Banco santander brasil guia de cocriaçao julho 2011 (2)

2.521 visualizações

Publicada em

Zoe Fitzgerald, a world expert in cultural diversity and co-creation was an Expert at Change Play Business - Lisbon July 2011, with an engaging Co-Creation Master Class. Participants explored with her the fundamentals needed to design a collaborative culture for co-creation. Thank you Zoe for such a great Masterclass!

Publicada em: Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.521
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Banco santander brasil guia de cocriaçao julho 2011 (2)

  1. 1. Co-Criação – uma analogia e - cias s de co o riên ersa s es sos indo s xpe s div lder E a P roc , segu o e o i o ide takeh tes o r açã o mac Guia cri ess s de ifere n no d roc cípios p n pri do ulta um res l de co- O íve e e ng sso d o cias s ta ce çã e riên versa s pro criaExp as di lder i o ide takeh tes a s de ifere n ov d a n eia Um id ora ad in ov
  2. 2. GUIA de Co-Criação (versão beta) Julho, 2011
  3. 3. Seja bem-vindo!Este guia foi co-criado para compartilhar as lições aprendidas da prática de processos de co-criação na área de RH do Banco Santander, ao longo dos últimos dois anos. Empreendemos e aprendemos muito nestas experiências e queríamos registrar e compartilhar isso.É importante anotar que este guia é, e deve sempre ser, a versão beta, sempre sob co-construção com seus leitores e praticantes de co- criação.Por favor, contribua com seus insights e dúvidas.Participe em processos de co-criação é uma experiência única e enriquecedora.Boa sorte! 4
  4. 4. FontesO conteúdo deste guia é o fruto das reflexões dos funcionários de Recursos Humanos que participaram em vários projetos de co-criação entre 2009 e 2011.Nos inspiramos por vários textos e sites da Internet, inclusivo por trabalhar com nossos parceiros, como Co-Criar (www.cocriar.com.br) e Symnetics (www.symnetics.com.br).Ao longo do documento há alguns textos específicos citados, mas segue alguns sites inspiradores por estes temas: * www.artofhosting.org * www.chaordic.org * www.mycoted.com * www.cocriar.com.br * www.theworldcafe.com * www.eccpartnership.com 5
  5. 5. Índice• Passo por passo 5 - 16 – como começar a planejar um processo de co-criação?• Princípios de co-criação 17-51• Cases de co-criação 52- 63• Anexo – Plataforma de Caminhos e Escolhas 64-75 6
  6. 6. Como começar a planejar um processo de co-criação? 2. Propósito 3. Princípios “Para que? Por que?” “Garantindo o que?” 1. Necessidade Esses “Passos Caórdicos” “O que?” podem orientar uma primeira 4. Pessoas conversa de um grupo de “Com quem?” trabalho para planejar um processo de co-criação. 7. Próximos passos 6. Desenho 5. Papeis “Quando?” do Processo “Quem faz o “Como?” que?” 7Fonte: textos adaptados do site: http://www.cocriar.com.br/nosso-trabalho/inovacao-organizacional/Passos-Cardicos
  7. 7. Introdução “Passo por passo”• Como processos de co-criação começam? Normalmente há alguma área ou pessoa demandante que quer repensar alguma atividade ou criar uma nova atividade.• No início é comum formar um “Grupo de Trabalho” (com 2-5 pessoas, as vezes com ajuda de uma consultoria externa) que tem o papel de planejar e até conduzir o processo de co- criação.• Os seguintes slides que explicam o processo passo por passo podem ajudar este Grupo de Trabalho a fazer seu planejamento inicial do processo de co-criação. 8
  8. 8. “Passo por passo”1. Necessidade: Toda ação efetiva deve partir de uma necessidade efetiva. Que necessidade real buscamos satisfazer? Importante aqui é que a necessidade seja identificada de forma coletiva, para evitar que objetivos pessoais sejam impostos a um grupo. Aqui exploramos o contexto relevante e entendemos se é o caso de fazer um processo de co-criação ou se há outra forma mais apropriada de resolver. Onde está a intersecção entre a nossa necessidade e a necessidade do grupo maior e da Organização e da Sociedade? 9
  9. 9. “Passo por passo”2. Propósito: Responde a pergunta: “Para quê ou porquê estamos fazendo este trabalho?” Esta afirmação, normalmente expressa numa frase, é de fácil compreensão comum e identifica e interliga os membros do grupo com um objetivo digno de ser perseguido. Pode demorar para fechar essa frase, mas este passo é importante porque o propósito deve orientar todo trabalho daqui para frente. Vá com calma até sair  “Quando as pessoas se conectam ao propósito, a magia da co-criação acontece!” 10
  10. 10. “Passo por passo”3. Princípios: Eles nos orientam sobre o COMO queremos realizá-lo juntos. Visto como um todo, o propósito e os princípios formam o corpo de crenças que unirá o grupo e guiará decisões e ações. Neste momento é importante compartilhar os princípios gerais de co-criação com o grupo de trabalho para que todos entendem conscientemente as crenças por trás da abordagem. É importante checar esse entendimento com todos porque “o jeito” de co-criação é normalmente diferente do jeito do dia a dia e as vezes acontece que as pessoas. 11
  11. 11. Princípios de Co-Criação• Na nossa experiência, a incorporação verdadeira e consciente destes princípios é fundamental para a realização de co-criação na sua forma mais coerente e poderosa• Os princípios em seguida são aqueles que mais surgiram da nossa prática. São numerados só para facilitar uso. Não é uma hierarquia de importância. Os princípios são complementares.• É importante lembrar que além de processos formais de co-criação (que é o foco desse guia), é possível conduzir o seu trabalho do dia a dia (EX reuniões de trabalho) numa forma co- criada. 12
  12. 12. Princípios de Co-Criação1. Estar aberto ao novo e o inesperado2. Buscar coerência e transparência 16-50 s slides to3. Valorizar resultados tangíveis e intangíveis Veja o etalhamen md sua para u princípio e a4. Estimular a presença verdadeira dos participantes de cad plicação. a5. Maximizar a diversidade presente6. Dar luz a inteligência coletiva do grupo7. Cuidar do ambiente físico e emocional8. Desenvolver o trabalho a partir das experiências, sonhos e ansiedades das pessoas9. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência10. Buscar harmonia entre caos e ordem – o caminho caórdico11. Divertir-se!  13
  13. 13. “Passo por passo”4. Pessoas: Com clareza de propósito e princípios, identificamos todos os envolvidos e afetados, os participantes cujas necessidades, interesses e perspectivas devem ser levados em conta ao conceber (ou reconceber) o trabalho, e quem devemos manter informado sobre o trabalho e seu progresso. Podemos identificar quem gostaríamos que participasse, mas é importante lembrar que “quem vêem são as pessoas certas”. O nosso convite deve ser um aceito livremente pelos participantes. 14
  14. 14. “Passo por passo”5. Papeis e governança: Agora identificamos como será a governança do projeto – quais papeis são importantes para facilitar o processo. Pensamos em quem das pessoas que identificamos queremos convidar para ter qual papel. Esses papeis devem ser transparentes para todos os envolvidos no trabalho. Todos os processos são diferentes, mas em geral há 5 papeis principais à serem divididos entre 2 ou mais grupos de pessoas (os cases mostram jeitos diferentes de divisão de papeis): A. Desenhar e conduzir o processo de co-criação B. Participar no(s) encontro(s) de co-criação, trazendo várias perspectivas diversas e desenvolvendo ideias/propostas para realizar o propósito C. Preparar o(s) relatório(s) de colheita entre encontro(s) para alimentar o processo D. Tomar decisão sobre quais ações serão implementadas / validar propostas E. Implementar as ações escolhidas / validadas 15
  15. 15. “Passo por passo”6. Desenho do Processo (macro): Como os cases mostram, há várias formas diferentes de estruturar um processo de co-criação, dependendo do seu propósito, stakeholders envolvidos, os resultados tangíveis e intangíveis que busca, o contexto organizacional e tempo disponível, etc. Mas há um fator constante - geralmente não acontecerá exatamente do jeito que foi planejado!! Por isso, flexibilidade e a habilidade de sentir o momento e ritmo do grupo são essenciais. Um arquétipo útil para ajudar a planejar o processo é de “Breath of Design” (O Suspiro para o Desenho), que é explicado no princípio de “Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência”. 16
  16. 16. “Passo por passo”Segue uma explicação desse arquétipo:Quando estiver desenhando cada encontro esse arquétipo te ajudará a entender em quefase do processo está e que tipo de encontro seja necessário para evoluir no processo(Ex: divergente, emergente, convergente). 17
  17. 17. “Passo por passo”6. Próximos passos – convite e condução• 1º passo é fazer um convite para as pessoas identificadas. Como criar e fazer um convite inspirador que realmente chama as pessoas certas à participar? O jeito de fazer o convite deve ser alinhado com o público (EX: é melhor fazer um convite aberto para todos ou um convite focado em pessoas específicas?)• Inicialmente é bom ter uma ideia geral do conteúdo de cada encontro no seu processo, mas é recomendável só planejar o fluxo detalhado de cada encontro logo antes de conduzí-lo. Assim conseguimos se manter conectado com o ritmo do grupo enquanto lembramos dos prazos gerais do projeto.• Dependendo do seu objetivo principal para cada encontro, há metodologias participativas mais recomendadas. Por exemplo: – Fase Divergente: Espaço Aberto, Investigação Apreciativa, Círculo para o grupo se conhecer – Fase Emergente: Formulação de uma equação impossível, uso de técnicas de criatividade, por exemplo: (http://www.mycoted.com/Category:Creativity_Techniques#A) – Fase Convergente: World Café, sub-grupos de trabalho, Círculo para tomada de decisões• O “Guia Rápido para Conversas Significativas” tem dicas para os anfitriões sobre a condução desses encontros.• Além de planejar a condução de cada encontro, é importante de planejar também como a colheita de cada encontro e do processo inteiro será feita e por quem.• Claro que não podemos esquecer de organizar a logística necessária para a realização do processo.
