SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
HHIIPPEERRTTRROOFFIIAA 
MMUUSSCCUULLAARR 
SSUUPPLLEEMMEENNTTOOSS EE 
AALLIIMMEENNTTOOSS 
ALLYS VVIILLEELLAA DDEE OOLLIIVVEEIIRRAA 
NNUUTTRRIICCIIOONNIISSTTAA CCRRNN11 55221155
HIPERTROFIA MUSCULAR
TREINAMENTO
Catabolismo x Anabolismo 
 Restrição calórica 
 Pouco sono 
 Restrição de CHO 
 Alimentação pobre em 
micronutrientes 
 Balanço calórico positivo 
 Sono adequado 
 Ingestão adequada de CHO 
 Ingestão adequada de PTN 
 Vitaminas
GASTO ENERGÉTICO
GASTO ENERGÉTICO 
Síntese de PTN  1 g/sem = +5 a 8 kcal 
(Williams, 1999) 
↑ 2 kg mm/mês = 300 a 500 kcal/dia 
Processo de síntese proteica pode permanecer 
estimulado por mais de 24 horas
RECOMENDAÇÕES 
NUTRICIONAIS 
CONSENSO ACSM/ 
CANADIAN (2009) 
CONSENSO SBME 
(2009) 
CARBOIDRATO 6 - 10g/kg/dia 5 - 10g/kg/dia 
(longa duração até 10g/kg/dia) 
Após EF 0,7 - 1,0g/kg 0,7 - 1,5g/kg 
PROTEÍNA 10 - 35% VET – 
Força 1,2 - 1,7g/kg/dia 1,6 - 1,7g/kg/dia 
LIPÍDIOS 20 - 35% VET 
(10% sat.; 10%pol.; 10% ins.) 
1g/kg/dia (30% VET) 
(10% sat.; 10%pol.; 10% ins.)
CARBOIDRATO 
Principal substrato energético: 45 a 65% do VET
CARBOIDRATO 
Escolha dos alimentos: 
Hábitos alimentares 
Preferências alimentares 
Horário de treinamento 
Resposta glicêmica
Perceval S. Bahado-Singh, Cliff K. Riley, Andrew O. Wheatley, and Henry I. C. Lowe. Relationship between 
Processing Method and the Glycemic Indices of Ten Sweet Potato (Ipomoea batatas) Cultivars Commonly 
Consumed in Jamaica. Journal of Nutrition and Metabolism, vol. 2011, 2011.
Fonte: www.fcf.usp.br/tabela/
SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA
SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA
MALTODEXTRINA 
 Malto-oligossacarídeos 
 Oligossacarídeo: 3 a 9 monossacarídeos 
 IG = 105 
 Funções: 
 Fonte de energia (1 g  4 kcal) 
 Poupar glicogênio e proteína 
 Reposição de glicogênio 
 Aumento da glicemia 
Atkinson FS et al., Diabetes Care. 2008; 31 (12): 2281-2283.
DEXTROSE 
 Monossacarídeo: Glicose 
 IG = 103 - 111 
 Funções: 
 Fonte de energia (1 g  4 kcal) 
 Poupar glicogênio e proteína 
 Reposição de glicogênio 
 Aumento da glicemia
CARBOIDRATO 
NO EXECÍCIO FÍSICO 
 Qual a real necessidade de uso? 
 PRÉ-TREINO 
 INTRA-TREINO 
 PÓS-TREINO 
Figueiredo and Cameron-Smith Journal of the International Society of Sports Nutrition 2013, 10:42
PROTEÍNAS 
Essencial no reparo das MLA 
Necessidades de PTN: intensidade, duração, frequência 
do exercício e peso do indivíduo 
Treinamento resistido aumenta a eficiência da utilização 
de proteínas: 
< necessidade para manter a massa magra 
recomendação ideal para atingir o máximo de hipertrofia – ainda 
em estudo.
PROTEÍNAS 
Dose ideal para hipertrofia muscular?
HIPERTROFIA MUSCULAR 
PROTEÍNAS 
