Discussão conjunta de 3 documentos da DGS sobre prescrição de MCDs na 
Gravidez de Baixo Risco 
Francisco Vilaça Lopes, vi...
Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco 
Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013 
Prevenção das F...
Avaliação do Risco Materno-Fetal 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2...
Avaliação do Risco Materno-Fetal 
Índice de Goodwin modificado 0-2: BAIXO RISCO 
X
Risco Psico-Social 
José Verdelho Alves, Liliana Carneiro, Pascale Charondière, Ricardina Barroso. Diagnóstico e vigilânci...
Avaliação do Risco Materno-Fetal 
Gravidez Normal 
/ Baixo Risco 
Médio Risco / 
Pouco Aumentado 
Risco Muito 
Aumentado 
...
Consultar os 
MCDs anteriores 
● Tipagem AB0 Rh 
● Electroforese das 
hemoglobinas 
● Serologia Rubéola 
● Serologia 
Toxo...
Datar a Gravidez 
● Data da última 
menstruação 
● Data conhecida da 
ovulação/concepção 
● Data prevista para o 
parto co...
1ª consulta da gravidez (<13S) 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/201...
1ª consulta da gravidez (<13S) 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Circular normativa n.º 18/DSMIA de 07/09/2004: 
Prevenç...
11-13 Semanas 
● Em qualquer Ecografia: 
– número de fetos e placentas; 
– actividade cardíaca; 
– movimentos fetais; 
– b...
11-13 Semanas 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: 
Exames Ecogr...
18-20 Semanas 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: 
Exames Labora...
20-22 Semanas 
● Em qualquer Ecografia: 
– número de fetos e placentas; 
– actividade cardíaca; 
– movimentos fetais; 
– b...
24-28 Semanas 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: 
Exames Labora...
30-32 Semanas 
● Em qualquer Ecografia: 
– número de fetos e placentas; 
– actividade cardíaca; 
– movimentos fetais; 
– b...
32-34 Semanas 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: 
Exames Labora...
35-37 Semanas 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: 
Exames Labora...
Registo dos Resultados 
Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: 
Exa...
Muito obrigado!
Discussão 
● Acreditar nos registos prévios (Toxo etc.)? 
● Urina tipo 2 e urocultura em todos os trimestres? 
● Creatinin...
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco

1.450 visualizações

Publicada em

Para citar: FV Lopes. Discussão conjunta de três documentos da Direcção-Geral da Saúde sobre prescrição de meios complementares de diagnóstico na gravidez de baixo risco [palestra]: Portimão, Auditório do Centro de Saúde de Portimão, 17 de Setembro de 2014. Diaporama em http://migre.me/lJ1Eo Folha-resumo em http://migre.me/m8xiz

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.450
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco

