 A sociedade feudal era constituída pelos senhores
feudais e pelos camponeses.
 o servo podia trabalhar uma parte do tem...
 A produção mercantil se desenvolveu gradualmente
levando os produtos da economia camponesa (a
produção dos pequenos arte...
 Para Marx (2000), a transformação do capital
comercial em capital industrial deu-se pela
transformação do mero comercian...
 Manufaturas substituído pela produção
industrial (máquinas a vapor).
 Revoluções A revolta dos camponeses contra a
opre...
O início da industrialização esteve
na origem efetiva da formação de
um proletariado urbano,
constituído por trabalhadore...
O modelo taylorista
 “Os princípios da administração científica”, elaborados
pelo engenheiro norte-americano Frederick W....
O modelo fordista
Henry Ford, empresário e fundador da Ford Motor
Company. O fordismo caracterizava-se:
 pela produção em...
 Fabricação em larga escala de produtos padronizados
através de linhas de montagem.
 O que havia de especial em Ford (e ...
 O estancamento econômico do ciclo de acumulação e
as lutas de classes, ocorridas no final dos anos 60 e
início dos nos 7...
A “Acumulação Flexível” ou
o modelo toyotista
 Nova forma de acumulação e de regulamentação
política e social “se apoia n...
 Esse modelo iniciou-se no Japão, nas fábricas da
Toyota Motor Corporation, com Eiji Toyoda, seu
fundador.
 Seu modelo c...
• flexibilidade dos processos de trabalho, dos
mercados de trabalho, dos produtos e padrões de
consumo;
• estruturas organ...
• Flexibilidade e desregulamentação –
sobrecarga de trabalho e desemprego
estrutural – insegurança
• Sindicatos fracos.
• ...
 O trabalho hoje exige criatividade, “autonomia”,
flexibilidade, mas também tem gerado
insegurança, stress e captura da s...
 Na era fordista-taylorista,
havia estabilidade no
emprego; horário
determinado e com tempo
integral; tempos e lugares
de...
REFERÊNCIAS
 ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho: ensaios sobre as metamorfoses e
a centralidade do mundo do trabalho. 6....
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Apresentação revolução industrial
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação revolução industrial

354 visualizações

Publicada em

Através destes slides poderemos entender um pouco mais sobre as mudanças no mundo do trabalho e uma visão histórica do processo produtivo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação revolução industrial