Phillips SM, Van Loon LJ; J Sports Sci. 2011;29 Suppl 1:S29- 
38.
PROTEÍNAS NA HIPERTROFIA MUSCULAR 
Poortmans JR et al., Braz J Med Biol Res. 2012;45(10):875-90.
PROTEÍNAS NA HIPERTROFIA MUSCULAR 
PROTEÍNAS 
Poortmans JR et al., Braz J Med Biol Res. 2012;45(10):875-90.
Dose ideal? 
10 g de aminoácidos essenciais 
3 a 4 g de leucina 
Cerca de 20 a 25 g de proteína de 
alta qualidade 
Moore et al., 2009 
Tipton KD et al., Appl Physiol Nutr Metab. 
2009;34(2):151-61. 
Stark et al. Journal of the International Society 
of Sports Nutrition 2012, 9:54
SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA 
Philips SM, Van Loon LJ; J Sports 
Sci. 2011;29 Suppl 1:S29-38.
SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA 
KRIEGER et al, Am J Clin Nutr, 2006. 
LAYMAN et al, J Nutr, 2005. 
PHILLIPS – comunicação oral – 2008. 
Philips SM, Van Loon LJ; J Sports 
Sci. 2011;29 Suppl 1:S29-38.
QUAIS OS TIPOS DE PROTEÍNAS MAIS COMUNS? 
Proteínas concentradas, isoladas e hidrolisadas 
Whey Protein 
Casein 
Proteínas da soja 
Proteínas do ovo 
Colágeno 
Proteína hidrolisada do trigo (glutamina peptídeo)
Classificação do cômputo químico de aminoácidos corrigido pela 
digestibilidade de proteínas alimentícias selecionadas (FAO/OMS (1989) 
Fonte Protéica: PDCAAs 
Proteína isolada de soja 1,0 
Caseína 1,0 
Clara de ovo 1,0 
Proteína da carne bovina 0,92 
Vantagens da Proteína Isolada de Soja: 
 Proteína de Alto Valor Biológico 
 Fonte de proteína AVB para vegetarianos 
 As isoflavonas naturais são conservadas - 1 a 3 mg/g ptn
Proteínas do LLeeiittee ee SSoorroo ddoo LLeeiittee 
 Composição aproximada do leite integral: 
87,1% Umidade 
3,8% Lipídeos 
4,9% Lactose 
0,7% Cinzas 
3,5% Proteínas 
2,9% caseína 
0,6% Proteínas do soro 
São características das proteínas do leite: 
Boa composição em aminoácidos essenciais 
Alta digestibilidade
WPC (Whey Protein Concentrate) ou Lactoalbumina 
Concentrado protéico do soro do leite 
Composição 
80% Proteínas 
aproximada: 
7% Gorduras 
6% Lactose 
3% Cinzas 
4% Umidade 
WPI (Whey Protein Isolate) 
Isolado protéico do soro do leite 
92% Proteínas 
1% Gorduras 
1% Lactose 
2% Cinzas 
4% Umidade 
Composição 
aproximada: 
Leite Integral: 
3,5% Proteínas 
3,8% Gorduras 
4,9% Lactose 
0,7% Cinzas 
87,1% Umidade 
214mg BCAA/g 
234mg BCAA/g
ESCOLHA DA FONTE PROTÉICA
MIX DE PROTEÍNAS PÓS TREINAMENTO 
RESISTIDO 
VELOCIDADE DE DIGESTÃO: 
RÁPIDA: 
WHEY 
INTERMEDIÁRIA: 
SOJA 
LENTA: 
CASEÍNA
MIX DE PROTEÍNAS PÓS TREINAMENTO 
RESISTIDO 
TESTE: 
20g de whey 
20g de blend de proteínas 
RESULTADOS IGUAIS PARA AMBOS OS GRUPOS: 
Fluxo sanguíneo; 
Liberação de AA; 
Balanço líquido de fenilalanina; 
Degradação protéica reduzida pós treino. 
Reidy PT et al., J Nutr. 2013;143(4):410-6.
DIFERENTES FONTES DE PROTEÍNAS
DIFERENTES FONTES DE PROTEÍNAS 
