Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco

1.331 visualizações

Publicada em

Para citar: FV Lopes. Discussão conjunta de três documentos da Direcção-Geral da Saúde sobre prescrição de meios complementares de diagnóstico na gravidez de baixo risco [palestra]: Portimão, Auditório do Centro de Saúde de Portimão, 17 de Setembro de 2014. Diaporama em http://migre.me/lJ1Eo Folha-resumo em http://migre.me/m8xiz

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.331
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco

  1. 1. Discussão conjunta de 3 documentos da DGS sobre prescrição de MCDs na Gravidez de Baixo Risco Francisco Vilaça Lopes, vilaca.lopes@gmail.com, Médico Interno do 2º Ano de Medicina Geral e Familiar Reunião Clínica do Agrupamento de Centros de Saúde do Barlavento Algarvio, Auditório do Centro de Saúde de Portimão, Portugal, 17-9-2014
  2. 2. Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013 Prevenção das Formas Graves de Hemoglobinopatia Circular normativa n.º 18/DSMIA de 07/09/2004 Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco Norma nº 023/2011 de 29/09/2011 actualizada a 21/05/2013
  3. 3. Avaliação do Risco Materno-Fetal Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.2.
  4. 4. Avaliação do Risco Materno-Fetal Índice de Goodwin modificado 0-2: BAIXO RISCO X
  5. 5. Risco Psico-Social José Verdelho Alves, Liliana Carneiro, Pascale Charondière, Ricardina Barroso. Diagnóstico e vigilância da gravidez. In José Nunes et al., editores. MGF2000 – Manual de Medicina Geral e Familiar, versão 0.01. Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral. Disponível em linha: http://csgois.web.interacesso.pt/MGFV001MASTER/textos/23/42_texto.html#4
  6. 6. Avaliação do Risco Materno-Fetal Gravidez Normal / Baixo Risco Médio Risco / Pouco Aumentado Risco Muito Aumentado MEDICINA GERAL E FAMILIAR OBSTETRÍCIA
  7. 7. Consultar os MCDs anteriores ● Tipagem AB0 Rh ● Electroforese das hemoglobinas ● Serologia Rubéola ● Serologia Toxoplasma ● Colpocitologia
  8. 8. Datar a Gravidez ● Data da última menstruação ● Data conhecida da ovulação/concepção ● Data prevista para o parto corrigida por ecografia do 1ºT (11-13S) DUM Concª PFN / FIV DPPc ECO 1ºT
  9. 9. 1ª consulta da gravidez (<13S) Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  10. 10. 1ª consulta da gravidez (<13S) Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Circular normativa n.º 18/DSMIA de 07/09/2004: Prevenção das Formas Graves de Hemoglobinopatia, p.2. (Brasil, África, Índia, Timor)
  11. 11. 11-13 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 1º TRIMESTRE – comprimento crânio-caudal; – frequência cardíaca; – medida da translucência da nuca (valor absoluto e percentil para a idade gestacional); – quantificação do risco de trissomia 21 (baseado na medida de translucência da nuca e na idade materna), usando para este fim uma base de dados informatizada; – anatomia do feto: pólo cefálico, coluna vertebral, estômago, parede abdominal e membros; – corionicidade (definição em caso de gravidez múltipla); – anexos (observação e descrição); – cálculo da idade gestacional a que corresponde o comprimento crânio-caudal e cálculo do risco de trissomia 21. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  12. 12. 11-13 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.4.
  13. 13. 18-20 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  14. 14. 20-22 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 2º TRIMESTRE – contorno craniano e cérebro: estruturas inter-hemisféricas incluindo o cavum do septum pellucidum; ventrículos laterais; plexo coróideu; cerebelo e cisterna magna; – face e pescoço: órbitas, perfil, osso nasal, lábios, maxilares e prega da nuca; – tórax: coração (quatro cavidades, cruzamento das grandes artérias e corte dos três vasos, frequência e ritmo cardíaco), pulmões; – abdómen: parede abdominal, fígado, estômago, intestino, rins, bexiga; – coluna vertebral; – membros superiores: três segmentos; – membros inferiores: três segmentos; – cordão umbilical: inserção e número de vasos; – genitais externos; – enquadramento do observado num padrão de normalidade e referência a eventual patologia identificada. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  15. 15. 24-28 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  16. 16. 30-32 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 3º TRIMESTRE – apresentação fetal; – perímetro cefálico; – perímetro abdominal; – comprimento do fémur; – estimativa ponderal; – parâmetros biofísicos de avaliação do bem-estar fetal; – percentil e referência a eventual patologia identificada. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  17. 17. 32-34 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  18. 18. 35-37 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  19. 19. Registo dos Resultados Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco.
  20. 20. Muito obrigado!
  21. 21. Discussão ● Acreditar nos registos prévios (Toxo etc.)? ● Urina tipo 2 e urocultura em todos os trimestres? ● Creatinina, ácido úrico, ALT/TGP, VHC, CMV, exsudado cervical...? ● Qualidade das ecografias? ● Rastreio combinado do 1º trimestre? ● Colpocitologia na gravidez? ● Electroforese das hemoglobinas na ausência de anemia? ● Etc.

×