  1. 1.  A sociedade feudal era constituída pelos senhores feudais e pelos camponeses.  o servo podia trabalhar uma parte do tempo na sua parcela de terra e era dono, até certo ponto, da sua própria pessoa  Segundo Leontiev e Ostrovitianov (1988), a economia capitalista originou-se no interior do regime feudal através do capital comercial.
  2. 2.  A produção mercantil se desenvolveu gradualmente levando os produtos da economia camponesa (a produção dos pequenos artesões e camponeses) para o sistema de trocas, o que se denominava de “produção mercantil simples” (Leontiev e Ostrovitianov, 1988, p.56).  As manufaturas, empresas capitalistas que empregavam os operários assalariados que exerciam funções manuais.
  3. 3.  Para Marx (2000), a transformação do capital comercial em capital industrial deu-se pela transformação do mero comerciante em capitalista industrial, ou seja, o fabricante, que produz suas mercadorias, passa a comprar sua matéria prima e a comercializar seu produto.  É o comércio que dá origem à transformação da produção agrícola feudal numa produção capitalista, ao transformar o produto em mercadoria, ou seja, ao imputar-lhe, além do valor de uso (presente na relação agrícola), um valor de troca.
  4. 4.  Manufaturas substituído pela produção industrial (máquinas a vapor).  Revoluções A revolta dos camponeses contra a opressão dos senhores feudais foi utilizada pela burguesia para deflagrar as “revoluções burguesas”.  Assalariamento surge com o desenvolvimento da industrialização e com o processo de urbanização, a partir da segunda metade do século XIX, mas chega ao auge, segundo o autor, na segunda metade do século XX (Castel, 1998).
  5. 5. O início da industrialização esteve na origem efetiva da formação de um proletariado urbano, constituído por trabalhadores assalariados, que viviam dos frutos do seu trabalho nas indústrias.
  6. 6. O modelo taylorista  “Os princípios da administração científica”, elaborados pelo engenheiro norte-americano Frederick W. Taylor, em 1911.  Ênfase à intensificação da divisão do trabalho: Produção (trabalho manual) X Elaboração (trabalho intelectual)  Cada um executando uma parcela ou “migalha” da fabricação → aumento do ritmo de trabalho através da eliminação de atividades que desperdiçam tempo.  Submissão do operário a um trabalho rotineiro, irreflexivo e repetitivo, reduzindo o trabalhador apenas a gestos mecânicos.
  7. 7. O modelo fordista Henry Ford, empresário e fundador da Ford Motor Company. O fordismo caracterizava-se:  pela produção em massa de produtos mais homogêneos;  pela existência do trabalho parcelar e da fragmentação das funções (cronômetro);  pela separação entre execução e elaboração no processo de trabalho e  pela existência de unidades fabris concentradas e verticalizadas, consolidando o “operário massa”.
  8. 8.  Fabricação em larga escala de produtos padronizados através de linhas de montagem.  O que havia de especial em Ford (e que em última análise distingue o fordismo do taylorismo) era a sua visão, seu reconhecimento explícito de que produção de massa significava consumo de massa.  Produção em série de mercadorias de forma mais homogeneizada e verticalizada (esteira),  Tarefas simples e repetitivas – facilitava também o processo de seleção e de treinamento.
  9. 9.  O estancamento econômico do ciclo de acumulação e as lutas de classes, ocorridas no final dos anos 60 e início dos nos 70, colocaram a “estabilidade” do domínio do capital em crise.  No fordismo/taylorismo, eram comuns as queixas e resistências dos trabalhadores sobre o trabalho rotineiro e monótono, críticas ao embotamento e à “simplificação” do trabalho operário que, destinado a apertar botões e ativar circuitos, era visto como um apêndice da máquina, como apenas mais uma engrenagem.
  10. 10. A “Acumulação Flexível” ou o modelo toyotista  Nova forma de acumulação e de regulamentação política e social “se apoia na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo  implicou uma intensificação dos processos de trabalho e uma aceleração na desqualificação e requalificação necessária ao atendimento de novas necessidades de trabalho.
  11. 11.  Esse modelo iniciou-se no Japão, nas fábricas da Toyota Motor Corporation, com Eiji Toyoda, seu fundador.  Seu modelo compreende a utilização de estruturas organizacionais mais horizontalizadas, menos compartimentalizadas e trabalhadores que operam simultaneamente com várias máquinas, o que permite o aumento da produção com um menor número de funcionários.
  12. 12. • flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo; • estruturas organizacionais mais horizontalizadas; • redução da rotina e da dicotomia elaboração/execução; • produção em pequenos lotes, produtos diversificados atendendo a demanda; • produção de estoque mínimo; • controle de qualidade total; • liofilização; downsizings, reengenharia.
  13. 13. • Flexibilidade e desregulamentação – sobrecarga de trabalho e desemprego estrutural – insegurança • Sindicatos fracos. • Investimento em sua qualificação – garantir sua empregabilidade.
  14. 14.  O trabalho hoje exige criatividade, “autonomia”, flexibilidade, mas também tem gerado insegurança, stress e captura da subjetividade do trabalhador.  Conforme Fontes (2005), as jornadas se alongam, não mais sob o comando direto do capital, mas sob sua lógica econômica – internalizada também pelos próprios trabalhadores, ao custo de incalculável sofrimento social e psicológico
  15. 15.  Na era fordista-taylorista, havia estabilidade no emprego; horário determinado e com tempo integral; tempos e lugares determinados; e uma hierarquização bem definida entre patrões e empregados.  Políticas públicas que propunham criar sistemas de proteção social e de segurança social.  Na era toyotista, não há obrigatoriedade do tempo determinado, mas ausência ou insuficiência de garantias formais e contratuais.  No lugar de trabalhadores assalariados encontra-se assalariados inseguros, ameaçados pelo desemprego.
  16. 16. REFERÊNCIAS  ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho: ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 6.ed. São Paulo: Cortez, 1999.  ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 7. ed. São Paulo: Boitempo, 2005.  CASTEL, Robert. As metamorfoses do trabalho. In: FIORI, José Luís e LOURENÇO, Marta Skinner de (Orgs.). Globalização: o fato e o mito. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.  FONTES, Virginia. Reflexões im-pertinentes: história e capitalismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2005.  HARVEY, David. Condição pós-moderna. 16ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.  LEONTIEV, Lev. Abramovich e OSTROVITIANOV, Konstantin Vasilevich. Modos de produção pré-capitalistas. São Paulo: Global, 1988. (Universidade Popular).  MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. O manifesto comunista. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. (Coleção Leitura).

×