Adaptado de: Pennings B. et al., Am J Clin Nutr. 
2011; 93(5):997-1005
BCAA 
Funções: 
Anticatabólico (sem evidências) 
Fadiga central (CHO) 
Precursor de glutamina (grupo USP) 
Necessidades: 
LEU 14mg/kg 
ILEU 10mg/kg 
VAL 10mg/kg 
Utilização: 
6g/dia.
LEUCINA 
Leucina + isoleucina + valina = BCAAs 
Ativa mTOR  hipertrofia 
Pós-treino? 
Nelson AR et al., Med Sci Sports Exerc. 2012 
Jan;44(1):57-68
CREATINA 
 FONTES: carnes, peixes (4g/kg) 
 SÍNTESE: 1g/dia 
 Fígado, rins e pâncreas 
 95% no músculo esquelético 
 5% no músculo cardíaco, testículos, retina e cérebro 
 Arginina, glycina e metionina 
 TURNOVER: 2g/dia
Sistema ATP-CP 
 Energia por 15 a 20 segundos 
 Exercícios de alta intensidade e curta duração 
 Reação simples, não depende de Oxigênio 
 Principal substrato: CP = Creatina fosfato (está 
disponível nas células) 
 CP + ADP + H⁺ = ATP + creatina 
Creatina quinase (CK)
Sistema ATP-CP
CREATINA 
CREATINA 
ESTABILIZAÇÃO DA 
MEMBRANA 
HORMONAL 
RECURSO 
PARA O 
TREINAME 
NTO 
TURNOVER 
PROTÉICO 
MOLECULAR 
ADAPTAÇÕES 
CENTRAIS
CREATINA 
20 a 30 g /dia – 5 a 7 dias 
 5 a 10 g / dia – 28 dias 
Dose de manutenção 
Associação com CHO – ­10%
CREATINA 
2 a 45% absorção: 
Alta – responsivos 
Baixa – não responsivos 
Vegetarianos 
 Efeitos colaterais: 
Fase de carga: até 4kg
Suplementação de ômega 3  4 g/dia 
1,86 de EPA (ácido eicosapentaenóico – 20:5 n-3) 
1,5 g de DHA (ácido docosahexaenóico – 22:6 n-3) 
Aumento da síntese proteica 
Ativação Rheb 
Ativação hVPS34 
Alteração da composição e fluidez da membrana lipídica 
Clinical Science (2011) 121, 267–278
MARTIN, Clayton Antunes et al. Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: 
importância e ocorrência em alimentos. Rev. Nutr., vol.19, n.6, pp. 761-770, 2006.
Mercado de suplementos 
alimentares nos EUA 
BAILEY et al. J Nutr. 2011 Feb;141(2):261-6. 
COHEN. N Engl J Med. 2012 Feb 2;366(5):389-91.
RISCOS DOS SUPLEMENTOS 
Ausência de cuidados na fabricação 
Doses erradas dos ingredientes 
descritos nos rótulos 
Geyer et al, 2004 15% de suplementos 
não hormonais continham esteróides 
não declarados
ALIMENTO 
Proteínas 
Laticínios = 6,2 g/200 mL 
Whey PTN = 0,6% 
Caseína = 2,9% 
Carnes e Soja = 30 g/100 g 
Ovos = 4 g/unid. 
Vitaminas e minerais 
Frutas 
Legumes e verduras 
Carboidratos 
Alimentos fonte de 
carboidrato 
SUPLEMENTO 
Proteínas 
Whey PTN = 20-30 
g/dose 
BCAA = 214 mg/g 
Caseína 
Albumina 
PTN de soja isolada 
Vitaminas e minerais 
Isolados ou complexos 
Carboidratos 
Dextrose 
Maltodextrina 
Waxy Maize
OBRIGADO! 
Allys Vilela de Oliveira 
Nutricionista CRN1 5215 
allysvilela@gmail.com 
www.ariciamotta.blogspot.com 
www.ariciamotta.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
instrumentos e técnicas na antropometria - ok!
 
Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
 
Nutrição Esportiva / Sports Nutrition
Nutrição Esportiva / Sports NutritionNutrição Esportiva / Sports Nutrition
Nutrição Esportiva / Sports Nutrition
 
Ne aula 4. suplementação
Ne   aula 4. suplementaçãoNe   aula 4. suplementação
Ne aula 4. suplementação
 
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICASUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
SUPLEMENTAÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA
 
Nutrição e atividade física
Nutrição e atividade físicaNutrição e atividade física
Nutrição e atividade física
 
Periodização - Hipertrofia Muscular
Periodização - Hipertrofia Muscular Periodização - Hipertrofia Muscular
Periodização - Hipertrofia Muscular
 
Nutrição Desportiva
Nutrição DesportivaNutrição Desportiva
Nutrição Desportiva
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
 
Dieta Low Carb
Dieta Low CarbDieta Low Carb
Dieta Low Carb
 
Nutrição esportiva
Nutrição esportivaNutrição esportiva
Nutrição esportiva
 
Nutrição dos atletas
Nutrição dos atletasNutrição dos atletas
Nutrição dos atletas
 
Metodologia da musculação teste de força
Metodologia da musculação   teste de forçaMetodologia da musculação   teste de força
Metodologia da musculação teste de força
 
Hipertrofia
HipertrofiaHipertrofia
Hipertrofia
 
Macronutrientes
MacronutrientesMacronutrientes
Macronutrientes
 
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
Aula 3   Metabolismo E ExercicioAula 3   Metabolismo E Exercicio
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
 
Suplementacao
SuplementacaoSuplementacao
Suplementacao
 
Fundamentos metodológicos da ginastica
Fundamentos metodológicos da ginastica Fundamentos metodológicos da ginastica
Fundamentos metodológicos da ginastica
 
Dobras cutâneas
Dobras cutâneasDobras cutâneas
Dobras cutâneas
 
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anosEsteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
 

Destaque

Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaPaulo Pinheiro
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAline Villa Nova Bacurau
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...Adriano Vretaros
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasMiguel Loureiro
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholopstec25
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAmarildo César
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Marilia Coutinho
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresFernando Valentim
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolRodrigo Saffi Mello
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscularClaudio Pereira
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...Jose Augusto Leal
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamentoEdivaldo Santos Lima
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasRodrigo Saffi Mello
 
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicasTreinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicasRafael Laurindo
 

Destaque (20)

O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
 
Adaptações musculares ao treinamento
Adaptações musculares ao treinamentoAdaptações musculares ao treinamento
Adaptações musculares ao treinamento
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebol
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
 
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicasTreinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas
 

Semelhante a Hipertrofia muscular alimentos e suplementos

nutricao para hipertrofia
nutricao para hipertrofianutricao para hipertrofia
nutricao para hipertrofiaRooben Roseli
 
Apostila - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifia
Apostila  - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifiaApostila  - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifia
Apostila - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifiaFernando Valentim
 
Apresentação atividade física
Apresentação atividade físicaApresentação atividade física
Apresentação atividade físicaRachel V.
 
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...Eziquiel Ribeiro
 
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos João Gabriel Rodrigues
 
Necessidades nutricionais
Necessidades nutricionaisNecessidades nutricionais
Necessidades nutricionaisYoan Rodriguez
 
Ne avaliação da qualidade protéica
Ne   avaliação da qualidade protéicaNe   avaliação da qualidade protéica
Ne avaliação da qualidade protéicaEric Liberato
 
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza Ferracini
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza FerraciniFibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza Ferracini
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza FerraciniDietbox
 
apresentações 5ª sessão.ppt
apresentações 5ª sessão.pptapresentações 5ª sessão.ppt
apresentações 5ª sessão.pptLuisPinheiro46
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaNatália Silva
 
Nutrição esportiva
Nutrição esportivaNutrição esportiva
Nutrição esportivaMatheus Dutra
 

Semelhante a Hipertrofia muscular alimentos e suplementos (20)

nutricao para hipertrofia
nutricao para hipertrofianutricao para hipertrofia
nutricao para hipertrofia
 
Apostila - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifia
Apostila  - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifiaApostila  - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifia
Apostila - Recursos Ergogênicos e Nutricionais para a hipertroifia
 
Apresentação atividade física
Apresentação atividade físicaApresentação atividade física
Apresentação atividade física
 
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...
3-Suplementação-esportiva-excessos-e-a-quantidade-correta-para-cada-tipo-e-in...
 
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos
Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos
 
UNI I. Bioenergética - parte 1.pdf
UNI I. Bioenergética - parte 1.pdfUNI I. Bioenergética - parte 1.pdf
UNI I. Bioenergética - parte 1.pdf
 
Necessidades nutricionais
Necessidades nutricionaisNecessidades nutricionais
Necessidades nutricionais
 
Ne avaliação da qualidade protéica
Ne   avaliação da qualidade protéicaNe   avaliação da qualidade protéica
Ne avaliação da qualidade protéica
 
1661371396178.pdf
1661371396178.pdf1661371396178.pdf
1661371396178.pdf
 
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza Ferracini
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza FerraciniFibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza Ferracini
Fibras solúveis e Redução de Colesterol - Luiza Ferracini
 
apresentações 5ª sessão.ppt
apresentações 5ª sessão.pptapresentações 5ª sessão.ppt
apresentações 5ª sessão.ppt
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
 
