SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
A Revolução Científica e o
  Iluminismo na Europa
Revolução Científica e permanência
              da tradição
Nos séculos XVII e XVIII assistiu-se a uma verdadeira revolução
  científica.

Defendeu-se que o verdadeiro conhecimento da Natureza se
  baseava na observação e na experiência.

Desenvolveu-se o Método experimental – um facto para ser
  válido teria de ser confirmado pela razão e pela experiência.

Deu-se um excecional avanço na matemática, na física e na
  astronomia.
Revolução Científica e permanência da tradição

             Cientistas                  Descobertas

   Galileu ….. (1564-1642)    Prova que a Terra gira à volta do Sol

                                   Elabora um método científico e
   Descartes . (1596-1650)
                                      desenvolve a Matemática

   Harvey ….. (1578-1657)         Descobre a circulação do sangue

   Newton ..... (1642-1727)        Descobre a Lei da Atracção e da
                                        Gravitação Universal
   Buffon …... (1707-1788)
                              Classifica os conhecimentos da Geologia,
                                          Zoologia e Botânica
   Lavoisier .. (1743-1794)
                              Fundador da Química Moderna descobre
                              a composição da água e do ar
Revolução Científica e permanência da tradição
   Barómetro   Termómetro   Criaram-se novos instrumentos
                               científicos.




                                          Máquina de calcular




                               Telescópio de 91cm é um dos dois
    Luneta     Telescópio      únicos       instrumentos  ainda
                               existentes utilizados por Galileu
                               Galilei há 400 anos
Revolução Científica e permanência da tradição

Apesar da revolução científica existia muita resistência à
  inovação:
- Ligada a pequenos grupos de intelectuais

- Maior parte da população era analfabeta e desconhecia as
  descobertas científicas

-    mentalidade religiosa e supersticiosa

- A Igreja, através da Inquisição e Índex, manifestava forte
  resistência pois punham em causa as suas verdades

- Ensino era dominado pela Igreja e pelos seus livros
O ILUMINISMO

• No século XVIII, surgiu na Europa um
  movimento cultural a que se deu o nome de
  Iluminismo.

• Este movimento defendia que os valores
  máximos assentavam na ideia de progresso e
  liberdade, igualdade, tolerância e crença na
  razão.
O ILUMINISMO
                           Princípios do Iluminismo

• RAZÃO
Só a Razão Liberta o Homem da Ignorância da Religião, Igreja e Estado
   Absolutista

• PROGRESSO
Só a Educação dá Progresso à Humanidade
Ignorar o passado a superstição , ignorância e fanatismo

•   FELICIDADE
Ao Homem só compete ser Feliz
A sociedade deve estar organizada de forma a que o Homem seja Feliz


• TOLERÂNCIA
Ao Homem compete lutar pela Igualdade
Igualdade perante a Lei, Justiça, e liberdade de pensamento
O ILUMINISMO
                                   Procuram uma nova Sociedade
    Os Iluministas no
      século XVIII              Impondo-se às forças opressoras como
                                      a Igreja e o Absolutismo



Um novo regime político

Igualdade para todos
                                                    Para a felicidade
                                                           da
Direito à Liberdade religiosa
                                                      Humanidade
Direito à Tolerância
O ILUMINISMO
Difusão das Ideias
                     Principais filósofos iluministas
Cafés
Clubes                    Montesquieu
Salões                    Voltaire
Academias                 Rousseau
Jornais
Livrarias
Enciclopédia
Lojas de Maçonaria
A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES


                      No salão de Madame Geoffrin




 Cafés   A oposição aos iluministas foi severa:
         - muitos foram encarcerados ou exilados
         - as suas obras colocadas no Index ou na fogueira
A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES

                                                 Enciclopédia




        Academias

O filósofo Diderot e o matemático D`Alembert promoveram a publicação da
Enciclopédia, a partir de 1751.
Tratava-se de uma grande obra coletiva, onde se procurava fazer a síntese dos
conhecimentos humanos, de acordo com os ideais iluministas.
A Enciclopédia contribuía para a difusão das novas ideias sobre a sociedade.
A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES
                                                O lema,
                                                "Liberdade, Igualdade, Fraternidade"
- Lojas eram polos de divulgação do espírito
científico, do Conhecimento.