  18. 18. Princípios de Co-criação
  19. 19. Estar aberto ao novo e o inesperado Isso é uma postura, atitude que incluí estar flexível; estar preparado, mas ter o?O que é iss desapego para que possa responder às necessidades e ideias do grupo. “Esperar o inesperado” no conteúdo e no processo. Quando queremos criar algo novo é necessário se desprender dos Porque is so preconceitos, modelos mentais e restrições. É fundamental sonhar para faz difere nça? inovar. Mais importante do que seguir um roteiro predeterminado é chegar no resultado desejado com o engajamento e envolvimento do grupo. 20
  20. 20. Para co-criar é preciso deixar de fora algumas crenças inimigas: colo car em Eu já sabia... Isso nós já fazemos...Como ica? Nossa empresa não está preparada Isso é legal, mas... pra isso... prát Alguém já pensou nisso... Isso não é conosco... Sinta o momento e ritmo do grupo: Quando lançar uma pergunta para ser discutida em grupos pequenos, não fique fora. Faça como um “beija- flor” e escutar um pouco das conversas (sem atrapalhar) para acompanhar seu momento e ritmo. Lembre-se: Não vale a pena entrar num processo de co-criação se já tem a resposta pronta na manga, gaveta ou qualquer outro lugar!! Se tiver uma resposta pronta, peça que outras pessoas validem ou opinem em cima dela. Não finja que é um processo de co-criação.
  21. 21. “Se no primeiro momento uma idéia não aparece absurda, não há esperança para ela.” Albert Einstein
  22. 22. Estar aberto ao novo e o inesperado Quer dizer estar focado sempre (e ?Como assim com coração) no alinhamento de discurso e prática. Casa de ferreiro, espeto de pau x Casa de ferreiro, espeto de aço Porque is inox – de qual você prefere ser sofaz difere nça? cliente? Coerência entre discurso e prática traz confiança e profundidade para as conversas. 23
  23. 23. Alinhe seu discurso com prática. Forma já é conteúdo então olhe o processo que planejou e o jeito que está sendo conduzido, reflita sobre como poderia ser mais co-criado. posso Co m o i s s o ? Ao máximo possível, envolva os participantes no planejamento e realização do processo.concretizar Compartilhe com os participantes “onde estamos” no macro processo. Seja claro sobre o objetivo de cada encontro com todos os participantes. Faça uma colheita ativa e em conjunto com participantes. É difícil normalmente para todos os participantes estarem presentes em todos os momentos do processo de co-criação. Este tipo de colheita traz transparência para todos os participantes no processo. Combine acordos com os participantes sobre como trabalharão juntos. Fale de coração com os participantes ao longo no processo. Chame a atenção do grupo quando não está seguindo os acordos feitos.
  24. 24. Valorizar resultados tangíveis e intangíveis o e i ssO qu zer? diq ue r  Resultados tangíveis: • são aqueles mais visíveis – exemplo: um novo programa, novo processo, nova ferramenta – e são mais fáceis para medir e acompanhar.  Resultados intangíveis • são aqueles mais sutis – exemplo: engajamento, orgulho de pertencer, confiança, cria significado, constrói valor, coragem, empatia. • são mais difíceis para medir e acompanhar então normalmente não são considerados, mas um processo de co-criação traz uma oportunidade grande de gerar resultados intangíveis se fossem contemplados. 25
  25. 25. Valorizar resultados tangíveis e intangíveis – Acreditamos que os resultados tangíveis de co-criação em geral são ça: mais inovadores e completos do que de um processo tradicional. MasA diferen muito além disso um processo de co-criação gera resultados intangíveis e esses resultados intangíveis também em geral ajudam a acelerar o processo de implementação da solução desenvolvida. – Essa valorização de resultados tangíveis e intangíveis empodera o grupo e o indivíduo. O grupo de sente parte do todo e cada indivíduo reconhece sua importância no processo. 26
  26. 26. o mo c olocarE, c Considere os resultados intangíveis que você quer ática? gerar na fase de planejamento e acompanhá-los em pr Invista tempo para gerar esses resultados tangíveis e intangíveis – é necessário. Tome decisões pela “validade” da idéia, numa mistura equilibrada de análise e intuição. Dê tempo nos encontros para reflexão e envolvimento de todos. Metodologias participativas ajudam a criar este espaço.
  27. 27. Estimular a presença verdadeira Estar presente quer dizer estar num lugar determinado “de corpo e alma”, ligado e focado no propósito comum naquele momento. Isso o?O que é iss vale quanto para as reuniões do grupo de trabalho ao longo do processo de co-criação que os encontros maiores com o grupo de co-criação. Quem está presente é porque quer estar, sente que agrega Quando todos – os anfitriões/facilitadores e participantes - Porque is conseguirem fazer trabalho com prazer, estar de alma e coração so faz difere nça? abertos, a qualidade e profundidade do nosso trabalho é maior. 28
  28. 28. o mo c olocarE, c Faça um convite livre para quem tem interesse para ática? participar no processo de co-criação. em pr O processo deve começar com uma escolha, a escolha de querer fazer parte deste processo. Deixe sempre claro o objetivo de cada etapa do processo de co-criação Crie tempo para que os anfitriões e participantes possam chegar de corpo e alma nos encontros.