Nutrição desportiva
Nutrição desportivaNutrição desportiva
Nutrição desportiva
 
Suplementos nutricionais
Suplementos nutricionaisSuplementos nutricionais
Suplementos nutricionais
 
Nutrição para o triatlon
Nutrição para o triatlonNutrição para o triatlon
Nutrição para o triatlon
 
Nutricao esportiva
Nutricao esportivaNutricao esportiva
Nutricao esportiva
 
Nutrição esportiva
Nutrição esportivaNutrição esportiva
Nutrição esportiva
 
Suplementos
SuplementosSuplementos
Suplementos
 
Whey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousaWhey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousa
 
Suplementação
Suplementação Suplementação
Suplementação
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

Hipertrofia muscular alimentos e suplementos

  • 1. HHIIPPEERRTTRROOFFIIAA MMUUSSCCUULLAARR SSUUPPLLEEMMEENNTTOOSS EE AALLIIMMEENNTTOOSS ALLYS VVIILLEELLAA DDEE OOLLIIVVEEIIRRAA NNUUTTRRIICCIIOONNIISSTTAA CCRRNN11 55221155
  • 3.
  • 4.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Catabolismo x Anabolismo  Restrição calórica  Pouco sono  Restrição de CHO  Alimentação pobre em micronutrientes  Balanço calórico positivo  Sono adequado  Ingestão adequada de CHO  Ingestão adequada de PTN  Vitaminas
  • 12. GASTO ENERGÉTICO Síntese de PTN  1 g/sem = +5 a 8 kcal (Williams, 1999) ↑ 2 kg mm/mês = 300 a 500 kcal/dia Processo de síntese proteica pode permanecer estimulado por mais de 24 horas
  • 13. RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS CONSENSO ACSM/ CANADIAN (2009) CONSENSO SBME (2009) CARBOIDRATO 6 - 10g/kg/dia 5 - 10g/kg/dia (longa duração até 10g/kg/dia) Após EF 0,7 - 1,0g/kg 0,7 - 1,5g/kg PROTEÍNA 10 - 35% VET – Força 1,2 - 1,7g/kg/dia 1,6 - 1,7g/kg/dia LIPÍDIOS 20 - 35% VET (10% sat.; 10%pol.; 10% ins.) 1g/kg/dia (30% VET) (10% sat.; 10%pol.; 10% ins.)
  • 14. CARBOIDRATO Principal substrato energético: 45 a 65% do VET
  • 15. CARBOIDRATO Escolha dos alimentos: Hábitos alimentares Preferências alimentares Horário de treinamento Resposta glicêmica
  • 16. Perceval S. Bahado-Singh, Cliff K. Riley, Andrew O. Wheatley, and Henry I. C. Lowe. Relationship between Processing Method and the Glycemic Indices of Ten Sweet Potato (Ipomoea batatas) Cultivars Commonly Consumed in Jamaica. Journal of Nutrition and Metabolism, vol. 2011, 2011.
  • 20. MALTODEXTRINA  Malto-oligossacarídeos  Oligossacarídeo: 3 a 9 monossacarídeos  IG = 105  Funções:  Fonte de energia (1 g  4 kcal)  Poupar glicogênio e proteína  Reposição de glicogênio  Aumento da glicemia Atkinson FS et al., Diabetes Care. 2008; 31 (12): 2281-2283.
  • 21. DEXTROSE  Monossacarídeo: Glicose  IG = 103 - 111  Funções:  Fonte de energia (1 g  4 kcal)  Poupar glicogênio e proteína  Reposição de glicogênio  Aumento da glicemia
  • 22. CARBOIDRATO NO EXECÍCIO FÍSICO  Qual a real necessidade de uso?  PRÉ-TREINO  INTRA-TREINO  PÓS-TREINO Figueiredo and Cameron-Smith Journal of the International Society of Sports Nutrition 2013, 10:42
  • 23. PROTEÍNAS Essencial no reparo das MLA Necessidades de PTN: intensidade, duração, frequência do exercício e peso do indivíduo Treinamento resistido aumenta a eficiência da utilização de proteínas: < necessidade para manter a massa magra recomendação ideal para atingir o máximo de hipertrofia – ainda em estudo.
  • 24. PROTEÍNAS Dose ideal para hipertrofia muscular?
