Recursos ergogênicos em educação física

13.128 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Esportes, Tecnologia
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.128
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
319
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recursos ergogênicos em educação física

  1. 1. RECURSOS ERGOGÊNICOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof.Ms. Cássio Mascarenhas Robert Pires
  2. 2. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li> RECURSOS ERGOGÊNICOS </li></ul><ul><li> manobras, estratégias ou iniciativas adotadas com o intuito de promover melhora da capacidade de trabalho motor, resultando em aumento da performance desportiva </li></ul>
  3. 3. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CREATINA </li></ul><ul><li>Derivado de aa (arginina, glicina e metionina), sintetizada no fígado, rins e pâncreas (1-2g/dia) </li></ul><ul><li>1-2g/dia exógenos  peixes e carnes vermelhas </li></ul><ul><li>90-95% creatina corporal  músculos esqueléticos </li></ul><ul><li>(120 mmol/Kg músculo seco) </li></ul><ul><li>* CP ( 65 mmol/Kg músc. seco) </li></ul><ul><li>Transporte celular </li></ul><ul><li>transportador sódio-dependente </li></ul><ul><li>insulina  expressão de transportador </li></ul><ul><li>Papel no metabolismo celular </li></ul><ul><li> prover energia ATP para esforços intensos e rápidos </li></ul>
  4. 4. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Razões para suplementação com creatina: </li></ul><ul><li> fadiga associada ao treino alático/lático </li></ul><ul><li> disponibilidade de CP (65 p/ 90-100 mmol/Kg músc. seco) </li></ul><ul><li> taxa de ressíntese de CP </li></ul><ul><li> acidose no exercício intenso </li></ul><ul><li> da intensidade e volume do treino </li></ul>
  5. 5. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Padrão de suplementação: ciclo com 3 fases </li></ul><ul><li>1a. fase: saturação  0,3g/Kg ao dia – 5 a 6 dias (160mmol/Kg) </li></ul><ul><li>2a. fase: manutenção  0,05g/Kg ao dia – 2 a 3 meses </li></ul><ul><li>3a. fase : transição  4 a 5 semanas de abstenção </li></ul><ul><li>* intolerância às altas doses </li></ul><ul><li> incorporação em bebidas associadas com CHO e proteínas </li></ul><ul><li> 47g de CHO simples e 50g proteína (500 ml) </li></ul><ul><li> Solução 18,5% CHO (500 ml  92 g glicose) </li></ul><ul><li> 380g/dia glicose (Kreider, 1998) </li></ul>
  6. 6. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Efeitos ergogênicos </li></ul><ul><li> composição corporal </li></ul><ul><li> força muscular </li></ul><ul><li> performance anaeróbia/aeróbia </li></ul><ul><li>a) Composição corporal: </li></ul><ul><li> Peso corporal total:  1,5 a 3 Kg após 6 dias </li></ul><ul><li> Massa magra: 1 a 2 Kg/ ciclo ( balanço nitrogenado +) </li></ul><ul><li> Performance: </li></ul><ul><li>b) Sprints repetidos </li></ul><ul><li>Fadiga em cicloergômetro </li></ul><ul><li>Ações desportivas (futebol) </li></ul><ul><li>Séries repetidas em musculação </li></ul>
  7. 7. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Efeitos colaterais </li></ul><ul><li> cãibras </li></ul><ul><li> diarréias </li></ul><ul><li>  creatinina e retenção hídrica (compartimento musc.) </li></ul><ul><li>  CK, LDH, AST </li></ul><ul><li>*   HDL-c,  LDL-c e colesterol total </li></ul><ul><li>- Reposição dos estoques de CP </li></ul><ul><li>  42% taxa de ressíntese de CP após 2 min. recup. </li></ul><ul><li>- Suplementação com creatina e pulso de GH </li></ul><ul><li> pulso de GH durante ciclo de creatina ( saturação) </li></ul>
  8. 8. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>Aminoácidos isolados </li></ul><ul><li>BCAA ( valina, leucina e isoleucina) </li></ul><ul><li>ação anticatabólica  doadores de esqueletos C p/ intermediários do ciclo de Krebs </li></ul><ul><li> balanço nitrogenado positivo </li></ul>
  9. 9. Utilização dos BCAA no Ciclo de Krebs
  10. 10. Metabolismo de BCAA nos músculos esqueléticos
  11. 11. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li> Kreider (2001): 2 hs cicloergômetro a 55% VO 2máx.  </li></ul><ul><li> 240% na oxidação de leucina </li></ul><ul><li> Kleiner (2002), Kreider (2000)  ingestão protéica  2g/kg P.C. </li></ul><ul><li>- ação sobre a fadiga induzida centralmente </li></ul><ul><li>* infusão de triptofano  s/  no desempenho em cavalos de corrida </li></ul>
  12. 12. BCAA e Fadiga Central SNC triptofano 5-HT BCAA