  29. 29. Maximizar a diversidade presente Incentivar a participação de todas os stakeholders iss o?O que é envolvidos, todo o sistema. Diversidade de olhares, experiências, perspectivas Essa diversidade enriquece as conversas e gera insights e idéias Porque is inovadoras. so faz difere nça? O envolvimento de todo o sistema também ajuda a criação de soluções mais viáveis e facilita a sua implementação. 30
  30. 30.  Mapeie todos os stakeholders importantes para seu propósito e convidá-los para participar (veja o passo de “Pessoas”). olocan .d o na Pergunte os participantes se eles se sentemC tica.. falta de alguém no processo. prá  Destaque para o grupo a diversidade que está presente no processo e explique por que isso é importante.  Crie um ambiente de confiança para que os participantes possam expressar opiniões diferentes da maioria. Se o grupo não se conhece pode ser importante para investir tempo no início do processo em atividades de aproximação como grupo.  Prepare-se com técnicas de como tomar decisões e como lidar com possíveis conflitos que podem resultar dessa diversidade. 31
  31. 31. Dar luz a inteligência coletiva do grupo “Ninguém de nós é tão inteligente como todos nós.” Provérbio japonês Acreditar que o grupo tenha o conhecimento necessário para desenvolver e solucionar o problema numa forma inovadora. O papel do facilitador/anfitrião so? então é ajudar que essas ideias possam emergir do grupo.Oque é is Tem um conceito das gestalt (Psicologia) que diz: O todo é maior que a soma das partes. Quer dizer que o grupo é muito mais que a soma dos indivíduos que compõem este grupo, é um conjunto de valores, crenças, princípios, etc. Esse princípio está no coração de co-criação e é a troca de perspectivas Porque is so diversas que permite o desenvolvimento de soluções inovadoras. faz difere nça? 32
  32. 32. Crie um ambiente onde todas as vozes são iguais e são ouvidas (EX uso de bastão de fala olocan .d o na em círculo, conhecer os nomes de todos etc).C prá tica.. No desenho de novas soluções, não há hierarquia. Incentive nos participantes a atitude que “Quando dou uma ideia não é mais a minha, é do grupo”. Dê tempo e estrutura (EX metodologias participativas) para que essa inteligência possa emergir. 33
  33. 33. Cuidar do ambiente físico e emocional O ambiente físico é o espaço físico onde as conversas de co-criação acontecem (EX: o layout da sala, os móveis, a decoração, outros estímulos o?O que é iss visuais e sinestésicos) O ambiente emocional tem a ver com as relações entre os participantes (EX : confiança, respeito, onde as pessoas podem dizer o que desejam etc.)Há uma conexão entre o ambiente físico e emocional. Um espaço físico queé descontraido e aconchegante promove interação e presença. Porque is soA criação de um ambiente emocional de confiança, leveza e respeito é faz difere nça?fundamental para acessar a inteligência coletiva do grupo e criar soluçõesinovadoras e viáveis (resultado tangível) e o engajamento e compromisso dogrupo (resultado intangível). 34
  34. 34. Combine com o grupo quais os acordos que o prát ica... grupo julga ser importantes para cuidar doE na ambiente emocional. Fale de coração com os participantes ao longo no processo. Chame a atenção do grupo quando não está seguindo os acordos feitos. Planeje o ambiente físico como parte da preparação dos encontros, por exemplo se for um encontro de brainstorming pode colocar brinquedos nas mesas (cubo mágico etc), Todo mundo sabe que frases sobre inovação nas paredes, usar cores aprendizagem tem que ser sério e difícil e você fortes nos materiais etc para estimular a tem que sempre ficar sentado. Diversão não é permitido. criatividade do grupo. 35
  35. 35. Desenvolver o trabalho a partir das experiências, sonhos e ansiedades das pessoas o? O que é iss Devemos começar a nossa busca para novas soluções por entender e explorar numa forma apreciativa as experiências e os sentimentos (sonhos e ansiedades) dos stakeholders chave ao respeito dos temas centrais do nosso propósito. Interações são na base dessas experiências. 36
  36. 36. Desenvolver o trabalho a partir das experiências, sonhos e ansiedades das pessoas sso que i ça? Por ren ife faz d Experiências humanas são uma base poderosa para o desenvolvimento de um trabalho de co-criação e oferecem novas oportunidades de inovar e agregar valor. A troca de experiências e sentimentos entre os participantes ajuda a aproximar o grupo e ampliar a visão do problema e possíveis soluções. (Veja a Teoria U para um outro jeito de conectar este princípio com princípio de diversidade) Uma abordagem apreciativa também aproveita o conhecimento e as capacidades já existentes no grupo. 37
  37. 37. Desenvolver o trabalho a partir das experiências, sonhos e ansiedades das pessoas (2) r em oc olocaCom rática? p  Faça entrevistas apreciativas, em que os participantes conversam sobre suas melhores experiências referentes os temas principais do propósito. São um jeito excelente de começar um encontro de co-criação. Normalmente são feitas em duplas primeiro, depois o conteúdo é compartilhado com grupo inteiro.  Pergunte os stakeholders para compartilhar quais são seus sonhos e ansiedades ao respeito das interações principais que tem a ver com o propósito do trabalho. Olhe juntos para as soluções atuais e identifique quais sonhos e ansiedades não são contemplados. Isso pode ser uma fonte de inovação.  Compartilhe com o grupo o conceito de DART – Diálogo, Acesso, Risco compartilhado e Transparência que são os pilares da metodologia Co-Criação de Experiências do Venkat e Prahalad. Devemos potencializar o DART nas novas interações que desenhamos. Para saber mais sobre Co-Criação de Experiências, veja essa apresentação: http://www.slideshare.net/acoutinho/cocriaco-em-busca-de-inovao-e-novos-modelos-de-negcio 38
  38. 38. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência iss o?O que é Num processo de co-criação vivemos três etapas que precisam ser anfitriadas (veja gráfico no slide 40): • A Fase Divergente, onde começamos com um objetivo claro e criamos orientadores juntos. Exploramos questões, idéias e possibilidades, e geramos alternativas e insights. Nessa fase vivemos discussões abertas entre todos os envolvidos para reunir diversos pontos de vista e começar a encontrar a lógica que permeia a(s) questão(ões) principal(is). 39
  39. 39. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência o?O que é iss • A Fase Emergente, onde o caos prevalece, com muitas idéias e diferentes opiniões. Nesta etapa, muitas vezes predomina o desconforto e parece que estamos perdidos. A fase conhecida como “zona de reclamação”. • E por fim a Fase Convergente, onde o caos vai dando lugar a ordem e uma nova forma emerge. Após um intenso processo criativo, começamos a avaliar alternativas, listar pontos chaves, separar idéias em categorias e com isso chegar a conclusões e soluções.
  40. 40. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência sso que i ça? Por ren ifefaz d – Todas as etapas são importantes para criar novos significados e soluções inovadoras. Sem divergência vamos repetir “mais do mesmo” sem identificar os padrões presentes e não vamos explorar muitas alternativas que consideram o todo. Sem a fase emergente é difícil chegar no “breakthrough” de uma ideia realmente inovadora. Sem a convergência não chegamos num resultado tangível e ficamos no nível de ideias.
  41. 41. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência sso que i ça? Por ren ifefaz d – Este arquétipo vem da natureza, e pode ser interpretado como se fosse um suspiro coletivo do grupo. – Como os arquitetos do processo, é importante que temos consciência deste arquétipo para criar o ambiente e oferecer os estímulos certos para o grupo no momento certo, para que passe por todas as fases.