  • 25.
  • 26. HIPERTROFIA MUSCULAR PROTEÍNAS Phillips SM, Van Loon LJ; J Sports Sci. 2011;29 Suppl 1:S29- 38.
  • 27. PROTEÍNAS NA HIPERTROFIA MUSCULAR Poortmans JR et al., Braz J Med Biol Res. 2012;45(10):875-90.
  • 28. PROTEÍNAS NA HIPERTROFIA MUSCULAR PROTEÍNAS Poortmans JR et al., Braz J Med Biol Res. 2012;45(10):875-90.
  • 29. Dose ideal? 10 g de aminoácidos essenciais 3 a 4 g de leucina Cerca de 20 a 25 g de proteína de alta qualidade Moore et al., 2009 Tipton KD et al., Appl Physiol Nutr Metab. 2009;34(2):151-61. Stark et al. Journal of the International Society of Sports Nutrition 2012, 9:54
  • 30. SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA Philips SM, Van Loon LJ; J Sports Sci. 2011;29 Suppl 1:S29-38.
  • 31. SUPLEMENTAÇÃO PARA HIPERTROFIA KRIEGER et al, Am J Clin Nutr, 2006. LAYMAN et al, J Nutr, 2005. PHILLIPS – comunicação oral – 2008. Philips SM, Van Loon LJ; J Sports Sci. 2011;29 Suppl 1:S29-38.
  • 32. QUAIS OS TIPOS DE PROTEÍNAS MAIS COMUNS? Proteínas concentradas, isoladas e hidrolisadas Whey Protein Casein Proteínas da soja Proteínas do ovo Colágeno Proteína hidrolisada do trigo (glutamina peptídeo)
  • 33. Classificação do cômputo químico de aminoácidos corrigido pela digestibilidade de proteínas alimentícias selecionadas (FAO/OMS (1989) Fonte Protéica: PDCAAs Proteína isolada de soja 1,0 Caseína 1,0 Clara de ovo 1,0 Proteína da carne bovina 0,92 Vantagens da Proteína Isolada de Soja:  Proteína de Alto Valor Biológico  Fonte de proteína AVB para vegetarianos  As isoflavonas naturais são conservadas - 1 a 3 mg/g ptn
  • 34. Proteínas do LLeeiittee ee SSoorroo ddoo LLeeiittee  Composição aproximada do leite integral: 87,1% Umidade 3,8% Lipídeos 4,9% Lactose 0,7% Cinzas 3,5% Proteínas 2,9% caseína 0,6% Proteínas do soro São características das proteínas do leite: Boa composição em aminoácidos essenciais Alta digestibilidade
  • 35. WPC (Whey Protein Concentrate) ou Lactoalbumina Concentrado protéico do soro do leite Composição 80% Proteínas aproximada: 7% Gorduras 6% Lactose 3% Cinzas 4% Umidade WPI (Whey Protein Isolate) Isolado protéico do soro do leite 92% Proteínas 1% Gorduras 1% Lactose 2% Cinzas 4% Umidade Composição aproximada: Leite Integral: 3,5% Proteínas 3,8% Gorduras 4,9% Lactose 0,7% Cinzas 87,1% Umidade 214mg BCAA/g 234mg BCAA/g
  • 36. ESCOLHA DA FONTE PROTÉICA
  • 37. MIX DE PROTEÍNAS PÓS TREINAMENTO RESISTIDO VELOCIDADE DE DIGESTÃO: RÁPIDA: WHEY INTERMEDIÁRIA: SOJA LENTA: CASEÍNA
  • 38. MIX DE PROTEÍNAS PÓS TREINAMENTO RESISTIDO TESTE: 20g de whey 20g de blend de proteínas RESULTADOS IGUAIS PARA AMBOS OS GRUPOS: Fluxo sanguíneo; Liberação de AA; Balanço líquido de fenilalanina; Degradação protéica reduzida pós treino. Reidy PT et al., J Nutr. 2013;143(4):410-6.
  • 39. DIFERENTES FONTES DE PROTEÍNAS
  • 40. DIFERENTES FONTES DE PROTEÍNAS Adaptado de: Pennings B. et al., Am J Clin Nutr. 2011; 93(5):997-1005
  • 41. BCAA Funções: Anticatabólico (sem evidências) Fadiga central (CHO) Precursor de glutamina (grupo USP) Necessidades: LEU 14mg/kg ILEU 10mg/kg VAL 10mg/kg Utilização: 6g/dia.
  • 42. LEUCINA Leucina + isoleucina + valina = BCAAs Ativa mTOR  hipertrofia Pós-treino? Nelson AR et al., Med Sci Sports Exerc. 2012 Jan;44(1):57-68
