O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

As Ideias Da Escola De Montreal sobre Comunicação

5.576 visualizações

Publicada em

Esta apresentação resume as idéias da Escola de Montreal sobre o poder estruturante da comunicação organizacional

Publicada em: Tecnologia, Diversão e humor

As Ideias Da Escola De Montreal sobre Comunicação

  1. 1. çã o ca ni do u c om ruin s A t ns zaçõe M e ontreal co ni ola d a da E sc rg to o en gan ac iz iona l am r p ens u ç ão O Levy nica ando O Com Arm
  2. 2. A Escola de Montreal • É uma abordagem interpretativa da comunicação organizacional • Estuda a emergência das organizações através da comunicação • Seu principal teórico é James R. Taylor, da Universidade de Montreal (Canadá)
  3. 3. Estrutura teórica • A Escola de Montreal propõe um novo olhar sobre a organização e a comunicação através da compreensão de elementos como: – A produção de sentido (sensemaking) – A co-orientação – A Imbricação – A conversação – A produção de textos – O agenciamento e o posicionamento social
  4. 4. Produção de sentido • O conhecimento não é “transmitido” • O conhecimento é construído interativamente • Processo de produção de sentido em uma organização ou sociedade está sempre vinculado ao processo de interação entre as partes
  5. 5. Competição • Produção de sentido pode ser tanto colaborativa quanto competitiva (diálogo ou polêmica) • Pessoas têm posições apoiadas em versões (accounts) ou visões de mundo • Produção de sentido em uma organização pode resultar na supremacia de algumas versões (accounts) sobre outras
  6. 6. Co-orientação X • O conceito de co-orientação exige a compreensão prévia do que vem a ser a “mais simples unidade concebível da A organização” B • Esta “unidade” organizacional deve envolver mais de um ator Ator A Ator B • Cada ator está empenhado em uma atividade que tem um A B objetivo específico • Os atores relacionam-se entre si • Esta interação torna a unidade X “organizacional” Produto X
  7. 7. Unidades co-orientadas • Fins de uns são os meios de outros • Atores realizam objetivos que não poderiam realizar sozinhos • Existe um objetivo comum – Consumidor <> Comerciante – Médico <> Paciente – Professor < > Estudante
  8. 8. Atores orientados a objeto A1 O1 A6 A2 A5 A3 A4
  9. 9. Objeto é construído • É a interação das pessoas Atores e objeto definem na sala de reunião que mutuamente suas identidades constrói a “identidade” do objeto (apresentação de desempenho de vendas, plano de ação ou novo produto) • A identidade do objeto determina também a identidade de cada um dos atores • Base do processo de formação de identidades é a comunicação
  10. 10. Integração e diferenciação • A co-orientação é, ao mesmo tempo: • Integração • Diferenciação Versão 1 Versão 3 • Cada ator expõe seus pontos de vista, buscando diferenciá-los • Mas o objetivo da reunião é compor uma apresentação final de consenso Versão 4 Versão 2
  11. 11. Sucesso Versão consolidada • Uma co-orientação bem sucedida tende à estabilidade e estabelece contexto material ou social • Processo é estruturante • Cria-se uma versão (account) comum • Forja-se uma nova identidade
  12. 12. Imbricação • Unidade de co-orientação ampliada é a imbricação • Imbricação máxima é a organização
  13. 13. Falhas na imbricação Vamos investir em logística para resolver nossos • Surgem problemas de distribuição problemas quando fins Discordo! de um ator Antes entram em precisamos investir em conflito com automação fins de outro ator • Quando isso ocorre, a co- orientação falha
  14. 14. O papel da comunicação • Comunicação tem papel vital para estabelecer a imbricação e evitar falhas • Diálogo é primordial, mas nem sempre é bem sucedido • Compreende-se em que sentido a comunicação exerce papel de organizar, estruturar, criar
  15. 15. A conversação • A interação entre as pessoas se dá através de conversações • Para a Escola de Montreal, é na conversação que a ação de “organizar” acontece • Finalidade da conversação é a co- orientação
  16. 16. A produção de textos • As conversações produzem “textos” • Textos são uma forma de intercâmbio • Podem ser falados ou escritos • Importante é que: • Texto é parte de um processo Textos criados através • Através de textos pessoas das conversações coordenam ações podem ser a base da formação da • Textos permitem gestão cultura da das emoções organização • Base dos textos é a comunicação
  17. 17. O agenciamento • Através de textos e conversações que levam à co- orientação e à imbricação, a reunião terminou criando um relatório único que vai servir para orientar as ações da empresa
  18. 18. Objeto se torna agente • O novo relatório produzido pela equipe na reunião passa a ser agente de mudanças • A organização estrutura-se • As pessoas passam a novos processos de co-orientação • Novos objetos tornam-se agentes • A organização move-se para o futuro
  19. 19. O nascimento da Gillette • O nascimento da Gillette evidencia claramente o processo de co- orientação gerando textos que vão gerar objetos que vão gerar agenciamentos e fazer surgir assim uma grande King Camp Gillette organização
  20. 20. A co-orientação e a Gillette • King Gillette começa a pensar em um produto descartável depois de trabalhar para William Painter e conhecer a tampinha de garrafa A B Gillette X Painter O que você deve fazer é algo como a tampinha de garrafa, que as pessoas compram, usam, jogam fora e voltam para comprar mais.
  21. 21. Surge a idéia • Formada a idéia do produto ideal, descartável, King Gillette relaciona-se com outro William, William Nickerson, que viabiliza uma solução técnica para a produção de lâminas descartáveis A B Nickerson X Gillette Lâmina descartável
  22. 22. O produto se torna agente • Criado o produto ele se torna agente de mudanças, permitindo que o soldado se barbeasse na trincheira, que os homens se barbeassem em casa, que as mulheres adotassem o produto e que a sociedade assimilasse o conceito da descartabilidade
  23. 23. Pesquisa em comunicação • A Escola de Montreal vislumbra novas oportunidades de pesquisa em comunicação, levando-se em conta a temática aberta pela Teoria da Co- orientação: – Importância da dinâmica das versões na vida da organização – Importância das redes – O papel da produção de sentido (sensemaking) na integração organizacional
  24. 24. Alguns temas para pesquisas • Qual o papel do texto na construção da organização? • Qual o papel da hierarquia e da liderança no processo de construção de sentido? • Como se realiza a administração intercultural e internacional em uma economia global?
  25. 25. Pontos fortes • Os pontes fortes da Teoria da Co-orientação: – A comunicação como atividade organizativa – O papel do invíduo no processo de organização – Organizações como palco da produção de sentido (a imaginização de Gareth Morgan)
  26. 26. Pontos fracos • Os pontos fracos da Teoria da Co- orientação: – A crença de que a co-orientação é sempre um “diálogo positivo” e “construtivo” – A crença de que as organizações podem se redefinir através da mudança de modelos de comunicação
  27. 27. Obrigado! •Armando Levy •Diretor da E-Press Comunicações •www.epress.com.br •Autor do livro: “Propaganda, a arte de gerar descrédito”, editado pela Editora da FGV •Professor da Universidade Metodista de São Paulo •Consultor de empresas e do Núcleo de Formação Profissional da Câmara Brasil Alemanha •Mestre em comunicação pela ECA •E-mail: •armando@epress.com.br

×