  42. 42. Fases de co-criação Zona de reclamação 43
  43. 43. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (2) ar o colocCom ática? na pr Na Fase Divergente:  Comece com conversas e dinâmicas que criam uma “base” compartilhada do grupo, que mostra qual “causa” tem em comum e define mais profunda e concretamente o seu propósito coletivo (EX: entrevistas apreciativas, conversas sobre as experiências, sonhos e ansiedades dos stakeholders diversos ao respeito do tema etc). Um “produto tangível” desta primeira etapa é um grupo de premissas para orientar o resto do trabalho. Dinâmicas de círculo, World Café. 44
  44. 44. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (2) ar o colocCom ática? na p r Perguntas poderosas são mais importantes do que respostas nessa fase e são chave para estimular divergência. O Albert Einstein falou: “Se eu tivesse uma hora para resolver um problema e minha vida dependesse dessa solução, eu gastaria 55 minutos definindo a pergunta certa para fazer, porque assim que soubesse a pergunta certa, eu poderia resolver o problema em menos de 5 minutos.” Invista tempo em definir a(s) pergunta(s) poderosas relevante(s) ao seu propósito. 45
  45. 45. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (2) ar o colocCom ática? na pr Crie estímulos para o grupo começar a pensar fora da caixa – dinâmicas lúdicos (EX Espaço Aberto, veja http://www.mycoted.com/Category:Creativity_Techniques#A), referencias de outras empresas e instituições. Uma fonte de novas ideias pode ser para conhecer experiências do tema em ambientes totalmente diferentes do seu (EX corporativo x ONG x artístico x comunitário etc)  Faça colheita das conclusões do grupo ao longo do processo para que torne o conteúdo visível e facilite insights e inovação. 46
  46. 46. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (2) ar o colocCom ática? na pr Na Fase Emergente: Perceba se os participantes “viajaram na maionese” e pensaram fora da caixa. Se não se esforçaram até este ponto, provoque esses sonhos e explique que é normal nessa fase para sentir desconforto por causa do caos e normalmente rola. Mas isso é necessário para chegar em soluções novas e inovadoras. Como o Albert Einstein falou: “Se no primeiro momento uma nova ideia não parece absurda, não há esperança por ela”. 47
  47. 47. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (2) ar o colocCom ática? na pr Crie um espaço de confiança onde as pessoas se sentem à vontade de expressar as ideias mais diferentes. Prepare-se como anfitrião para “segurar o campo” durante essa fase que é conhecida como a “zona de reclamação”. Não entre no caos com os participantes. 48
  48. 48. Criar espaços e estímulos para a vivência das fases: divergência, emergência e convergência (3) ar o colocCom ática? na pr Na Fase Convergente:  Use técnicas participativas de tomada de decisão. Crie espaço para reflexão.  Forme sub-grupos de trabalho para integrar e detalhar os elementos diferentes da(s) soluções. Este é um momento de ação/”triângulos”.  Chame participantes para relatar o que já foi construído e decidido pelo grupo ao invés de um facilitador/anfitrião.  Metodologias participativas como World Café e Círculo são úteis para a fase de convergência. 49
  49. 49. Buscar harmonia entre caos e ordem (2) so? Oq ue é is – Caos: O espaço criativo da incerteza, onde acontecimentos espontâneos, o improviso e o imprevisível ocorrem. Excelente lugar para o surgimento do novo, porém a falta de pragmatismo impede que haja continuidade e concretização de ações e planos, tornando difícil a estabilidade de formas. – Ordem: O espaço regular da previsibilidade, onde os padrões se repetem. Ótimo para ações práticas, mas o excesso de rigidez pode podar a imaginação e impedir a fertilidade – O “caminho caórdico” é quando há caos e ordem simultaneamente, em harmonia. – A imagem em seguida explica visualmente esse modelo em mais detalhes. 50Fonte: parte do texto adaptado do http://www.cocriar.com.br/nosso-trabalho/inovacao-organizacional/modelo-
  50. 50. Buscar harmonia entre caos e ordem (2) Quando conseguirmos criar espaços e processos de caord (caos e ordem so ue is a? simultaneamente na medida certa) libertarmos auto-organização, Porq renç ife faz d criatividade e inovação na realização de resultados tangíveis e intangíveis.  Use metodologias participativas (EX World Café, Espaço Aberto) Com que buscam criar caord no processo do grupo. o na p colocar Reflita sobre o processo e as dinâmicas que você está propondo – rátic a? quanto de caos e quanto de ordem está presente? 51Fonte: parte do texto adaptado do http://www.cocriar.com.br/nosso-trabalho/inovacao-organizacional/modelo-
  51. 51. Buscar harmonia entre caos e ordem (2)Fonte: http://www.cocriar.com.br/nosso-trabalho/inovacao-organizacional/Passos-Cardicos Fonte da imagem: http://www.cocriar.com.br/nosso-trabalho/inovacao-organizacional/modelo-caordico 52
  52. 52. Divertir-se! Isso é uma postura, atitude que incluí criar uma experiência leve, so? Oq ue é is criativa e lúdica para todos envolvidos. Não é necessário ter um ambiente formal para realizar resultados Po faz rque i dife sso sérios. Num ambiente descontraído e divertido as pessoas se entregam ren ça? e estão mais presentes.  Divertir-se!  ar oc oloc  Pense em como pode tornar o processo/os encontros mais lúdicos.Com rática? na p  Aproveite a energia do grupo – sempre tem pessoas com esse olhar naturalmente do grupo. 53
  53. 53. Cases de Co-Criação Recursos Humanos,Banco Santander Brasil
  54. 54. Introdução Este documento é uma compilação de projetos de co-criação que tem sido implementados na vice- presidência de Recursos Humanos entre 2009 e julho de 2011. São todos projetos focados no nível de processos – no desenho de novos produtos e serviços de RH. Fonte: Adigo
  55. 55. Papeis e responsabilidades Cada projeto teve uma governança diferente e customizada – os papeis e responsabilidades importantes para facilitar o processo. Pensamos em quem das pessoas que identificamos queremos convidar para ter qual papel. Esses papeis devem ser transparentes para todos os envolvidos no trabalho. A pesar de ser processos, em geral há 5 papeis principais à serem divididos entre 2 ou mais grupos de pessoas (os cases se referem diferentes de divisão destes papeis):A. Desenhar e conduzir o processo de co-criaçãoB. Participar no(s) encontro(s) de co-criação, trazendo várias perspectivas diversas e desenvolvendo ideias/propostas para realizar o propósitoC. Preparar o(s) relatório(s) de colheita entre encontro(s) para alimentar o processoD. Tomar decisão sobre quais ações serão implementadas / validar propostasE. Implementar as ações escolhidas / validadas
  56. 56. Lista de cases1. Atração e desenvolvimento de jovens – “Plataforma Caminhos e Escolhas”2. Modelo educativo – “Nosso Jeito de Aprender”3. Engajamento organizacional – “Oficina RhEvolução”4. Programa de desenvolvimento Global Business & Markets - “Conecta e Aprende”5. Gestão de desempenho6. Programa de mentoring7. Gestão de pessoas
