A EDUCAÇÃO ​À LUZ DO DIGITAL
O Olhar da Investigação
26 NOV | 17h30-19h30
Maria João Gomes, Universidade do Minho
Balanskat, A. (2013). Introdução de Tablets nas Escolas: Avaliação
do Projeto-Piloto de Tablets Acer-European Schoolnet. B...
UNESCO (2013). Diretrizes de políticas da Unesco para a
aprendizagem móvel. Brasil: Unesco.
Consultado em Novembro 16, 201...
Johnson, L., Adams Becker, S., Estrada, V., & Freeman, A. (2015). NMC
Horizon Report: Edição Educação Básica 2015. Austin,...
Lagarto, J. R. & Marques, H. (2015). Tablets e Conteúdos
Digitais: Mudando paradigmas do ensinar e do aprender.
Projeto Ma...
Attewell, J. (2015). Designing the Future Classroom: BYOD Bring Your
Own Device A guide for school leaders. Brussels: Euro...
O que temos…
• Muitas ideias para implementar…
• Uma primeira sistematização de:
• temáticas associadas à discussão da
pro...
Porque razão as escolas aderem
a projetos envolvendo os tablets?
…Surge uma iniciativa ou concurso com origem nas entidade...
Porque razão as escolas aderem
a projetos envolvendo os tablets?
Às vezes…
percebemos que precisamos de modificar as
nossa...
Paraosdecisorespensarem...
• Está a escola recetiva e preparada para a introdução dos tablets?
• Quem vai liderar/coordena...
Eosprofessores…?
• Criar condições para uma “apropriação” pessoal e profissional dos tablets por
parte dos professores.
• ...
Ensinar com os tablets…?
• O espaço físico da “sala de
aula”.
• Desenho de abordagens de
ensino | cenários e
atividades de...
Algumas recomendações
identificadas…
• Assegurar que professores e alunos
tenham o seu próprio dispositivo.
• Investimento...
Algumas recomendações
identificadas…
• Assegurar oportunidades de
formação dos professores numa
lógica de desenvolvimento
...
BYOD – Bring Your Own Device
Own Your Own Device – OYOD
1:1
1 dispositivo – 1 professor
1 dispositivo – 1 aluno
1 disposit...
http://digitallearningteam.org/2012/06/07/the-samr-model-enhancing-
technology-integration/
http://creative.eun.org/
http://creative.eun.org/
http://fcl.eun.org/
http://itec.eun.org
Obrigada pela atenção… Maria João Gomes – mjgomes@ie.uminho.pt
Centro de Investigação em Educação – Universidade do Minho
...
A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes
A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes
A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes
A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes

232 visualizações

Publicada em

Apresentação eletrónica utilizada pela Prof.ª Doutora Maria João Gomes, Universidade do Minho, durante a sua intervenção no painel "A Educação à luz do digital: o olhar da investigação", que teve lugar nas instalações da Fundação Portuguesa das Comunicações, no dia 26 de novembro de 2015.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Educação à luz do digital: o olhar da investigação - Maria João Gomes