  • 43. CREATINA  FONTES: carnes, peixes (4g/kg)  SÍNTESE: 1g/dia  Fígado, rins e pâncreas  95% no músculo esquelético  5% no músculo cardíaco, testículos, retina e cérebro  Arginina, glycina e metionina  TURNOVER: 2g/dia
  • 44. Sistema ATP-CP  Energia por 15 a 20 segundos  Exercícios de alta intensidade e curta duração  Reação simples, não depende de Oxigênio  Principal substrato: CP = Creatina fosfato (está disponível nas células)  CP + ADP + H⁺ = ATP + creatina Creatina quinase (CK)
  • 46. CREATINA CREATINA ESTABILIZAÇÃO DA MEMBRANA HORMONAL RECURSO PARA O TREINAME NTO TURNOVER PROTÉICO MOLECULAR ADAPTAÇÕES CENTRAIS
  • 47. CREATINA 20 a 30 g /dia – 5 a 7 dias  5 a 10 g / dia – 28 dias Dose de manutenção Associação com CHO – ­10%
  • 48. CREATINA 2 a 45% absorção: Alta – responsivos Baixa – não responsivos Vegetarianos  Efeitos colaterais: Fase de carga: até 4kg
  • 49. Suplementação de ômega 3  4 g/dia 1,86 de EPA (ácido eicosapentaenóico – 20:5 n-3) 1,5 g de DHA (ácido docosahexaenóico – 22:6 n-3) Aumento da síntese proteica Ativação Rheb Ativação hVPS34 Alteração da composição e fluidez da membrana lipídica Clinical Science (2011) 121, 267–278
  • 50. MARTIN, Clayton Antunes et al. Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: importância e ocorrência em alimentos. Rev. Nutr., vol.19, n.6, pp. 761-770, 2006.
  • 51.
  • 52. Mercado de suplementos alimentares nos EUA BAILEY et al. J Nutr. 2011 Feb;141(2):261-6. COHEN. N Engl J Med. 2012 Feb 2;366(5):389-91.
  • 53. RISCOS DOS SUPLEMENTOS Ausência de cuidados na fabricação Doses erradas dos ingredientes descritos nos rótulos Geyer et al, 2004 15% de suplementos não hormonais continham esteróides não declarados
  • 54. ALIMENTO Proteínas Laticínios = 6,2 g/200 mL Whey PTN = 0,6% Caseína = 2,9% Carnes e Soja = 30 g/100 g Ovos = 4 g/unid. Vitaminas e minerais Frutas Legumes e verduras Carboidratos Alimentos fonte de carboidrato SUPLEMENTO Proteínas Whey PTN = 20-30 g/dose BCAA = 214 mg/g Caseína Albumina PTN de soja isolada Vitaminas e minerais Isolados ou complexos Carboidratos Dextrose Maltodextrina Waxy Maize
  • 55. OBRIGADO! Allys Vilela de Oliveira Nutricionista CRN1 5215 allysvilela@gmail.com www.ariciamotta.blogspot.com www.ariciamotta.com.br

Notas do Editor

  1. Todas as diferentes vias são estimuladas durante o exercício e permanecem ativadas por poucas horas (2-3 horas) após o término da atividade. Já o processo de síntese protéica pode permanecer estimulado por mais de 24 horas, sendo influenciado em grande parte pela disponibilidade de nutrientes. Dessa forma, para que a resposta adaptativa seja positiva, é necessário um tempo de recuperação adequado.
  2. mTORC1 signaling stimulates gene transcription, translation, ribosome biogenesis, protein synthesis, insulin synthesis, cell growth, cell proliferation, lipid synthesis but suppresses mechanisms of autophagy
  3. mTORC1 signaling stimulates gene transcription, translation, ribosome biogenesis, protein synthesis, insulin synthesis, cell growth, cell proliferation, lipid synthesis but suppresses mechanisms of autophagy
  4. &amp;gt; 44–50 kilocalories (kcal).kg-1 body weight SBME = 30 a 50 kcal/kg/dia, em geral 37 a 42 kcal/kg/dia
  5. mTORC1 signaling stimulates gene transcription, translation, ribosome biogenesis, protein synthesis, insulin synthesis, cell growth, cell proliferation, lipid synthesis but suppresses mechanisms of autophagy