  57. 57. 1. Atração e desenvolvimento de jovens – Plataforma de Caminhos e EscolhasNecessidade Com a integração dos dois bancos, queríamos repensar o jeito de atrair, selecionar e desenvolver jovens. Será que o programa de trainee tradicional é a melhor forma? Combina com as características e expectativas das novas gerações? Ainda atende as necessidades da empresa? Como fortalecer a marca com o público jovem?Propósito Co-criar com os stakeholders chave uma proposta de um programa inovador que crie espaço e proporcione experiências para que novos jovens talentos possam realizar o seu potencial ao longo da sua carreira, potencializando os resultados sustentáveis do Grupo Santander Brasil e o impacto na Sociedade.Pessoas Universitários (AIESEC, Empresas Juniores); funcionários do Banco com perfis diversas (trainees e ex-trainees, gestores, consultores internos de RH, Divisão Universidades); consultores externos que trabalham com jovens e jovens empreendedores (30 pessoas em total).Papeis e Um grupo de trabalho de profissionais de DO e Educação desenhou e conduziu o encontro de co-criação com os convidadosProcesso listados acima (A) em abril, 2009. Depois do Encontro de Co-Criação, que durou 2 dias (B), teve um grupo de trabalho interno de DO que reviu todas as propostas que saíram do Encontro e preparou uma proposta final (C) para a aprovação do Comitê de RH (D). A implementação foi coordenada por DO e envolveu 3 Diretorias diferentes do Banco (E) e parceiros externos. A aprovação final do projeto demorou 6 meses, como a implementação até lançamento.Resultados / Um novo paradigma de como atrair, selecionar, contratar e desenvolver jovens. A plataforma Caminhos e Escolhas é aprodutos ferramenta básica que cria um ambiente de interação e permite a gestão de todo o processo de relacionamento social. Foi lançada em abril com objetivo de oferecer orientação de carreira para jovens; recriar a forma como o Banco se comunica, atrai e desenvolve os jovens; fortalecer imagem da marca junto ao publico jovem/ universitário como organização que oferece oportunidade de estágio, trabalho, treinamento, desenvolvimento, e troca de experiências. Numa 2ª fase a plataforma será combinada com ações presenciais (EX Workshops de Carreira e visitas ao Banco). O projeto, que traz benefícios para várias áreas do Banco (EX Recrutamento e Seleção, Universidades, Marketing, Desenvolvimento Sustentável), já saiu várias vezes na mídia e ganhou o 2010 Prêmio de Sustentabilidade e Inovação do Banco Santander Brasil. (Veja a apresentação em anexo para mais descrições da Plataforma).Lições A importância de entender os sonhos e as ansiedades dos jovens para repensar o jeito de atrair, selecionar e desenvolveraprendidas / jovens. Optamos por não analisar o programa existente para não limitar a criatividade do processo. Conseguimos criar oobservações sentimento de pertencer com os universitários em pouco tempo. Implementar um projeto que quebra paradigmas demora mais tempo e necessita uma relação de muita confiança com os parceiros internos e externos.Quer saber Área de Desenvolvimento Organizacional - Eliane Dilinski - eliane.dilinski@santander.com.brmais? www.caminhoseescolhas.com.br 58
  58. 58. 2. Modelo educativo - Nosso Jeito de AprenderNecessidade Com a integração dos dois bancos, a área de Educação queria repensar, à luz do Nosso Compromisso e Modelo e Visão de Futuro de RH, o Modelo Educativo (estrutura e conteúdo) que foi criado no Banco Real em 2006.Propósito À luz da nova identidade do Grupo Santander Brasil e de RH, desenvolver uma ferramenta prática para orientar e apoiar a educação e o desenvolvimento das pessoas no Banco. <Ao longo do processo esse objetivo evoluiu>Pessoas Os gestores de Educação e DO indicaram 1-2 pessoas das suas equipes para participar na 1ª onda de co-criação do projeto. Buscamos representar todas as equipes e ter pessoas com origem nos dois bancos. Na média 15 pessoas participaram nos encontros de co-criação (não sempre as mesmas). Todo mundo da área foi convidado para participar na 2ª onda.Papeis e Um Grupo de Trabalho de Educação, com a ajuda de uma consultoria (CoCriar), desenhou e conduziu os 8 Encontros de Co-Processo Criação com o grupo maior ao longo dos 4 quatro meses (dezembro, 2009 à março, 2010) da 1ª onda do projeto (A, B). Cada encontro foi de 4 horas. O Grupo de Colheita, composto de voluntários e os membros do Grupo de Trabalho, se encontrou durante os Encontros de Co-Criação para ajudar a facilitar a convergência ao longo do processo (C). O grupo de colheita trouxe propostas para o Grupo de Co-Criação validar (D) até o produto final saiu. A 2ª onda, de implementação, também foi co-criada com a capacitação de voluntários do Grupo de Co-Criação para conduzir oficinas de sensibilização com seus outros colegas da área. No fim dessa oficina interativa os participantes co-criam uma “Cocriárvore de Aprendizagem” para continuar a implementação dos princípios de aprendizagem (E).Resultados Nosso Jeito de Aprender - Propósito e Princípios de Aprendizagem para orientar os profissionais de Educação e DO, nossos fornecedores e todos os funcionários. Um time de multiplicadores capacitados para conduzir uma oficina de sensibilização sobre Nosso Jeito de Aprender para o resto do time de RH etc. Materiais interativas para facilitar essa oficina. Uma área de pessoas engajada e alinhada em volta desses princípios e sua aplicação.Lições A importância de ser flexível e se adaptar o ritmo do grupo (o desenho inicial do processo era para 4 encontros!). Osaprendidas / resultados intangíveis foram muito importantes neste processo. O papel do grupo de colheita foi essencial, especialmenteobservações porque não sempre os mesmos participantes . O uso de várias metodologias participativas nos encontros (EX espaço aberto, círculo, entrevista apreciativa, arte).Status atual O time de facilitadores voluntários, que participaram da co-criação do Proposito e Principios de Aprendizagem estão facilitando sessões extras da Oficina Nosso Jeito de Aprender para os novos funcionários de Produtos e Serviços de RH. Além disso estamos planejando um encontro com o grupo de trabalho para decidirmos como será feita a primeira colheita dos “frutos” gerados na “Cocriárvore”.Quer saber Materiais Disponíveis: apresentações com fluxos dos Encontros de Co-Criação, propósito e princípios de aprendizagem,mais? fluxo e materiais da oficina de sensibilização Área de Educação – Felipe Loberto - felipe.loberto@santander.com.br 59
  59. 59. 3. Engajamento organizacional - Oficina RhEvoluçãoNecessidade Em novembro de 2009 a Visão de Futuro de RH (VFRH) foi lançada para toda VP de RH. O Núcleo de Comunicação de RH percebeu a necessidade de sensibilizar o time de RH sobre este “livreto vermelho” então pediu a ajuda da equipe de Educação.Propósito Co-criar o processo de sensibilizar toda a equipe sobre a Identidade e Visão de RH para que possamos construir juntos essa transformação.Pessoas Os funcionários, estagiários e terceiros que trabalham na VP de RH (aproximadamente 300 pessoas).Papeis e Um grupo de trabalho com representantes de Educação , o Núcleo de Comunicação e uma consultoria externa (CoCriar), foi formadoProcesso para desenhar e conduzir o processo de co-criação (A). Todo mundo de RH foi convidado para participar no Grupo de Co-Criação e 18 voluntários aceitaram e participaram no 1º Encontro de Co-Criação em abril, 2010 (B). Fizemos mais 3 encontros com o Grupo de Co- Criação, fechando o fluxo e ambientação da oficina e como íamos convidar os participantes, fazer inscrição, formar multiplicadores e dar conta da colheita das oficinas. Entre os encontros o Grupo de Trabalho preparou as colheitas para alimentar o processo do grupo maior (C). Os Diretos da VP de RH aprovaram a abordagem geral do projeto mas as decisões finais sobre os detalhes da oficina foram aprovadas pelos membros do Grupo de Trabalho (D). Inicialmente membros do Grupo de Co-Criação se voluntariaram para fazer a facilitação e colheita e participaram numa capacitação para este papel. Este Grupo de Multiplicadores, com a coordenação do Grupo de Trabalho, se organizou para realizar a facilitação e colheita das 17 turmas da oficina (E). Ao longo do projeto participantes se interessaram e candidataram para também ajudar com a facilitação e colheita das futuras turmas . Além disso, entregaram lembretes para seus colegas que ainda não tinham feito a sua inscrição para participar na oficina(E). Ao longo do projeto o Grupo de Trabalho facilitou reuniões com os multiplicadores para trocar lições aprendidas e fazer quaisquer mudanças necessárias no fluxo etc da oficina (E).Resultados A avaliação de satisfação e aprendizagem das oficinas foi muito boa (9,6/10,0 na média) com 258 avaliações tabuladas. A oportunidade de fazer facilitação e colheita das oficinas foi única para vários membros do Grupo de Multiplicadores que não são da área de Educação e formamos mais pessoas com a capacidade de facilitar e participar em colheitas. O envolvimento do grupo de co-criação