AS PROTEÍNAS NO   EXERCÍCIO
TRANSPORTE DOS AMINOÁCIDOSFígado – modulador da concentração de aminoácidosplasmáticos (POOL) 20% liberados do fígado par...
DESTINOS DOS AMINOÁCIDOS          FORNECIDOS PELA DIETAOs aminoácidos distribuídos pelo fígado serão utilizadospara: Anab...
CONSIDERAÇÕES GERAISNão há reserva de proteína ou de aminoácidos livres noorganismo – excessos catabolizadosCada célula te...
Aminoácios cetogênicos (azul) eglicogênicos (vermelho)                              ALANINA                        glicone...
DEGRADAÇÃO DE AMINOÁCIDOSNO MÚSCULO Só degrada aminoácidos de cadeia ramificada (AACR)    leucina    isoleucina    valina ...
TRANSPORTE DE NH3         DO MÚSCULO PARA O FÍGADOA eliminação dos grupos amino à partir do tecidomuscular ocorre na forma...
TRANSPORTE DO NH3 DO MÚSCULO       PARA O FÍGADO        X
SÍNTESE PROTÉICA DURANTE O               EXERCÍCIO FÍSICOSíntese protéica é suprimida durante o exercício físico.Magnitude...
SÍNTESE PROTÉICA DURANTE O             EXERCÍCIO FÍSICOMotivos da diminuição da síntese protéica durante oexercício:      ...
DEGRADAÇÃO PROTÉICA E             EXERCÍCIO FÍSICONo músculo esquelético há duas classes de proteínas:contráteis (actina e...
DEGRADAÇÃO PROTÉICA E              EXERCÍCIO FÍSICOPode haver degradação de proteínas contráteis apósexercícios prolongado...
REGULAÇÃO DA SÍNTESE E            DEGRADAÇÃO PROTÉICA            DURANTE O EXERCÍCIOSíntese protéicaÉ aumentada em respost...
hipertrofia ocorre quando a taxa desíntese muscular excede a taxa dedegradação - acarreta um saldopositivo    do    balanç...
EXERCÍCIOS DE RESISTÊNCIA E           METABOLISMO PROTÉICOHá três fontes de aminoácidos que poderiam atuar como  fornecedo...
EXERCÍCIOS DE RESISTÊNCIA E           METABOLISMO PROTÉICOPool de aminoácidos livres é uma fonte relativamente  pequena de...
EXERCÍCIOS DE FORÇA E METABOLISMO PROTÉICOA síntese protéica muscular podepermanecer elevada por até 48 horaspós-exercício...
INGESTÃO DE MACRONUTRIENTES        PÓS-EXERCÍCIO DE FORÇAA ingestão de aminoácidos e carboidratos durante asprimeiras hora...
FATORES QUE AFETAM A            NECESSIDADE PROTÉICAO aumento da intensidade e duração do exercício(aeróbicos) causa aumen...
FATORES QUE AFETAM A           NECESSIDADE PROTÉICANos exercícios de força a maior necessidade protéicadecorre da necessid...
RECOMENDAÇÃO DA INGESTÃO               DE PROTEÍNASExercícios de resistência (endurance).Exercícios de endurance (Intensid...
RECOMENDAÇÃO DA INGESTÃO              DE PROTEÍNASExercícios de força.Início de um treinamento vigoroso – 1,7 a 1,8 g prot...
AUMENTO DE MASSA MAGRA
CONSIDERAÇÕES FINAISExercício aumenta   a   necessidade   de   proteínas   eaminoácidos.     Ingestão de proteínas em exce...
CONCLUSÃOProteína contribui com 5-15% da energia durante oexercício.Podem surgir efeitos colaterais pela ingestão excessiv...
CONCLUSÃOA quantidade de proteína deve ser orientada porprofissionais capacitados.  Muitos atletas se “entopem” de PTN e s...
Sugestões práticas< massa gorda              Emagrecimento global Dieta                     Curtíssimo prazo (pré- Norm...
