Como interpretar uma obra de arte

9.222 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
177
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como interpretar uma obra de arte

  1. 1. COMOINTERPRETARUMA OBRA DE ARTE
  2. 2. QUESTÕES GUIARegras de Análise:1 – Identificar o documento: – Natureza (ilustração, pintura, escultura, fotografia, cartaz, caricatura, etc.). É também importante verificar se a imagem apresentada é uma obra completa ou um fragmento de uma obra mais vasta; – Situação no tempo e no espaço (quando e onde foi produzido); – Autor; – Título/tema;2 – Identificar o contexto histórico no momento da sua produção;3 – Discriminar os elementos figurativos e suas inter-ligações (se acomplexidade da imagem o exigir, decompô-la em sectores ou planos;4 – Interpretar/descodificar o documento numa pequena frase ouparágrafo, a mensagem principal do documento.
  3. 3. VelázquezOs quadros de Velázquez são uma única e fascinantecombinação de qualidades muitas vezes contraditórias:grandeza e realismo, intimidade e distância. Isto explicase, em parte, pela sua posição na corte de Filipe IV deEspanha, a partir de 1623, pelo que teria de observar emanipular exactamente essas qualidades no intenso eartificial meio duma corte real. As meninas é possivelmenteo seu retrato mais empolgante e intrigante. Ao centro, estáa Infanta Margarida, de cinco anos, ladeada pelas damas –las meninas – que dão nome ao quadro.
  4. 4. A OBRA EM ANÁLISEDiego Velázquez: AsMeninas; 1656, 318 x 276 cm;óleo sobre tela; Museu doPrado, Madrid
  5. 5. O AUTOR• Nasceu em 1599 e morreu em 1660• Foi o principal artista da corte do rei Filipe IV de Espanha• Descendente de português, mostrou influências de Caravaggio na sua obra• Foi o retrato que fez de Filipe IV que lhe valeu ser contratado pelo rei em 1623 Auto-retrato, 1643.
  6. 6. O AUTOR• Aperfeiçoou-se executando inúmeros retratos da corte e quadros históricos. As visitas de Rubens despertaram nele o desejo de conhecer a Itália e conseguiu ser enviado em missão oficial a todas as províncias italianas, comprando obras de arte para a coroa espanhola e tomando conhecimento do trabalho dos melhores artistas. Filipe IV, 1624-27
  7. 7. DESCREVENDO A OBRA Em 1º Plano Aia da Infanta Uma segunda aia aparece do lado direito do quadro, como quem aguarda as ordens da criança. Atrás dela, uma freira e um padre conversam na sombra. A presença destas duas personagens é uma lembrança do poder da Igreja naquela que era a mais devota nação católica da Europa. A Futura ImperatrizA Infanta Margarida, futura imperatriz, é a figuraprincipal do quadro. Tinha apenas cinco anosquando As Meninas foi pintado. O Jarro de terracota A aia à esquerda estende um jarrinho de terracota vermelha, numa salva de ouro em direcção à infanta, provavelmente com água fresca perfumada.
  8. 8. DESCREVENDO A OBRA Em 2º Plano Os anões e os palhaços constituem um dos divertimentos da corte e aparecem muitas vezes nos quadros de Velázquez. Logo atrás do cão, Mari Bárbola, outra favorita da corte, com as suas feições carrancudas, serve para acentuar a delicada beleza da Infanta. Nicolasito O bobo da corte, Nicolasito, finge pisar o grande mastim adormecido, pormenor que ajuda a criar uma sensação de espontaneidade no quadro.
  9. 9. DESCREVENDO A OBRA Em 2º Plano Orgulhoso Cortesão Apresentando-se no seu rico traje de cortesão, o pintorespreita orgulhosamente por detrás da tela em Os Pincéisrelação ao casal real. A etiqueta espanhola era Se repararmos nos pincéis que Velázquez estábastante rígida e poucas pessoas seriam a utilizar, vemos que são extremamenteadmitidas desta maneira na intimidade da compridos. O pintor é famoso pelas suas ricasfamília real. No entanto, o artista, em profunda cores harmoniosas e estilo fluído, com longasconcentração, inclina-se para trás e observa e visíveis pinceladas. Desenvolveu umaatentamente os seus modelos, sem pressas e técnica na qual os pormenores são claros asem se deixar distrair pela presença da certa distância, e o comprimento dos pincéisinfanta e do seu séquito. Se repararmos na permitia-lhe apreciar mais rapidamente oatitude ensonada do cão no extremo direito, efeito do seu trabalho.temos a sensação de que estavam todos nasala há muito tempo. Uma grande Tela À esquerda, vemos as costas duma enorme tela, apoiada no seu alto cavalete, mas só podemos especular quanto ao que o artista pinta. O tamanho da tela levou alguns especialistas a sugerir que Velázquez está a retratar-se a si próprio enquanto pinta As Meninas, pelo que se nos apresenta simultaneamente a frente e as costas do quadro.
