/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Com a evolução das ciências, hoje sabe-se que nem a Terra, nem o Sol são o centro do universo. Na concepção atual, pela grandeza do universo conhecido, não tem sentido apontar um centro para o universo. O universo hoje é o das galáxias! Somente agora (Papa João Paulo II), a igreja reconheceu o erro em relação à condenação às idéias de Galileu.
  12. 12. 12/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Uma galáxia, é um aglomerado de estrelas, cada qual podendo existir planetas ou não. Cada ponto, representa uma galáxia. Estima-se entre 1.500 a 2.500 bilhões de galáxias
  13. 13. 13/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu
  14. 14. 14/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Neste conjunto grandioso, regido por leis eternas — reveladoras da sabedoria e onipotência do Criador —, a Terra não é mais que um ponto imperceptível e um dos planetas menos favorecidos quanto à habitabilidade. E, assim sendo, é lícito perguntar por que Deus faria da Terra a única sede da vida e nela degredaria as suas criaturas prediletas?
  15. 15. 15/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu O Espiritismo reconhece a existência de vida disseminada pelo Universo. A Terra não é o único planeta habitado e existem mundo com vida superior à da terra, bem como mundos mais inferiores. Junto aos mundos físicos, existe o mundo espiritual Tudo evolui! Reencarnação, eis o instrumento de progresso para os espíritos
  16. 16. 16/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Os Espíritos são criados simples e ignorantes, mas dotados de aptidões para tudo conhecerem e para progredirem, em virtude do seu livre- arbítrio A felicidade está na razão direta do progresso realizado, de sorte que, de dois Espíritos, um pode não ser tão feliz quanto outro, unicamente por não possuir o mesmo adiantamento intelectual e moral, sem que por isso precisem estar, cada qual, em lugar distinto.
  17. 17. 17/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO III – O céu Sendo a felicidade dos Espíritos inerente às suas qualidades, haurem-na eles em toda parte em que se encontram, seja à superfície da Terra, no meio dos encarnados, ou no Espaço (plano espiritual). O mundo espiritual tem esplendores por toda parte, harmonias e sensações que os Espíritos inferiores, submetidos à influência da matéria, não entrevêem sequer, e que somente são acessíveis aos Espíritos purificados.
  18. 18. 18/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório Segundo a crença católica, algumas almas não estão suficientemente livres do pecado e suas conseqüências para entrar imediatamente no Paraíso, tais almas, em última análise, estão destinadas a se unirem com Deus no céu, e para isso devem passar pelo estado de purificação do purgatório. No purgatório, as almas "obtém a santidade necessária para entrar na alegria do céu”.
  19. 19. 19/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório 1.Ilha do purgatório 2.Vale dos excomungados 3.Vale dos príncipes 4.Porta de São Pedro 5.Vale do orgulho 6.Vale da inveja 7.Vale da ira 8.Vale da preguiça 9.Vale da avareza 10.Vale da gula 11.Vale da luxúria 12.Paraiso terrestre Visão de Dante Alighieri
  20. 20. 20/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório Sem o purgatório, só há para as almas duas alternativas extremas: a suprema felicidade ou o eterno suplício. E nessa hipótese, que seria das almas somente culpadas de ligeiras faltas? Ou compartilhariam da felicidade dos eleitos, ainda quando imperfeitas, ou sofreriam o castigo dos maiores criminosos, ainda quando não houvessem feito muito mal, o que não seria nem justo, nem racional.
  21. 21. 21/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório O Evangelho não faz menção alguma do purgatório, que só foi admitido pela Igreja no ano de 593. É incontestavelmente um dogma mais racional e mais conforme com a justiça de Deus que o inferno, porque estabelece penas menos rigorosas e resgatáveis para as faltas de gravidade mediana.
  22. 22. 22/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório Martinho Lutero contestou, entre outras coisas, o Purgatório e as indulgências nas suas famosas 95 teses, nomeadamente na tese 82, que assim diz: "Porque o papa não esvazia o purgatório por causa do santíssimo amor e da extrema necessidade das almas – o que seria a mais justa de todas as causas –, se redime um número infinito de almas por causa do funestíssimo dinheiro para a construção da basílica – que é uma causa tão insignificante?"
  23. 23. 23/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO V – O Purgatório O Espiritismo não nega, pois, antes confirma, a penalidade futura. O que ele destrói é o inferno localizado com suas fornalhas e penas irremissíveis. Não nega, outrossim, o purgatório, pois prova que nele nos achamos, e definindo-o precisamente, e explicando a causa das misérias terrestres, conduz à crença aqueles mesmos que o negam.
  24. 24. 24/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO Parte I - Doutrina I-O PORVIR E O NADA II-TEMOR DA MORTE Causas do temor da morte Por que os espíritas não temem a morte III-O CÉU IV-O INFERNO Intuição das penas futuras O inferno cristão imitado do inferno pagão Os limbos Quadro do inferno pagão Esboço do inferno cristão V-O PURGATÓRIO VI-DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS Origem da doutrina das penas eternas Argumentos a favor das penas eternas Impossibilidade material das penas eternas A doutrina das penas eternas fez sua época Ezequiel contra a eternidade das penas e o pecado original VII-AS PENAS FUTURAS SEGUNDO O ESPIRITISMO A carne é fraca Princípios da Doutrina Espírita sobre as penas futuras Código penal da vida futura VIII-OS ANJOS Os anjos segundo a Igreja Refutação Os anjos segundo o Espiritismo IX-OS DEMÔNIOS Origem da crença nos demônios Os demônios segundo a Igreja Os demônios segundo o Espiritismo X-INTERVENÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS MODERNAS MANIFESTAÇÕES XI-DA PROIBIÇÃO DE EVOCAR OS MORTOS I-O PASSAMENTO II-ESPÍRITOS FELIZES III-ESPÍRITOS EM CONDIÇÕES MEDIANAS IV-ESPÍRITOS SOFREDORES V-SUICIDAS VI-CRIMINOSOS ARREPENDIDOS VII-ESPÍRITOS ENDURECIDOS VIII-EXPIAÇÕES TERRESTRES Parte II - Exemplos
  25. 25. 25/25 O CÉU E O INFERNOO CÉU E O INFERNO O que aqui se faz, aqui se paga Provérbio popular

×