Ne   aula 2. proteínas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ne aula 2. proteínas

9.203 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
402
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ne aula 2. proteínas

  1. 1. AS PROTEÍNAS NO EXERCÍCIO
  2. 2. TRANSPORTE DOS AMINOÁCIDOSFígado – modulador da concentração de aminoácidosplasmáticos (POOL) 20% liberados do fígado para a circulação sistêmica 50% uréia  ENERGIA DE ALTO CUSTO 6% são transformados em proteínas plasmáticas
  3. 3. DESTINOS DOS AMINOÁCIDOS FORNECIDOS PELA DIETAOs aminoácidos distribuídos pelo fígado serão utilizadospara: Anabolismo – síntese de proteínas e polipeptídeos. Catabolismo – degradação. Síntese de compostos de pequeno peso molecular.Construção e manutenção dos tecidos, formação deenzimas, hormônios, anticorpos, fornecimento de energiae regulação de processos metabólicos. Aumento massamuscular?
  4. 4. CONSIDERAÇÕES GERAISNão há reserva de proteína ou de aminoácidos livres noorganismo – excessos catabolizadosCada célula tem um pool de aminoácidos (pequenaquantidade) em estado de equilíbrio dinâmico que podeser utilizado quando necessário.
  5. 5. Aminoácios cetogênicos (azul) eglicogênicos (vermelho) ALANINA gliconeogênese
  6. 6. DEGRADAÇÃO DE AMINOÁCIDOSNO MÚSCULO Só degrada aminoácidos de cadeia ramificada (AACR) leucina isoleucina valina glutamato aspartato Músculo libera quantidades asparagina superiores de glutamina e alanina  gliconeogênese
  7. 7. TRANSPORTE DE NH3 DO MÚSCULO PARA O FÍGADOA eliminação dos grupos amino à partir do tecidomuscular ocorre na forma de carreadores de nitrogênionão tóxicos: alanina e glutamina.A glutamina é a forma dominante de carrear nitrogênioou NH3 do músculo  fígado (Protetor hepático e renal)Parte da alanina e glutamina é diretamente gerada dadegradação de proteína muscular.
  8. 8. TRANSPORTE DO NH3 DO MÚSCULO PARA O FÍGADO X
  9. 9. SÍNTESE PROTÉICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICOSíntese protéica é suprimida durante o exercício físico.Magnitude deste efeito é proporcional à duração eintensidade da atividade. Síntese protéica hepática diminui 20% após uma hora de corrida. Exercícios intensos diminuem 35-55% a síntese protéica muscular.
  10. 10. SÍNTESE PROTÉICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICOMotivos da diminuição da síntese protéica durante oexercício: Diminuição da energia destinada à síntese protéica. Diminuição da insulina acarreta diminuição da síntese protéica. Via fisiológica da síntese inativada!
  11. 11. DEGRADAÇÃO PROTÉICA E EXERCÍCIO FÍSICONo músculo esquelético há duas classes de proteínas:contráteis (actina e miosina) e não contráteis.Degradação de proteínas dependerá da intensidade eduração do exercício. Estudos mostram que o exercício resulta em aumento da taxa de degradação de proteínas hepáticas e proteínas musculares não contráteis.
  12. 12. DEGRADAÇÃO PROTÉICA E EXERCÍCIO FÍSICOPode haver degradação de proteínas contráteis apósexercícios prolongados e intensos(3-metil-histidina – marcador quantitativo da degradaçãoda proteína contrátil)
  13. 13. REGULAÇÃO DA SÍNTESE E DEGRADAÇÃO PROTÉICA DURANTE O EXERCÍCIOSíntese protéicaÉ aumentada em resposta à insulina, hormônio docrescimento, à leucina e outros aminoácidos.É diminuída pelo exercício físico, reduzida ingestão deproteínas na dieta e diminuição do estado energéticointracelular. Síntese protéica pós-exercício - Estudos mostraram que a taxa de síntese protéica apresentou valores mais elevados que os níveis pré-exercício (>insul. > sintese).
  14. 14. hipertrofia ocorre quando a taxa desíntese muscular excede a taxa dedegradação - acarreta um saldopositivo do balanço protéicomuscular.Crescimento muscular ocorre apóssemanas ou meses de treinamento –elevações crônicas na síntese protéicae de glicogênio.