  13. 14. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>Arginina, Ornitina e Lisina </li></ul><ul><li>- estimuladores da secreção de GH e insulina </li></ul><ul><li>- síntese de creatina </li></ul><ul><li>- remoção de amônia </li></ul><ul><li>  GH  efeito lipolítico > anabólico </li></ul><ul><li>- doses 70 a 100 mg/Kg não são nocivas </li></ul><ul><li>* uso deveria ser decorrente da carência protéica </li></ul>
  14. 15. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>Glutamina: </li></ul><ul><li>- síntese e liberação </li></ul><ul><li>- > sítio de síntese: músculos esqueléticos </li></ul>
  15. 16. Síntese e degradação de glutamina
  16. 17. Metabolismo de aa nos músculos esqueléticos: síntese de glutamina
  17. 18. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- aa primordial para os leucócitos </li></ul><ul><li> glutamina plasmática   função imunológica </li></ul><ul><li>* Estresse físico intenso </li></ul><ul><li>* Síndrome do supertreinamento </li></ul><ul><li> glutamina plasmática pós-maratona </li></ul><ul><li> concentração de linfócitos  teoria da “janela aberta” </li></ul>
  18. 19. Glutamina e exercício físico
  19. 20. EFEITOS ERGOGÊNICOS DA GLUTAMINA <ul><li>-- Suplementação com finalidade anti-catabólica </li></ul><ul><li> 0,03g/Kg ao dia </li></ul><ul><li>- Efeitos ergogênicos da glutamina </li></ul><ul><li>  neoglicogênese </li></ul><ul><li>  ressíntese de glicogênio intramuscular e hepático </li></ul><ul><li> incidência de infecções após exercícios ou períodos prolongados e intensos </li></ul><ul><li>Pedersen & Toft (2006): </li></ul><ul><li> Suplementação c/ glutamina  evitou  pós-exercício intenso  sem alteração na  [linfócitos] </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Mitchel e col. (1998): 1h a 75% VO 2máx.  suplementação com CHO pré-exercício  atenuação  [glutamina] e núm. total de leucócitos pós-esforço </li></ul>
  21. 22. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>L-CARNITINA </li></ul><ul><li>- peptídeo  lisina e metionina </li></ul><ul><li> 98% nos músculos esqueléticos </li></ul><ul><li> fontes: carnes vermelhas e laticínios  50 a 300 mg/dia </li></ul><ul><li>- Papel funcional </li></ul><ul><li> transporte dos AGL p/ as mitocôndrias </li></ul><ul><li>* depleção de glicogênio e suplementação c/ L-carnitina. </li></ul>
  22. 24. TRANSPORTE DOS AGL PARA A MITOCÔNDRIA
  23. 25. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Evidências experimentais </li></ul><ul><li> 13 estudos  9 s/ efeito: </li></ul><ul><li> reservas intramusc. carnitina </li></ul><ul><li> VO 2máx. ou L.A. </li></ul><ul><li> mobilização de AGL </li></ul><ul><li> [AGL] plasmático ou musc. </li></ul><ul><li>* Doses 0,5 a 6g/dia  1 dia a 4 semanas </li></ul><ul><li> saturação de carnitina </li></ul><ul><li>demanda metabólica </li></ul><ul><li>* L-carnitina em pacientes cardíacos hipertensos e DAP </li></ul>
  24. 26. Suplementação de L-carnitina em cardiopatas
  25. 27. Suplementação de L-carnitina em cardiopatas
  26. 28. Suplementação de L-carnitina em cardiopatas
  27. 29. Suplementação de L-carnitina em cardiopatas
  28. 30. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>SUPERCOMPENSAÇÃO DE HIDRATOS DE CARBONO </li></ul>
  29. 31. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>SUPERCOMPENSAÇÃO DE HIDRATOS DE CARBONO </li></ul>
  30. 32. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CROMO </li></ul><ul><li>- Fontes: levedura, grãos integrais, carnes, cogumelos, maçãs com casca, vinho e cerveja </li></ul><ul><li>- Picolinato de cromo, nicotinato de cromo e cloreto de cromo </li></ul><ul><li>- atuação no receptor de insulina: </li></ul><ul><li>  captação de glicose, aa e AGL </li></ul><ul><li>  incorporação de Ca ++ nos ossos </li></ul><ul><li> Cromo + EAA   [TG] e intolerância à glicose </li></ul><ul><li>Insuficiência nutricional de cromo e suplementação </li></ul><ul><li> dietas ricas em gorduras </li></ul><ul><li>  excreção  exercício e alta ingestão de açucares simples </li></ul>
  31. 33. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Padrão de suplementação: </li></ul><ul><li> Evans e cols.(1998)  200mg/dia – 40 dias </li></ul><ul><li>  massa magra em treinados e não-treinados após treino de força </li></ul><ul><li> 200mg/dia por 9 semanas  sem alterações da composição corporal em relação ao placebo </li></ul><ul><li>- Cromo e mobilização de gorduras </li></ul><ul><li> 200 a 400mg/dia </li></ul><ul><li>* insulina promove lipogênese </li></ul>