  10. 10. DESCREVENDO A OBRAEm 3º Plano e/ou Ilusões de Óptica O Camarista Espaço A Ilusão de da Rainha O Homem na escada, no fundo da sala, élarga O artista retratou uma invulgarmente José área docamarista sala, o que responsável pelo Nieto, tecto da da rainha, ajuda a criar a conveniente ilusão real espaço -- umaA das governo da casa de no dia-a-dia. sua poucas qualidadesespelho encerra o espaço e, silhueta perto do que ligam esta obra, que rompe com todos os um funcionário da corte, apropriadamente para moldes estabelecidos, Admirador de Rubens com a época barroca, os ganchos da rainha para os parece apontar para o reflexo do rei e do fundo Os quadros pendurados na parede candelabros conduzem ooolhar para o fundo não no espelho,versão da obra Palastalvez, sem que da incluem uma e Aracne de sala e o último neles. apontar para o espelho parece reparássemos rico e colorido de Velázquez e Rubens. O estilo que contém a imagem do casal real. o seu amor pela cor de perspectiva Auxiliares foram muito influenciados pelas obras-primas de Rubens e Ticiano O jogo do claro-escuro na parede lateral aumenta a ilusão da profundidade do quadro. em existentes na Colecção Real Espanhola, Madrid. Outro quadro chave foi os Esponsais dos Amalfi, que na época também pertencia igualmente à colecção. de Luz Fonte A luz do dia entra por uma janela da parede lateral, mas há outras fontes de luz, que servem para modular as sombras. Não é por acaso que a luz emana da área directamente em frente do quadro, ou seja, do local onde posaria o casal real ou onde nós nos encontramos
  11. 11. DESCREVENDO A OBRA Em 4º Plano Duplo RetratoFilipe IV e a sua mulher estãoreflectidos no espelho ao fundo dasala, sob um cortinado; portanto,deviam estar a posar onde nós, osobservadores do quadro, nosencontramos
  12. 12. BREVE COMENTÁRIO FINALEsta é uma composição de enorme impacto na representação. A Infanta Isabel estáorgulhosamente entre as duas damas de honor, com una anã à direita. Apesar de ser amais pequena, é claramente a figura central, uma das criadas está ajoelhada peranteela, e a outra inclinada na sua direcção, de modo que a infanta de pé, com a sua saiarodada, torna-se o fulcro do movimento. A anã praticamente do mesmo tamanho daInfanta, é tão feia que Isabel parece delicada, frágil e preciosa em comparação com ela.No lado esquerdo, escura e calma, pode ver-se o pintor propriamente dito na vasta tela.Por cima da cabeça da Infante temos o casal governante reflectido no espelho.A estrutura espacial e posicionamento das figuras é tal que o grupo de as meninas emredor da Infanta parecem estar do «nosso» lado, oposto a Filipe e a sua mulher. Não éapenas o desenho que os beneficia, mas também a atenção do pintor que se concentraneles, pois parece estar a trabalhar no seu retrato. Apesar de só se poderem ver atravésdo reflexo do espelho, o rei e a rainha são o verdadeiro foco da pintura para o qual tudoestá dirigido. Como espectadores percebemos que estamos excluídos da cena, pois nonosso lugar está o casal governante. O que parece à primeira vista uma pintura «aberta»Prova ser completamente hermética – uma situação mais intensificada pelo facto de apintura em frente de Velázquez estar totalmente escondida da nossa visão.
  13. 13. BREVE COMENTÁRIO FINALA obra-prima de Velázquez é um quadrosobre a pintura, destinado expressamente àcontemplação do rei. Sem dúvida, comocortesão ambicioso, o artista aproveitou aoportunidade para encorajar o soberano areflectir favoravelmente sobre a posição dopintor oficial dentro da corte.

×