INTERPRETAÇÃO DE CURVAS
E LOOPS EM VENTILAÇÃO
MECÂNICA

Dr. Daniel Salgado Xavier
A Ventilação Espontânea






Onda Volumétrica
variável a cada
Incursão respiratória.
Relação I:E – 1:2
Negativação da
...
Relembrando …
Ciclos ventilatórias (VM)


Relembrando:

Disparo – Inicio da fase
inspiratória

Disparo

Ciclagem

Ciclagem – Fim da fas...






Alteração
curva fluxo
com autopeep
Aumento do
esforço
inspiratório
Onda de fluxo
pontiaguda






Decréscimo do Vt
ofertado a uma
pressão constante
Fluxo decrescente
com redução do
fluxo
Onda Pressão
“trapezoida...
ESTUDO GRÁFICO BÁSICO
Interpretação gráfica
básica
Pressão Assisto/Controlada






Rápida subida da
pressão desde a
PEEP até a Pi prédeterminada
Manutenção da Pi até
o t...
Disparo

Ciclagem

•Tempo
•Esforço paciente

Término do Ti

Limitada
Pressão
Dispositivos Pressóricos
Dispositivos Pressóricos


Pressão de pico



Pressão de platô
 A/C

– Volume
 Pausa inspiratória
 Fluxo zero


Peep
O Gráfico de fluxo na modalidade
Assisto-controlada
Particularidades – Curva de fluxo


A parte expiratória do gráfico:





Condições de resistência ao Fluxo
Dados sobre...
O Gráfico de fluxo na modalidade
Assisto-controlada(VCV)






Fluxo cresce
exponencialmente até
alcançar seu valor
det...
Gráficos fluxo/volume e pressão






O Vt pré-definido é
completamente
entregue durante a
fase insp.inicial
Mantêm-se ...
Gráficos fluxo/volume e pressão
ESTUDO GRÁFICO AVANÇADO

Análise dos
padrões
das curvas
(Loops)
Alterações da Complacência



Quando a Cest muda,
os valores de Ppico e
de Platô mudam em
um mesmo delta P
Alterações da resistências das VA
Quando ocorre a
mudança
da
resistência, a Ppico
aumenta e a Pplatô
permanece a mesma
Respiração Espontânea






Tentativa de
respiração
espontânea durante o
ciclo ventilatório
mecânico
Assincronia pcteve...
Dr. Daniel Xavier
Email:
xavierdaniel@hotmail.com
Telefones : ( 092) 84256441 / 3238-2563
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Interpretação de curvas na vm

4.697 visualizações

Publicada em

1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • excelente, so precisava libera para pode salvar m material excelente poderia ser compartilhado por todos.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
223
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • {}
  • Interpretação de curvas na vm

    1. 1. INTERPRETAÇÃO DE CURVAS E LOOPS EM VENTILAÇÃO MECÂNICA Dr. Daniel Salgado Xavier
    2. 2. A Ventilação Espontânea    Onda Volumétrica variável a cada Incursão respiratória. Relação I:E – 1:2 Negativação da pressão por ação diafragmática.
    3. 3. Relembrando …
    4. 4. Ciclos ventilatórias (VM)  Relembrando: Disparo – Inicio da fase inspiratória Disparo Ciclagem Ciclagem – Fim da fase inspiratória e início da fase expiratória Fim expiração
    5. 5.    Alteração curva fluxo com autopeep Aumento do esforço inspiratório Onda de fluxo pontiaguda
    6. 6.    Decréscimo do Vt ofertado a uma pressão constante Fluxo decrescente com redução do fluxo Onda Pressão “trapezoidal” e não retangular
    7. 7. ESTUDO GRÁFICO BÁSICO Interpretação gráfica básica
    8. 8. Pressão Assisto/Controlada    Rápida subida da pressão desde a PEEP até a Pi prédeterminada Manutenção da Pi até o término do Ti Expiração passiva até seu valor basal(PEEP)
    9. 9. Disparo Ciclagem •Tempo •Esforço paciente Término do Ti Limitada Pressão
    10. 10. Dispositivos Pressóricos
    11. 11. Dispositivos Pressóricos  Pressão de pico  Pressão de platô  A/C – Volume  Pausa inspiratória  Fluxo zero  Peep
    12. 12. O Gráfico de fluxo na modalidade Assisto-controlada
    13. 13. Particularidades – Curva de fluxo  A parte expiratória do gráfico:    Condições de resistência ao Fluxo Dados sobre a complacência dos pulmões Modalidade Controlada ou A/C:   Volume: forma de onda quadrada ou cte Pressão: Onda decrescente
    14. 14. O Gráfico de fluxo na modalidade Assisto-controlada(VCV)    Fluxo cresce exponencialmente até alcançar seu valor determinado. Mantem-se cte até que o Vt seja entregue. Em pausa insp. O fluxo é zero.
    15. 15. Gráficos fluxo/volume e pressão    O Vt pré-definido é completamente entregue durante a fase insp.inicial Mantêm-se cte durante a pausa insp Não representa o Volume total nos pulmões  CRF não é computado
    16. 16. Gráficos fluxo/volume e pressão
    17. 17. ESTUDO GRÁFICO AVANÇADO Análise dos padrões das curvas (Loops)
    18. 18. Alterações da Complacência  Quando a Cest muda, os valores de Ppico e de Platô mudam em um mesmo delta P
    19. 19. Alterações da resistências das VA Quando ocorre a mudança da resistência, a Ppico aumenta e a Pplatô permanece a mesma
    20. 20. Respiração Espontânea    Tentativa de respiração espontânea durante o ciclo ventilatório mecânico Assincronia pcteventilador Diminuir T ins ou mudar modo ventilatório
    21. 21. Dr. Daniel Xavier Email: xavierdaniel@hotmail.com Telefones : ( 092) 84256441 / 3238-2563

    ×