gerou engajamento e orgulho de pertencer. Conseguimos um nível muito alto de adesão na oficina sem reforço de hierarquia (gestor), e sim, usando o engajamento dos participantes em si para incentivar a participação dos seus colegas.Lições A importância de coerência na experiência dos envolvidos. Coerência entre o objetivo, forma e conteúdo do trabalho, por exemplo: oaprendidas / fluxo da oficina foi co-criada com voluntários, usamos auto-inscrição, a facilitação e colheita foram feitas por voluntários, todas asobservações dinâmicas na oficina eram participativas e criaram espaço para os participantes co-criar o conteúdo, a ambientação da oficina foi de uma pizzaria com pufes para deixar as pessoas à vontade e incentivar a sua participação, os próprios funcionários incentivaram a participação dos seus colegas etc. Essa coerência foi percebida e valorizada por todos envolvidos.Status atual Iremos entregar no segundo semestre de 2011 a Oficina para área de Canais. Estamos construindo o “RHEvolução II” será entregue até primeiro semestre de 2012 e terá como tema central o relacionamento entre as pessoas de RH e entre as novas áreas de RH fundamentado nos conceitos do “caórdico” e do “Cuidar” (das pessoas e processos).Quer saber Materiais Disponíveis: guia de facilitador e colheita para as oficinas, fotos da ambientação, relatórios de colheitamais? Área de Educação – Felipe Loberto - felipe.loberto@santander.com.br 60
  60. 60. 4. Programa de Desenvolvimento Global Banking & Markets - Conecta e AprendeNecessidade A equipe de consultoria interna de RH que atende GB&M percebeu a necessidade de envolver pessoas da área na criação de um programa de desenvolvimento customizado para GB&M que pudesse também ser um fator de atração e retenção de profissionais da área e do mercado.Propósito Proporcionar experiências inovadoras e customizadas para desenvolver e reter os profissionais contribuindo para aumentar a competitividade e sustentabilidade do Santander GB&M Brasil.Pessoas Foram identificadas as características diversas do grupo de participantes para convidá-los (EX: tempo de casa, nível hierárquico, área de trabalho dentro do GB&M, etc). Esse perfil foi batido com a lista de indivíduos que vêem conversando sobre este tema de desenvolvimento com os Business Partners. Aproximadamente 50 pessoas foram convidadas sobre este tema de desenvolvimento com os BPs. Aproximadamente 50 pessoas foram convidadas para o kick-off do processo.Papeis e Processo Um Grupo de Trabalho com profissionais de Educação e Consultoria Interna, com a ajuda de uma consultoria externa (CoCriar), desenhou e conduziu o processo (A). O 1º evento foi um kick-off com objetivo de engajar os convidados no projeto de co-criação e definir juntos o resto do processo de trabalho. Fizemos 4 encontros de co-criação (com a participação de 15 pessoas por encontro na média) para entender os princípios de desenvolvimento para este público e as suas ideias para um programa inovador (B). Ao longo do processo o Grupo de Trabalho se reúne para planejar os próximos passos e trabalhar na colheita, com a ajuda de voluntários do GB&M (C). Representantes do Grupo de Co-criação apresentou a proposta final para o Comitê Executivo do GB&M que a aprovou(D). A área de RH fez o detalhamento e a implementação do novo programa (EX alinhamento e adaptação das políticas de treinamento e gestão orçamentária) mas com reuniões de consultoria semanais com o Grupo de Governança, formado por representantes do GB&M. O programa Conecta e Aprende foi lançado no dia 16/6 (10 meses depois do kick-off).Resultados Ao longo do processo já percebemos o envolvimento e engajamento dos participantes no tema (EX: participação ativa nos Encontros de Co-Criação, voluntários no Grupo de Colheita, desejo do grupo para se envolver na gestão do programa na fase de implementação). O resultado tangível é um programa inovador em que os funcionários podem ganhar e gastar “milhas de aprendizagem” com mais autonomia, incentivando protagonismo, gestão compartilhada e aprendizagem com pares.Lições aprendidas A importância de adaptar o processo e os fluxos às características do público porque não há um “tamanho único” (EX: público mais/ observações prático x conceitual, horários de pique no trabalho, melhor jeito de fazer convite – aberto ou um por um). Ao mesmo tempo tem que manter-se aberto para rever seus preconceitos com relação a ele. Aprendemos que com um tema relevante e significativo, um ambiente acolhedor e condução participativa é possível conseguir a participação de qualquer público. Os maiores desafios são na fase de implementação para alinhar as políticas internas e engajar os colegas de outras áreas e fornecedores diferentes que precisam se alinhar e colaborar. Sempre há resistência ao novo.Quer saber mais? Área de Educação - Regina Silva – regina.silva@santander.com.br 61
  61. 61. 5. Programa de MentoringNecessidade Em 2006, o Banco Real implementou um Programa de Mentoring com foco no desenvolvimento de carreira da mulher dentro da organização. O programa foi um sucesso! Mas agora os tempos são outros. Temos uma nova organização, um novo modelo. Ou seja, um novo contexto. Como aplicar o conceito de Mentoring no desenvolvimento de carreira nestes novos tempos?Propósito Co-criar com os stakeholders chave uma proposta de um novo programa de Mentoring para o Santander.Pessoas Um grupo diverso de funcionários (participantes do antigo programa de Mentoring, membros de Grupos de Diversidade, participantes de programas institucionais para jovens talentos, consultores internos de RH e gestores) e coaches e mentores do mercado. 30 pessoas em total.Papeis e Um grupo de trabalho inicial formado de profissionais de DO e Educação desenhou e conduziu o encontro de co-criaçãoProcesso com os convidados listados acima (A). Depois do Encontro de Co-Criação, que durou 1 dia (B), teve um grupo de trabalho interno de DO que reviu todas as propostas que saíram do Encontro e preparou uma proposta final (C) para a validação com LPOs e aprovação dos Diretos da Lilian (D). A implementação foi coordenada por DO e envolveu a área de Educação (E). O Programa foi lançado no primeiro semestre de 2011.Resultados Um Programa de Mentoring focado na criação de uma cultura de autodesenvolvimento, com novas experiências. Além dos pontos fortes do programa que foram reforçados: capacitação e comunicação. Surgiram novas idéias como por exemplo o “Test Drive”. O Programa também ficou mais flexível para atender a demanda de diferentes públicos.Lições A evolução do propósito durante o encontro de co-criação foi importante para esclarecer o objetivo para o grupo e paraaprendidas / estimular que ideias inovadoras emergissem. Baseado na troca de “sonhos e ansiedades” o grupo queria focar no desenhoobservações de um programa de mentoring que ia ser disponível para todos que tem a vontade de participar. Isso gerou uma “equação impossível” para resolver: como criar um programa de mentoring para 50.000 funcionários com poucos recursos. No encontro de co-criação apresentamos 2 cases de benchmarking para estimular o grupo.Status atual Programa está em andamento e hoje conta com a participação de 351 Mentorados e 164 Mentores. O Programa utiliza métodos colaborativos e espaço para relacionamento em rede (Circulo Colaborativo ) Espaço na Intranet que fornece ferramentas como Enquete, Blog e espaços restritos para grupos etc. As ações educativas do Programa se fundamentam mais no valor “Confiança” do que em “Controle”.Quer saber Materiais disponíveis: apresentação com conceito e propostas da co-criação, material do novo programamais? Área de Desenvolvimento Organizacional – Marilene Arabia – marilene.arabia@santander.com.br Área de Educação - Felipe Loberto Silva – felipe.loberto@santander.com.br 62