  32. 34. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>HMB </li></ul><ul><li> -hidroxi-  -metil-butirato </li></ul><ul><li> derivado da leucina  regulação de enzimas e recuperação de lesões em membranas celulares </li></ul><ul><li>  massa muscular e  gordura corporal </li></ul><ul><li>  catabolismo protéico e perda de peso durante restrição calórica </li></ul><ul><li>- Ganho de massa muscular e estado de treino </li></ul><ul><li> 1,5 a 3g/dia  3 a 4 semanas </li></ul><ul><li> hipertrofia e  força em sedentários </li></ul><ul><li>* treinamento  catabolismo protéico associado ao exercício </li></ul><ul><li>* HMB s/ treino não altera a composição corporal </li></ul>
  33. 35. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- HMB e  dor muscular tardia </li></ul><ul><li> sessões + frequentes e/ou intensas </li></ul><ul><li>- Prováveis mecanismos de ação </li></ul><ul><li> catabolismo protéico  ação nos receptores de cortisol, testosterona, GH, IGF-1 e insulina </li></ul><ul><li> modulação das enzimas proteolíticas </li></ul><ul><li>  síntese de colesterol  testosterona </li></ul><ul><li>  lipólise por  enzimas oxidativas </li></ul><ul><li>* Somente 1 estudo ( do próprio fabricante) realizado mostrando efeitos positivos do HMB. Eficácia totalmente questionável. </li></ul>
  34. 36. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>EFEDRINA/ANFETAMINAS </li></ul><ul><li>- Efedrina: Ma Huang ou efedra  semelhante às anfetaminas </li></ul><ul><li> estimulante central   atividade simpática </li></ul><ul><li>- Uso p/ diminuição % gordura </li></ul><ul><li> supressão do apetite </li></ul><ul><li>  taxa metabólica </li></ul><ul><li>* coquetel “ECA” (efedrina, cafeína e aspirina) </li></ul><ul><li>* maioria dos estudos em obesos </li></ul>
  35. 37. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Efedrina e performance (doses 10 a 20 mg) </li></ul><ul><li> séries de sprints em pista e piscina </li></ul><ul><li> corridas contínuas a 80% VO 2máx </li></ul><ul><li> tempo de reação e movimento </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>s/ efeito * efeito placebo </li></ul><ul><li>- Reações adversas </li></ul><ul><li> tremores, nervosismo,  F.C. e P.A. </li></ul><ul><li> dependência: síndrome de abstinência </li></ul><ul><li> infarto do miocárdio </li></ul><ul><li> derrames, convulsões, psicose </li></ul><ul><li> morte </li></ul>
  36. 38. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CAFEÍNA </li></ul><ul><li>- Grupo de compostos lipossolúveis  metil-xantinas </li></ul><ul><li> xícara de café   150mg cafeína </li></ul><ul><li>* meia-vida de 4 a horas </li></ul><ul><li>- ações ergogênicas da cafeína: atividades de endurance </li></ul><ul><li> mobilização de gorduras  > conservação de glicogênio </li></ul><ul><li> discreto VO 2máx.  350mg  1h antes do exercício </li></ul><ul><li>* efeitos psicológicos   atividade SNC </li></ul><ul><li>- Atividades de força </li></ul><ul><li> maximização da força de contração </li></ul><ul><li> número de rep. em séries até exaustão (250 mg) </li></ul><ul><li>* benefícios dependentes do nível de treino </li></ul><ul><li>* Uso proposto: 3 a 6 mg/Kg  30 a 60 min. antes do exerc. </li></ul>
  37. 39. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Reações adversas </li></ul><ul><li> insônia, irritabilidade </li></ul><ul><li> dores de cabeça </li></ul><ul><li> problemas gástricos </li></ul><ul><li>  biodisponibilidade de Ca ++ e Fe ++ </li></ul><ul><li> taquicardia e hipertensão </li></ul>
  38. 40. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CLEMBUTEROL </li></ul><ul><li>agonista Beta-2  broncodilatador </li></ul><ul><li>* carbuterol, fenoterol, mabuterol, procaterol, terbutolina </li></ul><ul><li>  massa magra e  gordura corporal </li></ul><ul><li> Hipertrofia: músculos esquelético e cardíaco </li></ul><ul><li>  inibidores intramusc. de proteases </li></ul><ul><li> > hipertrofia em fibras tipo II </li></ul><ul><li>* efeitos agudos parecem mais contundentes </li></ul><ul><li> ação lipolítica direta sobre as reservas subcutâneas </li></ul><ul><li>* Efeito hipertrófico e lipolítico independente de outros hormônios </li></ul><ul><li>- Reações adversas: </li></ul><ul><li> distúrbios do sono, irritabilidade, dores de cabeça, taquicardia, hipertensão... </li></ul><ul><li>* Riscos cardiovasculares potencialmente nocivos!!! </li></ul>
  39. 41. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>Bicarbonato de sódio </li></ul><ul><li>- atenuação da acidose metabólica </li></ul><ul><li> doses 0,2 a 0,3g/Kg , 1 a 3hs antes do exerc. </li></ul><ul><li> melhora do desempenho, </li></ul><ul><li> percepção de fadiga e de enzimas séricas marcadoras de lesão </li></ul><ul><li> pH </li></ul><ul><li>* exercícios intensos de 1 a 7 min. </li></ul><ul><li>* consumir grandes volumes de água e sobrecarga de sódio </li></ul>

×