- reunião dos melhores espíritos da época
– filósofos, cientistas, pensadores liberais

-reunem-se para dedicarem seu tempo às
atividades éticas, educacionais, fraternais,
patrióticas e humanitárias

- Em 1717 foi fundada a Grande Loja de
Londres, modelo para as demais.


                                                     Lojas Maçónicas
                                        http://www.youtube.com/watch?v=Put3K0Tp_go
Segundo Voltaire:
- Indique o princípio do
  Iluminismo em evidência.
Segundo Rousseau, refira:
- a quem deve pertencer a
  decisão de escolher os
  governantes.
- como     os     cidadãos
  exprimem a sua vontade.

-    O que entende       por
    soberania popular?
• Quantos poderes      são
  apresentados?

• Porque    devem     estar
  separados?

• Quem exerce hoje, em
  Portugal, os poderes aqui
  referidos?
Ideias iluministas em Portugal
• Portugal, no século XVII e na 1ª metade do século XVIII, era
  um país culturalmente atrasado.

• Para isso contribuíram a ação da Inquisição e do Índex que
  impediram a entrada de novas ideias em Portugal.

• Os estrangeirados, portugueses que estudaram e viveram na
  Europa e tomaram conhecimento das novas ideias,
  procuraram difundi-las em Portugal.

• As propostas vieram, em grande parte, a ser postas em prática
  pelo Marquês de Pombal que, para o efeito, empreendeu
  uma ampla reforma do ensino.
Ideias iluministas em Portugal
    Inquisição                                  Índex

      A repressão e a intolerância marcaram Portugal
               Do que resultou num atraso


                       Estrangeirados


         Portugueses que estudaram no estrangeiro
         E que trazem para Portugal as novas ideias

                    Luís António Verney
                  António Ribeiro Sanches
                 Jacob de Castro Sarmento
Os primeiros movimentos no sentido de uma reforma cultural
       partiram de portugueses fixados no estrangeiro como Ribeiro
       Sanches (médico), Castro Sarmento (médico), Avelar Brotero
       (botânico) e Luís António Verney (pedagogo).




Ribeiro Sanches
                                       Avelar Brotero
                     Castro Sarmento                     Verney
A Reforma no Ensino
        Reformas                       O Marquês de Pombal acabou com
                                       o ensino ministrado pelos Jesuítas



        Escolas das primeiras letras

   Escolas de Gramática Latina, Grega e
                 Filosofia                        Criaram:
                                                  Teatro Anatómico
                                                  Museu de História Natural
            Aula do Comércio
                                                  Jardim Botânico

            Colégio dos Nobres


Reforma da Universidade de Coimbra - novos
               programas
Real Colégio dos Nobres
   Reforma a Universidade de Coimbra dotando-a de novos docentes e de um ensino
renovado, moderno, experimental onde o estudante apreendia a cultura do seu
século.




   Universidade de Coimbra            Biblioteca da Universidade de Coimbra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução CientíficaRui Neto
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalVítor Santos
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundoVítor Santos
 
Caminhos da cultura
Caminhos da culturaCaminhos da cultura
Caminhos da culturacattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoricardup
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Joana Filipa Rodrigues
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugalcattonia
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicodiariohistoria
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoDiogo.Verissimo
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaIlda Bicacro
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismoVítor Santos
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunosVítor Santos
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O IluminismoRui Neto
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano713773
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
Caminhos da cultura
Caminhos da culturaCaminhos da cultura
Caminhos da cultura
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Voltaire
VoltaireVoltaire
Voltaire
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 

Destaque

Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIImmarijose
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiAlan
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIJosé Alemão
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaAlan
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãOHist8
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiCarlos Pinheiro
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialAna Batista
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimentalPablo Aguilar
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientificaTiago Simoes
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Dênis Ribas
 

Destaque (20)

Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
 
RevoluçãO Industrial
RevoluçãO IndustrialRevoluçãO Industrial
RevoluçãO Industrial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
 
A revolução científica
A revolução científicaA revolução científica
A revolução científica
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimental
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 

Semelhante a Revolução Científica e Iluminismo

A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa Duda Pequena
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfCarla Silva
 
A cultura e o iluminismo em portugal face a Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face a EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face a Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face a EuropaPedro Ferreira
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europafabiopombo
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxMatildeGonalves23
 
A confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIXA confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIXSusana Simões
 
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em PortugalIlumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em Portugalluisant
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisVítor Santos
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Edimar Sartoro
 