  62. 62. 6. Gestão de DesempenhoNecessidade Rever o processo atual de gestão de desempenho em função de inputs da pesquisa de engajamento e de feedback da organização sobre a experiência dos funcionários avaliados.Propósito Construir um novo modelo de Gestão de Desempenho que possa apoiar a organização a realizar os desafios atuais e o compromisso com o futuro por meio da co-criação e tendo como ponto de partida as experiências dos indivíduos.Pessoas Grupo multidisciplinar composto por diferentes níveis e áreas do banco. Aproximadamente 20 pessoas mais atuantes.Papeis e Um Grupo de Trabalho, com responsáveis de DO e uma consultoria externa (Symnetics), desenhou e conduziu o processoProcesso (A) e coordenaram a colheita (C). Para criar as premissas do novo modelo de gestão de desempenho, 3 inputs foram buscadas: Entender as Experiências dos Indivíduos (através de 12 entrevistas com funcionários de 10 áreas diferentes e grupos diversos de discussão); Práticas do Mercado (benchmarking com 10 empresas); Outras Práticas (open mind sourcing através de visitas para 8 ambientes não corporativos ). Depois de pesquisar todos esses inputs as pessoas entrevistadas foram convidadas para participar no Grupo de Co-Criação, que fez 4 encontros (x 5 horas) para pensar em soluções inspiradas pelas pesquisas (B). Com a ajuda de uma consultoria de facilitação gráfica (Atrium) este grupo multidisciplinar desenvolveu 3 soluções. A área de DO conseguiu, timidamente, promover mudanças no sistema de Gestão de Desempenho atual (PeopleSoft) que começou a levantar na organização a necessidade de se discutir formas de dar significado ao trabalho das pessoas. foi desenvolvido também um vídeo em forma de story telling com esta pegada para a etapa de contratação de objetivos. As demais mudanças farão parte de um business case e serão implantadas em ondas, provavelmente a partir de 2012.Resultados Elaboração de proposta de princípios e soluções que atendam os princípios para gestão de desempenho na organização. Mudanças no sistema atual.Lições Open mind sourcing com ambientes não corporativos gera novos insights e ideias; Combinação com metodologia Designaprendidas / Thinking com Co-criação de Experiências; dinâmicas bacanas para estimular criatividade; importância de quanto as pessoasobservações que foram convidadas de fato são interessadas no assunto e em participar no processo; convidar um número grande de pessoas, a medida que o trabalho vai avançando algumas pessoas desistem de participar e iniciando com um grupo grande, é mais fácil manter a representatividade. Dificuldades quando envolve questões de tecnologia.Quer saber Materiais Disponíveis: apresentações sobre projeto, soluções sugeridas e solução final, registro gráfico dos Encontros de Co-mais? Criação Área de Desenvolvimento Organizacional – Samanta Müller – samantha.muller@santander.com.br 63
  63. 63. 7. Gestão de PessoasNecessidade Considerando o momento histórico da criação de uma nova cultura após a junção Real e Santander e ainda o resultado da pesquisa de engajamento 2009 onde foi apontado a necessidade de atuar fortemente no desenvolvimento dos gestores de pessoas, foi constituído um grupo para pensar sobre processo de desenvolvimento de gestores de pessoas.Propósito Estruturar um Sistema de Desenvolvimento de Gestores de Pessoas para o Banco, a partir da estruturação do propósito e de princípios de gestão para toda a organização, além de considerar os programas existentes, oriundos dos dois Bancos.Pessoas O grupo de RH Educação Temas Transversais foi identificando pessoas que estavam mais conectadas ou questionando a respeito dos programas de gestão existentes e solicitando a indicação de outras pessoas, até formar um grupo representado por : RH Educação, RH DO, RH Avaliação de Performance, RH Remuneração, LPO’s de diversas áreas, Gestores Administrativo e de Rede (um oriundo Santander e outro Real), Febraban, Consultor Externo. Média de 16 pessoas.Papeis e Um Grupo de Trabalho de Educação, com a ajuda de uma consultoria (CoCriar), desenhou e conduziu (A), 8 Encontros deProcesso Co-Criação com o grupo maior ao longo de 6 meses ( maio até novembro 2010). Cada encontro teve a duração de 3 horas (B). O Grupo de Colheita, composto de voluntários e os membros do Grupo de Trabalho, se encontra ram semanalmente após os Encontros de Co-Criação para ajudar a facilitar a convergência ao longo do processo (C). O grupo de colheita trouxe propostas para o Grupo de Co-Criação validar (D) . Discutimos as possíveis práticas a partir do propósito e dos princípios escritos em colaboração com o grupo e estruturarmos um sistema de desenvolvimento, levando-se em consideração o nível de complexidade dos gestores.Resultados Temos a descrição do Propósito e Princípios de Gestão de Pessoas e identificamos as melhores práticas e possíveis sugestões de ações para conectar este Propósito e os Princípios na Gestão de Pessoas.. Todos os quatro (04) programas de gestão de pessoas estão estruturados com base neste material.Lições A importância de ser flexível e se adaptar ao ritmo do grupo, além de acolher todas as questões trazidas de diferentesaprendidas / fontes. Os resultados intangíveis são muito importantes neste processo. Os membros do grupo passam a ser os grandesobservações divulgadores e incentivadores de melhores práticas de gestão em todo o processo de co criação. O papel do grupo de colheita é essencial, buscando traduzir e “materializar”todos os sentimentos, desejos, expectativas das pessoas. O uso de várias metodologias participativas nos encontros (EX espaço aberto, world café, open space, círculo, entrevista apreciativa, arte).Quer saber Materiais disponíveis: Temos os relatórios de todos os Encontros, assim como podemos contar como está esse processo.mais? Área de Educação: cecilia.barboza@santander.com.br 64
  64. 64. Anexo –Plataforma de Caminhos e Escolhas
  65. 65. Plataforma Santander Caminhos & Escolhas www.caminhoseescolhas.com.br
  66. 66. Plataforma Caminhos & Escolhas – resgatando seu proposito 67 a s um ho lder take ço os s spa m ,u me r co ora ias -cria vad iênc Co ino ex per sam sta pos propo c ione tos o por alen ao long pro ve ns t ial que e jo enc r co m a qu pot ibui par seu n tr do liza ro e co veis rea re ira, ntá na car ste cto sua s su mpa da ado oi sult s il e o s re er Bra and S ant . ade So cied r ree Ca ters n Ce de vem com o Público Jo ma ento rm a de se Relacionar Criar uma nova fo r afo m à lat iona as tar a P c isit esa do Banco e aumen Re la V pr Para fortalecer o relacionamento m iar em o ao publico jove Cr ulo atrativid ade da Marca junt c tudantes e Vín nvolvimento cont inuo de jovens es Promover dese resses de stomizada os inte ate nder de forma cu profissionais e ate idades organizaci onais tras gio s carreira in dividuais e necess Pales stá garantindo E dio e longo prazo tratégicas no mé até Suprir posições es siç e do negócio gó a sustentabilidad
  67. 67. Um conceito inovador A plataforma Caminhos & Escolhas é uma rede social que oferece um espaço com diversas atividades e recursos de apoio à escolha de carreira (jogos, oficinas, tour virtual, chats, foruns, comunidades, miniblog, quis, artigos, etc).  O Santander foi pioneiro neste modelo. Não existe no mercado nacional e internacional uma plataforma similar. N° Usuários cadastrados desde lançamento até Visitas - desde Pageviews Início Desde lançamento 06/Julho/2011 lançamento Caminhos & Escolhas Maio/10 79.800 551 mil 3,2 MM  Número de usuários : média de 150 novos usuários/dia sem qq. divulgação  Contratações de maio/2010 à maio/2011: 351 estagiários e 220 funcionários 68
  68. 68. Santander Caminhos & Escolhas (algumas das atividades) a I e II Trilha de Carreir nte refletir Fazer o participa ectiva de s obre a sua persp o em questões carreira, basead itar áreas que o ajudarão a delim seu de interesse para rofissional, de senvolvimento p confecção de c oncluindo com a o para que um plano de açã e carreira. atinja seus objetivos d
  69. 69. Santander Caminhos & Escolhas (algumas das atividades) Âncoras de Carreira Ajudar o jovem a se conhecer melhor, entender o que mais lhe motiva, quais necessidades e valores que se mostram menos dispostos(as) a abdicar quando confrontado com a necessidade de escolha da carreira.
