As meninas velazquez

4.449 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
108
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As meninas velazquez

  1. 1. Escola Secundaria Inês de Castro 2010/2011 O Barroco
  2. 2. O que é o barroco? O barroco foi um estilo artístico que nasceu em Itália, nos finais do século XVI e que rapidamente se expandiu para outros países europeus, atingindo mais tarde as colónias espanholas e portuguesas da América Latina e da Ásia. De certa forma, foi uma continuação natural do Renascimento porque ambos os movimentos tinham um grande interesse pela Arte da Antiguidade Clássica, com a diferença de expressarem e interpretarem de formas distintas. Ao contrário da simplicidade, moderação, austeridade, equilíbrio e harmonia do estilo renascentista , o barroco caracterizava-se pelo movimento, dinamismo, dramatismo e exagero. Foi considerada uma arte espectacular que nas igrejas, atraía os fiéis, sendo denominada de arte da Contra-Reforma, apesar de também se ter espalhado para os países do Norte da Europa protestante. Acompanhou importantes mudanças sociais, políticas, religiosas e artísticas e estendeu-se á arquitectura, escultura, pintura, literatura, música e teatro.
  3. 3. O barroco em Portugal Em Portugal, o barroco teve os seu desenvolvimento desde os finais do século XVI até meados do século XVIII, tendo o seu desenvolvimento ficando a dever-se principalmente à acção de D. João V e às riquezas que eram trazidas do Brasil. O barroco constitui uma expressão artística adequada à imagem de grandeza e de magnificência de D. João V e ficou conhecido como barroco joanino devido às varias vertentes da produção artística ao longo do reinado do Magnânimo. Era uma arte de corte e de luxo, com os seus efeitos de riqueza e movimento, que tinha como objectivo fascinar e provocar a admiração dos seus súbditos.
  4. 4. Características gerais do barroco  Tendência para a representação realista;  Procura do movimento e do infinito;  Tentativa de integração das diferentes disciplinas artísticas;  Propósito de impressionar os sentidos do observador , baseando-se no princípio segundo o qual a fé deveria ser atingida através dos sentidos e da emoção e não apenas pelo raciocínio;  Procura de efeitos decorativos e visuais, através de curvas, contracurvas e colunas retorcidas;  Grandes contrastes de luz e sombra;  Pintura com efeitos ilusionistas, transmitindo a impressão de ver o céu, devido á profundidade;  Amplitude, contorção, exagerada riqueza ornamental, ausência de espaços vazios e intensidade teatral.
  5. 5. Pintura Barroca A pintura barroca é uma pintura realista, concentrada nos retratos, no interior das casas, nas paisagens, nas naturezas mortas e nas cenas populares. Era caracterizada por:  Composição assimétrica, que se revela num estilo grandioso, monumental, retorcido, substituindo a geometria e equilíbrio da arte renascentista;  Grandes contrastes de cor, como expressão de sentimentos e para intensificar a sensação de profundidade;  Realista, abrangendo todas as camadas sociais;  Escolha de cenas no seu momento de maior intensidade dramática;  A luz não aparece por um meio natural, mas sim projectada para guiar o olhar do observador até ao acontecimento principal da obra;  Dramatismo, exuberância e jogos de luz/sombra com a cor, as formas e a perspectiva.
  6. 6. Diego Velázquez – “Las Meninas” (1656)
  7. 7. Apreciação da obra Esta obra do pintor espanhol Diego Velázquez, de 1656, retrata a Família de Filipe IV, mas denomina-se como “As Meninas” pois representa a Infanta Margarida de Áustria rodeada das suas damas de companhia, amas e crianças e até mesmo do autor do quadro. É uma obra com uma explicação muito controversa, pois não se percebe o motivo porque o pintor esta representado no seu próprio quadro. Dizem que o objectivo era fazer um auto-retrato e não dar tanta importância à Infanta, visto que pintou inúmeros quadros da menina e da família real, acompanhando-os. O espelho que se encontra atrás da Infanta reflecte as imagens de Filipe IV e a sua esposa Mariana de Áustria, mostrando que se encontram de frente às personagens presentes, colocados de modo a que o artista os retratasse. A Infanta destaca-se entre as outras personagens, que representam criados, meninas da corte e crianças que a acompanham, pois talvez tenha vindo de visita para ver a pintura dos reis.
  8. 8. A menina que se encontra no lado direito, tem uma bolsa de moedas que não é muito visível mas que representa cobiça e o menino ao lado representa maldade pois está a bater ao cão presente. As duas senhoras mais atrás são simples criadas. O pintor foi muito hábil em resolver os problemas de composição, perspectiva, luz e cor com o domínio do tratamento de tons e a facilidade em caracterizar as personagens, visto que está representada uma cena no interior de uma sala da corte. A luz presente nesta obra deve-se ao facto de estar um homem, na porta, afastando uma cortina e dando mais luminosidade à tela, quando deixa entrar a luz natural. O movimento, a composição assimétrica e o realismo estão presentes neste obra através do espaço e das personagens. Actualmente encontra-se no Museu do Prado, em Madrid, desde 1819, depois de ter sido salva de um incêndio que atingiu o Palácio Real de Madrid em 1750.
  9. 9. Trabalho realizado por: Catarina Ferreira nº5 11ºE Disciplina: História A Prof.: Carla Teixeira
  10. 10. Trabalho realizado por: Catarina Ferreira nº5 11ºE Disciplina: História A Prof.: Carla Teixeira

×