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos EstudosHist8
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposLucas Campos
 

Semelhante a Revolução Científica e Iluminismo (20)

A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdf
 
A cultura e o iluminismo em portugal face a Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face a EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face a Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face a Europa
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
33 - O iluminismo
33  - O iluminismo33  - O iluminismo
33 - O iluminismo
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
A confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIXA confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIX
 
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em PortugalIlumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
 
O Iluminismo
 O Iluminismo  O Iluminismo
O Iluminismo
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
 
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 
Estrangeirados
EstrangeiradosEstrangeirados
Estrangeirados
 

Mais de HCA_10I

Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
NeoclassicismoHCA_10I
 
Como interpretar uma obra de arte
Como interpretar uma obra de arteComo interpretar uma obra de arte
Como interpretar uma obra de arteHCA_10I
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barrocoHCA_10I
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
RenascimentoHCA_10I
 
Gotico introducao
Gotico introducaoGotico introducao
Gotico introducaoHCA_10I
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade médiaHCA_10I
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte GregaHCA_10I
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geralHCA_10I
 
Prog. hist. cult. artes
Prog. hist. cult. artesProg. hist. cult. artes
Prog. hist. cult. artesHCA_10I
 
Planificacao geral
Planificacao geralPlanificacao geral
Planificacao geralHCA_10I
 
Criterios avaliacao
Criterios avaliacaoCriterios avaliacao
Criterios avaliacaoHCA_10I
 

Mais de HCA_10I (13)

Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Como interpretar uma obra de arte
Como interpretar uma obra de arteComo interpretar uma obra de arte
Como interpretar uma obra de arte
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Gotico introducao
Gotico introducaoGotico introducao
Gotico introducao
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Prog. hist. cult. artes
Prog. hist. cult. artesProg. hist. cult. artes
Prog. hist. cult. artes
 
Planificacao geral
Planificacao geralPlanificacao geral
Planificacao geral
 
Criterios avaliacao
Criterios avaliacaoCriterios avaliacao
Criterios avaliacao
 

Último

AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 

Último (20)

AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 

Revolução Científica e Iluminismo

  • 1. A Revolução Científica e o Iluminismo na Europa
  • 2. Revolução Científica e permanência da tradição Nos séculos XVII e XVIII assistiu-se a uma verdadeira revolução científica. Defendeu-se que o verdadeiro conhecimento da Natureza se baseava na observação e na experiência. Desenvolveu-se o Método experimental – um facto para ser válido teria de ser confirmado pela razão e pela experiência. Deu-se um excecional avanço na matemática, na física e na astronomia.
  • 3. Revolução Científica e permanência da tradição Cientistas Descobertas Galileu ….. (1564-1642) Prova que a Terra gira à volta do Sol Elabora um método científico e Descartes . (1596-1650) desenvolve a Matemática Harvey ….. (1578-1657) Descobre a circulação do sangue Newton ..... (1642-1727) Descobre a Lei da Atracção e da Gravitação Universal Buffon …... (1707-1788) Classifica os conhecimentos da Geologia, Zoologia e Botânica Lavoisier .. (1743-1794) Fundador da Química Moderna descobre a composição da água e do ar
  • 4. Revolução Científica e permanência da tradição Barómetro Termómetro Criaram-se novos instrumentos científicos. Máquina de calcular Telescópio de 91cm é um dos dois Luneta Telescópio únicos instrumentos ainda existentes utilizados por Galileu Galilei há 400 anos
  • 5. Revolução Científica e permanência da tradição Apesar da revolução científica existia muita resistência à inovação: - Ligada a pequenos grupos de intelectuais - Maior parte da população era analfabeta e desconhecia as descobertas científicas - mentalidade religiosa e supersticiosa - A Igreja, através da Inquisição e Índex, manifestava forte resistência pois punham em causa as suas verdades - Ensino era dominado pela Igreja e pelos seus livros
  • 6. O ILUMINISMO • No século XVIII, surgiu na Europa um movimento cultural a que se deu o nome de Iluminismo. • Este movimento defendia que os valores máximos assentavam na ideia de progresso e liberdade, igualdade, tolerância e crença na razão.
  • 7. O ILUMINISMO Princípios do Iluminismo • RAZÃO Só a Razão Liberta o Homem da Ignorância da Religião, Igreja e Estado Absolutista • PROGRESSO Só a Educação dá Progresso à Humanidade Ignorar o passado a superstição , ignorância e fanatismo • FELICIDADE Ao Homem só compete ser Feliz A sociedade deve estar organizada de forma a que o Homem seja Feliz • TOLERÂNCIA Ao Homem compete lutar pela Igualdade Igualdade perante a Lei, Justiça, e liberdade de pensamento
  • 8. O ILUMINISMO Procuram uma nova Sociedade Os Iluministas no século XVIII Impondo-se às forças opressoras como a Igreja e o Absolutismo Um novo regime político Igualdade para todos Para a felicidade da Direito à Liberdade religiosa Humanidade Direito à Tolerância
  • 9. O ILUMINISMO Difusão das Ideias Principais filósofos iluministas Cafés Clubes Montesquieu Salões Voltaire Academias Rousseau Jornais Livrarias Enciclopédia Lojas de Maçonaria
  • 10. A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES No salão de Madame Geoffrin Cafés A oposição aos iluministas foi severa: - muitos foram encarcerados ou exilados - as suas obras colocadas no Index ou na fogueira
  • 11. A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES Enciclopédia Academias O filósofo Diderot e o matemático D`Alembert promoveram a publicação da Enciclopédia, a partir de 1751. Tratava-se de uma grande obra coletiva, onde se procurava fazer a síntese dos conhecimentos humanos, de acordo com os ideais iluministas. A Enciclopédia contribuía para a difusão das novas ideias sobre a sociedade.
  • 12. A DIFUSÃO DO PENSAMENTO DAS LUZES O lema, "Liberdade, Igualdade, Fraternidade" - Lojas eram polos de divulgação do espírito científico, do Conhecimento. - reunião dos melhores espíritos da época – filósofos, cientistas, pensadores liberais -reunem-se para dedicarem seu tempo às atividades éticas, educacionais, fraternais, patrióticas e humanitárias - Em 1717 foi fundada a Grande Loja de Londres, modelo para as demais. Lojas Maçónicas http://www.youtube.com/watch?v=Put3K0Tp_go
  • 13. Segundo Voltaire: - Indique o princípio do Iluminismo em evidência.
  • 14. Segundo Rousseau, refira: - a quem deve pertencer a decisão de escolher os governantes. - como os cidadãos exprimem a sua vontade. - O que entende por soberania popular?
  • 15. • Quantos poderes são apresentados? • Porque devem estar separados? • Quem exerce hoje, em Portugal, os poderes aqui referidos?
  • 16. Ideias iluministas em Portugal • Portugal, no século XVII e na 1ª metade do século XVIII, era um país culturalmente atrasado. • Para isso contribuíram a ação da Inquisição e do Índex que impediram a entrada de novas ideias em Portugal. • Os estrangeirados, portugueses que estudaram e viveram na Europa e tomaram conhecimento das novas ideias, procuraram difundi-las em Portugal. • As propostas vieram, em grande parte, a ser postas em prática pelo Marquês de Pombal que, para o efeito, empreendeu uma ampla reforma do ensino.
  • 17. Ideias iluministas em Portugal Inquisição Índex A repressão e a intolerância marcaram Portugal Do que resultou num atraso Estrangeirados Portugueses que estudaram no estrangeiro E que trazem para Portugal as novas ideias Luís António Verney António Ribeiro Sanches Jacob de Castro Sarmento
  • 18. Os primeiros movimentos no sentido de uma reforma cultural partiram de portugueses fixados no estrangeiro como Ribeiro Sanches (médico), Castro Sarmento (médico), Avelar Brotero (botânico) e Luís António Verney (pedagogo). Ribeiro Sanches Avelar Brotero Castro Sarmento Verney
  • 19. A Reforma no Ensino Reformas O Marquês de Pombal acabou com o ensino ministrado pelos Jesuítas Escolas das primeiras letras Escolas de Gramática Latina, Grega e Filosofia Criaram: Teatro Anatómico Museu de História Natural Aula do Comércio Jardim Botânico Colégio dos Nobres Reforma da Universidade de Coimbra - novos programas
  • 20. Real Colégio dos Nobres Reforma a Universidade de Coimbra dotando-a de novos docentes e de um ensino renovado, moderno, experimental onde o estudante apreendia a cultura do seu século. Universidade de Coimbra Biblioteca da Universidade de Coimbra