  70. 70. Santander Caminhos & Escolhas (algumas das atividades) Tour Virtual Uma visão geral sobre os setores típicos de atividades no negócio bancário e a cadeia de valor do business para poder se situar neste mundo profissional. Nesta atividade o usuário consegue conhecer toda a estrutura organizacional do Santander Brasil.
  71. 71. Santander Caminhos & Escolhas (mais atividades) Oficinas ia das áreas Ap resentar o dia-a-d ticas sobre com aplicações prá ade do que foi determinada ativid nte. exposto anteriorme bre área de Na primeira oficina, so simula uma R iscos, o participante um recomendação para tribuir um financia mento, depois de a rating à empresa.
  72. 72. Santander Caminhos & Escolhas (chats mensais com diversos temas) Data Convidado Tema discutido no chat Participantes 07/06/2010 Zoe Fitzgerald Dicas sobre uma carreira multicultural. 73 21/06/2010 Sofia Esteves Processos Seletivos e estrutura de programas de estágio e trainee. 41 Como o jovem pode se aproveitar da conectividade do mundo contemporâneo 21/07/2010 Sidnei de Oliveira 30 para auxiliá-lo na busca de estágios ou novas posições profissionais. 30/08/2010 Reinaldo Bulgarelli Utilizar a singularidade de cada indivíduo para fazer a diferença. 10 Como, entre ganhar dinheiro ou fazer a diferença no mundo, conseguir ficar com 20/10/2010 Felipe Amaral 52 os dois! 20/10/2010 Claudia Rizzo Espiritualidade e Carreira. 111 02/12/2010 Bruna Dias Processos Seletivos. 163 24/02/2011 José Floro A busca de competências para se destacar no Mercado de Trabalho. 23 23/03/2011 Dirceu Miranda Carreira no MERCADO FINANCEIRO. 36 12/05/2011 Fatima Novais O Jovem e seus receios em relação ao futuro profissional. 18 30/05/2011 César Souza Desafio dos Jovens Líderes. 26
  73. 73. Ações plataforma 2010 X 2011 2010 2011 Inscritos Concluiram atividade Jogos de carreira 4 1 29.576 15.228 Tour Virtual 1 - 3.712 1.421 Oficinas das 5 12 9.625 6.709 áreas Foruns abertos 1.027 * Chats 6 12 Artigos 37 24 Comunidades 9 * Quis 8 12 Enquetes 23 24 Entrevistas 6 12 Resposta a 3.753 * chamados 24 Jogo Social foi lançado em abril/2011 (versão beta closed) com objetivo de fazer os usuários Jogo Social 1 atualizações permanecerem mais tempo na plataforma (média diária atual =~8minutos) Encontros 1 5 presenciais • *Depende das sugestões dos usuários 74
  74. 74. Alguns feedbacks jovens via plataforma C&E ELOGIOS • “Estou muito Feliz em estar participando do Santander Caminhos E escolhas, muito bom saber que existe uma organização que se preocupa em apresentar temas importantes que influenciam no dia-a-dia dos colaboradores, Isto só aumenta a credibilidade e motivação de quem espera uma oportunidade para fazer parte desta empresa. Sem falar na troca de experiência que vocês oferecem. Parabéns!! Obrigado”. Luis Pratts, 01/03. • “Boa tarde, A todos da Plataforma Caminhos e Escolhas. Eu estou passando para agradecer as oportunidades que vocês estão nos dando de conhecer os vários seguimentos do banco Santander. Agradecer pelas dicas de sucesso e os valores que vocês estão nos passando a cada dia que navego por essa plataforma. Atenciosamente”. Ana Amélia, 08/03. • “Gostaria de parabeniza los pela plataforma,estou adorando navegar pelos diversos ícones,esta sendo muito esclarecedor.Obrigado pela oportunidade e continuem postando novos artigos.Aprender e poder compartilhar é maravilhoso!!!!!!!”. Anna, 16/03. • “Olá equipe da plataforma Caminhos & Escolhas, Gostaria de parabenizá-los por esse belo projeto, está fantástico! Obrigado por essa ótima chance de adquirir novos conhecimentos, espero poder contribuir ainda mais para a melhoria dessa plataforma”. Pedro Ferreira, 19/03. • “Gostaria de agradecer pela oportunidade do aprendizado, de conhecer um pouco mais do Santander e pelo conteúdo do site, realizei meu cadastramento ontem e já me surpreendi com as entrevistas fóruns e a maneira que o conteúdo e apresentado estou no primeiro semestre da faculdade de administração e o site aborda bastante conteúdo do nosso dia a dia em sala de aula, um exemplo disso e a analise swot, não havia pensado em utilizar em nós mesmo o que usamos dentro de nossa empresa. Parabéns Santander”. Jonathan Rodrigues, 23/03. • “Parabéns a Equipe Santander pela Plataforma. Acabo de participar da Trilha de Carreira e fiquei encantada, pois me identifiquei bastante com as dicas e reflexões (...) Obrigada por dar essas oportunidade de crescimento a mim e a milhares de jovens. PARABÉNS!”. Sara Alves, 29/03. 75
  75. 75. Feedbacks jovens via plataforma C&E SUGESTÕES/RECLAMAÇÕES • “Desabilita as milhas do fórum, porque ultimamente as pessoas digitam qualquer coisa, somente para obter as milhas. Caso não fosse milhado, iria ficar bem melhor, na minha opinião”. Ciro Senna, 01/03. • “Simulador de mercado de ações, como o simulador da www.folhainvest.com.br Uma excelente maneira de apresentar esse mercado para profissionais e futuros profissionais que participam da plataforma. Com o conhecimento e o interesse consequentemente poderia ser formada uma carteira de clientes através da plataforma. Falo isso pois faz parte do desenvolvimento profissional, tenho um projeto voltado para essa área, moro em Florianópolis e aqui as empresas de RH e de integração de estágio são falhas”. Guilherme Netto, 01/03. • “A maioria destes cursos que vocês ministram quase nenhum e em Brasília assim fica difícil participar e juntar milhas”. Marco Aurélio Nunes, 16/03. • “Boa Tarde.Tem surgido nos fóruns muitas dúvidas sobre vagas de empregos e estágios, e maioria são dúvidas repetidas. Acho que seria interessante, que essas dúvidas fossem respondidas por um canal exclusivo, deixando o fórum livre para interação dos participantes, sobre as atividades, notícias, trilhas e comentários diversos. Acredito que seja esse o objetivo da plataforma. Ressalto e parabenizo o Santander pelo grande numero de pessoas que tem a imensa vontade de fazer parte da família Santander”. Wantuir, 20/03. • “Muito boa o programa de estágio, mas deveria constar o curso que tem a vaga para estágio e quantas claramente. Assim evita perda de tempo...”. Luis Silva, 20/03. • “Tenho dificuldade em encontrar amigos na plataforma. Ex:uma pessoa me mandou email, clicando na foto dela, no caso de email, não abre o perfil. Também não consigo encontrar pelo nome na opção buscar. Existe alguma opção? Grata”. Emília Souza, 21/03. • “Vejo que o banco aposta em contratação de estagiários que é uma mão - de - obra barata em relação aos funcionários efetivos.Boa Sorte”. Meg Almeida, 23/03. • “Prezado(a)s, sei que a plataforma oferece várias possibilidades e um retorno maravilhoso, porém gostaria de sugerir um espaço para Feedback com um profissional ou por um relatório sobre nossos pontos fortes e fracos se isso fosse possível, também uma pesquisa de satisfação sobre os rumos da plataforma até para que se possa identificar distorções, corrigir rumos ou mesmo simplesmente enaltecer essa grande plataforma de troca de informações. Obrigado”. Marco Antônio, 29/03. 76
  76. 76. PRÊMIO SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO 2010 – categoria Institucional A plataforma Santander Caminhos & Escolhas recebeu o prêmio Sustentabilidade e Inovação 2010

×