  15. 15. EXERCÍCIOS DE RESISTÊNCIA E METABOLISMO PROTÉICOHá três fontes de aminoácidos que poderiam atuar como fornecedores de energia durante o exercício: proteínas da dieta, pool de aminoácidos livres e proteína tecidual.É pouco comum a participação da proteína da dieta atuando diretamente no fornecimento de aminoácidos para o metabolismo durante o exercício, pois, o consumo de proteínas por atletas pré-exercício é muito pequeno.
  16. 16. EXERCÍCIOS DE RESISTÊNCIA E METABOLISMO PROTÉICOPool de aminoácidos livres é uma fonte relativamente pequena de energia para o exercício e as concentrações intracelulares não se alteram de modo drástico durante o exercício.Proteína tecidual parece ser a fonte principal de aminoácidos para oxidação e conversão em glicose.
  17. 17. EXERCÍCIOS DE FORÇA E METABOLISMO PROTÉICOA síntese protéica muscular podepermanecer elevada por até 48 horaspós-exercício (anabolismo tardiosustentado)A alimentação pós-exercício torna osaldo positivo, por meio da ingestãode carboidratos e proteínas.
  18. 18. INGESTÃO DE MACRONUTRIENTES PÓS-EXERCÍCIO DE FORÇAA ingestão de aminoácidos e carboidratos durante asprimeiras horas após uma sessão de força parecepromover um saldo mais positivo.A alimentação pós-exercício deve priorizar ahidratação do indivíduo, aliada à ingestão decarboidratos e proteínas – 30 minutos após.
  19. 19. FATORES QUE AFETAM A NECESSIDADE PROTÉICAO aumento da intensidade e duração do exercício(aeróbicos) causa aumento do uso de proteínas.Aumenta a oxidação de aminoácidos, especialmente os decadeia ramificada.
  20. 20. FATORES QUE AFETAM A NECESSIDADE PROTÉICANos exercícios de força a maior necessidade protéicadecorre da necessidade de manter maior massa muscularcorporal. Não há maior uso de proteínas como fonteenergética. > Necessidade PTN apenas nos primeiros teinos
  21. 21. RECOMENDAÇÃO DA INGESTÃO DE PROTEÍNASExercícios de resistência (endurance).Exercícios de endurance (Intensidade moderada – 5 a 6 vezespor semana/ 1 hora) - se a ingestão energética é adequada– 1,2 a 1,4 g de proteína/ kg/ dia.Atletas de endurance de elite – 1,6 g proteína/ kg/ dia.Atividades de endurance de modo recreativo (4-5 vezes porsemana / 30 minutos) – 0,8 g proteína/ Kg/ dia.
  22. 22. RECOMENDAÇÃO DA INGESTÃO DE PROTEÍNASExercícios de força.Início de um treinamento vigoroso – 1,7 a 1,8 g proteína/Kg/ dia.Indivíduos em manutenção da massa muscular – 1,2 gproteína/ Kg/ dia – treinamento habitual torna ometabolismo protéico mais eficiente e a necessidade cai. Priorizar alimentos fontes de proteína de alto valor biológico.
  23. 23. AUMENTO DE MASSA MAGRA
  24. 24. CONSIDERAÇÕES FINAISExercício aumenta a necessidade de proteínas eaminoácidos. Ingestão de proteínas em excesso não implica em maior síntese protéica. Tanto para exercícios de força quanto resistência uma dieta mista (12 a 15%) de proteína é, em geral, suficiente para alcançar as necessidades protéicas.
  25. 25. CONCLUSÃOProteína contribui com 5-15% da energia durante oexercício.Podem surgir efeitos colaterais pela ingestão excessiva deproteína – Flatulência e sobrecarga renal a longoprazo.O aumento da massa muscular só é conseguido commuito treinamento e dedicação, alimentação balanceada,orientação de treinadores, médicos e nutricionistas.
  26. 26. CONCLUSÃOA quantidade de proteína deve ser orientada porprofissionais capacitados. Muitos atletas se “entopem” de PTN e se esquecem das calorias!
  27. 27. Sugestões práticas< massa gorda Emagrecimento global Dieta  Curtíssimo prazo (pré- Normocal pesagem) Hiperprotéica moderada  Hipocal Hiperlipídica moderada  Hiperprot +++  Hiperlip +++ (Sempre baseado nos limites da FAO)

×