  1. 1. Discussão conjunta de 3 documentos da DGS sobre prescrição de MCDs na Gravidez de Baixo Risco Francisco Vilaça Lopes, vilaca.lopes@gmail.com, Médico Interno do 2º Ano de Medicina Geral e Familiar Reunião Clínica do Agrupamento de Centros de Saúde do Barlavento Algarvio, Auditório do Centro de Saúde de Portimão, Portugal, 17-9-2014
  2. 2. Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013 Prevenção das Formas Graves de Hemoglobinopatia Circular normativa n.º 18/DSMIA de 07/09/2004 Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco Norma nº 023/2011 de 29/09/2011 actualizada a 21/05/2013
  3. 3. Avaliação do Risco Materno-Fetal Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.2.
  4. 4. Avaliação do Risco Materno-Fetal Índice de Goodwin modificado 0-2: BAIXO RISCO X
  5. 5. Risco Psico-Social José Verdelho Alves, Liliana Carneiro, Pascale Charondière, Ricardina Barroso. Diagnóstico e vigilância da gravidez. In José Nunes et al., editores. MGF2000 – Manual de Medicina Geral e Familiar, versão 0.01. Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral. Disponível em linha: http://csgois.web.interacesso.pt/MGFV001MASTER/textos/23/42_texto.html#4
  6. 6. Avaliação do Risco Materno-Fetal Gravidez Normal / Baixo Risco Médio Risco / Pouco Aumentado Risco Muito Aumentado MEDICINA GERAL E FAMILIAR OBSTETRÍCIA
  7. 7. Consultar os MCDs anteriores ● Tipagem AB0 Rh ● Electroforese das hemoglobinas ● Serologia Rubéola ● Serologia Toxoplasma ● Colpocitologia
  8. 8. Datar a Gravidez ● Data da última menstruação ● Data conhecida da ovulação/concepção ● Data prevista para o parto corrigida por ecografia do 1ºT (11-13S) DUM Concª PFN / FIV DPPc ECO 1ºT
  9. 9. 1ª consulta da gravidez (<13S) Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  10. 10. 1ª consulta da gravidez (<13S) Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Circular normativa n.º 18/DSMIA de 07/09/2004: Prevenção das Formas Graves de Hemoglobinopatia, p.2. (Brasil, África, Índia, Timor)
  11. 11. 11-13 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 1º TRIMESTRE – comprimento crânio-caudal; – frequência cardíaca; – medida da translucência da nuca (valor absoluto e percentil para a idade gestacional); – quantificação do risco de trissomia 21 (baseado na medida de translucência da nuca e na idade materna), usando para este fim uma base de dados informatizada; – anatomia do feto: pólo cefálico, coluna vertebral, estômago, parede abdominal e membros; – corionicidade (definição em caso de gravidez múltipla); – anexos (observação e descrição); – cálculo da idade gestacional a que corresponde o comprimento crânio-caudal e cálculo do risco de trissomia 21. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  12. 12. 11-13 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.4.
  13. 13. 18-20 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  14. 14. 20-22 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 2º TRIMESTRE – contorno craniano e cérebro: estruturas inter-hemisféricas incluindo o cavum do septum pellucidum; ventrículos laterais; plexo coróideu; cerebelo e cisterna magna; – face e pescoço: órbitas, perfil, osso nasal, lábios, maxilares e prega da nuca; – tórax: coração (quatro cavidades, cruzamento das grandes artérias e corte dos três vasos, frequência e ritmo cardíaco), pulmões; – abdómen: parede abdominal, fígado, estômago, intestino, rins, bexiga; – coluna vertebral; – membros superiores: três segmentos; – membros inferiores: três segmentos; – cordão umbilical: inserção e número de vasos; – genitais externos; – enquadramento do observado num padrão de normalidade e referência a eventual patologia identificada. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  15. 15. 24-28 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  16. 16. 30-32 Semanas ● Em qualquer Ecografia: – número de fetos e placentas; – actividade cardíaca; – movimentos fetais; – biometria (valores colocados em gráfico de referência para o tempo de gestação e documentados por imagem); – localização da placenta e quantidade de líquido amniótico; – eventuais limitações à qualidade do exame. ● ECOGRAFIA DO 3º TRIMESTRE – apresentação fetal; – perímetro cefálico; – perímetro abdominal; – comprimento do fémur; – estimativa ponderal; – parâmetros biofísicos de avaliação do bem-estar fetal; – percentil e referência a eventual patologia identificada. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2.
  17. 17. 32-34 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  18. 18. 35-37 Semanas Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco, p.10.
  19. 19. Registo dos Resultados Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 023/2011 de 29/09/2011, actualizada a 21/05/2013: Exames Ecográficos na Gravidez de Baixo Risco, p.1-2. Portugal, Direcção-Geral da Saúde. Norma nº 037/2011 de 30/09/2011 actualizada a 20/12/2013: Exames Laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco.
  20. 20. Muito obrigado!
  21. 21. Discussão ● Acreditar nos registos prévios (Toxo etc.)? ● Urina tipo 2 e urocultura em todos os trimestres? ● Creatinina, ácido úrico, ALT/TGP, VHC, CMV, exsudado cervical...? ● Qualidade das ecografias? ● Rastreio combinado do 1º trimestre? ● Colpocitologia na gravidez? ● Electroforese das hemoglobinas na ausência de anemia? ● Etc.

×