  1. 1. A EDUCAÇÃO ​À LUZ DO DIGITAL O Olhar da Investigação 26 NOV | 17h30-19h30 Maria João Gomes, Universidade do Minho
  2. 2. Balanskat, A. (2013). Introdução de Tablets nas Escolas: Avaliação do Projeto-Piloto de Tablets Acer-European Schoolnet. Brussels: European Schoolnet. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1MDUYBk Bannister, D. & Wilden S. (2013). Tablets and Apps in Your School: Best practice for implementation. Oxford: OUP. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1MSlox6
  3. 3. UNESCO (2013). Diretrizes de políticas da Unesco para a aprendizagem móvel. Brasil: Unesco. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1JyFvOo Geist E. (2014). Using Tablet Computers with Todlers and young Preschoolers. Young Children, 58-63. Consultado em Novembro 16, 2015, http://bit.ly/1SloDRn
  4. 4. Johnson, L., Adams Becker, S., Estrada, V., & Freeman, A. (2015). NMC Horizon Report: Edição Educação Básica 2015. Austin, Texas: The New Media Consortium. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1SloBc2 Panzavolta, S., Lotti, P. & Engelhardt, K. (2014). Tablet Computers and Learners with Special Educational Needs: SENnet Project Thematic Report No. 3. Brussels: European Schoolnet. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1NNlpXq
  5. 5. Lagarto, J. R. & Marques, H. (2015). Tablets e Conteúdos Digitais: Mudando paradigmas do ensinar e do aprender. Projeto ManEEle. Porto: Universidade Católica Editora. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1LAxYPL Techknowledge for Schools (2015) Research Overview 2015.Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1SlozAZ
  6. 6. Attewell, J. (2015). Designing the Future Classroom: BYOD Bring Your Own Device A guide for school leaders. Brussels: European Schoolnet. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1SlqdTk Bannister, D. (2015). Exploring the Creative Use of Tablets in Schools: Observation visits final report. Brussels: European Schoolnet. Consultado em Novembro 16, 2015, em http://bit.ly/1Iu5Dtu
  7. 7. O que temos… • Muitas ideias para implementar… • Uma primeira sistematização de: • temáticas associadas à discussão da problemáticas dos tablets como “ambientes” de aprendizagem; • “lições práticas” decorrentes de projetos já realizados e em curso, transposta em relatórios publicados nos últimos anos; • alguns resultados de investigação; • muitas dúvidas e algumas reflexões sobre o que urge investigar
  8. 8. Porque razão as escolas aderem a projetos envolvendo os tablets? …Surge uma iniciativa ou concurso com origem nas entidades centrais da educação… Há um desejo de democratizar o acesso à tecnologia e de promover a o acesso a estudantes que não têm esse acesso nas suas residências… Há a expectativas de que os alunos ficarão mais motivados… “Alguém” surge com um projeto de investigação/intervenção… Acredita-se que o uso de tecnologias melhora a aprendizagem
  9. 9. Porque razão as escolas aderem a projetos envolvendo os tablets? Às vezes… percebemos que precisamos de modificar as nossas abordagens e estratégias de ensino e promover experiências de aprendizagem mais diversificadas, mais inovadoras, mais colaborativas… Outras vezes… são os alunos que entendem que…
  10. 10. Paraosdecisorespensarem... • Está a escola recetiva e preparada para a introdução dos tablets? • Quem vai liderar/coordenar o processo de implementação? • A escola tem infra-estruturas de rede adequadas a um uso regular e alargado dos tablets? • Qual vai ser a política de equipamentos da escola? • A quem, e em que condições, vai ser assegurada a disponibilidade de equipamentos? • Que políticas de segurança e de uso devem ser estabelecidas? • Como vão ser avaliadas as iniciativas de utilização dos tablets?
  11. 11. Eosprofessores…? • Criar condições para uma “apropriação” pessoal e profissional dos tablets por parte dos professores. • Criar uma comunidade que possa discutir e partilhar ideias e vivências. • Assegurar oportunidades de formação formal, não formal e informal. • Qual vai ser a política de equipamentos da escola no caso dos professores? • A quem, e em que condições, vai ser assegurada a disponibilidade de equipamentos? • Que políticas de segurança e de uso devem ser estabelecidas? • Como vão ser avaliadas as iniciativas de utilização dos tablets no que concerne a aprendizagens?
  12. 12. Ensinar com os tablets…? • O espaço físico da “sala de aula”. • Desenho de abordagens de ensino | cenários e atividades de aprendizagem. • Antes das apps. • Apps para estudar | apps para criar | apps para comunicar | apps para colaborar. Aprender com os tablets…? • O acesso no contexto familiar. • Novas formas de aprender | flipped learning | aprendizagem autónoma | aprendizagem colaborativa. • Antes das “apps” • Apps para estudar e apps para criar.
  13. 13. Algumas recomendações identificadas… • Assegurar que professores e alunos tenham o seu próprio dispositivo. • Investimento considerável na escola para um acesso contínuo e estável à rede móvel. • Implementar infraestruturas adicionais. • Necessidade de pensar os investimentos a curto e médio prazo. • Explorar o potencial dos tablets numa perspetiva de “aprendizagem móvel” – anywhere, anytime.
  14. 14. Algumas recomendações identificadas… • Assegurar oportunidades de formação dos professores numa lógica de desenvolvimento profissional e pessoal. • Partilhar, debater e divulgar práticas. • Aprender com os “outros” | Aprender com todos os outros. • Promover o uso saudável das tecnologias. • Promover o uso seguro das tecnologias. • Definir responsabilidades na gestão dos dispositivos. • Definir responsabilidades no apoio em questões de natureza técnica. Envolver toda a comunidade educativa | Ter o apoio dos “pais”.
  15. 15. BYOD – Bring Your Own Device Own Your Own Device – OYOD 1:1 1 dispositivo – 1 professor 1 dispositivo – 1 aluno 1 dispositivo – 1 grupo (par/trio) de alunos
  16. 16. http://digitallearningteam.org/2012/06/07/the-samr-model-enhancing- technology-integration/
  17. 17. http://creative.eun.org/
  18. 18. http://creative.eun.org/ http://fcl.eun.org/ http://itec.eun.org
  19. 19. Obrigada pela atenção… Maria João Gomes – mjgomes@ie.uminho.pt Centro de Investigação em Educação – Universidade do Minho Centro de Competência em TIC na Educação da Universidade do Minho Ana Paula Alves – apaalves@gmail.com Centro de Competência em TIC na Educação da Universidade do Minho Agrupamento de Escolas Dr.º Francisco Sanches

×